(77) 99152-6666

Equipe de Aras já admitem possibilidade de crime de Bolsonaro


A equipe de investigadores da Procuradoria-Geral da República (PGR) avalia que as provas obtidas até o momento são suficientes para caracterizar que o presidente Jair Bolsonaro cometeu o crime de advocacia administrativa em sua pressão para trocar postos-chave da Polícia Federal.

A análise dos procuradores é que, após ter acesso ao vídeo da reunião do conselho de ministros no último dia 22 de abril, ficou claro que Bolsonaro pressionou o então ministro da Justiça, Sergio Moro, para fazer mudanças em cargos na PF motivado por interesses pessoais — no caso, a preocupação em proteger familiares e amigos, verbalizada pelo próprio presidente na referida reunião.

O vídeo inclusive, na avaliação dos investigadores, traz uma comprovação rara de se obter nesse tipo de crime que é o “dolo”, a vontade de cometer o delito.

No registro audiovisual, Bolsonaro cita seu desejo de trocar o superintendente da PF do Rio em troca da proteção de familiares e amigos. Ele usa a expressão “segurança nossa no Rio”, mas a avaliação dos investigadores é que o termo se refere à Superintendência da PF. O vídeo foi divulgado na sexta-feira por ordem do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Celso de Mello, relator do inquérito.

Com informação do DCM

Error, no Ad ID set! Check your syntax!

Líder do governo no Senado defende demissão de Weintraub


Líder do governo no Senado defende demissão de Weintraub
Líder do governo no Senado defende demissão de Weintraub

De acordo ao G1, o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), defendeu neste sábado (23) a demissão do ministro da Educação, Abraham Weintraub.

Bezerra Coelho participou do programa GloboNews Debate e comentou o conteúdo do vídeo da reunião ministerial de 22 de abril, cujo conteúdo se tornou conhecido na última sexta (22).

Na gravação, Weintraub disse: “‘Eu, por mim, botava esses vagabundos todos na cadeia, começando no STF” – reveja no vídeo mais abaixo.

Ao ser questionado se demitiria o ministro caso fosse presidente da República, o senador Fernando Bezerra foi direto: “Sim, demitiria”.

Na avaliação do líder do governo, os comentários de Abraham Weintraub foram o pior momento da reunião ministerial que antecedeu a saída do ministro Sergio Moro do governo.

Fernando Bezerra revelou ter comentado com o presidente Jair Bolsonaro o conteúdo das declarações de Weintraub. Disse ao presidente que achou totalmente inapropriados os comentários do ministro da Educação.

Avaliou ainda, com Bolsonaro, que a gravação não traz informação relevante para o inquérito que tramita no STF contra o presidente da República. Vejam vídeo no G1, clik aqui

Weintraub chama ministros do STF de ‘vagabundos’ e defende mandá-los para prisão
Weintraub chama ministros do STF de ‘vagabundos’ e defende mandá-los para prisão

Sete tipos de coronavírus são encontrados em morcegos na África, cientistas temem uma nova pandemia


Segundo a publicação de uma recente pesquisa na revista Nature, exatamente 1.066 morcegos de cinco espécies diferentes, foram testados para o coronavírus.

Os resultados dos estudos deixaram os cientistas preocupados, após 18 deles apresentaram 7 sequências diferentes do vírus, diante da descoberta, os cientistas especularam se os novos coronavírus poderiam ser espalhados para os seres humanos, causando outra epidemia.

No entanto, de acordo com o estudo, outras pesquisas adicionais precisariam ser feitas primeiro.

Os responsáveis pela pesquisa disseram ainda que a maioria dos coronavírus encontrados em humanos têm transmissão zoonótica, ou seja, foram transmitidos de animais para pessoas.

Na África, em Gabão, o primeiro caso de Covid-19 foi detectado em março. Em abril, o governo proibiu a venda de pangolins e morcegos como iguaria.

Todos contra a Covid-19

Nesta sexta-feira, o Brasil atingiu a lamentável marca de 20.112 mortes pelo coronavírus e 312.074 pessoas infectadas. O novo coronavírus não é brincadeira, precisamos somar esforços para vencê-lo.  Fonte Plantão ao Vivo.

FIQUE EM CASA.

 

Cresce a oposição de evangélicos a Bolsonaro: “Clamor de fé pelo Brasil”


Manifesto de 35 organizações evangélicas propõe que TSE assuma seu papel constitucional e proceda à cassação da chapa Bolsonaro-Mourão.

