(77) 99152-6666

JOVEM PERDE POLEGAR APÓS DESENVOLVER CÂNCER POR MORDER PELE DOS DEDOS


Reprodução MailOnline

Se você costuma morder a pele dos dedos quando está nervosa ou ansiosa, essa história pode te deixar aterrorizada – mas serve como um grande alerta! Este hábito nervoso levou a universitária Courtney Whithorn, de 20 anos, a ter seu polegar amputado após desenvolver um tipo raro de câncer de pele.

De acordo com o MailOnline, a jovem começou a morder os dedos em 2014 por ser maltratada por colegas da escola. Apesar de ficar assustada com a aparência escurecida do polegar, Courtney passou a escondê-lo por vergonha.

Depois de alguns anos, quando finalmente decidiu visitar um médico, a estudante descobriu que esse vício havia causado um trauma que se transformou em um câncer raro chamado melanoma lentiginoso acral. Contudo, mesmo após se submeter a diversas cirurgias para remover a doença, não foi possível salvar o dedo.

Reprodução MailOnline

“Antes da minha primeira cirurgia, os médicos perceberam que algo estava errado e decidiram fazer uma biópsia”, relembra ela. “Eu tive que esperar seis semanas pelos resultados. Eles foram enviados para Sydney porque não sabiam se a biópsia era maligna ou benigna. […] Quando voltaram, me disseram que era um melanoma maligno muito raro, especialmente para alguém da minha idade.”

 

 

Com isso, Courtney passou por duas operações para retirar o câncer – que foram consideradas um sucesso. Contudo, uma semana depois, os especialistas em Sydney disseram ao cirurgião responsável pelo procedimento que a única saída para acabar com a doença seria a amputação. “Eu tive um ataque de pânico. Li a palavra ‘amputação’ e não conseguia respirar. Eu me assustei! Nunca tínhamos falado sobre amputação”, conta.

Mesmo depois de perder o dedo, não é certo que o câncer não volte. A jovem ainda está esperando os resultados do procedimento e, se tudo tiver corrido bem, o cirurgião a observará por mais cinco anos e ela terá que fazer exames regularmente.

Por mais que a notícia da amputação tenha sido um susto no começo, hoje a situação não a abala – pelo contrário. Courtney passou a usar sua história para encorajar outras pessoas que se sentem intimidadas como ela se sentia na escola.

“Se eu pudesse dizer qualquer coisa, seria apenas: ‘Se defenda! Não importa o que seja preciso, apenas se imponha’. Quando me perguntam quem é minha maior inspiração, hoje eu digo que sou eu. Seja você mesma e quem você precisa ser!”

 

Error, no Ad ID set! Check your syntax!

Militar encontra 200 mil reais em estacionamento e devolve


Foto: Reprodução R7
Foto: Reprodução R7

Não é todo dia que alguém encontra 200 mil reais e além disso, devolve. Mas, foi o que fez o fuzileiro naval da marinha, Rodrigo dos Santos Lima, de 34 anos.

Rodrigo, que já está na Marinha Brasileira há 13 anos,  encontrou na última segunda-feira (3) duas bolsas com cerca de R$ 200 mil em dinheiro e cheques no estacionamento do Parque Shopping, em Campo Grande, na zona oeste do Rio de Janeiro.

No final, o militar descobriu que o dinheiro era de uma empresa de turismo que tinha esquecido os malotes no local.

 

O militar disse que as sacolas foram encontradas no chão, ao lado do seu carro, “aparentemente esquecidas” por volta de meia-noite, quando ele deixava o local após ir ao cinema.

Lima contou que deu uma olhada rápida e percebeu grande quantidade de “papéis” no interior da bolsa.

Inicialmente, ele achava que se tratava de lixo e acabou levando as sacolas para casa.

“Eu levei as sacolas achando que era lixo. Só na quarta-feira [5] fui olhar com calma e verifiquei que tinha cheques e dinheiro.

Eram R$ 30 mil em dinheiro e o restante em cheque. Fiquei muito nervoso, né? Nunca tinha visto tanto dinheiro junto.

Aí comecei a olhar os prospectos da empresa que tinham [sic] dentro da bolsa e fiz contato com eles para combinar de devolver o dinheiro”, contou o militar ao UOL.

Segundo Lima, a empresa, dona do dinheiro, atua na área de turismo.

 

 

No primeiro contato com a firma, que fica em São Paulo, os funcionários teriam relatado que desconheciam o sumiço dos valores.

“O dinheiro era de pagamentos de pacotes de viagens. Combinei de devolver o dinheiro nesta sexta (7). Eles ficaram muito agradecidos”, relatou o fuzileiro.

O dinheiro já foi entregue a um representante da empresa.

