Polícia divulga nome dos assassinos de Suzano


Por G1

Identidade dos assassinos é revelada: Guilherme Taucci Monteiro e Luiz Henrique de Castro

Identidade dos assassinos é revelada: Guilherme Taucci Monteiro e Luiz Henrique de Castro

A polícia divulgou os nomes dos assassinos que mataram 8 pessoas, sendo 4 adolescentes, na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano, na Região Metropolitana de São Paulo.

São eles: Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos, e Luiz Henrique de Castro, de 25 anos. Os dois cometeram suicídio em seguida. Castro completaria 26 anos no próximo sábado.

O ataque ocorreu por volta das 9h30 desta quarta-feira (13). Quatro dos mortos no local são alunos do ensino médio. Outros dois adolescentes foram socorridos, mas morreram no hospital. Duas das vítimas são funcionárias da escola.

Luiz Henrique de Castro (esquerda) e Guilherme Taucci Monteiro (direita), assassinos de Suzano — Foto: Arquivo pessoal

Luiz Henrique de Castro (esquerda) e Guilherme Taucci Monteiro (direita), assassinos de Suzano — Foto: Arquivo pessoal

Polícia já conversou com parentes dos dois assassinos de Suzano
Jornal Hoje
Polícia já conversou com parentes dos dois assassinos de Suzano

Polícia já conversou com parentes dos dois assassinos de Suzano

Resumo

  • Ataque a escola em Suzano, na Região Metropolitana de São Paulo, deixou oito pessoas mortas; os dois assassinos se mataram
  • As vítimas ainda não foram identificadas
  • Os autores do crime são Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos, e Henrique de Castro, de 25 anos
  • 23 pessoas foram levadas a hospitais. Entre elas, há feridos e outras que passaram mal após o ataque
  • Ainda não se sabe o motivo do ataque e o vínculo dos autores com a escola
  • Uma testemunha disse que viu um deles com arma de fogo e outro, com uma faca
  • A PM encontrou no local um revólver 38, uma besta (um artefato com arco e flecha), objetos que parecem ser coquetéis molotov e uma mala com fios
  • Antes de os autores do ataque entrarem na escola, um dos assassinos, Guilherme, baleou o próprio tio dentro de uma loja
  • Os assassinos chegaram à escola alvo do ataque em um carro alugado

Ataques

Os autores do crime chegaram à escola em um carro branco, que foi alugado por um dos assassinos. Eles entraram pela porta da escola, que estava aberta

“Eles ingressaram na escola, atiraram na coordenadora pedagógica, atiraram numa outra funcionária. Estava na hora do lanche, eles se dirigiram ao pátio, atiraram em mais quatro alunos do ensino médio. Nesse horário, só havia alunos do ensino médio, e [os autores do ataque] dirigiram-se ao centro de línguas. Os alunos do centro de línguas se fecharam na sala com a professora e eles [criminosos] se suicidaram no corredor”, disse o coronel Marcelo Salles, comandante-geral da PM.

O coronel Salles afirmou que, antes de entrar na escola, os criminosos balearam um homem em um lava-rápido próximo à escola. Mais tarde, a polícia confirmou que o homem, Jorge Antonio de Moraes, foi baleado pelo sobrinho, Guilherme Taucci, em seu escritório, dentro da loja de automóveis Jorginho Veículos.

Jorge foi levado ferido ao Hospital das Clínicas, onde era submetido a uma cirurgia.

A motivação do crime ainda é incerta. Segundo testemunhas, o tio teve uma discussão com o sobrinho um dia antes.

Imagens mostram carro usado pelos atiradores para o ataque a escola em Suzano
Jornal Hoje
Imagens mostram carro usado pelos criminosos para o ataque a escola em Suzano

Imagens mostram carro usado pelos criminosos para o ataque a escola em Suzano

Veja o trajeto feito pelos atiradores no massacre em Suzano (SP)
Jornal Hoje
Veja o trajeto feito pelos atiradores no massacre em Suzano (SP)

Veja o trajeto feito pelos atiradores no massacre em Suzano (SP)

Arsenal

Dentro da escola, a polícia encontrou um revólver 38, quatro jet luders, que são plástico para recarregamento de arma, uma besta (um tipo de arco e flecha que dispara na horizontal), um arco e flecha tradicional e garrafas que aparentam ser coquetéis molotov. Guilherme, um dos autores do ataque, tinha uma espécie de machado na cintura.

Há ainda uma mala com fios. O esquadrão antibombas foi chamado, mas a polícia ainda não informou se havia material explosivo no local.

