(77) 99152-6666

Nasa confirma: equipe só de mulheres fará caminhada histórica no espaço


As astronautas da NASA, Anne McClain, à esquerda, e Christina H. Koch participarão de uma caminhada espacial no dia 29 de março. Foto: Divulgação

As astronautas da NASA, Anne McClain, à esquerda, e Christina H. Koch participarão de uma caminhada espacial no dia 29 de março. Foto: Divulgação

Dia Internacional da Mulher, com uma notícia ótima da Nasa que confirma: duas mulheres estão preparadas para fazer história na primeira caminhada espacial.

Pela primeira vez, uma equipe só de mulheres fará uma caminhada espacial na Estação Espacial Internacional.

Como parte da Expedição 59, as astronautas da NASA Anne McClain e Christina Koch realizarão a caminhada espacial em 29 de março.

Elas terão apoio em solo da controladora de vôo da Agência Espacial Canadense, Kristen Facciol, que estará no console no Johnson Space Center da NASA. em Houston.

Para McClain, de 39 anos, a expedição será sua primeira vez no espaço.

Koch, de 40 anos, fará seu primeiro voo espacial no dia 14 de março para poder se juntar à sua equipe na ISS, Estação Espacial, para a expedição.

A expedição ocorre 35 anos depois que a astronauta soviética Svetlana Savitskaya se tornou a primeira mulher a participar de uma caminhada espacial em 25 de julho de 1984.

A missão de sete horas terá transmissão ao vivo no site da NASA às 6h30, horário do leste e pode ser acompanhada neste link.

“Como atualmente programado, a caminhada espacial de 29 de março será a primeira só com mulheres”, disse a porta-voz da Nasa, Stephanie Schierholz, à CNN em uma declaração por e-mail confirmando a missão.

“É o segundo de uma série de três caminhadas espaciais planejadas. Anne também se juntará a Nick Hague para a caminhada espacial de 22 de março.

A equipe do dia 29 de março Foto: Divulgação

A equipe do dia 29 de março: Christina, Anne e Kristen Foto: Divulgação

Ver imagem no Twitter

Agora, com a engenheira aeroespacial canadense Kristen Facciol operando como apoio terrestre da equipe do Centro Espacial Johnson da NASA em Houston, a missão histórica será um marco apropriado para os pioneiras femininas durante o mês de março: o Mês Histórico das Mulheres.

Com informações do GNN

Error, no Ad ID set! Check your syntax!

Atos marcam o Dia Internacional de Luta da Mulher pelo mundo


PUBLICADO ORIGINALMENTE NO PORTAL MÍDIA NINJA

Mais juntas que nunca.

Esse é o lema e o espírito que leva as mulheres as ruas neste 8 de Março. Dia Internacional de luta das mulheres, já é tradição fazer atos, marchas, debates, greves e paralisações em nome de direitos. Liberdade de escolha, direitos trabalhistas, poder sobre seu corpo, empoderamento, anti racismo, anti machismo, anti lesbobitransfobia, ir e vir, anti capacitismo, anti xenofobia. As pautas são diversas e cada vez mais latentes. Mas as mulheres estão organizadas e de mãos dadas, e vão ocupar todos os espaços e fazer ecoar o grito de que são imparáveis.

 

 

Futuro de Lula nos tribunais superiores pode se decidir nas próximas semanas. Por Eduardo Maretti


POR EDUARDO MARETTI

A informação de que a 5ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) pode julgar, ainda em março, recurso da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva contra a condenação referente ao tríplex do Guarujá, introduz novo elemento na longa batalha jurídica travada no caso.

Em novembro de 2018, o ministro Felix Fischer – relator da Lava Jato no STJ – negou o recurso especial de Lula contra a decisão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região que condenou o ex-presidente em janeiro de 2018. No STJ, a defesa contesta a decisão de Fischer. Em agravo regimental, os advogados argumentam que o ministro não pode decidir monocraticamente (sozinho) e negar um recurso especial (REsp), como fez.

Agora o STJ pode julgar o recurso nas próximas semanas. Antes, portanto, do julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF) das Ações Declaratórias de Constitucionalidade (ADCs ) 43 e 44, sobre a prisão após condenação em segunda instância, marcado para 10 de abril pelo presidente do Supremo, Dias Toffoli.

“O STJ parece querer apressar um julgamento, como vem ocorrendo durante o processo de Lula, com rapidez em alguns momentos nunca vista”, diz o advogado criminalista Leonardo Yarochewsky.

A decisão do STJ sobre o caso do tríplex pode ser a última do tribunal sobre o caso. Se a Corte negar o recurso, Lula não seria solto, mas teria ainda duas possibilidades a seu favor. A primeira será o próprio julgamento das ADCs, que não dizem respeito ao caso de Lula especificamente, mas vale para todos na mesma situação de terem sido condenados em segunda instância e presos em seguida.

“Essas ADCs deveriam ter sido julgadas quando a ministra Cármen Lúcia era presidente do STF. O ministro Marco Aurélio chegou a fazer um questionamento duro à ministra Cármen, afirmando que a estratégia tinha vencido o Direito”, lembra o advogado. Com a recusa da ministra em pautar a questão, Lula pôde ser preso logo após o próprio STF ter negado habeas corpus ao ex-presidente, em 5 de abril de 2018. Ele foi preso dois dias depois.

