(77) 99152-6666

Mias Notícias Empregos Estágios Cursos


Um bate papo com Samuel Maracás, vice prefeito eleito em 15 de Novembro


Samuel disse que a sua vontade é vê uma Maracás cada vez melhor

 

O Café com Leite andou batendo um papo com o empresário Samuel  Nascimento de Souza, popular Samuel Maracás, (PL) proprietário do Supermercado Maracás e eleito a vice prefeito numa chapa composta com o atual prefeito Soya (PDT) que teve a sua reeleição garantida.

Samuel é casado com a professora Sueli Oliveira de Souza, pai de duas filhas, Ana Paula e Ana Júlia. Nessa conversa ele falou sobre o futuro de Maracás, terra que ele assegura ter muito amor, onde afirma que tanto ele como o prefeito Soya estão com muita vontade de fazer muito por Maracás. Disse até que nessa gestão o prefeito vai surpreender a muita gente, pela grande quantidade de obras que vai ser realizada na cidade e zona rural. “Eu tenho conversado muito com Soya e sei da sua vontade de fazer o máximo por essa cidade e eu estou aqui para ajudar no que tiver ao meu alcance como vice prefeito”, assegurou Samuel. Quando questionado sobre acorrer o que aconteceu na gestão passada, que foi o afastamento de prefeito e vice, Samuel assegurou que isso não vai acontecer, pois ambos têm o mesmo pensamento, que é trabalhar por Maracás e que eles têm conversado muito e se entendem muito bem.

Samuel ao lado do prefeito Soya no dia da convenção

Comentou que o prefeito não gosta de gastar o dinheiro que chega às contas da prefeitura sem que haja um planejamento para o recurso render para trazer mais benefícios para o povo, e que esse também é o seu pensamento, o que tem tudo para ambos seguirem trabalhando para o bem de Maracás e sua gente. Sobre a administração de Soya, Samuel disse ter sido uma administração equilibrada e muita cautela nos gastos, como já foi dito, o que ele vem observando durante a gestão. “Mesmo antes de eu ter sido convidado pelo atual prefeito para compor a chapa na condição de vice, eu já havia feito uma avaliação da administração atual e aprovando, porém é natural que toda administração sempre necessite de alguns ajustes e que certamente, quando acontece isso, a próxima gestão será melhor. Por isso eu posso aqui assegurar que essa administração de Soya, a qual estarei ao seu lado como vice, vai ser além das expectativas da população”, afirmou.

Samuel com sua esposa Sueli e uma das suas filhas

Outra coisa que comentou o amigo Samuel, é que o clima durante campanha é natural que exista rivalidades, porém, no entanto, depois que acontece as eleições, a chapa vencedora tem a obrigação de unir o povo e dizer que o clima de rivalidade passou e que agora é hora de união. “É o que estou dizendo aqui agora para essa família maravilhosa que é a família maracaense. Falo em meu nome e em nome do prefeito que fomos eleitos prefeito e vice para trabalhar para todos os maracaenses. O clima de campanha acabou. Vamos todos juntos ajudar a acontecer uma grande administração a partir de 01 de Janeiro de 2021. Vamos todos em oração pedir a Deus para que sejamos orientados para uma administração que venha servir a todos, com muita paz e serviços prestados”, comentou o vice eleito.

Sobre a questão da limpeza da cidade, que é um dos setores mais criticados nesta atual gestão, Samuel respondeu que em conversa com o prefeito, ele [o prefeito] admite que realmente esse setor não está como ele gostaria que tivesse, mas que há um contrato com a empresa, que só acaba no final de Dezembro, e que sem sombra de dúvidas, esse setor será reparado logo no começo da gestão, para que a cidade receba um cuidado muito maior na questão da limpeza pública.

Vale lembrar que tanto Samuel como o prefeito Soya são cidadãos de bem e que acima de tudo têm seus nomes a zelar, foi o que lembrou muito bem o vice eleito, que havendo união e vontade de trabalhar, pode acontecer realmente uma administração para ficar na história. Naturalmente que o maracaense está torcendo por isso.

Samuel aproveitou o espaço aqui no Café com Leite para deixar um grande abraço ao povo de toda Maracás, sede e zona rural, pela votação de confiança na chapa 12 encabeçada por Soya numa composição com  o seu partido, PL, e que ele na condição de vice, também se sentiu muito honrado e é muito grato a cada um que confiou na chapa.

Error, no Ad ID set! Check your syntax!

Mulher afoga e mata bebê de um mês que “atrapalhava relação” com o namorado


Presa em flagrante, ela se irritou por não poder passar a noite com o pai da criança; acusada tentou fugir do local, mas foi contida por parentes da vítima

Delegacia
Reprodução

Acusada foi presa em flagrante, encaminhada para uma delegacia da região e está à disposição da Justiça

Um caso de ciúme ocorrido na madrugada do último sábado (28) acabou em tragédia no distrito de Posto da Mata, localizado na zona rural de Nova Viçosa (BA). Após receber a recusa de um convite para uma “noite romântica”, uma mulher de 41 anos afogou e matou o filho recém-nascido do namorado.

