EUA PODEM USAR BASE DE ALCÂNTARA PARA LANÇAR MÍSSEIS CONTRA VENEZUELA, DIZ BRIAN MIER


 

Quem faz o alerta é o jornalista Brian Mier, do Brasil Wire, ao comentar o acordo firmado entre Bolsonaro e Trump que permite aos EUA lançar satélites da base de Alcântara, no Maranhão; em análise geopolítica à TV 247, Mier reforça que a visita de Bolsonaro à Casa Branca deixa claro que “o Brasil transformou-se em uma “grande colônia dos EUA”.

“Os Estados Unidos podem usar a Base de Alcântara para lançar mísseis contra a Venezuela”. Quem faz o alerta é o jornalista Brian Mier, ao comentar o acordo firmado entre os presidentes Jair Bolsonaro e Donald Trump, que permite aos EUA lançar satélites da Base de Alcântara, que fica no Maranhão. Em análise à TV 247, o editor do site Brasil Wire reforça que a visita de Bolsonaro à Casa Branca deixa claro que “o Brasil transformou-se em uma “grande colônia dos EUA”.

Ele diz ter “esperança de que alguns personagens da elite brasileira não permitam que esse acordo se estabeleça”. Mier acrescenta que a questão venezuelana será um dos principais temas das próximas eleições presidenciais estadunidenses. “Se Trump começar a perder nas pesquisas, ele irá montar uma guerra para garantir a reeleição, assim como George W. Bush com a guerra do Iraque, garantindo sua vitória”, observa.

Visita de Bolsonaro à CIA

O jornalista condena a visita de Bolsonaro à CIA (Agência Central de Inteligência). “Essa submissão deixa claro que o Brasil não está acima de todos. O Bolsonaro nem visitou a Abin (Agência Brasileira de Inteligência) ainda. O que ele está fazendo lá?”, questiona.

Ele ainda destaca o papel de ingerência da CIA. “Uma pesquisa produzida em Harvard apontou que, entre 1898 e e 1994, a agência de inteligência participou de 44 golpes de Estado. Em média, os EUA derruba um governo latino-americano no período de dois anos e oito meses”, constata.

Ofensa aos brasileiros 

Não satisfeito em entregar o Brasil a preço de Banana, Bolsonaro também fez críticas aos brasileiros imigrantes que moram nos EUA. Em sua visão, a “maioria de imigrantes não tem boas intenções” e também apoia a construção do muro de Trump na fronteira dos EUA com o México.

“Existem oficialmente 400 mil brasileiros morando nos EUA, mas esse número real é de 1 milhão de habitantes. A maioria desses brasileiros voltaram Bolsonaro e agora ele mete a faca nos brasileiros que vivem nos EUA”, observa Mier.

Ele acrescenta que o futuro dos imigrantes nos EUA não é nada positivo e que “obviamente o governo brasileiro não irá fazer nada para protegê-los”. “Já existem esses campos de concentração para imigrantes ilegais. Muitas crianças são separadas dos seus pais e são vítimas de pedófilos, torturas e prisões arbitrárias”, conclui o jornalista. Matéria do Brasil 247.

 

Error, no Ad ID set! Check your syntax!

Estou velha e com a pele enrugada porque não faço plástica, admite Xuxa


Xuxa

 

A apresentadora Xuxa Meneghel concedeu uma entrevista ao youtuber Maicon Santini e falou sobre idade, envelhecimento e opiniões dos outros. “Fico triste quando vejo que as pessoas querem que eu tenha a mesma cara de 20 anos. Isso não tem jeito, não vou ter. Não quero ter a boca da Kardashian, por exemplo”.  Aos 55 anos, ela garantiu estar muito bem resolvida com suas limitações. “O chato é que as pessoas não estão me acompanhando. Muita gente fala: ‘Ela não quer ouvir que eu não gosto dela de cabelo curto’. Não é que não quero ouvir. Amo o cabelo curto, então me aceite. A minha opinião é muito mais importante para mim”, lembrou.

Tô rouca sim, não canto mais naquele tom de antes, claro, estou velha. Sim, estou velha. Minha pele é enrugada sim,  pego muito sol e não faço plástica, não uso botox e não quero. Não tenho mais o corpo que tinha nem a vivacidade. Mas tenho uma pessoa da mesma idade do meu lado que adora todos os meus defeitos e virtudes. Isso é muito importante de passar. Se sou formadora de opinião preciso passar isso”, frisou.

No papo, ela disse que não pretende parar de trabalhar e que planeja viajar pelo mundo com a filha Sasha, que atualmente estuda moda nos EUA. “Acredito que daqui um ou dois anos, quando minha filha estiver formada, gostaria de viajar o mundo. Mas pode ser que minha filha, daqui um ano e meio, decida outra coisa e eu não possa ou queira fazer isso. Ela manda em mim. Em cima disso quero ver como será minha vida. Deixar de trabalhar? Não. É mudar meu ponto de vista. Hoje, ainda quero aprender muito com criança, estar na frente da TV, depois quero outra coisa, mas não deixar de trabalhar. Se deixar de trabalhar ficarei deprimida, triste, chateada e só vivendo do passado. Não quero viver do passado”.

