Lula pede que aliados intensifiquem conversas com PCdoB, PROS, PSB e PCO para eleição


 

 

De acordo à publicação no DCM, o Paulo Okamoto, presidente do Instituto Lula, e Márcio Macedo, vice-presidente do PT, foram os visitantes do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva desta quinta-feira (19) na Superintendência da Polícia Federal de Curitiba. Lula está há 103 dias detido no prédio enquanto aguarda que a Justiça avalie os recursos apresentados por sua defesa contra a ordem de prisão expedida pelo juiz de primeira instância Sérgio Moro.

Após a visita, Macedo se disse dividido: triste por ver Lula em um “momento duro de injustiça”, mas feliz por vê-lo determinado e focado em construir o plano de governo de sua candidatura a presidente.

“Ele [Lula] pediu que cuidássemos das alianças, para que intensificássemos as conversas com PCdoB, PROS, PSB e PCO, pois é importante que se mantenha um leque de alianças”, explicou. Macedo declarou ainda que a prioridade agora é cuidar do plano de governo e colocar a pré-campanha nas ruas, e completou: “a prisão do presidente Lula não aprisiona os direitos políticos dele”.

Paulo Okamotto disse que o ex-presidente sabe que a vigília mudou de lugar e está mais próxima do prédio da Polícia Federal. Ele ressaltou a importância da organização dos militantes no momento que o país atravessa.

“O que está em risco no Brasil é um projeto político dos partidos do campo democrático popular. Eles [a elite] estão dispostos a ir onde for necessário para evitar que esse projeto continue. Não é simples, requer muita mobilização, muita determinação, cada vez mais vamos ter que tomar consciência disso. Eles não estão de brincadeira”, declarou.

Lula no Sindicato dos Metalúrgicos
Error, no Ad ID set! Check your syntax!

Maracás: Marcos Fonseca disse que não se cansa de trabalhar pelo mais fraco


Vereador feliz de ter conseguido uma ambulância nova para servir o povo de Maracás

 

 

O vereador do PSL, da cidade de Maracás, Bahia, Marcos Silva da Fonseca, popular Marcão foi o que obteve a maior votação no município chegando a quase 1500 votos. Na época o que se falava pelas ruas da cidade era que foi uma votação justa, pois o Marcos trabalhou muito durante toda a sua campanha em benefício do povo. Após a vitória Marcão garantiu aos seus eleitores e a população de Maracás, que não iria decepcionar a ninguém, pois se ele trabalhou durante a campanha ia continuar depois de eleito.

Marcão com amigos na zona rural

 

Geralmente as pessoas costumam dizer que após eleitos, os políticos esquecem do povo, mas, pelo que se vê com Marcos Fonseca, essa conclusão não é generalizada. Atualmente ele não para de visitar a população tanto da sede quanto da zona rural, sobretudo os mais carentes, para saber o que as pessoas estão necessitadas, para então ele priorizar casos extremos e tentar solucionar ou amenizar cada problema. O vereador Marcos tem atuado em muitas áreas, mas a preocupação maior tem sido com a saúde do povo. Nesse sentido, ele vem atuando de forma sem trégua, pois, para ele, todos têm direito à uma atenção junto aos órgãos de saúde.

Recentemente Marcão conseguiu uma ambulância nova junto ao Governo do Estado através do deputado Bôbô, que tem ajudado muito a Maracás. Essa ambulância terá uma utilidade muito grande, uma vez que o município de Maracás está carente de melhorias no setor  da Saúde.

Marcos em um dos encontros com o  Sr. Carlos Martins, Secretário de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social do Estado da Bahia. Agora afastado para ser candidato a deputado federal

 

Mas em outros setores também o vereador Marcão tem atuado sem descanso, pois ele assegura que lutar pela melhoria de vida da população, principalmente por quem mais precisa, é uma meta na sua vida. Recentemente ele esteve no povoado de Caldeirão dos Mirandas onde disse que foi muito bem recebido. “Fiquei muito feliz com os moradores da região do Caldeirão. Um povo bom e amigo que pretendo ajudar através dos meus prestígios e conhecimentos nas secretarias em Salvador, onde agora mesmo, algumas famílias de lá já vão ser beneficiadas.  Marcos conseguiu também recentemente 60 cisternas para captação de água da chuva e já avisou que vai atrás de mais 100 unidades. ” A falta d’água hoje é um dos grandes problemas que as famílias vão ter que enfrentar, e até vir a água da Barragem Bandeira de Melo, no Rio Paraguaçu, precisamos lutar por cisternas e outros meios de levar o líquido precioso para quem precisa”, disse Marcos, lembrando ainda que no dia (11/07) ele fez uma visita à zona rural do município com Teôneo Lima e Anselmo Cardoso da Associação Divina Providência de Brumado, acompanhado também  de Antônio Freitas – Presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Maracás, que, diga-se de passagem, de acordo as palavras do vereador, ele vem realizando um grande trabalho junto ao sindicato.A visita foi para poderem identificar as famílias que realmente precisam dos beneficiários.

