Morador de rua viraliza após passar por ‘dia de beleza’ e ficar irreconhecível


Alex Gomes da Silva, de 42 anos, corta a barba, cabelo e serve sopa a moradores de rua em Santos, no litoral paulista. Imagem acabou conquistando a simpatia dos internautas.Morador de rua recebeu corte de cabelo e barba de graça em Santos, SP (Foto: Arquivo Pessoal)

Error, no Ad ID set! Check your syntax!

Estudantes de São Carlos, SP, criam campanha para reformar ônibus usado como casa por idoso


Ivo Ubirajara Coelho Filho, de 62 anos, mora sozinho há seis meses no veículo que comprou para fazer uma espécie de motorhome.Seu Ivo, como é carinhosamente chamado, sempre sonhou em morar em um ônibus (Foto: Raquel Baes/G1)

A simplicidade sempre fez parte da vida de Ivo Ubirajara Coelho Filho, de 62 anos, que vive em São Carlos (SP) desde 2014, quando chegou à cidade para estudar manutenção de aeronaves no Instituto Federal de São Paulo (IFSP).

Há seis meses, ele mora sozinho em ônibus que comprou por R$ 5 mil para fazer uma espécie de motorhome. Sensibilizados com a história, estudantes de São Carlos fazem uma campanha para arrecadar materiais. mão de obra e ajudar a reformar o ‘lar’ do idoso. Eles também criaram uma vaquinha virtual para contribuições.

O objetivo de Ivo é melhorar o veículo para também viajar pelo país. Além do valor da compra, ele disse ter investido mais R$ 2 mil em alguns ajustes.

Segundo ele, o motor está perfeito, mas o ônibus não anda por falta de baterias e outros problemas estruturais. Falta ainda regularizar a documentação.

Assim que comprou o ônibus, o idoso falou de seus planos para um dos amigos do curso, o estudante Yuri Esposito, de 21 anos. “Pensei que todos me chamariam de louco, mas depois que falei tinha colega querendo fazer a mesma coisa, todo mundo gostou da minha ideia e ninguém me reprovou “, disse o simpático senhor.

Yuri, Seu Ivo e Samuel (Foto: Raquel Baes/ G1)

Yuri, Seu Ivo e Samuel (Foto: Raquel Baes/ G1)

Ajuda

Esposito comentou sobre a história do idoso com o amigo Samuel Caurim, de 21 anos. Comovido, o estudante de engenharia de materiais enxergou uma grande oportunidade: aplicar os conhecimentos universitários na reforma do veículo, que ainda não tem nome.

Caurim decidiu publicar história de Ivo nas redes sociais, para tentar conseguir ajuda de outros estudantes e patrocínio com materiais. Ele e Esposito organizaram um projeto e divulgaram para um grupo da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

“Comecei a perguntar quem tinha interesse em ajudar na parte de elétrica, hidráulica, fomos investigando, buscando e a postagem acabou viralizando”, contou o estudante.

Mais de 20 pessoas manifestaram interesse em ajudar com a mão de obra. “Uma pessoa mais velha que batalha para terminar o curso, é uma história de superação. Um senhor de idade que não tem família, não tem ninguém, mas tem o sonho de morar no ônibus”, contou Caurim.

Ônibus está estacionado em um pasto de São Carlos (Foto: Raquel Baes/ G1)

Ônibus está estacionado em um pasto de São Carlos (Foto: Raquel Baes/ G1)

O ônibus está estacionado em um pasto cedido por um amigo de Ivo. Do lado de fora do veículo, ficam alguns bancos retirados para começar a reforma. Há também uma cozinha e um banheiro. As paredes foram feitas de bambu que o idoso e um colega de sala cortaram em um bambuzal. O teto é coberto por lona.

O lugar não tem luxo, apenas uma estrutura básica para viver, com água e energia elétrica. Há também uma antena parabólica e uma pequena horta.

“Não tenho um sofá bonito, uma televisão enorme, isso ou aquilo. Quem vem aqui, vem porque é meu amigo. E é isso o que importa, ter amizades sinceras”, contou Ivo que disse não ligar para conforto.

Ele revelou que não liga muito para conforto. “Como eu trabalhei em garimpo, morei muito tempo em barraca, no meio da mata. Não sei o que é conforto. Minha vida sempre foi sacrificada, nunca foi confortável, então para mim é normal”, completou.

Acostumado com “o pouco”, ele diz que nunca foi apegado às coisas materiais. “Minha vida é simples, eu sou simples e sempre fui. Nunca tive grandes apegos. Acho que a gente precisa de pouco para ser feliz. Ninguém vem aqui porque eu tenho alguma coisa. Vêm me visitar pela minha pessoa, pelo que sou e pela amizade”, disse.

“Como trabalhei em garimpo, morei muito tempo em barraca, no meio da mata. Minha vida sempre foi sacrificada, nunca confortável, então para mim é normal. Acho que a gente precisa de pouco para ser feliz”, completou.

Atualmente, o idoso está desempregado. O último trabalho foi como faxineiro no Parque Ecológico. Ele disse que ainda tem algum dinheiro para se manter e faz serviços extras para ganhar uns trocados.

“O dono do terreno onde moro me ofereceu um estágio na empresa dele. O salário não é muito, mas vai me ajudar a sobreviver. Meu objetivo é terminar o curso”, explicou.

Seu Ivo vive no ônibus há seis meses (Foto: Raquel Baes/ G1)

Seu Ivo vive no ônibus há seis meses (Foto: Raquel Baes/ G1)

Uma longa trajetória

Natural de Belém (PA), Ivo sempre foi apaixonado por aviação e trabalhou na mecânica de aeronaves na década de 1980, mas, segundo ele, foi preciso largar tudo para cuidar da mãe por 25 anos. Para sobreviver, chegou a vender açaí.

Depois que a irmã se aposentou, ele decidiu trilhar o próprio caminho e veio para São Paulo morar com um amigo em Atibaia (SP). A esperança era voltar ao setor de aviação, mas ele não conseguiu uma vaga.

Ivo então voltou a estudar, concluiu o ensino médio e prestou o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Ele ficou sabendo do curso de tecnólogo em manutenção de aeronaves no IFSP de São Carlos e decidiu mudar para a cidade.

