(77) 99152-6666

NOTÍCIAS ADVENTISTA: Covid-19 e saúde mental


Como entender e lidar com os traumas relacionados principalmente aos efeitos causados pela pandemia da Covid-19 nas famílias?

Por Sheila Cordazzo 2 de abril de 2021

Crianças são um dos públicos mais afetados mentalmente pela doença, a Covid-19. (Foto: Shutterstock)

Carlinhos era um menino de 8 anos que morava com seus pais ao lado da casa de seus avós. Seus pais eram amorosos e trabalhavam duro para conseguir o pão de cada dia. Pelas manhãs, Carlinhos ia pra escola e ao voltar para casa, sua avó o esperava com um delicioso almoço. Porém, um dia apareceu um vírus que mudou a rotina de sua família. De repente, ele não podia mais ir pra escola, brincar com seus amigos e nem mesmo ir para a igreja. Seus pais não podiam mais trabalhar e todas as notícias e assuntos eram em torno da Covid-19.

 

Mesmo com todos os cuidados necessários, Carlinhos pegou uma gripe. Parecia algo inofensivo, nada que o impedisse de brincar e correr pelo pátio de casa. Dois dias depois, ele não tinha mais nenhum sintoma, mas sua avó querida começou a se sentir cansada e com dificuldades para respirar. Ela foi para o hospital, onde foi diagnosticada com Covid-19. Uma semana depois, ela faleceu. Isso foi um choque para toda a família. Carlinhos não conseguiu se despedir de sua avó e ainda ouvia rumores de  que ele tinha passado o vírus para ela. A vida de Carlinhos mudou muito.

Hoje ele sofre de um distúrbio de ansiedade, que o impede de sair de casa. Seus pais perderam o emprego e as dificuldades financeiras são cada dia mais visíveis. Ele vê sua mãe chorar todos os dias e seu pai se tornou irritado e agressivo.

Embora Carlinhos seja um nome fictício, infelizmente, sua história não é. E provavelmente você já ouviu algo semelhante, talvez com algumas nuances e cores diferentes, mas com algo em comum: o trauma causado pela Covid-19.

O que é trauma?

De acordo com o Manual Diagnóstico e Estatístico dos Transtornos Mentais (DSM V), o trauma, ou Transtorno de Estresse Pós-traumático (TEPT), resumidamente é definido como a exposição a um episódio que traga ameaça de morte ou lesão grave. Os sintomas do TEPT são observados em três modalidades:

Fisiológicas – alterações no sono e no apetite, tremores, etc.

Comportamentais – alterações no humor, fobias, ansiedade, dissociação, irritação e agressividade.

Cognitivos – pensamentos e crenças disfuncionais como “sou uma pessoa má”; “não posso confiar em ninguém”; “Deus me abandonou”. Esses pensamentos negativos desencadeiam transtornos mentais que, se não tratados, podem destruir vidas.

A Covid-19 colocou bilhões de pessoas em isolamento e já infectou e matou milhões pelo mundo. A Organização Mundial da Saúde (OMS) reconheceu que esta pandemia trouxe uma crise à saúde mental.

O que fazer?

Felizmente, hoje temos tratamento para o TEPT. De acordo com a American Psychological Association (APA), as terapias focadas no trauma, como EMDR (Eye Movement Dessentiziation Reprocessing) e TCC (Terapia Cognitivo-Comportamental) são as mais indicadas para o tratamento do TEPT.

Essas terapias auxiliam no processamento das memorias traumáticas e ajudam a modificar os pensamentos e crenças distorcidas. Quanto mais rápida a intervenção, mais eficaz o tratamento.

É muito comum passarmos por dificuldades relativas à saúde mental, especialmente durante uma pandemia. Por isso, aqui vão algumas dicas para reduzir o estresse e promover o equilíbrio emocional:

Respire – respirar fundo é uma das melhores maneiras de reduzir o estresse e relaxar o corpo.

Tenha contato com a família e amigos – mesmo online, conversar com pessoas que confiamos ajuda a reduzir a carga diária.

Mantenha uma rotina saudável – mesmo em casa, continue com a rotina de horários para dormir, se alimentar, trabalhar, etc.

Evite álcool e drogas e comer em excesso para lidar com o estresse – esses recursos só pioram a situação.

Conecte-se com sua fé – a esperança é um dos pontos fundamentais para o restabelecimento emocional. A oração e a conexão com Deus são chaves para alcançar esperança e conforto em meio ao sofrimento.

Seja generoso consigo mesmo e com os outros.

Procure ajuda profissional ao primeiro sinal de estresse emocional – cuide de si mesmo e de quem você ama. Buscar ajuda é sinal de sabedoria e um ato de coragem.


Sheila Cordazzo é doutora em Psicologia.

 

Error, no Ad ID set! Check your syntax!

