Almoce assistindo notícia boa! Melhora energia, humor e digestão: vídeo


Lorena e Rinaldo - Foto: SóNotíciaBoa
Lorena e Rinaldo – Foto: SóNotíciaBoa

Agora você pode almoçar tranquilo assistindo a 10 minutos de notícias boas, toda segunda-feira, em vez de ficar vendo telejornais cheios de notícias indigestas que passam na hora do almoço nas emissoras abertas.

O telejornal SóNotíciaBoa agora estreia às segundas, às 12:30h no Youtube, pra você ter uma boa companhia enquanto se alimenta. E também começar bem a semana com as 10 melhores da semana. É uma alternativa para você almoçar comida boa com energia positiva à sua volta. Mas se perder a estreia, pode assistir ao programa no jantar… (vídeo abaixo)

“A gente aqui em casa não assiste noticia ruim durante as refeições. Não faz bem ver sangue, tragédia, corrupção e violência enquanto a gente come. Por isso tivemos a ideia de estrear nosso telejornal na hora do almoço”, diz o jornalista Rinaldo de Oliveira, fundador do portal SóNoticiaBoa.com.br

Rinaldo lembra uma lição que aprendeu com o amigo, professor e consultor Roberto Garini, que trabalhou no Japão durante dois anos, aproximadamente.

“Lá se acontece uma briga, ou discussão na cozinha, enquanto estão preparando os alimentos, os japoneses acreditam que a comida se contaminou e não é mais saudável para consumo. O ensinamento é de Buda”, lembra Roberto.

Psicólogo

A psicologia também defende a questão por um outro ponto de vista, não apenas pela digestão, diz o psicólogo Ismael Holanda, do Recife:

“Da mesma forma que você se nutre de boas notícias, quando você se nutre de más notícias, de alimentos nocivos, você vai estar multiplicando também para as pessoas que estão ao seu lado e para as que estão distantes de você… e você acaba contaminando essas pessoas também, então por que não se nutrir positivamente e espalhar isso para outras pessoas?”, questionou.

Mas e se você estiver em um restaurante com a TV ligada no noticiário comum?

“Eu não sou obrigado a me alimentar assistindo violência, nem tragédia. A hora do almoço é sagrada pra mim. Quero comer em paz. Em casa eu desligo a tv. Em restaurantes, eu viro de costas para o monitor, ou peço para trocar de canal.”, contou Rinaldo de Oliveira.

Por que 12:30h?

Antes da estreia desta segunda, o jornalista perguntou durante live no Instagram se os seguidores gostariam ter a companhia de um telejornal de notícias boas na hora do almoço.

A ideia foi aplaudida. Na enquete houve unanimidade pra que o Jornal SóNotíciaBoa estreie toda segunda-feira às 12:30, justamente na hora do almoço. E é assim que faremos a partir de agora.

Destaques desta semana

Veja alguns dos destaques do episódio número 7 da terceira temporada do Jornal SóNotíciaBoa, que entrou no ar nesta segunda 8.

  • Anvisa autoriza e o brasil vai participar dos testes da vacina de oxford contra a covid. As primeiras doses já chegaram!
  • Antiviral da Rússia será usado em hospitais russos para tratar pacientes com coronavírus.
  • A boa ideia do brasileiro que criou um delivery de currículos e já conseguiu arrumar emprego para quase 40 pessoas durante a pandemia.
  • A mãe que teve covid, não viu o filho nascer e agora que se recuperou, teve uma surpresa preparada por profissionais da saúde de um hospital de Brasília.
  • Tem ainda o vídeo emocionante do seu Luiz Carlos, que chorou no quarto no hospital em Anápolis, ao receber a notícia de que venceu a covid e vai voltar pra casa.

O telejornal SóNotíciaBoa é uma produção do departamento de jornalismo do portal SoNoticiaBoa.com.br

Assista:

Por  da redação do SóNotíciaBoa

Error, no Ad ID set! Check your syntax!

Bahia tem mais cinco cidades com transporte suspenso; total chega a 308


Outros seis municípios tiveram o serviço retomado após ficarem por 14 dias ou mais sem novos casos de Covid-19

[Bahia tem mais cinco cidades com transporte suspenso; total chega a 308]
Foto : Carol Garcia/GOVBA

O transporte intermunicipal foi suspenso em mais cinco cidades da Bahia, segundo decreto publicado hoje (10) no Diário Oficial do Estado. A medida, tomada para conter o avanço do novo coronavírus, vale a partir de amanhã (11) para os municípios de Dom Macedo Costa, Itiriçu, Jeremoabo, Jussiape e Tanhaçu. Ao todo, são 308 localidades com a restrição.