No dia (15/07)  o vereador esteve no povoado das Covas e de Caldeirão dos Mirandas a fim de identificar quais as necessidades dos moradores dessas regiões e quais famílias precisam com mais urgência das cisternas para captação de chuva que ele conseguiu através da Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social (SJDHDS). No giro pela localidade Marcos teve observando outros problemas além da carência de água, como falta de mata burros, casas degradadas, estradas ruins, dentre outras situações lamentáveis que carecem de atenção. “Fiquei triste diante desta realidade e não medirei esforços para solucionar, ou, ao menos, amenizar os problemas desses maracaenses”. ressaltou.

Vereador Marcão recebendo benefícios para o esporte

O vereador informou ainda que está chegando uma verba conseguida por ele, para o esporte. “Aqui se Deus quiser vai começar a ter grandes campeonatos locais e regionais, tanto de futebol de campo como de salão, mas também se estende para outras modalidades. Esse recurso será, basicamente, para materiais”, Quando questionado sobre essa responsabilidade de ser conhecido como o vereador que trabalha, ele disse que não se assusta, pois está preparado para trabalhar até o último dia de mandato como vereador, pois trabalhar pelo povo preciso é uma coisa muito gratificante para ele. “Eu passei a minha campanha toda trabalhando, sempre correndo atrás de benefícios, principalmente na área de Saúde, onde estava sempre tentando internar pessoas, transferências de setores em hospitais, na verdade eu não parava. Com a minha grande vitória, onde obtive quase 1500 votos, o meu dever é trabalhar e ajudar esse povo bom de Maracás, através de benefícios que consigo em Salvador, sempre através dos meus deputados que são Bôbô, que é estadual e Carlos Martins, ex-secretário que se afastou para se candidatar a deputado federal.

Vale lembrar que por várias vezes Marcão levou para Maracás a comissão para que as pessoas mais carentes de recurso pudessem tirar os seus documentos, onde centenas de pessoas foram beneficiadas.

No final da entrevista Marcos falou um pouco do seu pai como político, educador [conhecido como Professor Clóvis por várias décadas] e também como escritor. “O que aprendi como ser humano agradeço a ele”, disse.

 

Acesso regular de cineastas a presos indica que proibir Lula de gravar é censura


 

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. (Foto: Nelson Almeida/AFP)

 

Publicado na RBA

São Paulo – O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso na sede da Polícia Federal do Paraná desde abril, está impedido de ser entrevistado do cárcere. Mesmo sendo pré-candidato à Presidência, uma decisão da juíza Carolina Moura Lebbos, da 12ª Vara Federal de Curitiba, impede veículos de imprensa de sabatiná-lo, como fazem com outros pré-candidatos.

A magistrada alega que “não há previsão constitucional ou legal que embase direito do preso à concessão de entrevistas ou similares”. A RBA procurou profissionais que realizaram entrevistas em presídios e verificou que essa interpretação foge do padrão.

A decisão da juíza de Curitiba, de restringir o direito de Lula como pré-candidato, contradiz inclusive recentes decisões de diferentes instâncias da Justiça. Na terça-feira (17) uma decisão da presidenta do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministra Laurita Vaz, determina que penas restritivas de direitos devem esperar o trânsito em julgado em todas as instâncias, o que não aconteceu no caso de Lula.

Outra decisão, por intermédio da ministra Rosa Weber, vice-presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), negou, durante seu plantão, um pedido de antecipação de inelegibilidade do ex-presidente, feito pelo Movimento Brasil Livre (MBL).

Fantástico no presídio

Em texto veiculado hoje (19), Lula afirma, sobre a decisão da juíza: “Parece que não bastou me prender. Querem me calar”, o que remete à retórica do ex-presidente, enfatizada antes de ser preso: “Eu não sou mais um ser humano, sou uma ideia”.