Por fim, Xuxa disse o que pensa sobre os comentários ligados à vida sexual dos famosos. “Deixa fulana dar, é dela. Deixa dar para quem quiser, do jeito que ela quiser. Quem tem alguma coisa a ver com isso? A gente tem a vida pública, mas é até a página 10. Depois não, não é mais vida pública e ninguém tem nada a ver com isso. Sou uma velha senhora e as pessoas precisam conviver com a minha opinião”.

 

 

 

Venezuela adverte Trump e Bolsonaro: “Nenhuma aliança neofascista suplantará a soberania do povo venezuelano”.


 

Governo de Nicolás Maduro acende sinal de alerta depois de reunião entre Bolsonaro e Donald Trump. O presidente brasileiro sinalizou uma aliança com o governo americano e não descartou que o Brasil possa ceder território para uma intervenção militar na Venezuela, liderada pelos Estados Unidos.   

O governo venezuelano condenou as declarações dadas pelo presidente brasileiro, Jair Bolsonaro e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump sobre a Venezuela na última terça-feira (19), durante encontro no Salão Oval da Casa Branca.

Donald Trump e Jair Bolsonaro participaram também de um coletiva de imprensa na qual voltaram a afirmar a intenção de intervenção na Venezuela.

“A Venezuela não pode continuar da maneira como se encontra. Aquele povo tem que ser libertado e contamos com o apoio dos EUA para que esse objetivo seja alcançado”, disse Bolsonaro.

Trump agradeceu o Brasil por ter permitido o uso de suas fronteiras para o oferecimento de ajuda humanitária para a Venezuela. E que o socialismo no hemisfério está em seu momento final.

“O crepúsculo do socialismo chegou em nosso hemisfério e, a propósito, a hora final também chegou ao nosso grande país, que está indo muito melhor do que já foi economicamente. A última coisa que queremos nos EUA neste momento é o socialismo”, disse Trump.

Para o governo da Venezuela, os militares brasileiros, avessos à uma operação no país, seriam o pilar para que não houvesse intervenção. Em especial, o vice-presidente Hamilton Mourão que é tido como uma pessoa com uma visão estratégica mais moderada. O general foi adido militar do Brasil na Venezuela de 2002 a 2004, no primeiro governo de Lula, quando Hugo Chávez era o presidente do país.

Segundo informações da UOL, um dos principais embaixadores venezuelanos admitiu, na condição de anonimato, que a viagem de Bolsonaro nesta semana foi recebida com “extrema preocupação”. A suspeita é de que, em Washington, o presidente americano tenha pressionado Bolsonaro a convencer seus militares da necessidade de uma ação.

“Sabemos que o Brasil tem um presidente instável e que pode querer dar uma demonstração a Donald Trump de que o país está disposto a tudo para agradar ao novo aliado”, disse o diplomata.

O político venezuelano e líder do PSUV (Partido Socialista Unido da Venezuela), William Fariñas afirmou nesta quarta-feira (20) que Estados Unidos sabem que a Venezuela tem aliados estratégicos.

“No caso da Venezuela, a intervenção militar pode gerar uma conflagração global, mas nesta circunstância existem aliados estratégicos. Os Estados Unidos sabem que a Venezuela tem alguns aliados aos quais estão se dirigindo diretamente”, disse Fariñas.

Leia na íntegra a resposta do governo Venezuelano:

O Governo da República Bolivariana da Venezuela condena veementemente as a perigosas declarações do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e do Brasil, Jair Bolsonaro, no dia de hoje, 19 de março de 2019.

É grotesco ver dois chefes de Estado com grandes responsabilidades internacionais fazerem apologia à guerra sem qualquer vergonha, em uma clara violação da Carta das Nações Unidas.

Também preocupa a influência bélica estadunidense sobre o Brasil e as teses supremacistas de Donald Trump sobre Jair Bolsonaro. Sem dúvida os dois presidentes refletem os ideais mais retrógrados para os povos da região, assim como para a paz e a segurança mundial.

O governo venezuelano alerta contra essa ameaça à paz e a segurança internacional, ao mesmo tempo que convoca os povos do mundo a estarem atentos às pretensões de colocar a Amazônia sul-americana ao alcance de forças militares estrangeiras.

O governo bolivariano seguirá trabalhando com base no direito internacional a fim de garantir que a América Latina e o Caribe sigam como zona de paz. Nenhuma aliança neofascista conseguirá suplantar a vontade por independência e soberania do povo venezuelano, tampouco conseguirá espalhar estratégias de ódio e de guerra entre os povos de nossa América.