O decreto também autoriza a retomada do transporte em Baianópolis, Bonito, Morro do Chapéu, Quijingue, Ubaíra e Uibaí, cidades com 14 dias ou mais sem novos casos de Covid-19.

 

PT quer ter Lula candidato à Presidência em 2022, garante Gleisi


A deputada federal e presidente do Partido dos Trabalhadores, Gleisi Hoffmann, afirmou que a sigla quer apostar em Luiz Inácio Lula da Silva como candidato para as próximas eleições presidenciais em 2022.

Lula planeja viajar pelo Brasil para reorganizar oposição ao governo, após  ser solto – Jorge Vieira
Gleisi Hoffmann e Lula (Foto: Lula Marques | Ricardo Stuckert)
A deputada federal e presidente do Partido dos Trabalhadores, Gleisi Hoffmann, afirmou que a sigla quer apostar em Luiz Inácio Lula da Silva como candidato para as próximas eleições presidenciais em 2022. Lula, a despeito da vontade do partido, está impossibilitado de concorrer a cargos políticos por conta das condenações no âmbito da Operação Lava Jato. Ela concedeu  entrevista ao portal UOL.

“Tem que perguntar pra ele também se ele quer ser, mas o que nós [partido] defendemos é que Lula tenha seus direitos políticos resgatados, e aí ele define se ele quer ou não concorrer ás eleições. Nós gostaríamos muito, porque eu acho que ele merece esse julgamento das urnas”, disse Gleisi.

Para a deputada, mais do que candidatura do ex-presidente, o objetivo do partido é anular os processos que o condenaram em segunda instância (casos do tríplex no Guarujá e no sítio em Atibaia), já que pela Lei da Ficha Limpa, assinada pelo próprio Lula, pessoas condenadas na segunda instância da Justiça não podem concorrer nas eleições.

Vale lembrar aqui, que pensando em tirar pessoas de mandatos misturados com corrupção querer ser candidato, os governos do PT lançaram a Lei da Ficha Suja. Passado alguns anos, apesar de muitos que lesaram a pátria e enganaram o povo, com muitas riquezas com o dinheiro do povo, o Lula, que até o momento nada foi provado, sobre o que o acusaram, no entanto, ficou 580 dias preso e atualmente está inelegível.

A luta do petista agora é provar a sua inocência, ainda que não queira ser candidato a nada, como ele mesmo tem dito, mas manter a sua ficha limpa ou então que provem os crimes que o acusam.

Os lulistas realmente querem o Lula cabeça de chapa em 2022, porém, como muitas aguas ainda vão passar por baixo e por cima das pontes, já que chuvas grossas prometem chegar ao solo brasileiro, é preciso muita paciência e calma por parte dos seguidores do ex-presidente petista, pois muitos ajustes serão feitos até 2022.

Fonte 247.

Lula explica o porque de não dar entrevista ao Globo


Lula critica decisão do Supremo e sai em defesa de Bolsonaro • Paraíba Online

“O que me impede de atendê-lo é o notório tratamento editorial que as Organizações Globo adotam em relação a mim, meu governo e aos processos judiciais ilegais e arbitrários de que fui alvo, que têm raízes em inverdades divulgadas pelos veículos da Globo e jamais corrigidas”, escreveu Lula, ao jornalista Bernardo Mello Franco.

Na verdade, o Lula sabe mais do que ninguém, o quanto ele foi perseguido pela Globo, ou melhor dizendo, pelo Grupo Globo, que é o principal responsável pelo golpe contra a Dilma, bem como a eleição do Bolsonaro. Ou seja: Responsável por muitas tragédias que vêm acontecendo no país nos últimos quatro anos.

A mesma coisa é o ponto de vista do  petista em relação à não participação com assinatura, do movimento contra Bolsonaro. Nas últimas falas, através das redes sociais, o ex-presidente tem falado para o povo se cuidar ficando em casa. esse é um dos motivos que não lhe deixam  a vontade para participar e nem assinar.