NOTÍCIAS ADVENTISTA: O olhar do nosso menino


Nesse sétimo dia da semana, que é o sábado em que Deus o santificou, (Êxodo 20, a partir do Verso 8, nada melhor que publicar histórias como esta.
Essa é uma linda história bem apropriada para ser lida com carinho e relaxamento, para que o leitor possa viajar refletindo e obtendo conhecimento para alimentar o seu espírito.

Se pudéssemos voltar atrás e escrever uma nova história com nossos filhos, escolheríamos a mesma. (Foto: Arquivo pessoal)

Ao embarcarmos nessa nova rota chamada maternidade e paternidade, percebemos que o destino final será sempre a entrega integral de um amor incondicional, tão aguardado. Lembro dos dias em que, após o teste de gravidez confirmar, minha filha Myah teria um irmãozinho.

Depois do susto em que levamos, a escolha do nome, suas primeiras roupinhas, a família vibrando com a chegada do maninho e todos diziam “que incrível, será um casalzinho!”. Essa espera tão desejada trouxe um misto de sentimentos e uma história real. Não que pudesse ser irreal mas, até então, parecia real apenas para outras pessoas. Dessa vez foi para nós.

Chega então o grande dia! Malinha no carro e, próxima parada, hospital. Nesse ponto, a ansiedade já não toma mais conta da cena, pois, nos braços, está o motivo de tanta espera. Como um dos maiores milagres de Deus, o bebê chega, abrindo os olhinhos, necessitando de tantos cuidados e dedicação. Logo se transforma num imenso pacotinho de amor. Bastam os primeiros sorrisos “banguelinha” para mudar o frescor do ar e o cheiro de bebê se espalha pelos cômodos da casa.

A lições na Bíblia já são substituídas pelas mensagens inspiradoras do pai Abraão, da mamãe Sara e Ana. As histórias de Davi, Samuel e Ester passam a ser retomadas diariamente através do culto familiar. Após um privilegiado período de aleitamento materno, inicia então a introdução dos alimentos.

O sono se regulariza. E, então, você já conhece seu bebê, que já senta, engatinha e caminha. Como são lindas aquelas perninhas indo em nossa direção. Chega então a tão sonhada hora de ouvir um sonoro “mamãe e papai”. Opa! Espera aí: essa parte eu não presenciei ainda! Já se passaram alguns anos e ainda não ouvimos essas lindas palavras. Só nos resta um olhar.

Nosso menino

Derek, nosso menino, nasceu com um olhar diferente. Na amamentação, pouco me olhava. Quando chamávamos pelo seu nome, muito pouco interagia ou se virava, permanecia com um olhar sempre baixo. Foram raras as vezes em que presenciamos ele sentindo dor, mesmo com o joelho todo ralado.

Com dezoito meses, ele já alinhava pedras em grupos de quatro e organizava novamente os lápis de cor bagunçados dentro da caixa, como se tivéssemos acabado de comprar. Como temos uma filha mais velha, a Myah, esses parâmetros foram ficando cada vez mais latentes. A minha pequena experiência pensava: deve ser porque ele é menino. Porém, mais sinais apareciam, todos os dias.

Percebi que quando estava entre muitas crianças, ele preferia ficar sozinho. Gostava muito de música, mas quando o som acabava, meu menino reagia com gritos e pontapés. Por diversas vezes, tive de me ausentar das programações da igreja por conta de seu comportamento, tido por muitos como birra e falta de educação. 

A investigação

A investigação foi longa e incluiu pediatra, fonoaudióloga, terapeuta ocupacional, neuropsicóloga e psicopedagoga. Quando nosso menino estava para completar três anos, abrimos a porta do consultório de uma neuropediatra como uma família comum e a fechamos com um papel que mudou nossas vidas. Era um laudo, onde constava CID 10 – F84 TEA: Transtorno Espectro Autista.

Lembro-me como hoje: saí do consultório e, na recepção do quinto andar, sentei no chão e chorei muito. Estava tentando entender o futuro daquele papel. Até então, meu foco era idealizar um filho “perfeito” mas, e agora, o que fazer? Como seguir em frente? Precisei engolir a dor e reagir.

Deus conosco

Sinto que Deus sempre esteve comigo e sabia que eu precisaria de alguém de carne e osso para me socorrer. Graças a Ele, eu tinha meu esposo e costumo dizer que é meu coração batendo fora de mim. Com a ajuda dele e de outros profissionais, mergulhei em longas terapias psicológicas, muitos estudos madrugada a dentro em leituras, sempre buscando compreender um pouco mais desse universo. Enfim, entendi que eu precisava voltar, precisava lutar. Era hora do luto acabar.

Era uma tarde de domingo, após um evento na escola das crianças, quando minha filha me entregou um presente. Era um troféu, com uma foto do Derek, que estava com um olhar para baixo – uma característica comum em pessoas com autismo. Com as mãos trêmulas e os olhos cheios de lágrimas, entendi que minha missão enquanto mãe, por mais simples que pareça, é lutar para, um dia, ter um novo troféu com meu filho olhando para a foto.

