(77) 99152-6666

Juiz federal bloqueia dinheiro dos fundos partidário e eleitoral e manda usar contra coronavírus


Magistrado determinou que dinheiro fique à disposição do governo. Fundo eleitoral prevê verba de R$ 2,034 bilhões. Fundo partidário soma R$ 959 milhões.

Procuradores de Contas querem dinheiro repatriado para saúde e ...

 

G1 –O juiz federal Itagiba Catta Preta Neto, da 4ª Vara Cível da Justiça Federal em Brasília, determinou nesta terça-feira (7) o bloqueio dos recursos do fundo partidário (dinheiro destinado aos partidos políticos) e do fundo eleitoral (para custear campanhas eleitorais).

O magistrado decidiu que a verba ficará à disposição do governo federal para ser usada em medidas de combate ao coronavírus ou em ações contra os reflexos econômicos da crise em razão da pandemia da doença. Nesta terça, o Brasil atingiu os números de 667 mortes e 13.717 casos confirmados de coronavírus

“Determino, em decorrência, o bloqueio dos fundos eleitoral e partidário, cujos valores não poderão ser depositados pelo Tesouro Nacional, à Disposição do Tribunal Superior Eleitoral. Os valores podem, contudo, a critério do Chefe do Poder Executivo, ser usados em favor de campanhas para o combate à Pandemia de Coronavírus – Covid-19, ou a amenizar suas consequências econômicas”, ordenou o magistrado, que atendeu a um pedido formulado por um advogado de São Paulo em uma ação popular.

Ainda, de acordo ao G1, o fundo partidário soma R$ 959 milhões e é usado para permitir o funcionamento dos partidos. O fundo de financiamento de campanhas acumula R$ 2,034 bilhões, dinheiro destinado às campanhas das eleições municipais de outubro.

“Dos sacrifícios que se exigem de toda a Nação não podem ser poupados apenas alguns, justamente os mais poderosos, que controlam, inclusive, o orçamento da União”, afirmou o juiz federal.

Na decisão, o magistrado afirmou que a crise motivada pelos efeitos da pandemia na atividade econômica é “concreta, palpável”, com trabalhadores informais já passando por “dificuldades de ordem alimentar” e o fechamento do comércio, gerando onda de “desemprego em massa”.

“Nesse contexto, a manutenção de fundos partidários e eleitorais incólumes, à disposição de partidos políticos, ainda que no interesse da cidadania (Art. 1º, inciso II da Constituição), se afigura contrária à moralidade pública, aos princípios da dignidade da pessoa Humana (Art. 1º, inciso III da Constituição), dos valores sociais do trabalho e da livre iniciativa (Art. 1º, inciso IV da Constituição) e, ainda, ao propósito de construção de uma sociedade solidária (Art. 3º, inciso I da Constituição)”, escreveu o juiz.

Error, no Ad ID set! Check your syntax!

Bolsonaro posta foto de Lula no velório do neto para provocar Haddad


Capitão da reserva recorreu a Lula para responder crítica de Haddad e levou invertida de internautas; “Vai trabalhar, vagabundo!”

O presidente Jair Bolsonaro, como de costume, segue faltando com decoro ao fazer provocações e inflar brigas nas redes sociais. Nesta terça-feira (7) o capitão da reserva postou em seu Twitter uma foto do ex-presidente Lula no velório de seu neto Arthur, que morreu aos 7 anos em março do ano passado.

À época, Lula ainda estava preso e foi ao velório escoltado por policiais. Na foto postada por Bolsonaro, o ex-presidente aparece com um semblante visivelmente triste e abatido.

Sem escrever nenhuma legenda, Bolsonaro postou a foto para responder a uma crítica de Fernando Haddad (PT), que nesta segunda-feira (6) havia afirmado que “nunca tinha visto um presidente em situação tão humilhante”, em referência à falta de comando de Bolsonaro por decidir demitir o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta e, depois, pressionado, voltar atrás.

O tuíte de Bolsonaro recebeu alguns comentários positivos de apoiadores, mas também foi bastante criticado. “Vai trabalhar, vagabundo”, postou um internauta. “Não esquece o Lula nem em meio a pandemia”, tuitou outra usuária da rede social.

Sentiu

Essa já é a segunda vez em uma semana que Bolsonaro se incomoda com uma crítica de Haddad.

