(77) 99152-6666

Haddad: “é duro ter que lidar com um vírus e um verme, simultaneamente”


O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad endossa as críticas a Jair Bolsonaro na crise do coronavírus no País. O ocupante do Planalto já amenizou a gravidade da situação e também, contrariando recomendações de autoridades de Saúde, havia convocado atos contra o Congresso e o STF. Datafolha apontou baixo índice de aprovação na gestão do Covid-19.

Fernando Haddad e Jair Bolsonaro

O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad criticou a postura de Jair Bolsonaro na crise do coronavírus no País. “É duro ter que lidar com um vírus e um verme, simultaneamente”, escreveu o ex-presidenciável no Twitter.

O ocupante do Planalto afirmou coronavírus é “fantasia  propagada pela mídia”. Também convocou manifestações contra o Congresso Nacional e contra o Supremo Tribunal Federal, enquanto autoridades de saúde recomendam que as pessoas evitem aglomerações.

Nos protestos do último dia 15, Bolsonaro participou de ato, abraçou e cumprimento várias pessoas mesmo sob recomendação de isolamento por conta dos casos de contaminação na comitiva de sua viagem aos Estados Unidos.

De acordo com pesquisa Datafolha, divulgada nesta segunda-feira (23), 54% dos eleitores veem a gestão dos governadores na crise do coronavírus como ótima ou boa, percentual inferior ao de Bolsonaro (35%). Fonte 247.

 

Error, no Ad ID set! Check your syntax!

“MP DE BOLSONARO É A COISA MAIS ABERRANTE E ANTISSOCIAL QUE JÁ VI NA VIDA” DIZ CIRO


O ex-ministro Ciro Gomes acaba de postar, em suas redes sociais, um vídeo em que critica duramente a Medida Provisória editada neste domingo pelo presidente Jair Bolsonaro.

“É uma das coisas mais aberrantes e estúpidas, do ponto-de-vista econômico e social, que já vi na vida. É absolutamente ilegal e confronta a Constituição Federal. Não deve ser aceito nem pelos empresários”.

Não é só o Ciro que está estarrecido com as atitudes do Bolsonaro, que está mostrando não ser apenas contra o trabalhador brasileiro, mas ele demonstra ter ódio do trabalhador e dos pobres. Como pode um pai de família que tem seu emprego para sustentar a família ficar, de uma hora para outra, sem o recurso, principalmente num momento desse, de desespero e sem condições de arrumar outra renda. O que se espera é que os rmpresários tenham amor, responsabilidade e ignorem esta MP, mostrando que têm coração e continuem pagando integralmente ou um pouco menos, para que as famílias tenham o básico nas suas despenças, nas geladeiras, para mater confinados em casa com todos. Como será o coração de um homem como Bolsonaro?

Infrmação do O Cafezinho, texto Walter salles Café com Leite.

 

salve-se quem puder! é o que diz a MP de Bolsonaro


Imaginem um homem desse sendo patrão, o que ia querer fazer com os seus funcionários. Mas, pior que ser um patrão, ele é o presidente da república e pasmem, com o voto do povo. Pior é que durante campanha ele já mostrava ser exatamente assim. Portanto, palmas para ele pela sua sinceridade na sua falácia durante campanha. pasmem mais uma vez, o grande problema é que muita gente, felizmente uma minoria, tem o mesmo pensamento dele e gosta dele por ele ser assim, ou seja, perverso com o povo pobre. O que explica, o Bolsonaro querer que os patrões não paguem nada para os funcioários durante a temporada que o coronavírus estiver existindo? Como será o coração de um homem desse? O coronavírus superou a tristeza até de saber que esse homem é o presidente da República. Até aqui Café com Leite.

O presidente divulgou, neste domingo, uma Medida Provisória que vem produzindo enorme perplexidade no mundo político e econômico, por permitir a “suspensão do contrato de trabalho por quatro meses”, sem remuneração garantida, entre outras atrocidades.

É a MP do “salve-se quem puder”.

(Ler aqui a íntegra da MP 927/2020).

A MP diz que, durante a suspen são do contrato, o empregador pode conceder uma “ajuda compensatória mensal”; o valor desse benefício deve ser definido entre as partes por meio de “negociação individual”; a MP determina que nada disso dependerá de convenção coletiva e a negociação se dará exclusivamente com o trabalhador.

O governo, com certeza, pensou apenas nos empregadores, que ganham (acham eles) uma bóia temporária de salvação.

