(73) 9 8893-3888

Garotinho dispara bala de prata contra máfia globeleza (O Cafezinho)


Torcida da última rodada do Atlético Mineiro no Brasileirão fez protesto contra a Globo

Sugiro aos internautas estudarem esses documentos com atenção, porque, pelo jeito, teremos que fazer o trabalho que o Ministério Público, a Polícia Federal e a Justiça brasileira não fazem. Enquanto esses órgãos torram milhões de reais prendendo professores e reitores inocentes, ou investigando pedalinhos de alumínio em sítios, a Globo, empresa mais corrupta do país, tenta atravessar impune por mais uma processo em que é acusada dos mais variados crimes.

 

Clique no azul  e veja os documentos no blog do Garotinho

A prova definitiva contra a Globo

Vejam documentos do Tribunal do Brooklyn no processo do Fifagate

Até há pouco tempo eu mesmo cheguei a duvidar se conseguiriam pegar Ricardo Teixeira, Marco Polo Del Nero, Marcelo Campos Pinto e os irmãos Marinho. Mas com o desespero que tomou conta dos advogados de José Maria Marin, após sua condenação, não há mais dúvida. Cairão um por um dos dirigentes das confederações sul-americanas, inclusive alguns ex-presidentes, entre eles o mais “notável” e esperto, Ricardo Teixeira, ex-presidente da CBF, além de atingir a própria cúpula da FIFA. A investigação chegou na seguinte situação:

Garotinho está irado contra a Globo

 

Marin para não pagar a conta sozinho começou a acusar Del Nero, que por sua vez está entregando Ricardo Teixeira, que por sua vez está entregando seus antigos companheiros de longa data dos esquemas de propina que envolveram dirigentes de vários países do mundo.

Agora com a delação de J. Hawilla e Alejandro Burzaco, mostrando o caminho do dinheiro até as contas da T&T e de Júlio Grondona, ex-presidente da Associação de Futebol Argentina, é hora da Globo parar de mentir.

Nas reportagens que faz sobre o Fifagate, onde só para garantir o direito de exclusividade na transmissão das copas de 2026 e 2030, mais torneios sul-americanos, a Globo está pagando propina de R$ 50 milhões, é hora de parar com o cinismo de dizer que a empresa “não sabia de nada.”

Está tudo lá bem explicadinho nos documentos do Tribunal do Brooklyn (Nova Iorque): “Os direitos foram transmitidos à TeleGlobo no Brasil. Para isso a T&T Netherland recolheria da TeleGlobo e usaria parte dos fundos para pagar subornos”. Essa é só uma das acusações de Alejandro Burzaco. Ele afirma ainda que os preços dos direitos de transmissão foram colocados abaixo do valor real de mercado, para que houvesse espaço para propina. O depoimento dele somado ao de Marin, junto com os documentos enviados pela Promotoria da Suíça são arrasadores para a Globo. Está bem detalhado como Ricardo Texeira, José Maria Marin e Marco Polo Del Nero receberam milhões pela transmissão de jogos da seleção brasileira, da Copa do Mundo, da Copa América e outros eventos. Só na Copa América de 2015, Teixeira, Marin e Del Nero receberam R$ 10 milhões.

Se os investigadores entrarem no trabalho feito pela Promotoria da Suíça vão chegar em João Havelange, aliás considerado o “pai da propina”. O promotor suíço que investigou Teixeira e Havelange encontrou as empresas pelas quais os dois cartolas receberam milhões de dólares ao longo de pelo menos 20 anos. Como explica bem o promotor suíço, e agora confirmado pelas investigações americanas, não existe propina recebida sem pagador. Claro que Marcelo Campos Pinto, ex-diretor de Esporte da Globo, nunca comprou direitos de transmissão para si nem muito menos usando o próprio dinheiro. A Globo agora está lascada. O próximo caminho da Justiça dos Estados Unidos é fazer o que a Suíça infelizmente não fez. Lá a FIFA, sob o comando de Joseph Blatter, escalou um batalhão de advogados para defender Ricardo Teixeira, e ele deve pagar apenas uma multa de US$ 2,5 milhões. Já a Justiça americana deve indiciá-lo juntamente com Marco Polo Del Nero e mais uma gama de dirigentes esportivos. O indiciamento está muito próximo, e já prevendo que sua pena será longa, já que diversos delatores estão envolvendo seu nome e de seu ex-sogro João Havelange, Teixeira sabe que só escapará se fizer o que J. Hawilla fez, delatar e pagar uma multa bilionária. É bom lembrar que J. Hawilla, o ex-sócio da Globo está pagando uma multa de R$ 500 milhões para cumprir prisão domiciliar nos Estados Unidos. Dinheiro nunca foi problema para Ricardo Teixeira. Suas fazendas, apartamentos em Paris, mansão na Flórida e outros bens garantirão o cumprimento das obrigações que virão da Justiça americana.

A delação é que está deixando-o numa encruzilhada. Ele terá que entregar décadas de negociatas de bastidores com a família Marinho, iniciadas quando a Globo ganhou de João Havelange os direitos de transmissão da Copa do Mundo da Argentina de 1978, portanto há 40 anos atrás. Resta saber se a Justiça brasileira fará alguma coisa, ou ficará assistindo de camarote a Justiça americana mostrar a vergonha ocorrida durante décadas, que destruiu o futebol brasileiro. É bom lembrar que a Copa do Mundo foi o escândalo que todos nós sabemos. Até hoje o Brasil, especialmente o Rio paga a conta da farra que consumiu bilhões de reais. Como castigo terminou no vexaminoso 7 a 1 da Alemanha. É importante ressaltar que o julgamento nos Estado Unidos está sendo conduzido pelos departamentos de Justiça e do Tesouro, por meio do FBI, e revela crimes de extorsão, organização mafiosa, fraudes financeiras e lavagem de dinheiro. A juíza do caso, Pamela Schen, não está livrando a cara da Fox Sports americana, da Televisa mexicana, da MediaPro, da Espanha, por que livraria a cara da Globo?

Nos depoimentos as afirmações contra a Globo são contundentes e não há escapatória para a empresa que só na última Copa do Mundo, enquanto governos estaduais e o governo federal ficaram mergulhados em dívidas, no caso do Rio sacrificando até salários de servidores, recebeu mais de R$ 2,853 bilhões em patrocínios, além de vergonhosos R$ 30 milhões, doados pelo Governo do Rio e Prefeitura do Rio, leia-se Sérgio Cabral e Eduardo Paes, para transmissão do sorteio dos grupos da competição, realizado na Marina da Glória. A Globo detém 57% das ações da Geo Eventos, e a RBS, sua afiliada no sul, outros 35%, ou seja 92% da Geo Eventos, que ficou com grande parte da grana da Copa também foi parar na mão da Globo.

Não tem desculpa. Assim como a quadrilha liderada há 40 anos por João Havelange, que teve como sucessor Ricardo Teixeira, a Globo é propineira, e quem diz isso não é um juiz de primeira instância, mas investigações independentes feitas fora do Brasil, porque em terras brasileiras juízes decidem como numa escabrosa sentença onde o magistrado ao mandar trancar um processo que investiga a CBF termina com a seguinte pérola: “O que importa é que o futebol é a nossa paixão e agora somos penta”. Acreditem, mas é verdade, está tudo nos anais da Justiça do Rio. Matéria do Cafezinho.

 

Error, no Ad ID set! Check your syntax!

Um bate papo com o grande comunicador e poeta Domingão da Tribu’s FM


Numa conversa pra lá de agradável entre Walter Salles, editor do jornal e Blog Café com Leite e o grande Domingão, que é uma das vozes fortes da rádio difusão em nível de  Brasil, mas que atua na Tribu’s FM de Maracás, muitos assuntos foram abordados. Para quem não sabe, Domingão é apenas um apelido colocado pelo saudoso Albérico Cunha, mas na verdade mesmo, o nome completo deste profissional da comunicação é Domingos Sávio Santana de Souza. Outra curiosidade que muita gente não sabe, é que se trata de um grande poeta e sonetista. Só para se ter uma ideia, Domingão já contabiliza mais de uma centena de poesias, as quais ele tem evitado divulgar, principalmente pelas redes sociais e o Jornal Café com Leite, para não serem vistas antes do livro que ele está preparando para em breve ser lançado. Esse livro vai chegar recheado de poesias e sonetos, que, pelo fato de a nossa reportagem ter tido acesso a algumas dessas poesias, acreditem que se trata de trabalhos de qualidade, diga-se de passagem.