O PT, em nota assinada pela presidenta da legenda, senadora Gleisi Hoffmann (PR), classificou a decisão de Carolina Lebbos como “teatro jurídico” e disse que a juíza “pode muito”, mas não decidir sobre nada em matéria eleitoral. “Este tema é de competência exclusiva da Justiça Eleitoral. A verdade é que se decidiu sem competência para tal e, o que é pior, em absoluto descompasso com a própria legislação eleitoral.”

O advogado Cristiano Zanin, da defesa de Lula, ao informar que recorreria da decisão, disse que a juíza “reforça violações a direitos e garantias fundamentais do ex-presidente”, no sentido de que a lei que vale para todos é diferente da que vale para ele.

Em outras situações, dentro da normalidade jurídica, é possível entrevistar presos após cumprir alguns procedimentos. O programa Fantástico, no domingo (15), gravou um especial na penitenciária de Tremembé, mostrando detalhes da instituição por dentro.

O documentarista Rodrigo Siqueira atesta as possibilidades. “Estou fazendo um filme inteiramente rodado dentro de prisões. As autorizações vieram sem problemas. Só tive de esclarecer o que ia fazer. Fiz uma abordagem inicial, apresentei a proposta. Comecei pela Secretaria de Assistência Penitenciária (SAP) e então pedi uma autorização judicial. Me pediram consentimento dos diretores gerais das unidades e, feito isso, a Justiça liberou”, relata.

Presos não políticos em cena

Siqueira, autor de longas como Orestes (2015) e Terra Deu, Terra Come (2010), está trabalhando em um projeto chamado 171 – Me Engana que Eu Gosto, que conta com cerca de 30 “personagens” que estão presos. “Filmei em três presídios de São Paulo, sendo um de segurança máxima, um Centro de Detenção Provisória (CDP) e uma penitenciária feminina. São três presídios com gestões diferentes e escalas de rigor diferentes”, observa.

“O fato é que filmei com presos condenados em crimes mais leves e outros mais graves. Todos em regime fechado. Falei com homicidas, traficantes, condenados por latrocínio, assalto a mão armada. Alguns cometeram crimes hediondos”, afirma.

O procedimento foi similar ao relatado pela documentarista Luíza Zaidan, que após um imprevisto no cronograma de filmagens precisou gravar de dentro do CDP de Pinheiros, em São Paulo. “Não era exatamente o nosso tema, mas acabamos gravando na cadeia. Uma personagem acabou sendo presa antes das filmagens e concluímos os trabalhos dentro do presídio.”

“O processo para entrar no CDP foi bastante simples. Conseguimos fazer em um tempo bem rápido. Como não tínhamos uma pauta muito relacionada com a cadeia, com a estrutura, foi bem rápido. Primeiro, o Tribunal de Justiça (TJ) entrou em contato com a juíza que cuidava do caso dela para conseguir uma autorização. Depois disso, entramos em contato com a SAP que consultou a personagem se ela queria ser filmada. Com isso, logo agendamos. Coisa de uma semana esse trâmite todo”, diz Luíza.

A personagem está presa há cerca de um mês. A produção está em processo de edição. O documentário curta-metragem se chama A Flor da Pedra e ainda não tem data para lançamento.

A cineasta Júlia Hannud encontrou, por sua vez, ambiente diferente dos demais. Ela se impressionou com a ausência de burocracia para concretizar o documentário intitulado Corpo e Muro, ainda não lançado. Júlia filmou no presídio feminino de Franca (SP). “Toquei a campainha e falei que tinha um projeto universitário e que queria apresentar ao responsável. Do outro lado, disseram que ele (o diretor da unidade) não tinha chegado ainda e que poderia esperar. Quando chegou, toquei em seu ombro, ele estava no telefone. Falei sobre o projeto e ele me chamou para entrar”, descreve a cineasta.

“Só eu entrei. Lá, fiquei três horas conversando com ele sobre o projeto. Trocamos uma ideia, ele falou sobre a experiência dele como delegado. Disse que se eu quisesse gravar, de acertar com as presas. Ele me deixou entrar e disse que se as meninas falassem para eu ir embora, eu teria de ir. Aceitei.”

Júlia estranhou não ter esbarrado em burocracia. “Chamei a equipe e entramos na parte principal do presídio sem os equipamentos. Veio uma presa nos receber na porta e eu comentei sobre o trabalho. Entramos, demos alguns passos e reparamos que não tinha nem um carcereiro com a gente. Achei estranho, mas tudo bem. Sentamos em roda dentro do pátio e se aproximaram umas 11 meninas para falar comigo.”

