Maracás: Governos federal, estadual e municipal não cuidam da Serra da Morte e o resultado é mais vítimas


 

O governo vive colocando guarde-rei e a cada acidente são novamente destruídos. Uma sinalização com bastante radicalismo nas frases, os acidentes irão diminuir em 99%

 

 

O pequeno trecho de estrada entre a cidade de Maracás e o povoado Pé de Serra, que é apenas seis km de serra, é considerado um dos mais perigosos trechos de estrada da Bahia. No sábado, dia 12 de maio, véspera do dia das mães, foram mais três vítimas fatais, onde uma das culpas é dos governos municipal, estadual e federal, pois são seis km que não possuem sinalizações adequadas. Na verdade é quase sem sinalização.

Não importa aqui colocar a placa do caminhão, nome do motorista, qual era o destino e nem tampouco o que carregava no caminhão. O que se sabe é que a cada acidente com morte fatal do motorista, (quase todos são) é mais um pai de família que não volta para casa, muitas vezes com algum dinheiro pro sustento.

Indenização: É preciso sim, que os familiares que ficaram órfãs, entrem na justiça exigindo indenização para que o Estado custei as despesas da família por um determinado tempo, pois, muitas vezes, aquele motorista é a única pessoa que trabalhava na casa.

A nossa reportagem não chegou ao local do acidente com os veículos no local, mas isso também não importa, não estamos aqui para desenvolver uma matéria sensacionalista, mas sim para cobrar dos poderes responsáveis, que já foram citados, mais atenção no sentido de sinalizar o trecho.

Com Outdoor espalhados com frases radicais, sendo um no começo da serra dizendo: (Serra perigosa, apelidada de serra da morte. Não seja mais uma vítima.) Isso com fotos de alguma tragédia que já aconteceu, certamente o cuidado ia ser dobrado. Um pouco mais à frente: (desça devagar, alguém lhe espera em casa.)  (Não seja a vítima 45°, seja inteligente e desça engrenado em marcha de força.)  (Trecho com muitas curvas e todas perigosas.)  E próximo a curva fatal, muitas placas de cores vivas (amarelas ou se puder até luzes piscando.) Desta forma talvez ficassem décadas sem registrar um acidente apenas.

 

Em conversa com o comerciante Vadinho Santiago, um antigo morador do povoado, ele disse que está no comércio ali a quase 40 anos, mas que de pouco tempo para cá, com essa quantidade de acidentes que vêm ocorrendo na serra, que já passa de 30 motoristas mortos, todos caminhoneiros, os moradores tem ficado tristes. Ainda de acordo a Vadinho Santiago, que possui restaurante e pousada, os moradores estão organizando uma forma de bloquear a estrada e só liberar quando os poderes responsáveis tomarem providências.

Quando se fala em poderes na esfera municipal, não está querendo culpar só o poder executivo. O legislativo também tem a sua camada de culpa, pois é preciso que sejam criadas as indicações para o executivo executar. Afinal, sinalizar um trecho de seis km aproximadamente, o custo não é grande.

Governo Estadual

É sabido por todos os baianos, que o Governador Rui Costa vem realizando um trabalho espetacular na Bahia neste seu primeiro mandato, inclusive em melhoria de estradas, mas o seu forte mesmo tem sido Saúde, onde muitas Policlínicas, UPAS e Hospitais têm sido construídos por toda a Bahia. Porém, para quem vive na estrada com um olhar tipo lente de repórter, as sinalizações das estradas estão a desejar. De Maracás para Jequié, indo pela estrada que passa no local chamado Morro Verde, nada a reclamar da estrada no sentido asfáltico, porém não tem quase sinalização. E tem uma coisa, apostem nisso, a maioria dos acidentes nessas estradas, acontecem por falta de sinalização. Portanto, não adianta o poder executivo municipal ficar empurrando para o estadual, que muitas vezes, por se tratar de uma via federal já espera a solução vir de Brasília. É preciso que se saiba que se trata de vidas de trabalhadores pais de família.

Fica aí a sugestão de sinalizar as estradas o mais rápido possível.