Caracas, 19 de março de 2019. Fonte Nocaute.

 

 

Policiais baianos vão receber R$ 35,5 milhões por redução de mortes


[Policiais baianos vão receber R$ 35,5 milhões por redução de mortes]

Os policiais militares, civis e técnicos da Bahia que contribuíram de forma direta para a redução de 16% nos índices de homicídio, latrocínio e lesão dolosa seguida de morte receberão uma gratificação de R$ 35,5 milhões do Governo do Estado. O valor faz parte do Prêmio por Desempenho Policial (PDP), ação de reconhecimento promovida pela Secretaria da Segurança Pública (SSP-BA).

A gratificação diz respeito ao segundo semestre de 2018, em comparação com o mesmo período do ano anterior. No ano passado, a Bahia teve 2.542 ocorrências, contra 3.025 em 2017.

O valor será pago a 24,2 mil servidores, sendo 19,4 mil da PM, quase 3,7 mil da PC, 753 do DPT e 342 de unidades diretamente ligadas a SSP. O valor mínimo pago será de R$ 371 e o máximo de R$ 2.476. Fonte Metrô 1.

NINGUÉM QUER ALMOÇAR COM BOLSONARO NO CHILE. SERÁ POR QUE?


 

Depois dos presidentes do Senado e da Câmara chilenos se recusarem a participar do almoço promovido pelo presidente Sebastián Piñera ao presidente Jair Bolsonaro, o deputado democrata-cristão Matias Walker pediu a seus correlegionários que não compareçam ao evento, previsto para ocorrer no sábado, 23; “O problema não é o vestuário com o qual Bolsonaro é recebido: o problema é que o Chile recebe com honra um presidente que apoiou sua liderança com base em um discurso de ódio às minorias. Nenhum parlamentar da oposição deve legitimar sua visita”, escreveu Walker.

 

Após cumprir nos Estados Unidos uma agenda de completa subserviência ao presidente Donald Trump, o presidente Jair Bolsonaro encontra dificuldades em ser recebido por líderes políticos em sua viagem ao Chile, que se inicia nesta quinta-feira, 21.

Depois dos presidentes do Senado, Jaime Quintana, e da Câmara dos Deputados, Iván Flores, se recusarem a participar do almoço promovido pelo presidente Sebastián Piñera a Bolsonaro, o líder do partido Democrata-Cristão, Matias Walker, pediu a seus correlegionários que ninguém compareça ao evento, previsto para ocorrer no sábado, 23.

O deputado DC Matías Walker também aludiu à sugestão de roupas de vestido curto que foram feitas para a ocasião. “O problema não é o vestuário com o qual Bolsonaro é recebido: o problema é que o Chile recebe com honra um presidente que apoiou sua liderança com base em um discurso de ódio às minorias.” Nenhum parlamentar da oposição deve legitimar sua presença sua visita “, escreveu Walker em sua conta no Twitter.

Ao justificar sua ausência no jantar com Bolsonaro, o presidente da Câmara chilena, Iván Flores, criticou o discurso de ódio de Bolsonaro. “Eu não me perco no que significa a representação institucional e o que significa a investidura de um cargo, mas também entendo que no nosso caso e mesmo no caso do presidente Bolsonaro, cada vez que alguém fala, ou cada vez que alguém faz algo, está emitindo sinais e os sinais, alguns que ele emitiu, não são em nosso parecer os que gostaríamos que um chefe de Estado pudesse emitir”, disse Flores (leia mais aqui).

 

Gleici disse que Bolsonaro é o presidente contrário aos interesses dos brasileiros


 

A afirmação acima é da presidenta nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PT-PR), ao lamentar a submissão do mandatário de plantão aos interesses dos Estados Unidos.

Segundo a dirigente petista, Bolsonaro, além de envergonhar o Brasil, continua mentindo como se fosse o boneco Pinóquio.

“Não, Bolsonaro, você não é o primeiro presidente brasileiro não antiamericano nas últimas décadas. Você é somente o presidente mais antibrasileiro de todos os tempos”, fuzilou Gleisi.

Bolsonaro está sendo amplamente criticado, inclusive por apoiadores, por liberar a entrada de estrangeiros — dispensando-os de visto — sem exigir contrapartida para os brasileiros que os visitam. Também mereceu reprovação a abertura de tratamento favorável ao Brasil na Organização Mundial do Comércio (OMC), órgão presidido por brasileiro, para atrelar-se a Donald Trump na OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico).

Além disso, nos EUA, Bolsonaro entregou aos norte-americanos a base de lançamento de foguetes em Alcântara (MA) e ofereceu a Amazônia para a exploração de estrangeiros — dentre outras barbaridades que até Deus duvida. Esmael.