Foto: Arquivo Pessoal

Foto: Arquivo Pessoal

Com informações UOL

JOÃO PESSOA EM ALERTA: MAIS DE 100 PRESOS FOGEM DE DETENÇÃO


Presos quebraram paredes e em seguida fugiram

Resultado de imagem para foto de rebelião em joão pessoa

 

Ao menos 105 presos fugiram da Penitenciária de Segurança Máxima Romeu Gonçalves Abrantes, em João Pessoa (PB), na madrugada desta segunda-feira (10). Segundo a secretaria estadual de Administração Penitenciária, homens fortemente armados explodiram o portão principal após trocarem tiros com policiais militares e agentes prisionais. Um tenente foi baleado durante as perseguições ao grupo que atacou a penitenciária.

O militar foi levado ao Hospital de Emergência e Trauma de João Pessoa. O estado dele é grave. Ainda de acordo com a assessoria da secretaria estadual, no momento do ataque, policiais militares faziam a segurança da unidade instalados em quatro guaritas existentes no muro do presídio. Além disso, 18 agentes prisionais estavam de serviço.

Até as 9h30, 33 fugitivos tinham sido recapturados. Um forte esquema foi montado para conter a situação e recapturar os outros foragidos. Um inquérito policial foi instaurado para apurar as circunstâncias da fuga e identificar os envolvidos. As autoridades desconfiam que cerca de 20 pessoas participaram da ação externa, divididos em quatro carros que se aproximaram da unidade vindos de diferentes direções.

Os secretários da Administração Penitenciária, tenente-coronel Sérgio Fonseca de Souza, e da Segurança Pública e Defesa Social, Cláudio Lima, e o comandante-geral da Polícia Militar, Coronel Euller Chaves, devem fornecer, ainda na manhã de hoje, detalhes sobre a ocorrência e as buscas aos fugitivos. Fonte O Cafezinho.

Estudantes secundaristas contra a reforma do ensino médio


Ato de estudantes das escolas estaduais e escolas técnicas na av. Paulista

Na manhã desta quarta-feira, 5, estudantes das escolas estaduais e escolas técnicas realizaram um ato contra a reforma do ensino médio e a Base Nacional Comum Curricular (BNCC).

A concentração iniciou por volta das 9 horas, no vão livre do Masp. Após assembleia, os estudantes votaram o destino da marcha – Escola Estadual Caetano de Campos – e o trajeto, pela avenida 9 de Julho.

Escoltados pela Polícia Militar e pela Força Tática, os estudantes seguiram pacificamente, com uma breve pausa no viaduto Jacareí, onde foram realizadas algumas falas sobre o ato.

Este foi o segundo ato realizado pelos estudantes. Jornalistas Livres.

Fazer prova do concurso ou salvar 3 vidas? Eles tomaram a decisão certa


Imagine você estar a caminho da prova de um concurso público e de repente passar por um carro capotado com uma família dentro? Você pararia para fazer o socorro e correria o risco de perder a prova?

Dois policiais militares passaram por isso no fim de semana passado e tomaram a decisão certa: pararam e prestaram socorro. A recompensa pela boa ação veio nesta 2ª feira, 10, uma semana depois. (Veja abaixo)

Bruno Albuquerque, de 35 ano (foto acima) e o amigo Mak Franco de Oliveira, de 42, (foto abaixo) são de Nova Porto XV, distrito de Bataguassu, no Mato Grosso do Sul.

Eles quase desistiram da viagem porque estavam cansados, mas repensaram e pegaram a estrada. Os dois saíram do município, na divisa com São Paulo, para fazer a prova de oficial do Corpo de Bombeiros no período da tarde, na capital Campo Grande.

No domingo, dia 7, os PMs estavam na MS-040, entre Santa Rita do Pardo e Campo Grande, quando passaram por um grupo de pessoas pedindo ajuda na beira da estrada e decidiram voltar, apesar do risco de perder a hora da prova.

“Foi a 60 km de Santa Rita do Pardo perto das 10 da manhã. Faltavam 4 horas para a prova. Os portões iam abrir às 13 horas e a prova começaria às 14 horas. Eu e o Mak sabíamos que poderíamos perder o exame, mas decidimos voltar. A gente precisava ajudar”, disse o PM Bruno Albuquerque ao SóNotíciaBoa.

Ao chegar ao local, eles viram três pessoas envolvidas no acidente, uma delas havia morrido.

“Foi uma cena muito forte, ela estava muito machucada, foi arremessada do veículo”, contou o PM ao CampoGrandeNews.

A mulher é Michele Dulce Morales, de 28 anos, que havia partido da Capital com destino a Ourinhos (SP), visitar familiares. No carro, além dela, estava o marido, Marcelo, de 35 anos, e a filha Helena, de 1 anos e 7 meses, que sobreviveram.

Marcelo com a filha - Foto: reprodução autorizada / Facebook

O PM Mak com a menina Helena – Foto: reprodução autorizada / Facebook

O resgate

Os policiais não conseguiam chamar socorro porque não pega celular naquela região, então eles colocaram as vítimas e as malas delas no Celta em que viajavam e seguiram viagem com destino a Campo Grande.