Poeta, Comunicador e Sonetista Domingão disse que ama a  Tribu’s FM. “foi aqui que tudo começou”!

 

Durante o bate-papo, que terminou se transformando numa entrevista, o poeta e comunicador demonstrou que está por dentro do mundo da comunicação e comunicadores. Tendo o Fausto Silva como o seu ídolo e ícone da comunicação, em poucas palavras o Sávio Santana fez um apanhado da trajetória do Faustão, onde lembrou que o apresentador global iniciou a sua carreira como repórter esportivo, na Jovem Pan e depois outras rádios, que foram citadas, depois televisão até ficar famoso no programa Perdidos na Noite da BAND. Domingão lembrou durante entrevista, de outros grandes programas e apresentadores, onde alguns ele, com os seus 28 anos de vida, nem chegou a conhecer, como foi o caso do Chacrinha, que foi padrinho de muitos artistas da época; o Clube do Bolinha, que também alegrava os domingos da galera; o Flavio Cavalcante e tantos outros  que fizeram parte dos assunto da área de comunicação e comunicadores.

Mas não foi só os grandes nomes da TV que foram falados como grandes profissionais. Os comunicadores da Tribu’s FM, da cidade de Maracás também foram citados pelo Domingão como profissionais de ponta. Dentre eles estão o saudoso Albérico Cunha, Nicolau, Lauro de Jesus, Jasso Silva Matos e muitos outros que fazem parte desta família maracaense de comunicadores. Apesar de estar todo começo de tarde comandando a rádio maracaense e mandando alô pros ouvintes, o poeta disse que queria através do Café com Leite Notícias, deixar um abraço para todos os ouvintes e que todos tenham muita paz em seus lares neste ano que se inicia.

Número de mortes em acidentes nas rodovias brasileiras cai em 30% no natal


O número de mortes em acidentes nas rodovias federais no feriado de Natal caiu 30% na comparação com o mesmo período de 2016.

Este ano, foram 79 mortes, contra 113 no ano passado, segundo balanço divulgado no dia 26, pela Polícia Rodoviária Federal (PRF).

O órgão registrou 1.352 acidentes em rodovias federais de 22 a 25 de dezembro, com 1.320 feridos. Do total de registros, 252 foram acidentes graves, quando resultam em, pelo menos, um óbito ou um ferido gravemente.

Durante o feriado de Natal, a PRF flagrou 3.539 motoristas realizando ultrapassagens irregulares e 34.487 dirigindo com excesso de velocidade em rodovias federais de todo o Brasil. Além disso, 627 motoristas foram multados por dirigir após ingerir bebida alcoólica e 1.418 foram flagrados sem cinto de segurança.

Entre os motociclistas, 232 foram multados por pilotar sem capacete. E 278 motoristas foram flagrados transportando crianças sem a cadeirinha.

Ao todo, 33.133 pessoas e 32.630 veículos foram fiscalizados no feriado de Natal e 19.358 testes de bafômetro foram aplicados.

Operação de fim de ano e férias

A ação de fiscalização da PRF faz parte da Operação Rodovida, iniciada na sexta-feira (22). Criada em 2011, a operação é comandada pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública, por meio da PRF, com apoio da Presidência da República, Casa Civil e dos ministérios das Cidades, da Saúde e dos Transportes.Segundo o porta-voz da operação, o policial Diego Fernandes Brandão, apesar da queda no total de mortes, os acidentes fatais poderiam ser evitados, porque são resultado principalmente de excesso de velocidade, ultrapassagens indevidas, consumo de álcool ao dirigir, falta de equipamentos de segurança e de falta de atenção. “São condutas evitáveis. A gente tem um rol muito grande de mortes que poderiam ser evitadas com mudança de atitude”.A Operação Rodovida continuará até o dia 18 de fevereiro. “Seguirá no fim de ano, durante as férias escolares e até o Carnaval, períodos com fluxo mais intenso nas estradas”, disse o porta-voz da PRF.

O que se espera é que essa queda que teve em comparação a 2016, continue ainda maior ou até zerar, o que não é impossível, pois 99% dos acidentes que acontecem é por falha do condutor. Vamos tomar consciência para que a volta do passeio seja só de alegria e com a mesma quantidade de pessoas que saíram das suas casas para pegar a estrada.

 

 

 

Governo Temer tenta reduzir delações da Lava Jato furando acordos de leniência


Foto UOL Notícias
O governo Michel Temer deu um jeito de “estancar a sangria” e reduzir as delações na Lava Jato: começou a cobrar multas exorbitantes nos acordos de leniência, a ponto de quebrar as empresas que têm interesse na negociação com as autoridades brasileiras, numa tentativa de contornar o impacto das investigações sobre seus aliados políticos. É o que diz a Folha desta quarta (3).
A estratégia do governo refletiu no volume de recursos arrecadados com multas. Em 2016, foram R$ 8 bilhões levantadas em acordos de leniência. Em 2017, o número caiu drásticamente para R$ 839 milhões – um recuo de 90%.
Ao jornal, os advogados Celso Vilardi e Sebastião Tojal, que atuaram em cinco acordos de leniência, disseram que a culpa é do governo que “enfraqueceu os acordos de leniência: propôs multas tão altas que quebrariam as empresas e obrigou-as a negociar com uma série de órgãos públicos, que competem entre si.”
“Com o governo Temer, a empresa que fez acordo enfrenta mais dificuldade para sobreviver do que aquelas que não fizeram”, disse Vilardi. “O PMDB [atual MDB] passou uma mensagem muito clara: fechar acordo é uma fria para a empresa”.
Sebastião Tojal disse que já não recomenda que seus clientes façam acordo com o governo. “Os empresários me perguntam: por que vou entregar uma série de maus feitos, pagar uma multa elevadíssima se a minha sobrevivência não está garantida? Indiretamente, a redução dos acordos é uma forma de barrar as investigações”.
Além dos procuradores, quando há fraudes em contratos públicos e licitações, a CGU (Controladoria-Geral da União) e o TCU (Tribunal de Contas da União) podem propor o acordo de leniência. Quando há crime de cartel, contra a ordem econômica e contra as normas do mercado financeiro e de capitais, o Cade (Conselho de Defesa Econômica), o Banco Central e a CVM (Comissão de Valores Mobiliários) também entram nas negociações.
O procurador Carlos Fernando dos Santos Lima defendeu na Folha um “balcão único” para negociar leniência. Ele diz que os órgãos do governo sofrem interferência política com o intuito de dificultar a aproximação de empresas com a Lava Jato.

Professor da UERJ afirma que não há provas contra Lula


 

Para o jurista Afrânio Silva Jardim, não há nenhuma prova de ato ilícito contra o ex-presidente e, por isso, o TRF-4 tem o dever de absolvê-lo.

por Solange do Espírito Santo, especial para a CUT

Juristas de todo o Brasil têm intensificado manifestações sobre o viés político da condenação do ex-presidente Lula, cujo julgamento em segunda instância do recurso contra condenação do juiz Sérgio Moro, está marcado para o próximo dia 24 no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), em Porto Alegre (RS).

Nesta terça-feira (2), o professor de Direito Processual Penal da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Afrânio Silva Jardim, voltou a questionar a postura do juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba.

Segundo ele “Lula foi condenado por receber o que não recebeu e por lavagem de dinheiro que não lhe foi dado”.

Para o jurista, pode-se afirmar, sem medo de errar, que o ex-presidente Lula não está tendo um processo penal justo e foi condenado de forma absolutamente injusta.

“Já o tinham eleito como criminoso, agora acham que encontraram os seus crimes. Fatos públicos já demonstraram que o magistrado [Sérgio Moro] não reúne as condições de imparcialidade para processar o ex-presidente Lula”, destaca.

