(77) 99152-6666

Alemanha também quer sair na frente com a vacina contra a Covid


Vacina em testes - Foto: Getty Images

Que competição interessante para o mundo! No mesmo dia em que saiu o resultado da vacina de Oxford contra Covid-19, a Alemanha correu para anunciar que a vacina das farmacêuticas Pfizer e BioNTech, em testes no país, também teve respostas imunes “fortes”.

Os resultados foram divulgados nesta segunda, 20. As farmacêuticas revelaram resultados promissores de potencial imunização contra o novo coronavírus

A Pfizer e BioNTech foram além: informaram que foram verificadas respostas imunes “fortes” e em velocidade anterior ao prazo estimado das chamadas células T, consideradas fundamentais para protegerem um organismo do novo coronavírus.

Efeitos colaterais

A pesquisa também não registrou efeitos colaterais graves nas pessoas que testaram a vacina.

Os eventos adversos mais agudos foram sintomas de gripe e reações no local da injeção.

Mas as reações, de acordo com o comunicado, foram transitórias e de intensidade entre leve e moderada.

“Foram situações resolvidas espontaneamente, ou poderiam ser gerenciadas por medidas simples”, diz a nota.

Publicação

Os avanços ainda precisam ser avaliados por pares para posterior publicação em revista científica.

No início deste mês, as farmacêuticas alemãs haviam informado sobre a boa resposta na produção de anticorpos, na primeira fase do estudo, que contou com 45 adultos.

Na ocasião, elas anunciaram que estavam prontas para produzir 1,2 bilhão de doses dessa vacina contra a Covid-19.

Será muito bom que todas lancem no mercado para logo ser imunizado esse mal. Afinal, são mais de 7 bilhões de pessoas para tomar a vacina, o que será difícil apenas um laboratório produzir tal quantia.

Com informação do Notícias Boas

Error, no Ad ID set! Check your syntax!

Coronavírus: Bolsonaro volta a testar positivo


Jair Bolsonaro disse que o resultado do exame da Covid-19 saiu nesta quarta-feira (22) e deu positivo novamente. É o terceiro teste feito por ele desde a confirmação de que foi contaminado pela doença, no dia 7 de julho.

Jair Bolsonaro (sem partido) testou positivo novamente para o  coronavírus. Ele fez o exame nesta terça-feira (21) e disse que o resultado saiu nesta quarta-feira (22).

É o terceiro teste feito por ele desde a confirmação de que foi contaminado pela doença, no dia 7 de julho. Bolsonaro está  no Palácio da Alvorada.

Em nota, o Planalto informou ainda que o estado de saúde do presidente segue “em boa evolução”.

“O presidente Jair Bolsonaro segue em boa evolução de saúde, sendo acompanhado pela equipe médica da Presidência da República. O teste realizado pelo presidente no dia de ontem, 21, apresentou resultado positivo”, afirmou o Planalto.

“Mesmo com o resultado positivo, ele não apresenta febre há duas semanas e a saturação de oxigênio está normal, bem como a frequência cardíaca e a pressão arterial” afirmou a equipe.

 

Governo perde mais uma: Em votação ‘histórica’, Câmara aprova Fundeb permanente e constitucional


Mais uma vez não prevaleceu a vontade do presidente da República Jair Bolsonaro, que era de destruir de vez a educação brasileira com o fim do Fundeb. 

Pelo que percebeu-se na votação, que foi quase unânime, uma vez consumado antes do início, que o Governo ia perder, logo houve o acordo para que todos os deputados governistas votassem acompanhando a oposição, para não ficar mal com a população brasileira, sobretudo professores (as) e estudantes, exceto apenas sete parlamentares que foram contra a permanência do Fundeb que será constitucionalizado.

Em votação histórica e crucial para a educação do país, a Câmara dos Deputados aprovou, na noite desta terça-feira (21), por 499 votos a 7, o novo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), a PEC 15. O texto prevê  que a participação da União começa com 12%, para aumentar gradativamente até atingir o total de 23% em 2026. Apresentado antes da pandemia de coronavírus e apoiado pela oposição, o relatório da deputada Professora Dorinha Seabra (DEM-TO) torna o fundo permanente e o constitucionaliza.