“Quando cheguei, foi difícil. Recebi ajuda de muita gente, colegas, professores e até do diretor do IFSP. Com 62 anos, a gente não tem muita oportunidade. Fui trabalhar na colheita de café, de goiaba e estava me virando como dava. Trabalhava um dia para um e outro dia para outra pessoa”, contou.

Encontro com o ônibus

O ‘encontro’ com o ônibus, um Mercedes de 1982, ocorreu de uma forma inusitada. Ivo sofreu um acidente de moto próximo a Piracicaba (SP). Uma pessoa o ajudou no socorro e o levou até um posto de combustível, que ficava a um quarteirão de onde o ônibus estava estacionado.

“Conversei com o pessoal e o soube que a dona poderia vendê-lo. Isso foi uma coincidência, porque o marido dela comprou justamente para fazer um motorhome e pescar no Mato Grosso. Ele desistiu porque teve câncer. Acertei com a esposa dele e comprei”, relembrou.

Ivo pagou um guincho, que trouxe o ônibus para São Carlos. Nos primeiros meses, o local não tinha banheiro ou eletricidade. O idoso se alimentava e tomava banho no trabalho.

Feito os primeiros ajustes, o objetivo depois da reforma é “cair” na estrada. “Minha vontade é conhecer o país e toda a América Latina. Sempre tive vontade de ir até o México”, concluiu o paraense.

*Sob supervisão de Fabio Rodrigues, do G1 São Carlos e Araraquara.

Roda Viva expõe o perigo de um país de milhões de Bolsonaros. Por Ricardo Kotscho


Jair Bolsonaro. Foto: Divulgação/TV Cultura

 

POR RICARDO KOTSCHO, jornalista

Foram tantas as boçalidades proferidas por este ex-militar bronco e inculto no programa Roda Viva de segunda-feira que fica até difícil escolher uma só para abrir esta matéria sobre a entrevista de Jair Bolsonaro, o candidato das trevas.

Minha filha Mariana, também jornalista, me mandou essa:

“Se você, por exemplo, aumentar o número de empregos no Brasil a tendência de alguém procurar um hospital diminui…”.

Como assim? Quem trabalha não fica doente, pergunta a Mariana, que conclui:

“Pior do que os absurdos dele é ter quem acredite e concorde”.

É verdade. O maior problema político do Brasil hoje não é ter um tipo como Bolsonaro favorito nas pesquisas presidenciais sem o nome de Lula.

O grande perigo de um brutal retrocesso está nos milhões de Bolsonaros que o apoiam e declaram voto nele porque pensam como ele, este projeto de nazista tupiniquim.

Por isso, o grande mérito dos jornalistas entrevistadores do último Roda Viva da série com os presidenciáveis foi expor a exótica figura durante uma hora e meia em rede nacional de televisão para que ninguém depois diga que foi enganado.

Além das barbaridades que falou sobre direitos humanos, as agressões contra pessoas da maior dignidade, como o ex-ministro da Justiça José Gregori, a ofensa à família de Vladimir Herzog ao colocar em dúvida seu assassinato no DOI-CODI, o que mais me chamou a atenção na entrevista foi a total incapacidade dele de juntar duas frases com sentido e não conseguir responder nem às perguntas mais simples, sem nenhum compromisso com a lógica ou com o país.

Debochado e leviano, Bolsonaro seria reprovado em qualquer exame psicotécnico de admissão num emprego.

Para ninguém pensar que estou exagerando (vale a pena ver a integra do programa no site da TV Cultura), vou reproduzir só um trecho do diálogo de surdos entre o candidato e a repórter Maria Cristina Fernandes, do jornal Valor:

MCF: Qual a sua proposta para que a mortalidade infantil deixe de subir?

JB: Quando se fala em mortalidade infantil, isso tem a ver com os prematuros. É muito mais fácil um prematuro morrer do que um bebê que cumpriu uma gestação normalmente. Medidas preventivas de saúde…

MCF: Isso não tem muito mais a ver com saneamento básico?

JB: Tem um mar de problemas (…) Muita gestante não dá bola para a sua saúde bucal ou não faz os exames do seu sistema urinário com frequência.(…) Agora, eu vou dar a missão. Quem for para o ministério da Saúde, tem que realmente cuidar da saúde e não da doença, prioritariamente.

MCF: E como o senhor vai fazer isso reduzindo os gastos?

JB: O que acontece… Não só a Inglaterra… Você, você, você vai conjugar também com desburocratização, desregulamentação… Que é o inferno da vida de quem quer empreender no Brasil. Quem quer ser patrão no Brasil em sã cosnciência?

MCF: Eu tô falando de saúde, deputado.

JB Você falou de economia… Como vai reduzir impostos e vai entender economia (???) Se você, por exemplo, aumentar o número de empregos no Brasil, a tendência de alguém procurar hospital vai diminuir.

Dá para acreditar no que ele respondeu quando a pergunta foi sobre saúde pública?

Foi assim o programa inteiro: ele não entendia as perguntas e respondia qualquer coisa sem se importar com a veracidade dos fatos e números citados, chutando para todo lado.

Pode ser o tema que for, ele usa os mesmos jargões que repete nos discursos gritados em cima de carros de som nos aeroportos por onde passa.

O que mais me assusta é encontrar cada vez mais gente que fala e pensa como ele, numa mistura explosiva de desinformação e má fé, mesmo pessoas com curso superior e bom padrão de vida.

Nesta campanha eleitoral, pior do que tudo, estamos criando uma legião de Bolsonaros que vieram para ficar, cheios de certezas, verdadeiras hordas de seguidores fanáticos que se caracterizam pela violência e ignorância.

Foi a eles que o candidato se dirigiu no Roda Viva, sem dar a menor satisfação aos jornalistas e ao público em casa, o resto do eleitorado que não professa a sua fé num trabuco para resolver todos os problemas nacionais.

É impossível resumir num post todas as sandices, estultices, mentiras e canalhices que ele foi capaz de proferir, às vezes rindo dele mesmo, como se estivesse falando com um bando de retardados.