“Na hora a gente não conseguia pensar em muitos detalhes, apenas em socorrer as vítimas. O pai estava com fortes dores e com a mão muito machucada, imaginei que ele poderia estar com uma hemorragia, enquanto a criança também estava quietinha, dentro do carro de outra família na estrada”, disse Bruno.

Os policiais chegaram até um posto da CCR MS Via, concessionária da BR-163, em busca de ajuda. Ficaram no local até o último minuto e correram para Campo Grande depois que pai e filha receberam atendimento médico.

“Fizemos 157 km em 50 minutos. Corremos muito e deu tempo”, contou Bruno ao SóNotíciaBoa.

Eles chegaram no local da prova às 13:15 pouco antes do início do exame.

Compaixão

Bruno conta que fez a prova atordoado. Acertou 61% das questões. Ele não conseguia parar de pensar no acidente, nas pessoas.

“É um sentimento de tristeza por uma morte, mas também de recompensa por conseguir ajudar ao próximo”.

Depois do exame, os amigos foram até a Santa Casa, devolver as malas da família e saber como os dois estavam. Bruno continua em contato com a família pelas redes sociais.

“É muito boa a sensação de poder ajudar. Eu recebi mensagem dele [do pai acidentado] dizendo que está tudo bem, que a filha dele também está bem. É muito bom escutar isso”, disse.

Passou no concurso

Outra recompensa veio nesta segunda, 10. Bruno recebeu a notícia de que passou em outro concurso, para a PM do Mato Grosso do Sul.

“Saiu hoje o resultado! Agora vou pra segunda-fase, o teste psicológico! To felizão”, comemorou.

Já o resultado do concurso para o Corpo de Bombeiros, para o qual eles viajaram, ainda não saiu. Notícia boa.

Filho assume campanha de Bolsonaro, que fará nova cirurgia em 2 meses


Foto: Agência Brasil

Jornal GGN – A campanha de Jair Bolsonaro nas ruas, nos próximos dias, deverá ser assumida pelo filho do presidenciável, Eduardo, que é deputado federal pelo estado de São Paulo. De acordo com boletim médico divulgado nesta segunda (10), Bolsonaro pai está sem infecção após o esfaqueamento que o obrigou a passar por uma cirurgia de reperação nos intestinos grosso e delgado. A equipe médica realizou também uma colostomia que só deverá ser revertida, em nova cirurgia, daqui a 2 meses, segundo apurou o G1.

Dessa maneira, Bolsonaro estará fora da campanha de rua e dos debates entre presidenciáveis até o segundo turno. Sua equipe havia programado agendas em São Paulo, onde o candidato disputa votos com Geraldo Alckmin, do PSDB. “Com a internação do candidato, Eduardo, filho dele, vai assumir as agendas.”

“O primeiro giro do deputado em nome do pai deverá ser nos dias 14 e 15, passando por Marília. Na próxima semana, está prevista uma viagem que incluirá Santos e terminará com um ato ‘em homenagem a Lula’, uma ironia, em São Bernardo do Campo.”

A campanha de Bolsonaro também quer usar os generais Mourão, candidato a vice, e Augusto Heleno, nas agendas.

COMUNICADO MÉDICO

O comunicado do Hospital Albert Einstein divulgado na manhã desta segunda-feira (10) diz que a nova operação em Bolsonaro será feita para “reconstruir o trânsito intestinal e retirar a bolsa de colostomia”.
“A realização da operação, considerada de grande porte, já estava prevista para depois que o candidato tiver alta. Segundo médicos ouvidos pela reportagem, a cirurgia só deve acontecer daqui a dois meses. Nesse meio tempo, Bolsonaro seguirá com a bolsa externa ligada à barriga”, diz o G1.
Por enquanto, a equipe monitora o risco de infecção e de pneumonia. Além disso, divulgaram que Bolsonaro está com anemia e se alimenta por sondas.
No dia 6 de setembro, Bolsonaro foi esfaqueado durante campanha de rua em Juiz de Fora, Minas Gerais. Ele foi atendido pela Santa Casa local e, depois da cirurgia de reparação e colostomia, foi transferido para São Paulo. Fonte GGN.

