Jair Bolsonaro autoriza mais 57 agrotóxicos e total já chega a 439


“Sem precedentes, a gente nunca tinha visto isso”, lamenta geógrafa Larissa Mies Bombardi

Governo Jair Bolsonaro autoriza mais 57 agrotóxicos e total já chega a 439
Jair Bolsonaro e Tereza Cristina (Imagem: Isac Nóbrega | PR)

 

 

 

governo Bolsonaro liberou, nesta quarta-feira (27), mais 57 novos registros de agrotóxicos. O novo ato do Ministério da Agricultura foi publicado no Diário Oficial da União (DOU).

Oficialmente, o governo confirma a licença de um total de 439 substâncias, mas, na verdade, o número pode chegar a 467 produtos. Independentemente, no entanto, da soma final, a quantidade de novos registros já é a maior dos últimos 14 anos, como destacam os dados da Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida.

Entre 2008 e 2015, por exemplo, a média de aprovações ficava em torno de 130 novos pesticidas por ano. Liberações que saltam a partir de 2016, o ano do golpe que levou ao impeachment da presidenta Dilma Rousseff e garantiu a presidência ao seu vice, Michel Temer. Foram 277 registros naquele ano, 405 em 2017 e 450 em 2018.

O governo justifica afirmando que, até o momento, é responsável pela liberação de 439 produtos – a diferença seria referente a aprovações da gestão Temer, mas que foram publicadas apenas neste ano no DOU.

Para a geógrafa e professora da Universidade de São Paulo (USP) Larissa Mies Bombardi, autora do Atlas Geografia do Uso de Agrotóxicos no Brasil e Conexões com a União Europeia, de toda forma o governo Bolsonaro “abre as portas do inferno” com a liberação de agrotóxicos, como reitera em entrevista à jornalista Marilu Cabañas, da Rádio Brasil Atual.

Não tem discussão, na verdade é um número sem precedência, a gente nunca tinha visto isso”, destaca. “Para ser precisa, este ano 34% dos novos agrotóxicos são proibidos na União Europeia”, afirma a pesquisadora, acrescentando que 34% dessas substâncias também são consideradas altamente tóxicas.

É algo grave que a gente tem que olhar porque, digamos assim, tem todo um argumento construído pelo governo que essas novas aprovações são substâncias menos tóxicas e mais modernas, mas, na verdade, de novas substâncias a gente só tem 6%. E a gente continua com um quadro que é grave, aprovando substâncias que são proibidas em outros países (…) Na lista dos 10 (agrotóxicos) mais vendidos no Brasil estão produtos que são proibidos na União Europeia e foram proibidos em função da sua toxicidade, seja humana ou para o ambiente, e não por condições climáticas adversas. Eram utilizados, mas foram proibidos”, contesta a geógrafa.Fonte:PragatismoPolitico.

Confira a entrevista da RBA