AMORIM CONDENA BASE MILITAR DOS EUA E DIZ QUE BRASIL IMPORTARÁ CONFLITOS


Resultado de imagem para foto de celso amorim

O ex-chanceler Celso Amorim fez nesta segunda-feira, 9, duras críticas à intenção do presidente Jair Bolsonaro de permitir a instalação de uma base militar dos Estados Unidos no Brasil.

Em entrevista ao portal France Inter, Celso Amorim diz estar “muito preocupado” e considera que o projeto de implantar uma “base militar dos EUA no Brasil” pode transformar o país em “alvo de conflitos que não são seus”.

“Tudo isso é muito preocupante, mesmo durante a ditadura, por ocasião de um governo militar pró-americano (1964-1985), não havia base americana no Brasil. Quando leio nos jornais que o presidente evoca essa possibilidade, isso me preocupa demais, porque ela automaticamente nos transforma em alvo de conflitos entre americanos e chineses ou americanos e russos. O Conselho de Segurança da UNASUR (União dos Estados da América do Sul) [estipula] que ‘nenhum país pode ter uma base de qualquer outro país em casa, apenas para evitar que a Venezuela tenha uma base russa, a Colômbia uma base americana e que isso resulte na importação de conflitos que não são nossos'”, diz ele.

Leia a entrevista na íntegra no France Inter e abaixo, com tradução de Silvye Giraud:

Ex-ministro brasileiro alerta contra instalação de base militar dos EUA no Brasil

Postado na segunda-feira, 7 de janeiro de 2019 às 6h07 por Olivier Poujade

[Exclusivo] Celso Amorim, ex-ministro das Relações Exteriores de Lula (2003-2010) e ex-ministro da Defesa de Dilma Rousseff (2011-2014), discute as novas orientações do presidente de extrema direita, Jair Bolsonaro, em política externa. Uma ruptura que pode custar caro ao país.

A virada política de 360º iniciada pelo novo presidente direitista Jair Bolsonaro afeta também a política externa. Seguindo os passos do americano Donald Trump, Bolsonaro acolheu o israelense Benjamin Netanyahu em sua posse, assim como o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban.

 

 

Celso Amorim, ex-chefe da diplomacia brasileira de Lula e ex-ministro da Defesa de Dilma Rousseff, é um dos mais eminentes diplomatas dos últimos tempos. Ele diz estar “muito preocupado” e considera que o projeto de implantar uma “base militar dos EUA no Brasil” pode transformar o país em “alvo de conflitos que não são seus”. Outra questão que preocupa Celso Amorim é “uma visão totalmente antipalestina, que poderia ter sérias conseqüências em nossa região”.

O Brasil, versão Bolsonaro, se aproxima de governos populistas de direita, ultraconservadores. Ora, essa não é necessariamente a escolha do povo brasileiro.

Celso Amorim: “Quando perguntamos às pessoas se elas concordam com essa política, elas dizem que não, que a eleição não foi um referendo para o Brasil reconhecer Jerusalém como a capital de um estado judeu. As pessoas não votaram para ter uma relação de hostilidade com a China, elas não votaram para seguir a política de Trump, nem ao menos a de Washington, mas Trump! O que é ainda mais grave … então não acho que tudo isso vai se manter no longo prazo “.

Brasil / EUA: um alinhamento contrário à ordem natural

Logo após sua eleição, Jair Bolsonaro se aproximou dos Estados Unidos de Trump. Ele recebeu em fim de novembro o neo-conservador John Bolton, conselheiro de segurança nacional de Donald Trump. No Twitter, ele qualificou essa reunião de “cordial e frutífera”.

Após a cerimônia de posse de Bolsonaro, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, anunciou, a partir de Brasília, seu desejo de intensificar as relações entre os dois países:

“Acreditamos haver uma oportunidade entre os presidentes Trump e Bolsonaro e nossas duas equipes para criar um relacionamento verdadeiramente renovado entre as duas nações.”

Uma base militar dos EUA no Brasil, algo nunca visto antes…

Por sua parte, Bolsonaro diz que está aberto à idéia de estabelecer “no futuro” uma base americana em território brasileiro.