Não parece, todavia, ter pensado na maioria esmagadora dos trabalhadores: que se vêem numa situação de extrema vulnerabilidade.

É uma MP truculenta e primária, que não diferencia grandes empresas de pequenas, que não oferece segurança de renda aos trabalhadores, e que impõe todo o sacrifício exigido pela crise do coronavírus sobre o ombro dos extratos mais vulneráveis da população.

***

Medida provisória define ações para reduzir desemprego durante surto de coronavírus

Da Redação | 23/03/2020, 10h47

Agência Senado — O presidente Jair Bolsonaro editou no domingo (22) uma medida provisória com ações que podem ser adotadas pelos empregadores para manter o emprego dos trabalhadores durante o período de calamidade provocado pelo coronavírus.

A MP 927/2020 prevê medidas como suspensão do contrato de trabalho por quatro meses, teletrabalho, uso de banco de horas e antecipação de feriados e férias individuais ou coletivas, por exemplo. O texto foi publicado em edição do Diário Oficial da União.

Segundo a MP 927/2020, empregado e empregador podem celebrar acordo individual escrito para garantir a permanência do vínculo empregatício. De acordo com o texto, o contratante pode alterar o regime de trabalho presencial para teletrabalho, trabalho remoto ou outro tipo de trabalho a distância, em que os funcionários prestam serviços por meio de tecnologias da informação e comunicação.

Caso o empregado não disponha da infraestrutura necessária para o teletrabalho, o empregador pode fornecer os equipamentos e pagar por serviços como conexão à internet, por exemplo. Mas isso não pode ser caracterizado como verba de natureza salarial.

Suspensão do contrato e FGTS

A medida provisória permite a suspensão do contrato de trabalho, por até quatro meses, para que o empregado participe de programa de qualificação profissional não presencial oferecido pelo empregador. A suspensão não depende de convenção coletiva e pode ser negociada diretamente com o trabalhador.

Durante a suspensão do contrato, o empregador pode conceder uma “ajuda compensatória mensal”, sem natureza salarial. O valor do benefício deve ser definido entre as partes por meio de negociação individual. Caso o curso de qualificação não ocorra, o empregado deve pagar imediatamente os salários e encargos sociais referentes ao período.

A MP 927/2020 também dispensa os empregadores de recolher o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) com vencimento em abril, maio e junho. A medida vale independente do número de empregados; do regime de tributação; da natureza jurídica; do ramo de atividade econômica; e de adesão prévia. O valor devido poderá ser pago, sem atualização, multas ou encargos, em até seis parcelas mensais.

Férias individuais e coletivas

O empregador também pode optar por antecipar as férias do trabalhador, que deve ser comunicado com pelo menos 48 horas de antecedência. As férias devem ser superiores a cinco dias e podem ser concedidas mesmo que o período aquisitivo não esteja completo.

As duas partes podem inclusive negociar a antecipação de férias de períodos futuros, e a prioridade deve ser para funcionários que pertençam ao grupo de risco do coronavírus. No caso dos profissionais de saúde, o empregador pode suspender férias ou licenças não remuneradas.

A medida provisória também autoriza o adiamento do pagamento do adicional de um terço de férias para o dia 20 de dezembro. Pela regra anterior, o beneficio deveria ser depositado até dois dias antes do início das férias. O empregado que deseja “vender” dez dias de férias também pode ter o pagamento adiado para 20 de dezembro. A MP 927/2020 permite ainda o adiamento da remuneração das férias até o quinto dia útil do mês seguinte ao início do período de descanso.

A medida provisória também autoriza o empregador a conceder férias coletivas, desde que haja comunicação com 48 horas de antecedência. Durante o estado de calamidade, as empresas ficam desobrigadas de respeitar limites definidos pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), que só autoriza a ocorrência das férias coletivas em dois períodos anuais, nenhum deles inferior a dez dias corridos. A MP 927/2020 também dispensa a comunicação prévia ao Ministério da Economia e aos sindicatos da categoria profissional.

Feriados e banco de horas

O texto permite que os empregadores antecipem feriados não religiosos federais, estaduais, distritais e municipais. As datas podem ser usadas para compensação do saldo em banco de horas. O aproveitamento de feriados religiosos depende de concordância do empregado, mediante acordo individual escrito.