O professor da UERJ desmonta os argumentos de Moro, que condenou o ex-presidente a nove anos e meio no no caso do apartamento tríplex no Guarujá. “No processo, pelo que se depreende da leitura da longa sentença, não há nenhuma prova de conduta do ex-presidente Lula que o torne partícipe da realização dos contratos ilícitos firmados pela Petrobras e a OAS ou qualquer outra sociedade empresarial”, afirma Silva Jardim, lembrando que, no direito brasileiro, só é proprietário quem tem a escritura pública rgistrada junto à matrícula do imóvel no registro geral de imóveis (RGI).

“Note-se, ainda, que o imóvel ainda hoje consta no RGI em nome da OAS e esta empresa, como proprietária, teria dado o referido imóvel em garantia real de dívidas que contraiu no sistema financeiro”, avalia o jurista.

“Além disso, se o imóvel fosse do casal, estaria elencado no inventário de Dona Marisa e partilhado entre seus herdeiros, respeitada a meação do ex-presidente Lula”, assinala ainda.

Em outro artigo, publicado no site Empório do Direito e no Consultor Jurídico (Conjur), o professor lança um desafio aos procuradores da República sobre a competência da 13ª Vara Federal de Curitiba em julgar o caso do apartamento no Guarujá que, com base nos preceitos do Código do Direito Penal (CDP), deveria estar na Justiça Estadual de São Paulo: “O juiz Sérgio Moro não diz, não explica, não demonstra. Ele apenas assevera que os processos contra o ex-presidente Lula são de sua competência. Meras afirmações, genéricas e abstratas”.

Neste texto, com base no CDP e na Constituição, Afrânio desmonta a tese de Moro e do Ministério Público Federal para processar e condenar Lula: “Verifica-se que o ex-presidente Lula não está sendo julgado por um órgão jurisdicional competente. Na realidade, o juiz Sergio Moro escolheu o seu réu e, com o auxílio entusiasta do Ministério Público Federal, foi buscar um determinado contexto insólito para ‘pinçar’ acusações contra o seu ‘queridinho réu’.

Por isso, muito antes da sentença condenatória, todos sabiam que o ex-presidente Lula seria condenado por seu algoz!”

Diante de toda a inconsistência do processo e do viés político da condenação, Afrânio Silva Jardim espera que o TRF-4 faça prevalecer a justiça: “O tribunal de segundo grau deve absolver o melhor presidente da República de toda a história deste país, mas a história não absolverá os seus acusadores”.

Eleição sem Lula é fraude

Na semana passada, em entrevista ao Portal da CUT, o ex-ministro da Justiça Eugênio Aragão também apontou a motivação política para a condenação de Lula e mostrou a total inconsistência da sentença proferida por Sérgio Moro. Para ele, Moro e o Ministério Público Federal não querem provar nada, mas condenar Lula para tirá-lo da disputa eleitoral (leia aqui).

A CUT e as entidades do movimento social estão organizando uma grande manifestação em Porto Alegre no próximo dia 24, em defesa do direito da candidatura de Lula nas eleições deste ano. A atividade contará com caravanas de todo o Brasil e será precedida de uma série de atos públicos em dezenas de cidades.

“Vamos ocupar Porto Alegre e realizar manifestações em todo o país para demonstrar o nosso apoio ao companheiro Lula, contra o linchamento político ao qual foi submetido pela Justiça, em conluio com a elite econômica. Para nós, o que está em jogo é a democracia e o direito do povo escolher nas urnas quem quer para o comando do país. Eleição sem Lula é fraude”,  ressalta Sérgio Nobre, secretário-geral da CUT. fonte GGN.

Garotinho disse ter provas de propina da Globo e que vai publicá-las


 O ex-governador Anthony Garotinho anunciou em seu blog que está retomando a vida de jornalista lançando uma série de reportagens que vão expôr o que batizou de PGP (Padrão Globo de Propina).
Garotinho disse possuir cópias do “depoimento de J. Hawilla, que gerou o FIFA Gate, que já levou para a cadeia o ex-presidente da CBF, José Maria Marin, e promete levar outros dirigentes da entidade que comanda o futebol brasileiro e de outras federações, confederações e da própria FIFA.”
Garotinho prometeu postar diariamente informações que revelam “não só o conteúdo da delação de J. Hawilla, mas também de outros dirigentes que já estão indiciados e/ou presos nos Estados Unidos.”
No primeiro texto, ele explica as relações comerciais de Hawilla com a família Marinho e dá um “aperitivo” da delação.
“(…) se os advogados que estão orientando a família Marinho tiverem juízo é melhor reconhecer o pagamento de propina, como já fizeram outros grupos de comunicação, do que ficar com essa conversa fiada no Jornal Nacional, dizendo que investigações internas nunca detectaram nenhuma irregularidade, nenhum pagamento de propina, e que a Globo não concorda com pagamento de propina”, recomendou.
Do Blog do Garotinho
Não quero me antecipar aos fatos, mas os acontecimentos dos próximos dias mostrarão que eu tenho razão no que venho afirmando sobre a eleição de 2016 em Campos, e a formação de uma aliança política, midiática e jurídica para influenciar aquele resultado eleitoral. Aguardemos os próximos capítulos. Como sempre a verdade prevalecerá. Muitas máscaras cairão e, apesar de ter sofrido durante o ano que está terminando muitas covardias e perseguições, vão ver no final muita gente repetir um velho bordão: “Garotinho tinha razão”.
Mas o assunto que quero tratar hoje retomando a vida de jornalista é sobre o que passarei a chamar a partir de agora de PGP (Padrão Globo de Propina).
Conforme vocês sabem, numa dessa covardias contra mim foram ilegalmente sequestrados oito pen drives, cujo registro da ocorrência foi feito na Delegacia da Polícia Federal de Campos, como comunicado ao Ministério Público Federal na cidade. Embora até hoje eles não tenham aparecido, consegui recuperar parte do conteúdo deles.
Em um dos pen drives está o depoimento de J. Hawilla, que gerou o FIFA Gate, que já levou para a cadeia o ex-presidente da CBF, José Maria Marin, e promete levar outros dirigentes da entidade que comanda o futebol brasileiro e de outras federações, confederações e da própria FIFA.
Como essa é uma longa história faremos diariamente postagens revelando não só o conteúdo da delação de J. Hawilla, mas também de outros dirigentes que já estão indiciados e/ou presos nos Estados Unidos.
Capítulo 1: O desespero da família Marinho
Para situar o leitor sobre quem é J. Hawilla e suas ligações com o grupo Globo, e a importância do esquema mundial envolvendo eventos esportivos é importante saber que em 2003, o empresário fundou a TV Tem, uma cadeia de emissoras de televisão, afiliadas da Rede Globo no interior de São Paulo. Cobre 318 municípios, alcançando em termos de público 49% do interior paulista. J. Hawilla também, em 2009, junto com a família Marinho, comprou o jornal Diário de S. Paulo. O empresário também tem uma produtora chamada TV 7, que produz os programas Auto Esporte, Pequenas Empresas e Grandes Negócios, entre outros, todos exibidos pela Globo. Mas o grande negócio da vida de J. Hawilla é a Traffic Entertinements e Marketing. Foi através dessa empresa que ele se tornou a ponte de propina paga pelo Grupo Globo aos dirigentes da FIFA, da CBF, da CONCACAF (América Central) e outras entidades do futebol mundial. Sua ligação com a Globo é tão grande que a TV Tem de São José do Rio Preto, sua cidade natal, tem como sócio Paulo Daudt Marinho, filho de João Roberto Marinho, um dos três filhos que herdaram o império de Roberto Marinho. O próprio João Roberto é sócio de dois filhos de J. Hawilla, Stefano e Renata, na TV Tem de Sorocaba.
Os crimes cometidos por J. Hawilla nos Estados Unidos são: extorsão, lavagem de dinheiro, conspiração por fraude eletrônica e obstrução à Justiça. A Promotoria de Justiça o acusa de ter intermediado subornos. Ele admitiu os crimes e para não ir para a cadeia delatou quem recebia propinas, e pagou meio bilhão de reais de multa aos Estados Unidos.
O tiro de morte na Globo será dado por Ricardo Teixeira. Por enquanto seu nome está na lista de investigados do Departamento de Justiça dos Estados Unidos. Quando ele for indiciado a situação se complicará de maneira definitiva para as Organizações Globo.
J. Hawilla contou que seu primeiro esquema foi feito há 26 anos. O então presidente da Confederação Sul-Americana de Futebol, o paraguaio Nicolas León, lhe pediu propina para assinar um contrato de direitos comerciais da Copa América. J. Hawilla pagou. Depois desse contrato, incluindo as edições da Copa América de 93, 95 e 97, Hawilla disse aos investigadores americanos que a propina virou o próprio negócio da Traffic. Disse ainda que o ex-presidente da Associação de Futebol da Argentina, Júlio Grondona recebia propina, assim como Ricardo Teixeira.
Vamos reproduzir uma pequeno trecho do interrogatório onde o promotor Samuel Nitze lhe faz as perguntas:
Nitze: Você concordou em fazer pagamentos de propina para Ricardo Teixeira?
Hawilla: Sim.
Nitze: E como você fez para o dinheiro chegar até ele?
Hawilla: Foi uma combinação que foi feita para que a seleção brasileira jogasse com seus principais jogadores, a mesma combinação que foi feita com Júlio Grondona.
Nitze: Quero saber qual o mecanismo que o senhor usou para transferir dinheiro para Ricardo Teixeira.
Hawilla: Fazia pagamentos para doleiros. Comecei com um, depois vários doleiros.
Nitze: Que quantias o senhor pagou a Ricardo Teixeira em relação à Copa América?
Hawilla: A primeira vez foi US$ 1 milhão, depois US$ 1,2 milhão, a outra foi US$ 1,5 milhão, depois 2, 2 e meio e acho que a última foi US$ 3 milhões. Eu vou entregar toda a documentação da minha empresa. Lá tem tudo detalhado, quanto foi por ano, e quem recebeu.
Em outro momento ele cita o presidente afastado da CBF, Marco Polo Del Nero. Na documentação entregue por J. Hawilla fica difícil da Globo escapar. As iniciais MCP estão sempre à frente dos valores relacionados à propina paga aos dirigentes. A sigla MCP vem a ser Marcelo Campos Pinto, o todo-poderoso homem do esporte da Globo até dezembro do ano passado, quando estourou o FIFA GATE.
O PGP (Padrão Globo de Propina) está todo detalhado em três depoimentos. Além da documentação de J. Hawilla, a testemunha de acusação que virou delator, o argentino Alejandro Burzaco, disse que a TV Globo pagou US$ 15 milhões a Júlio Grondona, já para adquirir os direitos de transmissão das Copas de 2026 e 2030. Burzaco colocou a Globo ao lado da mexicana Televisa, que pagou a mesma quantia.
O caso é tão escabroso, que a americana Fox e argentina Full Play e a Media Pro, da Espanha, já querem reconhecer o pagamento de propina para fechar um acordo e evitar a prisão de seus dirigentes. A empresa de Burzaco, que de testemunha de acusação virou réu, a TORNEOS Y COMPETENCIAS fechou um acordo de colaboração com os promotores do caso. Ele está em prisão domiciliar em Nova Iorque há dois anos, e fez um acordo de leniência com a Justiça dos Estados Unidos comprometendo-se a pagar US$ 112 milhões de multa.
Ainda nos depoimentos, tanto Burzaco como J. Hawilla afirmam que Marcelo Campos Pinto (Globo) encontrou-se com Del Nero e Marin, quando acertaram com a benção do ex-diretor da Globo US$ 2 milhões de propina para serem divididos entre Ricardo Teixeira, Marin e Del Nero.
Por hoje é só um aperitivo, mas se os advogados que estão orientando a família Marinho tiverem juízo é melhor reconhecer o pagamento de propina, como já fizeram outros grupos de comunicação, do que ficar com essa conversa fiada no Jornal Nacional, dizendo que investigações internas nunca detectaram nenhuma irregularidade, nenhum pagamento de propina, e que a Globo não concorda com pagamento de propina.
Nós que escrevemos parte das matérias do Café com Leite Notícias, digital e impresso, temos falado que, apesar do ditado popular que diz que “a corda sempre quebra do lado mais fraco”, queremos dizer que há sim uma coerência, mas do ponto de vista do que as pessoas vejam como mais fraco. Muitas vezes a arrogância e a forma perversa de determinadas pessoas agirem, termina se transformando num fraco, mesmo achando que é forte. Entrando no jogo de que a aparência está certa e que o forte é o que grita alto e faz acontecer, matando pessoas e a sua própria consciência, só para não ficar aqui batendo boca com o leitor, que aceita ser manipulado e diz bem assim: “pra mim se a minha TV pegar a Globo não precisa de outros canais não. Pra que”? Quando se ouve isso de alguém, percebe-se como de fato essa emissora é perversa e quão é forte o mal que ela produz.
Bom, já que muita acha que a Globo é forte, o Temer é forte, o Judiciário brasileiro tá forte, o Moro é forte, o Aécio é forte e muitos outros “fortes” que existem, então o que podemos dizer é que a corda dessa vez vai arrebentar-se do lado mais forte. Quem viver verá.