Foto mostra corpo de um dos autores do massacre na escola Raul Brasil, de Suzano — Foto: Arquivo pessoalFoto mostra corpo de um dos autores do massacre na escola Raul Brasil, de Suzano — Foto: Arquivo pessoal

Foto mostra corpo de um dos autores do massacre na escola Raul Brasil, de Suzano — Foto: Arquivo pessoal

Mala deixada dentro da escola onde o massacre ocorreu, em Suzano; polícia investiga se assassinos deixaram explosivos — Foto: Arquivo pessoal

Mala deixada dentro da escola onde o massacre ocorreu, em Suzano; polícia investiga se assassinos deixaram explosivos — Foto: Arquivo pessoal

Arco e flecha encontrado na escola em que o massacre ocorreu — Foto: Arquivo pessoalArco e flecha encontrado na escola em que o massacre ocorreu — Foto: Arquivo pessoal

Arco e flecha encontrado na escola em que o massacre ocorreu — Foto: Arquivo pessoal

Garrafas que aparentam ser coquetéis molotov deixadas dentro da escola em que o massacre ocorreu — Foto: Arquivo pessoal

Garrafas que aparentam ser coquetéis molotov deixadas dentro da escola em que o massacre ocorreu — Foto: Arquivo pessoal

 

Error, no Ad ID set! Check your syntax!

Samuel diz que a maior virtude de um homem é a sua honestidade


Samuel com o Governador Rui Costa em uma das suas visitas à Maracás

 

Por Walter Salles: O empresário Samuel, proprietário do Supermercado Maracás, sempre que tem a oportunidade de bater um papo entre amigos ele sempre ressalta que uma das coisas que um homem tem que carregar dentro de si, é a honestidade. Para ele, isso seria um fator primordial para que o país e o mundo fosse muito diferente.

Como em qualquer assunto sempre vem logo a tal da política pelo meio, Samuel tem relatado nas suas conversas, que uma das coisas erradas é se gastar horrores de dinheiro para se ganhar uma política. “Nesse caso termina a política levando uma fatia grande do bolo que seria o recurso para ser aplicado em melhorias de vida da população’, comentou, acrescentando que fica muito triste em vê tanta corrupção, onde políticos grandes perderam o respeito e esqueceram o que há de melhor que é o bom caráter e os bons costumes.

Samuel no seu estabelecimento

 

Na verdade, Samuel está politicamente correto, só que, para tristeza dele e de uma grande quantidade de gente que dão valor ao bom caráter e à honestidade, aquela velha frase do poeta baiano que disse que estava perto de chegar o tempo em que as pessoas honestas iriam ter dificuldade para conviver com os demais, chegou, é hoje. Pasmem, mas um dia um cidadão que até então era visto como um cara de bem, disse que prefeito só presta se for ladão, pois ele rouba e divide com os amigos, os cabos eleitorais. Isso é muito triste.

 

VÍDEO: New York Times mostra fake news do governo dos EUA sobre incêndio em caminhão de ajuda humanitária na Venezuela


O New York Times fez o que a imprensa brasileira não faz quando se trata, entre outras coisas, da Venezuela.

Um vídeo mostra que um dos casos mais explorados pela mídia, o do ataque a caminhões com ajuda humanitária, não era o que parecia.

O governo americano — e, na sequencia, seu anão bolsonarista — afirmou que os coqueteis molotov partiram da polícia de Maduro.

Essa versão foi comprada pelo valor de face. Não batia com os fatos.

Fake news.

Na verdade, foi obra de opositores do governo venezuelano.

Mas, como gosta Guga Chacra, da GloboNews, mais importante que jornalismo é chamar Maduro de “cleptocrata, incompetente e palhaço”.  

 

 

 

Atirador invade escola e atira contra alunos e funcionária em Suzano


Um atirador entrou em uma escola na manhã desta quarta-feira (13), em Suzano, a 50 km de distância de São Paulo, e disparou contra estudantes e uma funcionária. Segundo informações iniciais da Record TV, ele teria atirado contra oito crianças e também contra a diretora da escola, que não resistiu.
Segundo a Polícia Militar, todo o efetivo da 1ª Companhia do 32º Batalhão de Suzano foi destacado para ir até o local. As equipes da Guarda Civil Metropolitana e do Samu foram enviados para a escola.
Muitas crianças se feriram e não resistiram aos ferimentos.
Fonte R7.

Bolsonaro, que queria Lula no SUS, pagará R$ 400 mil ao Einstein com dinheiro público


Jair Bolsonaro no Hospital Albert Einstein custará R$ 400 mil aos cofres públicos. Em discursos populistas, atual presidente já exigiu que Lula tratasse do seu câncer no SUS

Bolsonaro no Einstein
Bolsonaro no Einstein

Reinaldo Azevedo, em seu blog

Deus não me deu lá muita coisa que possa provocar inveja, eu sei. Mas ao menos uma: tenho uma das melhores memórias que conheço. De vez em quando, é chato. Para trabalhar, dada a minha profissão, é uma bênção.