Justiça bloqueia R$ 778 milhões de filho de Eike Batista, Thor


UOL Economia informa que a 1.ª Vara Empresarial da Justiça de Minas Gerais determinou o bloqueio de R$ 778,4 milhões de Thor Batista, filho do empresário Eike Batista, e de mais seis empresas e off-shores da família em ação movida pelo administrador judicial da MMX, antiga empresa de mineração do grupo EBX, que está em recuperação judicial. O objetivo é que os valores bloqueados ajudem a pagar débitos com credores da companhia.

De acordo com a publicação, segundo apurou o jornal O Estado de S. Paulo, a busca dos recursos foi feita a partir de um bloqueio anterior dos bens do próprio Eike, que evidenciou repasses a Thor, tanto em espécie quanto em forma de sociedades em empresas no exterior. O rastreio foi realizado com a ajuda do advogado Rodrigo Kaysserlian, presidente do Instituto Brasileiro de Rastreamento de Ativos.

Procurado Kaysserlian não quis comentar o caso. A defesa de Thor Batista não foi encontrada. Como a decisão é de primeira instância, cabem recursos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo, completa o Portal UOL.

 

Deputada Alice Portugal explica em vídeo como vai ficar o trabalhador. Assista


 

 

 

 

NOTAS INTERNACIONAIS (POR ANA PRESTES) 20/03/19


– A visita de Bolsonaro aos EUA foi um show à parte dos últimos dias. Houve fala contra cidadãos brasileiros imigrantes, jantar com Olavo de Carvalho, chilique de chanceler preterido pelo filho do presidente em audiência com Trump, mas o principal é que houve concessões a perder de vista: com abertura de vistos livres para turistas americanos, com renúncia ao tratamento diferenciado que o Brasil recebe hoje na OMC por ser um país em desenvolvimento, teve fala presidencial de ir “até as últimas consequências” para “ajudar” a Venezuela, teve sabe-se lá que acordo e abertura de dados para CIA e FBI, teve abertura da base de Alcântara, teve aumento da cota de compra de trigo norte-americano (prejudicando produtores brasileiros), e por aí vai…

– Do lado de lá, dos EUA, houve pouca ou praticamente nenhuma contrapartida. Promessas de “ajudar” no ingresso na OCDE, de talvez voltar a comprar carne bovina brasileira após visitas de inspeção, de talvez inserir o Brasil em um programa de viajantes “confiáveis” (com liberação mais rápida de visto por serem de “baixo-risco”) e algumas outras promessas vagas.

– Foi divulgada nota oficial conjunta sobre o encontro entre Trump e Bolsonaro. Temas citados: apoio de ambos ao “autoproclamado” presidente encarregado da Venezuela, Juan Guaidó; reforço do Fórum Permanente de Segurança Brasil-EUA; a isenção de visto de turista para cidadãos dos EUA que entrarem no Brasil; dar início aos “passos necessários” para a participação do Brasil no Programa de Viajantes Confiáveis “Global Entry” dos EUA; a designação do Brasil como “aliado prioritário extra-OTAN” (outros 17 países também são);  acordo de salvaguardas tecnológicas que permitirá os EUA utilizarem a base de Alcântara; estabelecimento de cota tarifária para importação pelo Brasil de 750 mil toneladas de trigo norte-americano com tarifa zero; busca de condições para importação de carne de porco dos EUA; agendamento de visita de representantes dos EUA ao sistema de inspeção de carne de vaca “in natura” do Brasil (para retomar exportação brasileira); negociação de um ARM (acordo de reconhecimento mútuo) para reduzir custos para empresas norte-americanas e brasileiras; criação de um fundo de investimento de 100 milhões para preservação da biodiversidade da Amazônia; criação do Fórum de Energia Brasil-EUA para facilitar comércio e investimentos no setor energético; apoio norte-americano para que o Brasil inicie processo com vistas a tornar-se membro pleno da OCDE (em contrapartida o Brasil se adequará à política norte-americana em relação à OMC).

– Bolsonaro nem chegou ao Chile e já causa polêmica por lá. A visita está prevista para ocorrer amanhã (21) e sexta (22). O presidente do Senado chileno, Jaime Quintana, anunciou que não aceitou convite do presidente Sebastián Píñera para almoço que será oferecido para o presidente brasileiro. Ele disse ainda que não estará em nenhum evento da programação de Bolsonaro no Chile. O vice-presidente do Senado chileno também recusou o convite e um parlamentar, Vlado Mirosevic, do Partido Liberal que também recusou convites disse no twitter: “Bolsonaro como um líder perigoso para os valores republicanos”, por “ter feito da discriminação e o ódio sua política”.

– Bolsonaro e Ivan Duque, presidente da Colômbia, se reunirão na sexta-feira com o anfitrião chileno Sebastián Piñera para tratar do Prosul, um mecanismo de integração da América do Sul com o qual pretendem substituir a Unasul.

– Uma nota conjunta dos Ministérios da Economia e das Relações Exteriores do Brasil informou ontem (19) que está em vigor o livre comércio para automóveis entre Brasil e México, sem a cobrança de tarifas ou limitação quantitativa.