A segunda possibilidade que Lula tem de vencer a batalha será eventual julgamento do STF de seu caso específico, em recurso extraordinário, caso o STJ mantenha a posição (o que deve acontecer) contra Lula já manifestada por Felix Fischer em sua decisão monocrática de novembro último.

No caso das ADCs 43 e 44,Yarochewski explica que há três correntes no STF sobre a prisão após condenação em segunda instância. “A corrente em vigor é a vencedora na decisão do STF de 2016, segundo a qual cabe a execução provisória ou antecipada da pena, que acabou possibilitando a prisão de Lula e de dezenas de milhares de pessoas em todo o país.”

Em 2016, votaram a favor da prisão depois de condenação em segunda instância (tese vencedora por 6 votos a 5) os ministros Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Teori Zavascki, Luiz Fux, Gilmar Mendes e a presidente do STF, Cármen Lúcia. Zavascki foi substituído por Alexandre de Moraes, que manteve o voto do antecessor. Porém, Gilmar Mendes mudou sua posição no decorrer do tempo, se colocando contra a prisão em segunda instância no julgamento do habeas corpus de Lula.

A segunda corrente, expressa claramente pelos ministros Ricardo Lewandoski, Marco Aurélio e Celso de Mello, defende que a execução da pena só pode acontecer após o trânsito em julgado, ou seja, depois do esgotamento de todos os recursos cabíveis, inclusive no STF.

“A decisão do STJ (se ocorrer em março), seja qual for, não dá o trânsito em julgado, porque o caso de Lula ainda vai ao STF”, diz Yarochewsky.

O advogado lembra que, durante todo o período, surgiu uma terceira via que seria defendida pelos ministros Toffoli e Gilmar Mendes. Segundo essa posição, a prisão só poderia se dar após julgamento de tribunal superior. Nesse caso, STJ ou do STF.

Rosa

A incógnita, na questão de mérito nas ADCs, continua sendo a ministra Rosa Weber. Em 2016, ela votou contra a prisão depois de condenação em segunda instância. Mas em 2018, ao se manifestar no julgamento do habeas corpus de Lula, a ministra invocou o “princípio da colegialidade” e decidiu contra o que ela mesma pensa sobre o tema, de acordo com a própria ministra no voto. Apesar de ser contra, Rosa disse que não poderia contrariar o que o tribunal decidira antes.

“Com todo o respeito à ministra, ela tinha um entendimento, mas depois votou de outra maneira. Pode ser que nas ADCs isso se esclareça, porque esse julgamento não visa nenhum caso específico. Teria sido fundamental que isso tivesse sido julgado antes do HC de Lula, mas não foi.” Fonte DCM.

Itália lança versão do Bolsa Família


Benefício vai distribuir mensalmente até 1.050 euros à população mais pobre

Os italianos podem solicitar, a partir desta quarta-feira 06, um novo benefício social similar ao Bolsa Família brasileiro. O programa conhecido como Renda de Cidadania é uma medida para desempregados e contra a exclusão social, que é uma das principais promessas de campanha do partido populista e antissistema Movimento 5 Estrelas (M5S).O benefício consiste em uma ajuda econômica de até 500 por mês para indivíduos e de até 1.050 euros (cerca de 4.500 reais) por mês por família. Quem vive de aluguel poderá receber um adicional de 280 euros.

Segundo o M5S, que governa a Itália ao lado do partido de extrema direita Liga, trata-se de uma medida de política trabalhista e de combate à pobreza, à desigualdade e à exclusão social.

O primeiro-ministro Giuseppe Conte afirmou que o programa significará um forte impulso à economia italiana por causa do impacto positivo que terá no consumo interno. O programa deverá custar 7,1 bilhões de euros em 2019, 7,8 bilhões em 2020 e 8 bilhões em 2021.

A iniciativa causou fortes atritos com a União Europeia (UE) e levou a Comissão Europeia a rejeitar a proposta de orçamento da Itália por temores de que a já elevada dívida pública italiana subisse ainda mais.

Para o vice-primeiro-ministro Luigi Di Maio, que lidera o M5S e é o principal defensor da medida, o programa será uma revolução na vida de milhões de pessoas. Críticos, por sua vez, argumentam que o programa resultará não impulsionará o emprego.

O governo planeja atender 1,375 milhão de famílias ou indivíduos. O período de usufruto do benefício é de 18 meses, mas ele pode ser renovado depois de um mês de pausa.

A Renda de Cidadania pode ser solicitada por italianos e estrangeiros que residam há pelo menos dez anos na Itália. Todos os beneficiados devem ter renda anual máxima de 6 mil euros, ou 12,6 mil euros no caso de famílias.

O solicitante não pode ser dono de barcos destinados ao lazer ou de imóveis que valham mais do que 30 mil euros (excetuada a sua residência) nem ter mais do que 6 mil euros no banco ou ter comprado um carro nos seis meses anteriores.

Além disso, o solicitante deve estar disponível para começar a trabalhar imediatamente, assim como para seguir um processo personalizado de reinserção no mercado de trabalho, que pode implicar serviços à comunidade ou o término dos estudos.

O benefício está associado a um processo de reinserção social e no mercado de trabalho. Quem quiser receber o subsídio deverá aceitar um “pacto pelo emprego”, que obriga o beneficiado a todos os dias entrar num site onde são publicadas ofertas de emprego.

Após se registrar no site, o beneficiado deverá escolher uma das ofertas que lhe forem oferecidas. Elas consideram sua formação profissional, seu local de residência e o tempo que está desempregado.