Bolsonaro tornou-se a melhor expressão do que sobrou da Operação Lava Jato deflagrada para acabar com o antigo “sistema político corrupto e viciado” para pregar a renovação nas eleições de 2018.

O personagem para encarnar o novo que encontraram é esse deputado profissional de sete mandatos, que se apresenta como o Trump nativo contra “tudo isso que está aí”.

Lançado por um partido nanico, sem alianças nem tempo de TV, sem qualquer programa de governo, candidato do “eu sozinho contra o mundo”, aquele que manda perguntar no Posto Ipiranga (seu assessor Paulo Guedes, um ultraliberal guru do ex-capitão nacionalista e estatista) quando não sabe as respostas.

Estamos bem de candidato favorito, o homem que tem entre 17 e 19% nas pesquisas de intenção de voto a 70 dias da eleição.

O que já está péssimo, sempre pode piorar. Preparem-se.

Será que pode ser um voto de protesto? Se for é muito perigoso isso sendo com um  candidato a presidência da República Brasileira. Agora, se ele se recandidatar para o mesmo cargo que exerce, ou seja, deputado federal, aí é menos perigo. Agora, se não for protesto, aí a coisa complica 300%, porque mostra o grau de falta de conhecimento de boa parte do eleitor sobre o que é uma eleição, o que é uma nação, o que é política…. É a falta de conhecimento  de qualquer outra coisa relacionada com cidadania e futuro da nação. O que se sabe é que de um jeito ou de outro o perigo ronda o futuro da pátria e da nação. Fonte DCM, Último parágrafo Café com Leite Notícia.

 

Fascismo de Bolsonaro sai do armário, assusta e pode ir ao 2º turno


Reprodução/TV Cultura

Jair Bolsonaro foi ao Roda Viva na noite desta segunda (30) e tirou seu fascismo do armário. Assustou os que não tinha visto ainda suas performances em debates. Foi tudo o que se esperava, mas surpreendeu por sua competência discursiva. Com Geraldo Alckmin empacado e vestindo a carapuça de candidato do golpe (aqui), o capitão reformado é mais favorito que nunca para estar no segundo turno contra Lula ou o candidato indicado pelo ex-presidente. Se o cenário confirmar-se, a direita estará fora do segundo turno -será a vez da extrema-direita de tintas fascistas.

A coleção de frases de Bolsonaro é aterradora. Para ele, “não houve golpe militar em 1964”, justificou a prática de tortura durante o regime militar, “vivíamos na guerra fria”, disse que Vladimir Herzog teria se suicidado. Mais ainda, causou estupor ao anunciar que seu livro de cabeceira é “A Verdade Sufocada”, de Carlos Alberto Brilhante Ustra, que comandou o mais terrível centro de torturas da ditadura, o DOI-Codi de São Paulo. A desfaçatez de Bolsonaro não parou por aí. Chegou a defender, abertamente, o fuzilamento de Fernando Henrique Cardoso.

Acusou os negros pela escravidão no Brasil: “Os portugueses nem pisavam na África, eram os próprios negros que entregavam os seus negros”. E reagiu a uma pergunta sobre a dívida do país com os descendentes dos escravos: “Que dívida é essa, meu Deus do céu?”. Mais ainda: ““Eu nunca escravizei ninguém! Que dívida?”.

Disse que a intervenção militar no Rio é um fracasso porque os militares não teriam carta branca para agir,  “não deu certo porque não tem retaguarda jurídica. Por que no Haiti deu? E por que só um lado pode atirar?”.

A bancada do Roda Viva, que rugiu como um leão com Manuela D’Ávila, do PC do B, miou como um gatinho diante do fascista. Os jornalistas estavam entre constrangidos e acuados. Ficaram todos emudecidos quando Bolsonaro reproduziu de cabeça um trecho de editorial de O Globo assinado por Roberto Marinho, que chamou o golpe militar de revolução democrática. Bolsonaro também lembrou que a TV Globo nasceu em 1965 logo depois do Golpe e a revista Veja em 1968. Todos ficaram quietinhos.

Afinal, a imprensa conservadora, ao lado do PSDB, é quem tirou o gênio da lâmpada -e agora tenta, em desespero, colocá-lo de volta.

Será difícil. O Brasil segue a mesma polarização que perdura desde os anos 1990, entre a esquerda e a direita. Enquanto um dos polos permanece ocupado pelo PT, no o PSDB foi colocado para escanteio. Ao dar o golpe na frágil democracia brasileira, os tucanos foram para o ralo. Alckmin rasteja ao redor dos 5% nas pesquisas eleitorais. O espaço tradicional da direita (PSDB) foi sugado pela extrema-direita (Bolsonaro).

Alckmin, Centrão e Temer, um dos principais patrocinadores da candidatura do ex-governador, confiam que seu latifúndio no horário eleitoral gratuito poderá desbancar Bolsonaro. No entanto, quanto mais Alckmin veste o figurino de candidato do golpe, mais murcham suas chances.

O que aconteceu ontem do ponto de vista da audiência é uma antevisão do inferno para a direita. O programa terminou sua transmissão no canal da emissora no YouTube no pico da audiência com 228 mil pessoas acompanhando a entrevista. Um recorde absoluto na história do Roda Viva. No Facebook, enquanto o programa era transmitido ao vivo, o número de visualizações chegou a 1,5 milhão. Na madrugada, já chegava a 1,8 milhão. O vídeo com a entrevista de Ciro Gomes, do PDT, o segundo candidato com maior audiência até então, tinha até ontem 1 milhão de visualizações, contabilizados desde que o programa com o pedetista foi ao ar, em 28 de maio. No Ibope, Ciro também tinha sido, até então, uma das maiores audiências com 1,1 ponto, o que corresponde a cerca de 220 mil pessoas. Pelas prévias do Teleguia, a entrevista de Bolsonaro terá cerca de 2 pontos.