Leio agora que as despesas decorrentes da cirurgia e internação do presidente Jair Bolsonarono Albert Einstein, um dos hospitais de ponta no Brasil, ficarão em R$ 400 mil. E assim será porque os médicos decidiram não cobrar honorários. Ou seria muito mais. Não se sabe ainda quem ressarciu ou vai ressarcir as despesas da primeira internação, quando ele era apenas deputado e candidato.

A conta de agora será paga pela Presidência da República. Valer dizer: por nós!

O tempo pode ser cruel para os que conservam a arte de ficar corados, não é mesmo? Não estou certo de que seja o caso de Bolsonaro.

Dilma, ainda candidata, e Lula, já ex-presidente, trataram de seus respectivos cânceres no Sírio-Libanês, que ombreia com Einstein na condição de “o hospital” de ponta no Brasil. À diferença do caso Bolsonaro, não houve despesas para o erário.

Os petistas, e eu conheço essa história melhor do que ninguém, me tratavam como o demônio da imprensa. Mas não leram em nenhum texto meu, à época, nem em um caso nem em outro, nenhuma censura ao fato de candidata e ex-presidente buscarem tratamento de ponta. Ao contrário: eu censurei quem saía vomitando na Internet que eles deveriam se tratar no SUS. Meu posicionamento foi claro: deveriam buscar o melhor que o dinheiro de que dispunham podia pagar.

Até porque sou experimentado nisso. Extraí dois tumores do crânio em 2006. No Einstein. Eu podia pagar. Fiquei duro. Parcelei. Mas paguei. Bem mais tarde, em dezembro de 2016, o Sírio-Libanês cuidou de um aneurisma no meu cérebro. Meu plano, pago com o meu dinheiro, cobria. Oh, leitor inimigo! Você tem o direito de dizer que, da minha cabeça, só saem coisas que não prestam. Quando menos, a piada é boa!

Mas eu falava de memória, que não foi afetada nem pelos tumores nem pelo aneurisma.

Em 2011, parlamentares dos mais variados matizes se solidarizaram com o então já ex-presidente Lula pelo câncer na laringe. Não houve, quase, exceção na expressão do desejo de que o petista se recuperasse. Eu disse “quase“. Houve, sim, uma exceção: Jair Bolsonaro.

Saiba mais: Pacientes de câncer no SUS comentam tratamento de Lula e desmascaram oportunistas

Ouvido a respeito, o então deputado não expressou solidariedade nenhuma e ainda esculhambou Lula, afirmando que ele deveria se tratar no SUS, não no Sírio-Libanês. E olhem que coisa: o petista não gastava dinheiro público para se tratar numa instituição de ponta.

Agora, ficamos sabendo que a Presidência da República é que vai pagar os R$ 400 mil ao Einstein — e a conta poderia ter sido bem maior não fossem as afinidades eletivas dos médicos, certo? — em razão da segunda internação de Bolsonaro.

Se eu fosse como o atual presidente da República acha que as pessoas devem ser e como ele é com os outros, poderia perguntar: “Por que não se tratou no Hospital do Exército? Afinal, se ele pode entregar parte considerável de um país de mais de 200 milhões de pessoas aos militares, por que não a sua vida honorável?” Nota: acho os militares a melhor parcela de um governo patético no conjunto.

Mas eu não sou bolsonarista. Na verdade, porquanto isso queira dizer um pensamento, uma leitura da realidade e um modo de estar no mundo, eu tenho é repulsa por aquilo que se mostra ou busca significar.

Bolsonaro fez bem em buscar tratamento de ponta, ainda que com o dinheiro público. Ele fez mal quando atacou Lula por se tratar no Sírio-Libanês. E aquela despesa não foi paga com dinheiro público.

Bolsonaro vive para se desmentir e para ver suas afirmações ser desmoralizadas pelos fatos. Mas não acho isso ruim. Ele falava e falava muita besteira. A história não tinha como lhe dar razão. Torço para que ponha fim às asneiras. Mas, tudo indica, isso não se dará tão cedo. Pragmatismo.

 

 

 

 

Revista Época: Só Notícia Boa mostra que há jornalismo sem tragédia


Rinaldo de Oliveira, criador do SNB - Foto: Premio CNBB/2017
Rinaldo de Oliveira, criador do SNB – Foto: Premio CNBB/2017

O Portal da Revista Época traz esta semana uma reportagem sobre o nosso portal e a manchete traduziu bem o trabalho que fazemos: “jornalismo sem tragédia”.