Para nós, não há nada nesta terra que represente mais o olhar celestial do que os olhos do nosso menino. (Foto: Arquivo pessoal)

Entendi que aquele é o olhar que nos acolhe e consegue ver além de nossos defeitos. Um olhar que, quando chora, pode demonstrar exatamente sua dor. Que pede aquilo que precisa e sabe dar valor àquilo que tem. Que mostra, em meio aos seus anseios, que a vida é muito mais simples, nós é que complicamos tudo. Que não precisamos de muito para dar boas gargalhadas, pois as melhores delas vem em longos abraços repletos de “cosquinhas”.

Que em meio as suas rígidas rotinas e seu jeito de pensar diferente, expande a nossa mente e nossa visão limitada para entender que, na verdade, a vida é muito mais simples do que imaginamos. Que sempre terá um sorriso sincero e um coração grato pelas mínimas coisas. Que mesmo sem ter noção do perigo, voltará seus olhos pra nós, na certeza de encontrar em nossos braços a proteção que ele necessita.

Rede de cura

Foi então que percebi a necessidade de auxiliar outras famílias que, assim como nós, buscam algo ou alguém para dar apoio. Surgiu a ideia de criarmos uma rede de apoio, para famílias adventistas da pessoa com autismo. Meu esposo, pastor Marlon Bruno Oliveira, foi o responsável pela ideia do nome RAAFA, que em hebraico significa “cura” e a sigla, em português, significa Rede Adventista de Apoio à Família Autista.

O projeto teve início no início de Abril de 2020, com dezesseis pais e profissionais da pessoa com autismo. Passamos a acolher famílias via Whatsapp em grupos divididos por regiões do País, para que pudéssemos apoiar as famílias forma de mais próxima. Realizamos nosso I Webinar Internacional, reunindo 12 palestrantes, contando com 5 mil inscritos de mais de 38 mil pessoas alcançadas pela internet. Com esse número, passamos a contribuir com mais de 300 famílias pelos grupos, de maneira virtual.

Na última edição do evento, em dezembro de 2020, já contando com o apoio integral do Ministério Adventista das Possibilidades, produzimos um Webinar com 16 profissionais, incluindo especialistas da área e autistas adultos contando suas vivências. Desta vez, o evento contou com 60 mil pessoas assistindo ao vivo, chegando a alcançar cerca de 240 mil pessoas ao longo do evento.

Atualmente nossa rede está presente em 5 países e atende mais de 500 famílias pelos grupos de WhatsApp. Isso só é possível graças aos mais de 50 pais, mães e profissionais responsáveis por moderar e interagir diariamente com seus grupos que se dividem em temas específicos como nutrição, escola sabatina, desbravadores, aventureiros e linguagem. Tudo isso é oferecido de forma gratuita as famílias, visando o amor, apoio e o acolhimento de cada um.

Restauração

Gosto de dizer que fui do luto à luta pelo meu filho. Nós não escolhemos ser pais de uma criança especial, mas nos tornamos e aceitamos essa dádiva, entendendo que esse é um dos maiores presentes de Deus pra nós enquanto vivermos nessa terra. E, sinceramente, se hoje pudéssemos voltar atrás e escrever uma nova história com nossos filhos, escolheríamos a mesma! Pois, para nós, não há nada nesta terra que represente mais o olhar celestial do que os olhos do nosso menino.

Acreditamos que Jesus vai voltar e dele receberemos nosso filho restaurado. Prepare o seu coração para esse dia! Por enquanto, feliz dia 2 de abril, o Dia Mundial da Conscientização do Autismo.


Keiny Goulart é comunicadora, esposa do pastor Marlon Bruno e mãe da Myah e Derek. Em 2020, fundou a Rede Adventista de Apoio à Família Autista, a RAAFA.

Para fazer parte da Rede, envie uma mensagem nas redes sociais ou acesse o site.

Notícias Adventista

Haddad lidera em todos os cenários para governo de SP, diz pesquisa


Levantamento do Grupo Gazeta fez três simulações, com Alckmin, Doria e sem nenhum candidato tucano. O petista Fernando Haddad venceria em todos.

Fernando Haddad

 De acordo com pesquisa da GovNet/Opinião Pesquisa, encomendada pelo Grupo Gazeta de S. Paulo, publicada nesta sexta-feira (26), o ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT) teria a preferência do eleitorado caso a eleição para o governo do estado de São Paulo fosse hoje.

No primeiro cenário, Haddad aparece com 21,06% dos votos. Atrás dele vem Márcio França (PSB), com 13,92%, seguido por Geraldo Alckmin (PSDB), com 10,59%. O atual governador João Doria (PSDB) surge na quarta colocação, com 9,85% da preferência. Os outros citados são Paulo Skaf (MDB), Abraham Weintraub e Elvis Cezar (PSDB). Os nulos são 19,6%, enquanto os indecisos somam 13,2%.