 

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva enviou carta em resposta a um pedido de entrevista do jornal O Globo. O ex-presidente fala de como as Organizações Globo lideraram o lawfare para impedi-lo de ser candidato em 2018, mesmo com a lei brasileira e decisão da ONU garantindo esse direito ao ex-presidente. E esconderam as suas absolvições na justiça que desmontam a tese do “power point”, e as muitas provas de sua inocência e de que foi vítima de um processo político e parcial, diversas vezes demostradas pela sua defesa desde 2015 e também pelas série de reportagens da Vaza Jato, feitas pelo site The Intercept Brasil em parceria com veículos como a Folha de S. Paulo, Agência Pública entre outros órgãos de imprensa. A última entrevista de Lula para um veículo das Organizações Globo foi para o jornalista Roberto D’Ávila, para a Globonews, em 2015.

A íntegra da carta abaixo:

“Prezado Bernardo,

Agradeço o convite para uma entrevista para o jornal O Globo em uma série sobre ex-presidentes da República. Seu convite destoa da censura imposta pelas Organizações Globo. Não confundo as organizações com as diferentes condutas profissionais de cada um dos seus jornalistas.

O que me impede de atendê-lo é o notório tratamento editorial que as Organizações Globo adotam em relação a mim, meu governo e aos processos judiciais ilegais e arbitrários de que fui alvo, que têm raízes em inverdades divulgadas pelos veículos da Globo e jamais corrigidas, apesar dos fatos e das evidências nítidas, reconhecidas por juristas no Brasil e no exterior.

As próprias sentenças tão celebradas pela Globo são incapazes de apontar que ato errado eu teria cometido no exercício da presidência da República. Fui condenado por ‘atos indeterminados’.

Ao invés de ser analisada com isenção jornalística, a perseguição judicial contra mim foi premiada pelo O Globo. As revelações do site The Intercept foram censuradas, escondendo as provas de que fui julgado por um juiz parcial, em conluio com os promotores, que sabiam da fragilidade e falta de provas da sua acusação.

Enquanto não for reconhecido e corrigido o tratamento editorial difamatório das Organizações Globo, não será possível acolher um pedido de entrevista como parte de uma normalidade que não existe, pelos parâmetros do jornalismo e da democracia.

Luiz Inácio Lula da Silva”

Fonte 247

Após 17 dias sem novas infecções, Nova Zelândia zera casos ativos de coronavírus


Quando o Brasil registrou apenas 3 mortes pelo Coronavírus, as grandes cidades brasileiras ficaram desertas e fechadas totalmente, (pesquise e veja fotos), o que deveria ter tido o apoio e incentivo do Governo Federal, para continuar fechadas, pois seria por pouco tempo e com poucas mortes. Certamente, a exemplo da Nova Zelândia e outros, poderia o Brasil também já poder estar fora de casos e abrir de vez e com segurança as portas do comércio.

Líder e mãe: Primeira-ministra da Nova Zelândia anuncia gravidez

Primeira Ministra vai abrir o comércio do país com segurança e poucos prejuízos

 

Mas, entretanto, o quadro é de horror. E, enquanto o Brasil acelera para assumir a segunda posição mais mortal por covid-19 do mundo, hoje ocupada pelo Reino Unido, a Nova Zelândia anuncia que não tem mais casos ativos no país e iniciará o relaxamento das medidas de combate ao coronavírus.

As autoridades sanitárias do Arquipélago Oceânico anunciaram nesta segunda-feira (8) que não tem novos casos ativos de Covid-19 e que não há registro de infecções há 17 dias, encerrando sua contagem em 1.504 infectados, 22 mortes e 1,482 curados em uma população de pouco mais de 5 milhões de habitantes, o que o mundo considera uma excelente resposta à pandemia.

Com isso, a partir desta segunda-feira, a Nova Zelândia estará relaxando todas medidas de combate ao coronavírus com exceção das restrições de fechamento de fronteiras. Isso quer dizer que eventos públicos e privados podem ocorrer sem restrições e o comércio e o setor turístico poderão operar normalmente.

Estamos confiantes de ter eliminado a transmissão do vírus na Nova Zelândia por enquanto, mas a erradicação não é um momento específico, é um esforço sustentável.”, declarou a Primeira-Ministra Jacinda Ardern.

Há quase duas semanas, o jornal neozelandês Stuff publicou com espanto que em Manaus, capital do Amazonas, ainda existia a incredulidade da população sobre a letalidade da covid-19, preferindo aceitar que se trata de uma ‘gripezinha’, como definiu o presidente Jair Bolsonaro no início do surto mundial, e, sem teste, morre subnotificada. ‘Morte e negação na capital amazônica do Brasil, enquanto o coronavírus continua a correr solto‘ intitula matéria replicada da Associated Press pelo Stuff, uma das principais mídias da Nova Zelândia, que destaca o colapso da capital amazonense, onde o povo não acredita que seus parentes vão a óbito por coronavírus.