Celso Amorim: “Tudo isso é muito preocupante, mesmo durante a ditadura, por ocasião de um governo militar pró-americano (1964-1985), não havia base americana no Brasil. Quando leio nos jornais que o presidente evoca essa possibilidade, isso me preocupa demais, porque ela automaticamente nos transforma em alvo de conflitos entre americanos e chineses ou americanos e russos. O Conselho de Segurança da UNASUR (União dos Estados da América do Sul) [estipula] que “nenhum país pode ter uma base de qualquer outro país em casa, apenas para evitar que a Venezuela tenha uma base russa, a Colômbia uma base americana e que isso resulte na importação de conflitos que não são nossos”.

A reação do presidente venezuelano foi imediata. Nicolas Maduro acusa os Estados Unidos de quererem promover um golpe na Venezuela. A menção a essa base militar em solo brasileiro veio em seguida à decisão, tomada pela Venezuela nas últimas semanas, de hospedar em seu território dois bombardeiros TU-160 Blackjack, justificada oficialmente como fazendo parte de exercícios militares conjuntos [com a Rússia].

Netanyahu: o outro parceiro

Entre seus primeiros anúncios, a transferência da Embaixada brasileira a Jerusalém, Jair Bolsonaro o confirmou na última sexta-feira, ele pretende seguir o exemplo dos Estados Unidos. Um duplo erro, diplomático e econômico, para o primeiro país exportador de carne halal ao mundo árabe.

Celso Amorim: “Não é só o fato de vendermos menos frangos aos países árabes, mas também a perda do crédito que o país acumulara como mediador em certos conflitos internacionais. Hoje é impossível! Enquanto transferimos nossa embaixada de Tel Aviv para Jerusalém, qual país árabe aceitaria o Brasil como facilitador? Se você tem uma visão totalmente antipalestina, isso pode ter sérias conseqüências em nossa região “.

Quando perguntam a Celso Amorin se dentre essas conseqüências, ele teme atos de terrorismo, sua resposta é: “Sim, faz parte dos riscos, resta esperar que não aconteça!”

Os militares: até o momento um fator de estabilidade

Os ex-generais nomeados por Bolsonaro para ocupar certos cargos mantêm um discurso mais pragmático em alguns setores como o do comércio exterior e parecem estar mais em harmonia com a tradição diplomática brasileira.

Celso Amorim: “Procuro ser positivo, mas em termos de política econômica e nas relações internacionais, as vozes de bom senso são as de alguns militares, especialmente a do vice-presidente. As declarações mais equilibradas vêm de alguns militares”.

O vice-presidente Antonio Mourão recebeu uma delegação chinesa logo após Bolsonaro acusar a China de querer “comprar o Brasil”.

A iniciativa do ex-militar se mostrou eficaz, o presidente Xi-Jinping enviou uma carta ao presidente brasileiro, expressando sua disposição de “trabalhar com seu governo para desenvolver a economia dos dois países e salvaguardar a paz mundial”.

Nos próximos quatro anos, a vigilância e o pragmatismo dos militares em relação à orientação da política externa de Bolsonaro ocuparão um papel central na proteção da soberania nacional brasileira. 247.

Error, no Ad ID set! Check your syntax!

Flávio Bolsonaro não responde a convite do MP para prestar depoimento sobre caso Queiroz


Reportagem de Marco Grillo no Globo informa que, apesar de ter afirmado que está “à disposição das autoridades” para contribuir com a investigação sobre o ex-assessor Fabrício Queiroz , o senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) ainda não respondeu ao convite do Ministério Público do Estado do Rio (MP-RJ) para prestar depoimento na quinta-feira.

De acordo com a publicação, por ser parlamentar, Flávio Bolsonaro pode indicar a data em que deseja ser ouvido, o que também não fez, segundo o MP-RJ informou domingo.

A solicitação foi encaminhada em 21 de dezembro, quando Queiroz faltou pela segunda vez à oitiva marcada pelo MP-RJ, alegando razões de saúde. Dias depois, o ex-assessor disse em entrevista ao SBT ser um “homem de negócios”, o que explicaria a movimentação em sua conta, classificada pelo Coaf de “atípica”. A assessoria do senador eleito disse que não conseguiu localizá-lo para responder se ele compareceria ao MP-RJ, completa o Jornal O Globo.

 

Após bateção de cabeça, Onyx diz que equipe é “muito sintonizada”


Resultado de imagem para foto de onyx

De acordo a matéria do DCM, o ministro da Economia, Paulo Guedes, negou nesta segunda-feira, 7, durante cerimônia de transmissão de cargo para o novo presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, que haja uma disputa entre a área econômica e a área política do governo de Jair Bolsonaro. “Todo mundo acha que tem uma discussão entre nós, uma briga. Nós somos uma equipe muito, muito sintonizada”, afirmou, após citar o nome do ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.

