Brasil em perigo, por Paulo Nogueira Batista Jr.


Foto Araquém Alcântara

 

De Paulo Nogueira para o GGN. Em toda a minha vida, já relativamente longa, nunca, mas nunca mesmo, vi o Brasil correr tanto perigo, tantos riscos. Fica cada vez mais claro que a crise iniciada em 2015 não é uma crise qualquer, mas um processo de desintegração e dissolução que coloca em risco a Nação. Como seria de prever, esse processo está alcançando o seu paroxismo com o governo Bolsonaro.

Bem sei, leitor, que o nosso País, com todas as suas extraordinárias qualidades, sempre teve também muitas vulnerabilidades. Carregamos pesada herança colonial-escravista, nunca inteiramente superada. Calabar e Joaquim Silvério dos Reis fizeram escola e seus discípulos ou sucessores sempre estiveram representados nas mais altas esferas, em maior ou menor medida.

Mas há precedentes para o que estamos vivendo agora? Vou mais longe: um governo de ocupação, que estivesse encarregado de desmontar o Estado brasileiro, faria melhor serviço? O propósito destrutivo está sendo levado a cabo às claras, sem disfarces. O próprio presidente da República proclama que seu objetivo é exatamente este. E a destruição já vem atingindo muitas áreas da administração pública, das políticas governamentais e da sociedade brasileira.

Tome-se como exemplo a área ambiental. Nas últimas décadas, o Brasil desenvolveu doutrinas, políticas e instrumentos nesse campo estratégico. Um dos instrumentos mais recentes, ainda em fase de consolidação, é o Novo Banco de Desenvolvimento, criado em conjunto com Rússia, Índia, China e África do Sul, banco do qual fui vice-presidente até 2017 e que tem como um dos seus objetivos centrais apoiar o desenvolvimento com sustentabilidade ambiental.

Não há dúvida de que a eficácia das instituições e políticas ambientais brasileiras variou ao longo do tempo. O que foi feito pode e deve ser objeto de críticas e revisão. Mas a destruição pura e simples, a mudança abrupta de rumo, pontuada por medidas e declarações estapafúrdias, provocativas e até infantis, vem transformando o Brasil em pária internacional. É um convite ao desastre em tema que diz respeito a interesses fundamentais do País e à própria soberania nacional. Como se sabe, a questão central aqui é a Amazônia.

Não se trata, leitor, de um simples problema de “imagem” no exterior – aspecto que invariavelmente desperta o vira-lata que habita no brasileiro. Sempre acompanhamos, aflitos, manifestações mais críticas de americanos e europeus a nosso respeito – e, realmente, estas vêm se multiplicando na mídia e mesmo no discurso de lideranças políticas desses países. Também não se trata principalmente de um problema de perda de acesso a financiamentos externos ou a fundos dedicados à questão ambiental, ainda que isso possa certamente ocorrer ou até tenha começado.

O grande risco é outro – o de abrir o flanco, no médio prazo, para uma intervenção estrangeira no Brasil. Isso pode soar alarmista. Estou escolhendo as palavras com o devido cuidado. Eis o que quero frisar: não podemos, de forma alguma, perder de vista a importância que se atribui no exterior à questão ambiental e, em especial, à Amazônia. E nessa atenção que a Amazônia recebe há uma mistura perigosa de preocupações legítimas, relativas a repercussões climáticas globais, com a tradicional cobiça das grandes potências pela vasta reserva de recursos naturais valiosos e crescentemente escassos que temos na região Norte do País.

O caminho mais rápido para perder soberania na Amazônia e, no limite, colocar em risco até a integridade territorial do Brasil é confrontar de maneira tosca as preocupações internacionais, isto é, continuar com a combinação de medidas inconsequentes e destrutivas com pronunciamentos espalhafatosos. Evidentemente, não temos motivo para aceitar sem contestação os “consensos” internacionais em matéria de ecologia e Amazônia. Os governos estrangeiros e organizações não governamentais que se dedicam a essa temática não são, nunca foram, inatacáveis. Mas o Brasil precisa se dirigir a esses temas, vitais para nós e para o resto do mundo, com espírito crítico, seriedade e competência profissional.

Se o governo federal perdeu o rumo nessa questão, como em tantas outras, cabe aos governos subnacionais, ao Congresso, às organizações da sociedade civil e aos especialistas fazer o que estiver a seu alcance para interromper o desastre que está se configurando.

Paulo Nogueira Batista Jr. é economista, foi vice-presidente do Novo Banco de Desenvolvimento, estabelecido pelos BRICS em Xangai, e diretor executivo no FMI pelo Brasil e mais dez países.

Error, no Ad ID set! Check your syntax!