Muito emocionada, a relatora, elogiada unanimemente como “decisiva” por parlamentares da oposição, disse na tribuna que o país “nega o direito à educação, um país que esquece a sua infância.” Segundo a parlamentar, o relatório construído vai “marcar a história deste pais”.

Assim como diversos oposicionistas, ela elogiou a “dedicação” do presidente da Câmara, Rodrigo Maia”, nas negociações que possibilitaram a aprovação do texto. “Não é ideal, mas mostra um caminho possível para a educação”, afirmou. Segundo ela, o relatório foi “construído a partir de um consenso possível”.

“Essa é uma noite que realmente podemos chamar de vitoriosa”, disse a deputada Professora Rosa Neide (PT-MT). Soraya Santos (PL-RJ) destacou que a bancada feminina e o “partido da educação” estavam unidos e “comprometidos com o relatório”. Para Marcelo Freixo (Psol-RJ), o trabalho da relatora “foi uma contribuição histórica para a Educação pública em nosso país”.

Investimento certo

O movimento Todos Pela Educação comemorou o resultado da votação na Câmara. “Dia muito importante para a educação. A grande inovação e avanço do novo Fundeb é a maior eficiência alocativa dos recursos, direcionando mais para os alunos mais pobres, defesa central do Todos Pela Educação. ‬Graças a isso, o valor mínimo investido por aluno por ano sobe, ano a ano, até 2026, dos atuais R$3.700 para R$5.700. Essa mudança concreta já começa no ano que vem”.

O quadro abaixo resume as conquistas representadas pela vitória da mobilização pela aprovação do novo Fundeb na Câmara:

Centrão e Guedes

O início da sessão da Câmara para votar o Fundeb, nos primeiros minutos da tarde, foi tumultuado. Sem a aprovação da PEC, pela lei, o fundo seria extinto em 31 de dezembro e a educação básica e pública do país entraria em colapso, já que o Fundeb garante 63% das verbas para área. Cerca de 45 milhões de estudantes dependem diretamente dos recursos do fundo.

Apesar de o relatório da deputada Professora Dorinha ter sido objeto de amplo debate ao longo de muitos meses, os líderes do governo e do Centrão obstruíram a sessão do Plenário no início da sessão, que foi suspensa e retomada no início da noite, após reunião dos lideres partidários e posterior acordo que permitiu a vitória da educação do país.

Antes, o deputado Jorge Solla (PT-BA) rejeitou argumentos do deputado bolsonarista Carlos Jordy (PSL-RJ), segundo o qual a informação de que os governistas eram contra o Fundeb é fake news. Solla mencionou a política “de destruição” e “irresponsável” do governo Bolsonaro em relação à educação. “Vamos aprovar o Fundeb, sim, apesar de vocês”, previu Solla antes da suspensão da sessão.

Leônidas Cristino (PDT-CE) denunciou a “política deletéria de desmantelamento deliberado” da educação promovida pelo governo.

Como na votação do auxílio emergencial, após tentar travar a aprovação da PEC, os deputados governistas fizeram discurso tentando capitalizar a vitória da sociedade dizendo que o Executivo apoiava o texto. Foi o caso de Vitor Hugo (PSL-GO). Segundo ele, Bolsonaro considera a educação uma “prioridade” e estava “preocupado” com a votação.

Depois de todos os debates, que o governo ignorou ou boicotou, o ministro da Economia, Paulo Guedes, às vésperas da votação, divulgou contraproposta à PEC. Ele era contra aumentar o fundo e defendeu ainda que a PEC comece a vigorar somente a partir de 2022, e não em 2021, o que paralisaria a educação brasileira no ano que vem. O governo fracassou na tentativa. Esse Guedes está sempre na contra mão do crescimento do país, mas adora vender as riquezas da humanidade brasileira.

Fonte desta matéria DCM.

PF é barrada de entrar no gabinete de José Serra no Senado


PF é barrada de entrar no gabinete de José Serra no Senado

Foto: Reprodução / Arquivo Pessoal

A Polícia Federal (PF) foi barrada pela Polícia Legislativa do Senado, nesta terça-feira (21), ao tentar cumprir mandado de busca e apreensão no gabinete do senador José Serra no Congresso Nacional.