A medida provisória também prevê um regime especial de compensação de jornada por meio de banco de horas. A medida pode favorecer tanto o empregador quando o empregado, e a compensação deve ocorrer no prazo de até 18 meses após o encerramento do estado de calamidade pública. Essa compensação deve ser feita com a prorrogação da jornada em até duas horas, mas nenhum trabalhador pode exceder o período de dez horas diárias.

Saúde e qualificação

A MP 927/202 dispensa a realização de exames médicos ocupacionais, clínicos e complementares, exceto os demissionais. Os exames podem ser realizados no prazo de 60 dias após o fim do estado de calamidade, exceto se o médico da empresa considerar que a prorrogação representa risco para a saúde do empregado.

O texto também suspende a obrigatoriedade de realização de treinamentos periódicos e eventuais dos empregados, mas admite a modalidade de ensino a  distância. A ações presenciais podem ser realizadas no prazo de 90 dias após o fim do estado de calamidade.

Outras medidas

A MP 927/2020 permite aos estabelecimentos de saúde prorrogar a jornada de trabalho dos profissionais, mesmo para as atividades insalubres e para quem faz jornada de 12 horas de trabalho por 36 horas de descanso. O texto também permite a adoção de escalas de horas suplementares entre a 13ª e a 24ª hora do intervalo interjornada.

As horas suplementares podem ser compensadas no prazo de 18 meses após o estado de calamidade pública por meio de banco de horas ou remuneradas como hora extra. Ainda de acordo com o texto, os casos de contaminação pelo coronavírus não serão considerados ocupacionais, exceto mediante comprovação do nexo causal.

Durante 180 dias, os auditores fiscais do Trabalho do Ministério da Economia só podem atuar “de maneira orientadora”. A aplicação de multas e penalidades só pode ocorrer se forem constatados acidente de trabalho fatal; trabalho escravo ou infantil; falta de registro de empregado; ou situações de grave e iminente risco.

A MP 927/2020 também prevê a antecipação do abono anual pago aos beneficiários da Previdência Social que tenham recebido auxílio-doença, auxílio-acidente ou aposentadoria, pensão por morte ou auxílio-reclusão. O valor pode ser pago em duas parcelas: a primeira em abril e a segunda em maio.

Tramitação

A MP já está valendo, mas, para tornar-se lei, precisa ser aprovada pelo Congresso em um prazo de 120 dias. O texto será analisado inicialmente por uma comissão mista de deputados e senadores. Depois, será enviado para votação pelos pelos Plenários da Câmara e do Senado.

Com informação do O Cafezinho

 

INMET emite alerta laranja para o Vale do Jiquiriçá


O Instituto Nacional de Meteorologia – INMET elevou nesta segunda-feira (23), as 11h10min, o alerta que era amarelo para laranja, nas regiões da Chapada Diamantina, nordeste Baiano, norte, sul e recôncavo.

INMET publica aviso iniciando em: 23/03/2020 11:10. Chuva entre 30 e 60 mm/h ou 50 e 100 mm/dia, ventos intensos (60-100 km/h). Risco de corte de energia elétrica, queda de galhos de árvores, alagamentos e de descargas elétricas.

  • Em caso de rajadas de vento: (não se abrigue debaixo de árvores, pois há risco de queda e descargas elétricas e não estacione veículos próximos a torres de transmissão e placas de propaganda)
  • Se possível, desligue aparelhos elétricos e quadro geral de energia.
  • Obtenha mais informações junto à Defesa Civil (telefone 199) e ao Corpo de Bombeiros (telefone 193).

Na tarde deste domingo (22), um temporal na zona rural de Mutuípe provocou transtornos à população.

No início da manhã o Climatempo atualizou previsão indicando possibilidade de 40 mm de chuva.

Mídia Bahia

Bolsonaro autoriza empresas a suspender contrato com funcionários durante coronavírus


O presidente Jair Bolsonaro publicou uma medida provisória (MP) no Diário Oficial neste domingo (22) autorizando empresas a suspender o contrato de trabalho com funcionários por até quatro meses durante a pandemia do coronavírus.

De acordo com a Folha de S.Paulo, o texto diz ainda que empresários não precisam pagar salário ao trabalhadores durante este período, apenas fornecer cursos online e manter benefícios, como plano de saúde.

Ainda, caberá à negociação individual a decisão de manter ou não alguma “ajuda compensatória mensal” ao trabalhador, mas que não deve ter “caráter salarial”. De acordo com o texto, tal decisão terá “valor definido livremente entre empregado e empregador, via negociação individual”.