Na semana passada, a primeira de Jair Bolsonaro na Presidência, houve desencontros sobre as principais medidas do governo. Uma declaração do presidente sobre idades mínimas para a Previdência provocou dúvidas que ninguém conseguiu explicar. Além disso, Bolsonaro anunciou mudanças nas alíquotas do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) e do Imposto de Renda (IR), que também provocaram ruídos e depois tiveram de ser negadas por sua equipe.

Bolsonaro disse que tinha assinado decreto aumentando o IOF para operações externas, sem dar detalhes. A elevação seria necessária para cobrir o rombo deixado pelo projeto que prorroga benefícios fiscais a empresas do Norte e Nordeste, sancionado pelo presidente. Na tarde de sexta-feira, 4, após se reunir com o presidente, o secretário especial da Receita Federal, Marcos Cintra, disse que ele tinha se “equivocado” e que não haveria necessidade de aumentar IOF. Além disso, a mudança na tabela do IR, também anunciada pelo presidente, só seria feita em momento “oportuno”.

(…)

NOVO PRESIDENTE DA CAIXA PUNE A CLASSE MÉDIA E DIZ QUE JUROS SERÃO DE MERCADO NA CASA PRÓPRIA


O novo presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, afirmou nesta segunda-feira que os juros do crédito habitacional para classe média serão de mercado, e que as taxas não subirão no programa habitacional Minha Casa Minha Vida para “quem é pobre”.

Questionado se os custos do financiamento à casa própria serão elevados, ele respondeu que “depende”.

“Juro não vai subir para Minha Casa Minha Vida…Juro de Minha Casa Minha Vida é para quem é pobre”, disse.

“Quem é classe média tem que pagar mais. Ou vai buscar no Santander, no Bradesco, no Itaú. Na Caixa Econômica Federal, vai pagar juros maior que Minha Casa Minha Vida, certamente, e vai ser juros que vai ser de mercado. Caixa vai respeitar acima de tudo mercado. Lei da oferta e da demanda”, completou.

Guimarães afirmou ainda que o banco vai vender carteiras de crédito imobiliário e que a Caixa “vai passar a ser uma originadora imobiliária, mais do que reter crédito no balanço”. Segundo ele, o objetivo é que a Caixa, nos próximos 10 anos, passe a originar 70 por cento do crédito imobiliário, mas venda uma parte relevante, que pode chegar a 100 bilhões de reais.

 

Segundo o presidente da Caixa, a securitização irá permitir que a Caixa expanda o crédito num cenário em que os recursos do FGTS e da poupança têm limites.

Ele também afirmou que o banco pode fazer até três aberturas de capital de unidades neste ano, com a área de seguridade sendo a mais adiantada. Ele mencionou como alvos de abertura, além de seguridade, as áreas de cartões, operações de loterias e gestão de fundos.

A operação com a asset management da Caixa é a que demandará mais tempo, porque será necessário criar uma distribuidora de títulos e valores mobiliários (DTVM), o que demanda autorização da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), disse Guimarães.

Os recursos levantados nas operações ajudarão a Caixa a pagar à União a dívida de 40 bilhões de reais que possui em IHCDs (Instrumentos Híbridos de Capital e Dívida).

“Eu tenho quatro anos para fazer esse pagamento e o farei. As operações (de abertura da capital) já estão adiantadas, nós faremos ao menos duas esse ano, talvez três. Mas pelo menos duas é meu compromisso com o ministro (da Economia) Paulo Guedes”, afirmou o presidente da Caixa, acrescentando que uma delas deverá ocorrer ainda no primeiro semestre.

Em dezembro, antes da posse do governo de Jair Bolsonaro, o então secretário de Acompanhamento Fiscal, Energia e Loteria do Ministério da Fazenda, Alexandre Manoel Ângelo da Silva, afirmou que estava tudo pronto para o leilão da empresa de loterias instantâneas da Caixa, Lotex, em fevereiro deste ano.247.

 

Juízes repudiam ataques de Bolsonaro à Justiça do Trabalho


 

A Frente Associativa da Magistratura e do Ministério Público, que reúne 40 mil juízes e promotores em todo o país, em nota pública divulgada neste domingo repudiou as falas do presidente eleito sobre extinção da Justiça do Trabalho.