 

Entrevista de Lula a Reinaldo Azevedo “quebra” a internet


Transmissão pelo Youtube chegou a ter quase 300 mil telespectadores simultâneos e revela como a sociedade brasileira estava ansiosa para ouvir o ex-presidente.

 

A estratégia da centro-direita brasileira de silenciar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem sido um grande tiro no pé. Prova disso foi a entrevista concedida nesta quinta-feira (1) pelo ex-presidente Lula ao jornalista Reinaldo Azevedo no programa O é da coisa, na Bandnews FM.

Em uma entrevista de uma hora e vinte minutos, Lula falou sobre vários temas, como a Lava Jato e ex-juiz Sérgio Moro, o governo de Jair Bolsoanro, a pandemia do novo coronavírus, defendeu o legado dos seus governos e os da ex-presidente Dilma Rousseff.

No mesmo horário da entrevista de Lula na Bandnews, Jair Bolsonaro fazia sua tradicional live semanal. Internautas registraram a diferença de audiência no youtube entre as duas transmissões. Enquanto a entrevista de Lula chegou a ter 279 mil pessoas ao vivo, a live de Bolsoanro tinha 13 mil pessoas assistindo.

Ao ser questionado sobre o manifesto assinado por presidenciáveis de direita e centro-direita, como Ciro Gomes, o ex-ministro da Saúde Henrique Mandetta, os governadores João Doria e Luciano Huck e o apresentador da Globo Luciano Huck, Lula saudou a defesa da democracia, mas disse que ela veio tarde demais.

“Essa gente, todos eles tiveram a chance em 2018 de deixar a democracia garantida votando no Haddad. Essa gente preferiu votar no Bolsonaro. Ciro só foi para Paris”, afirmou Lula.

Lula fez um apelo para que Jair Bolsonaro administre as crises do País: “Deixa de ser ignorante, presidente. Para de brigar com a ciência. Para de falar para os seus milicianos, fale para os 200 milhões de brasileiros”.

Lula também afirmou que a “Lava Jato oficializou o roubo” no Brasil. Ele lembrou que a operação “premiou todos os ladrões”, que fizeram esquemas de delações premiadas.

“Todos agora estão fumando charuto cohiba, aquele charuto cubano, e tomando rum cubano às nossas custas”, disse.

Na entrevista, Lula também afirmou que o Brasil está vivendo um genocídio, causado “pela irresponsabilidade de um único homem, que brinca com a doença, que zomba da doença, que inventa remédio, referindo-se a Jair Bolsonaro.

Com informação do 247

Em manifesto, Doria, Ciro, Huck, Eduardo Leite, Mandetta e Amoedo dizem que ‘democracia brasileira é ameaçada’


Em cima: João Doria, Ciro Gomes e Luiz Henrique Mandetta. Embaixo: Luciano Huck, Eduardo Leite e João Amoêdo

De acordo  matéria publicada no 247, em manifesto, Doria, Ciro, Huck, Eduardo Leite, Mandetta e Amoedo dizem que ‘democracia brasileira é ameaçada’
31 de março de 2021, 21:39
Em cima: João Doria, Ciro Gomes e Luiz Henrique Mandetta. Embaixo: Luciano Huck, Eduardo Leite e João Amoêdo

247 – Em um manifesto divulgado no começo da noite desta quarta-feira (31), os governadores de São Paulo, João Doria (PSDB), do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), os ex-ministros Ciro Gomes (PDT) e Luiz Henrique Mandetta (DEM), mais o apresentador Luciano Huck e o ex-presidenciável João Amoedo (Novo) afirmaram que a democracia brasileira é ameaçada. Nesta quarta completam-se 57 anos do início da Ditadura Militar (1964-1985) no Brasil.

De acordo com o manifesto, “exemplos não faltam para nos mostrar que o autoritarismo pode emergir das sombras, sempre que as sociedades se descuidam e silenciam na defesa dos valores democráticos”.

“Muitos brasileiros foram às ruas e lutaram pela reconquista da Democracia na década de 1980. O movimento ‘Diretas Já’ uniu diferentes forças políticas no mesmo palanque, possibilitou a eleição de Tancredo Neves para a Presidência da República, a volta das eleições diretas para o Executivo e o Legislativo e promulgação da Constituição Cidadã de 1988. Três décadas depois, a Democracia brasileira é ameaçada”, afirmaram.

Os signatários do manifesto fizeram uma convocação por uma união nacional. “Homens e mulheres desse país que apreciam a liberdade, sejam civis ou militares, independentemente de filiação partidária, cor, religião, gênero e origem, devem estar unidos pela defesa da consciência democrática. Vamos defender o Brasil”, disse.

Dilma Rousseff

Vítima de dois golpes, o de 1964 e o de 2016, a ex-presidente Dilma Rousseff afirmou que o povo brasileiro tem que lutar para encontrar a saída diante do túnel imposto pelos golpistas ao Brasil.

