Mercadante manda recado aos generais: “não se rendam ao mercado financeiro e defendam a Petrobrás para os brasileiros”


Filho de um general nacionalista, o ex-ministro Aloísio Mercadante falou à TV 247 nesta segunda-feira e mandou um recado direto aos militares, em especial ao general Joaquim Luna e Silva, escolhido para comandar a Petrobrás. “Parem a privatização, tragam uma política de preços justa para o povo brasileiro e não se rendam aos interesses especulativos”

Do 247

O economista Aloizio Mercadante, que foi ministro da Educação, da Ciência e Tecnologia e da Casa Civil, e que hoje preside a Fundação Perseu Abramo, que elabora as políticas públicas do Partido dos Trabalhadores, mandou um recado para os militares brasileiros. “Não se rendam ao mercado financeiro e aos interesses especulativos nesta terça-feira. Parem a privatização das refinarias, defendam uma Petrobrás forte e tragam uma política de preços justa para o povo brasileiro, para os caminhoneiros e para os motoristas de aplicativos”, afirmou, em entrevista à TV 247.

Filho de um militar nacionalista, o recentemente falecido general Oswaldo Oliva, Mercadante diz ter boa impressão do general Joaquim Luna e Silva, que foi escolhido para substituir o entreguista Roberto Castello Branco, que ainda está à frente da Petrobrás. “Até onde eu sei, o general Luna é também um militar nacionalista”, afirma. No entanto, Mercadante critica o estilo atabalhoado do governo Bolsonaro, que anunciou a mudança na Petrobrás sem antes definir uma nova política de preços para a estatal. “Sem uma nova política, de nada adiantará a mudança”, afirma ele, que apresentou propostas neste fim de semana (saiba mais aqui).

Questionado sobre os eventuais impactos positivos de uma nova política de preços da Petrobrás para a popularidade de Jair Bolsonaro, Mercadante afirmou que o PT deve ser coerente em suas propostas. “Ao contrário daqueles que nos golpearam, não apostamos no quanto pior, melhor. Assim como defendemos o auxílio-emergencial, temos que defender  uma Petrobrás para os brasileiros. O povo brasileiro está sofrendo agora”, disse ele.