Triste retrospectiva 2017 em vários aspectos no Brasil, por Walter Salles


 

Por Walter Salles- Cafecomleitenotícias.

Assim como o clima no nordeste brasileiro, que em pleno mês de dezembro, que é quem dá o ponta-pé inicial para o verão brasileiro, não se sabe se vai amanhecer nublado, ou frio, ou, talvez até venha a ser um dia quente, assim é com as maracutaias que se ouve e vê na ala política brasileira, principalmente vinda lá das bandas de Brasília. Hoje o brasileiro está se sentindo órfã, no sentido de não se sentir cuidado, ou, ao menos, representado pelos políticos que ficam lá na capital federal usufruindo das mordomias oferecidas pelos brasileiros. Pois é. Apesar da mídia grande, que é a televisiva, ter se fechado para atender às exigências, não imposta pelo povo, pois esse, em grande parte, não sabe do que se trata, mas sim as exigências naturais de um povo e um país que possa sonhar com dias melhores. São tantas as críticas e gritos que estão entalados nas gargantas, veias e nas mentes dos que pensam, que precisaria de muitas laudas para escrever tudo, mas podemos resumir alguma coisa. Recentemente foi aprovado pelos nobres deputados que “representam o povo”,  a reforma trabalhista, onde, com palavras bonitas, parecendo que estava sendo democrático, o presidente Temer dizia que “é preciso haver a livre negociação entre patrão e empregado, para que ambos entrem em entendimento”. Os primeiros resultados dessa liberação, que parece mais uma “libertinação”, é que muitos patrões e prefeituras, que também são patroas, não pagaram o décimo terceiro salário do servidor. Em muitos casos, prefeituras ainda estão com os salários do mês de  novembro sem pagar aos servidores, imaginem o décimo, como aconteceu com a prefeitura da cidade de Remanso, extremos norte da Bahia e outras. Aqui na região se falam em Lajedo do Tabocal que se perdeu e não está mais conseguindo colocar a “máquina no trilho”. Cadê o respeito à Lei de Responsabilidade Fiscal, que por muito tempo imperou e trazia os gestores com rédia curta?

Foi noticiado recentemente, que foram encontradas mais de 50 milhões em especie em malas num apartamento alugado por Geddel Vieira Lima e depois surgiu uma nova notícia que duas malas teriam desaparecido durante o transporte. Qual será o desfecho destas malas? a sociedade quer saber quem são os “peixes” envolvidos nesse rolo. Por outro lado, é visto por todos, a melancólica “noticiação” de um apartamento que, apesar de está em nome de outro órgão, insistem em dizer que o AP é do Lula, e pior, querem prendê-lo por isso, mesmo sem provas, sem carimbos, sem registros, mas com grandes acusações. Como eu tenho falado sempre, tudo que se exagera termina extrapolando os limites e arrebenta. Os excessos de passadas de mãos nas cabeças de grandes ladrões deste país, onde o Aécio é um dos considerados  e, por outro lado, os grandes exageros de perseguição e acusação sem provas, têm deixado o povo, por mais manipulado que seja, a ponto de ter ficado em parte, bastante alienado, o fato de extrapolarem com abusos dessa ingenuidade do povo, onde os que se acham politizados só sabem dizer que os políticos são todos farinha do mesmo saco, dessa vez essa corda vai terminar arrebentando do lado mais “forte”.