– O Brasil estará representado na Segunda Conferência de Alto Nível das Nações Unidas sobre Cooperação Sul-Sul, que será realizada em Buenos Aires a partir de hoje (20) até o dia 22. O tema da conferência será: “O papel da cooperação Sul-Sul na implementação da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável: desafios e oportunidades”. O Brasil herdou dos governos Lula e Dilma mais de 380 projetos de cooperação Sul-Sul com 63 países em desenvolvimento.

– China e EUA retomarão as negociações comerciais na próxima semana. As negociações estão caminhando para a etapa final, visto que a deadline estabelecida foi o final de abril.

– Rússia e EUA mantiveram ontem (19) um encontro em que trataram sobre a situação da Venezuela. A reunião foi em Roma, entre o representante especial do governo Trump para a Venezuela, Elliiott Abrams, e o vice-ministro de relações exteriores da Rússia, Sergei Ryabkov. De acordo com as declarações dadas à imprensa por ambos, pouco se avançou no sentido dos EUA convencerem a Rússia a apoiar Guaidó. Abrams está na Europa percorrendo governos, agências e autoridades, buscando apoio para o intervencionismo norte-americano na Venezuela.

– A França teve um dia de manifestações gigantes no dia de ontem (19), em mobilização por aumentos salariais convocadas por centrais sindicais. Os protestos ocorreram poucos dias após enfrentamento nas ruas entre coletes amarelos e policiais franceses.

– Tribunal Superior Eleitoral da Bolívia estabeleceu para o dia 20 de outubro o dia das eleições presidenciais de 2019.

– O primeiro ministro do Haiti, Jean Henry Céant, caiu nesta segunda (18) com a aprovação de uma moção de censura no parlamento por 93 votos a favor, 6 contrários e 3 abstenções.

– Presidente do Cazaquistão, Nursultan Nazarbayev, que estava há 30 anos no poder, renunciou ao cargo nesta terça 19. Artigos de Ana Prestes ao Cafezinho.

Muita diferença, todos devem admitir. Lideranças americanas ficaram de queixo caído. Assista o vídeo


Jair Bolsonaro presenteia Donald Trump com uma camisa da Seleção Brasileira, durante encontro na Casa Branca, em Washington - 19/03/2019

Por Walter Salles: Todos os brasileiros deveriam admitir que ha diferenças entre aquele que é patriota e que fala de igual para igual com outros que supostamente, na cabeça de muitos , são melhores, o que é um mero engano, daquele que aproveita que está dando entrevista a uma emissora de lá e exalta o povo americano e massacra o povo brasileiro que lhe elegeu. Os brasileiros que moram nos EUA, nesse momento se sentem tristes e muito arrependidos com o voto que deu. Nesse Vídeo que foi publicado agora, só pra mostrar a diferença de quem diz aos americanos que a festa acabou, somos iguais e vamos cuidar da nossa América (do Sul especialmente do nosso Brasil). Agora o brasileiro vê as porteiras sendo abertas para os americanos virem para o nosso país se sentirem donos, é muito triste. Uma das explicações para isso, a tietisse sobre os americanos, colocando o Brasil sempre na posição de sob. Tudo bem que não estamos querendo dizer que o Brasil é sobre, mas o seu dirigente, no caso o Bolsonaro, teria que se comportar de igual para igual.

Fazer comparação não é uma coisa boa, mas tem hora que temos que comparar, pois o Brasil é nosso, as riquezas são nossas, a Amazônia é nossa e não deles como pensam, pois está sendo entregue. Mas o povo brasileiro entregou? Por favor, assistam o vídeo e entendam os motivos de existirem inocentes presos e ladões soltos.

Não…o propósito aqui não é lembrar de ex-presidente e dizer que ele é inocente não. Apenas quero lembrar que um suposto apartamento inacabado, uma suposta reforma de um sítio… (Suposto sim, pois até agora nada foi comprovado. Mas alguma coisa tinha que ter, não se prende alguém do nada)... não é nada diante do que estão fazendo com o Brasil de quase três anos para cá. O brasil está sendo leiloado. “quem dá mais? Dole uma dole duas…é seu o aeroporto, vale muito mais, mas você só quer dar essa merreca, então é seu!” Vou parar por aqui, peço que deixem de lado aquela raiva que mandaram os brasileiros tomar de Lula, onde muitos aceitaram a ordem, pois ele deixou o mandato com 87% de aprovação e assistam ao vídeo.

 

Comportamento de um verdadeiro estadista, discurso proferido diante de um perplexo Bush… Quanta diferença com esta coisa que só ocupa a moita. Talvez os Bolsonáticos não entendam uma palavra do que falou o Lula. Mas comparem a postura de um Estadista de verdade, com a postura de um sabujo que a todos envergonha. Talvez eles também não se deem conta, mas esse foi um dos grandes crimes cometidos por Lula, que está lhe garantindo uma tentativa de prisão perpétua.