A primeira oferta deve ser de um emprego a uma distância de até 100 quilômetros da residência do beneficiado, a segunda de até 250 quilômetros, e a terceira, em qualquer lugar da Itália, com algumas exceções. Quem rejeitar três ofertas seguidas deve ter o benefício cancelado.

Os italianos podem solicitar a nova ajuda social pela internet e nas agências do correio. Se aprovados, receberão os pagamentos num cartão. Os primeiros pagamentos estão previstos para maio.

A Itália é a terceira maior economia da zona do euro. A taxa de desemprego no país é de 10,5%, segundo números de janeiro da União Europeia.

Muito obrigado por ter chegado até aqui…

… Mas não se vá ainda. Ajude-nos a manter de pé o trabalho de CartaCapital.

O jornalismo vigia a fronteira entre a civilização e a barbárie. Fiscaliza o poder em todas as suas dimensões. Está a serviço da democracia e da diversidade de opinião, contra a escuridão do autoritarismo do pensamento único, da ignorância e da brutalidade. Há 24 anos CartaCapital exercita o espírito crítico, fiel à verdade factual, atenta ao compromisso de fiscalizar o poder onde quer que ele se manifeste.

Nunca antes o jornalismo se fez tão necessário e nunca dependeu tanto da contribuição de cada um dos leitores. Seja Sócio CartaCapital, assine, contribua com um veículo dedicado a produzir diariamente uma informação de qualidade, profunda e analítica. A democracia agradece.

 

 

 

 

Adolescente junta dinheiro por dois anos para comprar cadeira de rodas para o amigo


 

O adolescente americano Tanner Wilson guardou parte do dinheiro que recebeu durantes dois anos em um trabalho meio-período para comprar uma cadeira de rodas elétrica para o amigo de escola.

Tanner notou que seu melhor amigo, Brandon Qualls, estava com muita dificuldade de se locomover em uma cadeira manual.

“Meus braços ficavam muito doloridos e eu precisava parar o tempo todo para descansar”, contou Brandon ao site Daily Mail. “Ele é um ótimo amigo e eu queria lhe fazer um favor”, disse Wilson.

5 mil pessoas fazem fila na chuva para salvar menino com câncer


Foto: SWNS
Foto: SWNS

Quase cinco mil pessoas ficaram na fila, na chuva por horas, para ver quem tinha a combinação de células-tronco compatível para ajudar um menino que está lutando contra o câncer.

Oscar Saxelby-Lee, de 5 anos, tem leucemia linfoblástica aguda. Os médicos disseram à família que ele tem apenas três meses para encontrar um doador para ajudar a curar seu câncer.Os pais de Oscar, Olivia Saxelby e Jamie Lee, lançaram o apelo “Hand in Hand for Oscar” para encontrar algum doador.

A ideia era conseguir que muita gente se inscrevesse para o registro de doadores de células-tronco do sangue.

E com chuva e tudo 4.855 fizeram fila lado de fora da escola de Oscar.

A instituição de caridade que hospeda a unidade, DKMS, disse que seu recorde anterior para um único evento foi de 2.200 pessoas.

A campanha de Oscar mais do que dobrou o número.

“Não há palavras para expressar nossos sinceros agradecimentos e amor pelas milhares de pessoas incríveis que apareceram na Escola Primária de Pitmaston neste fim de semana”, escreveu a Escola Primária de Pitmaston no Twitter.

“Nós registramos 4.855 doadores de células-tronco. Os voluntários foram incríveis.”

Oscar está atualmente sob os cuidados de médicos no Hospital Infantil de Birmingham. Ele já passou por 20 transfusões de sangue e quatro semanas de quimioterapia.

“Oscar é um garoto divertido, amoroso e cheio de energia, de cinco anos, que merece viver ao lado de outros soldados que lutam contra doenças tão horríveis. Ele não precisa apenas aproveitar uma vida normal que uma criança deveria viver, ele agora precisa de alguém mais para salvá-lo “, sua mãe disse ao The Telegraph.

Não foi informado ainda se algum dos doares do último fim de semana é compatível. Vamos torcer!

Oscar e os pais - Foto: SWNS

Oscar e os pais – Foto: SWNS

Com informações do SunnySkyz

Rejeitos de barragem que rompeu em Minas Gerais ameaçam o Velho Chico


A situação do Rio Paraopeba após o rompimento da Barragem da Mina do Feijão vem sendo monitorada pelo governo (Divulgação/Vale)
Comitê cobra ação mais efetiva da Vale para evitar poluição no Rio São Francisco

Ambientalistas ligados ao Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF) estão em alerta quanto à possibilidade de contaminação do Rio São Francisco pela lama de rejeitos da barragem  da mina Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG), e que se rompeu em 25 de janeiro, deixando, até o momento, 189 mortos.

A barragem da Vale liberou 13 milhões de metros cúbicos de rejeitos de minério de ferro no Rio Paraopeba e, segundo a CBHSF, os rejeitos já teriam chegado às proximidades da Usina Hidrelétrica de Retiro Baixo, entre as cidades de Curvelo e Pompéu, região central de Minas Gerais.

A área do reservatório de Retiro Baixo possui 22,5 quilômetros quadrados, com profundidade máxima de 44 metros e é a última represa antes do reservatório da Usina Hidrelétrica de Três Marias, a qual verte água diretamente para o Rio São Francisco.

Gerente da Retiro Baixo Energética, consórcio responsável pela usina, Lana Beatriz Oliveira informou ao CORREIO que não pode afirmar,  com certeza, se os rejeitos chegaram. “Tem chovido na região e não podemos afirmar 100% que a lama já chegou, é bem provável, mas só especialistas para confirmarem isso”, disse.

