Remanso: Alyne Sales fala do motivo que lhe fez ser candidata a vereadora


Alyne Sales do partido (PODEMOS) 36 anos de idade, mãe de três filhos, sendo um menino e duas meninas, casada com Roberto Alves, que trabalha no INSS, disse que por muito tempo vem observando as formas erradas em que vem praticando o poder público municipal de Remanso. Com isso, depois de pensar muito, tanto nos seus três pimpolhos como nos de muitas mães que vivem na incerteza de terem a atenção que merecem, ela resolveu se candidatar para representar nem só essas mães, mas também os mais oprimidos da cidade e da zona rural.

Conheça um pouco mais de Alyne

Seu histórico de formação começou na cidade de Salvador onde ela atuou na central de telemarketing do INSS, tendo ali a base de conhecimento sobre o Direito Previdenciário, também atuou na Conder (Companhia de Urbanismo do Estado da Bahia), ainda na capital baiana através de concurso público como servidora da Secretaria Municipal de Saúde, deu a sua contribuição na Secretaria de Endemias.

Mudança de cidade: Com mais de 10 anos residindo na cidade de Remanso, onde criou raiz, teve filhos, Alyne tem  vivido para defender o direito da  população mais necessitada.

Como educadora começou sua atuação em Remanso como professora, depois assumiu a coordenação pedagógica em escolas municipais posteriormente ingressando também através de concurso público, como assistente social na Secretaria de Assistência Social, onde já no primeiro ano assumiu a coordenação do centro de referência especializado de assistência social (CReas) realizando ali campanhas de combate à violência contra criança, contra adolescente, contra mulher e contra o idoso. Realizou audiências publicas junto ao ministério público e o Judiciário.

Especialista em gestão pública e rede de defesa de direitos, a cerca de 4 anos Alyne atua como técnica de referencia do Cras ( Cebtro de Referência de Assistência Social) no bairro da área industrial da cidade.

Onde surgiu o interesse por política?

Venho de uma família politizada, meu pai é Jornalista, dono de jornal a mais de 30 anos, minha mãe atuou em diversas áreas, na comunicação, foi editora de grandes editoras em São Paulo, e também assumiu secretarias de Educação na cidade de Maracás Bahia  no ano de 1997. Na secretaria de comunicação na cidade de Jequié Bahia em 2002, alem da produção de jornal e revistas, meus pais são responsáveis pela minha posição politica diante da sociedade. Esse questionamento e insatisfação com a forma com que o recurso publico é tratado, e como a população sofre por causa dos maus políticos…

Minha atuação como Assistente social nos últimos anos, trouxe mais ainda esse  questionamento, na atuação  e contato com a população tanto da cidade como da zona rural, que percebi a necessidade de ter no  poder público pessoas que se preocupem com a população mais vulnerável de verdade, que não tem acesso a emprego , renda, habitação, saneamento, que sofre com a estiagem, e que  muitas vezes falta alimentação…. por diversas vezes percebo a falta de dignidade que a população se encontra por ter seus direitos negados já nos primeiro atendimentos.

Ao site Café com Leite Notícias Alyne disse que apesar de um vereador ou vereadora não ter o poder de executar obras e trazer benefícios para o povo, quando se tem vontade e desejo de fazer acontecer de forma diferente, sempre consegue, pois o vereador tem o papel, em primeiro lugar, de fiscalizar o executivo e cobrar dele obras que beneficiem o povo da cidade e zona rural, sobretudo, os mais carentes.  Para a candidata, o vereador ou vereadora pode e deve criar indicações para que os benefícios cheguem para o povo e que os recursos que chegam às contas da prefeitura, que no caso de remanso é uma grande quantia de dinheiro, sejam canalizados de forma correta, para que o povo não seja lesado, pois esse recurso pertence a todos.

Demonstrando bastante indignada, a candidata disse que é uma vergonha uma cidade do porte de Remanso não ter o seu hospital, que poderia ser até de maior porte para ser regional. “Lutar por um hospital para a nossa gente vai ser uma das minhas bandeiras, caso o povo me dê esse direito de lutar na câmara de vereadores”, assegurou Alyne e continuou: “quem tem dinheiro pode muito bem pagar uma consulta ou qualquer outra coisa, até uma cirurgia com o próprio dinheiro, mas…. e quem não tem? Morre? É isso?”, questiona a candidata deixando transparecer a sua indignação.

É preciso que o povo saiba discernir as coisas e procurar ter sabedoria na hora de dar o seu voto. É preciso que se votem com consciência, para que os quatro anos de uma gestão sejam bem aproveitados.

Alyne está na corrente do candidato a prefeito, Marcos Palmeira, (PC do B) que também tem o sonho de ver uma Remanso mais promissora e um povo com a auto estima em alta. É hora do povo pensar muito e escolher entre o que está aí, fazendo Remanso ser uma das cidades mais abandonadas do Brasil, no sentido de benefícios para o seu povo, ou a renovação, trazendo novos horizontes e uma nova forma de cuidar da cidade e do seus habitantes.