Segundo informações do jornal Correio, a acusada estava na casa da família do namorado participando de uma confraternização enquanto o bebê dormia em um sofá dentro da residência. Ao sugerir que ambos passassem a noite juntos, e ouvir a recusa do namorado por conta do recém-nascido , a mulher entrou no imóvel, pegou o bebê e o afogou em um reservatório de água.

Ao retornar para a festa, os parentes da criança desconfiaram da atitude e notaram que ele havia desaparecido do sofá. Neste momento, a mãe do bebê chegou ao local e, ao procurar em todos os cômodos, encontrou o corpo.

Ainda de acordo com a publicação, uma ambulância do SAMU foi chamada ao local, mas constatou que o menino já estava morto. Neste momento, a acusada tentou fugir, mas foi contida pelos presentes até a chegada da polícia. Autuada em flagrante, a mulher foi encaminhada para uma delegacia da região e agora responderá por homicídio doloso.

Fonte:Por iG Último Segundo 

TOXINA PODEROSA Conheça o rato africano com veneno capaz de matar humanos e derrubar elefantes


Pesquisadores descobriram de onde o roedor, conhecido como Rato-de-crista africano e que habita a região leste do continente, retira seu poderoso veneno

Rato
Reprodução/Twitter

Pesquisadores descobriram que animal retira toxina de uma árvore; entenda

Á primeira vista, o Lophiomys imhausi, roedor mamífero conhecido como rato-de-crista africano, pode não parecer tão perigoso. Com tamanho diminuto, chegando a pesar menos de 1kg na fase adulta, ele se parece com os ratos encontrados nas grandes cidades. Porém, seu veneno superpoderoso, capaz de derrubar elefantes e até matar seres humanos, faz dele uma ameaça silenciosa.

Pesquisadores da Universidade de Utah e do Instituto de Biologia da Conservação Smithsonian, ambos nos EUA, realizaram um estudo em parceria com cientistas do Museu Nacional do Quênia para entender mais sobre o rato-de-crista africano e, principalmente, sobre a potente toxina que ele carrega.

Os resultados, publicados na revista científica Journal of Mammalogy, mostraram que a espécie consegue sequestrar toxinas de plantas para produzir sua defesa química . O processo ocorre da seguinte forma: ao roer os galhos de árvores venenosas, ele armazena o veneno na língua e depois passa a saliva por sua pelagem, montando assim um ” escudo ” contra possíveis predadores.

“Queríamos confirmar se esse comportamento eral real e, ao longo do caminho, além de obter resultados sobre o sequestro de toxina , também conseguimos evidências do comportamento social destes animais. São descobertas que trazem implicações para a conservação deste rato indescritível”, afirmou Sara Weinstein, uma das autoras do estudo.

Continua após a publicidade

A análise de Weinstein trata exatamente de uma descoberta feita pela equipe sobre a forma como o rato-de-crista africano socializa com outros integrantes da espécie. Além de confirmar o poderio do veneno, que é capaz de matar presas muito maiores com poucos miligramas, eles identificaram que os animais vivem de maneira monogâmica, algo raro em mamíferos .

“Colocamos dois espécimes juntos no recinto de observação e eles começaram a interagir, ronronando e se acariciando. Isso foi uma grande surpresa, já que pensávamos que estes eram animais de hábitos solitários. Assim, tivemos a oportunidade de estudar suas interações sociais e aprender mais sobre eles”, finalizou a pesquisadora.

Fonte: Por iG Último Segundo 

Aguinaldo Silva escolhe É o Tchan como o pior de 1998: ‘Extremo mau gosto’


“Eles fizeram uma viagem pro Japão, demonstraram esse mau gosto na música que fizeram lá e eu espero que continuem viajando cada vez pra mais longe… até que um dia não voltem nunca mais!”, disse

Foto : Divulgação

O Fantástico consultou Bussunda, Tom Cavalcante e Aguinaldo Silva para saber “quem se destacou e quem pagou mico” em 1998. O novelista descascou para cima do grupo baiano É o Tchan, então no auge do sucesso. “Para mim, o destaque negativo do ano foram as músicas de extremo mau gosto do grupo É o Tchan”, disse ele.

E completou: “Eles fizeram recentemente uma viagem pro Japão, demonstraram esse mau gosto na música que fizeram lá e por isso eu espero que eles continuem viajando cada vez pra mais longe… até que um dia não voltem nunca mais!”.

Curiosamente, anos depois Aguinaldo Silva escalou o dançarino Jacaré para sua série “Doctor Pri” e também fez questão de ter Scheila Carvalho na novela “Dinastia”. As coisas mudam… Assista! #TaNoYouTube.Metro1

Herzem Gusmão é reeleito prefeito de Vitória da Conquista após disputa acirrada


Herzem Gusmão é reeleito prefeito de Vitória da Conquista após disputa acirrada

Foto: Reprodução / Facebook

O atual prefeito de Vitória da Conquista, Herzem Gusmão (MDB), foi reeleito neste domingo (29), após apuração de 92,67% das urnas no segundo turno do terceiro maior município do estado. Com 54,71% dos votos válidos, o gestor emedebista superou seu adversário, o ex-prefeito Zé Raimundo (PT), por uma margem de aproximadamente 16 mil votos. A empresária Sheila Lemos (DEM) será a vice-prefeita.