O professor Camilo de Oliveira Aggio, da Universidade Federal da Bahia, apresentou um resumo precioso do que aconteceu na noite desta segunda: “Ao contrário do que imaginavam (ou torciam) muitos, sua falta de inteligência e desinformação não são impeditivos para que ele se saia mal em debates e entrevistas. O cara consegue substituir toda sua escassez cognitiva com táticas de enfrentamento, estímulo à cacofonia e, com toda sua verborragia, ele consegue congelar os entrevistadores, que ficam estupefactos e recuam enquanto ele continua sempre dando a última palavra” -leia aqui o comentário completo no perfil do professor no Facebook.

Quem se que se apresentou no Roda Viva foi Jair Bolsonaro. Mas a performance lembrou imediatamente a de outro que foi militar, o sargento de bigode ridículo que pensava e falava coisas muito parecidas com as que agora diz o capitão reformado do Exército Brasileiro.

Mais que nunca, o futuro da democracia brasileira repousa sobre os ombros de Lula. fonte 247.

 

Desabafo de Neymar é parte de contrato de R$ 26 milhões com a Gillette


 

Comercial do qual Neymar participou

 

O vídeo em que Neymar pede desculpas e admite seus erros durante a Copa do Mundo pode não ter sido bem aceito pelos torcedores e até por alguns publicitários, mas ajudou o craque da seleção brasileira a se enriquecer um pouco mais. O contrato dele com a Gillette, responsável pela veiculação do comercial, dá ao astro algo em torno de US$ 7 milhões (R$ 26,2 milhões).

O acordo do jogador com a empresa foi selado em 2015 e renovado recentemente. O jogador não recebe por propagandas, mas sim por horas trabalhadas durante as gravações de comerciais ou seção de fotos.

E ainda todo o material publicitário feito pela empresa de barbeador passa pela aprovação da Neymar Sports Marketing, empresa que tem o pai do jogador, Neymar da Silva Santos, e a mãe do atleta, Nadine Gonçalves, como proprietários.

O vídeo foi exibido pela primeira vez no domingo à noite, no intervalo do Fantástico, da TV Globo. Nele, Neymar admite exageros no torneio da Rússia, desabafa sobre as críticas e promete superação. Entretanto, o que era para ser algo positivo, se tornou algo ainda mais negativo para o atleta. Fonte DCM.

Chuva de granizo forma ‘mar de gelo’ em rua no interior de SP


Temporal com pedras de gelo assustou moradores de Itararé (SP) na madrugada desta terça-feira (31). Não há informações sobre desabrigados.

A chuva de granizo que atingiu várias cidades na região de Itapetininga (SP), na madrugada desta terça-feira (31), transformou a paisagem em Itararé, a cerca de 250 quilômetros da capital.

A quantidade de granizo que caiu foi tão grande que a rua Ambrósio Dias Tatit, na área central da cidade, ficou coberta por placas de gelo com mais de 10 centímetros de altura.

Chuva de granizo forma 'mar de gelo' em rua no interior de SP

Chuva de granizo forma ‘mar de gelo’ em rua no interior de SP

Vários moradores compartilharam nas redes sociais fotos e vídeos da chuva com granizo que atingiu a cidade.

O gelo danificou telhados e também se acumulou em quintais de casas. Não há informações sobre desabrigados.

Estragos

A Prefeitura de Itararé (SP) informou, em nota ao G1, que a creche Adeleide Barco Perusso foi atingida pela chuva. O telhado do refeitório e de algumas salas de aula desabou.

Os reparos serão feitos emergencialmente e a previsão é de que até esta quarta-feira (1º) a situação seja normalizada. O calendário escolar não foi prejudicado, pois os alunos se encontram em recesso escolar, sendo o retorno programado para esta quarta-feira (1º).

Área central de Itararé amanhece coberta de gelo (Foto: Arquivo Pessoal)

Área central de Itararé amanhece coberta de gelo (Foto: Arquivo Pessoal)

Na zona rural, duas residências foram destelhadas, segundo a prefeitura. Em atendimento à ocorrência, a Guarda Civil Municipal cobriu os imóveis com lonas de plástico e outra equipe contabilizou as telhas necessárias para o reparo, que será feito.

Na cidade, três casas, localizadas nos bairros dos Ginásio, Jardim Fronteira e Vila Nova Esperança, sofreram com infiltração. A rua Ambrósio Dias Tatit foi interditada por conta da grande quantidade de granizo no local.

Área central de Itararé amanhece coberta de gelo (Foto: Arquivo Pessoal )

Área central de Itararé amanhece coberta de gelo (Foto: Arquivo Pessoal

 

Ainda segundo a prefeitura, as máquinas da Secretaria Municipal de Serviços Municipais já estão trabalhando para que a situação seja normalizada.

De acordo com o secretário Gilberto Côrtes, mais de seis caminhões basculantes carregados de gelo serão retirados do local. A rua 24 de outubro também passará por reparos em virtude do acúmulo de gelo.

Área central de Itararé amanheceu coberta de gelo (Foto: Ricardo Takeda/Arquivo Pessoal )

Área central de Itararé amanheceu coberta de gelo (Foto: Ricardo Takeda/Arquivo Pessoal )

Nova Campina

Em Nova Campina, o granizo também fez estragos. De acordo com a Polícia Militar, cerca de 700 pessoas foram afetadas e 20 famílias ficaram desabrigadas após a chuva, registrada por volta de 1h.

Moradores e autoridades se mobilizaram para ajudar as famílias afetadas. Várias pessoas que tiveram que sair das foram acolhidas na escola municipal Humberto de Morais Vasconcelos, e também na Igreja Presbiteriana.

Ainda de acordo com a Polícia Militar, não se sabe o número exato de famílias desabrigadas, mas os bairros mais afetados foram Longa Vida e Tijuca.

ALCKMIN ASSUME-SE COMO CANDIDATO DO GOVERNO TEMER


O presidenciável do PSDB, Geraldo Alckmin, não teve condições de negar a participação do partido no governo Michel Temer, o mais impopular desde a redemocratização. A sigla ocupa o Ministério das Relações Exteriores, com o senador Aloysio Nunes (SP).

 

Alan Santos /PR

“[O PSDB] votou na crise grave que o país estava. Entendeu —e foi perfeitamente constitucional— o impeachment. Tendo votado o impeachment, teve responsabilidade com o novo governo. Não precisa participar, ter ministro A, B, C ou D”, afirmou o ex-governador de São Paulo e presidente nacional da legenda à Band News.