A repercussão dos problemas da má administração do Governo Bolsonaro é mundial e envergonha a maoria dos brasileiros, que muitas vezes recorrem a publicações do exterior para uma compreensão mais ampla das ações de cientistas sobre o assunto, bem como para uma comparação com o nosso país. No caso do jornal neozelandês, sua matéria deixa sobre a crise de Manaus deixou muitos brasileiros estarrecidos. (LEIA AQUI).

O Brasil encerrou o domingo com 691.962 casos registrados da doença desde o início da pandemia, com 37.312 óbitos.

O anúncio dos dados do Ministério da Saúde tem sido divulgados por volta das 22:00h, supostamente por pedido do presidente Jair Bolsonaro, que não quer apresentá-los durante a exibição do Jornal Nacional.

Ministério da Saúde divulga dados divergentes de casos e de mortes sobre coronavírus


De acordo a matéria do G1, o primeiro balanço do ministério apontava para 1.382 novas mortes. O segundo, no entanto, divulgado no painel oficial do ministério que acompanha a evolução da doença, informava 525 óbitos. Veja vídeo no G1 clique aqui

Ministério da Saúde realiza pesquisa por telefone em todo o país - Diário  Digital

Ministério da Saúde divulgou neste domingo (7) dados diferentes sobre a quantidade de mortos e infectados por Covid-19. Questionado, o governo ainda não explicou a razão da diferença dos dados.

primeiro balanço do ministério apontava para 1.382 mortes nas últimas 24 horas, elevando o total de óbitos para 37.312. O segundo, no entanto, divulgado no painel oficial do ministério que acompanha a evolução da doença, informava 525 óbitos, somando 36.455 mortes desde o início da pandemia no Brasil.

A diferença na apuração das mortes das últimas 24 horas entre os dois balanços é de 857 pessoas.

O número de casos informados nas últimas 24 horas também é diferente. O primeiro balanço indicava 12.581 casos, levando o total de casos confirmados para 685.427. O painel oficial do ministério, no entanto, apontava para 18.912 casos a mais da doença, somando 691.758 casos.

Fonte G1

Ajude a pagar a taxa de inscrição do Enem de jovens negros e negras


Os projetos fazem a ponte entre os voluntários e os candidatos sem condições de bancar os R$ 85 exigidos pelo MEC (Ministério da Educação). De acordo com o Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), o prazo para o pagamento da taxa é até o dia 10 de junho e cerca de 300 mil inscritos ainda não quitaram o boleto que garante a participação no Enem.

Crédito: Marcello Casal JrAgência BrasilAções ajudam estudantes negros e negras que precisam de suporte financeiro para pagar a taxa de inscrição do Enem

Pretos no Enem

Uma dessas iniciativas é a Pretos no Enem, projeto idealizado pela publicitária cearense Lyara Vidal. O aluno que precisa de ajuda deve entrar em contato com a página pelo Instagram e enviar o boleto. Já os interessados em pagar devem preencher um formulário online com seus dados e quantos candidatos consegue ajudar. Feito isso, o voluntário deve esperar que enviem o boleto a ser pago.

Movimento Amplia

Com este mesmo objetivo, nasceu o projeto Movimento Amplia. Para participar da campanha de apadrinhamento/amadrinhamento de estudantes negros e negras que não foram contemplados com a gratuidade do exame é preciso acessar este link e preencher o formulário (disponível até 6 de junho). Jovens que precisam de apoio financeiro devem acessar o mesmo link. Nos próximos dias o apoiador receberá o contato de um estudante para esquematizar o pagamento da taxa.

Fonte Catraca Livre

Dilma: recontar mortos equivale ao crime de ocultação de cadáveres


“Tornar invisíveis as vítimas da Covid19 por meio de uma maquiagem estatística não vai diminuir a epidemia, abrir vagas em hospitais e esvaziar cemitérios. E é um grave insulto à memória dos mortos por uma doença que o governo se recusa a enfrentar”, disse a ex-presidente Dilma Rousseff, em artigo publicado no seu blog.

Dilma cobra queda de preços dos combustíveis.Dilma cobra queda de preços dos combustíveis. (Foto: Brasil247)

Por Dilma Rousseff, em seu blog – O Brasil atingiu uma fase cada vez mais aguda da epidemia do coronavírus, com recordes de mortes, que chegaram a 1.400 vítimas fatais num único dia e com a devastadora média de um óbito por minuto.