A PF cumpre mandados no âmbito da Operação. No centro da investigação, está o senador José Serra, alvo de mandados de busca e apreensão. Os investigadores apuram apuram a ocorrência de suposto caixa 2 na campanha dele ao Senado, em 2014.

Ao barrar a PF, o Senado alega que nenhuma força de segurança, além da Polícia Legislativa, pode entrar no parlamento se não houver uma das situações a seguir: 1. Autorização do presidente da Casa, Davi Alcolumbre; 2. Ordem expressa do Supremo Tribunal Federal (STF), e não uma decisão da primeira instância, como ocorreu nas primeiras horas da manhã.

Assessores e advogados do senador ocuparam os corredores do Senado para evitar a entrada da PF nas dependências. Do BahiaNoticías

 

Com mais de R$ 7 bi em investimentos, ACM Neto anuncia ações para fortalecer economia


Com mais de R$ 7 bi em investimentos, ACM Neto anuncia ações para fortalecer economia

Foto: Max Haack / Secom PMS

Com a previsão de reabrir shoppings e grandes lojas no fim desta semana, o prefeito ACM Neto (DEM) anuncia, na manhã desta terça-feira (21), um conjunto de medidas que integra as “101 ações para a revitalização da economia de Salvador”. Segundo o democrata, são ações de curto prazo, que começarão a gerar impacto no setor de forma imediata. O plano é gestado pela secretário Luiz Carreira, da Casa Civil municipal.

 

Em coletiva de imprensa virtual, o prefeito explicou que as medidas foram distribuídas em sete “pilares-chave” para a economia da cidade e que serão apresentadas em parcelas. No geral, se tratam de soluções urbanas; obras de infraestrutura e investimentos privados; melhoria do ambiente de negócios; apoio aos pequenos negócios; fortalecimento da economia criativa e inovação; medidas tributárias e fiscais; e estímulo ao turismo.

 

O aporte para essas ações ultrapassa a marca de R$ 7 bilhões, sendo mais de R$ 6 bilhões em investimentos privados e mais de R$ 1 bilhão em investimentos públicos. Com isso, a expectativa é gerar mais de 50 mil empregos diretos e indiretos. Com informações do BahiaNotícias

Dançarina do Faustão é flagrada dentro de festa e vídeo mostra prisão; assista


Dançarina do Faustão é flagrada dentro de festa e vídeo mostra prisão; assista
Crédito da Foto: Metrópoles

A bailarina Natacha Horana, de 28 anos, foi presa na madrugada desta segunda-feira (20/7) após realizar uma festa em meio à pandemia do novo coronavírus. De acordo com o colunista Léo Dias, no jornal Metrópoles, ela é dançarina do programa Domingão do Faustão e foi detida por desacato aos guardas municipais de Balneário Camboriú, em Santa Catarina.

A Polícia Militar recebeu uma denúncia de um evento com som alto no apartamento que ela e amigos tinham alugado na cidade e enviou fiscais da Prefeitura, acompanhados de guardas municipais, para averiguar a denúncia. Ainda segundo o colunista, cerca de 20 pessoas, de diferentes localidades do Brasil, estavam na casa e Natacha, ao perceber a presença das autoridades, se trancou em um dos cômodos.

Os guardas relataram que, enquanto era revistada, a dançarina os desacatou. Ela estava com sinais de embriaguez e alteração do comportamento. A bailarina foi levada para a Central de Polícia e foi feito um Boletim de Ocorrência. No documento consta que ela foi detida por desacato e agressão.

Outro vídeo, também divulgado por Léo Dias, mostra quando os policiais algemam a mulher.  A assessoria de imprensa da bailarina alegou que “guardas municipais invadiram o apartamento juntamente com fiscais municipais, sem que ninguém da casa permitisse o ingresso dos agentes”.