No ano passado, Alckmin não atuou publicamente em favor de Temer nas duas vezes em que o emedebista foi denunciado pela Procuradoria-Geral da República. Ao comentar sobre a votação da aceitação da denúncia pela Câmara, o tucano afirmou que defende uma mudança da legislação para que o Legislativo não tenha de votar pela continuidade de inquéritos contra o presidente da República, assim como acontece com governos estaduais e municipais. Por outro lado, o chefe do Executivo não precisaria mais ser afastado em caso de denúncia pelo Ministério Público.

“Defendo que não precisa ter autorização e afastamento. Afasta se for condenado. Se tiver maioria, durante dois anos não vai ter investigação nenhuma. Do outro lado, não tem sentido afastar seis meses, às vezes por denúncia que se comprova que não era verídica”, acrescentou. 247.

Não mudará se a gente não quiser: 90% dos deputados federais miram reeleição


De Basília Rodrigues na CBN.

Como uma disputa de futebol, ganha quem estiver mais bem posicionado. E às vezes parece que a bola está nos pés dos mesmos jogadores, o que desafia o discurso da renovação na política. Há sete eleições, a composição do Congresso Nacional sempre muda praticamente pela metade. O restante de vagas fica por conta de figurinhas carimbadas que conseguem se reeleger. 

Da última vez, 2014, os brasileiros elegeram o parlamento mais conservador desde a ditadura, com o maior número de representantes ligados a bancada militar, religiosa, e ruralista, por exemplo. E a expectativa, nestas eleições, é de que 90% dos atuais deputados federais tentem a reeleição, contra 75%, nas últimas eleições. A avaliação é do Diap, Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar, um centro de estudos que existe há mais de três décadas dentro do próprio Congresso. O pesquisador Antônio Augusto de Queiroz explica que a tendência é vir “mais do mesmo”.

“Pelo menos 90% dos atuais deputados vão disputar às eleições. E os 10% que vão desistir ou concorrer a outros cargos serão substituídos majoritariamente por parentes, seja esposa ou marido, filho, pai, mãe, etc. De modo que há tendência também de crescimento da bancada de parente”, disse.

Com tanta investigação, muito político vai tentar se reeleger pra não perder o foro. Além disso, o tempo de campanha está bem menor, caiu de 90 para 45 dias – menos tempo de vitrine para os novatos na política. O cientista político Melilo Diniza valia que o clima de desânimo do eleitor também desqualifica o voto. 

 

Globo anuncia que vai checar fake news, justo ela que ajudou a transformar um boato em processo que levou Lula à prisão. Por Joaquim de Carvalho


Será que o Bonner tem consciência do mal que ele, como porta voz da Globo, faz ao país?

 

O G1, do grupo de comunicação que criou o fake news que levou Lula à prisão, acaba de anunciar o seu serviço de checagem de notícias.

O título do serviço É “Fato ou fake”.

Segundo o site, o objetivo é alertar os brasileiros sobre conteúdos duvidosos disseminados na internet ou pelo celular, esclarecendo o que é notícia (fato) e o que é falso (fake).

De acordo com o Grupo Globo, jornalistas farão um monitoramento diário para identificar mensagens suspeitas muito compartilhadas nas redes sociais e por aplicativos como o WhatsApp.

“Participam da apuração equipes de G1, O Globo, Extra, Época, Valor, CBN, GloboNews e TV Globo”, informa o G1. 

“Cada um desses veículos — prossegue o informe — poderá publicar as checagens feitas em conjunto. Ao juntar forças entre as diversas redações, será possível verificar mais – e mais rápido. A atual editoria É ou não É, do G1, deixa de existir, para dar lugar ao Fato ou Fake.”

O jornal O Globo foi quem noticiou, em 2014, que Lula poderia passar o reveillon no triplex do Guarujá, dando vazão a um boato que circulava naquele cidade, a de que o ex-presidente seria o dono de uma unidade no condomínio Solaris, antigo Mar Cantábrico. 

O jornal publicou como fato a seguinte notícia:

“De sua ampla sacada, poderá ver a queima de fogos, que acontece na orla bem defronte do seu prédio, feito pela OAS, empresa investigada pela Operação Lava-Jato. É que na semana passada terminaram as obras de reforma do apartamento triplex no Edifício Solaris, que ele e dona Marisa Letícia, sua mulher, compraram por meio da Bancoop — a Cooperativa Habitacional dos Bancários de São Paulo —, ainda na planta, em 2006. Acusada de irregularidades e em crise financeira, a Bancoop deixou três mil famílias sem receber os sonhados apartamentos.”

Já naquela ocasião Lula tratou de desmentir a notícia e informou, sem que o jornal desse o devido destaque: Nessas horas não é interessante os fatos.;

“Dona Marisa Letícia Lula da Silva adquiriu, em 2005, uma cota de participação da Bancoop, quitada em 2010, referente a um apartamento, que tinha como previsão de entrega 2007”, diz a nota. “Com o atraso, os cooperados decidiram em assembleia, no final de 2009, transferir a conclusão do empreendimento à OAS. A obra foi entregue pela construtora em 2013. Neste processo, todos os cooperados puderam optar por pedir ressarcimento do valor pago ou comprar um apartamento no empreendimento. À época, Dona Marisa não optou por nenhuma destas alternativas esperando a solução da totalidade dos casos dos cooperados do empreendimento. Como este processo está sendo finalizado, ela agora avalia se optará pelo ressarcimento do montante pago ou pela aquisição de algum apartamento, caso ainda haja unidades disponíveis. Qualquer das opções será exercida nas mesmas condições oferecidas a todos os cooperados.”

A Globo já tinha explorado esse assunto em 2010, em O Globo e no Jornal Nacional. Na reportagem da TV, a Globo informava: 

“A lista de mutuários da Cooperativa Habitacional dos Bancários de São Paulo tem um nome ilustre: o do presidente da República”, narrava William Bonner.