Dessa forma, a negociação individual neste período ficará acima de acordos coletivos e da lei trabalhista. A suspensão terá de ser registrada em carteira de trabalho e não haverá pagamento de bolsa qualificação por meio do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).

Com isso, a MP publicada neste domingo é diferente do que foi anunciado pela equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes. Na última quarta-feira (18), o governo defendia uma MP com redução da jornada de trabalho e de salários em 50% durante a pandemia.

Com informação da Revista Forum.

 

 

ACM Neto e Rui Costa se reúnem para debater medidas contra o coronavírus


Ações conjuntas do município e governo devem ser divulgadas em breve

O governador Rui Costa e prefeito ACM Neto se reuniram na governadoria desta sexta-feira (20). Estiveram presentes os secretários de saúde do estado, Fábio Villas Boas e o do município, Léo Prates.

Foram discutidas ações conjuntas do estado e prefeitura de Salvador para conter o Coronavírus no capital e em toda a Bahia. Brevemente as medidas conjuntas serão anunciadas.

 

Idosa chora ao ver prateleiras vazias em supermercado e comove as redes


 Entidades e especialistas afirmam que não há chance de haver desabastecimento. Professor explica que falta pontual de alguns produtos ocorrem por conta de “comportamento anticidadão”

idosa supermercado chora
Idosa chorou em supermercado da Austrália, relata jornalista

 

 

A imagem de uma idosa chorando diante das prateleiras vazias em um supermercado na Austrália comoveu as redes sociais neste fim de semana. A foto foi publicada pelo jornalista Seb Costello, acompanhada de um apelo para que as pessoas parem de estocar produtos. Na Austrália, já foram registrados 1353 casos de coronavírus e 7 mortes.

As imagens de prateleiras vazias são comuns desde o início da pandemia do novo coronavírus em vários países, apesar dos apelos das autoridades de que não é necessário estocar alimentos e produtos.

A imprensa local relata que os supermercados australianos já implementaram horários de compras dedicados para idosos e pessoas que estão no grupo de risco da covid-19 fazerem suas compras — geralmente durante a primeira hora de negócios da manhã.

A estocagem de alimentos tem sido duramente desaconselhada em meio à pandemia, uma vez que, além de gerar pânico, desabastece pessoas que não têm condições de comprar produtos em grande quantidade.

O primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, pediu aos cidadãos que parem de comprar suprimentos desnecessários. “Pare com isso. Não é sensato, não ajuda e foi uma das coisas mais decepcionantes que já vi no comportamento australiano em resposta a esta crise. Isso não é quem somos como povo (…) Pare de fazer. É ridículo”, afirmou.

Supermercados no Brasil

Com a pandemia do novo coronavírus, supermercados em todo o Brasil têm corrido para atender à alta demanda e proteger os consumidores em suas lojas. Mesmo com autoridades e representantes do setor garantindo que não há necessidade de fazer estoque de alimentos, a população continua indo em massa aos supermercados.

De acordo com a Apas (Associação Paulista dos Supermercados), o movimento nos supermercados do estado cresceu 48,5% entre 20 de fevereiro e 19 de março. Em 25 de fevereiro, o Brasil confirmou seu primeiro caso de coronavírus. Desde então, autoridades de saúde e estaduais vêm anunciando medidas no sentido de restringir a circulação da população.

Para a entidade, essa “aceleração do consumo” se deu porque refeições que eram feitas fora de casa passaram a ser realizadas em casa, resultado do fechamento de escolas e creches e da prática de home office, levando à antecipação de compras.

Ao mesmo tempo, aproveitando a angústia e o medo disseminados entre muitos brasileiros, circulam fake news sobre falta de comida e supermercados fechando. Movidos pelo pânico, consumidores procuraram estocar mantimentos para muitas semanas.

No Rio, por exemplo, circulou em grupos de WhatsApp um anúncio do supermercado Guanabara dizendo que ele não faria mais atendimento.

Desabastecimento?

Entidades e especialistas afirmam que não há chance de haver desabastecimento nos mercados e supermercados brasileiros. “Pode haver falta pontual de alguns produtos em função do tempo de reposição, quando o supermercado, por exemplo, trabalha com estoques ajustados ao movimento rotineiro”, disse Ronaldo dos Santos, presidente da Apas, em nota.

