EUA em chamas: Manifestantes invadem Casa Branca, que apaga luzes pela primeira vez; veja vídeo


Os atos foram agravados na capital dos EUA após Trump dizer no Twitter que vai classificar o movimento antifascista como terrorista. A publicação foi compartilhada por Bolsonaro. Na verdade, tudo que o Trump fizer vai ter o apoio do Bolsonaro: de invadir a Venezuela a chamar manifestantes de terroristas.

As duas crises nos dois países que não têm respeito ao povo, pode se agravar ainda mais

No sexto dia de protestos contra o assassinato de George Floyd, que foi morto asfixiado por um policial branco em Minneapolis, manifestantes tomaram as ruas de mais de 50 cidades dos Estados Unidos – em 25 delas contrariando toque de recolher – e entraram nos jardins da Casa Branca, sede do governo e residência oficial de Donald Trump, que teve suas luzes apagadas pela primeira vez na história.

Os protestos que tiveram início no domingo (31) entraram pela madrugda desta segunda-feira, 1º de junho, e remontam aos atos de abril de 1964 após a morte do ativista Martin Luther King, assassinado na sacada de um hotel em Memphis. O autor do disparo teria motivos supostamente racistas. Em dezembro de 1999, no entanto, um processo civil no Estado do Tennessee chegou à conclusão de que sua morte foi planejada por membros da máfia e do governo norte-americano.

O que acontece é que nem o próprio ser humano se conhece. E quando o seu lado humano cansa de ser tratado como sub humano, aí ele perde o medo até de morrer, mas não aceita mais os abusos. Tanto nos EUA quanto no Brasil, o que se acredita é que nunca foi eleito presidentes da marca de ambos, o que fazem acontecer também o que nunca aconteceu nos países, que é esse ódio sem explicação, como está acontecendo no Brasil.