Agora, o governo acrescentou à sua já notória negligência no enfrentamento da crise do Covid-19, um ato estarrecedor e patético de irresponsabilidade, além de absolutamente ineficaz, que é atrasar a liberação dos dados e questionar sua veracidade. No mundo da internet, apesar do Governo de Bolsonaro, os dados serão obtidos junto às secretarias estaduais de saúde, devidamente apurados, somados e divulgados. Todos sabemos que o que está por trás da recontagem dos dados é sua maquiagem, sua redução deliberada para esconder o crescimento vertiginoso dos números de contágio da doença e da perda de vidas. Essa decisão de ocultar as informações sobre os efeitos da Covid19, ocorre justamente no momento em que o Brasil acumula mais de 36 mil mortes e 650 mil contaminados, tornando-se o epicentro mundial da pandemia.

De forma precipitada, por pressão liderada por Bolsonaro, alguns governos estaduais e prefeituras passaram a liberar o acesso ao comércio e às ruas, afrouxando as medidas de distanciamento social, única maneira até agora de conter a propagação da doença num país que, como o Brasil, não tem testes, nem respiradores, leitos de UTI e equipamento hospitalar em volume suficiente para atender a população.

Esconder informações oficiais, sonegando dados que deveriam ser de domínio público, é um método típico de regimes autoritários, como a ditadura militar brasileira, que pretendeu ocultar, naquela época, o aumento das mortes por meningite. Foi um fracasso e até hoje lembramos dessa malfadada tentativa.

Recontar mortos no contexto atual equivale a cometer crime de ocultação de cadáveres, de triste lembrança para quem, durante a ditadura militar, perdeu parentes e amigos cujos assassinatos jamais foram admitidos pelo estado. Tornar invisíveis as vítimas da Covid19 por meio de uma maquiagem estatística não vai diminuir a epidemia, abrir vagas em hospitais e esvaziar cemitérios. E é um grave insulto à memória dos mortos por uma doença que o governo se recusa a enfrentar, como se, para Bolsonaro e seus apoiadores, as vidas dos brasileiros não tivessem importância, o que ele demonstra em seguidas declarações, tais como “morrer é o destino de todo mundo”, “eu não sou coveiro” e o ainda mais desdenhoso “e daí?”

Mas as vidas brasileiras importam, sim, e devem ser protegidas, não apenas da epidemia do coronavírus, mas também de um governo obscurantista e irresponsável, que não demonstra empatia pelo povo ao qual devia servir. A coincidência perversa da tragédia de uma epidemia com a catástrofe de um governo de índole e comportamento fascistas só será superada com a destituição de Bolsonaro, o combate prioritário à doença, a retomada da atenção aos direitos do povo e o restabelecimento da democracia em sua plenitude.

Dilma Rousseff foi a primeira mulher presidente da República no Brasil, eleita em 2010, reeleita em 2014 e alvo de um golpe de estado em 2016, embora parte da população, por manipulação de grupos após Aécio Neves perder a política de 2014 e dizer que ia fazer da sua administração um inferno e fez, chegando ao golpe. Depois, Dilma ficou bem e a vida do Aécio foi que virou um inferno. Hoje um simples deputado mudo, sem voz no parlamento. A  roda continua girando.

Fonte 247.

 

OMS continuará a publicar dados cumulativos da covid-19 no Brasil


Cemitério da Vila Formosa, em São Paulo-SP, abre dezenas de covas para receber vítimas de covid-19 - Suamy Beydoun/AGIF

Cemitério da Vila Formosa, em São Paulo-SP, abre dezenas de covas para receber vítimas de Covid-19

 

A Organização Mundial da Saúde indicou neste domingo que vai continuar a publicar os dados acumulados de casos e de mortes no Brasil pela covid-19, assim como passará a reportar os dados diários que o Ministério da Saúde revelará a partir de agora.

Nos últimos dias, num momento de explosão no número de óbitos no país, o governo optou por reduzir de forma dramática o detalhamento da doença em seu site e mesmo mudando o horário do anúncio diário na atualização dos números. Um dos principais atos é o de não mais publicar os dados acumulados de mortes e de casos, enquanto vozes dentro do governo sugerem que a classificação da doença e seu registro poderiam ser revistos.

A manobra deixou fontes dentro da ONU preocupadas com o caminho adotado pelo governo.