Prazo para inquérito dos Portos contra Temer termina hoje


De acordo à matéria publicada no GGN, hoje é o último dia do prazo para a conclusão das investigações da Polícia Federal contra Michel Temer e a cúpula do MDB no inquérito dos Portos, sobre o decreto assinado por Michel Temer que favorece empresas do setor. De acordo com os investigadores, Temer recebeu propina para o então PMDB, hoje MDB, em troca de editar o decreto em 2017.
Entretanto, duas prorrogações do inquérito já foram pedidas pela Polícia Federal. Ainda em junho, o setor de inteligência da PF havia feito um mutirão para concluir parte das apurações até o dia 10 de julho, mobilizando 25 políciais e técnicos para analisar dados coletados nas apreensões.
Parte dos policiais integram a Diretoria de Tecnologia de Informação da PF, que chegou a dedicar um servidor de armazenamento de dados exclusivo para a apuração. Isso porque parte das provas foram transferidas digitalmente e os delegados precisaram instalar um software específico para espelhar as provas apreendidas e estudá-las.
Este servidor seria como um “storage” para armazenar adicionalmente os dados da investigação. Entretanto, as provas não foram finalizadas a tempo e a PF pediu a prorrogação. A expectativa é que o delegado Cleyber Malta Lopes solicite um novo prazo.
Entretanto, por ser o terceiro pedido, o ministro Luis Roberto Barroso, relator do caso no Supremo Tribunal Federal (STF) poderá não atender a extensão da data limite, que se encerra oficialmente hoje.
Enquanto isso, a defesa de Temer, que nega as suspeitas dos investigadores, também espera a decisão do ministro. Fonte GGN.

ONU reafirma decisão em favor de Lula candidatar-se


Os advogados de Lula anunciaram, agora há pouco, nova manifestação do Comitê de Direitos Humanos da ONU reiterando a obrigação brasileira de cumprir a decisão liminar que determinou que o  ex-presidente possa disputar a eleição presidencial e expressar-se livremente como candidato.

Cristiano Zanin e  Valeska Teixeira Martins deram entrevista à frente da sede da Polícia Federal anunciando que receberam, esta amanhã, a notícia vinda de Genebra e foram buscar a nova comunicação, que será apensada ao recurso que foi apresentado ao Supremo Tribunal Federal.

No comunicado, frisa-se que as autoridades brasileiras devem agir de boa-fé, reconhecendo a validade dos tratados que o país assinou e devem se abster de decisões que contrariem as determinações do Comitê  e , embora provavelmente vá ser desprezado pelos integrantes do STF, tem enorme importância política e diplomática.

Ao contrário do que ocorre na imprensa brasileira, o impedimento de Lula é um escândalo no mundo.

Assista a entrevista: Fonte Tijolaço.

#AOVIVO – O advogado Cristiano Zanin fala com a imprensa, após visita a Lula em Curitiba (PR). #OBrasilFelizDeNovo

Posted by PT – Partido dos Trabalhadores on Monday, September 10, 2018

CANDIDATO A DEPUTADO PELO PT É BALEADO E PRESO PELA GUARDA MUNICIPAL DE CURITIBA


Renato Freitas. Foto: Mídia Ninja

Por Miguel do Rosário

 

Na Revista Forum
Renato Freitas, candidato a deputado do PT, é baleado e preso pela Guarda Municipal de Curitiba

Ele fez uma transmissão ao vivo de dentro do camburão, no momento em que estava sendo levado pela guarda. Veja o vídeo aqui

O candidato a deputado estadual Renato Almeida Freitas Jr. (PT) foi baleado duas vezes por balas de borracha na noite deste domingo (9), pela Guarda Municipal de Curitiba, durante panfletagem na Praça do Gaúcho.

Renato, que é advogado criminalista e já foi candidato a vereador pelo PSOL, fez uma transmissão ao vivo quando já estava detido, dentro do camburão.

No vídeo ele diz que estava apenas fazendo uma panfletagem quando foi atingido à queima roupa por dois tiros, um deles na mão e outro nas costas.

“Eu não estava fazendo nada, só estava panfletando”.

Renato foi encaminhado ao Hospital Universitário Cajuru. A Fórum ligou no hospital, mas foi informada que, por medida de segurança, eles não fornecem informações a respeito de pacientes. Depois do hospital, ele seria encaminhado para o 1° Distrito de Curitiba na rua R. André de Barros, 671 no Centro.

Vários políticos, inclusive o Dr. Rosinha, presidente do PT Paraná e candidato a governador, militantes e uma advogada da campanha identificada como Mari se dirigiram ao hospital ainda na noite de domingo.

O vídeo foi com a prisão do candidato circula em várias redes sociais desde a noite deste domingo.

Dr. Rosinha soltou nota, em sua conta no Facebook, sobre a prisão de Renato e a de outra candidata do PT, Edna Dantas, presa ao fazer manifestação pela liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, durante o desfile de Sete de Setembr.

NOTA SOBRE VIOLÊNCIA DA GUARDA MUNICIPAL CONTRA CANDIDATOS E CANDIDATAS DO PT

Nesta noite de domingo, 09, o candidato a deputado pelo PT Paraná, Renato Almeida Freitas, fazia panfletagem no centro de Curitiba e foi agredido pela Guarda Municipal que o atacou com balas de borracha e o levou preso. Nenhum motivo para a prisão e nem para a violência policial.

