Novo remédio tem sucesso contra câncer em estágio avançado


Espécime citológico mostrando câncer cervical. Fonte: Instituto Nacional do Câncer / Wikimedia Commons

Um novo medicamento contra o câncer avançado, que funciona como um “cavalo de tróia” no ataque a células tumorais, tem se mostrado promissor em pacientes com tipos avançados de câncer e resistentes a qualquer tratamento.

O remédio inovador, chamado tisotumab vedotin (abreviado para TV), libera uma substância tóxica para matar as células cancerosas.

“O que é tão interessante sobre este tratamento é que seu mecanismo de ação é completamente novo – ele age como um cavalo de Tróia para se infiltrar nas células cancerosas e matá-las por dentro”, disse o professor Johann de Bono, do Instituto de Pesquisa do Câncer, em Londres.

O anticorpo é projetado para procurar um receptor chamado “fator tecidual” – presente em altos níveis na superfície de muitas células cancerígenas e ligado a piores taxas de sobrevivência.

A ligação ao fator tecidual atrai a droga para dentro das células cancerosas, onde ela pode matá-las.

Pacientes com seis tipos diferentes de câncer, incluindo aqueles com tumores do colo do útero, bexiga, ovário e pulmão, responderam positivamente ao novo tratamento.

Como esses pacientes já haviam esgotado suas outras opções de tratamento, a droga poderia estar pronta para prolongar a expectativa de vida nos próximos cinco anos.

Resultados

A droga já avançou para testes de fase II no câncer do colo do útero e será testada em uma série de cânceres de tumores sólidos adicionais.

Uma equipe do Instituto de Pesquisa do Câncer, em Londres, e do Royal Marsden NHS Foundation Trust liderou um estudo clínico global de fase I / II de cerca de 150 pacientes europeus com uma variedade de tipos de câncer que pararam de responder aos tratamentos padrão.

Os pesquisadores viram respostas em 27% dos pacientes com câncer de bexiga, 26,5% com câncer de colo de útero, 14% com câncer de ovário, 13% com esôfago, 13% com não-pequenas células e 7% com câncer endometrial.

As respostas duraram em média 5,7 meses e até 9,5 meses em alguns pacientes.

A pesquisa

O estudo inicialmente recrutou 27 pacientes para avaliar a segurança e estabelecer a dose certa, antes de expandir para mais 120 pacientes, principalmente para verificar se a droga estava atingindo o alvo certo, mas também para examinar seus efeitos nos tumores.

A maioria dos pacientes tinha câncer em estágio avançado que já havia sido tratado e se tornou resistente a uma média de três tipos diferentes de tratamento.

“Nosso estudo inicial mostra que ele tem o potencial de tratar um grande número de tipos diferentes de câncer, e particularmente alguns daqueles com taxas de sobrevivência muito baixas.

“Vimos algumas boas respostas nos pacientes em nosso estudo, todos com câncer em estágio avançado que foi fortemente pré-tratado com outras drogas e que ficaram sem outras opções.

Tipos de câncer

“Nós já começamos testes adicionais desse novo medicamento em diferentes tipos de tumor e como um tratamento de segunda linha para o câncer do colo do útero, onde as taxas de resposta eram particularmente altas. Também estamos desenvolvendo um teste para identificar os pacientes com maior probabilidade de responder ”.

O novo medicamento está sendo testado em outros tipos de câncer, incluindo intestino, pâncreas, pulmão de células escamosas e cabeça e pescoço, bem como em um estudo de fase II como tratamento de segunda linha para o câncer do colo do útero.

Amostras de biópsia colhidas no início do estudo estão atualmente sendo analisadas quanto à expressão do fator tecidual nas células tumorais para verificar se ele poderia ser usado como um marcador para selecionar pacientes com maior probabilidade de responder ao medicamento.

O professor Paul Workman, diretor executivo do Instituto de Pesquisa do Câncer, em Londre está confiante.

“Vimos grandes avanços contra o câncer nas últimas décadas, mas muitos tipos de tumores continuam sendo muito difíceis de tratar depois que o câncer começou a se espalhar. Precisamos desesperadamente de tratamentos inovadores como esse que possam atacar o câncer de maneiras novas e permaneçam eficazes mesmo contra tumores que se tornaram resistentes às terapias padrão.

“É emocionante ver o potencial mostrado pelo TV em vários tipos de cânceres difíceis de tratar. Estou ansioso para vê-lo progredir na clínica e espero que possa beneficiar os pacientes que atualmente estão sem opções de tratamento ”, afirmou.

Os principais efeitos colaterais relatados no estudo foram hemorragias nasais, fadiga, náusea e problemas oculares – mas, na metade do estudo, os pesquisadores ajustaram o protocolo para reduzir esses efeitos relacionados aos olhos.

Com informações GNN e Instituto de Pesquisas do Câncer-Londres