O triplex nunca esteve no nome de Lula ou da família, ele nunca desfrutou do apartamento — não passou uma noite sequer lá —, e não tinha as chaves. O que havia é o interesse da OAS para que Lula adquirisse o imóvel. Mas, na única vez em que esteve lá, recusou.

Segundo disse, considerou que não era adequado para ele. E faz sentido o que o ex-presidente afirmou. O Guarujá é uma das praias mais movimentadas do Brasil, e Lula não teria nenhuma privacidade.

Quando o boato ocupou as páginas do Jornal Nacional, o Ministério Público do Estado de São Paulo viu ali a oportunidade de uma grande investigação. E começou a ouvir pessoas, em um procedimento de investigação criminal que resultou em uma ação que, anos depois, foi parar na mesa de Sergio Moro, juiz federal.

Nem o Ministério Público Federal nem o Estadual de São Paulo apresentaram provas de que o triplex pertencia a Lula ou alguém de sua família. Mas Lula foi condenado, e hoje se encontra preso em razão dessa condenação.

O que deu a ação do Ministério Público do Estado de São Paulo que nasceu de um boato? Nada.

A justiça entendeu que não havia evidência de crime. Apenas suspeita, fruto de comentários, e isso não é suficiente para condenar quem quer que seja.

Por isso, absolveu os demais acusados. Mas não pode fazer o mesmo em relação a Lula. É que a parte do processo que envolvia Lula foi encaminhada para Curitiba, por conta da Lava Jato, e lá, apesar da falta de prova e de demonstração de culpa, Lula foi sentenciado.

Na sentença, Sergio Moro cita a reportagem de O Globo como fundamento para condenar Lula. Também aceita como válido para condenação a palavra de um co-réu, Leo Pinheiro, ex-presidente da OAS, beneficiado com redução da pena por conta do que disse.

Juridicamente, são absurdos. Um co-réu pode mentir e, por isso, recomenda a jurisprudência — e o bom senso — que a palavra dele não seja aceita como prova.

Apesar disso, a condenação foi depois confirmada pelo Tribunal Regional Federal da 4a. Região, em um recurso que teve como relator um amigo de Sergio Moro, João Pedro Gebran Neto.

O jornal do grupo que iniciou todo esse processo agora vem a público para anunciar que vai checar fake news.

Seria até engraçado se a ação do grupo não tivesse provocado uma das maiores injustiças da história do Brasil: o fake news que levou um ex-presidente à prisão e tirou de Lula o direito de se eleger presidente, como quer a maioria dos brasileiros.

A Globo precisa é ser banida dos lares brasileiros, pois ela nem só criou os fake news, como ocultou muitos fatos que poderiam mudar o Brasil. Em contra partida, patrocinou a queda da Dilma, para entregar o Brasil a uma quadrilha que envergonha qualquer brasileiro, inclusive por saber que a maior rede de comunicação do país tem o comportamento que tem a Globo, sendo verdadeiramente e escancaradamente contra o povo brasileiro, sobretudo os pobres, a favor das armações e contra o próprio Brasil. A pergunta é? ou melhor… As perguntas são: que emissora é essa que apoia tanta falcatrua? que povo é esse que ainda…ainda, dá audiência a uma coisa dessa? Olha só quem vai participar da apuração.  “Participam da apuração equipes de G1, O Globo, Extra, Época, Valor, CBN, GloboNews e TV Globo”, informa o G1. Tem Jeito não amiga grande rede global. Se não fosse a mídia alternativa o povo ia morrer sem saber sobre a podridão que desde o tempo de outrora já tomava conta deste país. Se chega alguém e prova que tem jeito do pobre ter casa e o nosso país ser respeitado, imediatamente esse cara ou equipe têm que ser banido (a). Tem uma música do Zé Geraldo que diz mais ou menos o seguinte: “Se aparece um querendo mostrar que tudo tem jeito e que podemos ser uma nação de respeito, já aparece uma organização que diz: ‘pega esse idiota e enterra”. Foi o que aconteceu. Mas o barco está andando e não se sabe ao certo aonde ele vai se atracar. fonte DCM, último parágrafo Café com Leite Notícia.

‘Lula Livre/Lula Livro’: Leia o depoimento de Chico Buarque presente na obra


O cantor e compositor Chico Buarque, junto com outros 85 artistas, deu sua contribuição ao manifesto “Lula Livre/Lula Livro”.

A obra reúne textos (poemas, crônicas, cartas, manifestos), cartuns, fotos, discursos e haicais pela defesa da democracia e da liberdade do ex-presidente Lula, que é mantido como preso político na sede da Polícia Federal em Curitiba.

Confira o depoimento de Chico:

Lula, por Chico Buarque

— Eu nunca tive nada contra o Lula. Eu inclusive estive com ele naquela casa lá de pobre em São Bernardo. Depois eu e a Ruth convidamos o Lula para passar um fim de semana em Ubatuba com a Marisa. Aí ele reclamou que não tinha água quente no chuveiro da casa. Imagina! O Lula!

Era o Fernando Henrique, sempre simpático, em reunião com artistas às vésperas das eleições de 1994. Naquele tempo ainda se podia achar graça numa anedota assim. Era um deboche, era um comentário preconceituoso, mas não havia um pingo de ódio naquelas palavras.

Lula ainda não era o chefe de organização criminosa, o ladrão, o comunista, o cachaceiro, o nine, o boneco vestido de presidiário enforcado ao lado de Dilma num viaduto de São Paulo. Ainda não tinha sido condenado sem provas, por imprensa, televisão, procuradores esquisitões e juízes deslumbrados, como proprietário de um triplex, ou tríplex, no Guarujá.

O ódio ao Lula é o ódio aos pobres. Tivesse ele imóveis na praia e dinheiro no exterior, talvez fosse mais bem tratado pelas autoridades que o trancaram e o mantêm isolado numa cela da Polícia Federal. Lá de dentro ele mandou dizer que já não confia na Justiça. Nem eu. Só espero que ele tenha água quente em Curitiba. DCM.

Estudo sugere que a cada salsicha consumida, perdemos 15 minutos de vida SAÚDE de Merelyn Cerqueira


Estudo publicado ano passado no periódico British Medical Journal, pesquisadores sugeriram que a cada salsicha consumida, sua vida é reduzida em 15 minutos, uma vez que se trata de um alimento industrializado e embutido.