Homem mais rico do mundo, Jeff Bezos só quer saber de usar o mesmo short em suas férias na Europa


Jeff Bezos e Lauren Sanchez em St. Tropez || Créditos: Reprodução

Engana-se quem pensa que Jeff Bezos, por ser o homem mais rico do mundo, faz questão de usar roupas diferentes sempre que sai por aí. No momento curtindo férias no litoral da Europa com a namorada, a ex-repórter Lauren Sanchez, o fundador da Amazon tem chamado a atenção de muitos por lá justamente por causa do mesmo short de praia que anda vestindo dia sim e outro também na maioria das ocasiões em que decide dar as caras em público. A peça é da badalada grife Vilebrequin e custa em torno de US$ 260 (R$ 1.025), apesar de que o modelo específico usado com frequência por Bezos, que tem estampa de polvos, já está fora de linha.

Nesse fim de semana, o bilionário apareceu mais uma vez a bordo do mesmo shortinho que escolheu dias atrás para dar pivô no mega-iate de David Geffen durante um passeio com Sanchez pelas ruas de St. Tropez. Detalhe: assim que notou os cliques dos paparazzi, Bezos fez questão de abrir alguns botões a mais da camisa de mangas curtas que também usava, só para deixar seu peitoral trabalhado na academia à mostra. Quem te viu, quem te vê, hein! (Por Anderson Antunes)

Cantor de rap baiano é preso por roubo seis anos após crime


Dark MC também foi suspeito de ter agredido a sogra e a namorada em agosto do ano passado.

[Cantor de rap baiano é preso por roubo seis anos após crime]
Foto : Reprodução/ Facebook

O cantor de rap Clóvis de Oliveira Santos Júnior, conhecido como “Dark MC”, foi preso por roubo qualificado, em Salvador, após mandado judicial. De acordo com o G1, ele foi detido na quarta-feira (7), na Cidade Baixa,

Dark MC também foi suspeito de ter agredido a sogra e a namorada em agosto do ano passado.

Clóvis foi detido na quarta-feira (7), na Cidade Baixa. O mandado de prisão havia sido expedido pelo TJ no mês de abril deste ano, após um recurso para responder ao processo em liberdade ter sido negado pela Justiça.

Em 2016, o cantor e outros dois jovens foram condenados por roubo, ocorrido em dezembro de 2012.

 

Deltan Dallagnol e sua laranja, a procuradora Thaméa Danelon: dobradinha para pressionar o STF e prender Lula


Dallagnol e sua “laranja”, a procuradora Thaméa Danelon

 

EM 22 DE MARÇO DE 2018, o STF concedeu ao ex-presidente Lula um salvo-conduto para que ele, já condenado em segunda instância no caso do triplex do Guarujá, não fosse preso até o julgamento de seu habeas corpus preventivo, marcado para 4 de abril. Grupos contrários e favoráveis ao petista mobilizaram-se para pressionar o Supremo.

Oito dias depois, Dallagnol anunciou no grupo de Telegram Parceiros MPF — 10 medidas que ele e a equipe da Lava Jato no Paraná haviam aderido a um abaixo-assinado restrito a juízes e procuradores a favor da prisão em segunda instância. Horas mais tarde, o procurador discutiu com Thaméa Danelon a possibilidade de que também houvesse abaixo-assinados apresentados pela sociedade, e não apenas por autoridades.

No dia seguinte, Dallagnol fez uma proposta à procuradora. “Se Vc topar, vou te pedir pra ser laranja em outra coisa que estou articulando kkkk”. Danelon assentiu, animada, e o chefe da Lava Jato continuou. “Um abaixo assinado da população, mas isso tb nao pode sair de nós… o Observatório vai fazer. Mas não comenta com ng, mesmo depois. Tenho que ficar na sombra e aderir lá pelo segundo dia. No primeiro, ia pedir pra Vc divulgar nos grupos. Daí o pessoal automaticamente vai postar etc”.

O Observatório Social é uma organização de atuação nacional sediada em Curitiba que atua, segundo o site, “em favor da transparência e da qualidade na aplicação dos recursos públicos”. Mantendo sigilo sobre a articulação, a colega de Dallagnol em São Paulo divulgou o abaixo-assinado e disse a ele que o Vem Pra Rua fez o mesmo. Em seguida, o coordenador da Lava Jato compartilhou a petição em seu perfil do Facebook sem mencionar que estava por trás da iniciativa.

Satisfeito com a repercussão, Dallagnol escreveu a Danelon: “Temos que cuidar pra não parecer pressão. Se não estivéssemos na LJ, o tom seria outro kkkkk. Ia chutar o pau da barraca rs. Depois chutava a barraca e eles todos tb kkk”. A procuradora subiu vários tons. “Eu colocava todos na barraca e metralhava kkkk”. Com informações do DCM.

