Depois de muito tempo Sara Winter reaparece em Cancún, após fugir do Brasil, dizendo que vai se casar com um americano


Sara Winter em Cancún com seu marido americano, Joseph.
Foto: Reprodução/Instagram

Em 2020, ela ficou famosa por liderar as manifestações golpistas do grupo de extrema-direita que ficou conhecido como “300 do Brasil”, chegando a ficar presa por 10 dias por decisão do STF (Supremo Tribunal federal).

No mesmo ano, em junho, a extremista tentou fugir para os EUA, assim como Allan dos Santos, outro apoiador de Bolsonaro foragido após atacar o STF. Winter pediu asilo político no país, mas teve o visto americano negado.

De lá para cá, a vida de Sara mudou completamente. Ela se arrependeu de seu passado bolsonarista, chegando até a fazer denúncias contra o presidente. Em novembro de 2021, comunicou que estava de mudança para o México, onde diz que trabalha como uma ativista anti-aborto.

Em seu perfil no Instagram, em que publica tirinhas debochando do feminismo e fotos com seu noivo, a extremista postou um vídeo em um restaurante ao lado do felizardo e anunciou: “É, gente, estou [me] casando e estou em Cancún”, antes de se mostrar falando espanhol com um funcionário do estabelecimento.

Em outro vídeo, ela diz que o casamento acontecerá amanhã à tarde na cidade e promete fotos da cerimônia.

Apesar de ter começado uma nova vida, os absurdos ditos pela ex-bolsonarista no passado ainda a perseguem. Ela foi condenada em janeiro a pagar uma indenização de R$ 16 mil para a antropóloga Débora Diniz, após chamá-la de “a maior abortista brasileira”.

Em abril, já vivendo no México, ela usou seu filho para pedir dinheiro para quitar o papagaio. Winter postou uma foto do filho pequeno e culpou Damares Alves, ex-ministra de Bolsonaro, velha amiga com quem rompeu depois. O pagamento, que será realizado em 30 parcelas de R$ 550, deve começar neste mês e se estenderá até outubro de 2024.

Do DCM