Na última terça-feira (31), o capitão da reserva postou uma foto para “provar” que ganhou a eleição após Haddad afirmar que Bolsonaro “não é mais presidente.

com informação do DCM

Bill Gates constrói 7 fábricas pra acelerar produção de vacinas: covid-19


Foto: divulgação/TED
Foto: divulgação/TED

Bill Gates anunciou que ele e sua fundação estão acelerando o esforço de resposta ao COVID-19 construindo fábricas para todas as 7 vacinas mais promissoras atualmente em desenvolvimento – mesmo que apenas uma ou duas delas provavelmente sejam produzidas.

O anúncio foi feito durante uma etnrevista com Trevor Noah, do Daily Show, nesta semana.

“Como nossa fundação tem uma experiência tão profunda em doenças infecciosas, pensamos na epidemia, financiamos algumas coisas a serem mais preparadas, como um esforço de vacina”, disse Gates.

“Nosso dinheiro inicial pode acelerar as coisas.”

Gates diz que ter instalações prontas para qualquer um dos tratamentos provavelmente acabará salvando milhares de vidas a longo prazo.

“Mesmo tendo que escolher apenas duas delas, vamos financiar fábricas para todas as sete”, disse ele.

Em um artigo publicado no The Washington Post na semana passada, Gates acrescentou:

“Para acabar com a doença, precisaremos de uma vacina segura e eficaz.

Se fizermos tudo certo, poderíamos ter uma em menos de 18 meses – o mais rápido que uma vacina já foi desenvolvida.

“Podemos começar agora construindo as instalações onde essas vacinas serão feitas. Teremos que construir instalações para cada um deles, mesmo sabendo que algumas não serão usadas.

“Em 2015, pedi aos líderes mundiais em uma conversa do TED que se preparassem para uma pandemia da mesma maneira que se preparam para a guerra – executando simulações para encontrar as falhas no sistema.

Como vimos este ano, ainda temos um longo caminho a percorrer ”, escreveu Gates.

“Mas ainda acredito que se tomarmos as decisões corretas agora, informadas pela ciência, dados e pela experiência de profissionais médicos, poderemos salvar vidas e fazer com que as pessoas voltem ao trabalho”.

Esta não é a primeira iniciativa que a Fundação Gates tomou para combater o novo coronavírus.

No início de março, a fundação doou US $ 100 milhões para identificar, avaliar, desenvolver e ampliar os tratamentos para o vírus.

Com informações do GNN

Coronavoucher: Presidente da Caixa pede desculpas e paciência por falhas no sistema


Cada erro significa sofrimento em milhares de pessoas, que há dias estão esperando por esse benefício.

Do UOL:

O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, afirmou que a expectativa do governo é finalizar no dia de hoje o processamento de 20 milhões de cadastros aptos a receber o auxílio emergencial de R$ 600.

Guimarães citou alguns números de acessos às tecnologias lançadas hoje, reconheceu que algumas plataformas tiveram problemas, mas pediu paciência. “Peço desculpas e paciência se, em algum momento, o sistema estiver lento. Hoje será o dia de maior intensidade”, declarou.

Segundo o presidente da Caixa, até o momento, cerca de 10 milhões de cadastros foram efetuados. Mais de 31 milhões de pessoas acessaram o site da caixa e o telefone disponível para tirar dúvidas recebeu mais de 330 mil ligações.

Mandetta comete grande erro e já não é mais o mesmo segundo o jornalista Helio Gurovitz ,


Ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta fala à imprensaMinistro da Saúde Luiz Henrique Mandetta fala à imprensa (Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

O jornalista Helio Gurovitz , em dua coluna no portal G1, afirma que “o ministro Luiz Henrique Mandetta vinha sendo saudado como oásis de racionalidade e determinação no combate ao novo coronavírus, fonte de luzes num governo contaminado pelas trevas, pelo desprezo à ciência, onde o próprio presidente, chamado de “cético-chefe” pela imprensa internacional, se tornou um risco sanitário. Pois ontem Mandetta cometeu o maior erro de sua gestão à frente da pasta da Saúde – um erro que deverá custar a vida de milhares de brasileiros.”

“Como resultado de um acordo político costurado pelos militares para garantir sua permanência no cargo, Mandetta aceitou relaxar as diretrizes para o distanciamento social no país. Ao final de uma reunião tensa que sucedeu os boatos de demissão, afirmou que o governo “se reposiciona” para enfrentar o problema”.