Agradecemos ao jornalista Matheus Rocha pela entrevista e pela publicação. Veja abaixo a primeira parte da matéria:

“Engana-se quem pensa que jornalismo é sinônimo de tragédia. Histórias inspiradoras e gestos de generosidade não só têm espaço na imprensa, como viraram um nicho bem-sucedido. Esse é o caso do portal Só Notícia Boa, que soma 2,2 milhões de acessos e tem mais de 150 mil curtidas no Facebook.

Criado pelo jornalista Rinaldo de Oliveira, o site nasceu após ele apresentar um telejornal em que a catástrofe só saía de cena para dar lugar à violência.

Como reação, Oliveira desenvolveu fortes dores de estômago que só passaram ao criar um pequeno blog com matérias positivas. Quando resolveu transformar o blog em portal, o nome do novo veículo lhe gerava dúvidas.

Mas um desabafo da filha, na época com 10 anos, ajudou na decisão. “Papai, o problema do seu programa é que tem só notícia de gente que morre, que mata, que maltrata criança e cachorrinho. Eu gosto só de notícia boa.”

A dúvida havia chegado ao fim. O blog deu origem, então, ao Só Notícia Boa, portal que está no ar desde 2011.

Em conversa com ÉPOCA, Oliveira disse que as pessoas não aguentam mais notícias ruins e lembra ter sido motivo de piada por colegas quando lançou o site”.

BOLSONARO E O MITO DA CAVERNA, Por Pedro Breier


No mito da caverna, alegoria clássica do filósofo Platão, um grupo de pessoas que está acorrentado em uma caverna só pode ver as sombras da realidade, as quais toma pela realidade em si.

Será que conseguimos perceber a realidade ou temos acesso apenas às suas sombras? Essa discussão atravessa a história do pensamento humano, até porque é essencial a este. Um exemplo relativamente recente é o do filme Matrix, que explora a mesma ideia – com mais efeitos especiais e batalhas sangrentas do que Platão, é claro.

Todos temos as nossas certezas quanto à realidade, diante das quais é uma postura sábia lembrarmo-nos destas reflexões sobre os limites do saber humano. A dúvida permanente é uma grande aliada se quisermos ver além das sombras.

Pois o tamanho do drama que o Brasil vive pode ser medido pelo tamanho das certezas que tem nosso atual presidente. Bolsonaro leva a crença nas ilusões ao paroxismo.

A começar por seu guru intelectual, o dublê de filósofo Olavo de Carvalho. Olavo constrói sua realidade paralela – na qual tudo que não se alinha à extrema-direita lunática está impregnado com o tal “marxismo cultural” – com vídeos e posts furibundos há uns bons anos. Seu séquito de seguidores, antes uma piada de internet, agora está incrustado em áreas sensíveis do poder central.

O presidente é um dos integrantes do séquito. Olavo tem razão e nada pode convencer Bolsonaro de que a sombra não é a realidade. O presidente acredita estar tirando o Brasil de um horripilante período socialista e diz amém para qualquer arroubo online do seu guru. A última foi demitir a ala mais sensata do MEC porque esta foi para cima dos olavetes que tiveram a brilhante ideia de mandar cartas para as escolas do país todo solicitando que as crianças, dentre outros absurdos, recitassem o slogan de campanha de Bolsonaro.

Esse tipo de maluquice, assim como as peripécias pornocarnavelscas do presidente, não agradam os militares, que querem apenas seu generoso naco de poder e que sua aposentadoria siga intocável. Seguramente não agrada também o mercado, os bancos e a mídia, que querem estabilidade para aprovar logo as reformas antipovo.

Entretanto, o presidente tem outras certezas que podem ser ainda mais perniciosas do que as teorias olavianas.

Suas convicções sobre o que é um cidadão “de bem”, por exemplo. Bolsonaro acha que apoiar publicamente as milícias – organizações criminosas que costumam ter entre seus integrantes pessoas ligadas ao próprio aparato repressor do Estado – é algo digno de um cidadão “de bem”.
Certamente não vê nada de mais no fato de seu filho Flávio empregar, no seu gabinete, a mãe e a esposa de um miliciano foragido, por exemplo. As milícias, na lógica do presidente, são baluartes da luta contra a criminalidade. Se cometem brutais assassinatos e acabam virando organizações criminosas idênticas às que alegam combater – ou piores, dadas as conexões dos seus membros com o poder, paciência.

As ligações do presidente e da sua família com milicianos suspeitos ou condenados por bárbaros crimes são muitas e de tipos variados: familiares, profissionais, político-ideológicas… O PM reformado acusado de matar Marielle Franco, preso hoje, mora, vejam vocês, no mesmo condomínio do presidente. Mas Bolsonaro pensa que ele e seus filhos são todos cidadãos “de bem”.