“Não há nenhum motivo para uma corrida desenfreada para as lojas, porque nós supermercadistas estamos preparados para atender essa demanda”, garantiu Queiroz, da Asserj, em entrevista ao Jornal Nacional.

Também em nota, a Ceagesp (Companhia de Entrepostos e Abastecimento Geral do Estado de São Paulo) informou que “as atividades de comercialização continuam funcionando normalmente e, até o presente momento, não há dados sobre qualquer tipo de alteração”.

Segundo Silvio Laban, professor do Insper, o desabastecimento até agora tem acontecido mais por consequência do desespero do consumidor. “As pessoas estão indo comprar em volume que não comprariam. No mundo inteiro está acontecendo isso, resultado de um misto de angústia e medo e desinformação”, disse ao Nexo.

Ele afirmou que embora seja natural preparar a dispensa para evitar sair de casa “não existe nada que justifique estocar comida para dois, três meses”. O comportamento é ainda anticidadão, na avaliação do especialista. “É preciso pensar se ao comprar em excesso não estarei prejudicando a pessoa ao lado que não vai conseguir comprar”, afirmou. Com informações do PragmatismoPolítico

 

‘Não temos e não teremos problema de abastecimento’, diz ministra da Agricultura


A ministra da Agricultura, Tereza Cristina — Foto: Fátima Meira/Futura Press/Estadão ConteúdoA ministra da Agricultura, Tereza Cristina — Foto: Fátima Meira/Futura Press/Estadão Conteúdo

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina — Foto: Fátima Meira/Futura Press/Estadão Conteúdo

Em longa conversa com o Blog neste domingo (22), a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, afirmou que não haverá problema de abastecimento no Brasil mesmo diante da pandemia do novo coronavírus.

Segundo a ministra, neste domingo, o fluxo de produtos e mercadorias está normal. Neste sábado (21), poucos frigoríficos em Santa Catarina e no Paraná chegaram a ligar o alerta, com a possibilidade de paralisação, mas a situação já foi contornada.

A ministra recebeu relatos de que no Brasil inteiro produtores, tanto da agricultura quanto da pecuária, passaram a adotar cuidados, e a produção não será suspensa. Além disso, o transporte será assegurado. Segundo as informações de gestores de distribuição, houve um consumo acima do normal tanto na sexta-feira (20) quanto no sábado, mas sem desabastecimento.

Também houve relatos de ações deliberadas em alguns municípios, que tentaram fechar fábricas e o fluxo de caminhões, mas a medida provisória editada pelo governo na sexta-feira surtiu efeito e foi utilizada com sucesso pelos jurídicos das empresas.

O entendimento é de que é necessário cuidado do ponto de vista sanitário, mas os caminhões vão circular porque são considerados de necessidade urgente.

Se isso não for feito, há um risco de acontecer o que ocorreu na greve dois caminhoneiros, o de faltar alimento.

Neste domingo, o fluxo de mercadorias está tranquilo, a produção está próxima do ritmo normal, seguindo regras específicas. Segundo a ministra, será a maior produção do Brasil de todos os tempos.

Após um superaquecimento na sexta e no sábado, as primeiras horas deste domingo parecem demonstrar que o fluxo de compra está perdendo força, próximo à normalidade, com redução das pressões que aconteceram neste sábado.

Neste domingo, a ministra vai ter uma videoconferência com italianos para entender como eles conseguiram lidar com a situação. A Itália é um bom exemplo sobre manutenção do fluxo de mercadorias, mesmo com a crise.

Nesta segunda-feira (23), haverá uma conferência com ministros da agricultura de vários países da América do Sul, como Chile, Argentina, Paraguai e Uruguai, para que seja mantida a cadeia de produção e de transporte de mercadorias. Logicamente, com todo o cuidado das medidas sanitárias de cada país.

De acordo com Tereza Cristina, a agricultura não parou, está produzindo com cuidados, mas tudo está funcionando.

 

Hospitais brasileiros vão testar droga contra malária para tratar coronavírus


Hospital Albert Einstein / Unidade Perdizes-SP - Foto: reprodução
Hospital Albert Einstein / Unidade Perdizes-SP – Foto: reprodução

Enquanto o mundo corre atrás de uma vacina, o Hospital Albert Einstein e a Prevent Senior anunciaram que vão testar o uso do medicamento hidroxicloroquina – variante da cloroquina, usada no tratamento da malária – para tratar pacientes com o novo coronavírus.