Igrejas Evangélicas de São José de Mipibu descumprem decreto do ...

Os impactos e desdobramentos da crise de saúde pública com a pandemia da covid-19 têm se tornado ainda mais críticos com as sucessivas tensões políticas geradas pelo próprio governo brasileiro. Esta realidade tem movido grupos de evangélicos a posturas mais contundentes, uma vez que esta situação tem resultado em graves consequências, principalmente a perda de milhares de vidas, especialmente da população mais empobrecida.

Neste espírito, 35 organizações e movimentos evangélicos e centenas de pessoas vinculadas a igrejas deste segmento cristão assinam o manifesto “O governante sem discernimento aumenta as opressões – Um clamor de fé pelo Brasil”.

 

De solidariedade com famílias dos mais de 16 mil mortos por coronavírus e com os profissionais de saúde ao reconhecimento a universidades e a centros de pesquisa, os manifestantes evangélicos e evangélicas repudiam e se indignam com o comportamento antiético do presidente da República que “dá provas que não está à altura do cargo que ocupa”. A gestão é classificada no documento como inadequada que atenta contra a vida humana.

Os evangélicos e evangélicas que assinam o manifesto cobram respostas mais eficientes dos governos e reafirmam que igrejas devem ser responsáveis e não promoverem cultos públicos presenciais, abrindo seus espaços para ações de solidariedade. O texto conclama que as orientações e recomendações das instituições de saúde e científicas sejam seguidas e que o poder público atue de forma coordenada para promover uma economia justa, voltada para o benefício das pessoas, em especial, as mais empobrecidas.

Com base nestas afirmações o manifesto conclui com proposta ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), para que assuma seu papel constitucional e proceda à cassação da chapa Bolsonaro-Mourão, marcada pela disseminação de mentiras que embasaram a campanha eleitoral em 2018. A justificativa para o pedido é que “a preservação de vidas e da democracia exigem ação imediata”.

Segue a íntegra do documento:

O governante sem discernimento aumenta as opressões – Um clamor de fé pelo Brasil

Nós, de diversas Igrejas, organizações e movimentos de evangélicas e evangélicos pela democracia, manifestamos publicamente:

  • Nosso luto e profunda solidariedade para com as famílias dos mais de 16 mil mortos que o Brasil identificou até recentemente em meio a pandemia do novo Coronavírus (Covid-19). É momento de “chorar com os que choram” (Rm 12:14-15). 
  • Nosso compromisso cotidiano em ações solidárias de apoio ao atendimento de necessidades específicas de pessoas e famílias que se encontram em situação de vulnerabilidade nesse  contexto de grave crise. “A fé, por si só, se não for acompanhada de obras, está morta” (Tg 2:17).
  • Nossa gratidão e solidariedade para com os profissionais de saúde que têm experimentado grande desgaste físico e emocional por estarem trabalhando no enfrentamento direto dessa situação. Nossa oração é para que Deus os guarde e que eles “mantenham a esperança”.
  • Nosso reconhecimento e apoio a Universidades e Centros de Pesquisa, bem como seus pesquisadores e cientistas que têm se dedicado na busca das melhores respostas e análises para juntos superarmos esta realidade. O momento exige que as tomadas de decisão sejam fundamentadas “no conhecimento que vem do bom senso” (Pv 1:4).
  • Nosso repúdio e indignação à forma antiética com que o presidente da República tem se comportado nesta grave situação do País, sem assumir a conduta exigida para uma pessoa que ocupa a liderança institucional executiva da nação. Ele tem dado provas de que não está à altura do cargo de Presidente da República. A gestão inadequada durante a pandemia atenta contra a vida humana ao invés de “praticar a justiça e compaixão pelos pobres” (Dn 4:27).

Diante disto, consideramos ser fundamental:

  • Que as respostas dos governos sejam mais eficientes em relação ao devido atendimento às necessidades das pessoas. É essencial que prefeituras e governos estaduais atuem para garantir o cumprimento do isolamento social recomendado, e que o governo federal opere de forma coordenada e adequada na execução de seus compromissos e responsabilidades.
  • Que igrejas e comunidades religiosas, compreendendo a gravidade e urgência do tempo presente, não promovam cultos públicos presenciais e considerem seriamente o uso de suas estruturas e pessoal para o desenvolvimento de ações que contribuam para o apoio a população e para o enfrentamento da pandemia. O momento exige responsabilidade e coragem a fim de preservar vidas.
  • Que sigamos as recomendações e orientações de instituições de saúde e científicas. Reconhecemos a ciência como dom de Deus para cuidar da vida humana e toda a sua criação. A fé e a ciência são aliadas, caminham juntas e exaltam o poder divino.
  • Que o poder público – executivo, legislativo e judiciário – atue de forma coordenada para promover uma economia justa e voltada para o benefício das pessoas, a partir dos mais empobrecidos. Não há nenhuma razoabilidade em se opor a crise na saúde à crise econômica. É falsa tal divisão. O momento é de grave crise na saúde pública e todos os esforços devem convergir para maior preservação possível de vidas. Não se pode minimizar uma situação de pandemia em favor de lucros. O foco precisa ser solidariedade e proteção social em prol da preservação da vida humana.