“Qual é a chance de o país voltar a ser livre, o país do futuro com o qual tanto sonhamos? Não vejo mais luz no fim do túnel, tendo os opressores aliados à nossa elite”, afirmou Dilma em entrevista à TV 247.

Casal que batizou 14 filhos com nomes de jogadores com a letra R tem primeira menina; confira escalação


Casal que batizou 14 filhos com nomes de jogadores com a letra R tem primeira menina; confira escalação
Crédito da Foto: arquivo pessoal

Com 14 filhos batizados com nomes de jogadores de futebol, todos iniciados com a letra R, um casal de Conceição do Coité, a 200 quilômetros de Salvador, teve sua primeira filha: Raiane.

A dona de casa Jucicleide Silva, 40, e do agricultor Irineu Cruz, 44, entrou em acordo, há mais de duas décadas, quando o primogênito nasceu, que os meninos teriam seus nomes escolhidos pelo pai e as meninas pela mãe. Porém, foram necessárias 15 tentativas para que D. Jucicleide pudesse fazer isso.

“Eu comecei com essa história quando vi Zagalo escalar a seleção brasileira e tinha seis jogadores com a letra R no time. Eu disse a minha mulher que chamaria meus filhos por nomes de jogadores e por aí foi”, explicou Irineu ao portal Uol.

A dona de casa tinha certeza de que logo teria uma menina, “mas aí foi vindo menino atrás de menino”, contou. “Aí, disse a ele que a gente só ia parar de fazer filhos quando chegasse uma filha”, brincou Jucicleide.

Mesmo não escolhendo o nome da bebê, Irineu comemorou a tradição: “Promessa é promessa e eu cumpri a minha. E ela ainda manteve a tradição dos erres”.

Confira, a seguir, a escalação completa (os nomes dos filhos): Raiane, Rodrigo, Ronaldo, Robson, Reinan, Rauan, Rubens, Rivaldo, Ruan, Ramon, Rincon, Riquelme, Ramires, Railson e Rafael.

FÁBRICA ENCERRADA

Após o parto de Raiane, dona Jucicleide ligou as trompas. “Eu tinha certeza que seria menino, mas avisei que, se fosse, seria muito feliz. Mas veio uma menina e fiquei muito mais feliz. Agora, a família está completa”, disse.

O casal mora, hoje, om 12 filhos, pois os três mais velhos já casaram e deixaram a casa dos pais. Eles vivem de “bicos” e do Bolsa Família.

 

 

Nova York legaliza a maconha e aprova lei para criar mercado de US$ 4,2 bilhões em vendas


Além da legalização da maconha para uso recreativo, o projeto aprovado, que será sancionado pelo governador Andrew Cuomo, permite o cultivo da planta

 

O estado Nova York moveu-se em direção à criação do segundo maior mercado da nação para a maconha legal quando a legislatura estadual aprovou na terça-feira um projeto de lei sobre o tema.

A medida permite que vitrines de maconha abram logo no próximo ano, e que os produtores domésticos comecem a cultivar sua própria maconha. Isso limitaria o número de licenças para grandes corporações e imporia impostos sobre vendas e impostos de consumo que estimam-se que gerem cerca de US$ 350 milhões por ano.

A legislação colocaria em ação a eliminação automática de registros de pessoas com condenações anteriores por atividades que não seriam mais criminalizadas quando a maconha fosse legalizada para uso por adultos de 21 anos ou mais

O Senado votou a favor da medida 40-23. A Assembleia aprovou o projeto por uma votação de 100-49. Os votos de ambas as câmaras foram em grande parte segundo as linhas partidárias.

“Havia muitos aspectos importantes dessa legislação que precisavam ser tratados corretamente – especialmente as disparidades raciais que afetaram a resposta de nosso estado ao uso e distribuição de maconha, bem como garantindo a segurança pública – e estou orgulhoso de que, por meio de uma forte colaboração, alcançamos a linha de chegada ”, disse a líder da maioria no Senado estadual, Andrea Stewart-Cousins ​​(D), em um comunicado à imprensa.

O governador Andrew Cuomo (D) disse que assinará o projeto de lei, que ele negociou com os legisladores em um acordo de aperto de mão na semana passada.

Assim que o programa de Nova York estiver totalmente implementado, prevê-se que gere dezenas de milhares de empregos e cerca de U $ 4,2 bilhões em vendas, ultrapassando o estado de Washington e ficando atrás apenas da Califórnia, que teve cerca de US$ 4,4 bilhões em vendas no ano passado.

Com informação do 247

 

‘Herdeiro’ de Lázaro, Leandro Guerrilha quer manter ‘legado’ dele na Câmara


'Herdeiro' de Lázaro, Leandro Guerrilha quer manter 'legado' dele na Câmara

Foto: Paulo Victor Nadal / Bahia Notícias

Convocado nesta terça-feira (30) para assumir na Câmara de Salvador o lugar deixado por Irmão Lázaro (PL), que faleceu no último dia 20 vítima por complicações da Covid-19 (leia mais aqui), o radialista Leandro Guerrilha (PL) garante que vai dar prosseguimento ao legado político do ex-vereador.

