NO MESMO DIA DE TRAGÉDIA QUE DEIXOU 10 MORTOS, BOLSONARO ANUNCIA QUE VAI FLEXIBILIZAR PORTE DE ARMAS


Acontece que quase 70% da população, em pesquisa realizada, disse ser contra a posse ou porte de armas. Ainda assim, o presidente da República insiste em manter tal plano de armar até os dentes a população brasileira. O que muita gente já questiona, é que há muita coisa a ser feita no país, mas o que parece, é que o carro-chefe do governo é espalhar as armas, mas é preciso saber, que o ódio foi espalhado na frente, o que pode acontecer muitas tragédias. “Vá por esse caminho não, senhor presidente! Procure espalhar a paz, até porque, homens de bem não está preocupados em ter armas. Homens de bem têm Deus como orientador e protetor da família”. O que a população ficou mais assustada, é não ter notado estarrecimento no presidente em saber que o acusado de ter matado Marielle, tinha nada menos que 117 fuzis guardados na casa de um amigo. Isso faz parecer que o presidente é realmente fã de armas. Até aqui Café com Leite Notícias. 

No mesmo dia em que dois jovens invadiram uma escola em Suzano, na Grande São Paulo, e abriram fogo contra estudantes e funcionários, deixando oito mortos e 17 feridos antes de se matarem, o presidente Jair Bolsonaro disse que está preparando um projeto para ser encaminhado ao Congresso flexibilizando o porte de armas pela população.

Segundo ele, a regra sobre o porte de armas não pode ser tão “rígida” como atualmente, embora não tenha fornecido maiores detalhes sobre o texto que pretende encaminhar ao Congresso sobre o assunto.

De acordo com o jornal Folha de S. Paulo, a declaração de Bolsonaro foi feita durante um encontro com jornalistas pouco antes da tragédia registrada em Suzano ser noticiada pela imprensa. No encontro, ele também disse dormir com uma arma ao lado da cama porque teme a existência de “riscos” no Palácio do Alvorada, apesar da existência de um forte esquema de segurança no local.

Em janeiro, como um de seus primeiros atos de governo, Bolsonaro editou um decreto flexibilizando a posse de armas pela população sob a alegação de que isso ajudaria a combater a violência. Fonte 247.