Fiz campanha para Bolsonaro, mas me arrependi, diz Vermelho


Em entrevista à revista Veja, divulgada no site nesta sexta-feira (13), Walter Delgatti Neto, o “Vermelho”, preso em Araraquara (SP) como responsável pelas gravações reveladas pelo site The Intercept na série de reportagens da Vaza Jato, diz que fez campanha para Jair Bolsonaro, mas se arrependeu depois.

“Fiz campanha para o Bolsonaro e me arrependi depois”, disse Delgatti em entrevista no dia 6 no Fórum Professor Júlio Mirabete, onde funciona o Tribunal de Justiça do Distrito Federal.

O hacker disse que, entre as mais de 80 autoridades que teria invadido as contas do Telegram, estão duas contas de Bolsonaro e dos filhos, Carlos, Eduardo e Flávio. No caso de Bolsonaro não há registros, segundo o hacker, por que ele não usava o Telegram.

Delgatti diz ter usado um print das telas com conversas de Carlos e Eduardo para convencer a deputada Manuela D’Ávilla que havia colhido provas de ações para impulsionar mensagens de WhatsApp em favor de Bolsonaro durante a campanha presidencial. “Eu procurei a deputada porque sabia que ela era contra a Lava-Jato devido à ideologia”, afirmou.

Com informações da Fórum.

 

 

 

 

 

Error, no Ad ID set! Check your syntax!


las ocorreram em 26 estados do país, que também registraram 2,4 mil casos de hospitalização, de acordo com os Centros para Controle e Prevenção de Doenças (CDC). Surto começou em março deste ano e parece estar ligado a um dos componentes inalados.

 

Usuário de cigarro eletrônico; doença pulmonar não identificada está ligada ao produto — Foto: Christopher Pike/Reuters

Num levantamento do G1,o número de mortes causadas por doenças ligadas ao uso do cigarro eletrônico chegou a 52 nos Estados Unidos. De acordo com o Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC, em inglês) do país, até terça-feira (10) foram registradas mortes em 26 estados. No país inteiro já são 2.409 casos de hospitalização por essas mesmas doenças.

A maioria dos pacientes disse ter fumado produtos de cigarro eletrônico (vaping) que contêm o princípio ativo THC. Trata-se do ingrediente que produz os efeitos mais nocivos da maconha. Autoridades do governo dos Estados Unidos estão investigando mais intensamente o comércio ilegal desta substância.

No mês passado, autoridades norte-americanas disseram ter encontrado um culpado para o surto – um componente químico chamado acetato de vitamina E, que foi identificado nos pulmões de pacientes doentes e nos produtos que fumaram.

Trata-se de um agente químico que serve para engrossar a mistura inalada junto com os líquidos que contêm o THC.

Com informação do G1.

Vaping - Os perigos do cigarro eletrônico

Vaping – Os perigos do cigarro eletrônico

AI-5 completa 51 anos, entre repúdio à ditadura e defensores do autoritarismo


Só pra lembrar, foi montada nessa foto desse cidadão que a polícia o persegue, o rosto de Lula e muita gente saiu divulgando

o fake, achando que era verdade, como essa mentira,  muitas outras foram ingeridas no coração e na alma de muita gente” 

 

Como neste ano, o 13 de dezembro de 1968 também caiu em uma sexta-feira. Já era noite quando o ministro da Justiça, Gama e Silva, anunciou o resultado da 43ª reunião do Conselho de Segurança Nacional, no Palácio das Laranjeiras, no Rio de Janeiro. Os 24 integrantes do Conselho haviam discutido o Ato Institucional número 5, o AI-5, que abriu o período mais violento da ditadura iniciada em 1964. Passados 51 anos, autoridades ligadas ao governo falam com desenvoltura sobre o tema, admitindo até mesmo uma reedição, conforme o comportamento da oposição.