“Durante a tarde, o ministério baixou normas em que estabelece três níveis de isolamento e aceita, nas cidades com mais da metade do atendimento médico disponível, o que chama de “distanciamento social seletivo”, situação em que apenas idosos e demais grupos de risco são proibidos de circular livremente. Pode ter sido uma medida eficaz para atender demandas políticas, mas a ciência estava ausente da reunião. O resultado deverá ser dramático”.

Fonte 247

 

 

Trump é sócio de empresa que produz cloroquina, defendida por ele como eficaz contra a covid-19, diz NYT


Mais ou menos isso explica o fanatismo do presidente brasileiro querer ultrapassar o conhecimento da medicina e da ciência, no fanatismo de adotar a qualquer custo a cloroquina como um remédio que trata pessoas infectadas com o Covid/19.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que assim como Jair Bolsonaro defende o uso da cloroquina no tratamento de pacientes infectados pelo novo coronavírus, apesar de não haverem estudos comprovando sua eficácia, figura entre os acionistas da Sanofi, indústria farmacêutica francesa que detém a patente da droga. Segundo reportagem do jornal New York Times, um outro acionista da empresa é Ken Fisher, um dos maiores doares de campanha para os republicanos, partido de Trump.

No ano passado, Trump afirmou que sua família possui investimentos em um fundo mútuo da Dodge & Cox, tendo como maior participação as ações na Sanofi. Um outro ponto , segundo a reportagem, é que fabricantes de medicamentos genéricos também devem lançar comprimidos de hidroxicloroquina em breve, incluindo a Amneal Pharmaceuticals, que tem como co-fundador, Chirag Patel, um integrante de um clube de golpe pertencente aTrump em Nova Jersey. Trump e Patel já foram vistos jogando juntos várias vezes desde que ele foi eleito.

Um outro grande investidor da Sanofi e da Mylan, que também atua no ramo farmacêutico, é a Invesco, fundo que anteriormente era administrado por Wilbur Ross, secretário de Comércio dos Estados Unidos. Nesta segunda-feira (6), Ross disse por meio de um comunicado que “não estava ciente de que a Invesco tem investimentos em empresas que produzem ‘o medicamento’, nem tenho qualquer envolvimento na decisão de explorar isso como um tratamento”.

Com informação do 247

 

Família ignora isolamento social, faz festa, 14 ficam infectados e 3 morrem


Isso aconteceu no mês de março, mas até hoje tem gente que ainda acha que não há perigo algum. É preciso lembrar que o vírus está a 15 dias na frente da população, pois depois de infectado, só 12 ou 15 dias depois aparecem os sintomas. Por isso não devemos vacilar de forma nenhuma. Já que odo cuidado ainda é pouco, vacile não, fique em casa.

Do G1:

Uma festa de aniversário na noite de 13 de março, em Itapecerica da Serra, na Grande São Paulo, marcou para sempre uma família. Depois do evento, ao menos 14 convidados tiveram sintomas da covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus. Entre os casos, três irmãos, com mais de 60 anos, tiveram complicações graves e morreram pouco mais de duas semanas depois.

Um dia antes da festa, a responsável pelo evento, a servidora pública Vera Lúcia Pereira, havia completado 59 anos. O avanço do novo coronavírus quase fez a família desistir da comemoração. “Ficamos em dúvida, mas decidimos fazer, porque não eram tantos casos no país”, conta a aniversariante à BBC News Brasil.

Na data da comemoração, havia 98 casos do novo coronavírus confirmados no Brasil, segundo o Ministério da Saúde. Destes, 56 eram em São Paulo. Não havia nenhum caso confirmado em Itapecerica da Serra — atualmente há ao menos 11 e uma morte. No último dia 13, o isolamento social ainda era incipiente e as orientações referentes ao vírus eram quase totalmente voltadas à higienização das mãos. Dias depois, os Estados passariam a adotar medidas mais rigorosas.

Olavo de Carvalho diz que Bolsonaro “não tem poder nenhum” e Brasil virou “protetorado chinês”


O guru bolsonarista soltou ainda, em outro post, a frase: “Teleguiado do chinês mandão, o Mandetta manda”

Foto: Reprodução/YouTube

Olavo de Carvalho, o astrólogo e guru da família do presidente Jair Bolsonaro (Sem Partido-RJ), afirmou pelas redes sociais, nesta terça-feira (7), após a permanência do ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta, que “o Brasil como nação independente não existe mais”.

Ele disse ainda, se referindo a Bolsonaro, que “o presidente nominal não conta com outro apoio senão o da massa dispersa, desarmada e desamparada que o elegeu, e mal começa a tomar consciência de que não tem poder nenhum”.