Depois de colocar o Brasil em recessão, Guedes pede paciência


Jair Bolsonaro e Paulo Guedes

Depois de colocar o Brasil tenicnamente em recessão, com dois trimestres seguidos de retração, o  ministro da Economia, Paulo Guedes, pediu “um pouco de paciência”. Ele quer que as pessoas esperem um ano ou dois ou até mais. “Dê uma chance de um governo de quatro anos”, disse Guedes na manhã desta segunda-feira (12) em Brasília, num evento do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

“Espera quatro anos, vamos ver se melhora um pouco, nos deem chance de trabalhar também”, afirmou o ministro. Ele não comentou a divulgação do  Índice de Atividade Econômica (IBC-Br), uma prévia do PIB, divulgado pelo Banco Central também nesta manhã e que apontou que o país está tecnicamente em recessão.

O PIB recuou  0,13% entre abril e junho deste ano na comparação com o primeiro trimestre.depois de haver recuado 0,2% nos três primeiros meses deste ano (leia aqui). Uma recessão é oficialmente declarada depois que o PIB de um país recua dois trimestres consecutivos, como é o caso do Brasil sob o governo Bolsonaro.

No seminário, Guedes defendeu seu programa ultraliberal para economia, o mesmo implementado pelo governo Macri na Argentina e que levou o país vizinho à bancarrota e a uma paralisia econômica sem precedentes, causa da retumbante derrota sofrida nas prévias presidenciais deste domingo (veja no 247).

Dallagnol sabia que Onyx estava envolvido em corrupção mas afirmou “fingir que não sabia”


O vazamento só aumenta e complica a vida do Deltan, e o que se espera é que depois de tantas descobertas de falcatruas que envolvem os nomes de Dallahnol e outros, inclusive o do Ministro da Justiça Sergio Moro, as providências cabíveis sejam tomadas, pois a sociedade não pode ficar assistindo o nome do Brasil ser jogado na lata do lixo e nada ser feito. A sociedade espera que a punição aos inimigos do Brasil e brasileiros, que têm contribuído ou, indo mais adiante, têm sido os principais responsáveis pela situação do país, na opinião de muita gente, não sejam punidos apenas com afastamento dos cargos. O STF e outros órgãos do Judiciário brasileiro têm que recuperar a credibilidade perante a opinião pública, pois nos últimos anos, essas instituições que representam a justiça brasileira, e que foi criada para agirem com coerência, têm deixado um parecer que a balança da justiça tem estado desequilibrada. As mensagens foram vazadas, são originais, o Intercept não inventou e o Brasil espera o desfecho de tudo. Até aqui café com Leite Notícias.

 

 

Deltan Dallagnol confessou que já sabia que Onyx Lorenzoni, ministro da Casa Civil de Bolsonaro, estava envolvido em corrupção. Mesmo assim, fez vista grossa e manteve o trabalho conjunto com o então deputado gaúcho, principalmente no documento “10 Medidas Contra a Corrupção”.Ele chegou a escrever num tweet que “tinha que fingir que não sabia” do envolvimento de Lorenzoni com corrupção. As novas revelações fazem parte da Vaza Jato e foram divulgadas no começoa da tarde desta segunda pelo Intercept

 

Novos trechos de mensagens da Vaza Jato, divulgados pelo The Intercept no começo da tarde desta segunda-feira, revelam que o procurador chefe da força-tarefa da Lava Jato, Deltan Dallagnol, já sabia que o então deputado Onyx Lorenzoni, atual chefe da Casa Civil de Bolsonaro, estava envolvido em esquemas de corrupção, mas fechou os olhos para levar a cabo a sua cruzada no suposto “combate à corrupção”.

Em conversa num grupo de procuradores, Deltan é indagado por Fábio Oliveira: “Vc viu que saiu o nome do Onyx na lista do Fachin hj?”. Ele se refere à decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal, Edson Fachin, que em 4 de dezembro, atendeu pedido feito pela Procuradoria-Geral da República (PGR) e determinou a abertura de uma petição autônoma específica para analisar as acusações de caixa dois feitas por delatores da JBS ao, na época, futuro ministro da Casa Civil.

“Vi… (já sabia, mas tinha que fingir que não sabia, o que foi, na verdade, bom…rsrsrs)”, respondeu Dallagnol. “Não que não quisesse falar, mas se falasse seira até crime rs”, completou.

O procurador admite que seguia trabalhando com Onyx, que era o lobista das 10 Medidas Contra a Corrupção, projeto que criado pela Lava Jato, mesmo após descobrir denúncias de corrupção.