Outro dia o Senador Roberto Requião, no vídeo em que faz um convite para a população em massa comparecer em Porto Alegre, no dia 24 de janeiro de 2018, para uma manifestação prol Lula em 2018, ele fez um comentário sobre o absurdo de estarem querendo condenar e prender o Lula, baseado em um AP, que acreditam que supostamente o Leo Pinheiro da OAS, tenha lhe dado como propina. Ainda o Requião disse que “mesmo que a OAS tivesse dado, não como propina, mas sim um presente para um presidente que sai do segundo mandato com 83% de aprovação e que pode voltar a qualquer momento, seria crime? Com isso não estou querendo dizer que deram o AP pro Lula, só não vejo ser um motivo para querer prende-lo”, ressaltou, lembrando que muitos  valores altos  têm rolado, como propina, para calar a boca de gente e tem ficado por isso mesmo.

Na verdade,  a direita está criando a sua própria forca, em nível de popularidade baixa e não enxerga, porque só enxerga o poder. Mas se esquece que para chegar ao poder é preciso ter o aval do povo. Ou vão tentar o Presidencialismo ainda em 2018? Mas o plebiscito para escolha entre Presidencialismo e Parlamentarismo não vai precisar do voto do povo?

Vou parar por aqui. Do jeito que a gente está vendo o quadro, fica até difícil para desejar um feliz 2018 a todos. Mas, como para Deus nada é impossível, o próprio Jesus disse isto, então poderemos sim ter um 2018 espetacular. Um abraço.

 

 

O Brasil não cabe em mentes pequenas, por Fernando Brito


Por Fernando Brito Do Tijolaço

Passado o Natal – como disse, dia de agradecer – vem a percepção de que estamos na soleira de um novo ano, marca inevitável de um momento em que mesmo os mais pragmáticos tiram os olhos do presente e os põem no futuro.Cada um de nós tem os seus planos, seus desejos, mas todos eles se perderão se presos apenas às nossas pequenas vidas.

Como disse o Tom Jobim, “é impossível ser feliz sozinho”.

Não é preciso falar da tristeza em ver nossos país estiolado, em ver as ruas se enchendo – de novo – de pedintes, e mergulhado no ódio e na perversidade, onde as “grandes conquistas da sociedade” são prender, condenar, enjaular, como nos exemplifica a entrevista de Sérgio Moro chamando de “retrocesso” a garantia civilizada de que alguém só seja preso se não estiver tendo recursos julgados ou se oferecer risco imediato à sociedade.

Melhor falar do que temos pela frente.

 

Não é apenas se Lula poderá disputar as eleições e quem as vencerá.

Significa mais, a nossa capacidade coletiva de enfrentarmos o destino de mediocridade que o pensamento colonial – devidamente reproduzido na corte das elites distante dos territórios do povão, como a marcar que, aqui dentro, também há metrópole e as lonjuras da colônia.

A classe dominante brasileira não tem um projeto de nação e, por não o ter, só tem como discurso a “gestão” e como bandeira a sua hipócrita “moralidade” . Tudo do que tentam convencer – e aos tolos, convencem – é de que precisamos de um gerente “eficiente” e “honesto”.

Um gerente que nos faça trabalhar mais, ganhar menos, aposentar-se mais tarde (ou nunca), que não desperdice com saúde, nem com educação além do mínimo e que, diante do mundo, espalhe-se em salamaleques e arregace nossa economia ao capital estrangeiro, este benemérito produtor de um progresso sempre prometido e nunca por ele entregue.

Para que possamos aceitar o que, dito assim, figura-se inaceitável, é preciso criar diversionismos. E estes não falta: os culpados pela nossa vida medíocre são os “bandidos”, os corruptos, os devassos, os malandros, os nordestinos, etc…

Missão em que é ajudada pela incrível capacidade de parte de nossa intelectualidade de derivar para a discussão de bobagens, a intromissão na vida privada alheia e a aceitação de uma pauta medíocre de temas que, francamente, só a velha UDN seja capaz de imaginar.  A “moral” – ainda que pelo seu inverso, espelhado, o patrulhismo – ocupa o lugar do real.

Tudo é pequeno no universo desta gente…

Nenhum deles coloca onde deve estar um fato objetivo: o Brasil é um gigante e não pode ser pensado com ideias miúdas.

Na sua visão dos míopes – que só veem de muito perto –  potencial não vale nada, importam os livros-caixa – agora vertidos em planilhas informatizadas – com suas colunas de azul e de vermelho.

As contas públicas, na visão deles, são algo como contar a féria do botequim: mede-se o que se vendeu e o que se pagou e o lápis à orelha emoldura a felicidade ou a tristeza conforme o resultado. Claro, sempre achando que o cearense que atende ao balcão está ganhando muito.

O Brasil só avançou quando se deu conta de que não é uma espelunca que tem de ser administrada como quem vive da mão para a boca.

Que um pais deste tamanho não vive, nem sobrevive sem sonhos, mesmo que a realidade seja cheia de insuficiências, limitações e defeitos.

Como, aliás, cada um de nós é, o que não impede que sejamos felizes, tenhamos autoestima e progridamos com nossos esforços.

Nossas dificuldades, nossas limitações materiais jamais nos impediram de dar o melhor possível para as pessoas que amamos, as nossas diferenças jamais foram obstáculos a que amássemos e aceitássemos os outros (claro que com as correspondentes brigas e incompreensões momentâneas), mossas dores não se transformaram em rancor.

Eles gostam de comparar um país com uma família, dizendo que o fundamental “é gastar menos do que se ganha”. Aceito a comparação, mas não o conceito: o essencial é que nunca falte o básico para ninguém, dentro desta casa.

Que preparemos 2018 assim, falando às pessoas sem ódio, sem verdades absolutas, com tolerância. Sabendo que não somos um rebanho de ovelhas, todas imaculadamente brancas. E que isto é o melhor da vida.
Não é um problema, é uma solução para nossas incompletudes.

Deputados cobram de MP-SP resposta sobre tucanos acusados por Odebrecht


 

Após reunião realizada ontem (20) com o procurador-geral de Justiça Gianpaolo Smanio, deputados da bancada do PT na Assembleia Legislativa de São Paulo afirmam esperar providências e investigação séria por parte do Ministério Público de São Paulo (MP-SP) sobre formação de cartel no Rodoanel paulista e no Programa de Desenvolvimento do Sistema Viário Estratégico Metropolitano de São Paulo.

Informações reveladas a partir de acordo de leniência da Odebrecht no âmbito do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e do Ministério Público Federal (MPF) indicam que houve formação de cartel em várias obras no período dos governos tucanos de Geraldo Alckmin (2004-06), José Serra (2007-2010) e Alberto Goldman (2010). O acordo com a empreiteira levou o Cade a instaurar inquérito no mês de agosto.

“Indagamos ao Ministério Público o que eles fizeram ao longo de tanto tempo sobre questões que envolvem os governos Alckmin e Serra, já que há várias representações da bancada do PT pedindo investigações desde duas legislaturas anteriores. Queremos saber também o que farão, dada a gravidade das novas revelações”’, diz o líder do PT na Assembleia, Alencar Santana. Segundo ele, o procurador-geral e sua assessoria prometeram atualizar as informações sobre as representações dos parlamentares petistas ao longo do tempo.

A Odebrecht revelou que um esquema existiu de 2004 a 2007 nas obras do Rodoanel e de 2008 a 2015 em projetos do sistema viário. Somadas, elas custaram R$ 10 bilhões aos cofres públicos. Em setembro deste ano, o MP-SP recusou-se a firmar um acordo de leniência com a mesma Odebrecht, para que a empreiteira desse informações sobre pagamento de propina em obras do Metrô, DER, CPTM e Dersa, envolvendo os governos de Alckmin e Serra.

“Diante das evidências de agora, eles terão que dar retorno sobre os questionamentos que fizemos. Pontuamos as questões e prometeram que vão nos responder todos os pontos”, afirma o deputado Zico Prado, que participou da reunião com Smanio. Segundo ele, o procurador-geral se comprometeu a responder os questionamentos logo depois do recesso forense, que termina em 6 de janeiro.

Os parlamentares pretendem ir a Brasília para requisitar mais informações junto ao Cade e o MPF sobre as informações contidas nos documentos entregues pela Odebrecht aos órgãos.