De acordo com Olavo, o Brasil virou “um protetorado chinês, governado por um embaixador prepotente e intolerante que tem a seu serviço a classe política, a elite judiciária, a mídia, o sistema de ensino e boa parte do empresariado.

Coronavírus: advogada relata último diálogo antes de namorado ser intubado


“Não podemos nos achar fora de perigo”. Homem era jovem e não tinha comorbidades. Na última conversa que teve com o companheiro, por telefone, ele relatou o medo de morrer e reforçou um desejo que havia expressado em outras ocasiões

César Augusto Visconti coronavírus
O piloto César Augusto Visconti

 

 

A advogada Fernanda Credídio, de 39 anos, perdeu o namorado para o coronavírus. César Augusto Visconti, 43, não tinha nenhum fator de risco entre os tantos elencados para a doença. Além da pouca idade, era saudável, sem sobrepeso, sem hipertensão, sem diabetes e sem quaisquer doenças preexistentes. Sequer fumava.

“Ele começou com uma tosse seca no último dia 17, e, como ela não passava, foi a um médico particular, que avaliou ser uma tosse alérgica, de sinusite, e receitou antibiótico. Não procuramos um hospital, mesmo porque as instruções eram as de que, isso, só em último caso. Eu trabalhei até terça, ele, até quarta, aí ele veio para a minha casa e passamos até o final de semana anterior juntos”, relatou ao portal ‘Viver Bem’.

Mesmo medicado com antibiótico, César começou a apresentar febre de 39º. Ele estava na casa dela, mas como os filhos de Fernanda de 11 e 7 anos chegariam lá nos dias seguintes, ele achou por bem, na segunda (23), ir para sua casa na cidade vizinha.

“Ele se despediu e foi para a casa dele, pois se sentia muito mal. Como começou a apresentar muita dor no peito para respirar, voltou ao médico, que o encaminhou ao hospital. No caminho até lá, ele me ligou. Ao chegar lá, ligou de novo para me dizer que ficaríamos dois dias sem poder conversar, porque ele seria intubado para melhorar mais rápido. Mas disse também que, se algo não desse certo, que eu jogasse as cinzas dele em Interlagos —coisa que ele sempre falava, mas pediu que eu não esquecesse. Imagine ouvir isso de alguém que está prestes a entrar em uma UTI? É muito complicado…”

Gravidade da doença

Fernanda contou à revista Marie Claire que, embora ela e o namorado tivessem decidido ficar em casa a partir da metade da semana anterior à ida dele ao hospital, a gravidade da doença não era algo de que eles fossem completamente conscientes. Ao menos, não para perfis fora dos chamados grupos de risco.

“Nós não tínhamos tanta noção da gravidade dessa doença, resolvemos ficar em casa porque, no caso dele, havia os sintomas de gripe ou alergia; no meu, o fiz por causa da minha mãe e da minha avó, ambas com mais de 60 anos. Eu respeitava a quarentena por elas, não por mim —e nem eu, nem o César julgávamos que haveria um risco de morte a pessoas como nós por conta de idade ou outros fatores de risco. Isso me apavora”, desabafa.

A advogada acha difícil ou praticamente impossível definir onde César contraiu o vírus —embora um amigo dele tenha ido parar na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) por conta da covid-19, o piloto não havia tido contato recente com ele. O teste de César, por sinal, ficou pronto até rápido: ele ainda estava vivo.

“Acho que o caso do César, totalmente fora de grupos de risco, é só mais um entre tantos de que a gente nem tem notícia. É importante que as pessoas saibam disso. Estou isolada com meus filhos e é praticamente certo que tenho o vírus, embora não tenha desenvolvido sintomas. Mas preciso ficar em casa porque, se estiver infectada, agiria com um vetor lá fora e poderia ser pior para outras pessoas”, define.

A advogada disse não ter recebido nenhum contato ou orientação dos serviços públicos de saúde mesmo tendo convivido com uma pessoa comprovadamente infectada pelo coronavírus por vários dias.

Aniversário

“Ele era uma pessoa muito alegre, um sujeito muito carinhoso que amava muito a filha dele, de 15 anos, a mãe, a família dele. Amava muito estar vivo. Acho que o fica disso tudo para mim, dessa situação toda, é que a gente não pode achar que está fora de perigo. É dar valor para a vida, para as pessoas, para os abraços —agora que estou aqui isolada, sem poder ter o abraço de quem eu amo, é que vejo o quanto essas coisas têm valor.”