Imediatamente após o AI-5, o Congresso foi fechado. O ex-presidente Juscelino Kubitschek e o governador Carlos Lacerda foram presos. Ainda em dezembro, o Executivo solta a primeira lista de cassações, incluindo 11 deputados federais, entre eles Márcio Moreira Alves (MDB-RJ), cujo discurso, meses antes, foi visto como “estopim” para a radicalização do regime. O Congresso negou autorização ao governo para processar o parlamentar. Mas já havia uma escalada de protestos contra a ditadura, com manifestações de estudantes, greves operárias em Osasco (SP) e Contagem (MG) e a emblemática Passeata dos 100 Mil, em 26 de junho de 1968, no Rio de Janeiro.

A censura aos veículos de comunicação se ampliou, professores foram expulsos de universidades e artistas foram presos, casos de Caetano Veloso e Gilberto Gil, que acabaram deixando o país, assim como Chico Buarque – que não chegou a ser detido, mas passou por interrogatório – e Geraldo Vandré, que permaneceu escondido até sair do Brasil de forma clandestina, em fevereiro de 1969. Nesse ano, mais de 300 políticos tiveram os direitos políticos suspensos.

Repúdio

Um ato de repúdio está marcado para as 19h de hoje, na Câmara de São Paulo, convocado pelo vereador Antônio Donato (PT). “Vivemos em um estado democrático de Direito e não podemos aceitar manifestações que defendem a volta de um instrumento empregado pela ditadura militar que tomou o poder pelo golpe e governou o Brasil de 1964 e 1985”, diz a convocatória da manifestação.

Como já fizeram no ano passado, os integrantes do Coletivo Ato de Resistência apresentam, às 21h, a peça AI-5, uma reconstituição cênica. Atores interpretam os integrantes do Conselho de Segurança Nacional e “revivem” a reunião de 13 de dezembro de 1968. Desta vez, eles se apresentaram no espaço cultural A Próxima Companhia (rua Barão de Campinas, 529, Campos Elíseos, região central de São Paulo).

Filho do atual presidente, o deputado Eduardo Bolsonaro disse recentemente que, conforme o andamento das manifestações de rua, não se poderia descartar um novo AI-5. Dias depois, foi a vez de o ministro da Economia, Paulo Guedes, declarar que ninguém deveria se assustar se isso acontecesse.

Na reunião do Conselho de Segurança, em 1968, um defensor entusiasmado do AI-5 foi o ministro da área econômica, Delfim Netto, até hoje procurado para repercutir o noticiário. Ao se dirigir ao então presidente, general Artur da Costa e Silva, o ministro afirmou que não apenas estava “plenamente de acordo” com o ato, como considerava que ele era insuficiente. “Eu acredito que deveríamos atentar e deveríamos dar a Vossa Excelência, ao presidente da República, a possibilidade de realizar certas mudanças constitucionais, que são absolutamente necessárias para que este país possa realizar o seu desenvolvimento com maior rapidez”, afirmou.

Não sobra democracia

O vice-presidente, Pedro Aleixo, foi o único voto contrário. Ele propôs, antes da edição de um ato institucional, a decretação de estado de sítio, para uma análise da situação. E já antevia os efeitos do AI-5: “Porque, da Constituição – que, antes de tudo, é um instrumento de garantia de direitos da pessoa humana, de garantia de direitos políticos – não sobra, nos artigos posteriores, absolutamente nada que possa ser realmente apreciável como sendo uma caracterização do regime democrático”.

Ministro das Relações Exteriores, o banqueiro Magalhães Pinto admitiu que,  naquele momento, o país saía da legalidade. “Eu também confesso, como o vice-presidente da República, que realmente com este ato nós estamos instituindo uma ditadura. E acho que se ela é necessária, devemos tomar a responsabilidade de fazê-la”, afirmou. Em seguida, o ministro do Trabalho, coronel Jarbas Passarinho, dizia repugnar o caminho da ditadura, “mas parece que claramente é esta que está diante de nós”. E acrescentou: “Eu seria menos cauteloso do que o próprio ministro das Relações Exteriores, quando diz que não sabe se o que restou caracterizaria a nossa ordem jurídica como não sendo ditatorial, eu admitiria que ela é ditatorial. Mas, às favas, senhor presidente, neste momento, todos, todos os escrúpulos de consciência”.