Um presidente da República cheio das certezas já é um problema. Quando as certezas são tacanhas como essas, é uma tragédia.

Há também a hipótese de que Bolsonaro tenha plena consciência do caráter brutalmente criminoso das milícias. Outra hipótese – a qual não exclui a primeira – é que as intrincadas e abundantes ligações suas e de seus filhos com milicianos (mal) escondam coisas mais pesadas ainda. Uma terceira hipótese – a qual não exclui as duas anteriores – é que o presidente acredite que na guerra contra um tipo específico de criminoso (preto e pobre) e contra os vagabundos da esquerda, vale tudo.

Nesse caso, a ilusão de Bolsonaro é supor que alguém tão rasteiro como ele próprio esteja à altura de comandar um país.

No mito da caverna, um dos prisioneiros consegue se libertar. Ao sair para a luz, percebe que o que via quando estava acorrentado eram apenas as sombras da realidade. Ao voltar à caverna para contar aos outros, é ridicularizado. Sendo as únicas coisas que os prisioneiros conheciam, as sombras eram a realidade e ponto final.

Cedo ou tarde, o Brasil terá que libertar-se das correntes e sair da caverna. O presidente e sua turma seguirão olhando para as sombras.

PEDRO BREIER

Pedro Breier, colunista d’O Cafezinho, é formado em direito mas gosta mesmo é de jornalismo. Nasceu no Rio Grande do Sul e hoje vive em São Paulo.

 


LAVA JATO RECUA E PEDE SUSPENSÃO DE FUNDAÇÃO PRIVADA QUE RECEBERIA DINHEIRO DA PETROBRÁS


Após forte reação da sociedade civil organizada, os procuradores da operação Lava Jato decidiram pedir a suspensão da criação de uma fundação privada que seria responsável por gerir recursos de R$ 2,5 bilhões provenientes da Petrobrás, em acordo firmado com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos.

Em nota, o órgão afirmou que “diante do debate social existente sobre o destino dos recursos, a força-tarefa está em diálogo com outros órgãos na busca de soluções ou alternativas que eventualmente se mostrem mais favoráveis para assegurar que os valores sejam usufruídos pela sociedade brasileira.”

“A força-tarefa da Lava Jato no MPF/PR informa que vem mantendo tratativas com a Advocacia-Geral da União e a Petrobras e optou por propor, ao juízo que homologou o acordo, a suspensão dos procedimentos para constituição da fundação que daria uma destinação de interesse público para os recursos depositados em conta judicial”, diz o texto do MPF.

Juízes, advogados e ministros do Supremo Tribunal Federal manifestaram, em declarações e por meio de decisões judiciais, preocupação com a criação do fundo e fizeram críticas à ideia do MPF.

A princípio, a ideia do fundo, que foi aprovado pela juíza Gabriela Hardt, da 13ª Vara Federal de Curitiba, era repassar metade de um valor de R$ 2,5 bilhões para uma fundação privada, com objetivos ainda pouco claros. A outra metade será utilizada em eventuais ressarcimentos que a Petrobras tenha de fazer a acionistas que se sentiram lesados e entraram com processos até outubro de 2017. 247.

Acusado de matar Marielle admitiu que sabia que seria preso ​ ​


Do Buzzfeed News:

A promotora do Ministério Público do Rio de Janeiro Letícia Petris, uma das investigadoras da morte da vereadora Marielle Franco (PSOL) e de seu motorista Anderson Gomes, afirmou nesta terça-feira (12) que o sargento reformado da PM Ronnie Lessa confirmou, na hora de sua prisão, que fora alertado de uma operação policial para prendê-lo.

Lessa foi preso na saída de sua casa por volta das 4h30 desta terça. Ele mora no condomínio Vivendas da Barra, diante do mar da Barra da Tijuca, mesmo condomínio de alto padrão do presidente Jair Bolsonaro (PSL). Ele estava com três celulares em modo avião e foi detido já fora de casa.

Em entrevista coletiva, o Ministério Público confirmou que teve de antecipar a operação policial porque houve vazamento de informações para os investigados. Eles estavam sendo monitorados bem de perto porque as promotoras temiam que eles fugissem.

Lutador de MMA ‘treina’ com jacaré na Flórida


Por: Agência Amirt 

O lutador de MMA Conor McGregor, de 30 anos, recentemente foi visto “treinando” com um aligátor (jacaré americano) em espaço montado em uma praia na Flórida (EUA).

McGregor no 'cage' com o crocodilo Foto: Reprodução/Instagram(thenotoriousmma)

McGregor no ‘cage’ com o crocodilo Foto: Reprodução/Instagram(thenotoriousmma)

De férias nos EUA com a família, o lutador aceitou o desafio e chegou até a segurar a cauda do animal. Durante o período de descanso, o irlandês também participou de uma caçada a jacarés em pântano do estado americano.