A documentarista admite que acredita que não seja sempre assim. Diz já ter conversado com outras pessoas que precisaram de autorização. Mas, em comum, todas conseguiram entrevistar os presos não políticos, sem censura.

Pelo mundo

Documentários com presos entrevistados e, até mesmo, com detalhes sobre o funcionamento das prisões não são exclusividades do Brasil. A vivência no ambiente de cárcere e a pluralidade de histórias encontradas nas celas são campo fértil para diferentes produções. É o caso da série Por Dentro das Prisões Mais Severas do Mundo, que teve sua segunda temporada lançada recentemente pela Netflix.

Nela, um jornalista da rede britânica BBC, que passou 12 anos preso injustamente, mostra o dia a dia de prisões em todo o mundo. O material apresenta prisões em países como Brasil, Honduras, Polônia, México, Filipinas, Ucrânia e Papua Nova Guiné. Com informações do Diário do Centro do Mundo.

Empresa de serviço ambiental chama atenção por contrato de R$ 76 mi com a Prefeitura


Apesar de se apresentar como uma empresa “de referência em prestação de serviços ambientais”, não foi através deste segmento que a instituição venceu uma licitação do Município

[Empresa de serviço ambiental chama atenção por contrato de R$ 76 mi com a Prefeitura ]

 

A relação entre a Prefeitura de Salvador e a Viverde Serviços Ambientais tem chamado a atenção. Apesar de se apresentar como uma empresa “de referência em prestação de serviços ambientais”, não foi através deste segmento que a instituição venceu uma licitação do Município com valor global de mais de R$ 76 milhões.

De acordo com publicação no Diário Oficial do Município de 16 de maio, a Viverde conseguiu um segundo aditivo no contrato para prestar serviço de “apoio administrativo aos diversos órgãos da administração direta e indireta do Município de Salvador por mais 12 meses” — o que trouxe mais mistério à história.

O responsável pela Viverde, Alcicleide Costa, confirmou que a questão ambiental estampada no nome da empresa deixou de ser o carro-chefe dos serviços, mas negou qualquer irregularidade do contrato.

“O que eu menos faço é o serviço ambiental”

De acordo com o responsável pela empresa, o contrato firmado com a gestão municipal prevê a locação de mão de obra para algumas das principais secretarias. “Para a prefeitura, temos um contrato de serviço de apoio operacional. Hoje, o que eu menos faço, é o serviço ambiental. Meus contratos são todos na área de mão de obra”, ressaltou.

Semge permanece calada

Questionada pelo Jornal da Metrópole, a Secretaria Municipal de Gestão (Semge) reafirmou o valor do contrato firmado e esclareceu que a Viverde atua há três anos nas secretarias municipais. “A empresa participou de Pregão Eletrônico”, explicou em nota. Com informação do Metrô1.

Saúde faz médico de 200 kg emagrecer 46 kg


Herico antes e depois - Fotos: arquivo pessoal

Herico antes e depois – Fotos: arquivo pessoal

O médico e músico Heriko Rocha, de 33 anos, chegou a pesar quase 200 quilos em agosto de 2017.

A chamada obesidade mórbida acendeu um sinal de alerta para a saúde do morador de Rio Branco, no Acre.

Ele conta que se cansava rápido, estava com respiração ofegante, pressão alta e açúcar no sangue.

“Não conseguia aproveitar os momentos de lazer ou viagens da forma que queria. Minha pressão arterial e glicose no sangue já estavam em níveis limítrofes, com alguns picos, então se continuasse assim seria questão de tempo pra eu me tornar hipertenso e diabético, já que tenho histórico familiar”, relembra.

Foi aí que ele resolveu mudar os hábitos alimentares e quase um ao depois, Heriko comemora 46,5 quilos eliminados.

De 182,5 kg, o músico passou para 136 kg. Agora ele quer perder mais 10 kg para sair da obesidade mórbida para depois estipular outras metas.

Ele conta que engordou por sentir prazer em comer e por ser sedentário, “preguiçoso”.

“A vida que estou levando hoje é 100% diferente da de 2 anos atrás. Você precisa ter foco e de ajuda pra sair da sua zona de conforto e mudar hábitos tão enraizados”, disse ao G1.

Como

O médico contou com apoio de profissionais como endocrinologista e nutricionista. Ele revela que usou algumas medicações, como inibidor de apetite.