Em novembro de 2016, a Organização Mundial da Saúde alertou para os perigos que envolvem o consumo de alimentos processados. Segundo eles, o problema principal são os produtos químicos, como nitritos e nitratos de sódio, adicionados durante o processo de produção. Embora eles tenham a função de manter as bactérias longe, podem ter efeitos cancerígenos.salsicha_01

Ainda, o método de defumação, que visa a prolongar a validade do produto, utiliza o alcatrão, presente na fumaça do carvão. Embora ainda pouco se saiba sobre os mecanismos biológicos deste composto, há um consenso de que ele é capaz de danificar a estrutura do DNA de nossas células, dando origem a mutações genéticas.

Por outro lado, a mesma pesquisa sugeriu que o café poderia ter um efeito contrário ao da salsicha, aumentando em um ano a vida de quem consome cerca de duas ou três xícaras por dia. Com informações do Estadão .

Bebê é resgatado de inundação provocada por ruptura de represa no Laos


Criança ficou por três dias no colo da mãe em cima de uma árvore. 27 morreram na tragédia e 130 pessoas estão desaparecidas.

Lula envia carta aberta aos blogueiros progressistas


os blogues, muitos deles com mais audiência que os sites dos jornalões? […]”. Leia a íntegra da carta de Lula aos blogueiros progressistas

Lula carta blogueiros progressistas
Lula preso, Judiciário castigando, mídia tradicional batendo e, pra finalizar, liderando com 41% nas pesquisas. Será por que?
A história ensina que numa guerra, a primeira vítima é a verdade. Encontro-me há mais de 100 dias na condição de preso político, sem qualquer crime cometido, pois nem na sentença o juiz consegue apontar qual ato eu fiz de errado. Isso porque setores da Polícia Federal, do Ministério Público e do Judiciário, com apoio maciço da grande mídia, decidiram tratar-me como um inimigo a ser vencido a qualquer custo.

A guerra que travam não é contra a minha pessoa, mas contra a inclusão social que aconteceu nos meus mandatos, contra a soberania nacional exercida pelos meus governos. E a principal arma dos meus adversários sempre foi e continuará sendo a mentira, repetida mil vezes por suas poderosas antenas de transmissão.

Tenho sobrevivido a isso que encaro como uma provação, graças à boa memória, à solidariedade e ao carinho do povo brasileiro em geral.

Dentre as muitas manifestações de solidariedade, quero agradecer o espírito de luta dos homens e mulheres que fazem do jornalismo independente na internet uma trincheira de debate e verdade.

Desde que deixei a Presidência, com 87% de aprovação popular, a maior da história deste país, tenho sido vítima de uma campanha de difamação também sem paralelo na nossa história.

Trata-se, sabemos todos, da tentativa de apagar da memória do povo brasileiro a ideia de que é possível governar para todos, cuidando com especial carinho de quem mais precisa, e fazer o Brasil crescer, combatendo sem tréguas as desigualdades sociais e regionais históricas.

Foram dezenas de horas de Jornal Nacional e incontáveis manchetes dedicadas a espalhar mentiras – ou, para usar a linguagem da moda, fake news – contra mim, contra minha família e contra a ideia de que o Brasil poderia ser um país grande, soberano e justo.

Com base numa dessas mentiras, contada pelo jornal O Globo e transformada num processo sem pé nem cabeça, um juiz fez com que eu fosse condenado à prisão, por “ato indeterminado”, usando como pretexto a suposta posse de um imóvel “atribuído” a mim, do qual nunca fui dono.

Contra essa aliança espúria entre alguns procuradores e juízes e a mídia corporativa, a blogosfera progressista ousou insurgir-se. Sem poder contar com uma ínfima parcela dos recursos e dos meios à disposição dos grandes veículos alinhados ao golpe, esses homens e mulheres fazem Jornalismo. Questionam, debatem e apresentam diariamente ao povo brasileiro um poderoso contraponto à indústria da mentira.

Lutaram e continuam a lutar o bom combate, tendo muitas vezes apenas o apoio do próprio povo brasileiro, por meio de campanhas de financiamento coletivo (R$ 10 reais de uma pessoa, R$ 50 reais de outra).

Foram eles, por exemplo, que enfrentaram o silêncio da mídia e desvendaram as ligações da Globo com os paraísos fiscais, empresas de lavagem de dinheiro e a máfia da Fifa. Que demonstraram a cumplicidade de Sérgio Moro com a indústria das delações. Que denunciaram a entrega das riquezas do país aos interesses estrangeiros. Tudo com números e argumentos que sempre são censurados pela imprensa dos poderosos.

Por isso mesmo a imprensa independente é perseguida por setores do judiciário, por meio de sentenças arbitrárias, como vem ocorrendo com tantos blogueiros, que não têm meios materiais de defesa. Enfrentam toda sorte de perseguições: tentativa de censura prévia, conduções coercitivas e condenações milionárias, entre outras formas de violência institucional.

E agora, numa investida mais sofisticada – mas não menos violenta – agências de “checagem” controladas pelos grandes grupos de imprensa “carimbam” as notícias independentes como “Fake News”, e dessa forma bloqueiam sua presença nas redes sociais. O nome disso é censura.

Alguns desses homens e mulheres que pagam um alto preço por sua luta são jornalistas veteranos, com passagens brilhantes pela grande imprensa de outrora, outros sem qualquer vínculo anterior com o jornalismo, mas todos movidos por aquela que deveria ser a razão de existir da profissão: a busca pela verdade, a informação baseada em fatos e não em invencionices. Lutaram e lutam contra o pensamento único que a elite econômica tenta impor ao povo brasileiro.

Quantas derrotas nossos valentes Davis já não impuseram aos poderosos Golias? Quantas notícias ignoradas ou bloqueadas nos jornalões saíram pelos blogues, muitos deles com mais audiência que os sites dos jornalões?

Mesmo confinado na cela de uma prisão política, longe de meus filhos e amigos, impedido de abraçar e conversar com o povo brasileiro, tenho hoje aprovação maior e rejeição menor que meus adversários, que fracassaram no maior dos testes: melhorar a vida dos brasileiros.