Onyx é foi “perdoado” por Sergio Moro apenas porque admitiu que errou e pediu desculpas, segundo o próprio ex-juiz e hoje ministro da Justiça.

“Eu já me manifestei anteriormente. É uma questão de Onyx. O que vejo é um grande esforço [do ministro Onyx] para a aprovação das 10 medidas do Ministério Público, razão pela qual foi abandonado por grande parte de seus pares. Ele tem minha confiança pessoal”, disse Moro em dezembro de 2018.

Com informação do brasil 247.

Veja as cidades menos violentas para se viver no Brasil: ranking 2019


Jaú/SP - Foto: Revista Atenção

Das 20 cidades menos violentas do Brasil, 14 ficam no estado de São Paulo.

É o que mostra o Atlas da Violência – Retrato dos Municípios Brasileiros 2019, divulgado esta semana pelo Ipea, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, que analisou em parceria com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 310 municípios brasileiros com mais de 100 mil habitantes em 2017.

Jaú é a cidade menos violenta do país, com 2,7 homicídios a cada 100 mil habitantes. Em segundo lugar aparece Indaiatuba com 3,5 e em terceiro a cidade de Valinhos, co 4,7.  (ranking abaixo)

Na sequência aparecem Jaraguá do Sul e Brusque – em Santa Catarina – Jundiaí, Limeira e Americana, Bragança Paulista e Santos, em São Paulo.

Entre as capitais, as menos violentas são, na ordem, São Paulo, Campo Grande, Brasília e Curitiba, Belo Horizonte.

Cidades com menores taxas homicídios

  1. Jaú (SP) – 2,7
  2. Indaiatuba (SP) – 3,5
  3. Valinhos (SP) – 4,7
  4. Jaraguá do Sul (SC) – 5,5
  5. Brusque (SC) – 5,8
  6. Jundiaí (SP) – 6,1
  7. Limeira (SP) – 7,7
  8. Americana (SP) – 7,7
  9. Bragança Paulista (SP) – 7,7
  10. Santos (SP) – 7,8

Capitais com menores taxas de homicídios

  1. São Paulo (SP) – 13,2
  2. Campo Grande (MS) – 18,8
  3. Brasília (DF) – 20,5
  4. Curitiba (PR) – 24,6
  5. Belo Horizonte (MG) – 26,7
  6. Cuiabá (MT) – 28,8
  7. Florianópolis (SC) – 30,0
  8. Vitória (ES) – 30,6
  9. Palmas (TO) – 33,5
  10. Rio de Janeiro (RJ) – 35,6
  11. Porto Velho (RO) – 36,0

Mais violentas

Infelizmente, comm exceções de Simões Filho, no Rio de Janeiro, e Alvorada, no Rio Grande do Sul, as dez cidades mais violentas, com mais homicídios, se concentram em estados das regiões Norte e Nordeste do país.

O município mais violento do Brasil, com mais de 100 mil habitantes, é Maracanaú, no Ceará. Em segundo lugar está Altamira, no Pará, onde 62 detentos foram mortos durante massacre na semana passada. Em seguida vem São Gonçalo do Amarante, no Rio Grande do Norte.

Com informações do Metrópoles

Em risco de colapso, ponte em Jequié deve ser interditada, diz MP


Estrutura deve ficar fechada até que sejam adotadas medidas emergenciais de manutenção e recuperação

[Em risco de colapso, ponte em Jequié deve ser interditada, diz MP]
Foto : Reprodução/ Jequié Repórter

O Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA) recomendou à prefeitura de Jequié que interdite imediatamente a ponte sobre o Rio Jequiezinho, localizada na Rua Antônio Orrico, nas proximidades de uma faculdade.

O objetivo da recomendação é coibir o uso da ponte por veículos automotores, ciclistas e pedestres até que sejam adotadas medidas emergenciais de manutenção e recuperação da estrutura.

Uma inspeção técnica realizada pela Central de Apoio Técnico do MP (Ceat) constatou um cenário de risco, com probabilidade de colapso estrutural da ponte e de queda de pessoas, ciclistas ou veículos, já que não há estrutura adequada de contenção nas laterais e cabeceiras.

Transporte escolar deixa menina de 5 anos a 15 quilômetros de sua casa


Menina de 5 anos foi deixada pelo transporte escolar a 15 km de onde mora. A criança chegou a dizer que ali não era a sua casa e chorou durante horas até ser encontrada. Mãe se diz indignada: “Ela passou por muito perigo”

menina transporte escolar

“Ela passou por muito perigo, em um lugar que não conhecia ninguém, não sabia onde estava. Poderia ter acontecido muita coisa com ela.”