Em texto recente, o escritor Luis Fernando Verissimo também chamou a atenção para os perigos à democracia. “Quando ameaçam, mesmo distraídos, com a volta do AI-5 estão pregando a volta de um terror de Estado que nada legitima ou perdoa, nem a teoria. Tem muita gente, claro, disposta a esquecer ou ignorar os horrores daquela época”, escreveu.

O que foi o AI-5:
  • O presidente da República podia decretar o recesso do Congresso, das Assembleias Legislativas e das Câmaras Municipais
  • Pelo “interesse nacional”, ao presidente também era permitido intervir em estados e municípios, “sem as limitações previstas na Constituição”
  • Para “preservar a Revolução”, que é como os defensores do golpe de 1964 chamavam o movimento, o presidente também poderia “suspender os direitos políticos de quaisquer cidadãos pelo prazo de 10 anos e cassar mandatos eletivos federais, estaduais e municipais”
  • A suspensão dos direitos políticos acabava com foro privilegiado e com o direito de votar e ser votado em eleições sindicais, proibição de atividades ou manifestação “sobre assunto de natureza política”, proibição de frequentar “determinados lugares”
  • Também era possível, por decreto, demitir, remover, aposentar servidores, empregados de autarquias, de empresas públicas e sociedades de economia mista, além de demitir, transferir para a reserva ou reformar militares e membros das polícias militares
  • O governo também poderia decretar estado de sítio e prorrogá-lo
  • Ficava suspensa a garantia de habeas corpus, “nos casos de crimes políticos, contra a segurança nacional, a ordem econômica e social e a economia popular”
  • Com informação do DCM.

Reinaldo: autoritarismo de Moro vai além da bolha da extrema direita e ambiciona ser um método


O jornalista Reinaldo Azevedo, em sua coluna no Portal UOL,  alerta que Sergio Moro “representa um risco real ao sistema de garantias individuais e públicas. Seu autoritarismo é mais instruído, vai além da bolha da extrema direita e ambiciona ser um método” .

“Moro é o insidioso que se esgueira nas dobras do combate à corrupção”.

“Ele tenta mudar os códigos, literais e metafóricos, do Estado democrático e de Direito.”

“Suas barbaridades passam por bom senso em certos setores da imprensa, severos com Bolsonaro, mas servis ao dito paladino da moralidade.”

“Na agressiva entrevista publicada pela Folha nesta quinta (12), Moro tem a ousadia, por exemplo, de atribuir ao STF a responsabilidade pelo fato de 50% dos entrevistados pelo Datafolha considerarem ruim ou péssimo o combate à corrupção levado a efeito pelo governo”.

“No país das balas perdidas do Rio e do massacre de Paraisópolis, em São Paulo, o ministro não se intimida, na entrevista, em insistir no excludente de ilicitude para fazer um aceno à extrema direita que lhe dá suporte nas redes sociais. Tenta fagocitar a plateia de seu chefe”.

“Na segunda (9), posou ao lado de uma escultura em que sua efígie é desenhada por cartuchos”.

“Este bezerro, adorado por setores da imprensa que confundem política com polícia, não é feito de ouro, mas de balas”.

Esse assunto faz lembrar um episódio de um cidadão de Brasília, como ele informou, um radialista, inclusive a sua foto de perfil no grupo era de quem estava num estúdio, quando questionado o por que dele defender tanto um governo que está vendendo, ou melhor, entregando as riquezas dos brasileiros para os americanos, ele respondeu que pode entregar tudo, não tem problema, mas a esquerda não entra mais, nem que seja decidido na bala. Foi quando um integrante do gurpo questionou sobre a agressividade, ele saiu do grupo.