Posted by Vicente Paulo Lula Da Silva Costa on Tuesday, March 19, 2019

 

 

Pobres pagam mais pela água do que ricos, afirma ONU


Hoje, mais da metade da população mundial não tem acesso a água limpa e saneamento

A ONU divulgou na terça-feira 19 seu relatório mundial sobre o desenvolvimento dos recursos hídricos e trouxe dados alarmantes: mais de 2 bilhões de pessoas não têm acesso a uma fonte adequada de água potável e um número ainda maior, 4,3 bilhões, não têm saneamento básico.“Melhorar a gestão dos recursos hídricos e fornecer a todos o acesso a água potável e saneamento seguros e acessíveis financeiramente são ações essenciais para erradicar a pobreza, construir sociedades pacíficas e prósperas e garantir que ‘ninguém seja deixado para trás’ no caminho rumo ao desenvolvimento sustentável”, afirma o texto divulgado pela Unesco e intitulado Não deixar ninguém para trás.

O título do relatório se refere a um aspecto chave do levantamento: a desigualdade do acesso. Pessoas que são pobres ou sofrem discriminação social têm maior probabilidade de ter acesso limitado a água e saneamento adequados, observou o relatório.

Como exemplo de grupos desfavorecidos e que experimentam desigualdades “na garantia de seus direitos humanos a água potável e saneamento seguro”, o documento cita pessoas que sofrem discriminação por causa do sexo, idade, etnia, religião, além de minorias de outra natureza, como indígenas, migrantes e refugiados. No entanto, a pobreza é o fator de destaque.

Segundo o editor-chefe do relatório, Rick Connor, casas urbanas ricas com água encanada tendem a pagar muito menos por litro de água, enquanto pessoas pobres que moram em favelas muitas vezes precisam comprar água de caminhões, quiosques e outros fornecedores, gastando cerca de 10 a 20 vezes mais.

“A percepção errada é que eles não têm água porque não podem pagar por ela — e isso está completamente errado”, disse Connor à Fundação Thomson Reuters.

Quase metade da população que consome água potável de fontes desprotegidas no mundo vive na África Subsaariana, onde apenas 24% dos habitantes têm acesso a água potável segura.

Relatório prevê futuro de crescente escassez

De acordo com o documento, estudos internacionais mostram bons retornos sociais e econômicos de investimentos em serviços de água, saneamento e higiene.

O relatório alerta que um futuro de crescente escassez é previsível, o que trará efeitos negativos para a economia global. Até o ano 2050, 45% do Produto Interno Bruto (PIB) global e 40% da produção mundial de grãos serão ameaçados por danos ambientais e falta de recursos hídricos.

O uso de água tem aumentado cerca de 1% ao ano em todo o mundo. A taxa deve se manter estável até 2050, quando a demanda representará um acréscimo entre 20% e 30% em comparação aos níveis atuais, puxada pelos setores industrial e doméstico. Hoje mais da metade da população mundial não tem acesso a água limpa e saneamento.

Na Europa e nos EUA, 57 milhões não têm encanamento em casa

Na América Latina e Caribe, afirma o relatório, milhões ainda vivem sem fonte adequada de água potável, enquanto um número ainda maior não dispõe de saneamento. Esses grupos estão concentrados nos cinturões de pobreza das periferias de muitas cidades.

Segundo a Unesco, em muitos países da região, a descentralização deixou o setor de abastecimento e saneamento fragmentado, “composto por inúmeros prestadores de serviço, sem reais possibilidades de alcançar economias de escala ou viabilidade econômica” e sob a responsabilidade de municípios sem recursos e incentivos necessários para abordar a complexidade do problema de forma efetiva.

Mesmo na Europa e nos Estados Unidos, 57 milhões de pessoas não têm encanamento em casa e 36 milhões não têm saneamento básico, afirmou a diretora-geral da Unesco, Audrey Azoulay, na apresentação do estudo. Entre outros, comunidades do Canadá e da Índia têm desvantagens severas, já que 40% delas possuem apenas água potável de qualidade baixa, o que acarreta consequências para a saúde.

Além disso, mais de 2 bilhões de pessoas vivem em países com “alto estresse hídrico” – onde mais de um quarto da água disponível é consumida. Estudos recentes apontam que mais de 50 países são afetados por estresse hídrico e que em alguns deles cerca de 70% dos recursos já estão sendo usados.

Assim, grandes reservas são consumidas e a disponibilidade de água chega ao limite. Mais de 20 países são afetados, incluindo Egito e Paquistão.

Alemanha pode fazer mais

Diante dos resultados do relatório, Ulla Burchardt, do Partido Social-Democrata da Alemanha (SPD) e membro da comissão alemã na Unesco, afirmou que a Alemanha pode fazer mais.