De acordo com o líder petista, a conversa com Smanio foi franca. “Nós dissemos inclusive que, na nossa opinião, o Ministério Público de São Paulo tem agido para proteção dos governos e políticos tucanos e não tem tomado nenhuma medida efetiva para investigar nada do que é revelado e acontece em São Paulo envolvendo as obras do metrô, de mobilidade e outras”, diz Alencar Santana. “Se as coisas não andarem, será um descaramento e o Ministério Público de São Paulo assume que de fato tem um lado na história, que o lado deles é o PSDB. A verdade pode ser que o governador é responsável, e pode ser que não. O que não pode é ficar essa dúvida”, afirma.

“Espero que agora, com os dados que têm, o Cade e o MP esclareçam o mais rápido possível, porque está tudo evidente, eles nem precisam mais investigar nada, está tudo pronto”, acrescenta Zico Prado.

O deputado diz esperar que o andamento do processo no Cade não se arraste indefinidamente, como aconteceu no processo que investigou cartel na indústria de suco de laranja no estado. O caso chegou ao Cade em 1999 e apenas em 2016 foi firmado um Termo de Compromisso de Cessação. “Só depois de quase 20 anos tomaram uma decisão sobre o caso da citricultura”. com informação do GGN.

 

 

Temer teve encontro secreto com Globo, mas só agora foi divulgado pela Folha de S. Paulo



Foto: Reprodução
Jornal GGN – O presidente Michel Temer teve um encontro secreto com o vice-presidente do Grupo Globo e terceiro filho da família Marinho, João Roberto Marinho, em outubro, a pedido do empresário, para discutir sobre a cobertura de seu governo peemedebista.
A informação foi divulgada por reportagem da Folha de S. Paulo, nesta quinta-feira (21), que mostra ainda que Temer foi recebido em jantar exclusivo na casa do segundo filho, Roberto Irineu Marinho. Também participou do encontro o vice-presidente de Relações Institucionais da Globo, Paulo Tonet.
A família Marinho teria articulado o encontro por intermédio do deputado Beto Mansur (PRB-SP), um dos principais aliados de Temer. Em resposta, a Globo confirmou o encontro, mas disse que a conversa foi “absolutamente republicana, sem pedidos ou promessas de qualquer das partes”.
A Globo vem mantendo parcerias com o governo, mas o povo vem sendo cada vez mais manipulado
A reunião secreta ocorreu imediatamente após as acusações do empresário Joesley Batista, relacionadas à compra de silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) da cadeia pelo mandatário. Temer teria reclamado no jantar sobre o editorial de O Globo que pedia a renúncia de Michel Temer.
Ainda, o mandatário teria comparado as acusações de Joesley Batista e do grupo JBS contra ele com as acusações do empresário J. Hawilla, da agência Traffic, à Justiça norte-americana, arrolando o grupo Globo como parte dos pagadores de propinas a cartolas no esquema de corrupção da Fifa para os direitos de transmissão de jogos.
A Globo tem usado do seu poder, devido a audiência que ainda possui, para divulgar as matérias que sejam convenientes com os seus acertos com o Governo Temer. Só que com as redes sociais em evidência, as pessoas têm encontrado outras vertentes para se informar e divulgar as coisas. Na verdade, a televisão aberta vem perdendo credibilidade, onde o resultado é queda de audiência por falta de confiança do povo. Prova disto é a queda da popularidade do Temer, que se mantem baixíssima, mas, por outro lado, o Lula, que é a “pedra no sapato de quem quer se perpetuar no poder, está crescente a cada pesquisa, apesar da avalanche de meios de comunicação convencionais contra. Último paragrafo Cafe com Leite.

Natal chegou e Praça de Maracás pode ainda não ser inaugurada em 2017


 

Café com Leite. A tão sonhada praça ao lado do Correio, em Maracás, que foi iniciada no meado da administração do ex-prefeito Paulo dos Anjos, posteriormente passada para a administração atual, ficando restos de trabalhos a serem concluídos, pode ainda não ser inaugurada no ano de 2017. De acordo a um funcionário da prefeitura, o plano é sim de inaugurar até o fim do mês de dezembro, porém está aguardando uma resposta do Governador do Estado, Rui Costa, para que ele se faça presente à inauguração, mas que ainda não se sabe ao certo se vai ser possível, pois a sua agenda no final do ano deve está lotada e, assim sendo, a prefeitura vai decidir se inaugura sem a presença do chefe do executivo estadual.
Na verdade, desde o ano passado que os visitantes que são maracaenses e moram longe, como São Paulo e Rio, esperavam que encontrassem a praça inaugurada já no Natal de 1016. Um ano se passou e ainda está lá a praça sendo protegida por tábuas e outros materiais que têm deixado uma paisagem muito feia para quem passa no local.

O que vem contrariando parte da população, é um canteiro que a prefeitura acrescentou no comecinho da praça, vindo pela Avenida Senador Luiz Viana Filho (Rua Jequié), pois em se tratando daquela avenida, esse canteiro pode vir a ser prejudicial no futuro, pois é uma avenida que pode ser um dos maiores centros comerciais da cidade. Em conversa com o empresário Osvaldo Braga Junior, proprietário das lojas Comercial Braga, ele disse que aquele canteiro veio impedir de carretas manobrarem para descarregar no depósito de madeira, mas que se o prefeito acha que é melhor a existência do canteiro ele nada pode fazer. Como o Café com Leite tem falado sempre, tanto no jornal impresso como no digital, é preciso que um administrador seja um visionário, para enxergar um pouco mais distante. Por exemplo, na visão de quem enxerga um pouco mais longe, no futuro está ali uma avenida toda asfaltada e sem canteiro no meio, como é a Avenida Rio Branco em Jequié, com muitos comércios nas laterais. Assim sendo, aquele canteiro terá que ser retirado. É preciso que se pense e lute, principalmente a classe política, para elevar Maracás para uma cidade mãe de muitas outras da região e competindo com uma Jequié. Para isso é preciso ter visão e lutar, para tirar de vez a linda Maracás da mesmice de muitos anos.

Mas o fim do ano chegou, tempo de se abraçar, orar pelos enfermos e, com praça ou sem praça nova na cidade, a equipe da Agência de Notícia Café com Leite deseja a todos e todas um Natal feliz e um 2018 com melhores perspectiva de vida e muita saúde; aos enfermos pediremos que o Senhor envie seus anjos para curar as enfermidades dos que sofrem.

 

Doutrina do choque: a direita produz o caos para impor sua política, por Reginaldo Moraes


Segundo Naomi Klein, a técnica usada para ditar ‘ajustes’ a determinadas sociedades é a mesma da submissão aplicada aos prisioneiros torturados para fornecer informação a organizações como CIA e polícia secreta israelense

Foto arquivo do Café com Leite Notícias, para ilustração apenas 

 

por Reginaldo Moraes

Faz alguns anos, a escritora canadense Naomi Klein publicou um livro de grande interesse para entendermos o tempo em que vivemos. Chama-se A Doutrina do Choque. O livro mostra em detalhes várias situações em que um mesmo modo de operar foi utilizado por forças reacionárias para impor “ajustes” que os cidadãos rejeitariam em condições normais. O modo de operar é aproveitar ou criar um clima de choque.

Ela diz que esse é o “método preferencial para promover os objetivos das corporações: aproveitar os momentos de trauma coletivo e implementar uma engenharia social e econômica radical.”

 

Ela compara essa técnica – utilizada para forçar multidões, comunidades, países inteiros – com a técnica de submissão aplicada aos prisioneiros, torturados para fornecer informação aos “serviços de segurança”. São técnicas desenvolvidas durante décadas por equipes de “pesquisadores da tortura”, ligados a organizações criminosas de estado, como a CIA americana e a polícia secreta israelense.