McGregor segura a cauda do Jacaré no ringue de areia Foto: Reprodução/Instagram(thenotoriousmma)

Foto: Reprodução/Instagram(thenotoriousmma)

Vale lembrar que McGregor está cumprindo afastamento obrigatório de seis meses após a luta em que foi derrotado pelo russo Khabib Nurmagomedov, em outubro do ano passado.

McGregor coleciona diversas polêmicas fora do octógono e um bom desempenho dentro dele.  No mês passado, ele elogiou o povo brasileiro e disse que tem vontade de lutar no país e, que até, já havia recebido convites. Do lado de cá, o lutador José Aldo alfinetou o irlandês, dizendo que se ele viesse ao Brasil, desta vez, o resultado com certeza seria diferente. Ele se referiu a luta que McGregor o venceu. Aldo também falou que se o irlandês realmente recebeu o convite, não era para lutar com ele, já que não soube desta informação.

McGregor sai da prisão em limusine 

Nessa segunda-feira (11), o lutador foi detido por atropelar e roubar o celular de um fã enquanto ela tentava o fotografar, em Miami Beach. McGregor teria pisoteado o celular várias vezes.  O lutador ficou preso no Centro de Correção Turner Guilford Knighte,  pagou fiança estipulada em US$ 12 mil (cerca de R$ 46 mil) e saiu da cadeira em uma limusine preta.

 

 

 

 

Morre Eurico Miranda, polêmico presidente do Vasco, aos 74 anos


Ex-presidente do Vasco da Gama, Eurico Miranda morreu nesta terça-feira
Ex-presidente do Vasco da Gama, Eurico Miranda morreu nesta terça-feira Foto: Marcelo Sadio

Morreu nesta terça-feira, por volta das 11h, no Hospital Vitória, na Barra da Tijuca, um dos mais importantes e controversos dirigentes do futebol brasileiro. Eurico Miranda, ex-presidente do Vasco, faleceu vítima de complicações devido a um câncer no cérebro, aos 74 anos. Polêmico, provocador e colecionador de frases de efeito, desafetos e admiradores, deixa a esposa Sylvia, os filhos Eurico Brandão, Álvaro Miranda, Mário Ângelo Miranda e Sylvia Miranda, e oito netos.

Ainda não há informações quanto ao enterro do atual presidente do Conselho de Beneméritos do Vasco. Há dez anos, ele lutava contra tumores em outras partes do corpo, o que ocasionou alguns períodos de afastamento dele durante seu último mandato como presidente do Cruz-Maltino, entre 2015 e 2017. Por ocasião de uma homenagem aos 120 anos do clube, esteve na Assembleia Legislativa do Estado do Rio, numa aparição pública que revelou a saúde debilitada. Mesmo com dificuldades de locomoção, seguiu frequentando São Januário e participando ativamente da vida política do clube até novembro.

Eurico Miranda foi presidente do Vasco em dois períodos, de 2001 a 2008 e de 2014 a 2017. Na posição mais importante do clube, foi tricampeão carioca, em 2003, 2015 e 2016. Seu auge como dirigente foi na vice-presidência de futebol da gestão Antônio Soares Calçada, entre 1986 e 2000. No período, o Vasco conquistou seis campeonatos estaduais, um Torneio Rio-São Paulo, três Brasileiros, uma Copa Mercosul e o título mais importante da história do clube – a Libertadores de 1998, ano do centenário vascaíno.

Na carona dos resultados obtidos como vice-presidente, Eurico se elegeu deputado federal pelo Rio nas eleições de 1994 e 1998. Por sua atuação como vice-presidente e presidente do Vasco, foi um dos alvos da Comissão Parlamentar de Inquérito instaurada em Brasília para apurar irregularidades no futebol brasileiro, em 2001. Ao final do processo, a cassação de seu mandato como deputado federal não foi aprovada, e ele pôde cumpri-lo até o fim e nunca mais conseguiu se reeleger.

Eurico Miranda teve participação importante em alguns dos principais episódios do futebol brasileiro nas últimas três décadas, como a criação do Clube dos 13, as discussões a respeito do fim da lei do passe e as viradas de mesa que se repetiram na Série A no fim dos anos 90.

No Vasco, deixou como legado algumas das contratações mais emblemáticas do clube, como o retorno de Roberto Dinamite em 1980, quando o atacante ameaçava se transferir para o Flamengo, e a compra de Bebeto, atacante que defendia o arquirrival rubro-negro e foi um dos responsáveis pela conquista do título brasileiro de 1989.