Da mesma forma, no dia 07, durante o desfile cívico, Edna Dantas, candidata a deputada estadual pelo PT-PR, realizava manifestação em prol da libertação do presidente Lula junto a outros militantes do partido e foram agredidos e detidos pela Polícia.
Nos dois casos, a única explicação para a perseguição é que ambos são negros, do PT e dos movimentos sociais. O que estamos vendo é uma assustadora onda crescente de violência e perseguição a quem se manifesta e luta a favor dos oprimidos.

Não houve nenhuma preocupação com os ônibus da Caravana do Presidente Lula que foram alvejados, estamos há seis meses sem saber quem matou Marielle e ainda o judiciário determina que não podemos nos manifestar em apoio a Lula.

Estive hoje acompanhando, logo que soube, o desenrolar da prisão arbitrária do Renato. Como estarei solicitando desde já apuração sobre desvio de função policial em ambos os casos.

Estou ao lado da Democracia e, portanto, lutando contra o estado de exceção que vivemos. Basta de perseguição! Basta de violência!

*Dr. Rosinha*
Presidente do PT Paraná. Fonte O Cafezinho.

Jair Bolsonaro e a aliança judicial-militar. Por Aldo Fornazieri


POR ALDO FORNAZIERI, professor da Escola de Sociologia e Política (FESPSP)

Para o autor deste artigo,o  atentado contra Bolsonaro não altera, substantivamente, os contornos que a campanha eleitoral vinha assumindo, mas acelera um aspecto fundamental que estava sendo desenhado por detrás do pano do teatro político: a consolidação de uma aliança judicial-militar tendo Bolsonaro como ponto de convergência e agregando setores amplos das polícias militares, civis, Polícia Federal e Ministério Público. Bolsonaro tornou-se, efetivamente, o candidato do Partido do Estado que luta para desalojar, criminalizar e prender o mundo dos partidos e dos políticos. Mais do que a facada, esta é a mudança efetiva e perigosa que este momento da campanha vem consolidando.

O atentado, de fato, precisa ser repudiado, pois se trata de um ato injustificável contra a vida do candidato e uma ação incompatível com a disputa democrática. Como ato isolado, não foi um atentado contra a democracia. Atentado contra a democracia foi deixar Lula preso e fora das eleições.

Estabelecida esta posição de princípio, no entanto, é preciso tentar compreender racionalmente as motivações do atentado. Tratou-se de uma atitude individual praticada por uma pessoa exasperada, seja por desequilíbrio de personalidade ou por radicalismo ideológico. Alguns representantes da esquerda piedosa tentaram desvincular a conduta do atacante em relação às ações e pregações de Bolsonaro. Trata-se de um equivoco, evidentemente.

Bolsonaro, ao pregar o ódio, também suscita ódio. O ódio é um sentimento absolutamente normal nos seres humanos, inerente à natureza humana. Sendo a atividade política uma atividade que atiça paixões, ela também desencadeia ódios. O ódio, como nos ensinou Maquiavel, pode ser provocado por más e por boas ações; por homens considerados maus ou por homens considerados bons. Hitler, Mussulini, Ghandi, Martin Luther King, Lula etc., por razões diferentes, suscitam ódio em adversários ou em pessoas comuns.

O ódio pode, mas não necessariamente, desencadear violência. O ódio é um sentimento legítimo, que deve ser compreendido. É legítimo, por exemplo, que o povo pobre e os trabalhadores sintam ódio de Temer e de seu governo. A esquerda piedosa e cristã parece não compreender isto. Mas, recorrendo mais uma vez ao maior sábio da política, existem piedades que, se bem pesadas, são crueldades e existem crueldades que, se bem julgadas, são piedosas. Não é por acaso que os cristãos e a esquerda piedosa, ao pregarem a resignação, a piedade e a mansuetude contribuíram e contribuem para que o mundo permaneça na mão dos malvados.

Ocorre que Bolsonaro, além de disseminar e suscitar o ódio, prega a violência. A retórica do candidato é uma retórica violenta. As palavras não são inocentes. São símbolos carregados de significações que desencadeiam ações. A retórica de Bolsonaro acerca de mulheres, de negros, de gays e de adversários políticos são gatilhos que podem disparar a prática da violência. Quando ele fala em fuzilar petistas do Acre, seguidores do candidato podem sentir-se autorizados a praticar a violência. O mesmo ocorre quando ele fala em condecorar policiais que matarem 10 a 20 pessoas em confrontos. Bolsonaro faz apologia explícita à tortura e ao uso de armas, até mesmo para crianças. Liderados fanáticos ou desequilibrados tendem a praticar aquilo que entendem sejam autorizações do líder. Neste e em vários outros aspectos aqui não mencionados, Bolsonaro tornou-se o epicentro que pode irradiar a violência política e policial. Precisa ser denunciado e contido antes que seja tarde.