Associado a isso, Heriko fez uma reeducação alimentar, reduzindo os carboidratos das refeições e incluindo a atividade física regular na rotina.

Rocha conta que os quilos a mais prejudicavam tanto a sua saúde, como muitas vezes a vida social.

Hoje ele diz ter disposição para fazer as tarefas do dia a dia e comemora:

“Ver roupas de anos atrás caberem também é muito bom, além de ter mais opções na hora de comprar. Meus níveis de pressão arterial e exames laboratoriais agora também estão todos dentro da normalidade”, completa. Com informações do G1.

Heriko Rocha - Fotos: arquivo pessoal

Heriko Rocha – Fotos: arquivo pessoal

 

 

 

Bebê que sobreviveu a queda do 2º andar recebe alta do hospital no ES


A mãe informou que, segundo os médicos, o menino está recuperado e não precisa retornar ao hospital sequer para passar por revisão

bebê de dois meses que caiu do segundo andar de uma casa em Cariacica, na Grande Vitória, teve alta do Hospital Infantil de Vitória, na manhã desta quinta-feira (19), e não vai precisar retornar nem sequer para revisão, segundo a mãe de Murilo, a jovem Larissa dos Santos, de 19 anos.

Aliviada, Larissa conversou com o G1 nesta manhã e, com o filho nos braços, disse que Murilo está recuperado.

“Vou tomar todo o cuidado do mundo”, disse a mãe.

Bebê que caiu do 2º andar ao receber alta em hospital de Vitória (Foto: Samy Ferreira/ TV Gazeta)

Bebê que caiu do 2º andar ao receber alta em hospital de Vitória (Foto: Samy Ferreira/ TV Gazeta)

Acidente

O acidente aconteceu na noite de segunda-feira (16). Murilo dos Santos Carlos estava no colo de uma prima de nove anos perto de uma janela.

Larissa disse que a sobrinha se desequilibrou com um movimento brusco da criança e deixou o primo cair. Uma planta amorteceu a queda no quintal do vizinho e o menino não se feriu gravemente.

Recuperação surpreendente

Segundo Larissa, médicos disseram que Murilo chegou ao hospital na segunda-feira (16) em estado grave. Até receber alta nesta quinta-feira (19), em pouco mais de três dias de internação, faz duas tomografias, uma transfusão de sangue e, para a mãe, teve uma recuperação surpreendente.

G1 não conseguiu conversar com os médicos e a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) nunca fala sobre o estado de saúde de pacientes na rede pública, em nenhum caso

Final feliz

“Agora, estou bem mais feliz e aliviada. Hoje, eu saí para dar uma entrevista e, quando estava voltando, minha amiga, que estava com meu filho, disse que ele ia para casa. A médica tinha falado ontem (quarta-feira) que ele ficaria mais três dias. Aí, hoje, teve alta”, falou a mãe.

Larissa ainda disse que ainda não voltou em casa desde que o filho foi internado, mas, assim que for, vai tomar providências para evitar novos problemas.

Doria escolhe deputado do DEM, que foi secretário de Alckmin, para pré-candidato a vice


Folha de S.Paulo informa que o ex-prefeito João Doria (PSDB-SP) escolheu o deputado federal Rodrigo Garcia (DEM) como vice de sua chapa ao governo de São Paulo. O anúncio oficial será feito nesta sexta-feira (20). O deputado Rodrigo Garcia é líder da legenda na Câmara e foi secretário de Habitação do governo de Geraldo Alckmin e entregou mais de 130 mil moradias no estado entre 2015 e 2018.

Segundo o jornal, em discurso em Miami nesta quarta-feira (18), Doria falou da sua capacidade de criar laços políticos com os partidos aliados, e da capilaridade de sua coligação. A “Acelera São Paulo” é a maior da campanha até o momento, com alianças com PSD, PRB, PTC, PP e DEM.

O evento para oficializar o nome de Garcia como vice terá a presença do presidente do DEM, ACM Neto, complementa a Folha.

 

Suplicy sobre renda básica: “fiquei feliz em ver Barack Obama em defesa dessa proposta”


Do Twitter de Eduardo Suplicy:

Mais da metade dos paulistanos são a favor do projeto de lei que garante uma renda básica para qualquer pessoa que more em São Paulo há pelo menos cinco anos. É gratificante ver a população reconhecendo essa ideia que venho defendendo há muitos anos.