“Por não estar participando [da festa], [ela] acreditou que não seria necessário abrir a porta do cômodo em que já estava acomodada. Exaltados e sem paciência para explicação, rapidamente os agentes da Guarda Municipal de Balneário Camboriú, então, arrombaram a porta”, diz a nota da assessoria.  Fonte:Aratuon

Exclusivo! “Nunca esteve desaparecida”, diz delegada sobre caso Aylla Sophia


Exclusivo! "Nunca esteve desaparecida", diz delegada sobre caso Aylla Sophia
Crédito da Foto: arquivo pessoal

O mistério envolvendo o suposto desaparecimento da menina Aylla Sophia, de dois anos, chegou ao fim nesta segunda-feira (20/7). Segundo a titular da 2ª Delegacia Territorial (DT/Liberdade), Ana Paula Gomes, que investigava o caso, a “criança nunca esteve desaparecida”.

A delegada confirmou ao Aratu On que o pai da garota, Antônio Oliveira Souza, 73, foi esfaqueado por volta das 18h do sábado (18/7) na Rua Aristides de Oliveira, no bairro de Santa Mônica, em Salvador. O crime foi cometido pela companheira dele e mãe de Aylla, Emile Bispo Nascimento.

Após a tentativa de homicídio, segundo Ana Paula, a agressora fugiu do local deixando a filha sozinha com o pai, que estava ferido. O homem conseguiu ligar para outra filha, fruto de uma relação anterior, que rapidamente chamou o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU). Por Aylla ser muito pequena, ela não foi levada na ambulância junto com o pai e ficou sob os cuidados de um casal de vizinhos, amigos de Emile e da vítima.

Antônio foi encaminhado para o Hospital Geral do Estado, onde foi atendido e passa bem. Segundo a Polícia Civil, ele já prestou depoimento e Boletim de Ocorrência. Agora, Emile, que comunicou o sumiço da filha nas redes sociais, deverá ser intimada para prestar sua versão dos fatos.

Nas redes sociais, a avó da criança, que se identifica como Índia Araújo, alegou que o crime foi cometido por “legítima defesa”. Emile supostamente tinha uma medida protetiva contra Antônio, mas retirou após reatar o relacionamento. O homem teria voltado a ser agressivo com a mãe de Aylla, que decidiu filmar a violência. Nesse momento, ele teria descoberto a gravação e apontado uma arma para ela, que se defendeu esfaqueando o companheiro. Fonte:Aratuon

‘Deixei o dread e ninguém sentava do meu lado’, diz Marcelo Falcão


['Deixei o dread e ninguém sentava do meu lado', diz Marcelo Falcão]

 Por: Reprodução/Instagram  Por: Folhapress  0comentários

Atento aos problemas sociais e acostumado a transformar as principais feridas e mazelas da sociedade em música há pelo menos 25 anos, o cantor Marcelo Falcão, 47, se diz atônito às ondas racistas que têm afligido o Brasil e o mundo nas últimas semanas.

Desde que um policial branco se ajoelhou no pescoço de George Floyd, um homem negro e algemado nos Estados Unidos [no dia 25 de maio em Minnesota], o planeta inteiro começou a olhar para a questão do racismo. No Brasil, isso também aconteceu.

Na opinião de Falcão, porém, falta união aos brasileiros com relação a essa questão para que a luta antirracista vire algo rotineiro.

“Precisamos ver a morte de Floyd para olhar para o nosso problema, que existe desde os tempos de Dom Pedro 2°. Sempre temos de ver o que acontece lá fora para virar o foco aqui para dentro. A gente só não está melhor porque é desunido. Com união viraríamos a história”, diz o cantor.

Para Falcão, os casos de racismo são absurdos, mas acontecem a todo instante por aqui. Muitos, ou melhor, a maioria deles, não são veiculados. Nascido e criado na comunidade do Engenho Novo, no Rio de Janeiro, o músico sabe bem o que é sofrer na pele o desrespeito e a discriminação.

“No Engenho Novo tem comandos de favelas inimigas que guerreiam entre elas. Meu comando é o da música”, explica Falcão, ao rememorar um caso que aconteceu com ele na adolescência antes de integrar O Rappa, banda que ficou por 25 anos. “Se eu for no Engenho Novo vou tomar dura, vão me revistar, sempre foi assim. Deixei o dread crescer e ninguém sentava do meu lado no ônibus. Colocavam bolsa no banco, mas não sentavam do meu lado.”

