Bolsonaro convoca reunião de emergência para discutir situação da Venezuela


O governo brasileiro está avaliando a extensão do apoio dos militares venezuelanos ao líder oposicionista Juan Guaidó. Os canais de inteligência do Ministério da Defesa foram acionados desde o início da manhã de hoje para monitorar a situação. A Abin (Agência Brasileira de Inteligência) também está acompanhando o caso, segundo apurou o UOL.

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) convocou uma reunião hoje, às 12h30, no Palácio do Planalto, para avaliar a situação. A informação foi confirmada pelo vice-presidente, general Hamilton Mourão (PRTB), que participará do encontro junto ao chefe do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), general Augusto Heleno, e representantes do Ministério da Defesa.

Na manhã de hoje, Guaidó publicou um vídeo em redes sociais anunciando o apoio de militares à deposição do regime do ditador Nicolás Maduro.

Guaidó e o também opositor Leopoldo López foram na manhã de hoje à base aérea de La Carlota, em Caracas. López estava impedido de sair de casa, cumprindo prisão domiciliar.

A ida da dupla à instalação militar tem sido vista como uma mostra de que parte dos militares que vinham dando suporte ao regime de Maduro começa a apoiar a oposição.
Guaidó, que se autoproclamou presidente da Venezuela, é reconhecido por mais de 50 países, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Em pronunciamento à imprensa, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, disse que vê como positiva ação de militares em apoio a Guaidó.

“Parece que é positivo que haja um movimento de militares que reconhecem a constitucionalidade do presidente Guaidó”. Segundo o ministro, o Brasil apoia um processo de transição democrática na Venezuela e diz esperar que os militares venezuelanos sejam parte dele.

O Ministério da Defesa brasileiro acionou sua estrutura de inteligência para avaliar em que medida os militares, tidos como pilares do regime de Maduro, aderiram à oposição.

O ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, está reunido com assessores debatendo o assunto. Ainda não está claro o grau da adesão dos militares venezuelanos à oposição a Maduro.

As informações são repassadas diretamente ao ministro Heleno, que desde a manhã de hoje se reúne com Bolsonaro.

Segundo o Ministério da Defesa, pelo menos até o momento, a situação na fronteira do Brasil com a Venezuela permanece inalterada.

Desde fevereiro que a fronteira na região de Pacaraima, em Roraima, está fechada por ordem de Maduro. Fonte Plantão Brasil.