A hidrelétrica está situada a, aproximadamente, 300 quilômetros do local onde se deu o rompimento, e até a área de alagamento da represa da Usina Hidrelétrica de Três Marias são mais 100 km. Com capacidade para gerar 82 MW de energia, Retiro Baixo está operando com metade disso, gerando entre 30 e 40 MW.

O monitoramento do avanço da pluma de sedimentos no rio Paraopeba é feito pela Agência Nacional de Águas (ANA), em parceria com o Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam), a Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) e o Serviço Geológico do Brasil (CPRM).

Relatório 

O relatório de ontem  aponta elevação de turbidez da água do Rio Paraopeba, num ponto a 271 km da barragem I da Vale, em Brumadinho. Quanto à localização da onda de rejeitos, o boletim aponta “valores de turbidez mais altos que aqueles apurados no rio antes do rompimento da barragem, no município de Pompéu”, afirma a ANA.

Para o Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco, as membranas de contenção da lama de rejeitos, colocadas pela Vale “ainda não mostraram sua eficácia”. As membranas, diz o comitê, “deveriam, pelo menos, reduzir a velocidade de deslocamento da pluma de rejeitos”, os quais “ocasionaram, inclusive, mortandade de peixes”.

O presidente do CBHSF, Anivaldo Miranda,  espera que “a Vale seja obrigada a contratar com celeridade a melhor tecnologia internacional dada à gravidade dos impactos que a lama está provocando no Paraopeba com reflexos que, em breve, poderão ser sentidos no Rio São Francisco.”

Para Miranda, “não há tempo para estudos demorados das possíveis metodologias a serem empregadas, e sim a determinação do poder público à empresa Vale para que adquira essas metodologias e tecnologias, inclusive no mercado internacional”.

O procurador da República Antonio Arthur Barros Mendes estranha que “fique a critério da Vale a escolha da tecnologia para contenção e filtragem da lama de rejeitos que avança no Paraopeba”, e sugeriu “a necessidade de uma atitude mais proativa do poder público nessa questão.”

Sem respostas 

Procurado para comentar o caso, o Igam, órgão estadual ambiental mineiro com atuação semelhante ao Inema na Bahia, não respondeu ao CORREIO, assim como o próprio Inema, que também tem acompanhado as discussões sobre a possível contaminação do Rio São Francisco.

O Ministério Público de Minas Gerais também não respondeu. A ANA tem promovido reuniões semanais sobre o assunto, junto com órgãos ambientais federais e estaduais de Minas Gerais e da Bahia. A próxima reunião será na próxima segunda-feira, dia  11

A ANA informou ao CORREIO que “solicitou à Vale informações adicionais sobre ações que a empresa tem tomado para controle da situação e mitigação dos efeitos sobre a qualidade da água e usuários de recursos hídricos tanto do reservatório de Três Marias quanto do rio Paraopeba” e “aguarda a resposta da Vale até 7 de março”.

“A partir das informações recebidas, novas medidas poderão ser tomadas em articulação com o Igam”, diz o órgão federal. “Como o Rio Paraopeba é de gestão estadual por estar completamente localizado em território mineiro, a ANA não possui interveniência sobre o curso d’água. Cabe ao Igam analisar a qualidade da água.”

Vale instalou  cinco barreiras no Rio Paraopeba

Questionada pelo CORREIO, a Vale não comentou sobre a eficácia das membranas colocadas no Rio Paraopeba para conter os rejeitos. Declarou que “cinco barreiras hidráulicas foram instaladas ao longo do Rio Paraopeba para conter os sedimentos”.

A empresa diz que “estabeleceu um plano de monitoramento da qualidade das águas, sedimentos e organismos aquáticos a partir de coletas diárias de amostras em 65 pontos nas bacias dos rios Paraopeba e São Francisco, cujos resultados parciais vêm sendo compartilhados diariamente com os órgãos competentes”.

Segundo informou a Vale, moradores e produtores rurais com atividades em 12 municípios de Minas Gerais “estão recebendo abastecimento de água para consumo humano, animal e para irrigação”. Até o momento, a Vale diz que disponibilizou um volume de 20 milhões de litros de água.

A tragédia 

A   barragem, localizada a 57 quilômetros de Belo Horizonte, rompeu-se por volta das 12h20 do dia  25 de janeiro. Um mar de lama tomou conta de estradas, do rio, do povoado e, sobretudo, da área da Vale, empresa responsável pela barragem. Como era hora do almoço, muitos funcionários ficaram retidos no restaurante.

Pela estimativa do Corpo de Bombeiros de Minas, os trabalhos de resgate de corpos deverão se estender por três a quatro meses após o rompimento. No último dia 18, foi publicada resolução no Diário Oficial da União por recomendação da Agência Nacional de Mineração (ANM). O Ministério de Minas e Energia definiu uma série de medidas de precaução de acidentes nas cerca de mil barragens existentes no país, começando neste ano e prosseguindo até 2021.