Por outro lado, seus opositores em São Januário sempre acusaram Eurico de ser o principal responsável pelo acelerado endividamento do clube a partir do fim dos anos 1990. As dificuldades financeiras que o Vasco atravessa desde então tiveram como consequências a escassez de conquistas de expressão e três rebaixamentos para a Série B, dois deles com a participação direta de Eurico, em 2008 e 2015. Além disso, os processos eleitorais dentro do clube foram marcados por intensa hostilidade contra seus opositores e acusações de fraude envolvendo sócios fantasmas.

Durante suas gestões, o Vasco teve relação beligerante com a imprensa, o que culminou em diversos momentos na proibição de determinados veículos e jornalistas de participarem da cobertura diária. Esses problemas ajudaram a minar sua popularidade e a desgastar a imagem do Cruz-Maltino.

Na eleição do Vasco de 2017, ele tentou a reeleição para presidente, mas sua chapa foi derrotada pela união da oposição. Ainda assim, depois que a Justiça apurou que houve irregularidades na entrada de sócios durante sua gestão. Eurico Miranda ainda participou da articulação que culminou com a eleição de Alexandre Campello e a derrota de Julio Brant, até então considerado o favorito para assumir o clube. Eleito presidente do Conselho de Beneméritos, concentrou seus esforços em 2018 na aprovação das contas de seu último ano de gestão como presidente administrativo.

 

 

Em clima de ‘toma lá, dá cá’, Bolsonaro indica vice-líderes no Congresso


 

Resultado de imagem para foto do congresso nacional

 

 

De acordo ao blog do Esmael, em clima de toma lá, dá cá, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) indicou os vice-líderes da base governista no Congresso Nacional. A formalização das indicações está no Diário Oficial da União (DOU) desta terça-feira (12).

As indicações buscam assegurar uma base de apoio para a aprovação da “reforma” da Previdência, principal projeto do governo Bolsonaro. No Senado, foram indicados os senadores Marcio Bittar (MDB-AC) e Sérgio Petecão (PSD-AC). Na Cãmara, os deputados Claudio Cajado (PP-BA), Celso Russomanno (PRB-SP), José Rocha (PR-BA), Marco Feliciano (Pode-SP), Rogério Peninha Mendonça (MDB-SC), Pedro Lupion (DEM-PR) e Bia Kicis (PSL-DF).

Ao mesmo tempo, o governo anuncia a liberação de R$ 1,5 bilhão para as emendas dos parlamentares.

Câmara dos Deputados pode atuar para derrubar ‘fundação’ bilionária da Lava Jato


Resultado de imagem para foto da camara dos deputados em brasilia

 

A Câmara dos Deputados pode atuar institucionalmente para derrubar o acordo que procuradores da Lava Jato fecharam com a Petrobras para administrar um fundo de R$ 2,5 bilhões. Além do PSOL e do PT, outros partidos já estão consultando seus próprios advogados sobre o tema. Informa a coluna da jornalista Mônica Bergamo.

O entendimento das legendas que defendem a atuação formal do parlamento é o de que a Lava Jato tenta criar um “estado paralelo” ao escolher as entidades que administrariam a fortuna. Os recursos, por essa visão, são públicos e deveriam ir para a União. Já a sua destinação final teria que passar pelo Congresso, que aprova o orçamento.

O procurador Deltan Dallagnol diz que estão sendo espalhadas “fake news” sobre o acordo. Segundo ele, os recursos devem ser revertidos para “toda a sociedade brasileira”: ela é que teria sido lesada pela corrupção — e não a União. Fonte Blog do Esmael.

Irmãos de 84 e 86 anos são resgatados em meio a vermes, entulhos, com pouca comida e remédios vencidos em MT


Por G1 MT

André Rodrigues da Silva. — Foto: TJ-MT/Assessoria

André Rodrigues da Silva. — Foto: TJ-MT/Assessoria

Dois idosos, de 84 e 86 anos, foram resgatados após serem encontrados vivendo em condições totalmente degradantes, passando fome, sem medicamentos, em meio a parasitas, entulhos e matagal, isolados no Vale Abençoado, vilarejo do município de Santo Antônio de Leverger, a 35 km de Cuiabá.

Eles foram encontrados por profissionais do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas) durante o programa “Ribeirinho Cidadão”.

Os irmãos André Rodrigues da Silva e Abílio Rodrigues da Silva estavam morando sozinhos no local há mais de 20 anos.

Nos últimos anos, com a idade avançada, as funções rotineiras se tornaram muito dificultosas, pois ambos possuem catarata em estágio avançado, de modo que a visão é muito limitada. André não consegue ficar ereto por patologias graves na coluna enquanto Abílio também tem problemas auditivos e ambos são hipertensos.