Mas a coisa está bem assim. Muita gente não está mais torcendo para o melhor para o seu país, mas sim, preferem alimentar o ódio que foi implantado, onde tudo que vem do lado de Bolsonaro e Mor é aprovado. Isso é um perigo para a democracia e para o ser humano em geral. Fonte 247.

fique mais informado sobre o que está acontecendo. Veja essa vídeoa da TV 247.

Lava Jato não tem provas de corrupção contra Lulinha, admite procurador


Assim como nas investigações e acusações feitas contra o ex-presidente Lula, a força-tarefa da Lava Jato também não tem provas contra o filho do petista, Fabio Luis Lula da Silva, conhecido como Lulinha, e alvo de uma fase da operação deflagrada nesta terça-feira 10.

“Temos que aguardar o resultado das buscas, amadurecer esta investigação neste aspecto”, comentou o procurador Roberson Pozzobon, o mesmo que ficou conhecido por dizer, durante a apresentação do Power Point de Deltan Dallagnol, na acusação do triplex, que a força-tarefa ainda não tinha provas, mas convições de que Lula comandava um grande esquema de corrupção.

“A PF e o MPF sustentam que pagamentos podem estar relacionados à ação executiva do presidente Lula que permitiu a fusão da Oi com a Brasil Telecom. Até aqui, ainda não há documento que comprove a tese”, diz a Globo, em um teste analítico sobre a operação desta quarta, assinado por Thiago Herdy. “Obter essa prova é atualmente o maior desafio da investigação”, completa.

O destaque para a falta de provas foi observada pelo Jornal GGN, do jornalista Luis Nassif, que explica o caso:

Desde segunda (10), os procuradores de Curitiba têm vendido na grande mídia – que mesmo depois do dossiê do Intercept Brasil, segue sem nenhum senso crítico em relação à Lava Jato – a narrativa de que os negócios da Oi com o grupo Gamecorp, de Lulinha e sócios, precisam ser investigados.

A força-tarefa alega que é possível que algum dinheiro pago pela Oi à empresa ligada aos Lula, Suassuna e Bittar, tenha sido usado para comprar o sítio de Atibaia.

A hipótese é tudo o que a Lava Jato tem no momento. Foi para sair do campo da imaginação que deflagraram uma operação policial ostensiva, com mais de 40 mandados de busca e apreensão, na esperança de achar alguma coisa que prove que eles estão certos.

 

Fonte 247.

FRIGORÍFICO É ARROMBADO E ASSALTANTES LEVAM QUASE 400 KG DE CARNE NO OESTE DE SC


Um frigorífico foi arrombado na madrugada desta terça-feira (10), por volta das 2h35, na comunidade de Engenho Novo, interior de Capinzal (SC). Os suspeitos levaram aproximadamente 390 kg de carne.

A Polícia Militar foi acionada e constatou que as portas do local estavam arrombadas e o escritório estava revirado. Conforme informações da rádio Aliança, há a suspeita que os criminosos entraram pelo forro, desligaram o sistema de videomonitoramento e alguns fios do sistema de alarme.

A guarnição da PM gerou o boletim de ocorrência e acionou a Polícia Civil que irá investigar o caso.

A imagem pode conter: 1 pessoa

Nenhuma descrição de foto disponível.

A imagem pode conter: carro e texto

Acusado de assassinar Marielle, Ronnie Lessa pode ter sido alvo de queima de arquivo


Ronnie Lessa teria sido vítima de um suposto latrocínio 45 dias depois de ter disparado os tiros que mataram Marielle Franco e Anderson Gomes. Mas, policiais civil acreditam que caso pode ter sido uma tentativa de queima de arquivo

Polícia encontra 117 fuzis na casa de amigo de Ronnie Lessa, acusado de matar Marielle
Polícia encontra 117 fuzis na casa de amigo de Ronnie Lessa, acusado de matar Marielle

Da revista Fórum – Preso como responsável pelos disparos que assassinaram Marielle Franco e Anderson Gomes, o ex-PM Ronnie Lessa tomou um tiro no pescoço ao reagir a um suposto assalto 45 dias depois do dia do crime contra a vereadora do PSol. O caso foi registrado como latrocínio, mas há diversas lacunas no inquérito e, em sigilo, policiais civis afirmaram a Flávio Costa, do portal Uol, que há suspeitas de queima de arquivo.