É muito útil para nós, neste momento, ouvirmos a palavra de Klein:

A tortura, ou “interrogatório coercitivo” no linguajar da CIA, é um conjunto de técnicas destinadas a colocar os prisioneiros em estado de profunda desorientação e choque, de modo a obrigá-los a fazer concessões contra a própria vontade. A lógica que norteia os procedimentos foi elaborada em dois manuais da CIA que se tornaram públicos na década de 1990. Neles, está explicado que o melhor modo de quebrar as “resistências” é promover rupturas violentas entre o prisioneiro e a sua habilidade para compreender o mundo à sua volta.(36) Em primeiro lugar, privando-o de qualquer tipo de contato (utilizando capuz, tapa-ouvidos, algemas, total isolamento), e depois bombardeando seu corpo com estímulos exagerados (luz estroboscópica, música estridente, pancadas, eletrochoque). O objetivo desse estágio “suave” é provocar uma espécie de furacão dentro da mente: prisioneiros ficam tão regredidos e assustados que perdem a capacidade de pensar racionalmente e proteger os próprios interesses. É nesse estado de choque que a maioria dá aos interrogadores aquilo que estão querendo – informação, confissão, renúncia a crenças anteriores.

E ela esclarece: aquilo que funciona com esse indivíduo preso funciona também quando aplicado a coletivos, a grandes comunidades, como se elas também estivessem aprisionadas e submetidas a tratamento de interrogatório forçado:

Como o preso aterrorizado que entrega os nomes de seus companheiros e renuncia à própria fé, as sociedades em estado de choque frequentemente desistem de coisas que em outras situações teriam defendido com toda a força.

A doutrina do choque imita esse processo de forma meticulosa, procurando atingir numa escala maciça o que a tortura faz individualmente nas celas de interrogatório.

Em 1996, um documento da defesa americana já resumia essa técnica, utilizada em invasões, sabotagens e processos através dos quais o governo americano, diretamente ou através de forças manipuladas, tentava impor suas metas a outros países:

“Domínio significa a capacidade de afetar e dominar a vontade do adversário, tanto física como psicologicamente. Domínio físico inclui a capacidade de destruir, desarmar, perturbar, neutralizar e tornar impotente. Dominação psicológica, a capacidade de destruir, derrotar e castrar a vontade de um adversário para resistir; ou convencer o adversário a aceitar nossos termos e objetivos sem usar a força. O alvo é a vontade do adversário, sua percepção e compreensão. O principal mecanismo para se atingir este domínio é impor condições suficientes de “Choque e pavor” sobre o adversário para convencer ou obrigar a aceitar nossos objetivos estratégicos e objetivos militares. Devem ser empregadas a mentira, confusão, informação falsa e desinformação, talvez em quantidades maciças.” [Shock and Awe – Achieving Rapid Dominance – do Defense Group Inc. for The National Defense University]

Atenção, leitor. Até agora falamos mais de “aproveitar a crise” para impor políticas que, em tempos normais, seriam recusadas. Mas no exemplo do prisioneiro, não se trata apenas de aproveitar a crise, mas de produzir a crise. Também na vida política se faz assim.

Vamos lembrar o que dizia um famoso guru neoliberal Milton Friedman, amigo e conselheiro de Pinochet e dos militares argentinos:

Somente uma crise – real ou percebida como real – produz mudança de fato. Quanto essa crise ocorre, as ações dependem de ideias que estão disponíveis no momento. Acredito que essa é a nossa função básica: desenvolver alternativas para as políticas existentes, manter essas alternativas prontas e disponíveis até que aquilo que antes parecia politicamente impossível se torna politicamente inevitável”. (Milton Friedman – Prefácio à edição 1982 de Capitalism and Freedom, University of Chicago Press)

O que aconteceu no Chile, laboratório de Friedman, não foi um “aproveitamento” da crise. Foi a produção deliberada de uma crise, por meio de sabotagem ampla, geral e irrestrita. Se quiser alguns detalhes veja essa estória:

No Chile, como no Brasil, na Venezuela, no Egito, na Ucrânia… em muitos lugares do mundo, as grandes corporações e o governo americano produziram a crise, sabotaram o país para criar o ambiente que desarvorou a resistência e impôs as reformas que eles pretendiam.

Do outro lado, o desafio da resistência é perceber como evitar a produção da crise encomendada, como enfrentar as armadilhas dos torturadores, que possuem armas, recursos, mídia, aparatos de estado. Mas esse tema – como enfrentar os torturadores – é assunto para outro artigo. Voltaremos a ele.

Reginaldo Moraes – É professor da Unicamp, pesquisador do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Estudos sobre os Estados Unidos (INCT-Ineu) e colaborador da Fundação Perseu Abramo. É colunista do Brasil Debate

 

 

Viaje em 10 histórias verídicas segundo quem as contou


1. Abelhas de luto

Margaret Bell, que criava suas abelhas em Leintwardine, cerca de 7 quilômetros de sua casa em Ludlow, no condado de Shropshire (Inglaterra), morreu em junho de 1994. Pouco depois de seu funeral, as pessoas que estavam de luto ficaram surpresas ao ver centenas de abelhas assentarem no canto da rua em frente a casa onde ela tinha vivido por 26 anos. As abelhas permaneceram lá por uma hora antes de zumbirem sobre os telhados. A imprensa local publicou uma fotografia das abelhas fixadas na parede em um aglomerado.

2. Falha do carro fantasma

Em 11 de dezembro de 2002, dois motoristas ligaram para a polícia para informar que viram um carro saindo da estrada principal A3 (localizada na Inglaterra) com os faróis acesos em Burpham, no condado de Surrey. Uma busca completa descobriu um carro escondido na mata densa e o motorista estava morto há muito tempo. Descobriu-se que o acidente tinha realmente acontecido cinco meses antes, quando o motorista, Christopher Chandler, tinha sido relatado desaparecido por seu irmão.

  Baleias foram pequenas ao longo da evolução, revela estudo

3. Companheiros de balão

Laura Buxton lançou um balão cheio de gás hélio durante as comemorações do aniversário de casamento de seus avós na cidade de Blurton, em Staffordshire (uma área da Inglaterra), em junho de 2001. Em anexo ao balão estava o nome e o endereço e uma nota pedindo que o localizador escrevesse de volta. Dez dias depois, ela recebeu uma resposta. O balão tinha sido encontrado por outra Laura Buxton na cerca do jardim de sua casa em Pewsey, Wiltshire, a 140 quilômetros de distância. As duas Lauras tinham idades de 10 e ambas tinham um cachorro Labrador preto de três anos, um Porquinho da Índia e um coelho.

4. Crianças e o furacão

Uma menina chinesa de nove anos de idade estava brincando em Songjian, perto de Xangai, em julho de 1992, quando foi levada por um furacão e deixada sem ferimentos na copa de uma árvore, a quase três quilômetros de distância. De acordo com um relatório de maio de 1986, um vento estranho carregou 13 crianças pelo oásis de Hami, no oeste da China e as deixou ilesas em dunas de areia a cerca de 19 quilômetros de distância.

5. Mistério do Riverside

Gloria Ramirez, de 31 nos, morreu de insuficiência renal no Riverside General Hospital, localizado na Califórnia, em fevereiro de 1994, depois de ter chegada às pressas com dores no peito. Um estranho brilho oleoso sobre a pele da mulher e cristais brancos inexplicados em seu sangue foram relatados. Um médico sofreu danos no fígado, no pulmão e teve necrose óssea. Pelo menos 23 outras pessoas foram afetadas. Uma hipótese era que Ramirez, que havia tido câncer cervical, tomara um coquetel de medicamentos que combinavam para fazer um inseticida (organofosfato), mas os testes não deram nenhuma pista.

  10 segredos obscuros sobre o culto ao Sol

6. Vozes de ajuda

Enquanto estava de férias, uma mulher, referida pelo British Medical Journal (1997) como AB, ouviu duas vozes em sua cabeça dizendo-lhe para voltar para casa imediatamente. De volta a Londres, as vozes deram-lhe um endereço que acabou por ser o departamento do hospital de exames cerebrais. As vozes disseram-lhe para pedir um escaneamento, avisando que ela tinha um tumor cerebral e o seu tronco cerebral estava inflamado. Embora ela não tivesse sintomas, um escaneamento foi eventualmente realizado e ela realmente tinha um tumor. Depois de uma operação, AB ouviu as vozes novamente: “Estamos felizes em tê-la ajudado”, disseram “Adeus”. AB fez uma recuperação total.