“A partir de 6 de junho, a OMS publicará a soma dos dados cumulativos reportados pelo Ministério da Saúde do Brasil até 4 de junho e os casos e mortes relatados diariamente a partir de então, disponíveis em: https://covid.saude.gov.br/”, explicou o boletim da OMS, publicado neste domingo.

Na prática, portanto, a agência vai manter os números que existiam acumulados no Brasil até dia 4 de junho e, a partir de agora, somará o que o governo for anunciando.

Na prática, portanto, a agência vai manter os números que existiam acumulados no Brasil até dia 4 de junho e, a partir de agora, somará o que o governo for anunciando.

No documento oficial da agência, o Brasil aparece com um total de 645 mil casos e 30 mil novas infecções registradas nas últimas 24 horas. A soma da OMS, porém, conta com um atraso de algumas horas, já que precisa compilar os dados de 193 países.

No que se refere às mortes, o Brasil aparece com 1005 novos casos em 24 horas e um total de 35 mil óbitos. Somando apenas os últimos sete dias, o Brasil aparece no topo da lista da OMS no que se refere às mortes e novos casos, superando os EUA.

Além de confrontar o governo, os dados da OMS vão continuar a revelar a real dimensão da pandemia. A realidade é que, apesar de reduzir a transparência de seus dados sobre o coronavírus, o governo brasileiro tem a obrigação de repassar informação detalhada da evolução da pandemia para a Organização Mundial da Saúde (OMS).

As regras ainda estipulam que, uma vez por semana, o governo entregue de forma precisa um informe sobre a evolução da covid-19, do número de pessoas testadas naquela semana, do número diário e semanal de mortes.

Com base em um guia entregue a todos os governos em maio, a OMS ainda sugere que países repassem dados também por sub-região, número de hospitalização e uma dezena de outros detalhes.

O Brasil ainda está submetido, por um acordo assinado em 2005, a entregar de forma regular as informações para a agência de Saúde.

O princípio é simples: é de interesse de todos e é para a segurança de todos que se saiba da existência de novos surtos e novas doenças pelo mundo. Pelas regras, um ponto focal no Brasil para manter contato com a OMS deve ser designado e “obrigado a estar disponíveis 24 horas por dia, 7 dias por semana”.

De acordo com o acordo, os governos devem notificar a OMS sobre todos os eventos que são avaliados como possivelmente constituindo uma emergência de interesse de saúde pública. “Essas notificações devem ocorrer dentro de 24 horas após a avaliação pelo país”, destaca a regra.

“As notificações devem ser seguidas pela comunicação contínua de informações detalhadas de saúde pública sobre o evento, incluindo, quando possível, definição do caso, resultados laboratoriais, fonte e tipo do risco, número de casos e mortes, condições que afetam a propagação da doença e as medidas de saúde empregadas”, estipula a OMS.

Os governos também são obrigados a informar a OMS, no prazo de 24 horas, “qualquer recebimento da evidência de um risco à saúde pública identificado fora de seu território que possa causar a disseminação internacional de doenças, como manifestado por casos humanos importados ou exportados, vetores portadores de infecção ou contaminação, ou por bens contaminados”.

Também se estipula que governos sejam obrigados a responder aos pedidos de informação da OMS.

“A OMS tem mandato expresso para obter verificação dos Estados Partes em relação a relatórios ou comunicações não oficiais, recebidos de várias fontes, sobre eventos que surjam em seus territórios”, destaca a regra.

Matéria do colunista da UOL Jamil Chade

 

O povo acordou: Manifestações se alastram pelo Brasil, EUA e Europa


Milhares vão ao Largo da Batata, em SP, para protestar contra racismo, contra o fascismo e o governo do Bolsonaro. As palavras de ordem eram  a favor da democracia e respeito ao povo brasileiro. A galera gritava numa só voz: “Vidas Negras Importam”.

Manifestantes no Largo da Batata em São Paulo

O domingo 07 de Junho ficou marcado pelas manifestações por diversos países do mundo, a começar pelo Brasil, em diversas cidades, inclusive São Paulo e Brasília. No Largo da Batata, na região de Pinheiros, na capital paulista, os manifestantes pacificamente começaram a se aglomerar logo após o meio dia e ficaram até por volta das 05 horas da tarde, convocada por diferentes movimentos antirracistas, antifascistas e torcidas organizadas. Uma das principais bandeiras do protesto é a “Vidas Negras Importam”, movimento que eclodiu em diversos países após a morte de George Floyd, nos Estados Unidos.

