Vereadora do PT de São Paulo diz que PM ficou com arma apontada para o seu rosto


Assista vídeo em que a vereadora Juliana Carodoso (PT-SP) conta sobre a abordagem truculenta feita pela Polícia Militar de São Paulo; “Me senti ameaçada”

De acordo a matéria da Revista Fórum, a vereadora Juliana Cardoso (PT-SP) gravou um vídeo comentando sobre a ação de policiais militares que deteve a ela e parentes dos ativistas Preta e Sidney Ferreira, que tiveram habeas corpus deferido nesta quarta-feira (10). Segundo ela, os policiais estavam acompanhando o carro da irmã dos ativistas com o objetivo de continuar a perseguição sobre o Movimento Sem Teto Do Centro (MSTC).

“Eu fui informada depois que eles já estavam atentos a placa do carro de uma das irmãs da Preta e do Sidney e por isso que houve a abordagem, mas eles não faziam ideia que eu estava no carro junto com eles. Então, você vê que foi uma abordagem direcionada. Mais uma vez, uma ação truculenta, direcionada, para poder pegar os militantes que são vinculados ao movimento de moradia do centro. É inadmissível a gente ter um estado desse, que tem que ajudar as pessoas a terem segurança, parar, por mais de três horas, seis viaturas para fazer uma ação truculenta”, declarou.

A parlamentar disse que acionou a Câmara Municipal após seis viaturas chegarem no local. Juliana e os outros que estavam no carro foram levados para a delegacia, mas já foram liberados.