E propomos a seguinte ação:

  • Que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) assuma seu papel constitucional e proceda o imediato julgamento das Ações de Investigação Judicial no (TSE) e que pedem a cassação da chapa de Jair Bolsonaro e de Antônio Mourão em razão da disseminação de mentiras durante a campanha eleitoral; prática que tem se mantido durante o governo, sendo agora alimentada por dinheiro público, como tem sido demonstrado e noticiado. A preservação de vidas e da democracia exigem ação imediata. Não há motivos que justifiquem ainda mais a prorrogação desse julgamento. Para que a justiça seja feita, sob a égide do Estado de Direito e para o bem-estar social e da democracia.

Convidamos irmãs e irmãos a se juntar nesse clamor de fé e ação pelo Brasil.
Junte-se a nós e assine carta que será enviada ao TSE. Acesse o link: https://bit.ly/ClamorBrasil 

Aliança de Batistas do Brasil – Associação Projeto Videiras – AMSK Brasil – Coletivo Abrigo – Coletivo Cristãos Pela Justiça – Coletivo Memória e Utopia-  Comunidade Cristã da Lapa – Comunidade Cristã na Zona Leste – Congrega – Comunidade Presbiteriana Videiras – Cristãos Contra o Fascismo – Direitos Humanos nos Passos de Jesus – Evangélicas pela Igualdade de Gênero – Evangélicos Trabalhistas – Evangélicos pela Justiça – Evangélicos pela Diversidade – Fé e Afeto Cristão – Fórum Evangelho e Justiça – Frente de Evangélicos pelo Estado de Direito  – Grupo Fé & Política: Reflexões – Igreja Batista de Direitos Humanos – Igreja Batista Nazareth – Instituto Guarani de Responsabilidade Socioambiental – Igrejas Libertárias! – Miquéias Brasil – Missão Aliança – Movimento Evangélico Progressista – Movimento Negro Evangélico do Brasil – Nossa Igreja Brasileira – Núcleo de Evangélicas e Evangélicos do PT – Núcleo Evangélico 23 – Paz e Esperança Brasil – Primavera Ecumênica – PSOL/PR – Plataforma Intersecções – Rede Fale – Redenção Baixada – Vozes Maria.

Com informação da Carta Capital 

 

Governos rígidos contra o coronavírus já colhem benefícios econômicos e políticos


Economia já volta a pulsar em países que implementaram as medidas mais rígidas de contenção contra a pandemia coronavírus. Mandatários também colhem frutos políticos e veem aprovação recorde em pesquisas de opinião.

Jacinda Ardern
Jacinda Ardern, Primeira Ministra da Nova Zelândia

Carina Martins, portal Ecoa

No exemplo neozelandês, o lockdown foi adotado imediatamente após o primeiro caso.

Depois de poupar muitas vidas, algumas nações cujas governantes agiram com agilidade e firmeza no combate à pandemia já começam a colher outros benefícios.

O administrador público que precisar de um empurrão extra para tomar medidas mais duras, com menos hesitação, ou para fazer uma injeção mais substancial na economia e nas compensações aos cidadãos, pode mirar-se no exemplo dessas mulheres.

Na Alemanha de Angela Merkel, que controlou o vírus com isolamento amplo, testes em massa e já vive o processo de desconfinamento, o índice de confiança na economia deu um salto e mostra que investidores esperam recuperação já no segundo semestre.

Essa recuperação, em boa parte, deve ser garantida graças à pesada participação do governo em programas de proteção aos empregos e às empresas atingidas pela crise.

Com PIB equivalente a 25% do PIB da UE, a Alemanha responde por mais da metade (52%) dos quase 2 trilhões de euros injetados pelos Estados em suas economias até agora. E não pretende parar por aí: com a França, propõe um plano de socorro econômico de 500 bilhões de euros, e ainda vai elevar a compensação aos trabalhadores com jornada reduzida.