Do ponto de vista eleitoral, o atentado pode suscitar algum ganho inicial para o Bolsonaro, mas nada muito significativo. Os seus eleitores podem ter fidelizado suas intenções de voto, o que não é bom para Alckmin. Passados os primeiros dias de alta emoção, o eleitorado voltará ao seu estado normal. Claro, a campanha do candidato do PSL tentará explorar o atentado eleitoralmente. Os demais candidatos não podem ficar inertes e na defensiva acerca dessa exploração. É legítimo que denunciam Bolsonaro como um candidato que faz  apologia da violência. Assim, é preciso perceber que o desdobramento eleitoral do atentado é algo que está em jogo e dependerá da astúcia, da inteligência e da competência de como cada candidato jogar esse jogo.

Mas, volte-se ao ponto inicial. A operação Lava Jato conformou o Partido do Estado, que agrega a elite judicial, das polícias, das Forças Armadas e do Ministério Público. A sua primeira manifestação foi uma espécie de “rebelião do procuradorismo” contra o mundo político e, particularmente, contra o PT, que naquele momento estava no poder. No seu último momento, Bolsonaro é o candidato que congrega e unifica essas elites do funcionalismo estatal, que não se move apenas pelo moralismo, mas também por ideologia e para manter e ampliar os altos salários e os privilégios. A natureza dessas elites públicas é conservadora e antipopular.

Parte importante do Judiciário e do Ministério Público, além das elites policiais e militares, aderiram a Bolsonaro na primeira hora, pois ele expressa a sua visão de mundo autoritária, conservadora e fascistizante. Na medida em que Alckmin vem apresentando dificuldade para decolar, Bolsonaro foi se tornando cada vez mais palatável até mesmo para setores empresariais e para alguns grupos da grande mídia. O autoritarismo de Bolsonaro foi sinuosamente sento naturalizado por esses setores e agora procuram legitimá-lo política e socialmente.

Como Lula não foi morto e enterrado politicamente ao ser preso – pelo contrário, foi se tornando cada vez mais um paradigma para o eleitorado – as elites estatais e privadas foram percebendo que as eleições podem se revestir de ilegitimidade e que o próximo governo poderá ter sua legitimidade questionada. O projeto Bolsonaro de governo autoritário, que vinha se manifestando como uma insinuação, ganhou forma e sentido para essas elites todas como única saída para fazer frente à continuidade da crise política no próximo governo.

Em síntese, esse projeto expressa a seguinte fisionomia: de um lado, autoritarismo e repressão no campo político e social, violência policial, submissão autoritária do Congresso aos desígnios do governo e tutela judicial e militar da sociedade e do mundo político; e, de outro, ultraliberalismo na economia, privatizações e desnacionalização, continuidade da precarização dos direitos sociais e políticos e aprofundamento da geração de mão de obra barata nacional pelo desemprego e pelo subemprego. O modelo político-econômico é o da ditadura militar chilena de Pinhochet.

Parte do Judiciário se agregou a este projeto autoritário porque ele lhe deu origem via Lava Jato, outra parte se agregou porque é fascistóide e, uma terceira parte, aderiu por covardia e conveniência. Esta última parte passou a sofrer também a pressão militar, principalmente no que se refere às decisões acerca da prisão e da candidatura de Lula. As manifestações de generais e do próprio comandante do Exército, seja no julgamento do habeas corpus do ex-presidente ou da entrevista que ele concedeu neste final de semana reiterando que a candidatura Lula não será aceita, é prova sobeja da tutela militar sobre integrantes de tribunais superiores acovardados.

O risco que esse projeto autoritário representa para a retomada do processo democrático é enorme. Se ele conseguir passar para o segundo turno o risco aumenta, pois o jogo será outro. Todos os expedientes legais e ilegais serão usados contra o candidato adversário se essa hipótese se confirmar. A eleição será outra. Os candidatos do campo progressista estarão cometendo um grave erro se agirem para ter Bolsonaro como eventual adversário no segundo turno. Convém lembrar que na semana passada Haddad e Alckmin foram atacados pelo Ministério Público. O candidato tucano foi atacado também por Temer. Esses movimentos não são casuais.

O golpe fracassou política e moralmente, o que provocou a dispersão e a divisão de suas forças. A possibilidade de ser derrotado eleitoralmente com Lula ou sem Lula está produzindo um movimento de reagrupamento, ao que tudo indica em torno Bolsonaro. Na medida em que a exclusão de Lula, com toda sua imensa força política e eleitoral, ameaça pender com a espada da ilegitimidade sobre o pescoço do novo governo, se for do campo conservador, as elites agora querem construir sua garantia pela via da tutela judicial-militar. Fonte DCM.

