Motorista de aplicativo chama mulher de “preta nojenta, escrava”


“Minha primeira reação, ao ouvir o primeiro áudio, foi de chorar muito. Mandei para a minha mãe, não consegui ouvir tudo de primeira. Meu coração doía, me sentia injustiçada. O racismo machuca. Cheguei em casa e só consegui deitar e dormir, anestesiada”. O relato é da estudante Isabella Cristina dos Santos, de 20 anos, que compartilhou áudios com ameaças e ofensas racistas feitas por um motorista, de 40 anos, do aplicativo inDriver.

O motorista ofendeu e ameaçou a passageira ao ter a corrida cancelada em Curitiba (PR), na tarde dessa segunda-feira (10). A jovem registrou queixa por injúria racial e ameaça velada. O homem se desculpou dizendo que foi um momento de fúria, que “até já namorou mulheres negras”. Ao BHAZ, ela conta que ficou incrédula com a situação.

“Eu e minha mãe pedimos um carro em frente ao terminal do portão, que fica no bairro do Portão, aqui em Curitiba (PR). O carro demorou um pouco para chegar, estava chovendo muito, então tínhamos pressa. Quando o carro chegou, apareceu um alerta no aplicativo. Quando apareceu que ele chegou, ficamos procurando, mas ele não estava lá”, explica Isabella, que conta que cancelou a corrida em seguida e pediu outro carro.

Logo após o cancelamento, a vítima conta que o motorista ligou para ela, muito nervoso. “Estava bem alterado, sendo extremamente grosso, perguntando se tinha sido eu que tinha pedido o carro. Eu desliguei na hora, não esquentei. Não quis levar para frente, já que já tinha pedido outro carro”, relata. (…)

Com informação DCM.