7. La Mancha Negra

Um perigo exclusivo para as rodovias venezuelanas é uma pegajosa gosma escorregadia chamada de La Mancha Negra (a mancha negra), embora pareça mais com um lodo com a consistência de uma goma de mascar. Embora o governo tenha gastado milhões de dólares em pesquisas, ninguém sabe o que é a gosma, de onde ela vem, ou como se livrar dela. Apareceu primeiramente em 1987 na estrada de Caracas, perto do aeroporto, cobrindo cerca de 45 metros e se espalha de maneira implacável todos os anos. Em 1992 era um perigo principal da estrada em torno da capital e foi reivindicado quando 1.800 motoristas tinham morrido após terem perdido o controle. O problema permanece até hoje.

  Os processos judiciais mais bizarros

8. O cartão-postal

Quando o pai de Jim Wilson morreu em Natal, uma província da África do Sul, em abril de 1967, tanto Jim, que vivia na Inglaterra, quanto sua irmã Muriel, que vivia na Holanda, foram informados. Muriel entrou em contato com seu marido que estava em negócios em Portugal, e ele voou para a África do Sul imediatamente. Mudando de avião no aeroporto de Las Palmas, nas Ilhas Canárias, comprou um cartão-postal mostrando turistas na praia de Margate, também em Natal, e enviou-o para Muriel. Foi ela quem notou que a fotografia mostrava seu pai andando pela praia.

9. Incêndio desconhecido

A vila de Canneto di Caronia na costa norte da Sicília foi atormentada por incêndios misteriosos. O problema começou em 20 de janeiro de 2004, quando uma TV pegou fogo. Então as coisas nas casas dos bairros começaram a queimar, incluindo máquinas de lavar roupa, telefones celulares, colchões, cadeiras e até mesmo o isolamento dos canos por onde passava a água. A companhia de eletricidade cortou todo o sistema elétrico, assim como a companhia ferroviária, mas os incêndios continuaram. Especialistas de todos os tipos realizaram diversos testes, mas nenhuma explicação foi encontrada. A vila foi evacuada em fevereiro, mas quando os moradores retornaram em março os incêndios recomeçaram. A polícia descartou o fogo como sendo o ato de um piromaníaco, após verem os fios explodirem nas chamas.

  Conheça o homem que diz ter o maior pênis do mundo

10. O mistério das vacas no tanque

Em 28 de junho de 2002, no meio de uma série de mutilações de gado inexplicáveis na Argentina, algo macabro foi encontrado em um campo perto de Suco (uma comuna da província de Córdoba), a oeste do Rio Cuarto, na província de San Luis. Dezenove vacas foram encontradas dentro de um tanque de metal de folhas metálicas, fechado com uma tampa no formato de um cone. Nove vacas morreram afogadas, o resto mal estavam vivas, tendo suportado temperaturas congelantes.

 

A legalidade nos mata, dizem os golpistas na caçada ao Lula, por Jeferson Miola


por Jeferson Miola
O objetivo estratégico da oligarquia golpista é evitar a vitória do Lula no pleito de 2018 a qualquer custo, porque a eleição dele poria fim ao golpe e ao regime de exceção.
O golpe, com sua selvagem agenda anti-povo e anti-nação, não foi empreendido para durar pouco tempo; ainda resta muito para colonizar e pilhar por completo o país.
Todas as alternativas eleitorais testadas pelo establishment para continuar o golpe mostraram-se, todavia, infrutíferas.
Nenhuma candidatura mostra-se capaz de derrotar Lula se a eleição de 2018 for limpa e democrática e transcorrer no marco de verdadeira legalidade.
Testaram tudo, e nada surtiu efeito favorável aos seus objetivos: desde figuras burlescas como Luciano Huck e João Dória, até personagens manjados da direita, extrema-direita e das linhas-auxiliares do reacionarismo – Alckmin, Bolsonaro, Marina etc.
Todas as pesquisas eleitorais confirmam a hipótese de eleição do Lula já no primeiro turno. Quanto mais a Rede Globo e a Lava Jato o agridem, e quanto mais cristalinos ficam os terríveis prejuízos do golpe, maior é a esperança popular no retorno do Lula para salvar o Brasil.
Ante a inexistência de opção legal e eleitoral do bloco dominante para continuar o golpe e o regime de exceção, a oligarquia decidiu partir para a fase 2 do golpe, com a impugnação da candidatura presidencial do Lula.
Em 1871, diante dos avanços da Comuna de Paris, o então primeiro-ministro de Luiz Bonaparte, Odilon Barrot, declarou guerra à insurgência popular e ao avanço daquela pioneira experiência de organização comunal.
Para aniquilar a Comuna de Paris, o liberal-burguês Odilon Barrot não hesitou em declarar que “a legalidade nos mata!“.
Fez isso para justificar o uso de dispositivos inexistentes na Constituição da França para atacar ilegitimamente o povo organizado em barricadas e destruir a primeira experiência de organização social comunista e auto-gestionária da história.
Era preciso, na visão de Barrot e da classe burguesa francesa, empregar todos os meios ilegais para asfixiar a soberania popular e destruir a revolta social. Mesmo que para isso fosse necessário infringir as normas do Estado de Direito liberal-burguês, instituídas por ela própria, a burguesia nascente.
A democracia, como se vê, tem valor meramente formal e circunstancial para a burguesia, uma classe atavicamente golpista quando sente ameaçados seus interesses; ao passo que, para a esquerda, a democracia é um valor estratégico, é a base constitutiva para o convívio humano livre, plural e civilizado.
Com o banimento do Lula da eleição de 2018, a oligarquia golpista aposta que não deverá haver comoção social ou revolta popular diante da brutalidade jurídica desfechada contra o maior líder popular da história do Brasil.
É uma aposta arriscada que, de qualquer modo, encontra na literatura sociológica e antropológica do Brasil fundamentos que amparam esta tranquilidade criminosa dos dominadores.
O povo argentino, mobilizado nos últimos dias contra a tentativa de reforma previdenciária do também ultra-neoliberal e pró-capitais Maurício Macri, gritava: “Isto aqui não é o Brasil!“.
Já é passada a hora do povo brasileiro ser menos cordial, menos gentil e menos educado com a selvageria desta classe dominante canalha e escrava dos interesses das metrópoles estrangeiras.
De acordo às opiniões que se divergem, algo está bem claro, que os inimigos do povo, onde a comprovação é a baixa popularidade e lugar nas pesquisas de opinião pública, já não sabem o que fazem para que o povo goste deles. Mesmo se juntando cinco, oito, vinte ou mais para tentar enfraquecer o Lula, à medida em que tentam com as suas estratégias de enganos e de demonstrações nítidas que não estão a favor do povo pobre do Brasil. Como diz o texto acima, o povo brasileiro realmente é um povo educado e que não gosta de confusão. Fonte GGN, último parágrafo Cafe com Leite Notícias.

Jovem com síndrome de Down brilha em concurso de Miss nos EUA


 

Foto: Divulgação

Uma jovem 22 anos acaba de fazer história como a primeira mulher com síndrome de Down a competir num concurso de Miss, nos EUA.

Mikayla Holmgren, que é de Stillwater, deu um exemplo de superação no fim de semana competindo para ser Miss Minnesota.

Depois da chance de participar da competição do estado onde mora, a modelo também voltou para casa com dois prêmios: o Spirit of Miss USA Award e o Award do Diretor!

“Eu fiquei muito surpresa e emocionada, porque saí de concursos para pessoas com necessidades especiais para o maior concurso do mundo”, afirmou.

“Qualquer um que fique cinco minutos com Mikayla sabe que ela é a pessoa certa para ser a primeira a representar uma comunidade de pessoas que precisam se ver fazendo algo assim”, revelou Denise Wallace, diretora executiva do Miss Minnesota.

Vencedora

Quando Mikayla Holmgren nasceu, seis semanas e meia antes do previsto, seus pais não tinham certeza sobre seu futuro.

“Nesse ponto, não sabíamos o que a vida reservava pra ela”, disseram a Fox 9.

A menina não só superou as expectativas dos pais como fez ginástica, dançou a vida toda e frequenta a Universidade de Bethel.

Além disso é embaixadora da Best Buddies, uma organização sem fins lucrativos para melhorar a vida de pessoas com deficiências intelectuais e de desenvolvimento.

“Quero poder mostrar aos outros o que é a inclusão e que alguém com necessidades especiais pode seguir seus sonhos” – disse a jovem. Notícia Boa.

miss-minnesota2