Produção de proteína animal é um dos maiores problemas da humanidade


A produção de carne de mamíferos é a forma mais brutal de concentração da riqueza alimentar: são necessários 10 quilos de cereais – que poderiam saciar 10 famílias – para que uma vaca produza um quilo de sua carne – que alimentará uma só família. Atualmente, o mundo ocupa um terço de suas terras produtivas para fabricar carne. O mecanismo não pode perdurar, o planeta não aguenta

Produção de proteína animal carne problemas da humanidade

Martín Caparrós, ElPaís

Dizem que não tem mais volta, que é assim mesmo: comecemos a pensar quais, e como, porque em breve vamos nos alimentar de muitos insetos. Ocorre que o fornecimento de proteínas animais já é um problema, e será cada vez mais. A produção de carne de mamíferos é a forma mais brutal de concentração da riqueza alimentar: são necessários 10 quilos de cereais –que poderiam saciar 10 famílias– para que uma vaca produza um quilo de sua carne –que alimentará uma só. Durante milênios, a carne só foi possível porque pouquíssimos a comiam; agora, quando cada vez mais gente pode pagá-la, o mundo está sobrecarregado, gastando recursos que não tem –um terço de suas terras produtivas– para fabricá-la.

O mecanismo não pode perdurar, o planeta não aguenta. Então, enquanto termina de ficar pronta a carne produzida em laboratório por clonagem de células, parece que os insetos fornecerão essas proteínas. É preciso começar a se acostumar, dizem, e há milhões de dentes rangendo. Não deveriam, mas a ideia não chega a empolgar. Já faz quatro anos que três holandeses encabeçados pelo antropólogo Arnold van Huis, o maior propagandista dos insetos, publicaram o livro The Insect Cookbook: Food for a Sustainable Planet (“O livro de cozinha dos insetos: alimentos para um planeta sustentável”). Artigos foram publicados, especialistas se reuniram, e muitos anunciaram a boa nova, mas quem de vocês comeu um inseto ultimamente?

(Embora a palavra insetos seja enganosa: não dizemos que comemos mamíferos, e sim que comemos vaca –muitos–, porco– outros–, cordeiro –alguns–, cachorro –quase ninguém–, cavalo – cada vez menos –, mas não comemos elefante, canguru, rato nem pessoas, em princípio. Por outro lado, a ideia de “comer insetos” remete tanto ao gafanhoto como à barata e à vespa, sendo repugnante para muitos.)

O que se diz é que comer ou não comer certos animais depende de encontrar a distância justa. Não comemos os que queremos por perto, nem os que tememos por serem longínquos; comemos o que está aí, disponível, mas sem relação, inscrito numa tradição, conhecido: aqueles mamíferos, mais três ou quatro aves. Um inseto, por outro lado, está no escuro, em cantos afastados, na inquietação. Um inseto soa como algo sujo ou ameaçador: ou polui ou dói. Um inseto, em princípio, dá nojo –e, agora, temos que aprender que nos convém.

Tudo consiste em mudar sua imagem: torná-los cool, apetitosos. Mas os insetos não têm lobby industrial; só algumas ONGs e acadêmicos bem-intencionados, chefs cheios de culpa e start-ups entusiasmadas. Que esbarrarão na resistência dos poderosos fabricantes de carne de mamífero, dispostos a tudo, como sempre, para manter seus privilégios, seus negócios.

Avizinha-se uma batalha cultural extraordinária. Os açougueiros usarão todas as armas. Não estranharia que começassem a chover, por exemplo, sisudas teses sobre os danos causados pelo consumo do Alphitobius diaperinus –ou verme do búfalo– no duodeno toponímico. Ou que Hollywood se pusesse a produzir filmes assustadores em que enormes insetos invadem e destroçam. Ou que os jornalistas, desses que nunca faltam, contassem com recursos e detalhes as insaciáveis epidemias causadas por abelhas nutritivas em Bornéu. Que tudo seja para o nojo, para o medo, os preconceitos.

Será, definitivamente, uma batalha épica entre nossos terrores mais atávicos e nossas necessidades mais atuais: será para assistir comendo pipoca. Ou, melhor, para participar: uma luta entre os que pretendem conservar tudo para alguns poucos, e os que querem que muitos outros tenham um pouquinho. Assim, a guerra contra o nojo será, quando for lançada, outra batalha da grande guerra contra a fome.

Viraliza vídeo da mulher que pede ajuda por estar sendo ameaçada e depois é encontrada morta


A mulher do vídeo, Tânia Trevisan, pede ajuda em um ponto movimentado de Pirassununga, interior de São Paulo. Segundo o que diz, foi agredida e está sendo ameaçada. As pessoas passam indiferentes pela cena. Conta que recorreu à polícia e à justiça, mas não obteve ajuda. Dias depois, ela apareceu morta em sua casa, por estrangulamento. É mais um caso de feminicídio. O caseiro, Jorge Antunes de Lima, assumiu a autoria do crime.DCM

Pizzaria “pague quanto puder” mata a fome de necessitados


Jeff Minton corta um pedaço de pizza enquanto trabalha na 8th Street Pizza Foto: Tyler Stewart
Jeff Minton corta um pedaço de pizza enquanto trabalha na 8th Street Pizza Foto: Tyler Stewart

Uma pizzaria em New Albany, Indiana, nos EUA, está fazendo sua parte para ajudar os sem-teto e os menos favorecidos da região.