Aprovação recorde

A Nova Zelândia teve sua primeira-ministra Jacinda Ardern considerada pela imprensa internacional a “líder mais eficaz do planeta” no combate à pandemia (da qual o país já está livre).

Não deu outra, e ela é hoje a mais popular premiê do país dos últimos 100 anos. Na pesquisa divulgada ontem, mais da metade dos neozelandeses aprovavam Jacinda e seu partido, e impressionantes 92% aprovavam as rigorosas medidas de isolamento implantadas por ela.

Nesta terça-feira (19) o país viveu seu segundo dia consecutivo sem novos casos. Ao todo, 21 pessoas morreram de Covid-19 na Nova Zelândia.

Enquanto isso

Em São Paulo, epicentro da pandemia no Brasil que luta (e perde) para manter o índice mínimo de isolamento social, prefeitura e governo se uniram na criação de um megaferiadão de última hora. A ação seria uma “última cartada” na contínua postergação de um lockdown.

Con informação do Pragmatismo

Brasileiros confiam nas Forças armadas e Escola, diz Pesquisa Fórum


2ª edição da Pesquisa Fórum, realizada neste mês de maio em parceria com a Offerwise, revela que Escola e as Forças Armadas são, respectivamente, as instituições que os brasileiros mais confiam. São 56,5% os que “confiam muito” nas escolas e 44% nos militares.

Entre os que responderam “confiar muito” nas escolas, a maioria tem ensino fundamental completo (64,6%) e é da região Centro-Oeste do país (72,6%). Apenas 6% dos entrevistados disseram confiar pouco nas escolas, enquanto 37,3% responderam confiar “um pouco”.

Com relação às Forças Armadas, o número de reprovação é um pouco maior, mas continua baixo: apenas 14% dos brasileiros “confiam pouco” nos militares e 41% confiam “um pouco”. Dos que disseram confiar muito, a maioria é homem (53,8%) e tem mais de 60 anos (55%).

Além disso, ao contrário do que foi visto na instituição escola, a maioria dos que confiam nas Forças Armadas tem ensino superior (51%) e ganham de 5 a 10 salários mínimos (62%).

Por serem instituições que sustentam os maiores índices de confiança, Jair Bolsonaro tem investido nas mesmas desde o início de seu mandato.

Em relação às Forças Armadas, o presidente vem aumentando o número de membros especialmente do Exército em seu governo e constantemente concede benefícios à categoria.

Em meio a pandemia do Coronavírus, o Ministério da Saúde é uma das pastas do governo de Bolsonaro que está sob comando de um militar, o general Eduardo Pazuello, que assumiu o cargo assim que Nelson Teich pediu demissão. No órgão, já são 13 os militares chamados para atuar cargos de comando, a maior parte sem ter formação ou experiência na área da Saúde. Leia matéria completa na Forum.

Uruguai, o oásis na pandemia na América do Sul


Homem e menina passeiam pela Rambla, o calçadão da orla de Montevidéu — Foto: Eitan Abramovich/AFP

Se existe um oásis na pandemia do novo coronavírus na América do Sul ele fica no Uruguai. Sem ter imposto uma quarentena obrigatória, o governo do presidente Luis Lacalle Pou conseguiu estabilizar o número de casos em 738 e 20 mortos, tornando-se modelo no continente.

É o único país da região que figura entre os 42 no mundo que vêm conseguindo vencer a doença, segundo o portal Endcoronavirus.org, um ranking realizado pelo New England Complex Systems Institute. Sustentado por uma coalizão de cinco partidos que vão do centro à direita radical, Lacalle Pou assumiu o governo no início de março, apenas 13 dias antes da chegada do novo coronavírus ao país.

Ao encerrar um período de 15 anos de governos da Frente Ampla, o presidente se viu diante do desafio da pandemia e, para não transformá-lo em pesadelo, optou por uma estratégia diferente dos demais vizinhos. Declarou emergência sanitária no país, mas evitou tratar o confinamento como obrigatório.

Em vez disso, apelou à responsabilidade dos uruguaios lançando a “Operação Todos em Casa”. Traduza-se por isso a recomendação para que cada cidadão limitasse suas saídas e respeitasse o distanciamento social.

