Técio Lins e Silva define Daniel Silveira: gordo nos músculos, atrofiado no cérebro


Daniel Silveira e Técio Lins e Silva

Um dos maiores advogados do país e considerado o “príncipe dos criminalistas”, Técio Lins e Silva disse à TV 247 nesta quarta-feira (17) que o Supremo Tribunal Federal (STF) tem razão em determinar e confirmar a prisão do deputado federal Daniel Silveira após o parlamentar ter divulgado um vídeo com ofensas e ameaças contra ministros do Supremo.

O especialista criticou o linguajar do deputado, classificando-o como “um tosco, um grosso, uma coisa horrorosa, se achando acima de tudo. Não sei o que pensa esse moço. Ele engordou nos músculos, mas o cérebro parece que continua atrofiado”. Continua a matéria depois das publicidades.

 

Lins e Silva pediu ainda a cassação do mandato do parlamentar pela própria Câmara dos Deputados. “Ele só faz atividade política para o mal, para falar mal. Fico muito triste em ter um representante nosso, do Rio de Janeiro, na Câmara dos Deputados com aquela linguagem tosca, desabrida. Isso não é um deputado. Duvido que o Conselho de Ética possa deixar esse moço com mandato. Tem que ser cassado pela própria Casa porque ele causa indignação a política e a todos nós, ao país, ao Brasil, a todos nós que acreditamos nas instituições, no Congresso, na Justiça. Fiquei absolutamente triste, em parte com tristeza e com nojo. O Supremo reagiu e não poderia deixar de reagir. É um sujeito que está na contramão de tudo, não só da lei. Vivemos tempos difíceis”.

Sobre a imunidade parlamentar, direito conferido aos deputados e utilizado pelos que defendem Silveira para pedir sua soltura, o advogado esclareceu que o benefício não serve para deixar com que crimes passem impunes. “A imunidade é para assegurar a liberdade no exercício do mandato, não é para acobertar o deputado da prática de crimes, daquilo que é anormal”.

Já  em outro assunto, Lins comenta sobre suspeição de Moro. Veja vídeo

Com informação  do 247