Os juízes entendem, e alertam, que a ‘supressão’ ou ‘unificação’ da Justiça do Trabalho representa uma grave violação à independência dos Poderes. Na nota, os juízes criticam ‘qualquer proposta de extinção da Justiça do Trabalho ou do Ministério Público do Trbalho.

A nota vem de encontro às declarações de Jair Bolsonaro, em sua entrevista no SBT, onde cogitou o fim da Justiça do Trabalho. Na mesma toada, disse que pretende aprofundar a reforma da legislação trabalhista.

“A Justiça do Trabalho tem previsão textual no art. 92 da Constituição da República, em seus incisos II-A e IV (mesmo artigo que acolhe, no inciso I, o Supremo Tribunal Federal, encabeçando o sistema judiciário brasileiro). Sua supressão – ou unificação – por iniciativa do Poder Executivo representará grave violação à cláusula da independência harmônica dos poderes da República (CF, art. 2o) e do sistema republicano de freios e contrapesos”, afirma a nota da frente.

A nota ainda desmente a afirmação recorrente de que a Justiça do Trabalho só exista no Brasil. Avisa que ela existe, com autonomia estrutural e corpos judiciais próprios em países como Alemanha, Reino Unido, Suécia, Austrália e França. ‘Na absoluta maioria dos países há jurisdição trabalhista, ora com autonomia orgânica, ora com autonomia procedimental, ora com ambas’, diz a nota.

E continua: ‘A Justiça do Trabalho não deve ser ‘medida’ pelo que arrecada ou distribui, mas pela pacificação social que tem promovido ao longo de mais de setenta anos. É notória, a propósito, a sua efetividade: ainda em 2017, o seu Índice de Produtividade Comparada (IPC-Jus), medido pelo Conselho Nacional de Justiça, foi de 90% (noventa por cento) no primeiro grau e de 89% (oitenta e nove por cento) no segundo grau’.

Leia a íntegra da nota pública:

A Frentas – Frente Associativa da Magistratura e do Ministério Público, congregando mais de 40 mil juízes e membros do Ministério Público, com respeito às declarações feitas pelo presidente da República Jair Bolsonaro, em entrevista divulgada nesta quinta p.p. (3/1), vem a público manifestar-se nos seguintes termos.

1. Não é real a recorrente afirmação de que a Justiça do Trabalho existe somente no Brasil. A Justiça do Trabalho existe, com autonomia estrutural e corpos judiciais próprios, em países como Alemanha, Reino Unido, Suécia, Austrália e França. Na absoluta maioria dos países há jurisdição trabalhista, ora com autonomia orgânica, ora com autonomia procedimental, ora com ambas.

2. A Justiça do Trabalho não deve ser “medida” pelo que arrecada ou distribui, mas pela pacificação social que tem promovido ao longo de mais de setenta anos. É notória, a propósito, a sua efetividade: ainda em 2017, o seu Índice de Produtividade Comparada (IPC-Jus), medido pelo Conselho Nacional de Justiça, foi de 90% (noventa por cento) no primeiro grau e de 89% (oitenta e nove por cento) no segundo grau.

3. A Justiça do Trabalho tem previsão textual no art. 92 da Constituição da República, em seus incisos II-A e IV (mesmo artigo que acolhe, no inciso I, o Supremo Tribunal Federal, encabeçando o sistema judiciário brasileiro). Sua supressão – ou unificação – por iniciativa do Poder Executivo representará grave violação à cláusula da independência harmônica dos poderes da República (CF, art. 2o) e do sistema republicano de freios e contrapesos. O mesmo vale, a propósito, para o Ministério Público, à vista do que dispõe o art. 128 da Carta, em relação à iniciativa ou aval da Procuradoria-Geral da República. Em ambos os casos, ademais, esforços de extinção atentam contra o princípio do desenvolvimento progressivo da plena efetividade dos direitos sociais, insculpido no art. 26 do Pacto de San José de Costa Rica, de que o Brasil é signatário.

4. Por tais razões, a FRENTAS repele qualquer proposta do Poder Executivo tendente à extinção, à supressão e/ou à absorção da Justiça do Trabalho ou do Ministério Público do Trabalho, seja pela sua inconstitucionalidade, seja pela evidente contrariedade ao interesse público.