O depoimento acima é de Raquel Vitor Crescêncio. Sua filha, de 5 anos, foi deixada pelo transporte escolar a cerca de 15 quilômetros do local onde mora. O caso aconteceu na última segunda-feira (5) na zona rural de Motuca (SP).

A menina de 5 anos chegou a dizer que ali não era a sua casa e ficou chorando durante horas até ser encontrada pelo caseiro da propriedade.

Raquel afirmou que a monitora do transporte escolar admitiu que se enganou. “Ela falou para mim que foi uma falta de atenção da parte dela e que ela nem ouviu a minha filha falando que ali que não era a casa dela. Ela me pediu desculpa, mas uma falta de atenção que é inadmissível porque eles estão tomando conta de criança”, disse.

A menina foi encontrada pelo caseiro Sebastião Pedroso que a escutou chorando na estrada no fim da tarde. “Se nós não estamos aqui aonde ia essa criança?”, questionou.

O caseiro levou a menina para o pronto-socorro na cidade, onde o motorista da perua foi chamado para levá-la para casa. Ela não quer ir mais para a escola com a perua escolar.

“Eu quero que a minha mãe me leve na escola porque eu tenho muito medo de a perua fazer isso de novo, ela vem com um monte de criança”, disse a menina.

A prefeitura abriu processo administrativo para apurar a conduta da monitora. A secretária municipal de Educação, Cristina Sanches, afirmou que a monitora foi afastada das funções.

O Conselho Tutelar de Motuca acompanha o caso e vai aplicar as medidas necessárias de proteção à criança, pedir providências à prefeitura e comunicar o Ministério Público.

A empresa Talles Villela Gamba, que presta o serviço de transporte escolar em Motuca, admitiu, em nota, que houve um engano por parte da monitora ao desembarcar a menina no ponto errado.

Vídeo de youtuber cuspindo e espancando cachorro vaza na internet


Youtuber que adquiriu fama na internet fazendo vídeos “fofos” e carinhosos com seu cachorro é flagrada espancando e cuspindo no animal. Imagens viralizaram e a mulher tentou se justificar

youtuber cachorro Brooke Houts
A youtuber Brooke Houts

A youtuber americana Brooke Houts adquiriu milhares de seguidores nas redes sociais fazendo vídeos “fofos” e carinhosos com seu cachorro, até que um vídeo sem edição foi ao ar acidentalmente e arruinou a sua fama.

A gravação mostra Brooke tentando fazer uma filmagem para o seu canal. Enquanto ela conversa com a câmera, seu cachorro pula em cima da dona. ‘Sphinx’ é um filhote da raça Doberman.

Irritada, a jovem desfere tapas no rosto de Sphinx em um primeiro momento. O cachorro insiste nas brincadeiras e a youtuber pressiona a cabeça do cão no chão e cospe nele. As imagens são de embrulhar o estômago.

 

A youtuber tentou se desculpar pelo episódio e disse que seu ataque de fúria covarde foi provocado por alguns problemas que ela está enfrentando.

Brooke foi denunciada para a Sociedade Protetora dos Animais, e a polícia de Los Angeles (EUA) está investigando o caso. Ela pode ser acusada de crueldade contra os animais.

Brooke Houts trancou sua conta no Instagram após a repercussão das imagens e divulgou um pedido de desculpas:

“Peço desculpas para todos que foram afetados negativamente pela gravação. A Brooke fofa e feliz que vocês veem nos vídeos me representa, mas é óbvio que meu humor varia quando eu estou frustrada de verdade. Isso não justifica eu ter gritado com o meu cachorro. (…) Mas quando o meu Dobermann de 35kg pula em cima de mim com a boca aberta, preciso mostrar, como sua dona, que esse comportamento é inaceitável. (…) Não sou uma agressora de animais”

Os seguidores, no entanto, não aprovaram o posicionamento da jovem. Para eles, a moça não trata com a devida seriedade a agressão de animais. “Agora nós a conhecemos de verdade. Espero que esse cachorro encontre uma nova família”, publicou uma seguidora.

VÍDEO:

Brookes queria replicar pegadinha

Brookes replicar um vídeo viral entre os amantes de cachorro: acompanhados dos donos, os animais reagiam à pegadinha do plástico filme. Porém, os bastidores dessa gravação se revelaram cruéis.

As imagens das agressões fazem parte do material bruto gravado e foram publicadas sem querer pela youtuber antes da postagem do vídeo final. As imagens de violência contra o cão foram deletadas na sequência. Porém, perfis de proteção animal recuperaram o vídeo original e a história ganhou bastante repercussão.