Ontem, fiquei feliz em ver Barack Obama em defesa dessa proposta. Tenho esperança de que em breve mais e mais países adotarão a Renda Básica da Cidadania e isso vai passar pelo Brasil. Os dados são de pesquisa do Ibope, em parceria com a Rede Nossa SP.

O artigo de Lula é um grito contra aqueles que querem mandar na sua boca. Por Joaquim de Carvalho


Carolina Lebbos, ao lado de Thompson Flores: a missão é violenta demais para uma juíza sozinha

 

Um trecho do artigo do ex-presidente Lula publicado hoje na Folha de S. Paulo chama particularmente a atenção. O ex-presidente lembra o que disse Cármen Lúcia, no julgamento de uma ação movida pelas editoras de livros, em 2015: “Cala a boca já morreu”.

A hoje presidente do Supremo era relatora da ação que procurava declarar inconstitucional a exigência de autorização prévia para publicar biografias. Na leitura do voto a favor da liberdade de expressão, disse:

“Sem verbo, há o silêncio humano, às vezes desumano. Por isso, a Constituição do Brasil e todos os textos declaratórios de direitos fundamentais (…) garantem como núcleo duro da vivência humana a comunicação, que se faz especialmente pela palavra. O princípio era o verbo. No direito, o princípio e os fins definem-se em verbo. O sentido, o saber e o sabor da comunicação humana que conduz a sua história, de cada um e de todos, põem-se na palavra. Palavra liberdade e convivência para a libertação das pessoas e dos povos. Na ciranda de roda da minha infância, alguém ficava no centro gritando: ‘Cala a boca já morreu. Quem manda na minha boca sou eu’. O tempo ensinou-me que era só uma musiquinha, não uma realidade. Tentar calar o outro é uma constante. Mas, na vida, aprendi que quem por direito não é senhor do seu dizer não se pode dizer senhor de qualquer direito. Também aprendi que a vida conjuga-se no plural. A garantia de falar do outro, que me cumpre hoje, juíza, garantir, pode ter como conteúdo a minha própria vida”.

Quem pronunciou tais palavras tem, como ministra da corte constitucional, o dever moral de reverter a decisão da jovem juíza Carolina Lebbos, responsável pela execução da pena imposta a partir de condenação de Sergio Moro, seu vizinho no prédio da Justiça Federal em Curitiba.

Carolina colocou a rotina da Superintendência da PF em Curitiba como um bem maior ao direito de Lula se manifestar. Ao negar quatro pedidos de entrevistas — entre eles, o do DCM —, a juíza justificou que haveria “incremento de recursos logísticos e de segurança”, o que, na visão dela, “não se mostra juridicamente razoável”.

Ou seja, não bastasse perder o direito fundamental de ir e vir, com base uma condenação sem provas e sem trânsito em julgado, Lula perdeu também o direito à liberdade de manifestação. No despacho, a juíza argumenta que não. Seu direito à manifestação estaria garantido pelas visitas que recebe e pelas cartas que escreve.

Garantir a Lula o direito de escrever cartas faz da juíza uma magistrada que assegura um direito medieval. No século XXI, mais adequado seria que pudesse dar entrevista ocasionalmente, como acontecem com outros presos, e gravar vídeos como quem escreve cartas.

No caso da gravação dos vídeos, em termos de segurança para o presídio, seria quase a mesma coisa. Mas por que ela não permite?

Só Carolina Lebbos pode responder, mas, já que ela própria não dá entrevista, permite que se cogite algumas hipóteses. Não encontro outra explicação que não seja uma medida para calar Lula. Pois é óbvio que o vídeo tem muito mais impacto do que palavras escritas, e a imagem de Lula, com a fala, daria repercussão muito maior de tudo aquilo que Lula tem dito, seja por escrito ou por recados que manda através de quem o visita.

No artigo publicado hoje, Lula faz uma síntese das desgraças que se abateram sobre o Brasil, desde que “poderosos sem votos e sem ideias derrubaram uma presidente eleita, humilharam o país internacionalmente e me prenderam com uma condenação sem provas”. Entre os poderosos sem votos, estão, claro, juízes. É uma mensagem forte. Imagine-se o impacto dessas palavras se ditas em vídeo, forma de comunicação que Lula domina como poucos?

São verdades que doem, para as quais não há resposta convincente. Para quem tem poder sem voto, mais fácil do que responder é silenciar quem diz.