No ato do Largo da Batata, manifestantes também protestaram contra a morte de João Pedro, adolescente de 14 anos que foi assassinado pela polícia dentro de casa no mês passado. O menino Miguel Otávio Santana, de cinco anos, que caiu do nono andar de um prédio de luxo na semana passada, também foi lembrado durante o ato.

A princípio, a manifestação contra o governo ocorreria na Avenida Paulista, assim como foi feito no final de semana passado. No entanto, uma decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo proibiu na sexta-feira (5) que atos antagônicos ocorram ao mesmo tempo no mesmo local. A Avenida Paulista tem sido palco de diversos atos golpistas e pró-Bolsonaro desde o início da pandemia.

Em Brasília a reunião foi além do esperado com milhares de manifestantes nas ruas

O protesto contra Bolsonaro mudou a paisagem da Esplanada dos Ministérios com milhares de pessoas protestando contra o governo

 

Protestos contra e a favor do governo acontecem em Brasília neste domingo (7). Os atos ocorrem ao mesmo tempo: a PM montou um cordão de isolamento no gramado para separar os movimentos.

Os atos começaram de manhã, por volta das 9h30. É o primeiro domingo com atos contra Bolsonaro na cidade, com faixas antirracismo, antifascismo,”Democracia” e “Fora Bolsonaro”. Há apoiadores do serviço de saúde, membros de torcida organizadas de futebol e milhares de pessoas.

Já os apoiadores do governo contou um trio elétrico e bandeiras pela “liberdade” e “família”, entre outras.

Tamb´m aconteceram manifestações em vários países da Europa  Estados Unidos, todos contra o racismo e exigindo mais respeito pela classe. Ao que tudo indica, a  cada dia cresce a quantidade de manifestantes insatisfeitos no Brasil e no mundo.

Fonte desta matéria, Revista Forum.

Sem saber, mãe de Miguel tem cargo público em Tamandaré, cidade administrada por seu patrão


Reprodução
Reprodução
A empregada doméstica Mirtes Renata Santana de Souza, mãe do menino Miguel, tem cargo comissionado na prefeitura de Tamandaré (PE). A cidade é administrada pelo prefeito Sérgio Hacker (PSB), marido de Sarí Mariana Gaspar Cortê Real.

Na última terça-feira (2), Miguel morreu após cair do nono andar de um prédio de luxo na cidade do Recife. Ele estava sob os cuidados de Sarí, que havida mandado Mirtes passear com seus cachorros.

O nome da empregada doméstica, que trabalhou para a família por 4 anos, está registrado no Portal da Transparência da cidade como funcionária da prefeitura atuante desde 2017. Em resposta ao Portal UOL, Mirtes afirmou que não sabia da existência do cargo.

Um inquérito para investigar o caso foi aberto nesta sexta-feira (5). Os procedimentos ficarão por conta do Tribunal de Contas do Estado (TCE) e por um inquérito do Ministério Público de Pernambuco. Fonte;Tv Cultura

TRUMP DETONA BRASIL E SUÉCIA POR FRACASSO NO COMBATE AO CORONAVÍRUS


Trump detona o Brasil por seguir o exemplo da Suécia no combate ao coronavírus. Foto: Reprodução/Twitter

Jair é uma vergonha até para a sua inspiração, Donald Trump.

O presidente americano afirmou nesta sexta (5) que salvou pelo menos 1 milhão ao ‘fechar os EUA’ e observa que Brasil está num ‘momento bem difícil’ com coronavírus.

“Fechamos nosso país. Salvamos, possivelmente, 2 milhões, 2,5 milhões de vidas. Poderia ser só um milhão de vidas, acho que não menos que isso. Mas se considerarmos que estamos em 105 mil hoje em dia, o número de vítimas seria pelo menos 10 vezes maior. É o que se acredita como mínimo se fizéssemos (imunidade de) rebanho”.

“Se você olha para o Brasil, eles estão num momento bem difícil. E, falando nisso, continuam falando da Suécia. Voltou a assombrar a Suécia. A Suécia também está passando por dificuldades terríveis. Se tivéssemos agido assim, teríamos perdido 1 milhão, 1,5 milhão, talvez 2,5 milhões ou até mais”.

Veja matéria completa e o vídeo no DCM

 

 

“Quem apoiou o fascismo tem que fazer autocrítica”, diz Rui Costa


Foto: Paula Froes/Govba

O governador da Bahia, Rui Costa (PT), cobrou autocrítica de ex-apoiadores do presidente Jair Bolsonaro que hoje assinam manifesto em favor da democracia.