No registro da investigação, Ronnie teria reagido a um assalto após estacionar seu carro em frente ao restaurante Varandas, no Quebra-Mar da Barra da Tijuca, zona oeste do Rio, no dia 27 de abril de 2018.

Alessandro Carvalho Neves, identificado como autor do crime, chegou em uma moto, parou próximo ao quiosque, sacou o revólver e anunciou o assalto. Lessa teria se desequilibrado na ação por usar uma prótese na perna esquerda e caiu. Um bombeiro, identificado como Maxwell Correia, que iria almoçar com Lessa, mandou o assaltante largar a arma, mas ele teria reagido atirando.

Dois disparos acertaram Lessa no pescoço e Maxwell na perna. O bombeiro ainda conseguiu acertar um tiro nas costas do assaltante, que fugiu, sendo preso em seguida e condenado a 13 anos e 4 meses no processo por latrocínio.

Leia a íntegra na Fórum

Fonte DCM

A imagem pode conter: texto

A imagem pode conter: 3 pessoas, pessoas sorrindo, texto

 

A imagem pode conter: texto

 

Presidente da Huawei disse que os EUA tratam a América Latina como quintal deles


De Maria Cristina Fernandes no Valor Econômico.

Em sua primeira entrevista à imprensa latino-americana, o CEO da Huawei, Ren Zhengfei, revidou a pressão americana contra a expansão da empresa no continente. “Os Estados Unidos tratam a América Latina como seu quintal. Nosso objetivo é ajudar a América Latina a sair desta armadilha e manter a soberania de seus países. A América Latina é o melhor lugar do mundo”.

A entrevista, que aconteceu na sede da Huawei, na cidade chinesa de Shenzhen, teve a participação da imprensa de seis países da América Latina. O Valor foi o jornal brasileiro presente. Outros seis órgãos da imprensa espanhola também participaram.

Ao comentar as perspectivas da Huawei em cada país, Ren Zhengei procurou convencer a opinião pública latino-americana das vantagens competitivas da China em relação aos Estados Unidos nas relações com o continente. “A tecnologia 5G chegará num momento em que falta impulso para o Brasil ultrapassar os Estados Unidos.”

Com informação do Dário do Centro do Mundo.

A imagem pode conter: 1 pessoa, barba e texto

A imagem pode conter: sapatos e texto

A imagem pode conter: texto

 

A imagem pode conter: comida e texto

Dino questiona ação contra filho de Lula: qual a relação entre Oi e Petrobrás?


O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), questionou a competência da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba para deflagrar uma operação contra um dos filhos do ex-presidente Lula, Luis Fabio Lula da Silva, o ‘Lulinha’.

“Qual a relação entre Vivo, Oi e Petrobras?”, indagou Flávio Dino, que foi juiz federal por 12 anos antes de entrar para a política. “É que na Petrobras as pessoas usam telefones?”, ironizou.

A investigação que baseou a fase da Lava Jato desta terça-feira 10 apura pagamentos da Oi para empresas ligadas a Lulinha e seus sócios. Segundo a Lava Jato, parte desses recursos pode ter sido usada para a compra do sítio de Atibaia, pelo qual Lula também já foi condenado pela 2ª instância.

“Não há ‘direito excepcional’ que explique essa competência eterna de Curitiba para julgar o presidente Lula e família. Sou a favor de investigações, mas com respeito às LEIS”, disse ainda Flávio Dino.

Flávio Dino
@FlavioDino

Qual a relação entre Vivo, Oi e Petrobras ? É que na Petrobras as pessoas usam telefones ? Não há “direito excepcional” que explique essa competência eterna de Curitiba para julgar o presidente Lula e família. Sou a favor de investigações, mas com respeito às LEIS.

fonte 247.