O Hospital Sírio Libanês informou que também foi convidado pelo governo federal para participar da pesquisa.

“Hospitais de excelência, dentre eles, o Hospital Sírio-Libanês, foram convidados pelo Ministério da Saúde a desenvolverem uma pesquisa científica sobre o uso destes medicamentos no combate a  COVID-19”, informou em nota ao SóNotíciaBoa a assessoria do hospital.

A Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein informou que prepara um protocolo de pesquisa para testes sobre a eficácia do medicamento.

Autorização da família

A revista Exame divulgou que a Prevent Senior – um sistema de saúde hospitalar voltado para idosos – anunciou que usará em caráter experimental a cloroquina e o antibiótico azitromicin, com autorização das famílias, em pacientes com o quadro confirmado de contágio pelo novo coronavírus.

Os medicamentos apresentaram resultados positivos em estudos realizados por pesquisadores da China e da França. No entanto, ainda faltam estudos científicos e testes clínicos para que as drogas sejam consideradas seguras para tratamentos em ampla escala de casos da Covid-19”, informou a Exame.

A assessoria do Sírio Libanês informou em nota que “A hidroxicloroquina e a azitromicina têm sido analisadas como potenciais tratamentos para a covid-19. Até o momento, não há evidência científica suficiente que comprove a sua eficácia.

Daí a importância do teste que será feito no Brasil.

Com informações do AlbertEinstein e Exame

 

Brumado, no sudoeste da Bahia, confirma primeiro caso de coronavírus


Com a atualização, sobe para 57 o número de vítimas da Covid-19 em todo o estado

[Brumado, no sudoeste da Bahia, confirma primeiro caso de coronavírus]
Foto : Divulgação/Sesab

A Secretaria de Saúde de Brumado, no sudoeste da Bahia, confirmou, na noite de ontem (22), o primeiro caso de coronavírus no município. Com isso, são 57 vítimas da Covid-19 em todo o estado. A secretaria de Saúde estadual (Sesab) reiterou a informação na manhã de hoje.

A cidade tem ainda cinco pacientes suspeitos de terem se contaminado pelo vírus. Um outro possível caso já foi descartado. Na mesma noite, Jequié confirmou o seu primeiro caso de coronavírus. Esses são os dois registros da doença no sudoeste baiano. Fonte:Metro1

 

Coisa de moleque velho: Olavo de Carvalho diz que foi infectado pelo coronavírus


Em janeiro, guru bolsonarista culpava Bill Gates pela chegada do coronavírus no Brasil

Foto: Reprodução

O escritor Olavo de Carvalho, maior guru do bolsonarismo, afirmou nesta quinta-feira (19) que foi infectado pelo coronavírus.

Residente da Virgínia, nos Estados Unidos, país que já registrou mais de 150 mortes e 10 mil casos confirmados da doença, Olavo afirmou que “pegou” a doença há cerca de dois meses, mas garantiu que já está curado.

“Já peguei o Corona vírus, ele quase me matou e eu já escapei vivo. Não tenho outra explicação para a merda toda que me aconteceu uns dois meses atrás. Os médicos não sabiam o que era aquilo”, escreveu em sua página do Facebook.

A filha de Olavo, Heloisa de Carvalho, porém, diz que é mentira que seu pai tenha sido infectado por coronavírus, assim como teria sido mentira a ocasião em que contou que retiraria um tumor. “Poucas vezes falo assim: MEU SACO DEU PRA TANTAS MENTIRAS E FALCATRUAS e distúrbios psiquiátricos. A loucura do Guru deu. 1º foi ‘tumor’ que virou cisto isso não existe, agora ele teve corona, me poupem de tantas MENTIRAS E DELÍRIOS psiquiátricos. Interna o véio!”, publicou em seu Twitter junto a um print de postagens de Olavo falando sobre as supostas enfermidades.

Culpa do Bill Gates

Há dois meses, período que diz que foi infectado pelo coronavírus, Olavo defendia a tese de que a doença estava chegando ao Brasil graças a Bill Gates.

“Coronavírus chega ao Brasil patenteado por Bill Gates”, diz o título alarmista de um vídeo compartilhado por Olavo em janeiro.