A vitória de Herzem ocorre após uma eleição marcada pelo confronto acirrado, nos dois turnos, entre petismo e antipetismo. A polarização será um dos obstáculos do segundo mandato emedebista, que terá, entre outras responsabilidades, a missão de pacificar a cidade.

Durante a campanha, o ex-radialista Herzem Gusmão criticou o legado deixado pelas gestões petistas, que governaram o município por cinco mandatos entre 1997 e 2016. O emedebista utilizou como trunfo a recuperação da Empresa Municipal de Urbanização de Vitória da Conquista (Emurc) e o fato de Conquista ter batido a meta do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) em 69 escolas durante sua administração.

A coligação vencedora reuniu, além de MDB e DEM, o Republicanos, o PTB, o Podemos, o PMB e o PSDB. Juntos, tais partidos elegeram nove dos 21 vereadores da Câmara, indicando uma possível minoria do governo nos próximos quatro anos. Para conquistar a maioria, Herzem teria que negociar com partidos que não estão apoiando nenhuma das duas candidaturas: PSC e PRTB.A vitória de Herzem Gusmão é um triunfo importante para a oposição ao governo estadual. Conquista é o terceiro maior município do estado e será um ponto fundamental da campanha pelo governo da Bahia em 2022. Pensando nisso, o governador Rui Costa (PT) e o senador Jaques Wagner (PT) participaram ativamente de carreatas de Zé Raimundo, assim como o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), também esteve em atos eleitorais do prefeito reeleito.

 

 

 

‘Pedi força a Deus quando vi que era ela’, diz PM que atendeu ocorrência de acidente que matou a própria filha


Por Lucas Cortez, Inter TV Cabugi

Policial atende ocorrência de acidente que matou sua própria filha

Policial atende ocorrência de acidente que matou sua própria filha

 

O sargento da Polícia Militar Severino Góis, de 54 anos de idade, passou neste sábado (28) pelo que ele chamou de “pior experiência da vida”. O policial foi chamado para atender a uma ocorrência de acidente de trânsito na BR-226, em Macaíba, na Grande Natal. Ao chegar ao local, ele descobriu que uma das vítimas era sua filha Gabriela Nascimento de Góis, de 19 anos, que morreu no acidente. “Eu pedi muita força a Deus quando vi que era ela”, disse.

A jovem estava acompanhada do namorado João Vitor Lima da Silva, de 21 anos, que também morreu. Os dois vinham em uma moto na BR-226, no sentido Natal, quando bateram na lateral de uma caminhonete que iria cruzar a via. Com o impacto, o casal foi arremessado e entrou pela janela do carro. Os dois morreram no local.

Sargento da PM Severino Góis com a filha Gabriella, de 19 anos, que morreu em um acidente de moto neste sábado (28) em Macaíba — Foto: Arquivo da família

Sargento da PM Severino Góis com a filha Gabriella, de 19 anos, que morreu em um acidente de moto neste sábado (28) em Macaíba — Foto: Arquivo da família

“Quando eu cheguei no local eu vi que tinha uma guarnição da PRF. Aí eu pensei: ‘esse acidente não foi na estrada de barro, foi aqui na BR. Isso é com a PRF. Mas vamos encostar aqui ao lado’. Aí eu encostei a viatura com a minha equipe. Ao chegar no local, eu vi a moto toda destruída. A pancada foi violenta. Aí eu olhei, por trás da moto, e vi um capacete rosa. O capacete que era da minha filha. Eu olhei e disse ‘esse capacete eu conheço, é da minha filha’. Aí o rapaz veio para perto de mim e disse ‘calma, sargento Góis. Foi Gabi’”, contou, emocionado.

“Nessa hora Jesus me deu força, me deu coragem, e eu me desloquei até o carro. Chegando no lado do passageiro eu visualizei o meu genro. De costas, já dentro das ferragens. E eu vi os pés dela. Então eu corri, arrodeei pelo lado do carro e abri a porta. Quando eu abri a porta, minha filha estava deitada como se estivesse dormindo. Naquele momento eu abri minha mente para Deus e disse ‘Senhor, me dá forças. Porque eu sei que minha filha não está mais comigo, nem meu genro. Mas o Senhor vai me dar forças”, disse.

O sargento permaneceu no local do acidente até a chegada do Instituto Técnico-Científico de Perícia (Itep). Em entrevista à Inter TV Cabugi ele contou que Gabriella queria ser policial rodoviária federal e que estava estudando para realizar esse sonho. “Ela era uma menina estudiosa. Semana passada mesmo ela me disse que ia me dar muito orgulho, que ia ser policial rodoviária federal. Mas não deu tempo”, lamentou.

Gabriella Nascimento de Góis, de 19 anos, e João Vitor Lima da Silva, de 21, morreram em acidente na BR-226, na tarde deste sábado (28), em Macaíba — Foto: Arquivo da família

Gabriella Nascimento de Góis, de 19 anos, e João Vitor Lima da Silva, de 21, morreram em acidente na BR-226, na tarde deste sábado (28), em Macaíba — Foto: Arquivo da família

Gabriella e João Vitor namoravam há um ano e, segundo a família, já estavam planejando o noivado.