 

“Infelizmente, o destino nos pregou essa peça e nos deixou essa lacuna. Mas, como Lázaro sempre foi preocupado com o ser humano e a família, e eu também sou, vamos continuar neste legado de família e combate às drogas. Ele teve uma história com drogas, é um recuperado, e todo mundo sabe disso. Em nome dele, vou continuar esse trabalho com atenção especial”, afirma, em entrevista ao Bahia Notícias.

 

Vale ressaltar que Guerrilha não é novato no cargo. Ele já foi vereador na capital entre 2013 e 2016, período que coincidiu com a primeira gestão de ACM Neto (DEM).

 

AMIZADE COM LÁZARO
Apesar de demonstrar empolgação com a posse, marcada para a próxima terça-feira (6), Guerrilha se diz entristecido com a morte do amigo. Ambos tinham amizade desde o início da década de 1990. “É conflitante [o sentimento] por conta da minha amizade e aproximação. Eu conheço Lázaro desde os 17 anos. Primeira banda que eu fiz teste, ele era músico. Inclusive, pouca gente sabe, mas fui eu que lancei Lázaro, quando eu trabalhava na 104 FM, com a música ‘Melô do Pom Pom Pom’”, conta.

 

“Nossa amizade sempre foi forte. Morávamos no mesmo bairro e entramos no mesmo partido”, acrescenta, ressaltando que o objetivo era fortalecer o nome de Lázaro para 2022, quando o cantor gospel tentaria retornar à Câmara dos Deputados.

 

CONTINUIDADE DA CARREIRA
Atualmente, o novo parlamentar comanda o programa “Bom Dia, Salvador”, na rádio Salvador FM 92,3. Ele garante que seguirá no comando da atração. “Eu sou radialista, estou vereador e jamais vou sair do rádio. Os meus ouvintes e eleitores podem ficar tranquilos. É até uma forma de ampliar minha voz. Meu programa é uma caixa de ressonância da sociedade, onde as pessoas reclamam de diversos assuntos. Isso tudo é um complemento do meu mandato”, pontua.

 

Ele, no entanto, assegura que dará prioridade ao cargo no Legislativo soteropolitano. “É claro que, se tiver uma reunião ou algo importante, eu estarei, afinal a prioridade é a cidade”, acrescenta.

 

PROJETOS
Além de defender “a família” e o combate às drogas, Guerrilha diz que vai tratar de assuntos relativos à cidade, principalmente em assuntos relacionados à estruturação de Salvador para o período das chuvas, e incentivo a programas de moradia.

 

Ele também diz que terá atenção especial a assuntos relacionados à cultura, como a viabilização da Casa do Museu do Samba, e do fortalecimento do samba junino como patrimônio imaterial da capital baiana.

 

Por fim, ele diz que volta à Câmara mais maduro. “Não tem como passar por uma experiência sem trazer aprendizados. O que aconteceu de não renovar foi uma questão que a democracia exige. Fui bem votado, mas, por composição partidária, não fui eleito”, conclui.

Mortes entre jovens com Covid-19 crescem 447% na Bahia, diz Sesab


Mortes entre jovens com Covid-19 crescem 447% na Bahia, diz Sesab

Foto: Paula Fróes / GOVBA

Mais de 331 mil jovens entre 20 e 39 anos contraíram o novo coronavírus na Bahia desde o início da pandemia. Ao analisar o número de óbitos mensais nesta faixa etária, a Secretaria Estadual da Saúde (Sesab) identificou um aumento de 447% no comparativo de março deste ano com novembro de 2020.

 

“Em apenas quatro meses, o número de óbitos nesse grupo cresceu vertiginosamente. Por serem a base da pirâmide da força de trabalho, naturalmente estão mais expostos à infecção. Porém, ao não utilizarem a máscara, se recusarem a manter o distanciamento social e não higienizarem as mãos com frequência, agravam a situação”, afirmou o secretário da Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas.

 

A Sesab aponta para o alto risco de participar de grandes festas, como os famosos “paredões”, que geram considerável aglomeração de pessoas tanto em Salvador quanto no interior do estado.

 

“A Covid-19 é uma doença traiçoeira, pois não há um perfil definido de quem terá sintomas leves ou graves, ainda que as comorbidades como obesidade, diabetes e hipertensão sejam elementos para agravar a situação. Ainda assim, há jovens que não sentem nada e outros que são intubados e morrem, o mesmo ocorrendo com idosos”, destacou Vilas-Boas.