A discriminação e o desrespeito com quem é periférico foram coisas com as quais Falcão acabou se acostumando. “Desde que sou nascido e criado vejo as facções, polícia deixando as coisas mais difíceis, às vezes. O racismo no país é estrutural, é conveniente. Tem sempre alguém para subjugar o outro. São várias vozes solitárias soltas”, reflete.

LIVE NA FUNDIÇÃO PROGRESSO

Marcelo Falcão vai sair pela primeira vez de sua casa para fazer uma live. Até então ele só se apresentou ao estilo voz e violão dentro de seu condomínio no bairro do Recreio (RJ). Aliás, as apresentações, que chegam a durar sete horas, costumam agradar aos vizinhos.

Neste domingo (19), porém, o palco será a Fundição Progresso também na capital fluminense. O show, exibido ao vivo por seu canal do YouTube, começará a partir das 17h, e a casa de shows foi toda limpa e esterilizada conforme todas as recomendações dos órgãos de saúde.

Falcão vai tocar sucessos solo e os da banda O Rappa, além de canções de Tim Maia, Jorge Ben, entre outros. Haverá a participação do cantor Filipe Ret, com quem Falcão escreveu algumas músicas -uma delas será apresentada na live.

“Só estou indo porque tenho a garantia de que tudo está sendo preparado na maior limpeza e cuidado. Também é uma maneira de ajudar meus amigos da banda. Nessa crise eu posso vender tudo, mas eu não vou me desfazer da minha equipe. A live é a chance de ajudar muitas pessoas e de fazer o que mais amo”, diz o músico.

PATERNIDADE E NOVO DISCO

Enquanto os shows com público não podem acontecer, Falcão fica em casa. A quarentena aflorou o lado pai de Marcelo Falcão. Em casa diariamente com Tom, de um ano e quatro meses, ele acaba por descobrir a cada dia um mundo novo. Mas nada que o faça pirar. Pelo contrário.

“Se ele tivesse nascido anos atrás eu seria o pai dele de segunda, terça e quarta. Já seria excelente porque eu estaria trabalhando para levar a ele o sustento. Mas Deus me deu o presente que é saborear a vida dele. Desde que deixei O Rappa e embarquei na carreira solo [desde 2019 com disco “Viver”], queria fazer shows só de sexta e sábado para poder curtir o Tom”, diz.

Com a pandemia do novo coronavírus a paternidade se multiplicou por mil. “Na quarentena você tem o entendimento total. Hoje dou mais valor às coisas que meus pais falavam. Tom começou a andar, é inteligente, repete tudo, cheio de saúde. Mas ficar com criança cheia de energia em casa é casca-grossa”, diverte-se.

A quarentena também tem servido para que Falcão componha. Ele já está em uma fase adiantada da produção e seleção das músicas para seu novo disco, programado para chegar no início de 2021.”Me ligando no que está rolando no mundo, comecei a pegar papel e caneta e voltei com o compromisso de compor. Tenho um disco de dez singles para fazer com participações, inclusive. Acredito que devo mostrar uma música a cada 40 ou 50 dias ao público. Até lançar por volta do Carnaval do ano que vem”, almeja. Fonte:Bnews

Haddad: se Bolsonaro conseguir bloquear Fundeb haverá caos na educação e mil prefeituras irão fechar


O bloqueio do Fundeb pelo governo Bolsonaro causará caos na educação e fechamento de prefeituras. A afirmação é de Fernando Haddad. A votação do Fundeb está marcada para esta segunda-feira na Câmara dos Deputados.

Fernando Haddad, Jair Bolsonaro e sala de aulaFernando Haddad, Jair Bolsonaro e sala de aula (Foto: Ricardo Stuckert | Reuters | Pillar Pedreira/Agência Senado)

Fernando Haddad afirmou em entrevista à GloboNews na noite deste domingo que a proposta do governo Bolsonaro de adiar o Fundeb (Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica) para 2022 levaria a um caos na educação e ao fechamento de prefeituras: “Se [o Fundeb] não tiver vigência em 2021, tem prefeitura que vai fechar, porque não terá recursos. Teremos crise em 1.000 municípios. Não adianta retomar em 2022, o estrago terá feito. São municípios pobres que precisam de ajuda, e dependem do governo. Isso vai gerar um caos na educação”. A votação do Fundeb está marcada para a tarde desta segunda-feira (20) na Câmara dos Deputados.

