Dinheiro em espécie, sonegação, propina: conheça a vida fiscal de Ciro Nogueira, o novo ministro da Casa Civil de Bolsonaro


O senador Ciro Nogueira (PP-PI), escolhido para ser o novo ministro da Casa Civil do governo de Jair Bolsonaro (Sem Partido), foi autuado pela Receita Federal que cobra dele impostos e multas que somam R$ 17 milhões

 

Os autos de infração que apontam os débitos foram lavrados nos anos de 2017 e 2018. Um deles se refere ao suposto pagamento de propina de R$ 6,4 milhões pelas empresas JBS e UTC, sob investigação no Supremo Tribunal Federal (STF).

De acordo com os auditores fiscais, houve omissão dos rendimentos. Eles ainda cobram o recolhimento dos impostos correspondentes aos cofres públicos. O outro caso está relacionado a transações financeiras envolvendo diversas empresas do senador que não foram devidamente declaradas, segundo o Fisco.

Os auditores mencionaram ainda diversas movimentações financeiras em dinheiro vivo feitas pelo político e pessoas próximas na época. No início de 2019, ele foi alvo de uma operação da PF dentro dessa investigação, batizada de Compensação. Na ocasião, foram encontrados em endereço dele em Teresina US$ 33,5 mil (equivalente a R$ 173 mil em valores atuais). A investigação criminal ainda não foi encerrada.

O procedimento da Receita afirma que o político foi questionado sobre a movimentação das quantias e que “abdicou de apresentar” explicações.  Revisa Forum