A fake news dá conta de que a organização The Pirbright Institute, financiada pela Fundação Bill Gates, teria adquirido a patente do coronavírus em 2018. A própria organização, no entanto, veio à público para esclarecer a “confusão”: a patente que a Pirbright possui, na verdade, é do vírus da bronquite infecciosa (IBV), e o título da patente – número 10130701 – se dá pelo fato de que o vírus é um objeto de pesquisa da organização para a produção de vacinas para prevenir doenças respiratórias em aves e outros animais – não humanos.

“Obviamente isso [o coronavírus] é patenteado por Bill Gates. Objetivo simples: redução populacional”, diz Bruno Alves no vídeo compartilhado pelo guru bolsonarista. O dono do canal ainda vai além: diz que “eles” – sem explicar quem são “eles” – “soltaram” o vírus na China porque trata-se do país com a maior população do mundo.

Fonte Revista Forum

Malafaia contraria OMS e faz culto onde pede para fiéis ofertarem “crédito ou débito”


“Praga alguma chegará na tua casa se você crê. Deus, guarda o seu povo no meio de tempestades e pragas. Livra o nosso país da catástrofe”, pregou Malafaia, seguido de aplausos

Pelo que um bom leitor da palavra de Deus entende, não devemos desrespeitar as leis criadas na terra, por instituições credenciadas. À medida em que desobedecemos as regras de decretos, numa forma de desafios, estamos sendo contra a vontade de Deus> Mas, muitas vezes, aquele desobediente quer que Deus também desobedeça.

Ao invés do Malafaia ficar induzindo desobediência e falta de cuidados nos membros da Igreja Assembleia de Deus de todo Brasil, ele deveria orientar a todos que ficassem em casa, lessem a bíblia e em orações cada um no seu canto, pedisse misericórdia a Deus para livrar o Brasil de uma epidemia. O papel dele não difere nada de Bolsonaro quando desceu a rampa do Planalto e foi se misturar com os manifestantes a seu favor. Uma coisa é fé, outra coisa é desobediência e ódio. Isso pode custar caro pra ambos. Até aqui Café com Leite Notícias. 

O apelo do pastor Silas Malafaia para que os fiéis ignorassem o coronavírus e participassem dos eventos do seu templo teve algum efeito. Cerca de 350 pessoas participaram de um culto promovido por ele na noite desta quarta-feira (18), na Assembleia de Deus Vitória em Cristo de Campo Grande, na zona oeste do Rio de Janeiro.

Logo no começo da pregação, Malafaia disse: “Querendo ofertar crédito ou débito, que Deus te abençoe e te multiplique”. Auxiliares distribuíram ao público um papel, onde estava escrito: “Semente para uma colheita abençoada”. Na parte interna, havia um espaço para que os fiéis colocassem nome, pedido de oração e um valor para doação.

Malafaia pediu que os fiéis não se deixassem levar pelo medo e seguissem frequentando a igreja. “Não vou entrar nessa paranoia”, afirmou, comparando o trabalho do pastor com o do médico. “O médico não escolhe se vai atender ou não. A mesma coisa é o pastor. A igreja também é o hospital para os desesperados”, disse.

Com sua imagem reproduzida em dois telões, Silas Malafaia dedicou a pregação às orientações sobre o novo coronavírus. “Nós não obrigamos ninguém a vir ao culto. O conselho que dou é que as pessoas de idade, mesmo que não tenham tosse ou febre, fiquem em casa”. Mas também incentivou os fiéis a irem à igreja. “Aqui, é o lugar de maior proteção que pode existir”.

“Praga alguma chegará na tua casa se você crê. Deus, guarda o seu povo no meio de tempestades e pragas. Livra o nosso país da catástrofe”, pregou Malafaia, seguido de aplausos.

Com informações do UOL

VÍDEO: O dia em que a esquerda se uniu a bolsonaristas arrependidos para gritarem juntos: “Fora, Bolsonaro!”


Os mais fieis apoiadores de Bolsonaro, como o Luciano da Avan e o governador de Goiás, o Caiado, começaram a dar as suas primeiras alfinetadas no presidente, como se dissesse: “Chega, tudo tem limite e você extrapolou os limites da incompetência como presidente. Sair no meio dos manifestantes pegando na mão e dando abraço num período como esse é no mínimo, muita irresponsabilidade”. A mesma coisa aconteceu com milhares de bolsonaristas arrependidos que não pensou duas vezes e partiu pro panelaço, gritando  em alto e bom som: FORA BOLSONARO…

Após uma semana de isolamento, epidemia desacelera na Itália


 

