Major Olímpio incendeia PSL: “Gostaria que Flávio Bolsonaro saísse”


Para o senador, os filhos de Bolsonaro são o maior problema do governo e crê que a nomeação de Eduardo Bolsonaro como embaixador perdeu força após Trump recuar em apoio ao Brasil na OCDE

Major Olímpio, Bolsonaro e Eduardo Bolsonaro (Reprodução/Youtube)

O senador Major Olímpio (PSL-SP), líder do PSL no Senado, deu uma dura declaração na manhã desta sexta-feira (11) sobre os filhos do presidente Jair Bolsonaro. Segundo ele, os parlamentares da família Bolsonaro atuam como príncipes e prejudicam o partido. Olímpio defendeu também a saída do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) da legenda, investigado por suposto esquema de rachadinhas em seu gabinete enquanto era deputado estadual na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

“Gostaria que o Flávio [Bolsonaro] saísse [do PSL], eu não escondo isso de ninguém. Gostaria. E outra coia, nós apoiamos o presidente Bolsonaro, não reconheço no país ainda monarquia, dinastia, filho príncipe, nada disso. Aliás, o que está desgastando muito o presidente são filhos com mania de príncipes”, disparou o líder do PSL no Senado em entrevista à GloboNews.

Na conversa com jornalistas ele comparou a situação de Flávio com a do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro, acusado de comandar esquema de candidaturas laranjas no PSL de Minas Gerais. Olímpio disse que “se fosse o Marcelo Álvaro” se afastaria do cargo no Ministério para se defender na tribuna da Câmara dos Deputados.

Eduardo Bolsonaro

O filho “03” do presidente também foi alvo de Olímpio. Para ele, a retirada do apoio dos EUA à entrada imediata do Brasil na OCDE descredencia Eduardo Bolsonaro como um bom nome para assumir a Embaixada brasileira em Washington. “Vejo com muita dificuldade a aprovação. Converso muito nos bastidores, já estava complicado. Mas, hoje, com a negativa da OCDE, aprovar Eduardo seria para atender a um interesse pessoal do presidente”, disse à jornalista Andreia Sadi, do G1.

“Mal informado”

Olímpio ainda declarou que “sem PSL e sem Bivar, não existiria Bolsonaro presidente” e que o mandatário está “mal informado”. “O PSL é o único partido que vota 100% com o presidente. Essa base não pode sofrer fissuras pelos problemas internos do partido”, disse ao BR Político, do Estadão.

Com informação da Fórum.