Fernanda César Coronavírus
Fernanda e César

Sem Bolsonaro, Braga Netto e Michelle lançam programa para arrecadar doações contra coronavírus


Do Globo:

O governo federal lançou nesta terça-feira um programa de arrecadação de doações para instituições sem fins lucrativos. Os recursos arrecadados poderão ser utilizações em ações contra os efeitos do novo coronavírus, mas a ação irá continuar após a pandemia. O programa, batizado de Arrecadação Solidária, faz parte do Pátria Voluntária, comandado pela primeira-dama, Michelle Bolsonaro, que participou do lançamento.

A presença do presidente Jair Bolsonaro no evento, realizado no Palácio do Planalto, estava prevista em sua agenda oficial, mas foi cancelada. Mais cedo, Bolsonaro também faltou uma entrevista coletiva sobre o pagamento do auxílio emergencial de R$ 600 a trabalhadores informais.

As doações podem ser feitas por pessoas físicas e jurídicas, na internet , a partir de R$ 30, o valor mínimo. E podem ser realizadas por transferência bancária ou via cartão de crédito. Futuramente, será possível repassar pontos de programas de fidelidade. À Fundação Banco do Brasil caberá operacionalizar depósitos do projeto, cuja prestação de contas estará disponível ao público.

(…)

Fonte DCM

 

Mourão:“Braga Netto é o homem certo, no lugar certo, na hora certa”


General Braga Netto, Hamilton Mourão; Luiz Henrique Mandetta e Jair Bolsonaro no detalhe

“Braga Netto é o homem certo, no lugar certo, na hora certa”. Com esta frase, o vice-presidente, general Hamilton Mourão, definiu o novo status que no Palácio do Planalto. Militares do governo Jair Bolsonaro tratam o ministro da Casa Civil, general Walter Braga Neto, como uma espécie de interventor no Palácio do Planalto.

Em entrevista à jornalista Tânia Monteiro, do jornal O Estado de S.Paulo., Mourão disse ainda: “Ele não está enquadrando ninguém, mas apenas fazendo a verdadeira governança. Assim, a Casa Civil passa a atuar como um verdadeiro centro de governo.”

Mourão acrescentou ainda: “Braga Neto está fazendo o que sabemos: colocar ordem na casa, coordenando as ações ministeriais, de modo que haja sinergia, cooperação e, como consequência, os esforços do governo sejam mais eficazes.”

Fonte 247.

 

Concessionária Ecovias assina acordo e confirma que pagou propina por 18 anos ao PSDB em SP


Da Folha:

Em um acordo cível firmado nesta segunda-feira (6) com o Ministério Público de São Paulo, a concessionária que administra o sistema Anchieta-Imigrantes, a Ecovias, afirma que houve formação de cartel, pagamentos de propinas e repasses de caixa dois em 12 contratos de concessão rodoviária firmados com o Governo de São Paulo.

As irregularidades duraram de 1998 a 2015, período que inclui as gestões Mario Covas, José Serra e Geraldo Alckmin, todos do PSDB.

Um dos compromissos da empresa para não ser processada é a redução de 10% na tarifa de pedágios das rodovias e Anchieta e Imigrantes, entre 21h e 5h. Segundo envolvidos nas negociações, essa medida seria uma compensação aos caminhoneiros durante a pandemia do novo coronavírus.

 

Flávio Dino: “Bolsonaro quer demitir Guedes, Moro e Mandetta, e não pode”


O governador do Maranhão, Flávio Dino. Foto: Gilson Teixeira/ Divulgação

Do El País:

Desde o fim do Carnaval, quando a pandemia de coronavírus anunciava sua chegada ao Brasil, o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), de 51 anos, vem correndo para abrir hospitais e aumentar o número de leitos de UTI. Até o momento são 150 a mais, exclusivos para receber pacientes infectados pela Covid-19. No plano nacional, Dino se uniu aos demais governadores para pedir auxílio ao Governo Federal. Em entrevista ao EL PAÍS por telefone na semana passada, ele teceu elogios ao ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS), mas se referiu ao presidente Jair Bolsonaro como “irresponsável”, “totalmente alheio à realidade”.(…)

Apesar do isolamento, Bolsonaro não é Dilma nem Temer. Sua popularidade ainda ronda os 30%. Seu discurso de volta ao trabalho faz eco entre segmentos populares. Faz sentido acreditar que o Governo Bolsonaro acabou, como alguns analistas vêm dizendo? R. Hoje ele ainda mantém, de fato, esse, apoio. Mas a leitura praticamente unânime dos analistas políticos é que, como se diz no mercado financeiro, o viés é de baixa. Ele não deseja sair disso. Eu te juro que quando ele chamou a reunião dos governadores, eu cheguei a achar que ele tinha sido feito uma inclinação mais na linha institucional que os militares e Mandetta vêm defendendo. Eu disse “graças a Deus, pelo menos no meio da crise a gente não vai ter confusão política”.