Presidente da Anamatra (Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho e Coordenador da Frentas)

Fernando Marcelo Mendes
Presidente da Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe)

Victor Hugo Palmeiro de Azevedo Neto
Presidente da Associação Nacional dos Membros do Ministério Público (Conamp)

Jayme Martins de Oliveira Neto
Presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB)

Ângelo Fabiano Farias da Costa
Presidente da Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho (ANPT)

Antônio Pereira Duarte
Presidente da Associação Nacional do Ministério Público Militar (ANMPM)

Elísio Teixeira Lima Neto
Presidente da Associação do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (AMPDFT)

Fábio Francisco Esteves
Presidente da Associação dos Magistrados do Distrito Federal (Amagis-DF) Fonte GGN.

 

Lutadora do UFC reage a assalto e dá surra em ladrão no Rio de Janeiro


Polyana Viana, conhecida como “Dama de Ferro”, contou que o próprio assaltante pediu para chamar a polícia por medo de apanhar mais

Por: Redação OP9

Brasileira tem um cartel de 10 vitórias e duas derrotas no MMA. Foto: Polyana Viana/Instagram/Reprodução

Brasileira tem um cartel de 10 vitórias e duas derrotas no MMA. Foto: Polyana Viana/Instagram/Reprodução

O que poderia ser mais um caso de assalto no Rio de Janeiro terminou de forma inusitada na noite do último sábado (5). O assaltante tentou roubar o celular de uma mulher no bairro de Jacarepaguá, mas a investida não acabou bem para ele. Ele foi surpreendido pela “vítima”, a lutadora de MMA Polyana Viana. O suspeito levou socos, chutes e foi imobilizado pela atleta do UFC até a chegada da polícia.

Segundo o site MMAjunkie, Polyana, de 27 anos, esperava um Uber na porta do prédio onde mora quando foi abordada pelo bandido. “Quando ele viu que eu tinha percebido a presença dele, já estava bem perto de mim. Ele me perguntou as horas e eu respondi, mas vi que ele não foi embora. Então pus o telefone na minha cintura. Aí ele me disse: ‘Me passa o celular. Não tente reagir, estou armado’. Ele pôs a mão sobre o parecia ser uma arma, mas percebi que estava maleável. Ele estava bem perto de mim. Foi quando pensei: se é uma arma, ele não terá tempo de sacá-la. E dei dois socos e um chute nele. Ele caiu e o imobilizei com um mata-leão”, explicou a lutadora.

A “arma” utilizada pelo criminoso não era uma arma de verdade. Tratava-se de um pedaço de papelão recortado em formato de revólver. “Ele disse: ‘Chame a polícia, então’ porque ele estava com medo de que eu fosse espancá-lo mais”, contou a brasileira .O bandido ficou imobilizado até os policiais chegarem. Os agentes tiveram que levar o suspeito até o hospital antes de deixá-lo na delegacia. O caso chegou até os ouvidos do presidente do UFC, Dana White, que compartilhou uma foto da lutadora e do rosto do ladrão após a surra.


Polyana, também conhecida como Dama de Ferro, tem um cartel de 10 vitórias e duas derrotas no MMA. Seu último combate no UFC foi em em 4 de agosto, em Los Angeles. Na oportunidade, ela foi batida pela americana JJ Aldrich. No UFC, a brasileira tem uma vitória e uma derrota até o momento.

Com chapa única, Eures Riberio deve ser reconduzido à presidência da UPB


[Com chapa única, Eures Riberio deve ser reconduzido à presidência da UPB]

O prefeito de Bom Jesus da Lapa, Eures Riberio, deve ser reconduzido à presidência da União dos Municípios da Bahia (UPB). A votação acontece amanhã (8).

O eleitorado é formado por cerca de 400 prefeitos dos municípios filiados à entidade municipalista. O mandato é de dois anos, o que corresponde ao biênio 2019-2020.

Eures tem na sua vice o prefeito de Juzaeiro, Paulo Bonfim e o prefeito de Araci, Antonio Carvalho da Silva Neto. Metrô 1.

Bolsonaro fala em revelar cláusulas de confidencialidade do BNDES, Banco do Brasil e Caixa


Resultado de imagem para foto de bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira (7), em uma cerimônia no Palácio do Planalto, que não admitirá nenhuma “cláusula de confidencialidade pretérita” no governo dele, referindo-se ao fato de que pretende dar publicidade a atos e contratos de gestões anteriores.