A 8th St. Pizza serve comida três dias por semana e permite que o cliente pague o quanto puder. E se não tiver dinheiro, pode ajudar no trabalho e comer.

“Temos pessoas que nunca pagaram e temos pessoas que pagam às vezes, e tudo bem”, disse Jeff Minton, diretor-executivo da Clean Socks Hope.

 

A cada mês, 200 a 250 pizzas são pedidas no restaurante.

“Nós trazemos dignidade mas com mão-de-obra, não há doações aqui”, disse Minton.

Pague com trabalho

A pizza sob encomenda é feita por voluntários.

Se alguém não puder pagar pela comida, pode ajudar na loja. Simples assim.

“Eles vão entrar, fazer o pedido e logo depois, começam a esvaziar o lixo, limpar as mesas, todas as coisas que precisam ser feitas em qualquer restaurante”, disse Minton.

A pizzaria está aberta a todos. As pessoas que têm recursos para pagar adiantado pagam a própria refeição e fazem uma doação para fornecer refeições para outra pessoa.

“Temos conseguido alimentar quase 1200 pessoas, tudo pela bondade dos outros”, disse Minton.

 

Dignidade

O restaurante faz parte da organização sem fins lucrativos Clean Socks Hope, que faz parcerias com bairros carentes para garantir um desenvolvimento inovador e holístico que leve à restauração da vida de uma pessoa. Ou seja, devolver dignidade pra que ela possa progredir.

“Todo mundo vale a pena e tentamos oferecer isso”, disse Minton.

O restaurante ajuda as pessoas a sentirem o senso de comunidade.

“Nós chamamos todo mundo pelo primeiro nome, então é uma coisa linda”, comemora.

Se você estiver nos EUA, a 8th St. Pizza está localizado na 800 E. 8th Street em New Albany, Indiana.

O restaurante está aberto quarta-feira 16:00 – 20:00, quinta 11:00 – 14:00, e sexta-feira 11:00 – 20:00

Com informações do MSN/Hearst Television

 

 

 

Vídeo de japonesa sem um braço tocando violino com prótese viraliza


Foto: Reprodução YouTubeFoto: Reprodução YouTube

A ex-nadadora paralímpica do Japão e enfermeira Ito Shinbo está mexendo com os corações dos internautas ao tocar violino com uma prótese e pela história de superação.

No vídeo emocionante, que já tem 5 milhões de visualizações pelo Facebook, ela puxa o arco com a prótese no ombro direito, enquanto a mão esquerda pressiona as cordas do instrumento.

A prótese é controlada pelos movimentos da omoplata nos ombros.

A música é de um clássico do desenho japonês, a Viagem de Chihiro, ou Spirited Away, do Studio Ghibli.

Ito também é conhecida como a enfermeira Nomura Shinbo.

Acidente

Ito foi uma garota versátil na infância. Aprendeu a nadar, tocar piano e violino.

Mas no inverno de 2004, aos 20 anos de idade, ela sofreu um acidente a caminho da escola de enfermagem, foi atingida por um caminhão e teve que amputar o braço  direito.

No Hospital Kansai, já na fase de reabilitação, ela viu um homem que perdeu as duas pernas tentar jogar basquete e foi então que decidiu recomeçar e não parou mais.

Superação

Ela representou o Japão nos Jogos Paralímpicos de Pequim em 2008 e ficou em quarto lugar na competição.

Em 2012 também ficou entre os finalistas nos Jogos Paralímpicos de Londres.

E pensa que ela desistiu do curso de enfermagem? Ito se formou, casou e teve uma filha.

Ela se tornou a primeira enfermeira a usar próteses no país.

Hoje, ela deixou o emprego pra ajudar a motivar outras pessoas com deficiência física.

Além disso, passou a tocar violino e dar palestras por várias regiões do Japão.

Video emocionante

O vídeo da performance de Ito usando uma prótese para tocar violino já tem 5 milhões de visualizações no Facebook desde que foi publicado esta semana por Kazushige Masuda.

Muitos internautas ficaram comovidos com a força de vontade dela e a persistência em fazer exatamente o que fazia antes do acidente.

Nada disso impediu Ito de ser o que é hoje: brilhante!

Fotos: Facebook Ito Shinbo

Fotos: Facebook Ito Shinbo

ito_violino2

ito_enfermagem2

ito_atividades

ito_medalha

Veja o vídeo da performance desta japonesa destemida:

A publicação recordista em compartilhamentos. Com informações da agência HK 01