Marina Silva: Não tenho mágoa ou rancor do Lula e acredito que da parte dele também”


Em entrevista a Mauro Lopes e Cynara Menezes, no Fórum Café desta terça-feira (5), a ex-ministra Marina Silva, pré-candidata a deputada federal pela Rede em São Paulo, voltou a sinalizar que está aberta ao diálogo com Lula (PT) e disse que não há “mágoa ou rancor” em relação ao ex-presidente, que lidera as pesquisas de intenção de voto para a disputa ao Planalto.

“Eu estou aberta ao diálogo. Em cima de ideias, propostas. Tenho tirado totalmente da cena essa história que é uma questão de mágoa, uma questão de rancor. E acredito que da parte do presidente Lula também não se trate disso e obviamente que ele tem o tempo dele. Ele mesmo tem suas avaliações políticas”, disse a ex-ministra.

No photo description available.

Marina, no entanto, cobrou uma “autocrítica” tanto do PT quanto do PSDB pela antiga polarização que, segundo ela, teria resultado na eleição de Jair Bolsonaro (PL) em 2018.

“Eu tenho uma visão em termos políticos de que o PT e o PSDB devem, sim, fazer uma autocrítica, porque eles são partidos que ficaram todos esses anos no poder após a reconquista da democracia e, em seguida, vem o Bolsonaro. E eu tenho uma avaliação: foi porque nós não fomos capazes de criar um ecossistema que favorecesse a alternância de poder e a democracia. A polarização PT/PSDB foi matando tudo o que surgia embaixo. E na democracia você não pode ter apenas dois pólos, duas colunas, senão não tem como enfrentar a caminhada”, afirmou.

May be an image of outdoors and text that says 'Tudo para a sua MADEIREIRA EIRAJK construção Aqui você encontra tudo. Do alicerce ao interruptor! E mais: temos preços bons, qualidade e atendimento. Estamos lhe aguardando na AV. Brasília 404, em frente a Pousada Menina Bonita, em Maracás. Telefone whatsapp (73) 3533-2944'

Vice de Haddad?

Na entrevista, Marina confirmou sua pré-candidatura a deputada federal pela Rede em São Paulo e o apoio a Fernando Haddad (PT) para o governo do Estado, mas sinalizou que não aceitaria ser vice na chapa do petista.

“Eu lancei minha pré-candidatura a deputada federal por entender que a agenda da sustentabilidade, da defesa da Amazônia, dos povos indígenas, está muito ameaçada no Congresso Nacional e ali eu posso continuar esse serviço de defesa do meio ambiente e da sustentabilidade”.

Da Revista Fórum.