Presidente do Uruguai, Luis Lacalle Pou, anuncia medidas para frear transmissão do novo coronavírus em março — Foto: AFP/Alvaro Salas

Presidente do Uruguai, Luis Lacalle Pou, anuncia medidas para frear transmissão do novo coronavírus em março — Foto: AFP/Alvaro Salas

O governo suspendeu as aulas, fechou fronteiras e proibiu eventos de massa, mas não reprimiu quem precisasse trabalhar fora de casa. “Não está desaconselhado sair, desde que a pessoa mantenha distância de outras e use máscaras”, orientou o presidente. Lacalle Pou tentou se equilibrar entre saúde e economia, sem perder de vista a herança de um déficit fiscal em torno de 6% do PIB e o crescimento da dívida pública.

Para aplacar os efeitos da pandemia, lançou um programa de estímulo à iniciativa privada e criou um seguro destinado a quem perdeu o emprego ou teve redução de salário. Concedeu subsídios, durante dois meses, equivalentes a 160 dólares aos que estão no mercado informal. Em contrapartida, o governo reduziu, pelo mesmo período, os salários de funcionários públicos e aposentadorias.

Entoado pela OMS, o mantra “testar, testar e testar”, para rastrear o vírus, funciona no Uruguai: de acordo com o modelo Worldometer, que monitora a doença no mundo, foram realizados 10.261 exames para cada milhão de habitantes, praticamente o triplo em relação ao Brasil, onde a marca é de 3.462 testes por milhão.

Isso deu segurança na retomada, ainda que gradual, das atividades. Na semana passada, as repartições públicas voltaram a funcionar, assim como parte do comércio. As escolas reabrirão nos próximos dias, e os uruguaios já têm autorização para a prática de oito esportes ao ar livre.

Novato na presidência, Lacalle Pou passou em seu primeiro teste e domou a pandemia. Preserva a sua posição no ranking, mantendo fechadas as fronteiras com o vizinho Brasil, comandado pelo aliado Jair Bolsonaro, onde a doença avança sem freios.

Enquanto isso no Brasil, as medidas foram no sentido contrário, pois os brasileiros viram e ouviram o presidente da república sair às ruas, pegar nas mãos do povo e, em cadeia nacional, dizer que o Covid 19 não passa de uma gripezinha. Com isso, já são somados mais de 19 mil mortes e quase 300 mil infectados, com hospitais em boa parte do país sem leitos de UTI para socorrer novos infectados. Infelizmente o presidente dos brasileiros não tem demonstrado amor pelo seu povo e está deixando muita gente morrer. Último parágrafo do Café com Leite, informação do  G1 .

     

Documentos apresentados pela defesa de Lula provam que Odebrecht pagou delatores


Publicado originalmente no site Consultor Jurídico (ConJur)

De acordo a matéria publicada no DCM, a peça de 63 páginas é assinada pelos advogados Cristiano ZaninValeska MartinsMaria de Lourdes LopesEliakin T.Y.P. dos Santos e Lyzie de Souza Andrade Perfi e sustenta que documentos e planilhas apresentados no último dia 17 pela própria Odebecht à Justiça de São Paulo provam definitivamente que delações usadas para condenar Lula foram pagas.

Esses documentos foram apresentados pela construtora em processos contra Marcelo Odebrecht. Entre eles, está uma planilha segundo a qual ex-executivos e colaboradores da Odebrecht receberiam por até nove anos valores da empresa sem qualquer tipo de prestação de serviço após a celebração dos acordos de delação premiada.

Conforme a defesa do petista, os documentos provam que a empreiteira pagou pelas “delações premiadas e pelo conteúdo que elas veicularam para tentar incriminar o ex-presidente Lula”. Da planilha apresentada constam apenas beneficiários que fecharam acordos de colaboração com auxílio da empresa.

No texto, os advogados de Lula reproduzem trechos de ação declaratória de nulidade ajuizada pela Odebrecht contra o ex-presidente da companhia Marcelo Bahia Odebrecht. A ação visa a invalidar contrato celebrado em que a empresa se compromete a pagar a Marcelo a quantia de R$ 52 milhões por conta de serviços prestados enquanto ele exerceu a presidência do grupo entre 2013 e 2015.

“O réu sabia que, para celebração de acordo de leniência que possibilitasse a continuidade das atividades da empresa, a Odebrecht  precisava que seus ex-executivos, envolvidos nos fatos investigados pela operação “lava jato”, cooperassem com as autoridades criminais. Com isso em mente, o senhor Marcelo Odebrecht passou a ameaçar a empresa (o conteúdo dessas ameaças será abordado com detalhes em capítulo próprio) afirmando que, caso não lhe fossem conferidas determinadas benesses patrimoniais, ele não celebraria acordo de colaboração premiada com o Ministério Público Federal, inviabilizando, por consequência, o acordo de leniência da Odebrecht. Colocada contra a parede e necessitando preservar sua própria existência, a Odebrecht pagou ao senhor Marcelo Odebrecht mais de R$ 143 milhões, que foram utilizados pelo réu para sua blindagem patrimonial”, diz trecho da inicial da ação da empresa contra seu ex-presidente.