O corpo de João Vitor é velado na Igreja Adventista, em Macaíba. O corpo de Gabriella é velado na casa da família dela, que fica na marginal da BR-226, onde o acidente aconteceu.

João Vitor era apaixonado por motocross — Foto: Arquivo da família

João Vitor era apaixonado por motocross — Foto: Arquivo da família

O acidente

Gabriella Nascimento de Góis, de 19 anos, e João Vitor Lima da Silva, de 21, trafegavam em uma moto na BR-226, no sentido Natal, quando bateram na lateral de uma caminhonete que iria cruzar a via.

Com o impacto, o casal foi arremessado e entrou pela janela do carro. Os dois morreram no local. O motorista da caminhonete abandonou o veículo e fugiu do local.

Quando a equipe do CPRE chegou ao local para atender a ocorrência um dos policiais percebeu que uma das vítimas do acidente era a filha dele. Muito abalado, o policial não quis falar com a imprensa.  Do G1

Casal morreu em acidente na BR-226, em Macaíba, na Grande Natal — Foto: Juliane Barreto/Inter TV Cabugi

Casal morreu em acidente na BR-226, em Macaíba, na Grande Natal — Foto: Juliane Barreto/Inter TV Cabugi

Moto em que casal trafegava ficou destruída após o acidente na BR-226, em Macaíba — Foto: Juliane Barreto/Inter TV Cabugi

Ministério da Saúde não prevê vacinar toda a população brasileira contra a Covid-19 em 2021


Ministério da Saúde não prevê vacinar toda a população brasileira contra a Covid-19 em 2021
Crédito da Foto: ilustrativa/Pexels

O Ministério da Saúde informou que não deverá aplicar a vacina do novo coronavírus em todos os brasileiros em 2021. O secretário-executivo da pasta, Elcio Franco, alegou a dificuldade na produção dos imunizantes e o fato de os testes não incluírem todos os públicos, como crianças e gestantes, o que impossibilitaria uma parte da aplicação.

Ainda assim, o órgão acredita que a falta de vacina não terá riscos para os brasileiros. “O fato de determinados grupos da população não serem imunizados não significa que não estarão seguros, porque outros grupos que convivem com aqueles estarão imunizados e, dessa forma, não vão ter a possibilidade de se contaminar com a doença. É por esse motivo que não vacinamos toda a população, por exemplo, contra a influenza [gripe]”, explicou Elcio Franco, segundo o Estadão.

Ele citou o número de doses que serão fabricadas em comparação a população. “Quando a gente fala em imunização, o mundo não entende que terá que ter vacina para todos. A própria Covax Facility, iniciativa que junta uma série de laboratórios, ela almeja acesso a 2 bilhões de doses para a vacinar todo o mundo, e por aí verificamos que é uma meta bastante ambiciosa porque não se imagina que haverá vacina para vacinar todos os cidadãos do planeta Terra.” O Brasil também aderiu à Covax Facility, pagaNDO de R$ 2,5 bilhões para poder acessar vacinas produzidas por um conjunto de nove laboratórios.

Ainda segundo a reportagem, a coordenadora do Programa Nacional de Imunizações (PNI) do Ministério da Saúde, Francieli Fontana, confirmou a informação dada por Elton. “Não temos uma vacina para vacinar toda a população brasileira. […] Não podemos priorizar determinados públicos tendo em vista que essa vacina não está sendo utilizada durante os testes nessa população, a exemplo de crianças e gestantes”, sinalizou.

O País possui um acordo com o laboratório AstraZeneca, que desenvolve uma vacina em parceria com a Universidade de Oxford. Em 2021, o imunizante será produzido em parceria com a Fiocruz para distribuição em território brasileiro. A fundação prevê vacinar 130 milhões de brasileiros ao longo do próximo ano. Além dessa vacina, outra iniciativa em estudo é a coronavac, do laboratório chinês Sinovac, que produzirá o imunizante em parceria com o Instituto Butantã, em São Paulo.Fonte: Aratuon

 

Comemorações de reeleição dos prefeitos em Feira de Santana e Vitória da Conquista geram aglomerações


Vídeos postados nas redes sociais mostram descumprimento de medidas sanitárias contra Covid-19 e decreto estadual que proíbe festas com mais de 200 pessoas

[Comemorações de reeleição dos prefeitos em Feira de Santana e Vitória da Conquista geram aglomerações]
Foto : Reprodução/Redes sociais

Após resultado de reeleição dos candidatos Colbert Martins (MDB) em Feira de Santana e Herzem Gusmão (MDB) em Vitória da Conquista nas eleições municipais ocorridas ontem (29), centenas de pessoas se aglomeraram nos centros dassas cidades para comemorar a vitória.

Em Feira de Santana, os eleitores se reuniram na avenida Getúlio Vargas na noite de ontem (29) para festejar resultados das eleições municipais. A maioria das muitas pessoas presentes na rua que ficou congestionada e repleta de carros estava sem máscara.