 

Sozinha, a faixa etária de 30 a 39 anos teve um incremento de 553% no comparativo das mortes ocorridas em novembro de 2020 e março de 2021. Já os jovens entre 20 e 29 anos tiveram um aumento de 250% no mesmo período. BN Notícias

Empresário do sul da Bahia é investigado por exploração sexual de meninas carentes


Empresário do sul da Bahia é investigado por exploração sexual de meninas carentes

Suspeito oferecia emprego a pais em troca de ‘favores sexuais’ das filhas adolescentes

Aparelhos eróticos, lingeries, lubrificantes e armas foram apreendidos na manhã de hoje, dia 30, durante a Operação Cilada, deflagrada pelo Ministério Público estadual no município de Ubatã, no sul da Bahia. A operação, busca obter novas provas contra um empresário da região investigado por “explorar sexualmente meninas de famílias carentes, fazendo promessas e oferecendo dinheiro, presentes, e até mesmo casa e emprego para a sua família, em troca de favores sexuais”.

A ação foi realizada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) em conjunto com a Secretaria de Segurança Pública e Policia Civil.

Mandados de busca e apreensão foram cumpridos nos endereços profissional e residencial do empresário e também mandado de prisão temporária expedido pela Justiça contra o investigado, a pedido do MP.  Segundo o Gaeco, a investigação realizada até o momento demonstra que o empresário “praticou estupro de vulnerável de pelos menos duas adolescentes, irmãs, filhas de funcionário de uma de suas empresas, pelo período de dois anos, quando as vítimas tinham 15 e 13 anos”. As vítimas apresentaram ao MP vídeos de relações sexuais com o investigado e relataram que sofreram ameaças de morte para não o denunciar.

Thank you for watching

Conforme o Gaeco, o empresário utilizou seu poder econômico na região de Ubatã para inibir que vítimas e testemunhas colaborassem com as investigações, por meio de ameaças de demissão de funcionários de suas empresas ou oferecendo compensação financeira. Do Correio da Bahia

Sem chuvas, Chorrochó, Anagé e Aracatu têm decretos de emergência reconhecidos


Sem chuvas, Chorrochó, Anagé e Aracatu têm decretos de emergência reconhecidos

Chorrochó / Foto: Reprodução / Google Maps

Os municípios de Chorrochó, na divisa com Pernambuco; e Anagé e Aracatu, no Sudoeste, tiveram decretos de emergência reconhecidos pelo Estado nesta quarta-feira (31). As medidas valem por 180 dias, contados a partir da data em que os decretos foram homologados pelos municípios. No caso de Chorrochó, vigora a partir de 24 de fevereiro; em Anagé, desde 9 de março; e em Aracatu, com início em 11 de março.

Em Chorrochó, o motivo da condição de emergência é a seca. Assinado pelo prefeito Humberto Gomes Ramos, o decreto municipal alegou que a falta de água por tempo prolongado ocasionou “drástica redução do volume de água dos rios, mananciais e poços artesianos”. No município, acrescenta a prefeitura, a colheita das plantações ficou comprometida “devido aos baixos índices pluviométricos”.

No caso de Anagé, que convive com a estiagem, o prefeito Rogério Bonfim afirmou que a falta de água para consumo humano, cultivo, lavoura e pecuária de subsistência levou o município a prejuízos econômicos e sociais. O gestor ainda apontou o risco de consumo de água imprópria pelos moradores.

Em Aracatu, que também sofre com a estiagem, a prefeita Braulina Lima Silva informou que mesmo com chuvas esparsas ocorridas em dezembro passado, a água para consumo humano também está imprópria. A gestora ainda declarou que a falta de chuva inviabiliza a principal atividade econômica local, que é a agricultura familiar.

Seca e estiagem têm diferenças. Segundo a Defesa Civil do Estado (Sudec), a estiagem ocorre quando um município passa um período [de abril a julho, por exemplo] sem chuvas. Na seca, a cidade passa dois [como de abril a julho e de novembro a fevereiro] sem precipitações.

Na vigência do decreto de emergência – nos casos, em 180 dias – as prefeituras também podem contratar, sem necessidade de licitação, obras e serviços com vistas a diminuir os efeitos da seca ou estiagem. Porém, as contratações não podem passar do período do decreto. BN Notícias 

Eduardo Bolsonaro publica VÍDEO do pai comemorando o golpe militar


À época, Bolsonaro soltou fogos para comemorar a data tão especial para a extrema-direita. Foto: Reprodução

 

No dia em que se completam 57 anos do golpe militar de 1964, Eduardo Bolsonaro decidiu publicar um vídeo do pai de 2014 para comemorar.

O vídeo é de 31 de março, há 7 anos, quando o golpe completou 50 anos.

Na época, o hoje presidente, parabenizou os militares e disse que eles “salvaram o Brasil de uma ‘cubanização’”.

Ele usou o discurso de negacionismo histórico, narrativa que até hoje mantém.

O restante da família está calada nesta data tão especial para eles, mas ontem o ministro da Defesa, Braga Netto, publicou uma nota em que diz que o golpe foi reação a “ameaças à democracia” e militares “pacificaram o país”.