Cabeleireira junta R$ 3 mil em moedas vendendo ‘chup-chup’ e realiza sonho


Por Liliane Souza, G1 Santos

Em abril, Rosângela e o marido viajarão para a Argentina — Foto: Liliane Souza/G1 Santos

Em abril, Rosângela e o marido viajarão para a Argentina — Foto: Liliane Souza/G1 Santos

Um pacote de viagem em promoção despertou a atenção da cabeleireira Rosangela Veleda Gomes, de 49 anos. Moradora de Santos, no litoral de São Paulo, a gaúcha começou a vender chup-chup há três anos para complementar a renda, mas, até o fim de 2017, não tinha definido como o dinheiro seria gasto. No final, o que ganhava acabava sendo usado sem que ela sequer percebesse.

Determinada a gastar em viagens, ela conseguiu juntar quase R$ 3 mil em moedas em pouco mais de um ano. Segundo ela, o segredo é ‘esquecer’ o dinheiro no cofre. A receita deu certo e a quantia foi investida em um cruzeiro que seguiu do Porto de Santos até o Rio de Janeiro e Balneário Camboriú (SC), em fevereiro deste ano, e em passagens aéreas para ela e o marido rumo à Argentina – passeio que farão em abril.

Rosangela durante cruzeiro que partiu do porto de Santos e seguiu até Balneário Camboriú (SC) — Foto: Arquivo PessoalRosangela durante cruzeiro que partiu do porto de Santos e seguiu até Balneário Camboriú (SC) — Foto: Arquivo Pessoal

Rosangela durante cruzeiro que partiu do porto de Santos e seguiu até Balneário Camboriú (SC) — Foto: Arquivo Pessoal

A estadia do cruzeiro foi comprada no ano passado. Já as passagens para o exterior foram adquiridas em fevereiro, após o investimento que começou em maio de 2018. Na ocasião, ela e o marido foram até a agência de viagens, no bairro Ponta da Praia, com o cofre cheio de moedas. A contagem mobilizou a equipe, que levou 34 minutos para contabilizar R$ 1.617.

Responsável pela loja, o empresário Rafael Roberto disse que ficou surpreso quando ela chegou à loja com o cofre de plástico pela primeira vez. “A gente não costuma trabalhar muito com dinheiro. É mais cartão de crédito, cheque. Dinheiro é complicado, ainda mais moeda. A gente conta e acaba trocando com o pessoal do bairro para dar troco”, diz.

Cabeleireira junta quase R$ 3 mil em moedas — Foto: Liliane Souza/G1 Santos

Cabeleireira junta quase R$ 3 mil em moedas — Foto: Liliane Souza/G1 Santos

Direto para o cofre

No cofre, ela só guarda moedas de R$ 1 e R$ 0,50 centavos, para facilitar a contagem. “Como a gente não consegue juntar dinheiro de papel, decidi juntar em moeda porque é bem mais fácil. Ela fica meio que esquecida. E eu não queria pagar conta nem nada, eu queria alguma coisa que eu pudesse aproveitar para mim”.

Em maio de 2018, ela estava pronta para abrir o cofre pela primeira vez. Na ocasião, ela conseguiu juntar R$ 1.100, o suficiente para garantir sua estadia no cruzeiro. “No dia seguinte eu já comprei outro cofre”, conta.

Seja em seus trabalhos extras como cabeleireira ou nas vendas de chup-chup, cada moeda recebida vai direto para o cofre. As filhas e o marido também ajudam. “Tem cliente que dá caixinha em moeda para ajudar na viagem. Eu fico muito feliz”, conta.

O preparo dos doces é feito assim que ela chega do trabalho, no fim da tarde. Como ela fica no salão durante o dia, a entrega normalmente é feita pelas filhas. A clientela é tanta que no ano passado ela ganhou um freezer só para colocar os produtos. Ao todo, são 32 sabores diferentes, e o preço varia entre R$ 1,50 e R$ 2,50.

“O campeão de vendas é o de ninho com nutella. Às vezes fico até 3h preparando chup-chup. Eu sigo à risca meu objetivo, senão a gente fica só trabalhando, pagando contas”, diz Rosangela, que fica atenta aos gostos dos clientes para inovar nos sabores. “No verão eu vendo muito chup-chup alcoólico. Tem de espanhola, saquê de morango, caipirinha, batida de amendoim. O pessoal adora”.

Rosangela chega a passar a madrugada preparando chup-chup — Foto: Arquivo Pessoal

Rosangela chega a passar a madrugada preparando chup-chup — Foto: Arquivo Pessoal

E não adianta pedir para trocar o dinheiro. Rosangela afirma que seu prazer é juntar moeda por moeda. “A graça é fazer a compra com as moedas, porque aí eu vejo quanto tempo eu levei juntando. Isso dá mais entusiasmo para continuar”.

Com um novo cofre, ela já vislumbra sua viagem para o ano que vem. “O próximo destino vai ser o Nordeste”, conta, entusiasmada.

Shopping Paralela fecha estacionamento ondulado por 90 dias


MK acusou ainda os dirigentes do shopping de tentarem “comprar o silêncio” da Rádio Metrópole com publicidade

[Shopping Paralela fecha estacionamento ondulado por 90 dias]
Foto : Metro1

Por Alexandre Galvão

A gente até tenta não falar, mas o Shopping Paralela nos dá mil motivos para ser pauta do Jornal da Metrópole. Agora, o centro comercial tenta negar o que todo mundo já viu: há uma crise na estrutura do local.

“Não há nenhum risco estrutural em nosso prédio e seguimos em normalidade operacional”, afirmou a assessoria do grupo, em nota. A “normalidade”, porém, significa pedaços do forro caindo e o reparo sendo feito com um simples pano. “Estava apenas a 50 metros do local quando o pedaço caiu bem no L1. Foi uma sorte imensa não ter machucado ninguém”, disse, nas redes sociais, um frequentador do local que viu, com os próprios olhos, a “normalidade operacional” do centro de compras.