Haddad foi taxativo quanto à relevância do Fundeb, que “não envolve governo, envolve geração”. Para ele, “está faltando seriedade” para o Executivo.

“Os militares estão pedindo no orçamento da defesa R$ 50 bilhões a mais. Isso é três vezes o que a União complementa para o Fundeb. Qual a prioridade desse governo? Não sabemos se está faltando ou sobrando. Parece que sobra para muita gente e falta para o povo”, questionou Haddad na entrevista.

A nova versão da PEC do Fundeb apresentada sexta-feira (17) pela relatora, a deputada federal Dorinha (DEM-TO), determina o aumento gradual da complementação da União ao fundo, que é usado para financiamento da educação básica. O aporte do governo federal subirá dos atuais 10% para 20% em seis anos.

O governo Bolsonaro quer limitar os recursos do Fundeb que poderão ser utilizados para o pagamento de salários de professores, além de repassar parte dos recursos para Renda Brasil, versão bolsonarista do Bolsa Família, e adiar a entrada em vigor das mudanças em discussão no fundo para 2022.

As modificações foram criticadas por entidades e especialistas da área da educação, que disseram que o adiamento para 2022 cria um “vácuo de recursos para 2021”, já que as regras para o fundo atual acabam neste ano. O texto da PEC estabelece que as novas regras começam a valer no ano que vem.

“[Cria-se] um “apagão” para o financiamento e um colapso para a educação básica no Brasil no ano de 2021″, afirmou o Conselho Nacional de Secretários da Educação (Consed), em nota.

O perigo que o Brasil e brasileiros correm, a partir de janeiro, que seria a segunda etapa da gestão Bolsonaro, onde já se começa a falar na eleição de 2022, ele canalizar os recursos retirados de setores essenciais, como Saúde, Educação e outros paralelos, e mandar para o aumento do Bolsa Família, que está sendo mudado de nome para Renda Brasil.

É hora dos deputados, ao contrário da votação no projeto para estender o auxílio até Dezembro, que trata-se de outra situação, onde todos da direita foram contra, espera-se que agora eles não sejam a favor do bloqueio do Fundeb. Na verdade, tem recurso para a permanência do Fundeb, Saúde e mais a ajuda aos mais pobres.

Fonte 247 

 

População de Maracás reclama da grande aglomeração na feira livre em plena pandemia: por Walter Salles


Café com Leite: A população de Maracás que vem assustada com a grande quantidade de infectados pelo coronavírus, tem reclamado quanto a grande aglomeração em dia de sábado, onde se mistura gente de toda idade, enquanto o aumento de contaminados já atinge quase 120 casos. No ponto de vista de muitos, não era nem para existir feira enquanto tivesse acontecendo casos de contaminações na cidade, uma vez que só contribui para o aumento, como vem acontecendo.

Uma senhora que preferiu não se identificar, disse que é uma ironia por parte da prefeitura, exigir que salões sejam fechados, mas, no entanto, permitir uma aglomeração na feira como se nada tivesse acontecendo.

Teve outra pessoa também que informou que o fato da prefeitura estar realizando reformas no pavimento dos açougues, não querendo parar nesse momento de pandemia, mas que também está chegando as eleições de Novembro, foi improvisado os açougues junto com outras barracas, o que causa ainda mais aglomeração de pessoas que vão fazer as suas compras e barraqueiros que, já que não há uma proibição por parte da prefeitura, montam ali as suas barracas para ganhar o seu sustento.

Naturalmente que todos precisam ganhar o seu sustento, o que, muitas vezes, apesar do medo da morte, se arriscam em vender os seus produtos sem saber o perigo que corre, principalmente os idosos e portadores de doenças crônicas.

Nesse caso, vai aqui uma sugestão para o prefeito da cidade. Descentralizar as barracas e colocar espalhadas em outros pontos da cidade, deixando o local da feira só para as barracas de carnes, bem como dividir em duas etapas, que poderia ser nas quartas e nos sábados, com uma lei de que não poderia por exemplo, mais de três pessoas em volta da barraca, seria uma alternativa.