 Abílio Rodrigues da Silva — Foto: TJ-MT/Assessoria

Abílio Rodrigues da Silva — Foto: TJ-MT/Assessoria

A coordenadora do Creas, Carla Ito, recebeu a denúncia e foi até o local.

Quando ela chegou ao casebre onde os idosos moravam, se assustou com a situação. Ela conta que só havia arroz, feijão e açúcar para comer, um dos colchões estava cheio de vermes, a casa toda tinha mau cheiro, os dois estavam sem tomar banho há meses e havia vários medicamentos vencidos.

Imediatamente, a coordenadora mobilizou a equipe do projeto, que tomou todas as medidas possíveis para auxiliá-los. Abílio e André foram levados até o local onde estavam sendo realizados os atendimentos no Vale Abençoado, no dia 24 de fevereiro, passaram por avaliação médica, receberam medicamentos, tiveram seus documentos checados, bem como os benefícios da aposentadoria – que, de acordo com informações preliminares, estavam sendo sacados por familiares sem o repasse devido aos idosos.

A equipe do Creas esteve novamente na residência dos idosos no dia 27 de fevereiro para elaborar o relatório psicossocial, a fim de subsidiar os próximos trâmites legais que serão feitos pelo Ministério Público Estadual.

O Projeto Ribeirinho Cidadão é desenvolvido pelo Poder Judiciário do Estado de Mato Grosso junto com a Defensoria Pública e demais parceiros para levar dignidade, justiça e serviços de saúde à população ribeirinha do baixo pantanal. Este ano o projeto foi realizado entre os dias 4 e 25 de fevereiro.

O homem cujo sangue ficou branco de tanta gordura


Por BBC

O sangue do paciente tinha uma "cor leitosa" — Foto: American College of Physicians

O sangue do paciente tinha uma “cor leitosa” — Foto: American College of Physicians

O doutor Philipp Köhler, especialista em medicina de emergência, disse que nunca tinha visto um caso como este.

Köhler trabalha no Hospital Universitário de Colônia, na Alemanha, onde um paciente chegou sentindo náuseas, vômito e dor de cabeça.

Além disso, seu estado de alerta diminuía aos poucos.

O homem, de 39 anos cuja identidade não foi revelada, sofre de diabetes, mas nos dias anteriores à ida ao hospital não tinha tomado seus remédios de uso contínuo.

De acordo com o relato do caso, publicado nesta semana na revista “Annals of Internal Medicine”, o homem foi submetido imediatamente a um tratamento intensivo, onde os testes revelaram que seu sangue tinha “síndrome de hiperviscosidade devido ao nível extremamente alto de triglicérides”.

Uma das coisas que mais chamou a atenção dos médicos foi a cor do sangue do paciente.

“Inicialmente, o tom era mais claro que o sangue venoso escuro normal”, diz Köhler. “Parecia mais sangue arterial, mas com um brilho branco.”

“Após a sedimentação, uma parte branca se separou do sangue saudável, que permaneceu na parte inferior (do recipiente).”

Köhler disse ao site Live Science que o sangue adquiriu uma “cor leitosa”.

Os triglicérides são um tipo de gordura que vem de alimentos como a manteiga e óleos, embora níveis elevados possam ter outras causas, como doenças genéticas, obesidade, uso de drogas ou álcool e cigarro em excesso.

Tratamento alternativo

Em casos como este, os médicos usam uma máquina para retirar a gordura do sangue e, assim, reduzir sua viscosidade.

No entanto, a situação deste paciente era tão extrema que os filtros para sugar a gordura entupiram diversas vezes.

Os médicos tiveram de agir rapidamente para remover o excesso de gordura, restaurar o pH do sangue e, assim, estabilizar o paciente.

“Tivemos de procurar alternativas”, disse Köhler à BBC Mundo.

Assim, ao ver que o procedimento padrão falhou, Köhler e sua equipe recorreram à flebotomia, isto é, extrair o sangue e substituí-lo por sangue de um doador.

“Não tivemos escolha”, diz Köhler. “Precisávamos levar o paciente a um estado em que os procedimentos padrão para remover os lipídios do sangue fossem novamente possíveis”.

A técnica funcionou e eles conseguiram baixar os níveis de triglicérides do paciente.

“Até onde sabemos, este é o primeiro caso de hipertrigliceridemia severa que precisou de flebotomia para salvar o paciente depois que o procedimento padrão falhou”, diz Köhler.

Combinação de fatores

View image on Twitter

O médico contou à BBC News Mundo que o homem agora não tem “sintomas residuais”, teve alta e recebe atendimento ambulatorial.

De acordo com a hipótese de Köhler, os altos níveis de gordura no sangue do paciente foram causados ​​por uma combinação de resistência à insulina, obesidade, dieta inadequada e diabetes que não foi tratada adequadamente.