A peça também apresenta transcrições da correspondência de Marcelo Odebrecht em seu tempo de cárcere e uma planilha com valores pagos aos executivos que celebraram acordos de delação. Um deles, Alexandrino Alencar, receberia R$ 100 mil por aproximadamente nove anos. A defesa de Lula também apresenta um documento que lista os “compromissos assumidos com colaboradores” em que a empresa se compromete a fazer o pagamento de multas ao MPF, prover apoio jurídico e dar proteção patrimonial aos delatores.

A defesa de Lula pede que TRF-4 autorize a realização e diligências para averiguar como foi organizado e comandado o processo de delação premiada da Odebrecht e quem apresentou a proposta de remuneração para executivos, colaboradores e terceiros para viabilizar os acordos.

Os advogados do petista também pedem que se esclareçam quais as condições impostas aos executivos para firmar os acordos. Por fim, é feito o pedido para que a Odebrecht justifique por que apresentou ação declaratória contra Marcelo Odebrecht, afirmando que as acusações lançadas contra ele envolvendo a Petrobras (“casos Palocci”) eram “mentirosas e, a despeito disso, o grupo, seus executivos e colaboradores, inclusive o próprio Marcelo Odebrecht, fizeram colaborações premiadas baseadas nessas mesmas acusações”.

Clique aqui para ler o recurso apresentado pela defesa de Lula
Clique aqui para ler a planilha de compromissos com delatores
Clique aqui para ler as transcrições dos bilhetes de Marcelo Odebrecht

Acredito que ela esteja apaixonada por Bolsonaro. Diz ex-marido de Regina Duarte


Foto: Agência Brasil
Foto: Agência Brasil

O ex-marido da secretária de Cultura Regina Duarte, entre os anos de 1978 e 1979, ator e cineastra Daniel Filho, disse que não entende o que está acontecendo com a ex-esposa, com quem ainda mantém amizade. Daniel afirmou, em entrevista à Folha de São Paulo, recentemente, que não a reconheceu na entrevista dada à CNN. “Comentei com amigos próximos para ver se alguém conseguia entender, mas diziam simplesmente: ‘enlouqueceu’, ‘ficou maluca’, acho estranho”, afirmou.

Daniel Filho disse ainda que suspeita que Regina esteja enfrentando problemas psicológicos, dupla personalidade e até mesmo a possibilidade de ela estar apaixonada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

“Eu a considero a namoradinha do Bolsonaro hoje [fazendo alusão ao apelido de Regina nas novelas, a namoradinha do Brasil]. Será que ela se apaixonou pelo Bolsonaro? Estamos todos preocupados e lamentando o que a Regina está fazendo. Será que ela realmente acha que o Brasil vai melhorar com o Bolsonaro? Essa pandemia, então, arrebenta tudo, e ela se une a um assassino. Que é tão perigoso quanto foi a ditadura”, opinou o ator.

“O primeiro susto que tomei com a Regina foi na declaração de que ela tinha medo do Lula [campanha de José Serra à Presidência em 2002]. Mais do que a declaração, que podia ter sido ‘não concordo com o Lula’, o que me deixou impactado foi a forma. Era uma coisa raivosa, estranha, não sei dizer se ela foi usada, se os usou”, concluiu.

esse assunto circulou em várias redes, e agora que ela aceitou de dentes abertos, ser rebaixada, como se o seu chefe lhe dissesse, ‘você não tem competência para esse cargo, vou lhe colocar em um que você vai ser subordinada do novo secretário’, e ela aceitou de boa. Realmente não é para apenas o Daniel Filho ficar cabreiro, mas sim, o Brasil.

Outro dia o também ator, José de Abreu, estava questionando sobre o que o Bolsonaro tem que consegue hipnotizar tanta gente. Seria um poder maligno? Perguntava o ator. Fonte dessa matéria, MI Mita informação.  

