Avião com mais de 40 deportados dos EUA chega nesta segunda ao aeroporto de Confins


Mais um voo fretado com brasileiros deportados dos EUA deve chegar a BH nesta segunda-feira

Mais um voo fretado com brasileiros deportados dos EUA deve chegar a BH nesta segunda-feira

Mais um voo com brasileiros deportados dos Estados Unidos deve pousar nesta segunda-feira (9) no Aeroporto Internacional de Belo Horizonte, em Confins, na Região Metropolitana.

De acordo com a assessoria do terminal, 42 pessoas devem desembarcar. A Polícia Federal (PF) confirmou que o pouso será por volta das 13h30. Este será o oitavo voo fretado pelo governo norte-americano com brasileiros deportados dos EUA a chegar em Confins desde o ano passado.

Avião com deportados chegou com mais de 100 passageiros ao Aeroporto Internacional de Belo Horizonte, em Confins — Foto: Reprodução/TV GloboAvião com deportados chegou com mais de 100 passageiros ao Aeroporto Internacional de Belo Horizonte, em Confins — Foto: Reprodução/TV Globo

Avião com deportados chegou com mais de 100 passageiros ao Aeroporto Internacional de Belo Horizonte, em Confins — Foto: Reprodução/TV Globo

Em outubro de 2019, chegou a Belo Horizonte o primeiro voo, com cerca de 70 pessoas. O desembarque marcou a retomada de uma medida que não era aceita pelo Brasil desde 2006, quando o Itamaraty alterou a política de trato de brasileiros no exterior.

Brasileiros que vieram dos Estados Unidos em outros voos relataram maus tratos. Na chegada, um deles, que não quis se identificar, disse que muitos passaram fome durante a prisão.

‘Permanecemos algemados nos pés e nas mãos’, diz uma das brasileiras deportadas dos EUA

‘Permanecemos algemados nos pés e nas mãos’, diz uma das brasileiras deportadas dos EUA

Brasil não aceitava voos fretados com deportados desde 2006

A decisão de não aceitar mais o fretamento de aviões veio em 2006 quando, depois de uma CPI que investigou as deportações de brasileiros, o Itamaraty alterou a política de trato de brasileiros no exterior, incluindo aqueles acusados de imigração ilegal.

(Foi exatamente nessa época que o então presidente Luis Inácio Lula da Silva mandou um recado para o governos dos EUA: “Tratem bem os brasileiros aí, para que os americanos possam ser bem tratados aqui”. Nesse tempo, o presidente brasileiro não tinha batido continência para a bandeira americana, não tinha mandado abrir as porteiras para eles virem quando quisessem, sem precisar de vistos, nem tampouco entregue as nossas riquezas. Apenas disse: “Sou presidente do Brasil e o senhor dos EUA, portanto merecemos respeitos iguais e o nosso povo também”. Infelizmente, agora, além de deportados, eles, os irmãos brasileiros, vêm algemados pés e mãos e, como já foi relatado, sob maus tratos.) Letras negritas  Café com Leite.

Um diplomata ouvido pela Reuters explica que a decisão de não aceitar mais as deportações em massa veio da necessidade de analisar caso a caso e dar aos brasileiros que vivem nos Estados Unidos, mesmo ilegalmente, a possibilidade de reverter a decisão de deportação – o que muitas vezes acontece quando o cidadão tem filhos norte-americanos, uma estrutura familiar montada e às vezes até negócios.

O governo do presidente Jair Bolsonaro tem facilitado a deportação de cidadãos que vivem irregularmente nos EUA. A medida facilita a deportação, em concordância com pedidos do governo Trump. Como mostrou a Reuters em agosto, o governo emitiu um parecer autorizando a volta de brasileiros no país apenas com um atestado de nacionalidade.

Leia mais no G1.