Oito ou dez barracas com uma boa distãncia uma da outra, nos dias de quartas e sábados, no espaço do forró, outras ao lado da Praça Rui Barbosa entre a prefeitura e a lateral da igreja matriz, certamente iria afastar de forma considerada o perigo de contaminação.

O importante é todos, tanto barraqueiros quanto consumidor, saberem que o maracaense e brasileiro em geral, tem que contribuir para o menos perigo para si e para o próximo. O que não pode, e a própria população tem que reclamar, como de fato está reclamando, em parte, é a feira seguir como se nada tivesse acontecendo.

Não se trata de um transtorno atrapalhando a locomoção das pessoas devido as improvisações das barracas de carnes, mas sim, a vida das pessoas em risco. Como diz a música de Zé Ramalho, parte do povo é ingénua, pode parecer feliz com o que acontecem nos municípios, nos estados e no Brasil, mas gado não é. O povo de Maracás é um povo bom e merece respeito e cuidado durante os quatro anos de uma gestão. Fazer a vontade a um povo que tem coragem de se arriscar no meio da feira, pode ser um tiro que sai pela culatra causando um efeito trágico para um administrador público.

 

Lula: Moro se diz candidato e tenta convencer que é oposição a Bolsonaro


(Foto: Brasil247 | Abr)

O ex-presidente Lula afirmou em entrevista nesta quinta-feira (16) à Rádio Con Vos, da Argentina, que o ex-juiz da Lava Jato Sergio Moro tem um desafio para 2022, quando, em sua avaliação, deverá ser candidato a presidente: convencer o eleitorado que é oposição a Jair Bolsonaro, depois de ter ocupado o cargo de ministro da Justiça no atual governo.

“O Moro já provou que quer ser candidato em 2022. E agora tenta convencer de que é oposição a Bolsonaro”, expôs o ex-presidente.

Em outro momento, quando falava sobre a Lava Jato, voltou a fazer críticas à operação, a Moro e ao procurador Deltan Dallagnol. “Eu continuo desafiando ele pra um debate. Ele e o menino Dallagnol”, disse.

Lula também apontou as graves contradições na força-tarefa de Curitiba. “A Lava Jato era um instrumento de poder paralelo que teve como aparato jornais, televisões, rádios… Davam horas pra acusação e minutos pra defesa. E o juiz que teria que fazer o julgamento, tocava a acusação. É por isso que pedimos a anulação do processo”.

Durante a entrevista, o ex-presidente fez duras críticas ao governo Bolsonaro. “Estamos nos aproximando dos 2 milhões de casos de coronavírus no Brasil e não temos um ministro da Saúde. Temos um general, quando deveríamos ter alguém que entendesse de medicina”.

No 247 tem uma matéria que diz que nesta quarta-feira (15), ele concordou com Gilmar Mendes sobre a crítica feita pelo ministro do STF aos militares que ocupam cargos no Ministério da Saúde do governo Bolsonaro – a de que eles estariam sendo coniventes com o “genocídio” promovido pelo governo durante a pandemia de coronavírus.

Fonte 247

 

Mulher surda é estuprada e agredida pelo marido com socos e pontapés


 

surda agredida marido

Vizinha conseguiu gravar momento em que marido espancava a esposa, que é surda. A jovem, que também foi estuprada pelo homem, precisou ser levada ao pronto-socorro por conta das agressões

 

 

Uma jovem surda de 19 anos foi violentamente espancada pelo companheiro no último sábado (11) em Bauru (SP). As agressões foram registradas em vídeo pela vizinha do casal.

A vítima, que recebeu socos e pontapés na cabeça, precisou ser levada ao pronto-socorro para tratar dos machucados. Em determinado momento, o homem tenta encaixar uma chave de braço na mulher, golpe característico do Jiu-Jitsu.

Um Boletim de Ocorrência foi registrado após o crime e a vítima criou coragem para revelar que estava sendo submetida à relações sexuais forçadas nas últimas duas semanas. A mãe da vítima confirmou aos policias que a filha era estuprada pelo marido.