 

 

Ex-ministra do STJ afirma que união entre Neto e Rui salvou vidas de baianos: ‘Estou encantada’


“Estou feliz com a Bahia. União de ideologias distintas. Mostra para muitos estados como é possível a convivência de duas pessoas que pensam diferente, e isso tem reflexo”, disse Eliana Calmon

[Ex-ministra do STJ afirma que união entre Neto e Rui salvou vidas de baianos: 'Estou encantada']
Foto : Tácio Moreira / Metropress

A ex-ministra do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Eliana Calmon elogiou a união do prefeito de Salvador, ACM Neto, e do governador da Bahia, Rui Costa, para enfrentar o coronavírus. Em entrevista hoje (19) à Rádio Metrópole, a jurista afirmou que ficou encantada com o jeito que os gestores estão lidando com a pandemia.

“Estou feliz com a Bahia. União de ideologias distintas. Mostra para muitos estados como é possível a convivência de duas pessoas que pensam diferente, e isso tem reflexo. A Bahia tem uma periferia de muita pobreza, de muita sujeira, falta de saneamento… Mas o número de infectados é muito menor que diversos estados, e deve-se à essa união, salvando muitas vidas baianas”, pontuou. Com informações do Metro1

 

Rodoviários aprovam greve geral em Salvador, que pode ficar sem ônibus nos próximos dias


Rodoviários aprovam greve geral em Salvador, que pode ficar sem ônibus nos próximos dias
Crédito da Foto: vídeo/Leitor Aratu On

Salvador pode ficar sem ônibus nos próximos dias, já que a categoria aprovou uma greve geral. A informação é do presidente do Sindicato dos Rodoviários e vereador, Hélio Ferreira. A decisão foi tomada durante uma reunião virtual na tarde de terça-feira (19/5).

A greve, segundo a categoria, é motivada pela campanha salarial e por melhores condições de trabalho durante a pandemia da Covid-19. “Tivemos uma grande adesão da categoria ao longo de quase 3 horas de assembleia virtual. Destaque para a participação dos trabalhadores que, de onde estavam, puderam contribuir com suas ideias e sugestões para enfrentar os problemas da campanha salarial e desse momento difícil”, diz uma nota do Sindicato.

Agora, a diretoria deve obedecer os trâmites jurídicos, como publicação do indicativo de greve em um jornal em pelo menos 48 horas antes de pararem os trabalhos. O edital de greve e o dia da próxima assembleia geral ainda não foram divulgados. Fonte:Aratuon

 

 

Empresa que insistia em transportar passageiros para cidades bloqueadas na Bahia é interditada


O Ministério Público da Bahia (MP-BA) suspendeu as atividades da empresa Transporte de Turismo Cidade do Ouro (Santo Amaro) pelo não cumprimento do decreto estadual que prevê a interdição deste tipo de serviço em todo o estado durante o período de enfrentamento à pandemia da Covid-19.
Um veículo foi flagrado no entroncamento da BA 052 com a BA 144, transportando 23 passageiros para cidades da região como Morro de Chapéu, Várzea Nova, Jacobina e Capim Grosso. Os viajantes seriam oriundos dos estados de Minas Gerais, Goiás e São Paulo.
Conforme solicitado pela promotora de Justiça Rocío Matos, todos os ônibus da empresa foram apreendidos pela Polícia Rodoviária estadual (PRE) na última segunda-feira (18/5), localizados nas garagens da empresa, em Jacobina.
Rocío Matos pediu também a suspensão das atividades da empresa, impedindo a realização de qualquer transporte coletivo interestadual e intermunicipal para o município realizado pela Santo Amaro enquanto vigorar decreto estadual.
A decisão estabeleceu multa de R$ 100 mil em caso de descumprimento. Segundo o Governo da Bahia, 174 municípios estão com o transporte interrompido (CLIQUE E VEJA A LISTA).
Fonte: AratuOn

 

 

 

 

“Avisamos que só tinha criança na casa, mas mesmo assim tacaram granada e tiros, diz testemunha da morte de adolescente de 14 anos


Muito triste o que tem acontecido no país, referente a erros e, em muitos casos, falta de respeito mesmo, por vidas inocentes. aquela coisa de atirar primeiro para depois saber se acertou o alvo ou atirou na pessoa errada. Seria falta de treinamento ou pessoas erradas na Polícia? O pai desesperado grita: “Meu filho nunca tirou uma nota vermelha na escola, meu filho sempre me deu orgulho, sei que ele ia me dar mais orgulho e vem a polícia e faz isso”. Será que os policiais iam gostar de ver seu filho de 14 anos morto bestamente? Naturalmente que existem ótimos policiais espalhados pelo Brasil, mas a quantidade dos arbitrários foge da quantidade, digamos, aceitável. Isso tem contribuído com a violência no país.  Matéria a seguir depois da foto, veiculada no G1, veja vídeo aqui. Até aqui Café com Leite.