Agora, após inúmeras denúncias, o Shopping Paralela tenta correr atrás do prejuízo e quer consertar, pelo menos, o piso “montanha-russa”. As deformidades que causam arrepios em muitos, para a administração do local, é responsável apenas por “desconforto estético”.

Com o fim do prazo dado pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano de Salvador (Sedur), o Paralela começou a reformar o G2, onde estão as irregularidades no piso. Por isso, o shopping ficará por até 90 dias sem o espaço. Ainda de acordo com a administração do local, “não há nenhuma mudança estrutural a ser feita”.

“O shopping dará continuidade aos planos de revitalização, principalmente, da praça de alimentação, e de interligação da passarela, no 2° piso, ao metrô”, disse, em nota. Na semana passada, o Ministério Público recomendou o encerramento de obras de ampliação.

MK cobra respeito à imprensa 

Em comentário na Rádio MetrópoleMário Kertész criticou a atitude da administração do Shopping Paralela diante das denúncias de irregularidades na construção do prédio. “Eu fiquei revoltado quando recebi hoje esse comunicado em que eles tentam generalizar a culpa e jogar a responsabilidade para a imprensa”, disse.

MK acusou ainda os dirigentes do shopping de tentarem “comprar o silêncio” da Rádio Metrópole com publicidade.  “A primeira abordagem que eles quiseram fazer com a rádio foi através de publicidade. Não aceito nenhuma publicidade, não aceito”, asseverou.

 

Cardeal francês é condenado à prisão por não denunciar abusos sexuais


Por G1

Cardeal Philippe Barbarin, Arcebispo de Lyon, chega para seu julgamento em corte de Lyon, em imagem de arquivo — Foto: Emmanuel Foudrot/Reuters

Cardeal Philippe Barbarin, Arcebispo de Lyon, chega para seu julgamento em corte de Lyon, em imagem de arquivo — Foto: Emmanuel Foudrot/Reuters

O cardeal francês Philippe Barbarin, arcebispo de Lyon, foi condenado a seis meses de prisão por não denunciar agressões sexuais contra menores cometidas por um padre de sua diocese. A defesa deve recorrer da sentença.

Barbarin, de 68 anos, não estava no tribunal correcional de Lyon nesta quinta-feira (7) para ouvir o veredito. Ele é a maior autoridade da Igreja católica processada na França por casos de abusos de menores.

Por outro lado, outros cinco acusados de não denunciarem os crimes cometidos pelo padre Bernard Preynat não receberam condenação: Maurice Gardes (arcebispo de Auch), Thierry Brac de La Perrière (bispo de Nevers), padre Xavier Grillon e os leigos Pierre Durieux (ex-diretor de gabinete de Barbarin) e Régine Maire (encarregada pela arquidiocese de receber vítimas de pedofilia).

De acordo com o jornal “Le Monde”, a condenação foi simbólica e justiça se concentrou no acusado que ocupava o cargo mais alto da hierarquia da igreja católica acusado pela associação La Parole Liberée de silenciar face ao caso de pedofilia. O juiz entendeu que o cardeal Barbarin intencionalmente obstruiu a justiça.

Os advogados anunciaram que pretendem apresentar um recurso contra a sentença. “A motivação do tribunal não me convence. Portanto, vamos apelar contra a decisão por todas as vias do direito”, disse Jean-Félix Luciani, que considera “difícil para o tribunal resistir a uma tal pressão com documentários, um filme [produzidos sobre o caso]”.

Francois Devaux, cofundador da associação que entrou com a ação, celebrou a sentença, que considerou uma “grande vitória para a proteção das crianças”.

Abusos

O caso veio à tona em 2015, depois que várias vítimas denunciaram o padre Bernard Preynat por abusos cometidos entre 1986 e 1991. Na época dos abusos, as vítimas eram menores de 15 anos.

As vítimas também apresentaram uma denúncia contra Barbarin por não ter recorrido à Justiça, embora estivesse a par dos fatos.

O advogado Jean Boudot, que representava as vítimas, afirma que o cardeal sabia dos casos de pedofilia desde pelo menos 2010, quando discutiu com o padre Preynat os “rumores” que corriam sobre ele.

Philippe Barbarin foi acusado de não denunciar os crimes — Foto: Robert Pratta/Reuters

Philippe Barbarin foi acusado de não denunciar os crimes — Foto: Robert Pratta/Reuters

O cardeal, porém, afirma que só soube das denúncias contra o religioso em 2014 depois de conversar com uma das vítimas.

Depois de seis meses de investigação e de seis horas de interrogatório do cardeal, a Procuradoria de Lyon arquivou o caso em 2016. Várias vítimas lançaram, porém, um procedimento de citação direta. Na França, isso permite à vítima recorrer diretamente a um tribunal penal.

A partir daí o caso ficou sob responsabilidade da juíza presidente da 17ª câmara correcional de Lyon, Brigitte Vernay. O julgamento começou em janeiro deste ano e Barbarin negou ter alguma culpa no caso. “Não vejo do que sou culpado”, afirmou o cardeal.

De acordo com o “Le Monde”, em 2001 e 2018 bispos foram condenados na França em casos semelhantes.