Paulo Marinho revela atuação de Queiroz na campanha de Bolsonaro


Em depoimento na CPMI das Fake News, o empresário Paulo Marinho, que abrigou em sua casa parte da estrutura de campanha usada por Jair Bolsonaro, disse que Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro, esteve no local pelo menos três vezes.

Empresário Paulo Marinho
Empresário Paulo Marinho (Foto: Roque de Sá/Agência Senado)

Um depoimento feito durante sessão na CPMI das Fake News nesta terça-feira 10 pelo empresário Paulo Marinho aponta mais uma comprovação da proximidade entre Jair Bolsonaro e Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro, seu filho mais velho, que operava as finanças da família e esteve diretamente envolvido no esquema da ‘rachadinha’, pela qual Flávio é investigado.

Hoje suplente de Flávio no Senado, o empresário revelou na CPMI que Queiroz ia até o local sempre acompanhado do senador e atuava como seu “motorista”, além de outros trabalhos, que Marinho disse não saber quais seriam. Questionado se integrantes da campanha de Bolsonaro dispararam fake news de sua casa, Marinho respondeu desconhecer tal fato.

Com informação do 247

Nenhuma descrição de foto disponível.

A imagem pode conter: 3 pessoas, pessoas sorrindo, texto e atividades ao ar livre

Nenhuma descrição de foto disponível.

 

 

 

Doria faz o jogo dos “ricos” e quer mostrar que pode ser ainda mais “cruel” que Bolsonaro, diz Haddad


Haddad fala com os militantes em Osasco

Enquanto Lula cuida de andar pelo país e apontar os erros do governo de Bolsonaro, Fernando Haddad organiza o front em São Paulo para conter os planos de João Doria.

Neste domingo, o ex-candidato a presidente pelo Partido dos Trabalhadores esteve na cidade de Osasco, em plenária organizada pelo deputado Emidio de Souza, e falou sobre a decisão do desembargador Alex Zilenovski de suspender a tramitação da Reforma da Previdência estadual enviada pelo gestor à Assembleia Legislativa.

Para Haddad, Doria está fazendo o jogo dos “ricos” e mostrando que pode ser ainda mais “cruel” que o capitão.

“Ele não quer saber o que pode fazer pelo estado”, acusou o ex-prefeito de São Paulo. “Só quer mostrar para a classe dominante, para os amigos dele, que é ‘melhor’ que o Bolsonaro. ‘Olha como eu sou mais cruel que o Bolsonaro, mais duro que ele’”.

A decisão do desembargador, segundo Haddad, impediu mais um arbítrio.

“Ainda estamos numa democracia, que está ameaçada todo dia, tanto pelo governo estadual quanto pelo governo federal”, disse, elogiando a atitude do desembargador Alex Zilenovski de suspender a tramitação da Reforma da Previdência. “Mostra que há um caminho”.

O ex-prefeito também falou sobre a pesquisa do Datafolha que coloca Bolsonaro como o presidente com a pior avaliação no primeiro ano desde o governo de Fernando Henrique.Fonte DCM.

Negociação de patrocínio com a Havan revolta torcedores do Vasco


O empresário tem encontro marcado com o presidente do clube, Alexandre Campello, nesta quarta, 11, em Brusque (SC), para decidir a possibilidade de um patrocínio para 2020 – o que revoltou os milhões de torcedores vascaínos com consciência política

(Foto: Reprodução | Paulo Fernandes/vasco.com.br)

Do DCM – Não satisfeito em tumultuar o ambiente político do país, o bolsonarista Luciano Hang, dono da Havan, decidiu invadir o futebol e antes mesmo de concretizar o primeiro negócio já levou crise para dentro do Vasco da Gama do RJ.

É que o empresário tem encontro marcado com o presidente do clube, Alexandre Campello, nesta quarta, 11, em Brusque (SC), para decidir a possibilidade de um patrocínio para 2020.