Adolescente de 14 anos é morto durante operação policial em São Gonçalo
Adolescente de 14 anos é morto durante operação policial em São Gonçalo

“A gente foi, deitou no chão, levantou a mão. Matheus começou a gritar que só tinha criança… Aí, eles tacaram duas granadas assim na porta da sala, que quem tava mais perto da porta era eu e João. Aí, eles deram muitos tiros nas janelas.”

Esse é o relato de um dos adolescentes que estavam na casa onde o menino João Pedro Mattos Pinto, de 14 anos, foi morto. João foi baleado na segunda-feira (18), durante uma operação da Polícia Federal com apoio da Polícia Civil no Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio.

O amigo de João ainda acrescentou:

“Assim, a gente saiu correndo pro quarto. Daí os policiais entraram, mandaram a gente deitar no chão e todo mundo calar a boca. As polícias deram tiro no Matheus enquanto ele levava João no carro pro helicóptero pegar ele.”

João Pedro Mattos Pinto, morto em operação em São Gonçalo — Foto: Reprodução/TV Globo

João Pedro Mattos Pinto, morto em operação em São Gonçalo — Foto: Reprodução/TV Globo

O corpo do menino foi enterrado na terça-feira (19), no Cemitério São Miguel, em meio a um protesto de amigos e parentes e aos gritos de “justiça”.

A operação terminou sem presos e destruiu uma família inteira.

Segundo a Polícia Civil, João Pedro foi atingido durante um confronto na comunidade enquanto policiais federais e civis atuavam na região. Ele morava na Praia da Luz, no bairro de Itaoca.

Imagens mostram a parede de um dos cômodos da casa atingida por disparos. O adolescente foi socorrido de helicóptero, mas não resistiu aos ferimentos.

João Pedro Mattos Pinto, morto em operação em São Gonçalo — Foto: Reprodução/TV Globo

João Pedro Mattos Pinto, morto em operação em São Gonçalo — Foto: Reprodução/TV Globo

‘A polícia chegou lá de uma maneira cruel’, diz pai do menino

pai do adolescente, Neilton Pinto, disse que estava trabalhando na hora que João Pedro foi baleado. Ele contou que a família estava sem notícias do adolescente até a manhã de terça-feira (19), quando foi informada sobre a morte. O filho, segundo ele, sonhava em se tornar advogado.

“Um jovem de 14 anos, um jovem com um futuro brilhante pela frente, que já sabia o que queria do seu futuro. Mas, infelizmente a polícia interrompeu o sonho do meu filho. A polícia chegou lá de uma maneira cruel, atirando, jogando granada, sem perguntar quem era. Se eles conhecessem a índole do meu filho, quem era meu filho, não faziam isso. Meu filho é um estudante, um servo de Deus. A vida dele era casa, igreja, escola e jogo no celular”, desabafou.

O que aconteceu com Regina Duarte? Ela está aceitando o “porão”


Bolsonaro informa que Regina Duarte sairá da Secretaria de Cultura e assumirá a Cinemateca em SP.

Certamente Regina Duarte está perdendo o carinho de muitos colegas de trabalho

 

Em vídeo postado no Twitter, (cedido pelo DCM) Bolsonaro demite Regina Duarte e joga a atriz no porão da Cultura – e ela aceita.

Na verdade, o que muita gente esperava de Regina Duarte era ela não aceitar a pasta de Secretária de Cultura, ou, voltando um pouco atrás, não ter apoiado Bolsonaro, uma vez que ele não valorizava as mulheres nas sua falas. Agora, indo mais adiante, quando o funcionário contratado por ela para lhe auxiliar na Cultura, foi demitido por Bolsonaro, para trazer de volta o que ela havia demitido ao tomar posse, mais uma vez o que esperava da atriz, era ela pedir demissão. Agora, com a sua demissão e o rebaixamento da sua função e ela aceitar, realmente o Brasil pergunta: “O que aconteceu com Regina Duarte”?

Confira o post e veja o vídeo.

Regina Duarte relatou que sente falta de sua família, mas para que ela possa continuar contribuindo com o Governo e a Cultura Brasileira assumirá, em alguns dias, a Cinemateca em SP. Nos próximos dias, durante a transição, será mostrado o trabalho já realizado nos últimos 60 dias