“Quanto mais gastarmos agora, melhor”: Dallagnol mandou colegas viajarem para não ter que devolver verba


Em 
Em conversa., Dallagnol mandou procuradores consumirem todo orçamento de passagens e diárias para não ter de de   volver. Foto: Reprodução/Intercept

 

A Lava Jato mantinha um orçamento só para despesas com viagens. Em 2017, parte desse orçamento sobrou. Dallagnol, então, enviou uma mensagem aos colegas para que marcassem viagens o mais rapidamente possível, de modo que a verba reservada não tivesse que ser devolvida.

Dois anos depois, em 2019, restrições orçamentárias do MPF afetaram o pagamento de diárias na Lava Jato. O corte foi criticado pelos membros da operação. Sobrou principalmente à procuradora-geral da República à época, Raquel Dodge, que havia concedido um aumento aos motoristas do MPF.

Blog do Rovai: Acuado, Bolsonaro entra em pânico e não tem força para golpe


Bolsonaro está em seu pior momento no governo e as Forças Armadas dão um recado claro de que não estão unidas em torno dele, mas tem gente na oposição assustada. Aí fica difícil mesmo…

A situação do presidente vai de mal a pior

O governo Bolsonaro é hoje um espectro daquele que assumiu em janeiro de 2019 com forte apoio do setor financeiro, da classe média, da mídia, do alto empresariado, das Forças Armadas, do Judiciário, da Lava Jato, dos EUA, de Trump e também do povão.

Em janeiro de 2019, Bolsonaro já tinha oposição aguerrida, mas ao mesmo tempo sufocada. À mercê do que pudessem vir a ser os erros e acertos do governo que chegava. Mais disso do que da sua capacidade de operar uma resistência organizada e forte a uma agenda que prometia intervenções pesadas na economia e nos direitos humanos.
Bolsonaro chegava como um imperador num cavalo branco. Algo meio um Napoleão com uma agenda ultraneoliberal e fascista.

Neste final de março de 2021, por um lado Bolsonaro acaba de mostrar ao país que é refém do centrão, cedendo na demissão de seu fiel escudeiro, Ernesto Araújo, por exigência do Senado e entregando a Secretaria do Governo para uma inexpressiva deputada, Flávia Arruda, que é unha e carne com o presidente da Câmara, Arthur Lira, e filiada ao PL que já mandava piscadelas para a candidatura de Lula. Sim, Bolsonaro também deu sinal de que tem medo de Lula.

Por outro lado, Bolsonaro revelou ao país que não tem nas Forças Armadas o apoio que boa parte da população e da esquerda imaginavam que tinha. Ao demitir o ministro da Defesa Fernando Azevedo e Silva e ter recebido sinais de demissão dos comandantes das três armas (Marinha, Aeronáutica e Exército) ficou claro que o comando das Forças Armadas está com o presidente até a página 3. E que ele terá que quebrar muitos ovos se quiser enveredar pelo omelete autoritário.

Não há um sinal sequer de força que permita Bolsonaro endurecer o regime neste momento. Os sinais são de um piloto que comanda um avião descontrolado por erros que cometeu e que não sabe mais o que fazer. Por isso decidiu arriscar uma reforma ministerial destrambelhada mexendo num ministério tão sensível como o da Defesa sem ter uma direção clara do que pretende.

Numa hora dessas não é recomendado aos que são oposição entrarem em pânico junto com o governante em crise. É preciso ter muita calma e não ficar gritando, por exemplo, golpe à vista ou qualquer bobagem com este significado.

Um golpe não se consolida apenas pelo desejo de um presidente maluco. Ele precisa de condições e apoios objetivos do estabilishment, da mídia e das Forças Armadas que Bolsonaro já não tem mais neste momento.

Bolsonaro está lutando pela sua sobrevivência. Contra um impeachment que parecia imensamente distante há 3 meses e que subiu no telhado. E pela blindagem dos seus filhos, em especial o 01.

Pode parecer um bicho assustado, disposto a tudo, mas já é um bicho sem dentes. Uma presa fácil para ser descartada pelo sistema, se este entender que é a hora. Até porque a popularidade de Bolsonaro está em queda.

Não é momento de temê-lo e nem de fortalecê-lo com teses conspiratórias. É hora de tratá-lo politicamente como ele é, um verme. Um verme genocida.

Com informação da Fórun

 

 

Casal é morto a tiros dentro de ambulância do Samu em Salvador


Crime aconteceu quando homem estava sendo regulado para o Hospital do Subúrbio

Um casal foi morto a tiros dentro de uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) na noite dessa segunda-feira (29). O crime aconteceu na rotatória do Hospital do Subúrbio, na BA-528.

Segundo informações da Polícia Militar, os socorristas contaram que estavam fazendo a regulação do homem para o Hospital do Subúrbio quando a ambulância foi interceptad apor um ônix branco. Quatro homens armados atiraram contra o casal e fugiram.

Os socorristas não ficaram feridos. Equipes da 31ª CIPM e do Batalhão de Polícia Rodoviária (BPRv) foram até o local e isolaram a área. Ninguém foi preso até o momento. Do Correio da Bahia