Um dos vídeos publicados pelos feirenses mostra o prefeito reeleito, Colbert Martins, acenando para as pessoas em um minitrio seguido por várias delas.

Em Vitória da Conquista, aconteceu uma situação parecida. Em carreata realizada para comemorar a vitória de Herzem Gusmão por apoiadores, um vídeo postado nas redes sociais revela que as medidas sanitárias contra o avanço da pandemia do coronavírus não estavam sendo respeitadas: muitas pessoas fora dos veículos e sem máscaras, sem nenhum distanciamento social.

As festas descumprem o decreto estadual que proíbe eventos com mais de 200 pessoas.

Segundo os últimos dados da Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab), Feira de santana tem 18.918 casos confirmados de Covid-19 e Vitória da Conquista, 11.932. Do Metro1

Agência Pública aponta mentira da Lava Jato para não cumprir determinação do STF


A agência de jornalismo lembrou várias reportagens publicadas na Vaza Jato que contradizem o argumento de procuradores de Curitiba para não entregar os documentos do acordo da Odebrecht à defesa do ex-presidente Lula.

Ex-presidente Lula e procuradores da Lava Jato em Curitiba

Para não disponibilizar à defesa do ex-presidente Lula toda a documentação referente aos acordos de leniência da Odebrecht, incluindo comunicações com autoridades dos Estados Unidos e da Suíça, procuradores da Lava Jato afirmaram que “não foi produzida nenhuma documentação relativa a comunicações com autoridades estrangeiras para tratar do acordo de leniência” da Odebrecht.

No entanto, a Pública aponta, por meio de várias reportagens publicadas no âmbito da Vaza Jato, diversos momentos em que a Lava Jato e autoridades do Departamento de Justiça Americano (DOJ) e do FBI trocaram informações e estratégias sobre o acordo da Odebrecht.

“Se todo mundo sabe que a Lava Jato negociou com procuradores americanos e o FBI, por que a Força-Tarefa nega? Só há duas respostas – e ambas podem incorrer em crime, partindo de funcionários públicos. Ou os procuradores estão escondendo os registros, e descumprindo a determinação da mais alta Corte, ou eles destruíram todos os documentos relevantes de uma investigação em benefício próprio”, diz a nota, assinada pela co-diretora da Pública, Natália Viana.

Leia a nota na íntegra:

A Lava Jato mentiu para o STF – e nós podemos provar

Se o fato passou despercebido ao leitor, respire fundo. A decisão proferida na última terça-feira pelo ministro do STF Ricardo Lewandovski a respeito de um pedido da defesa de Lula à Lava Jato traz o mesmo tom de indignação que sentirá.

“Não deixa de causar espécie (…) o ostensivo descumprimento de determinações claras e diretas emanadas da mais alta Corte de Justiça do País, por parte de autoridades que ocupam tais cargos em instâncias inferiores”.

Por que o Ministro está tão exasperado? Porque mais uma vez a Lava Jato se recusou a entregar comunicações mantidas com autoridades americanas, embora diversos juízes tenham ordenado isso. Desta vez, ao descumprir decisão do próprio Lewandowski, os procuradores de Curitiba chegaram ao cúmulo de escrever que “não foi produzida nenhuma documentação relativa a comunicações com autoridades estrangeiras para tratar do acordo de leniência” da Odebrecht.

Ora, nós da Agência Pública, que é parceira do site The Intercept Brasil na análise dos diálogos vazados, sabemos que houve, e muita, comunicação com os americanos. No dia 13 de outubro de 2015, por exemplo, o procurador Orlando Martello enviou um email para Patrick Stokes, então chefe da divisão que cuidava de corrupção internacional no Departamento de Justiça Americano (DOJ). Ele explicava que o STF não admitiria o interrogatório de delatores por agentes americanos em nosso território, mas sugeria caminhos para contornar isso – seja levando-os para os Estados Unidos, fazendo a entrevista online ou fazendo um “teatrinho” no qual os procuradores brasileiros poderiam abrir a sessão e depois passar para os americanos fazerem perguntas. “Eu pessoalmente não acho que esta é a melhor opção porque haverá alguns advogados, como os da Odebrecht, que vão ficar sabendo deste procedimento (advogados falam uns com os outros, especialmente neste caso!) e vão reclamar”, escreveu Martello, em inglês.

A troca com os americanos também era discutida com frequência no chat de sugestivo nome “Chat Acordo ODE”.  Uma delas foi uma correspondência por email iniciada em 8 de setembro de 2016 pelo adido do FBI na embaixada americana David Williams ao procurador Paulo Roberto Galvão, oferecendo ajuda para quebrar a criptografia do sistema de propinas da Odebrecth, MyWebDay. “Boa tarde Paulo, e a todos. Se não me engano o assunto de baixo é o mesmo que o Carlos Bruno explicou para mim recentemente na despedida do Adido Frank Dick na embaixada do Reino Unido”, escreveu, cordial e em português, o agente americano. A discussão por email se seguiria por dias.

