Bolsonaro critica Fiesp por articular manifesto pela democracia e sente cada vez ficando mais isolado


No cercadinho, Bolsonaro ironiza jovens desempregados: 'Tem que correr  atrás' - CartaCapital

O presidente da República Jair Bolsonaro tem criticado o manifesto articulado pela Fiesp, acusando de ser algo em prol da candidatura do Lula. O seu aliado nas atitudes, que é o Lira, presidente da Câmara, tentou ficar do seu lado até quando deu, mas se sentiu acuado e ja sinalizou que tirou “um pé do barco”, quando se “aliou” ao manifesto. esse amnifesto está sendo abraçado por aliados ou, provavelmente ex aliados do presidente, que é parte do empresariado, banqueiros que se misturou à sociedade brasileira, sobretudo, os amnantes da democracia e na sua maioria gente de esquerda.

Após críticas à Carta em Defesa do Estado Democrático de Direito, o presidente Jair Bolsonaro (PL) usou as redes sociais, na noite dessa quinta-feira (28/7), para ironizar o documento. No Twitter, o chefe do Executivo nacional decidiu publicar o próprio manifesto.

Em três linhas, o mandatário do país resumiu o que também intitulou de “carta de manifesto em favor da democracia”.

“Por meio desta, manifesto que sou a favor da democracia. Assinado: Jair Messias Bolsonaro, presidente da República Federativa do Brasil”, escreveu na página oficial do Twitter.

página oficial do Twitter.

Essa foi uma resposta à carta original, criada pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (FDUSP), que já tem mais de 300 mil assinaturas – de banqueiros, empresários, artistas e juristas. O texto será lido no dia 11 de agosto.

“Nota política em ano eleitoral”

Poucas horas antes de publicar o próprio manifesto, Bolsonaro já havia criticado o documento, durante a live semanal. Na ocasião, o titular do Planalto afirmou que a carta em defesa da democracia é “uma nota política em ano eleitoral“, que tem como objetivo “politizar o momento”.

“Olha, quem é contra a democracia no Brasil? Em três anos e meio, algum ato meu contrário à democracia? Eu acho que nós temos o contrário, de outras pessoas contrárias à democracia. Nós somos pela transparência, pela legalidade, nós respeitamos a Constituição”, afirmou.

Na sequência, o presidente acrescentou: “O que foi essa nota? Não entendi. Agora, foi um nota política em ano eleitoral. […] Se não tivesse o viés político nessa nota, eu assinaria, sem problema nenhum”.

Ataque hacker

Na quinta, a assessoria de comunicação da Faculdade de Direito da USP informou que, desde a publicação da carta, a página que hospeda o documento sofreu 2.340 tentativas de ataques hacker.

Segundo a instituição informou ao Metrópoles, as investidas têm sido constantes. A equipe do projeto atua para impedir a invasão da página.

Os organizadores do manifesto consideram o momento atual, marcado por ataques à democracia, ao Supremo Tribunal Federal e ao processo eleitoral, um período perigoso. Contudo, o documento não cita nomes.

O manifesto “Em Defesa da Democracia e da Justiça” é o segundo documento público lançado em defesa da democracia após seguidos ataques de Jair Bolsonaro (PL) ao sistema eleitoral. Ex-alunos da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP), vão lançar também a “Carta às brasileiras e aos brasileiros em defesa do Estado Democrático de Direito” no próximo dia 11 de agosto.

Fontes 247 e Metrópoles.