UTI Neonatal faz ensaio com bebês fantasiados no Carnaval: esperança


Fotos: Unidade Neonatal HJMO/HTRI
Fotos: Unidade Neonatal HJMO/HTRI

Não é fácil a espera dos pais que têm filhos internados. Para amenizar esse sofrimento e levar um pouco de esperança às famílias, um hospital de Pernambuco fantasiou os bebês  – que estavam na UTI Neonatal neste Carnaval – de Super-Homem, Batman, Minnie, Capitão América… (fotos abaixo)

“Onde há amor, não falta solidariedade, paz e emoção”, disse ao SóNotíciaBoa Maria Cicilia Andrade, 36, coordenadora do setor e enfermeira do Hospital João Murilo de Oliveira, em Vitória de Santo Antão, Pernambuco.

Ela conta que a ideia é humanizar o atendimento com cores, fantasias e alegria e mostrar que, com sensibilidade, é possível amenizar a dor de quem está do lado de fora, aguardando a tão esperada alta médica.

As fotos

Graças à equipe do Hospital, os bebês internados na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e Unidade de Cuidados Intermediários (UCI) Neonatal não passaram o Carnaval “em branco”.

O ensaio fotográfico, com fantasias personalizadas para a festa, foi feito pela própria Cicília, que está desde 2012 no hospital.

Cicília também compra o material e manda para um pessoa confeccionar as roupinhas.

Este é o terceiro ano que a equipe prepara os bebês para o Carnaval.

Os ensaios são feitos nas principais datas comemorativas do ano, para dar um novo sinal de esperança por dias melhores.

Veja outras fotos:

hjmo-5

hjmo-10hjmo-17hjmo-19hjmo-21hjmo-23Por Rinaldo de Oliveira, da redação do SóNotíciaBoa

2º paciente é curado do HIV com transplante de células-tronco


foto: REUTERS/Nacho Doce
foto: REUTERS/Nacho Doce

A revista especializada Nature publicou nesta terça, 5, um avanço médico sensacional: a cura do segundo paciente do mundo com HIV, após transplante com células-tronco.

Os dois homens, de Berlim e de Londres, receberam transplantes de medula para tratar câncer no sangue – medula doada por pessoas que têm uma mutação genética, rara que impede o HIV de se instalar no organismo. O transplante mudou o sistema imunológico do “paciente de Londres”, dando a ele a mesma resistência do doador.

Ele foi curado da doença mesmo depois de interromper o tratamento contra a Aids. A notícia, publicada também pelas agências Reuters, RFi e AFP, vem dez anos após a cura de um primeiro paciente com HIV.

O resultado renova as esperanças de 37 milhões de pessoas portadoras do vírus no mundo, já que os tratamentos antirretrovirais prolongam a vida dos infectados pelo HIV, mas não eliminam o vírus.

“O paciente de Londres”, como foi identificado, está em remissão 19 meses após o fim de tratamento contra a doença, ou seja, parece não ter mais o vírus HIV mortal em seu organismo.

“Ao conseguirmos uma remissão de um segundo paciente utilizando técnicas similares, nós mostramos que o ‘paciente de Berlim’ não foi uma anomalia”, declarou o principal autor do estudo, o pesquisador Ravindra Gupta, professor de Cambridge, no Reino Unido.

Ele se referia ao primeiro caso mundial de cura do HIV. “Atualmente, a única maneira de tratar o HIV é pelo uso de medicamentos que contêm o vírus e que os pacientes devem tomar durante toda a vida”, esclareceu o Dr. Gupta.

Esperança

O transplante de medula – um procedimento perigoso e doloroso – não é uma opção viável de tratamento para os milhões de portadores do vírus. Mas o progresso da pesquisa vai permitir aos cientistas focalizar as estratégias de tratamento.

“Encontrar um meio de eliminar completamente o vírus é uma prioridade urgente e global, que é particularmente difícil porque o vírus penetra nos glóbulos brancos do infectado”, explicou o Dr. Gupta.

O caso do “paciente de Londres” foi apresentado nesta terça-feira em uma coletiva de imprensa da equipe médica que realizou o experimento, em Seattle, nos Estados Unidos.

O “paciente de Londres” foi infectado pelo vírus em 2003, no Reino Unido, e recebeu um tratamento antirretroviral desde 2012.

No mesmo ano, ele foi diagnosticado com um tipo avançado da doença de Hodgkin, um câncer no sistema linfático.

O transplante de células-tronco ocorreu em 2016, de um doador portador da mutação genética que só é encontrada em 1% da população mundial.

Com informações da AFP e RFi

Procurado por homicídio vai para o carnaval de Salvador vestido de mulher e é preso após ser flagrado por câmera



Suspeito de homicídio, vestido de mulher, é preso após ser flagrado por câmera de reconhecimento facial no carnaval de Salvador — Foto: Divulgação/SSP/BASuspeito de homicídio, vestido de mulher, é preso após ser flagrado por câmera de reconhecimento facial no carnaval de Salvador — Foto: Divulgação/SSP/BA

Suspeito de homicídio, vestido de mulher, é preso após ser flagrado por câmera de reconhecimento facial no carnaval de Salvador — Foto: Divulgação/SSP/BA

Um jovem de 19 anos, procurado por homicídio, foi preso nesta terça-feira (5) enquanto curtia o carnaval de Salvador vestido de mulher, no circuito Dodô (Barra-Ondina). As informações são da Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA

De acoro com a SSP-BA, Marcos Vinicius de Jesus Neri estava com a fantasia do bloco As Muquiranas, quando foi flagrado por uma das câmeras de reconhecimento facial instaladas no circuito da Barra. O bloco de travestidos leva uma multidão de homens vestidos de mulher para avenida e nesta terça, o trio foi comandado por Léo Santana.