Se todo mundo sabe que a Lava Jato negociou com procuradores americanos e o FBI, por que a Força-Tarefa nega? Só há duas respostas – e ambas podem incorrer em crime, partindo de funcionários públicos. Ou os procuradores estão escondendo os registros, e descumprindo a determinação da mais alta Corte, ou eles destruíram todos os documentos relevantes de uma investigação em benefício próprio.

Lewandowski escreve, e com razão, que o ato é mais grave “porque coloca em risco as próprias bases sobre as quais se assenta o Estado Democrático de Direito”. O ministro determinou, agora, que a Corregedoria-Geral do MPF verifique se de fato não existem documentos sobre as comunicações, o que pode demonstrar, para os advogados de Lula, que a colaboração foi “informal”, e portanto, ilegal.

Natalia Viana, codiretora da Agência Pública

Informação para essa matéria, 247

Na reta final de campanha Boulos testa positivo pra Covid 19, mas o otimismo continua


Em franca ascensão na reta final da campanha eleitoral, o candidato do PSOL a prefeito de São Paulo não apresenta sintomas da Covid-19 e ficará em isolamento. O último debate com Bruno Covas, que aconteceria na Globo na noite desta sexta-feira (27), foi cancelado pela emissora.

Guilherme Boulos

Na segunda-feira (23) a campanha de Boulos foi comunicada de que a deputada federal Sâmia Bomfim (PSOL), aliada do candidato, havia sido diagnosticada com a doença. Boulos então fez o teste e o resultado ficou pronto nesta sexta-feira.

O candidato cumprirá período de quarentena e todas as pessoas que têm contato com ele serão testadas.

Com o anúncio do diagnóstico, o jornalista da Rede Globo Cesar Tralli informou que o debate entre Boulos e Bruno Covas (PSDB) que aconteceria na noite desta sexta está cancelado. “Guilherme Boulos do PSOL testou positivo para Covid. Portanto, o debate desta noite aqui na Globo entre ele e Bruno Covas, do PSDB – e que seria mediado por mim – está cancelado”, escreveu o jornalista no Twitter.

Anunciado o racha da esquerda: Cid Gomes, irmão de Ciro, diz que não haverá aliança com PT em 2022


“Para mim, é muito claro que o PT tem hoje um antagonismo muito forte no Brasil e devia seguir o exemplo da Argentina”, afirmou o senador Cid Gomes (PDT-CE) ao afastar a possibilidade de a sua legenda fazer uma coligação com o Partido dos Trabalhadores em 2022. O foco dos Gomes é a candidatura de Ciro.

Cid Gomes é alvo de ação de improbidade por compra de helicópteros

DO 247

“É hora de dar um passo para trás para que pelo menos se tenha um governo no campo progressista. Se eles tiverem essa posição de serem os protagonistas, vão sofrer de novo”, afirmou o parlamentar ao site Congresso em Foco.

O senador fez elogios ao governador do Ceará, Camilo Santana (PT), que intermediou o encontro entre Lula e Ciro. “Sem dúvida é uma pessoa que proximidade com os dois lados, tem um estilo pessoal diferente da média da burocracia petista, tanto é que muitas vezes é estigmatizado pela burocracia petista”, complementou.

Leitores da Folha e do Uol fazem abaixo assinado após entrevista canalha com Boulos


Muito triste o que acontece com a mídia brasileira, quando se trata da grande mídia, que está sempre atrelada à direita brasileira. Nas entrevista eles, os jornalistas, dão mel para os candidatos da sua linhagem e fel para os candidatos da esquerda, como sempre acontece. Com a Manuela D’ávila foi a mesma coisa, colocaram na roda do Roda Viva e tentaram devorá-la crua e viva. Muito triste tudo isso.

Agora a lista dos que se irritaram com as perguntas dirigidas ao Boulos, que bandeirosamente, mostraram que na política a imprensa tem lado. Até aqui Café com Leite.

Nós, assinantes, leitoras e leitores da Folha de São Paulo e UOL, abaixo assinados, vimos a público manifestar nosso protesto contra o que nos pareceu extremamente parcial, durante o programa intitulado Sabatina Folha/UOL realizado no dia 26/11/2020. O programa tinha por objetivo entrevistar separadamente Bruno Covas e Guilherme Boulos, candidatos à prefeitura de São Paulo, que disputam o segundo turno das eleições no próximo domingo (29/11/2020) .

Entretanto, o que assistimos foi uma assimetria preocupante no tratamento dispensado aos candidatos, o que coloca em xeque os princípios da imparcialidade e da própria democracia defendidas por esse veículo.
Vimos um tratamento distinto conferido a cada um dos candidatos. Diferentemente da entrevista anterior realizada com o candidato Bruno Covas no mesmo programa, durante a entrevista com o candidato Guilherme Boulos, as entrevistadoras Thais Oyama e Luciana Coelho se posicionaram praticamente como adversárias do candidato em boa parte das intervenções endereçadas a ele.

Em determinados momentos, a suposta entrevista nos pareceu mais um pretexto para que as jornalistas apresentassem ao público seus próprios pontos de vista (ou da empresa), do que oportunizar ao candidato esclarecer pontos de seu programa.

Guilherme Boulos foi interrompido em suas respostas por 7 vezes, enquanto Bruno Covas foi interrompido 3 vezes, uma delas brevíssima.