Desde que a história veio à baila, o canal de Brooke já perdeu cerca de 10 mil seguidores.

Aquecimento global pode afetar produção de alimentos, alerta IPCC


O pior é que o presidente da República Brasileira, ou pela sua ignorância ou por propósito de causar o mal, já não se sabe mais, está na contra mão de tudo isso que essa matéria a seguir relata. No seu discurso recente, ele convida o resto do mundo que queira fazer parcerias para explorar a Amazônia. Ainda diz que o país agora está sob nova direção e que esse negócio de demarcação de terras para índios é besteira e que ele vai integrar-los à sociedade. Isso demonstra que o Brasil e brasileiros correm um grande risco. Se existe uma parte da sociedade brasileira quer continuar tiete batendo palmas para essas atitudes, por simplesmente serem alienados e incapazes de enxergar e repudiar tais atitudes do presidente, que fiquem nos seus cantos chamando-o de mito. Mas a classe consciente de toda barbaridade que está acontecendo no país, tem obrigação de lutar e de gritar contra todas essas barbáries e as que estão por vir. Até aqui Café com leite Notícias.
Desmatamento na Amazônia: ação que, a princípio, não deve merecer muita atenção do novo governo federal brasileiro (Foto: iStock)

 

De acordo a Revista Um novo relatório divulgado pelo Painel Intergovernamental Sobre Mudanças Climáticas nesta quinta-feira (8) reúne as mais recentes e principais descobertas sobre o aquecimento global. O documento trata de como o uso da terra afeta a mudança do clima e, por sua vez, como essa mudança impacta na na própria gestão da terra, mostrando que estamos “presos” em um circulo vicioso que, se não for alterado, pode afetar, entre outras coisas, a produção de alimentos para toda a humanidade.

Segundo o relatório, as atividades humanas afetam, hoje, 70% da terra livre de gelo do planeta. Entre um quarto a um terço da terra é usado para produzir comida, alimento para gado, tecidos, madeira e energia. Dados levantados desde 1961 mostram que o crescimento populacional global e as mudanças no consumo desses recursos são responsáveis por níveis nunca antes vistos de uso de terra e água. Só a agricultura consome 70% da água limpa do mundo e emite 22% dos gases de efeito estufa.

O uso da terra é tanto uma fonte de emissão quanto de absorção de gases de efeito estufa, e portanto essas atividades têm um papel central na troca de energia entre a superfície da terra e a atmosfera. A degradação dos solos aumenta a emissão desses gases, contribuindo para o aquecimento do clima, o que por sua vez aumenta a frequência e intensidade de eventos climáticos extremos, como secas, inundações e ondas de colar, que podem destruir ecossistemas naturais e prejudicar a própria produção de alimentos.

Estima-se que, desde a era pré-industrial, (1850-1900), a temperatura atmosférica subiu em média 1,53oC, enquanto que a temperatura global, incluindo superfícies terrestres e oceanos, subiu, em média, 0,87oC.

Em algumas regiões do mundo essas mudanças já podem ser sentidas. Em locais de baixa latitude, a produtividade de cultivos de trigo e milho estão diminuindo. A mudança climática também está resultando em taxas de crescimento de produção e de produtividade mais baixas em sistemas pastoris na África.

O relatório também aponta que 25-30% do total de alimentos produzidos é desperdiçado, fator que é associado a emissões adicionais de gases de efeito estufa. O documento indica a necessidade de diversificar a dieta e melhorar a produtividade para conciliar a produção de alimentos com um crescimento populacional cada vez maior.

Oportunidade para o Brasil
O relatório do IPCC deixa clara a importância de combater o desmatamento, promover recuperação florestal, mudar práticas agrícolas e frear a degradação das terras no mundo inteiro como medidas capazes tanto de combater a mudança do clima quanto de promover a adaptação da sociedade a elas.

Segundo o relatório, a redução do desmatamento e da degradação tem o potencial de reduzir até 5,8 bilhões de toneladas de CO2 por ano no mundo. Detentor da maior floresta tropical do planeta, o Brasil pode responder por parte importante dessa redução – se governo e sociedade fizerem sua parte.

Há também oportunidades para o Brasil nos setores de bioenergia sustentável e recuperação florestal, vistos pelo IPCC como peças importantes para o atingimento da meta do Acordo de Paris de limitar o aquecimento global em 1,5oC, e na agropecuária. O sistema alimentar, que responde por até 37% das emissões de gases de efeito estufa do planeta, pode ser um instrumento de resposta à mudança do clima, com tecnologias agrícolas que o país já utiliza, ganho de eficiência e mudanças de dieta de modo a incluir mais vegetais.

