O Brasil anda tenso e o ódio continua respingando. Por Walter Salles


 

Por Walter Salles: O Brasil tem estado muito tenso diante de tantas conversas e de tantas divisões. Não estou aqui escrevendo para o Café com Leite digital e impresso, para ajudar na questão da rivalidade política em que foi implantada nos corações e nas mentes de muitos brasileiros. As minhas matérias são sempre pra informar fatos, acontecimentos que determinadas mídias não informam. Mas o que quero focar aqui e agora, é que as eleições passaram, Bolsonaro ganhou e que o Brasil inteiro tem que acompanhar os trabalhos que se iniciaram no dia 02 de Janeiro, como um único pensamento, que é de acontecer uma administração boa, para que esse povo brasileiro, sobretudo a classe mais carente, não venha a sofrer mais ainda que já sofre.

Quero dizer que participando de grupos de redes sociais, é preciso que os comentários sejam analisados, não pra fazer críticas, mas sim para que haja uma discussão saudável. Essa rivalidade deixa parecer quase como uma certeza, de que realmente foi distribuído o ódio e que as pessoas ficam guerreando de um lado e de outro do “muro”, como se houvesse só duas posições em que o brasileiro se encaixa: Ou ele é direita ou ele é comunista. Não é nada disso: A democracia e respeito tem que morar dentro de cada um de nós. E se de repente esse “muro” se arrebenta e o povo começa a sair na mão, risos. Rindo aqui sozinho de imaginar a cena. O eleitor, ou melhor, o brasileiro que participou das eleições presidenciais, estão no mesmo barco, não importando em quem votou. Quem votou no candidato vitorioso, mas que por ventura começar a encontrar falhas, medidas que ele ache que não deveria acontecer, que se manifeste e diga que não achou uma coisa boa tal atitude. A mesma coisa é quem votou no candidato que perdeu as eleições. Perdeu tá perdido! A hora agora é de junto com os eleitores que votaram no vitorioso, analisar os trabalhos, as atitudes, enfim o comportamento do novo governo nesses primeiros dois meses e continuar, pra ter uma base de como vai seguir. Se merecer aplausos, que todos aplaudem , se merecer críticas que todos critiquem. .

Quero acreditar que essa onda de rivalidade será passageira e assim os brasileiros, principalmente os que não fazem parte da famosa elite dominante, possa avaliar os acontecimentos com bastante calma e inteligência. É muito comum numa campanha política ter rivalidades, porém saudáveis, mas que depois dos resultados nas urnas, a tendência seja de acabar. Infelizmente, dessa vez está demorando. Vamos lançar aqui o abraço simbólico para todos os brasileiros que o que mais querem é ver um Brasil melhor para todos e esquecer as ondas negativas, até porque, todos estão no mesmo barco. Vamos também pedir força e chuva a Deus, para podermos plantar e colher. Um abraço a todos.