Questões importantíssimas sobre o perfil do candidato a vice de Bruno Covas, Ricardo Nunes, apoiador da Escola sem Partido e sob investigação da promotoria do Patrimônio Público e Social do Ministério Público do Estado de São Paulo, foram tocadas suavemente pelas entrevistadoras.

O mesmo ocorreu com o gravíssimo problema da pandemia na cidade e no país. A afirmação de Bruno Covas durante o programa de que “a quantidade de óbitos e de casos permanecem os mesmos em São Paulo”, não gerou qualquer reação das entrevistadoras.

Questionamentos sobre programa de governo não foram feitos ao candidato Bruno Covas. Tampouco, perguntas extremamente longas que roubassem o tempo de resposta do candidato. O mesmo tratamento não foi dado a Guilherme Boulos na sua sabatina.

Perguntas quase hilárias foram dirigidas à Guilherme Boulos, como: a cidadania de “donos de mansão” ou a “metragem das mansões”. Essas perguntas foram não apenas tendenciosas como panfletárias, a fim de atrair explicitamente as camadas ricas da população contra a candidatura de Boulos/Erundina.

Concordamos com o cientista político Samuel Braun que no Facebook escreveu: ‘o tratamento dado ao Boulos chegou a ser ofensivo’.

Ao fim do programa, a jornalista Thaís Oyama utilizou 38 dos 44 segundos restantes para formular sua pergunta final e ainda instruir Guilherme Boulos a fazer suas considerações finais. Ao candidato Guilherme Boulos restaram risíveis 6 segundos, ao fim dos quais o microfone foi sumariamente cortado. Seria cômico se não fosse trágico.
Já a última pergunta ao candidato Bruno Covas foi sobre “o pior momento para ele, no enfrentamento de sua doença”. Não sobre o estágio atual – o que embora seja uma pergunta inconveniente, pode até ser considerada de interesse público. Da maneira como formulada, essa questão pode ter impacto emocional sobre eleitores(as), e é irrelevante para qualquer decisão sobre voto.

Um exemplo crasso de um jornalismo questionável foi exibido na sabatina Folha/UOL desta quinta feira 26/11/2020.

A atitude do portal de publicar um pedido de desculpas e oferecer espaço para a resposta do candidato nem de longe resolve os problemas construídos no curso dos 45 minutos da sabatina. Mas, como apontam para o reconhecimento de um erro grave, entendemos que seja necessário uma resposta reparadora urgente e proporcional ao erro cometido. é urgente que essa instituição responda com responsabilidade para não repetir o que ocorreu nos últimos instantes da eleição presidencial de 1989, quando uma edição de debate influenciou profundamente o destino do pleito.

Como leitoras, leitores e assinantes da Folha de São Paulo e do UOL pensamos que atitudes assim merecem profunda revisão da empresa quanto à condução das entrevistas citadas e outras a serem realizadas que, em nossa opinião, deveriam primar por procurar esclarecer imparcialmente as propostas de cada um dos dois candidatos a prefeito da cidade de São Paulo. Só assim as pessoas que acompanham a Folha de São Paulo e o UOL estariam protegidas da vasta produção de fake news, inverdades e afirmações sem comprovação, que abundam nas redes sociais; só desse modo o jornalismo pode ser a contrapartida de informações sem credibilidade que não exigem assinaturas e nem confiança para serem acessadas.

Tudo isso caracteriza desespero da direita quando se trata de um empate técnico às vésperas das eleições, onde a “ampulheta” passa areia de um lado para outo em grande velocidade.

 

Taxa de desemprego bate novo recorde e vai a 14,6% no 3° trimestre


O desemprego no Brasil saltou para a taxa recorde de 14,6% no trimestre encerrado em setembro, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Mensal (PNAD Contínua), divulgada nesta sexta-feira (27) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

“Essa é a maior taxa registrada na série histórica do IBGE, iniciada em 2012, e corresponde a 14,1 milhões de pessoas. Ou seja, mais 1,3 milhão de desempregados entraram na fila em busca de um trabalho no país”, informou o IBGE.

População ocupada cai para nova mínima histórica

população ocupada no Brasil encolheu 1,1% em 3 meses, para 82,5 milhões, atingindo o patamar mais baixo da série histórica, segundo o IBGE. Em 12 meses, o país perdeu 11,3 milhões de postos de trabalho, considerando todas as formas de atuação no mercado de trabalho.

Na comparação com o trimestre anterior, a taxa de desemprego subiu em dez estados e ficou estável nos demais. As maiores taxas foram na Bahia (20,7%), em Sergipe (20,3%) e em Alagoas (20,0%). Já a menor foi registrada em Santa Catarina (6,6%).

(…) Com informação do DCM

Funcionário de funerária é demitido por tirar foto com o corpo de Maradona


Funcionário preparava o corpo de Maradona antes do velório, que acontece nesta quinta-feira (26), em Buenos Aires — Foto: Reprodução/Redes Sociais

Funcionário preparava o corpo de Maradona antes do velório, que acontece nesta quinta-feira (26), em Buenos Aires — Foto: Reprodução/Redes Sociais

Um funcionário da funerária que preparou o corpo de Diego Maradona, velado nesta quinta-feira (26) em Buenos Aires, foi demitido após a divulgação de uma foto em que ele aparece ao lado do caixão aberto, tocando o rosto do astro do futebol argentino.