Em todas essas áreas o Brasil tem vantagens competitivas e pode se tornar um líder global em produção com redução de emissões, como o Plano de Agricultura de Baixa Emissão de Carbono preconiza há uma década.

Por outro lado, o IPCC também faz um alerta: a demora do mundo em atacar decididamente a crise do clima pode fará com que as soluções baseadas no uso da terra fiquem menos eficientes, já que o aquecimento da Terra induz à degradação dos ecossistemas e à perda de produtividade agropecuária.

“São dois recados poderosos para o governo brasileiro”, diz Carlos Rittl, secretário-executivo do Observatório do Clima. “Ao negar o aquecimento global e estimular o desmatamento da Amazônia, a administração de Jair Bolsonaro está rasgando dinheiro, já que o sistema alimentar será reorientado para atividades de baixo carbono que o Brasil tem potencial de liderar. Ao mesmo tempo, ao aderir à ideologia obscurantista de Donald Trump, o presidente do Brasil desperdiça oportunidade de negócios, inovação e investimento nesse novo setor de uso da terra que o relatório do IPCC delineia.”

Segundo Rittl, a explosão do desmatamento na Amazônia nos últimos meses está na contramão de todas as conclusões do relatório. “A atitude do governo brasileiro em relação às florestas, questionando as medições do desmatamento em vez de agir contra ele são um desastre ambiental, ético e econômico.”

Nível do mar começou a subir antes do que se imaginava


(Pelo Observatório do Clima) – A aceleração da elevação do nível global dos oceanos começou 30 anos antes do que os cientistas imaginavam. O resultado é de um novo estudo, publicado em 5 de agosto no periódico “Nature Climate Change”.

A equipe do pesquisador alemão Sönke Dangendorf, da Universidade de Siegen, desenvolveu uma nova metodologia para analisar as séries de dados mais antigas sobre o nível do mar. Sua conclusão foi que a tendência observada hoje data dos anos 1960 – antes mesmo de a expressão “aquecimento global” ter aparecido pela primeira vez na literatura científica.

Ao longo do último século, os oceanos já subiram cerca de 20 centímetros. O fenômeno, um dos efeitos mais temidos do aquecimento global, é causado sobretudo pelo derretimento de geleiras de montanhas, dos mantos de gelo da Groenlândia e da Antártidae pela expansão térmica do mar – líquidos aquecidos aumentam de volume.

Estima-se que a elevação neste século, a depender do comportamento do gelo da Antártida, possa ultrapassar um metro. Isso teria consequências dramáticas para cidades costeiras e nações insulares, já que uma elevação dessa ordem pode se multiplicar por quatro durante ressacas ocorridas em maré alta.

O nível do mar é medido com precisão milimétrica por satélites desde 1993, quando se detectou a aceleração. Antes disso, os cientistas precisavam se fiar em registros esparsos de marégrafos espalhados pelo mundo.

Dangendorf e seus colegas combinaram duas técnicas de análise dos dados dos marégrafos. A primeira permite olhar a tendência no longo prazo, mas não detecta variações que ocorrem de um ano para o outro. A outra permite reconstruir a variação anual, mas não enxerga o longo prazo. Assim, foram capazes de reconstruir a tendência de aumento do nível do mar desde 1900.

Eles descobriram que a aceleração começou em 1960, saltando de cerca de 1 milímetro por ano para quase 4 milímetros por ano. Ela seguiu uma mudança nos ventos alísios do Hemisfério Sul. O principal ponto de aumento é no Pacífico Sul, entre Austrália e Nova Zelândia. E mostra a importância da expansão térmica para essa tendência.

“Os ventos se intensificaram, levando a uma maior redistribuição de massas de água quente superficial para o Pacífico”, afirmou Dangendorf ao OC.

Ele explica que isso causou um segundo efeito sobre o nível global do mar. “Se a água mais quente é empurrada para longe, a água mais fria e mais densa de profundidades intermediárias sobe à superfície”, observa. “Essa água mais fria e mais densa absorve calor de forma mais eficiente, levando a uma maior expansão térmica – e, por consequência, a uma elevação mais rápida no nível do mar.

Fonte desta matéria Revista Planeta.

Povoado polonês vai premiar primeiro casal local que tiver filho menino


Bebê menino: em falta em Miejsce Odrzańskie

O centenário povoado de Miejsce Odrzańskie, no sudeste da Polônia, exibe uma estatística curiosa: desde 2009, nenhum menino nasceu ali. Os 12 nascimentos ocorridos nessa comunidade fundada em 1679, que possui cerca de 300 habitantes, foram de meninas. A situação chegou ao ponto de as autoridades locais oferecerem um prêmio ao primeiro casal que conceber um menino.