Bolsonaro participou nesta manhã da solenidade de posse dos presidentes da Caixa Econômica Federal, do Banco do Brasil e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

“Transparência acima de tudo. Todos nossos atos terão de ser abertos ao público, e o que ocorreu no passado também. Não podemos admitir que, em qualquer uma dessas instituições, tenha qualquer cláusula de confidencialidade pretérita”, discursou o novo presidente da República na cerimônia.

Segundo Bolsonaro, não haverá na gestão dele perseguição a gestores de governos passados, porém, atos e contratos de bancos públicos que estavam em sigilo classificados como confidenciais vão se tornar públicos.

“Aqueles que foram a essas instituições [bancos públicos] por serem amigos do rei buscar privilégios, ninguém vai persegui-los, mas esses atos, essas ações, esses contratos tornar-se-ão públicos”, complementou Bolsonaro. Fonte DCM.

Sílvio Santos: “A Globo está em crise? Eu compro!”


Sempre sorridente e simpático, Silvio Santos concedeu uma entrevista para o repórter do programa “Muito Show”, da RedeTV

Ao chegar no cabeleireiro, o dono do SBT comentou sobre o namoro da apresentadora Eliana com um diretor da Rede Globo.

“Eliana? Mas a Eliana namorando um diretor da Globo? Que coisa horrível. A Eliana é muito pequenininha. Ainda mais com esse sapato que ela arrumou agora, ninguém quer nada com ela”, disparou.

Esticando ainda mais o assunto, o repórter disse ao apresentador que e Rede Globo está em crise:

“A Globo está em crise? Ah, eu compro. Eu compro a Rede Globo, não tem problema. Eu pago para os Marinhos. Pago à prestação, mas pago”, brincou o apresentador.

Será que essa brincadeira tem um fundinho de verdade?


assista aos 6:50 minutos do vídeo:

Cachorrinha à beira da morte é resgatada, tratada e fica linda


Foto: Reprodução Facebook
Foto: Reprodução Facebook

Todos pensavam que a cachorrinha que ganhou o nome de Ana não iria sobreviver, há dois meses, por causa do estado gravíssimo em que foi encontrada.

Aos dois anos de idade, ela tinha várias feridas e por medo, fugia das pessoas. Muito fraca e devastada pela sarna, a cadelinha precisava de ajuda urgente.

Por sorte, ela recebeu ajuda do Rescue Dogs Rock de Nova Iorque. Até a fundadora da ONG, Stacey Silvertein, já tinha perdido as esperanças de cura do cãozinho. Porém, contra todas as probabilidades e prognóstico instável, Ana agarrou-se à vida e o milagre aconteceu.

Ela se recuperou incrivelmente, e está agora como se nada tivesse acontecido.

As feridas foram curadas e qualquer vestígio do abandono foi afastado.

“Depois de apenas algumas semanas de cuidados médicos e da equipe veterinária, Ana está se sentindo muito melhor e está maravilhosa!

O pelo dela voltou com força total e ela se transformou em uma garota feliz e brincalhona! ”, explica a página de adoção de Ana.

Com os pelos de volta, seus salvadores confirmaram que ela é uma mistura do Labrador com Golden Retriever.

Os representantes da ONG divulgaram que “depois do que Ana suportou, ela é merecedora da casa mais incrível para sempre. Ela é adorável, doce e amigável com pessoas de todas as idades e outros cães ”

Depois do tratamento, ela está sendo transferida do Texas para Nova York, onde a Rescue Dogs Rock NYC a colocará para adoção para tentar encontrar um lar definitivo para a filhote.

Com informações do Bored Panda

 

Meninas que desapareceram depois de deixar carta dizendo que iriam para ‘desafio’ são encontradas


Por Anelize Camargo, RPC Maringá

Três meninas deixaram carta citando desafio antes de desaparecer — Foto: Arquivo pessoal
 Foto: Arquivo pessoal

As três meninas que desapareceram depois de deixar uma carta dizendo que cumpririam um “desafio” em Maringá, no norte do Paraná, foram encontradas na quarta-feira (2), por volta das 20h. O desaparecimento ocorreu por volta das 12h30 do mesmo dia.

Segundo a Polícia Militar (PM), um casal reconheceu as meninas e chamou a polícia. Inicialmente, a informação era a de que elas tinham sido encontradas por um voluntário da Defesa Civil.