Aí no dia seguinte ele vai para a televisão, inspirado pelo gabinete do ódio, e faz o que faz. Então, se ele não se sensibiliza diante de mortes, diante de perdas de vidas humanas, diante de tragédias… São profissionais saúde adoecendo, o risco de colapso no sistema é gigantesco. Só um irresponsável não enxerga isso. Então, você tem um conjunto de situações gravíssimas e, ao mesmo tempo, um presidente alheio a isso.

Não vejo como ele possa preservar e consolidar sua base política. Seria falso dizer que seu Governo acabou em termos formais. Mas, em termos materiais, de poder, sim, porque ele objetivamente não dirige nem o Governo dele. Te dou três exemplos: ele quer demitir Paulo Guedes [ministro da Economia] e não pode, ele quer demitir Sergio Moro [ministro da Justiça] e não pode, ele quer demitir Mandetta e não pode. Que poder é esse? Como pode um presidente ser mais fraco que seus três ministros? Está claro que seu poder real se esvai. Se isso vai levar a uma definição formal, hoje é cedo pra prognosticar.

(…) Leia eesa e outras matérias no DCM

Alcolumbre diz que Bolsonaro é motorista de ônibus lotado que acelera em direção a muro e não freia


Na verdade, o título original diz que Bolsonaro é motorista de caminhão. Mas cá entre nós, achamos que ele é um motorista de ônibus que vai com cerca de 210 milhões de passageiros “a bordo” e que não se importa do busu bater no muro ou barranco em velocidade. Mas imediatamente os ajudantes tomaram a tempo, a direção do motorista e assim, metade das possíveis vítimas poderão não morrer, pois o impacto vai ser com menos intensidade. Agora, o que se pede é que o Bolsonaro continue como passageiro e sem dar muitos palpites na forma do novo motorista dirigir, pois muita gente tem falado que o Braga, se não é o ideal, é bem melhor que o Bozo. Até aqui Café com Leite.

Davi Alcolumbre (DEM-AP), presidente do Senado Federal (Marcos Oliveira/Ag. Senado)

Da Coluna Painel de Camila Mattoso na Folha de S.Paulo.

(…)

 Jair Bolsonaro foi descrito pelo presidente do Congresso, Davi Alcolumbre (DEM-AP), em conversas reservadas nesta segunda (6), como o motorista de um caminhão em alta velocidade em direção a um muro, e que mesmo alertado de que vai bater, não para. A imagem foi usada em referência à guerra fria travada com o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. Para observadores, a cada nova ameaça de demissão não cumprida, é Bolsonaro que se desgasta e passa a imagem de fraqueza.

(…) Fonte DCM.

Maior infectologista dos EUA faz alerta: “época pré-coronavírus pode nunca mais voltar”


Segundo Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos, “se voltar à normalidade significa que viver como se nada disso tivesse acontecido, creio que não será possível tão cedo, ou talvez nunca”

O infectologista estadunidense Anthony Fauci (foto: Go Local)
Em entrevista coletiva com meios estadunidenses, o infectologista Anthony Fauci, figura de maior prestígio nessa área em seu país, afirmou os Estados Unidos e o mundo inteiro talvez jamais voltarão a viver o mundo como ele era antes da pandemia de covid-19.

“Voltar ao mundo como ele era antes do coronavírus não será possível enquanto a ameaça exista, sem vacina e tratamentos eficazes, sem que toda a população esteja protegida”, afirmou o cientista.

No entanto, Fauci também esclarece que “tampouco estou dizendo que o que vivemos agora poderá ser repetido. Esta pandemia deve nos ensinar a estar permanentemente buscando soluções e antecipando as próximas, para poder reagir antes de chegar a este estágio”.

Logo, completo: “em um período de tempo razoável, obteremos uma boa vacina, até lá, não se pode reivindicar uma vitória prematuramente. As medidas de mitigação adotadas em Nova York estão funcionando e devem ser adotadas também em outros estados”.

Fonte Revista Forum