Queniano eleito melhor professor do mundo doa 80% do salário para pobres


Foto: AP

O melhor professor do mundo é um queniano que doa 80% de seu salário para os pobres na remota aldeia de Pwani, no Quênia.

O frade francisco e professor Peter Tabichi ganhou um milhão de dólares neste domingo, 24, do Global Teacher Prize, o “Nobel”da educação, no Atlantis Hotel, em Dubai. A cerimônia foi apresentada pelo ator Hugh Jackman.

Na escola em que Peter dá aulas, existe apenas um computador com acesso à internet de má qualidade. Ele ensina ciência para estudantes do ensino médio na aldeia semi-árida de Pwani, onde quase 30 por cento das crianças são órfãs ou têm apenas um dos pais.

Na entrega do prêmio, Tabichi usou uma túnica franciscana. Ele revelou que o mais distante que havia viajado antes foi para Uganda.  A ida para Dubai também marcou sua primeira vez em um avião.

“Eu me sinto ótimo. Eu não posso acreditar. Eu me sinto muito feliz por estar entre os melhores professores do mundo, sendo o melhor do mundo”, disse ele à Associated Press após sua vitória.

O queniano superou outros nove candidatos, dentre eles a professora brasileira Débora Garofalo, que ensina robótica na Escola Ary Parreiras, na periferia de São Paulo.

Ajudar os pobres

Ele disse que a escola não tem biblioteca nem laboratório. Ele planeja usar o milhão de dólares do prêmio para melhorar a escola e alimentar os pobres.

Peter Tabichi é reconhecido por ajudar muitos alunos a permanecer na escola, qualificar para competições internacionais em ciência e engenharia e ir para a faculdade.

“Sempre que eu reflito sobre os desafios que eles enfrentam, eu derramo lágrimas”, disse ele sobre seus alunos, acrescentando que sua vitória vai ajudar a dar-lhes confiança.

O presidente do Quênia, Uhuru Kenyatta, disse em um comunicado que a história de Tabichi “é a história da África e esperança para as gerações futuras”.

O pai

Como membro da irmandade católica romana, Tabichi usou uma túnica marrom até o chão para receber o prêmio apresentado pelo príncipe herdeiro de Dubai Sheikh Hamdan bin Mohammed bin Rashid Al Maktoum.

Em seu discurso, Tabichi disse que sua mãe morreu quando ele tinha apenas 11 anos de idade, deixando seu pai, um professor de escola primária, com o trabalho de criar ele e seus irmãos sozinhos.

Tabichi também agradeceu ao pai por ensinar valores cristãos e o convidou para subir ao palco. O professor deu o prêmio para o pai segurar e recebeu aplausos da plateia.

“Esta noite foi incrivelmente emocionante, muito comovente”, disse Hugh Jackman à AP depois de apresentar a cerimônia e tocar números musicais de seu filme The Greatest Showman.

“Foi uma grande honra, uma emoção estar aqui e a noite foi cheia de um espírito realmente puro ”, acrescentou.

O prêmio

Tabichi foi selecionado entre dez mil candidatos.

O prémio é distribuído pela Fundação Varkey, cujo fundador, Sunny Varkey, criou a empresa GEMS Education, com fins lucrativos, que administra 55 escolas no Emirados Árabes Unidos, Egito e Catar.

O vencedor é selecionado por comitês compostos por professores, jornalistas, funcionários, empresários, líderes empresariais e cientistas.

No ano passado, um professor de artes britânico foi premiado por seu trabalho em um dos lugares mais etnicamente diversos no país. Seu trabalho foi apontado pelos alunos por ser responsável por se sentirem bem-vindos e seguros em um bairro com altas taxas de homicídios.

Outros vencedores incluem um professor canadense por seu trabalho com alunos indígenas em uma aldeia isolada do Ártico, onde as taxas de suicídio são altas e uma professora palestina por seu trabalho em ajudar crianças refugiadas na Cisjordânia traumatizadas por violência.

O primeiro vencedor em 2015 foi um professor do Maine que fundou uma organização sem fins lucrativos para desenvolver e disseminar novos métodos de ensino.

Com informações Estadão