A secretaria detalhou que a imagem do jovem foi registrada quando ele passava por um dos portais de segurança instalados na Barra e, em seguida, ele foi abordado por policiais militares.

A SSP-BA não detalhou quando e como Marcos Vinicius cometeu o crime, disse apenas, que ele estava com mandado de prisão em aberto desde julho de 2018.

Ainda conforme a secretaria, Marcos é da cidade de Lauro de Freitas, região metropolitana de Salvador, e foi o primeiro a ser capturado com o auxílio da tecnologia de reconhecimento facial implantada pela SSP.

O brasileiro entre o desequilibrado e o censor


Já se ouve falar em impeachment de Bolsonaro, porém o brasileiro que não é chegado a vê os seus direitos básicos serem cortados, dentre eles o direito de se expressar, fica ali entre a cruz e a espada, ou seja, entre Bolsonaro e Mourão para optar ou não pelo afastamento do atual presidente que não vem sinalizando coisa  boa para o futuro.

Já o Mourão, que não se sabe nada a respeito do que passa no seu coração, tem aparecido às repartições com certo controle e inteligência. Já teve um bate-papo com os sindicalistas e foi o principal protagonista para evitar confronto dos Estados Unidos, que queria invadir a Venezuela, com a ajuda do Brasil, claro. Na verdade, vem mostrando que é ou sabe quando quer, articular bem. Aqui acolá ele vem puxando as orelhas dos bolsonaros. Até aqui Walter Salles.

 O mundo inteiro se escandalizou com a mais nova demonstração de sandice de um presidente da República completamente incapaz de compreender sequer as formalidades intrínsecas ao cargo que ocupa.

Inoperante e disfuncional, Jair Bolsonaro conseguiu a façanha de horrorizar um país como o Brasil em pleno carnaval por aquilo que constitucionalmente está descrito como quebra de decoro. Crime passível de punição com impeachment.

Divulgar conteúdo impróprio em sua conta oficial do twitter a pretexto de desmoralizar e desqualificar uma das maiores manifestações culturais do planeta, não é só um despropósito em si, é a manifestação plena de um sujeito com sérios problemas de ordem psicológica voltadas sobretudo a questões emocionais de cunho étnico e sexual.

O seu racismo rasteiro e a sua homofobia latente ambos travestidos de moralismo barato já seria um acinte em qualquer sociedade mais ou menos homogênea. Numa nação plural como o Brasil traduz-se como a total incompetência de governar para o todo.

E é justamente pela sua flagrante inabilidade em dialogar com os mais diferentes setores da sociedade do qual julga e diminui na esteira de sua debilidade cognitiva simplesmente como “vagabundos” e “pervertidos”, que o deslegitima para a complexidade da função de coordenar políticas para todos aqueles que compõem o nosso complexo tecido social.

Sem que seja preciso sequer mencionar os já diversos casos de envolvimento em esquemas de corrupção, isso, por si só, já seria motivo mais do que plausível para que fosse dado o seu imediato impedimento para exercer um cargo de tamanha responsabilidade.

 

MÍRIAM LEITÃO: MILITARES ACEITARÃO SER BUCHA DE CANHÃO DO BOLSONARISMO?


Em sua coluna no jornal O Globo intitulada A questão militar no atual governo”, a jornalista Míriam Leitão diz que “o risco é [os militares] virarem bucha de canhão nas guerras que interessam apenas ao bolsonarismo”.

“Esta simbiose com o governo Bolsonaro é o movimento mais arriscado feito nos últimos tempos pelas Forças Armadas. Elas estão emprestando seu prestígio a um governo cheio de controvérsias e conflituoso”, afirma.

Segundo a colunista, “o governo Bolsonaro é resultado de uma mistura eclética. Há o ultraconservadorismo dos costumes, que não tem necessariamente correspondência com os valores da instituição, nem é conveniente estar ligado à imagem das Forças. Até porque é um conservadorismo farisaico, que gosta de proclamar-se, mas não viver sob aqueles ditames”.

“Que relação tem alguém que diz, como Bolsonaro, que usava o auxílio-moradia para ‘comer gente’ com a defesa da família tradicional? A interferência da religião em decisões de Estado também não tem conexão com os valores laicos das Forças Armadas. Nelas, integrantes de várias denominações convivem”, acrescenta.

Míriam afirma que “a guerrilha digital do bolsonarismo continua atacando os que manifestam qualquer divergência em relação ao governo. Seus líderes, inclusive os filhos do presidente, não entenderam o básico sobre o que é governar. Não lançam pontes, aprofundam as divisões. Não diluem desentendimentos, cultivam rancores. Não cedem, querem a eliminação dos que divergem”.

“O episódio do ataque a Lula, protagonizado pelo deputado Eduardo Bolsonaro, no momento em que o ex-presidente vivia dor profunda, é uma demonstração do problema. Essa cultura do conflito não faz bem à imagem das Forças Armadas, que precisam ser vistas como instituições de todo o país, e não de uma facção política e ideológica”, continua.

“Há também os casos de corrupção que começaram precocemente a aparecer no novo governo. Movimentações bancárias suspeitas e candidaturas-laranja. Tudo próximo ao centro do novo governo. Isso constrange qualquer sócio do poder que defenda com sinceridade o combate à corrupção”, complementa. 247.