A informação foi dada pelo site “Diário do Rio”, confirmada e já bagunçou o coreto entre os torcedores, a maioria contra a parceria.

O assunto viralizou e está entre os primeiros do Twitter.

Confira algumas postagens.

Yasmin Escalea@escalea_

Dono da Havan acusado por fraude processual, racismo e assédio moral com seus funcionários, mas se vai trazer dinheiro pro Vasco eu quero que se foda tudo isso.
Depois nego vem bater no peito pra cantar “eu já outro por negros e operários”. https://twitter.com/Joao_Almirante/status/1204173592369520641 

joao@Joao_Almirante

O veio da Havan é um sonegador que assedia moralmente seus funcionários e, trajado de papagaio, é um dos principais patrocinadores desse governo de fdp burro, racista, misógino e miliciano. Só acha que vale a pena associar o Vasco a isso quem não sabe um caralho dessa história.

Fonte 247.

Maioria considera justa libertação de Lula, diz Datafolha


Segundo pesquisa do Instituto Datafolha, 54% dos entrevistados aprovam a libertação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, após decisão do Supremo Tribunal Federal contra prisão após condenação em segunda instância

(Foto: Paulo Pinto/FotosPublicas)

 Para a maioria da população foi justo soltar o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que cumpriu pena durante 580 dias como preso político da Lava Jato. É o que aponta a mais recente pesquisa Datafolha.

De acordo com o levantamento, 54% dos entrevistados entendem que a libertação de Lula foi justa, ante 42% que a consideram injusta. Disseram não saber 5% dos entrevistados.

O ex-presidente conquistou a liberdade depois da decisão Supremo Tribunal Federal que mudou antigo entendimento da corte e considerou inconstitucional a prisão de réus condenados que ainda tenham recursos pendentes em cortes superiores, como é o caso de Lula – indica reportagem de Felipe Bächtold na Folha de S.Paulo. .Fonte 247.

A imagem pode conter: comida

 

A imagem pode conter: comida e texto

 

ACREDITE SE QUISER – SÍLVIO SANTOS É ACUSADO DE RACISMO POR IMPEDIR VITÓRIA DE MULHER NEGRA EM PROGRAMA DO SBT


Hoje as redes sociais mandam notícias dos fatos quase que em tempo real, o que vem desmascarando muitos donos de emissoras de TV,  que em tempos de outrora, aproveitavam da exclusividade da comunicação ser apenas TV, Rádio e Jornal, para fazer o que bem entendessem.

Na verdade, este país não decolou como potência em vários itens, dentre eles a cultura, para ter mentes mais abertas, por conta dos donos das emissoras que se aliam ao poder público federal, não pra servir ao povo, mas sim para se servir do povo.

Hoje, o Silvio Santos se declarando racista na frente das câmeras, quando tirou o título de uma mulher negra para dar para uma branca na cara de pau, mostra o quanto determinados programas fazem mal à população.É preciso sim mais respeito.

Enquanto isso, o empresário da comunicação SBT negociou com o atual governo,  grandes acordos para serem pagos com o dinheiro no povo, para não falar mal das atitudes cúpula que forma o governo. Isso não  foi só com o SBT, mas todas as emissoras abertas, e o povo simplesmente vai servindo pra dar audiência, vendo as babaquices, e nunca sendo defendido do jeito que merece, que seria a imprensa investigando e cobrando ações do governo. Agregado a esse tipo de trabalho jornalístico, mandando programações melhores para os telespectadores, ao invés de bestialidades que só fazem bestializar uma grande camada da sociedade.

Vejam que a moça aí foi praticamente desclassificada pela sua cor. Também, seria bom que os leitores prestassem a atenção na bestialidade, como se referiu no texto, que a música [?] para as concorrentes foi a Caneta Azul.

Enquanto isso, governo aproveita para entregar as riquezas do nosso país e as emissoras nada falam e grande parte da sociedade aplaude.

