“Com Bolsonaro, não dá para melhorar”, diz Zezé Motta sobre racismo no Brasil


Zezé Motta

 

Do DCM: Para celebrar o Dia da Consciência Negra, a coluna escolheu uma querida que, aos 76 anos, vivencia a questão racial há mais de sete décadas. Estamos falando da atriz Zezé Motta, a nossa eterna “Xica da Silva”, do filme de Cacá Diegues, de 1976, e que está em duas séries da TV Globo.

Para ela, a questão racial continua na ordem do dia. “Esta semana, eu vi no ‘Jornal Nacional’ que, diariamente, dois negros sofrem discriminação racial de alguma forma, sempre violenta, com palavras ou atitudes”. “Aliás”, prossegue, “com Bolsonaro, não dá para melhorar, porque não contamos com o governo para lutar por essa causa”, diz, com razão.

Já no campo das artes, a também cantora (acaba de estrear o show “Zezé canta Caetano”) enxerga avanços. “Sou do tempo em que, nas novelas, havia apenas dois ou três atores negros, que faziam sempre papéis subalternos. O problema não era interpretar empregados, mas é que esses personagens viviam a reboque”. (…)

 “O racismo é a origem de todos os abismos desse país”, diz Lula sobre assassinato de homem negro no Carrefour

O ex-presidente Lula se manifestou nas redes sobre o assassinato de João Alberto Freitas, homem negro espancado até a morte no Carrefour.

A Polícia Civil autuou em flagrante os dois homens envolvidos por homicídio qualificado.

No Twitter, Lula diz: “Amanhecemos transtornados com as cenas brutais de agressão contra João Alberto Freitas, um homem negro, espancado até a morte no Carrefour. O racismo é a origem de todos os abismos desse país. É urgente interrompermos esse ciclo.”