Eles, que tantos crimes cometeram – grampos clandestinos no escritório de meus advogados, divulgação ilegal de conversas entre mim e a presidenta Dilma, todo o sofrimento imposto à minha família, entre muitos outros –, até hoje não conseguiram contra mim uma única prova de qualquer crime que seja.  A cada dia mais e mais pessoas percebem que o golpe não foi contra Lula, contra Dilma ou contra o PT. Foi contra o povo brasileiro.

Mais do que acreditar na minha inocência – porque leram o processo, porque checaram as provas, porque fizeram Jornalismo – os blogueiros e blogueiras progressistas estão contribuindo para trazer de volta o debate público e resgatar o jornalismo da vala comum à qual foi atirado por aqueles que o pretendem não como ferramenta capaz de lançar luz onde haja escuridão, mas apenas e tão somente como arma política dos poderosos.

A democracia brasileira agradece, eu agradeço a vocês, homens e mulheres que fazem da luta pela verdade o seu ideal de vida.

Hoje a (in)justiça brasileira não só me prende como impede sem nenhuma razão que vocês possam vir aqui me entrevistar, fazer as perguntas que quiserem. Não basta me prender, querem me calar, querem nos censurar.

Mas assim como são muitos os que lutam pela democracia nas comunicações e pelo jornalismo independente, e não caberiam aqui onde estou, essa cela também não pode aprisionar nem a verdade nem a liberdade. Elas são muito mais fortes do que as mentiras mil vezes repetidas pelo plim-plim, que quer mandar no Brasil e no povo brasileiro sem jamais ter tido um único voto. A verdade prevalecerá. A liberdade triunfará. Fonte Pragmatismo político.

Ciro Gomes diz que, se eleito, terá o apoio do centrão


[Ciro Gomes diz que, se eleito, terá o apoio do centrão]

Pode até dizerem que certas frases que a gente ouve e lê, parece mentira, caso não saísse da boca de Ciro, mas….  O presidenciável Ciro Gomes (PDT) afirmou que, se eleito, terá o apoio do centrão (grupo formado pelo DEM, PP, PR, PRB e Soliedade) para governar.

“Quantos minutos vocês acham que vai demorar para eles me apoiarem? Eu, com o governo na mão?”, questionou, em entrevista à imprensa, durante um evento em Porto Alegre.

O pedetista ressaltou ainda que “nunca esteve em seus cálculos” uma aliança com o centrão. “A vida inteira estivemos em campos opostos”, salientou. Fonte Metrô.

Maracás: Até quando as autoridades políticas vão ficar assistindo pais de família morrerem na serra e não fazerem nada? Com a resposta o Governador da Bahia. Por Walter Salles


A imagem pode conter: atividades ao ar livre

Café com Leite Notícias: Um trecho de estrada de aproximadamente 7 km, que fica entre Maracás e Contendas do Sincorá, conhecida como A Serra de Pé de Serra, mas que já estão adotando outro nome, que é a -serra da morte-, desde a construção asfáltica, há quase duas décadas, que não para de acontecer acidentes e sempre muito trágicos, causando muitas mortes, na maioria das vezes envolvendo caminhoneiros.
O que acontece nesta estrada é que ela é repleta de curvas muito perigosas, onde o motorista teria que descer engatado em marcha de força, mas na cabeceira da ladeira existe uma única placa que indica (use freio motor). Para quem já conhece a estrada tudo bem, pode não existir placa nenhuma que o motorista desce sem problema. Porém, para quem passa pela primeira vez e vê apenas aquela plaquinha, pensa logo que se trata de uma ladeira pequena, em que ele pode descer numa quinta ou até em outra marcha maior, sem saber dos perigos que existem no decorrer do percurso.

Em conversa com caminhoneiros que conhecem a estrada, eles acham que é preciso, para acabar com a mortandade de colegas, que façam uma espécie de salva vidas numa curva considerada Curva da Morte, que, por ironia, é a última curva da ladeira até chegar no povoado de Pé de Serra, mas que pelo fato das rodas já estarem aquecidas, a máquina com mais de 40 toneladas, já não é possível o motorista fazer a curva com tranquilidade e a máquina desce arrebentando o guarde reio (proteção lateral) e a vida do seu condutor. Para este problema, já foi discutido a idéia, inclusive o prefeito de Maracás, Soya, esteve visitando o local, vendo a possibilidade de fazer uma espécie de salva-vidas, que seria uma saída suave para a direita, com areia e brita, para amortecer a velocidade do veículo pesado, porém sem causar danos.
Bom se essa for a saída para acabar com a mortandade, como disse o caminhoneiro, então seria bom se apressar, pois se tivesse tomado tal providência há alguns anos, certamente muitos caminhoneiros que acabaram as suas vidas ali, não teria acontecido tais fatalidades.

Os moradores de Pé de Serra têm comentado que ficam tristes, pois o povoado sempre foi visto como um lugar muito agradável, mas que depois do asfalto, que quando inaugurado foi tanta alegria, terminou trazendo muita tristeza, com tantas mortes na serra. O vereador do povoado, conhecido por Dil de Pé de Serra, tem comentado muito que é preciso que alguma coisa seja feita para acabar com as mortes , pois trata-se de pais de família que estão na estrada para defender o pão pra família, e de repente uma fatalidade. O Vereador Marcão esteve na redação do Café com Leite e disse que é preciso muito empenho do meio político regional, para que leve o caso até o governador, para que algo seja feito com urgência. Marcão disse que vai pessoalmente, juntamente com seu deputados Bôbô, conversar com o governador Rui Costa, para que providências sejam tomadas.
Realmente é preciso que os órgãos competentes, ligados ao governo do estado, tomem providência, inclusive com a sinalização, pois todo trajeto da serra não tem quase placas indicando perigo em frente, nem mesmo o local crucial, que é a “curva da morte”. Este blog já sugeriu, em outras matérias, que colocassem outdoor no percorrer da serra com fotos e frases chocantes. Façam isto e será o fim das mortes na serra.  Essa matéria vai estar no Café com Leite impresso.