Hoje foi o dia internacional do Lula. O Brasil e o mundo esteve ligado na sua entrevista


Muita gente está se aproveitando do Lula preso, pra leiloar o Brasil. São os chamados de vendilhões de plantão.

Por Gilvandro Filho, para o Jornalistas pela Democracia – Os 7 minutos e 42 segundos inicialmente liberados da histórica entrevista concedida pelo ex-presidente Lula aos jornalistas Florestan Fernandes Junior e Mônica Bergamo, da Folha de S.Paulo, corroboram os maiores temores dos golpistas: Lula é imbatível, na forma e no conteúdo, um “perigo” para quem quer enganar o País e pensa que a verdade não surgirá, mais cedo ou mais tarde.

Lula é o terror dos vendilhões da Pátria. Entende-se o medo que eles têm do líder popular e ex-presidente. Diante de Lula, os fariseus que querem fazer do Brasil uma filial dos Estados Unidos não passam de ratos assustados. Não têm outra alternativa que não seja o golpe, aplicado graças a um concluiu formado por uma parte do Judiciário controlada, juízes que julgam sem prova, parlamento comprometido e uma imprensa parcial.

De uma coragem incomum, Lula escancara na entrevista a farsa montada por juiz de primeira instância que o perseguiu, armou, julgou, condenou e mandou lhe prender. No mesmo sepulcro caiado apontado por Lula, sobrou espaço para um procurador especialista em powerpoint e, agora, na criação de fundações bilionárias e inexplicáveis.

Lula diz, de forma enfática porque prefere ficar preso a sair da cadeia sem colocar toda verdade à mostra. “Desmascarar toda a turma (do procurador Deltan Dallangoll e do hoje ministro da Justiça Sérgio Moro)” é a meta do ex-presidente. “Eu tenho certeza de que durmo todo dia com a minha consciência tranquila. E tenho certeza de que o Dallagnol não dorme, que o Moro não dorme”, sentenciou Lula, de maneira clara e precisa. Dallagnol, Moro e quase todo o país sabem que ele está certo, coberto de razão.

Esclarecedora, a entrevista desnuda o grupo político que chegou ao poder graças à sua prisão e que (des) governa atualmente o País. Lula toca na ferida ao lembrar o quanto era prestigiado pela comunidade do mundo, pelos governos e organismos internacionais, como o G8, para cujas reuniões sempre foi convidado.

Melhor, Lula não deixou de fazer menção à vergonha planetária que é o governo Bolsonaro (um “bando de malucos”, como frisou), um presidente cujo prefeito de Nova Iorque se nega a receber, que é chamado de direitista fanático pela imprensa europeia e que é tido em todo canto como o presidente que quer tornar o Brasil uma colônia norte-americana. “O país não merece isso e, sobretudo, o povo não merece isto”, assinalou. E detonou: “A que ponto nós chegamos! Que avacalhação! ”

A entrevista de Lula é a fala de um bravo. Como ele diz aos dois jornalistas, “quem nasceu em Pernambuco e não morreu de fome até os cinco anos, não se curva mais a nada”. Lula não se curva. Bolsonaro, Moro, Dallagnol e quejandos, todos sabem disso. É por isso que o ex-presidente está preso. Mesmo ao arrepio da lei. Mesmo sem uma prova sequer que justifica tamanha arbitrariedade.

* Artigo escrito após a divulgação do primeiro trecho da entrevista. Fonte Plantão Brasil.