Embora o país esteja no caminho certo no âmbito da garantia dos direitos à água, “somos parcialmente responsáveis pelos grandes problemas em outras regiões do mundo, como a importação de algodão ou de carne bovina, cuja produção pode demandar uso intensivo de água”, declarou Burchardt.

“A garantia de acesso à água e ao saneamento são direitos humanos”, disse ela. “Mas bilhões de pessoas não têm esses diretos concretizados”, completou.

 

 

 

Desmascarada, Bettina do R$ 1 milhão conta nova história


Em primeira entrevista sobre a polêmica, jovem de 22 anos que teria transformado R$ 1 mil em R$ 1 milhão conta nova história

Bettina Rudolph empiricus 1 milhão
Bettina Rudolph (reprodução)

A consultoria Empiricus Research passou a veicular um novo comercial com Bettina Rudolph após o fracasso do primeiro, onde a jovem de 22 anos prometia explicar como transformou R$ 1.500 em mais de R$ 1 milhão durante um período de três anos.

Bettina trabalha como redatora de campanhas de venda dos relatórios da empresa. Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, a jovem admite não saber quanto investiu para chegar ao primeiro milhão — diferente do prometido na peça publicitária.

“Não sei [quanto investi], porque foi mês a mês. Nunca parei para fazer essa conta”, admite Bettina, ao afirmar que poupa cerca de metade do salário todos os meses e que aplicou R$ 35 mil que o pai poupou para ela desde que nasceu.

“Eu tinha privilégio, sim, eu não pagava a conta de luz, eu não pagava escola. Eu pegava toda a minha fonte de renda e colocava em ações”, continua a jovem, que foi chamada de ‘patricinha’, ‘barbie’ e outros apelidos pejorativos nas redes sociais.

“Trabalhei em várias coisas; dei aula de dança e já fiz bicos como modelo. Onde tinha dinheiro, eu tava indo”. A entrada no mundo dos investimentos veio justamente por meio dos relatórios da Empiricus, conhecida por suas propagandas sensacionalistas.

Diversos anúncios da Empiricus renderam punições de órgãos reguladores, como “A estratégia capaz de transformar R$ 1.500 em mais de R$ 227 mil em apenas um mês”.

Bettina cresceu em São Paulo, morando em uma casa grande em Alphaville. Ela admite que tem privilégios, mas disse que não na dimensão do que foi colocado nas redes sociais.

Entenda a polêmica

O “comercial da Bettina” infestou os vídeos da plataforma Youtube nas últimas semanas. Na peça publicitária, uma moça de cabelos loiros longos e blusa cor de vinho conta o sucesso obtido como investidora ao usar uma tática que “não é nenhum segredo”.

“Oi. Meu nome é Bettina, eu tenho 22 anos e 1 milhão e 42 mil reais de patrimônio acumulado”, diz a moça. O teor da propaganda é tão apelativo que a peça acabou virando meme nas redes sociais.

“Eu comprei ações na bolsa de valores”, continua a moça de forma enfática. Depois, complementa dizendo sua trajetória no mundo das finanças, que começou com R$ 1.520 e chegou ao patrimônio atual após apenas três anos.

Neste link, especialistas explicaram em detalhes como o comercial da Bettina era uma fraude.

 

 

 

Hoje tem Superlua, a terceira e última deste ano


Superlua - Foto: Loic Venance/AFP
Superlua – Foto: Loic Venance/AFP

Tem espetáculo no céu nesta quarta, dia 20: a Superlua.

O fenômeno que aconteceu em janeiro e  fevereiro, volta a se repetir.

A lua vai aparecer maior e mais brilhante no céu.

O motivo é que ela está atingindo o perigeu: ponto da órbita mais próximo da Terra. A distância será em torno de 360 mil quilômetros.

A terceira e última superlua do ano marca também o fim do verão e a chegada do outono, às 18h58.

História

O termo “superlua” surgiu em 1979.

Ele é usado fora do meio acadêmico para fazer referência à união do perigeu com a Lua cheia.

Quando a Lua está cheia e em seu perigeu (Superlua), ela pode parecer até 14% maior e 30% mais brilhante ao ser vista da Terra do que no momento do apogeu, segundo a Nasa.

Com informações do G1

TUDO ACONTECEU COMO ELES PLANEJARAM. A ENTREGA DO BRASIL AOS AMERICANOS: WALTER SALLES


Resultado de imagem para foto com bolsonaro batendo continencia para bandeira americana

Imaginem o presidente dos Estados Unidos da América vindo ao Brasil e dizendo ao presidente brasileiro que não seria mais preciso de vistos para o brasileiro circular dentro do seu país e que uma base Militar existente lá no Texas passa a ser do Brasil. Ainda na conversa dizer que sempre foi fã do presidente brasileiro e que certamente “vamos ter uma relação de amigos”. Utopia, né?