Costa, no entanto, diz que apoia o “diálogo” e o “entendimento” entre diferentes segmentos sociais para superar a crise no país.

“Sou defensor do amplo diálogo, mas é preciso ser explícito para as pessoas. As pessoas que apoiaram o presidente da República apoiaram o conteúdo [do discurso de Bolsonaro]”, afirmou em live promovida pelo Valor Econômico nesta quinta-feira 4.

“Mas sou a favor, sim, de o PT participar de todos [manifestos]. É um movimento da sociedade brasileira, não é um movimento de um partido ou de outro”, ressaltou.

Para Costa, ao não assinar manifestos, o ex-presidente Lula quer deixar um recado. “Lula e outras pessoas do PT estão expressando: ‘não cobravam a nossa autocrítica, pelos erros que eventualmente o PT tenha cometido? Por que essas pessoas não fazem autocrítica por terem apoiado ou ter alimentado a serpente do fascismo?’”, conta.

Na conversa, o petista afastou a possibilidade de afastamento de Bolsonaro por ora. “Não há cenário no curto prazo para o processo de impeachment”, declarou. “O Congres so está funcionando virtualmente. Alguém consegue imaginar um zimpeachment virtualmente, sem protesto de rua?Só se fosse golpe de Estado”, conclui.

Fonte Carta Capital

 

Bolsonaro estuda colocar Força Nacional para reprimir atos pró-democracia no domingo


Decisão cabe ao governo do DF. Até o momento, nenhuma medida do governo foi tomada para conter atos golpistas. Se um movimento tem direito o outro deve ter. Isso é democracia.

Uma reunião entre representantes do governo do presidente Jair Bolsonaro (Sem Partido-RJ) e do governo do Distrito Federal vai decidir o eventual emprego da Força Nacional de Segurança Pública nas manifestações antifascistas programadas para acontecer no próximo domingo, na Esplanada dos Ministérios.

O pretexto para o uso da Força Nacional, seria para proteger prédios públicos do local. Os órgãos de inteligência do governo federal estão monitorando a situação e, caso considere haver risco para as instalações federais, o Gabinete de Segurança Institucional poderá acionar o Ministério da Justiça e Segurança Pública e requisitar o uso da Força.

O pedido, contudo, ainda não foi feito e autorizado. A responsabilidade pela atuação do policiamento ostensivo na Esplanada é da Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal.

Bolsonaro afirmou em live nas suas redes sociais, nesta quinta-feira, que “marginais” marcaram manifestações para domingo e alertou ainda que o governo federal e governadores com compromisso com a democracia estariam preparados para reagir caso “esse pessoal ultrapasse o limite da racionalidade”.

Lideranças de seis partidos do Senado, entretanto, divulgaram nota para pedir que as pessoas não protestem no domingo diante da preocupação do avanço do novo coronavírus no país e o suposto discurso autoritário do governo.

Essa não seria a primeira vez que a Força Nacional seria empregada na Esplanada dos Ministérios. Ano passado, por exemplo, o então ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, autorizou o emprego dela em abril diante de manifestações de indígenas na capital do país.

Prevista inicialmente em decreto de 2004, a Força Nacional é composta por policiais militares, civis, bombeiros militares e peritos dos Estados e do DF e atuam na preservação da ordem pública, segurança das pessoas e patrimônio, além de calamidades.

Com informações da Revista Fórum

 

Brasil tem 30,925 casos de contaminação pelo Coronavírus e 1,473 mortos em um dia


Apesar da situação só se agravar no Brasil, a impressão é que o povo está perdendo o medo da morte

Fotógrafo registra transformação do Cemitério São Luiz durante a ...

A situação se agrava e centenas de covas são abertas todos os dias

Brasil superou a Itália em número de mortos por complicações da Covid-19 nesta quinta-feira (4). Com mais um recorde diário de mortes, o país acumula 34.021 vidas perdidas durante a pandemia e está atrás apenas do Reino Unido e dos Estados Unidos, segundo o balanço mais recente do Ministério da Saúde.

O balanço da quinta-feira, que foi divulgado por volta das 22 horas, registrou também 366 mortes que aconteceram nos últimos 3 dias. Além disso, segundo o Ministério da Saúde, há mais 4.159 suspeitas que estão sob investigação.

Veja matéria completa no G1