Tremor de baixa intensidade assusta moradores de SC


Conforme Rede Sismográfica Brasileira e USP, fenômeno teve magnitude 3,6.

Tremor de baixa intensidade assusta moradores de SC

Tremor de baixa intensidade assusta moradores de SC

Um tremor de 3,6 de magnitude foi registrado a 100 quilômetros da costa de Florianópolis, às 9h28 desta sexta-feira (13), segundo a Rede Sismográfica Brasileira e o Centro de Sismologia da Universidade de São Paulo (USP).

Conforme as instituições, a força do tremor é considerada de baixa intensidade. Moradores de pelo menos 20 cidades catarinenses relataram sentir os reflexos. Ninguém ficou ferido e nenhum dano foi registrado pela Defesa Civil e Corpo de Bombeiros até as 12h.

Em Blumenau, um prédio chegou a ser esvaziado em decorrência do abalo. Na capital, os bombeiros informaram que receberam 57 relatos, e a Polícia Militar outros sete chamados de pessoas que sentiram o tremor.

A Defesa Civil estadual confirmou ter sido acionada por moradores do Norte, Sul e Leste da Ilha, na capital, em Santo Amaro da ImperatrizTijucas São João Batista, que ficam na Grande Florianópolis, e outras cidades do litoral catarinense e do Vale do Itajaí.

Centro de Sismologia da USP registrou fenômeno (Foto: Reprodução)Centro de Sismologia da USP registrou fenômeno (Foto: Reprodução)

Centro de Sismologia da USP registrou fenômeno (Foto: Reprodução)

Florianópolis

O morador André Luiz Araújo, do bairro Barra da Lagoa, no Leste da capital, disse que correu para rua ao sentir o tremor.

“Parecia um terremoto aqui na Barra, foi muito estranho, eu nunca tinha tido essa sensação, o chão tremendo”.

Já Waldir Fellipe, que mora no bairro Ribeirão da Ilha na região Sul, chegou a atribuir a sensação à passagem de um veículo na rua.

“Senti na janela de alumínio que tremeu. Pensei que fosse um caminhão ou ônibus que passou na frente, mas não, estava tudo tranquilo. Eu senti realmente um pequeno tremor”.

Prédio da rua Santa Maria esvaziaram o prédio após tremor (Foto: Defesa Civil/Divulgação)Prédio da rua Santa Maria esvaziaram o prédio após tremor (Foto: Defesa Civil/Divulgação)

Prédio da rua Santa Maria esvaziaram o prédio após tremor (Foto: Defesa Civil/Divulgação)

Vale do Itajaí

Em Blumenau, o tremor foi sentido também na rua Santa Maria e um prédio chegou a ser esvaziado. “A última torre do condomínio fica próxima as rochas, eles sentiram as portas e janelas batendo. Os moradores saíram de dentro do prédio e ligaram para nós”, contou o diretor municipal de Defesa Civil de Blumenau Rodrigo Quadros.

Um engenheiro e um geólogo foram levados pela prefeitura ao local e não foram identificadas rachadura aparente no prédio. A equipe deve monitorar a situação e o aparecimento de rachaduras em pisos e paredes.

O que explica?

Conforme o Centro de Sismologia da USP, a provável causa da ocorrência do tremor se deve à uma possível acomodação da placa tectônica Sul Americana, a qual encontra-se localizada entre outras placas tectônicas, com destaque para as placas tectônicas de Nazca e Africana, no contato Oeste e Leste, respectivamente.

Segundo o professor Bruno Collaço, pesquisador do centro da USP, tremores como esse são registrados ao menos uma vez por mês no litoral catarinense. Conforme o estudioso, praticamente toda a costa brasileira, desde o estado da Bahia até o Rio Grande do Sul é uma região bastante susceptível a ocorrência de tremores desse tipo.

“É um pouco acima dos tremores que costumam acontecer todas as semanas no Brasil que são de magnitude 2 a 3, mas ainda assim é uma magnitude bem baixa para os padrões mundiais”, explicou.

Conforme o professor da USP, praticamente todas as semanas acontecem tremores no Brasil. “A grande maioria deles não é percebido pela população, apenas pelos sismógrafos. A costa brasileira, o nordeste, principalmente os estados do Ceará e Rio Grande do Norte, o sudeste, com Minas Gerais e São Paulo, a região central do país com Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, são áreas bastante propensas a ocorrência de tremores”.

A Rede Sismográfica Brasileira registrou em 18 estações no Brasil o evento sísmico. Para o sismólogo Juracir Carvalho, da Rede Sismográfica Brasileira o abalo é um fenômeno natural, fraco sem razão para preocupação. “Não há qualquer relação com tsunamis, que nunca ocorrem no Atlântico, sem razão para susto”, complementou.

Abaixo a imagem das formas de ondas sísmicas, que foram recebidas pelas estações da Rede Sismográfica Brasileira:

Imagem das formas de ondas sísmicas, que foram recebidas pelas estações da Rede Sismográfica Brasileira (Foto: Reprodução)Imagem das formas de ondas sísmicas, que foram recebidas pelas estações da Rede Sismográfica Brasileira (Foto: Reprodução)

Imagem das formas de ondas sísmicas, que foram recebidas pelas estações da Rede Sismográfica Brasileira (Foto: Reprodução)

Histórico em Santa Catarina

Segundo a Rede Sismográfica Brasileira, outros tremores históricos de magnitudes a partir de 3 já foram registrados pelas nossas estações em Florianópolis e na margem continental de Santa Catarina.