Resultado de imagem para foto com trump, bolsonaro e eduardo

Mas foi nada disso não. O presidente do Brasil é que foi lá e começou a entregar o nosso país aos escarnecedores  americanos, que na verdade, nunca viram o Brasil como um país de grandes relações, mas sim  um país inferior, porém com muitas riquezas, principalmente em se tratando do líquido preciso, a água, e que sempre tiveram os olhos encima do Brasil, porém com más intenções, essa é a verdade. Lutou e relutou, há pareceres de participação na questão de tomar o país da esquerda para entregar para extrema direita, para então acontecer exatamente o que aconteceu. O nome disso é maquiavelismo dos terríveis.

Hoje a gente já vai ver a FBI comandando o nosso país, daqui a pouco não podemos mais trafegar livremente pela Amazônia, porque o território não vai ser mais nosso.

O pai bate continência para bandeira americana, o filho, Eduardo, faz pose para ser fotografado com um boné que diz Trump 2020; depois ambos vão lá e entregam parte do nosso país e não pede nada em troca. Pelo contrário; deputado brasileiro (Eduardo) diz que é uma vergonha os brasileiros viverem lá ilegalmente. Em outra matéria da BBC Brasil, o presidente brasileiro disse que os imigrantes brasileiros não fazem bem para os americanos.E por que não fizeram uma espécie de “permuta”, ou seja, americano não precisar de vistos para virem ao Brasil, mas também, o brasileiro ter livre acesso lá e legalizar os que já moram lá?. Não seria o justo? Mas entregar tudo em troco de que? Bom, quem achar isso tudo muito lindo e saudável, que batem palmas e continuem chamando o presidente de Mito, mas quem sentir vontade de chorar, por favor, não chore…lute para um dia ser tudo desfeito e o nosso país voltar a sinalizar que vai decolar, como já sinalizou um dia com outro presidente.

 

 

Acordo EUA-Petrobrás inocenta Lula e pode ser a gota d’água para a soltura do petista, diz defesa


A defesa do ex-presidente Lula apresentou dois fatos novos em um recurso ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) que poderá redundar na soltura do petista nos próximos dias.

Os advogados do ex-presidente sustentam que o acordo da Petrobras com os Estados Unidos colocam a estatal na condição de ré e não vítima. Além disso, os defensores de Lula aponta como fato relevante a notícia presente em processo trabalhista da OAS de que a empresa pagou 6 milhões de reais para ajustar depoimento de delatores.

A defesa de Lula pediu ao longo do processo documentos sobre a cooperação entre a Lava Jato e o governo dos Estados Unidos, mas eles foram negados pelo então juiz Sérgio Moro, que hoje está em Washington como ministro de Jair Bolsonaro (PSL).

O recurso ampara as razões de porque o acordo entre a Lava Jato, a Petrobrás e o governo americano, que destinou 2,5 bilhões de reais para uma fundação da Lava Jato, é incompatível com a sentença dada a Lula.

No documento firmado entre os 11 procuradores da Lava, o Departamento de Justiça dos Estados Unidos e a Petrobrás, esta aparece como ré e responsável pelos desvios na empresa, inclusive listando executivos envolvidos nesses desvios.

Já no processo de Lula ela aparece como vítima, tendo sido inclusive assistente da acusação. Não é possível, em torno dos mesmos fatos, a empresa ser vítima no Brasil e criminosa nos Estados Unidos. Em nenhum momento do documento, assinado pela equipe do procurador Deltan Dallagnol, a empresa responsabiliza o ex-presidente Lula pelos desvios da Petrobrás.

Enquanto a Lava Jato posava de defensora da Petrobrás no Brasil, ajudava os Estados Unidos a processar a empresa como ré, forçando a entregar 2,5 bilhões de reais e acesso a informações sobre tecnologia e campos de petróleo.

Outra informação nova, presente em um processo trabalhista, revela que Léo Pinheiro, cujo depoimento sem nenhuma prova foi usado por Moro para condenar Lula, pagou 6 milhões de reais para outros delatores “ajustarem” depoimentos.

A informação consta de um processo trabalhista onde um ex-gerente da OAS reclama de não ter sido beneficiado pelas doações de Léo Pinheiro, como Agenot Medeiros, outro depoente da OAS que supostamente “confirmou” declarações de Léo Pinheiro, segundo sentença do Moro.

A defesa de Lula também reitera que diversas vezes solicitou ao então juiz Sérgio Moro informações sobre os acordos e depoimentos de delatores da Lava Jato com autoridades norte-americanas. Moro sempre sonegou informações e questionamentos sobre isso nos depoimentos. A defesa de Lula exige acesso aos documentos de cooperação entre a Lava Jato e autoridades norte-americanas que já admitiram ter colaborado no processo contra o ex-presidente Lula de forma ilegal (como admitiu publicamente o procurador Kenneth Blanco). Fonte Blog do Esmael.