Maradona morreu aos 60 anos na quarta-feira (25) após sofrer uma parada cardiorrespiratória em casa, na cidade de Tigre.

O dono da funerária argentina pediu desculpas à família de Maradona e disse, em entrevista ao site da emissora Todo Noticias, do grupo Clarín, que o funcionário foi “despedido imediatamente”.

Matéria continua após publicidade.

A imagem do agente funerário fazendo sinal de positivo, com o caixão aberto, enquanto tocava o rosto de Maradona começou a viralizar no final da manhã de quinta em diversos perfis no Twitter e em grupos do WhatsApp.

O advogado e amigo de Maradona, Matias Morla, mostrou sua perplexidade com o caso e disse, em uma rede social, que o funcionário é “um canalha”, e que não descansará “enquanto ele não responder por essa aberração”.

“Por conta da viralização da imagem de Diego em seu leito de morte, eu vou pessoalmente encontrar quem foi o canalha que tirou essa foto”, disse o advogado. “Todos os responsáveis por essa covardia vão ter que pagar.”

Com informação do G1

Candidato de Flávio Bolsonaro para comandar o MP-R J ofende STF e as mulheres. “Vagabunda”


Procurador publicou emoticons de fezes ao compartilhar notícia sobre Gilmar Mendes e Celso de Mello

 

procurador Marcelo Rocha Monteiro
Reprodução

Candidato de Flávio Bolsonaro para comandar MP-RJ ofende ministros do STF e mulheres nas redes sociais: ‘vagabunda’

O procurador Marcelo Rocha Monteiro, candidato de Flávio Bolsonaro para chefiar o MP do Rio de Janeiro, ofendeu ministros do STF e mulheres em redes sociais. Em 8 de junho, Monteiro publicou emoticons de fezes ao compartilhar a notícia “Gilmar Mendes concorda com Celso de Mello ao comparar Brasil à Alemanha Nazista”.

“Fezes mais fezes = 2 fezes”, postou o procurador, comentando o texto. Duas semanas depois, mirou em Cármen Lúcia. Após citar a matéria “Acho difícil superar a pandemia com esse governo, diz Cármen Lúcia”, escreveu Monteiro:

“Mais uma comentarista política no que deveria ser uma corte de justiça. Acho difícil superar a mediocridade jurídica com esse tipo de magistrado”. No dia 26 de junho, o alvo foi Edson Fachin.

“Esdrúxula decisão do ministro Fachin de proibir operações policiais no Rio de Janeiro durante a pandemia”, publicou o procurador. Em 19 de agosto, Monteiro tornaria a mirar em Fachin.

Continua após a publicidade.

 

“A origem desse autoritarismo está exatamente no tribunal do qual o senhor Fachin é ministro. A quem esse cidadão pensa que engana?”, escreveu, comentando a matéria “Fachin diz que país vive escalada de autoritarismo”.

Gilmar Mendes também foi acusado pelo procurador de agir com “leviandade”. “Gilmar Mendes, com suprema leviandade, acusou as Forças Armadas de genocídio”, publicou em 13 de julho.

No mês seguinte, atacou o STF como um todo: “O Supremo acaba de abrir as portas para devolver às ruas homicidas, estupradores, assaltantes, traficantes…”, sobre a matéria “STF determina fim da superlotação em unidades socioeducativas de todo o país”.

Em 25 de agosto, debochou de Cármen Lúcia, após a ministra dar 40 horas para que o Banco Central explicasse a nota de R$ 200. “Explicando para a brilhante ministra: Nota de 200 corresponde a duas de 100, Excelência. Entendeu?”.

Três dias depois, insinuou que Luís Roberto Barroso era um “clown”, palhaço em inglês. “A clown”, postou, ao lado de um emoticon de palhaço, ao compartilhar o vídeo “Barroso is a Clown”, de Rodrigo Constantino.

Horas depois, ainda sobre Barroso, escreveu: “Palhaço, leviano, mentiroso”. A notícia compartilhada afirmava: “Barroso diz que Bolsonaro defende a ditadura”.

Em 2018, após o atentado a Jair Bolsonaro, o procurador ofendeu mulheres em suas redes sociais. “Cretina”, escreveu sobre uma mulher que repudiava o atentado e dizia que Lula, na visão dela, não alimentou ódio violento, ao contrário de Bolsonaro.

Em outra publicação, seguiu: “Mais uma vagabunda”, respondendo a uma mulher que disse que Bolsonaro plantou ódio.

Em tempo: se Marcelo Rocha Monteiro for o próximo procurador-geral de Justiça do Rio de Janeiro, como quer Flávio Bolsonaro, será o responsável por conduzir o processo contra o senador, acusado pelo MP de liderar uma organização criminosa que pegava dinheiro dos servidores de seu gabinete para repassar a ele.

Fonte: Ultimo Segundo