A predominância feminina também aparece na formação da brigada de incêndio da aldeia, que possui 24 mulheres jovens e apenas oito homens. A equipe mais jovem de voluntários conta apenas com moças.

Foi a participação de equipes dominadas por mulheres em uma competição regional neste verão que atraiu a atenção da imprensa. Miejsce Odrzańskie virou assunto em publicações europeias e norte-americanas.

Pelas reportagens feitas sobre o local, a maioria dos moradores adultos tem duas filhas. Os meninos são raros, e alguns deles vieram de outros municípios.

Tendência preocupante

Estatisticamente, a probabilidade de que um óvulo fecundado de modo normal venha a resultar num menino ou numa menina é de 50% para cada lado. Mas a tendência observada em Miejsce Odrzańskie preocupa tanto Rajmund Frischko, prefeito da comuna de Cisek (onde está o povoado), que ele prometeu uma recompensa “atraente” para a primeira família local que gerar um bebê menino. Frischko, porém, não especificou o que seria essa recompensa.

Enquanto isso, o corpo de bombeiros juvenil feminino da aldeia vai ganhando competições e promovendo internacionalmente o nome de Miejsce Odrzańskie. “Essas garotas vivem e respiram. Há muita paixão e determinação. Durante dois meses antes de cada competição, eles vêm treinar todos os dias ou em dias alternados depois da escola”, disse ao “The New York Times” o bombeiro Tomasz Golasz.

Com informação Planeta.

Direção 5 estrelas: A melhor motorista do Uber no Brasil é uma mulher


Uma motorista do Uber de Maringá, no Paraná, é a primeira mulher do Brasil a receber cinco estrelas no aplicativo. Nem de longe a conquista está relacionada com a máxima machista que de mulheres são mais cuidadosas.

Glaucia Stocki dirige pelo aplicativo há um ano e sete meses no Paraná. A conquista do título se deu pelas avaliações positivas de nada menos que 500 passageiros consecutivos.

As estrelas foram entregues pelo tratamento respeitosodireção seguraassuntos interessantes (sem polêmicas e reclamações constantes sobre o trânsito), limpeza e trajeto certeiro.

Que sirva de incentivo para a adesão de mais mulheres

Em entrevista ao Maringá Post, Glaucia diz que começou a se dedicar ao ver a nota próxima dos cinco pontos. “Confesso que minha maior motivação foi mostrar que as mulheres também são muito boas ao volante”, explica.

A motorista pontua que nunca pediu para os clientes fazerem qualquer tipo de avaliação, até porque esta é uma prática vetada pela equipe do Uber.

“Eu tratava todo mundo da melhor maneira, buscava assuntos interessantes e fora de polêmica. Ficava quieta quando percebia que era isso que o cliente queria, além de manter o carro sempre muito limpo, fazer o melhor trajeto e ser cuidadosa no trânsito”, comenta.

O prêmio rendeu uma gratificação de R$ 5 mil e outros prêmios. A condutora comemorou o fato em um vídeo postado no YouTube.

A notícia abre caminho para uma reflexão importante sobre sexismo. A Universidade de Stanford nos Estados Unidos, fez um estudo mostrando que mulheres recebem até 7%menos do que homens. A discriminação, segundo os especialistas, é provocada pelo entendimento de que mulheres dirigem mais devagar que homens.

Lava Jato: PF prende novamente empresário Eike Batista


Decisão foi do juiz Marcelo Bretas, que expediu nesta fase da operação, no total, dois mandados de prisão e cinco de busca e apreensão

[ Lava Jato: PF prende novamente empresário Eike Batista ]
Foto : Arquivo/ Agência Brasil

Em mais uma fase da Lava Jato, a Polícia Federal prendeu, novamente, na manhã de hoje (8) o empresário Eike Batista.

De acordo com o G1, a decisão foi do juiz Marcelo Bretas, que expediu nesta fase da operação dois mandados de prisão. Além de Eike, também é alvo o contador dele, Luiz Arthur Andrade Correia, conhecido como “Zartha”, que está no exterior.

Foram expedidos outros cinco mandados de busca e apreensão.

Eike foi condenado a 30 anos de prisão por corrupção ativa e lavagem de dinheiro por decisão do juiz Marcelo Bretas. Ele foi réu no mesmo processo em que o ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral foi condenado a 22 anos e oito meses de prisão.

O empresário já havia sido preso em janeiro de 2017 logo após desembarcar no Aeroporto Internacional Tom Jobim, no Rio de Janeiro, vindo do exterior.

Cerca de três meses depois, em abril de 2017, após decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes, ele deixou o regime fechado e passou a cumprir prisão domiciliar.