No artigo, Lula manifesta, corretamente, estranheza pelo fato de que quem deveria ser o primeiro a se levantar contra o “cala boca” não apenas se omite, mas aprova, como o Grupo Globo — talvez a primeira empresa de comunicação do planeta a apoiar a decisão de uma juíza que cassa o direito à liberdade de expressão, em nome da necessidade de preservar a rotina da PF.

É golpe. Não ficou claro? É golpe.

Medidas como esta se ajustam ao saque em curso hoje no Brasil. O Brasil está sob ataque e, para manter a rapina, prende-se a liderança que poderia resistir e restringe-se seu direito à expressão, como se faz com o inimigo, no caso aquele que quer defender o Brasil.

É uma violência institucional tão grande que Carolina Lebbos não tem dado conta sozinha.

Qual a outra razão para o presidente do Tribunal Regional Federal da 4a. Região, Thompson Flores, fazer uma visita de cortesia à juíza?

Magistrados de instâncias superiores costumam comparecer a gabinete de juiz do piso para correição. Mas, para visita de cortesia, como a realizada ontem, com direito a texto e foto no site oficial do tribunal, não é comum.

Nunca vi.

Carolina Lebbos é juíza substituta e caiu na mesa dela a batata quente de manter Lula calado, uma missão muito maior do que ela. Juiz tem independência e autonomia garantidas por lei, com direitos que o protegem, mas, para setores do Judiciário, a ofensiva a Lula tem sido própria de um time, uma equipe. Ou um batalhão.

No século XXI, não é fácil dizer na frente de todo mundo:

Cala a boca!

Haverá sempre alguém para responder:

“Cala a boca já morreu. Quem manda na minha boca sou eu.”

Quer dizer, menos Lula. Na boca dele, tem mandado Carolina Lebbos.

Mas esta age a mando de quem? Com informação do DCM.

Reunião em pé? Empresas adaptam espaços para tornar encontros mais produtivos


Seguindo modelos no exterior, companhias no Brasil têm buscado reduzir o tamanho de salas e abolir o uso de cadeiras para tentar reduzir o tempo das reuniões.Funcionários da empresa Reclame Aqui passaram a fazer reuniões sem cadeiras; tempo dos encontros caiu em torno de 70%. (Foto: Reclame Aqui/Divulgação)

Com a saúde debilitada, Tarcísio Meira se afasta de novela da Globo


Do Notícias da TV

 

Um dos grandes nomes da dramaturgia nacional, Tarcísio Meira teve de deixar Orgulho e Paixão, novela das seis da Globo. Seu personagem deveria ficar até o final para atrapalhar o romance entre os mocinhos Darcy (Thiago Lacerda) e Elisabeta (Nathalia Dill), mas foi precocemente substituído por uma vilã interpretada por Natália do Valle.

O ator de 82 anos se afastou da produção porque estava com a saúde debilitada por uma insistente infecção pulmonar que também afetou sua mulher, Glória Menezes.

(…)

Visivelmente debilitado, Meira saiu de cena chorando. Ele pediu à Globo para não divulgar que estava deixando definitivamente a novela nem o motivo de sua ausência. O segredo só foi revelado agora.

(…) Complicada a situação do Tarcísio Meira, não a doença em si, mas a questão de ter que se afastar da novela. Melhoras para ele e a esposa Glória.

Na geladeira da Globo por assédio, José Mayer implora para voltar à TV


 

Do TV Foco

 

José Mayer vai continuar afastado da televisão até segunda ordem da TV Globo. O ator viu sua carreira declinar após uma acusação de assédio por parte de uma das figurinistas do canal, que não levou o caso adiante e por isso ele não responde judicialmente.

 

 

O jornalista Leo Dias, do programa Fofocalizando, contou que o veterano vem passando uma fase conturbada em sua vida pessoal. Ele se deixou abater bastante por conta de toda polêmica e por isso teria ficado em depressão ao ver o fim da carreira.

O ator tem suplicado por uma nova chance para o diretor e autor Silvio de Abreu, o número 1 da teledramaturgia da emissora, mas até agora não conseguiu. José segue contratado e recebendo salário da Globo.

 

Cantor Eduardo Costa presta depoimento em delegacia de BH


EM. Estado de Minas. O cantor sertanejo Eduardo Costa foi levado para prestar depoimento na Delegacia de Fraudes da Polícia Civil, no Bairro Santa Efigênia, Região Centro Sul de Belo Horizonte, na tarde desta quarta-feira.