© Foto: Piero Cruciatti/AFP/Getty
Após uma semana de isolamento forçado em toda a Itália por causa do novo coronavírus (Sars-CoV-2), o país pode estar começando a ver uma luz no fim do túnel da pandemia que já contaminou 200 mil pessoas e deixou cerca de 8 mil mortos em todo o mundo.O balanço divulgado pela Defesa Civil nesta terça-feira (17) confirmou o quarto dia seguido de desaceleração no ritmo de novos contágios, embora a situação ainda seja delicada, especialmente no norte do país.Até o momento, a Itália contabiliza 31.506 pessoas afetadas pelo novo coronavírus, incluindo casos ativos, mortes e pacientes curados, o que representa um aumento de 12,60% em relação ao relatório de 16 de março, que havia registrado alta de 13,06% – no sábado e no domingo a expansão foi de, respectivamente, 19,80% e 16,97%.Até 9 de março, quando o primeiro-ministro Giuseppe Conte anunciou o decreto que restringe a circulação de pessoas em todo o território nacional, a epidemia avançava a uma taxa média diária de 26,54%. Agora, considerando o período desde 28 de fevereiro, quando a Defesa Civil passou a divulgar apenas um balanço por dia, a média de crescimento é de 22,19%.

“É preciso esperar para cantar vitória, mas é interessante que este aumento não seja mais tão vertical. Acredito que isso seja já um sinal não de decréscimo, mas de desaceleração. Só não quero ser muito otimista, porque esses casos dados agora na verdade são antigos, talvez de infecções de 10 ou 11 dias atrás”, afirma, em entrevista à ANSA, o virologista italiano Fabrizio Pregliasco, professor do Departamento de Ciências Biomédicas para a Saúde da Universidade dos Estudos de Milão.

Com a disseminação do Sars-CoV-2 e da doença por ele provocada, a Covid-19, países do mundo inteiro vêm tomando medidas drásticas para “achatar” a curva epidêmica, ou seja, evitar um aumento vertiginoso no número de casos e manter o índice dentro do que pode ser suportado pelos sistemas de saúde nacionais.

Esse é o drama da Itália, que saiu de três para 31.506 contágios em 26 dias e agora vê hospitais sob ameaça de colapso por causa do ritmo agressivo da epidemia. O Hospital Papa Giovanni XXIII, em Bergamo, província mais atingida pelo Sars-CoV-2, já não tem mais vagas em sua unidade de terapia intensiva (UTI) para pacientes do novo coronavírus.

A província fica nos arredores de Milão, na Lombardia, e contabiliza 3.993 contágios, o que representa um impressionante índice de 358 para cada 100 mil habitantes. Se Bergamo fosse um país, seria o mais atingido pela epidemia em termos proporcionais – para efeito de comparação, a Itália tem 52 casos/100 mil habitantes.

Mas o ritmo de crescimento dos contágios na província também caiu nos últimos quatro dias: de um aumento de 20,95% em 14 de março para 6,20% no dia 17. No entanto, apesar da redução da velocidade de disseminação do novo coronavírus, ainda é difícil prever quando a Itália atingirá o pico da epidemia.

“Tem diversos modelos que colocam o pico nesta quarta, mas eu acredito ainda em três, quatro, cinco dias, uma semana, talvez, e depois esperamos uma lenta redução”, diz Pregliasco. (ANSA)

 

Presidente do Santander morre em Portugal vítima do coronavírus


António Vieira Monteiro, presidente do conselho de administração do banco Santander desde 2019, é a segunda vítima fatal de Portugal

António Vieira Monteiro, presidente do conselho de administração do Santander

António Vieira Monteiro, presidente do conselho de administração do Santander

Rafael Marchante/REUTERS/02-05-2016

O presidente do conselho de administração do Santander desde 2019, António Vieira Monteiro, de 73 anos, morreu nesta quarta-feira (18) depois de contrair o novo coronavírus, em Portugal. Ele é a segunda vítima fatal no país, segundo informações do jornal português Expresso.

Monteiro estava prestes a completar 74 anos e se tornou presidente depois de atuar como CEO da empresa entre 2012 e 2018. O Jornal Económico disse que António foi colocado em quarentena no início deste mês após uma viagem à Itália, e estava em tratamento intensivo em um hospital da capital portuguesa Lisboa desde a semana passada.

Portugal registrou 448 casos confirmados de coronavírus, muito abaixo dos 11.178 da vizinha Espanha. Com informações do R7.