Ainda de acordo com o relato, a jovem nunca teria contado a ninguém sobre as violências porque o companheiro ameaçava agredi-la.

A mãe contou que a filha estava morando com o companheiro há cerca de dois meses. Segundo a mãe, a jovem teve machucados no corpo e a orelha cortada durante a agressão. A jovem voltou para a casa da mãe e pediu uma medida protetiva contra o agressor.

De acordo com a Delegacia de Defesa da Mulher de São Manuel (SP), a medida protetiva já foi concedida à jovem, que também fez exame de corpo de delito e vai ser ouvida na tarde desta terça-feira (24), com um intérprete de libras.

Depois disso, o caso será enviado à polícia de Bauru, onde aconteceram as agressões. Até a publicação deste texto, o nome do agressor não foi revelado pela polícia e ele permanece em liberdade. Com informações do PragmatismoPolítico

VÍDEO:

Siga-nos no Instagram | Twitter | Facebook

Epidemiologista de Harvard divulga novo estudo: cloroquina é inútil contra covid-19


Mesmo com venda restrita, pacientes de doenças autoimunes relatam ...

De acordo a matéria publicada no site DCM, Eric Liang Feigl-Ding, cientista de saúde pública americano que atua no Departamento de Nutrição da Harvard, publicou um novo estudo que comprova a inutilidade da cloroquina no tratamento à covid-19.

‘Os resultados dos testes de recuperação finalmente foram lançados – e, com sorte, coloca as unhas no caixão’, afirmou, usando do ditado americano que diz respeito a uma conclusão, a um resultado definitivo. ‘Das 4700 pessoas randomizadas … A cloroquina NÃO diminuiu #covid19 mortalidade.’

Eric afirmou que além de não reduzir a taxa, a cloroquina imputou um dado negativo: a recuperação dos pacientes que a utilizou foi mais lenta.

IVERMECTINA: Médico que dizia ser ”a vacina contra o COVID-19”, está na UTI com a doença


Depois de dar entrevista e fazer campanha nas redes sociais que o uso do medicamento Ivermectina era uma medicação preventiva para o coronavírus e que este medicamento de acordo com ele, seria a vacina contra o COVID-19, o médico Joaquim Inácio de Melo Júnior, de Goiânia, agora se encontra internado com a doença na UTI.

Amigos e parentes fizeram uma campanha para doação de sangue, de acordo com o UOL, ele segue na UTI em observação. Resumindo, o medicamento Ivermectina que o médico aconselhou a população a tomar para se prevenir, não é o que ele disse ser: ”a vacina contra o COVID-19” Fonte; JornaldoPaís

Assista a entrevista do médico:

O mundo perdeu a paciência com o Brasil, diz Piva, ex-presidente da Fiesp


A repercussão negativa da atual posição do Brasil em relação a questões ambientais e ao desmatamento da Amazônia impacta fortemente os negócios de empresas brasileiras no exterior, afirmou há pouco o empresário Horácio Lafer Piva, acionista da Klabin, em Live do Valor. Segundo ele, o país corre sérios riscos de perder investimentos estrangeiros e prejudicar suas exportações em função disso. “O mundo perdeu a paciência com o Brasil’, disse.

A Klabin está entre as empresas brasileiras e estrangeiras que, numa carta, solicitaram ao vice-presidente Hamilton Mourão providências para o fim do desmatamento. No documento, 38 CEOS se mostram preocupados com as repercussões negativas das políticas ambientais do governo de Jair Bolsonaro.

“[O desmatamento] Afeta não só o dia a dia das empresas, como inclusive o rating [notas de risco de crédito] desses grupos que, de alguma forma, contam com investimentos e financiamentos de agentes internacionais, hoje muito mais ativos na questão do meio ambiente e da sustentabilidade”, observou Piva, ao citar manifestações recentes de fundos internacionais a respeito do tema.

Fundos de investimento que gerenciam ativos perto de US$ 4 trilhões (mais de R$ 20 trilhões) pediram ao Brasil que suspenda o desmatamento na Amazônia. Em carta aberta, alertaram que a perda da biodiversidade e as emissões de carbono representam “risco sistêmico” a seus portfólios.

(…)

Com informação do DCM