De acordo com informações do Ministério Público Federal (MPF), o cantor está sendo investigado pela Polícia Civil de Minas Gerais por suspeita de estelionato em uma negociação imobiliária.

Procurada pela reportagem, a Polícia Civil ainda não confirmou detalhes do depoimento. Às 17h30, o delegado responsável pelo caso dará uma entrevista à imprensa.

Aguarde mais informações

 

Aécio e Dória colhem o que plantaram


Cedo ou tarde o que é falso se desmancha.

Mesmo com toda a rede de proteção judicial que o envolve – e que, quando não o blinda, reduz os efeitos das flagrantes situações de irregularidades em que se envolve – Aécio Neves está, inapelavelmente, reduzido a nada.

O Globo publica hoje que ele desistiu de uma candidatura ao Senado na qual teria de se apresentar diretamente ao eleitor e que respingaria tragicamente sobre sua antiga criatura, Antonio Anastasia, já “empurrado” a candidatar-se a governador pelo desastre aecista.

Quem imaginaria, quatro anos atrás, que o “campeão moral” da eleição presidencial, que chegou a abrir suas champanhotas duante a apuração dos votos no segundo turno estivesse reduzido a isso?

Os farsantes, na política, têm o prazo de validade determinado.

Aécio Não é o único.

Em tempo mais curto e sem as gravações explícitas do mineiro, também João Doria Jr, em São Paulo, experimenta pisar as fronteiras do desprezo público.

Passaram-se menos de dois anos do triunfo histórico de ter sido o vencedor, pela primeira vez, das eleições paulistanas em 1° turno, consegue a “proeza” de estar em empate técnico com uma nulidade como Paulo Skaf, mesmo com a carga negativa que tem ser o candidato do “partido do Temer”.

Agora, depois de tantas traições a seu criador, Geraldo Alckmin, ninguém se espante que o “chuchu” dê a ele apenas o tratamento protocolar de candidato.

Aécio e Dória são dois farsantes que se atiraram de cabeça no golpismo eleitoral e, não por outra coisa, receberam doses generosas de simpatias fotográficas de Sérgio Moro.

Isto talvez seja a única atitude sincera de ambos: prestar reverência àquele que  os inspira. Tijolaço.

Cuba lança pacotes de internet móvel para metade da população


De Paulo Higa no Tecnoblog

A penetração de internet em Cuba é pequena: apenas 38,8% dos cidadãos acessam a rede e, mesmo assim, muitos apps de mensagens e redes sociais são bloqueados. Isso pode mudar no futuro: Cuba lançou, finalmente, pacotes de internet móvel. A conexão que Cuba lançar será oferecida pela ETECSA, operadora estatal que detém o monopólio do setor.

Cuba lançou serviços de internet no passado, mas eles sempre foram bastante restritos. Em 2013, por exemplo, Cuba lançou internet por Wi-Fi para a população, mas apenas em certos locais — somente profissionais como jornalistas, médicos e advogados podiam ter um roteador em casa, depois de pedirem uma autorização ao governo. E, antes disso, só era possível se conectar em hotéis, que recebem estrangeiros.

 

Agora, até cubanos poderão acessar a internet: o plano é que Cuba lance a conexão móvel para todos os seus 5 milhões de usuários de telefonia móvel até o final do ano — quase a metade dos 11,5 milhões de habitantes da ilha. Em um documento interno, segundo a Reuters, o governo informou que a meta era conectar metade dos domicílios cubanos e 60% dos celulares até 2020.

Café com Leite Notícias: Ainda na década de 70 pra 80, quando Fernando Moraes lançou o livro A Ilha, falava exatamente dos benefícios que têm que ser para todos. Foi quando aconteceu o maior mutirão da história da América do Sul e Central, em Cuba. Ali acabava a farra de se colecionar casas para viver de aluguel. Em lugar disto, foi lançada uma espécie de lei onde ninguém poderia ficar sem um teto pra viver dentro. Assim é a vida em Cuba. Se um pode o outro também pode, como vai acontecer agora com a internet.

Para a direita brasileira, à medida em que o pobre é ajudado, como por exemplo ter casa, como aconteceu a partir de 2002, com a chegada da esquerda, é como se tivesse chegado para governar o Brasil, um fora da lei. Qual lei? A lei de meia dúzia ser dono da metade das riquezas do país?

Bandeira de Cuba. Foto: Claudia Regina/Flickr/Creative Commons