Elas estavam nos arredores da Catedral de Maringá, na mesma cidade que desapareceram. De acordo com a Defesa Civil, as garotas – que têm entre 11 e 12 anos – estão bem.

Embora tenham deixado uma carta afirmando que cumpririam um ‘desafio’, as meninas disseram que escreveram isso para chamar a atenção dos pais. Uma das causas para o desaparecimento seria uma bronca que a mãe de duas delas deu por causa de vídeos encontrados em um celular.

As garotas contaram ainda que saíram de casa sozinhas e andaram o dia todo, não entraram em nenhum carro. Elas passearam no Parque do Ingá e depois foram até a Catedral, onde foram localizadas. À polícia elas também disseram que o tempo todo estavam sozinhas, não tiveram companhia de nenhum adulto.

A Polícia Civil vai investigar o caso. O Conselho Tutelar está acompanhando as famílias para apurar o que ocorreu.

O desaparecimento

Evelyn, de 11 anos, foi dormir na casa de Luana, de 12 anos, e Yasmin, de 11 anos, e as três desapareceram na manhã de quarta.

Segundo os pais das meninas, elas deixaram uma carta dizendo que ficariam fora de casa por uma semana para cumprir um desafio.

A mãe de duas delas saiu para comprar comida e, quando voltou, não encontrou mais as crianças.

As câmeras de segurança do condomínio onde elas estavam mostram as garotas saindo do local. As três portavam mochilas.

Cleonice Marques, mãe de Luana e Evelyn, havia contado que as meninas ficaram até a madrugada anterior mexendo no celular, o que fez com que ela chamasse a atenção das garotas.

Brasileiro devolve R$ 63 milhões que recebeu por engano


Geraldo Garcia de Andrade - Foto: reprodução / TV Anhanguera
Geraldo Garcia de Andrade – Foto: reprodução / TV Anhanguera

Um brasileiro levou um susto quando apareceram R$ 63,9 milhões na conta bancária dele, praticamente um prêmio de mega-sena.

O comerciante Geraldo Garcia de Andrade sabia que o dinheiro não era dele e na hora procurou o banco para devolver.

O caso aconteceu esta semana em Rio Verde, Goiás.

“O dinheiro não era meu, eu queria que tirasse o mais rápido da minha conta para continuar minha vida normalmente”, disse Geraldo ao G1.

A reação

Ele conta que todo dia verifica o saldo da conta.

Em um dia, tinha R$ 10 mil. No outro, R$ 63.987.208,12.

O comerciante disse que a primeira reação que teve foi ligar para o gerente do banco.

“Tirando os extratos das contas para fazer a conferência, eu vi 63. Pensei que fosse R$ 63 mil, mas eu não tinha o dinheiro e imaginei que pudesse ser algum adiantamento que o banco tinha feito. Quando olhei direito e vi que eram milhões”, disse.

Geraldo falou que o banco não sabia do engano.

“O banco nem sabia, ele levou um susto, viram direitinho e rapidinho o dinheiro saiu”, contou.

Honestidade

O comerciante afirma que, em momento algum pensou em ficar com o valor depositado por engano.

“O ensinamento que o meu pai e a minha mãe me passaram é que o que é meu, é meu. O que não é meu, não é meu. A gente fica só com o que é da gente”, completou.

A atitude do comerciante deixou os funcionários orgulhosos.

“O que ele fez foi uma atitude rara, que poucas vezes a gente vê acontecer. O que ele passou para a gente foi algo extraordinário, que temos que guardar sempre”, disse o metre Raimundo Cabral.

A assessoria de imprensa do banco informou que a instituição não vai comentar o assunto.

Foto: reprodução / TV Anhanguera

Foto: reprodução / TV Anhanguera

Com informações do G1.

 

Homem que espancou idoso no Recife em vídeo que viralizou é evangélico, bolsonarista e já foi preso


Maria Cristina Fernandes

@mcfernandes

Praia de Boa Viagem, Recife, 9 da manhã de hoje

3.826 pessoas estão falando sobre isso

Um vídeo postado nas redes sociais na manhã de sábado, dia 29, deixou a população pernambucana revoltada.

Câmeras de segurança de prédios da Rua Amazonas, no bairro do Pina, no Recife, registraram o momento em que o flanelinha William José de Souza, de 63 anos, foi espancado pelo fisiculturista Bruno Nunes Elihimas.