Para quem acessa grandes sites, que têm compromisso com a sociedade, percebe logo quando a TV omite um acontecimento que deveria ser noticiado, como por exemplo, o presidente Bolsonaro ser proibido pelo TSE, de mencionar duas palavrinhas que fizeram ele ganhar a política, que foi o tal do Kit Gay. Essa proibição não foi falada pela TV. Em compensação,durante a campanha, as emissoras ajudaram a espalhar a mentira;  O nome disto é manipulação. Nesse caso, a mídia que foi criada para fazer o bem à população, termina fazendo é mal, muito mal, embora vivam pela audiência que esse povo ingênuo dar para elas. Veja a seguir a matéria de fonte do DCM.  Até aqui Café com Leite Notícias.  

Sílvio Santos é acusado de racismo por impedir vitória de mulher negra em programa do SBT. Foto: Reprodução/SBT

Silvio Santos está envolvido em mais uma polêmica. Na noite deste domingo (08), o apresentador causou furor nas redes sociais após mudar o resultado de uma competição de um quadro musical do Programa Silvio Santos que foi vencido por uma mulher negra e ele preferiu dar a vitória a outra competidora branca.

Assim que o caso foi ao ar no programa do SBT rapidamente a internet passou a repercutir a situação e Silvio Santos se tornou um dos assuntos mais comentados do fim de noite deste domingo. No Twitter, o nome do apresentador figurou nos trending topics, em poucos minutos já haviam mais de 11 mil menções ao caso na rede social.

No quadro, diversas candidatas se apresentaram com uma performance musical e, após outras terem suas oportunidade, quando chegou a vez de Jennyfer Oliver, participante negra, Silvio já interrompeu sua apresentação e afirmou que a música era muito chata.

Mesmo com a moça constrangida, Silvio manteve sua postura e colocou a votação da plateia para escolher quem seria a vencedora. O apoio das colegas do auditório, como o apresentador costuma chamar as mulheres que comparecem ao programa, fez com que Jennyfer vencesse a competição de modo disparado, mas ele não gostou do resultado e mudou as regras, o que fez com que uma concorrente branca saísse com a vitória.

Veja comentário e vídeo.

Caminhoneiros confirmam que irão parar o Brasil com uma greve nacional na próxima semana


 Lideranças dos caminhoneiros confirmaram que a categoria deverá parar suas atividades em todo o Brasil a partir as 6h da próxima segunda-feira (16). A expectativa é que a greve,  contra o aumento nos preços dos combustíveis e contra as políticas recessivas do governo jair Bolsonaro, obtenha a adesão de até 70% dos profissionais do setor de transporte de cargas rodoviárias.

 

“Temos um governo que só fez nos enganar. Muitas mentiras, promessas antes da campanha. E o que foi que ele fez para nós? Nada. Só virou as costas para os caminhoneiros. Como vocês podem acreditar num homem desses?”, diz um caminhoneiro identificado como Genivaldo, de Itabaiana (BA),  em questionamento as lideranças da categoria que teriam sido cooptadas pelas promessas do governo Jair Bolsonaro.

Em um outro vídeo, segundo reportagem da Revista Fórum, Sergio Bucar ressalta os seguidos aumentos nos preços do óleo diesel, gasolina e do gás de cozinha. “Convoco a população brasileira. Vamos parar o Brasil. Queremos que na segunda-feira dia 16 às 6 horas da manhã já esteja tudo parado “, afirma o caminheiro.

Na semana passada, o líder dos caminhoneiros autônomos, Marconi França, disse que a categoria “não aguentava mais ser enganada” pelo governo. “O governo não cumpriu nada do que prometeu. O preço do óleo diesel teve 11 altas consecutivas, em 2019. Não aguentamos mais ser enganados pelo senhor Jair Messias Bolsonaro, que protege o agronegócio e diz que o caminhoneiro só sabe destruir rodovias”, disse ao sinalizar com a possibilidade de uma greve nacional da categoria.

Matéria na íntegra, publicada no 247.