A vítima perdeu dentes e foi encaminhada para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Imbiribeira, mas, devido à gravidade das lesões, seguiu para o Hospital da Restauração (HR).

Bruno, de 35 anos, já foi preso por receptação de carro roubado e venda de anabolizantes, chegando a ser conduzido ao Centro de Observação e Triagem Everardo Luna, COTEL, em Abreu e Lima, mas teve alvará de soltura por liberdade provisória.

Segundo o advogado Marcelo Soares, Souza teria agredido a namorada de seu cliente um dia antes. Ela estava grávida e teria perdido o bebê.

Não há nenhuma prova disso.

Em nota, a Polícia Civil de Pernambuco informou que não há registro de queixa por parte de Bruno contra William.

Soares contou que Bruno está escondido na casa de familiares e “no momento propício” vai se apresentar às autoridades, possivelmente no próximo dia 1º de janeiro.

Nas redes sociais, Bruno fez campanha para Bolsonaro e aparece sendo batizado por um pastor evangélico numa praia.

Um típico cidadão de bem.

O Brasil dormirá tranquilo sabendo que Bruno pode ter uma arma amanhã. Com informações do DCM.

 

‘Eu não posso perder o meu pai’; filha de paciente se desespera com falta de atendimento no Hospital Pedro II


Por Diego Haidar, Bom Dia Rio

Pacientes relatam atendimento precário no hospital Pedro II

Pacientes relatam atendimento precário no hospital Pedro II

Acompanhantes de pacientes do Hospital Pedro II, em Santa Cruz, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, reclamam da falta de leitos e contam que cada um dos médicos é responsável por dezenas de pacientes. Eles contam que os familiares ficam jogados e não recebem o atendimento necessário. Francine Lima, fila de um dos pacientes, fez um apelo emocionado pedindo por cuidados para o pai, Flávio Belarmino de Lima, de 55 anos.

“Meu pai tem família, tem filhos, netos e trabalhou muitos anos. Eu preciso de ajuda para ele”, contou a filha do paciente, que destacou que apenas um enfermeiro atende 50 pacientes na sala amarela da unidade.

Francine reclama da falta de um diagnóstico. Ela conta que é mãe de uma bebê de um ano, que deixou com o marido e com a mãe para poder cuidar do pai. “Eu não posso perder o meu pai, eu não sei viver sem ele”.

Francine conta que o pai, Flávio Belarmino de Lima, está internado desde o réveillon no Hospital Pedro II — Foto: Reprodução/ TV GloboFrancine conta que o pai, Flávio Belarmino de Lima, está internado desde o réveillon no Hospital Pedro II — Foto: Reprodução/ TV Globo

Francine conta que o pai, Flávio Belarmino de Lima, está internado desde o réveillon no Hospital Pedro II — Foto: Reprodução/ TV Globo

Alimentação servida aos pacientes é de má qualidade, denuncia acompanhante — Foto: Reprodução/ TV GloboAlimentação servida aos pacientes é de má qualidade, denuncia acompanhante — Foto: Reprodução/ TV Globo

Alimentação servida aos pacientes é de má qualidade, denuncia acompanhante — Foto: Reprodução/ TV Globo

Flávio está internado desde a virada do ano na unidade de saúde, quando chegou com fortes dores de estômago. Francine destaca que a alimentação também é de má qualidade. Ele está internado em uma cadeira que, inicialmente, seria destinada a um acompanhante. E conta que um homem que caiu de moto está há dias com a mesma atadura, mesmo ensanguentado.

“Tudo sujo, cheio de moscas. A gente não tem condições de pagar um plano de saúde e depende, infelizmente, da ajuda do governo. E não tem isso aqui”, destacou Francine.

Pedro Viana, filho da paciente Rita, também ficou revoltado com os problemas na unidade. Ele conta que ela ficou mais de dez horas aguardando pelo atendimento e só depois desse prazo ela recebeu um antibiótico e um lençol. Segundo ele, a paciente segue internada em uma maca e não teve um diagnóstico.

“Ela está respirando pela boca, com falta de ar, sem nenhum tipo de atenção, sem medicação, com as pernas nos ferros e na maca sem forrar”, explicou o filho da paciente.

A Prefeitura do Rio, responsável pelo Hospital Pedro II, foi procurada e disse que está apurando o que aconteceu especificamente em cada um dos casos relatados na reportagem.