O que quer Temer?, por Luis Felipe Miguel


 

Ainda não há muita clareza quanto ao objetivo de Temer com a intervenção no Rio. O que está bem estabelecido, até agora, é que ela é inconstitucional, já de partida por não ter cumprido o rito da consulta ao Conselho da República. Também restam poucas dúvidas de que ela não cumprirá seu objetivo declarado de pôr fim ao estado caótico da segurança pública no Estado. Dos principais especialistas no assunto ao jornal popular Meia Hora de Notícias, em sua histórica capa de hoje, há consenso de que colocar tropa para combater crime organizado não é solução.

Mas o que quer Temer? Talvez ele mesmo não saiba ao certo. Às vezes, quando o jogo parece perdido, o jeito é embaralhar as peças meio às cegas para ver o que sai. De qualquer jeito, sua aposta, mesmo que confusa, aponta na direção do aprofundamento do golpe. No momento em que a insatisfação popular com seu governo se torna mais vocal, o chamamento às forças armadas serve tanto para reaproximar as franjas mais conservadoras da classe média, sempre prontas a bradar por “lei e ordem”, quanto para intimidar os grupos que eventualmente pudessem se engajar em ações mais organizadas de resistência.

Temer pode estar num de seus momentos delirantes, pensando que, com a dificuldade da direita encontrar um nome, ele pode se impor como sucessor de si mesmo. A intervenção seria uma demonstração de “firmeza”, no momento em que está perceptível que ele não conseguirá forçar a aprovação da reforma da Previdência.

Ou Temer pode estar pavimentando o caminho para uma nova virada de mesa, menos ou mais maquiada, que implique o fechamento ainda maior do regime. É significativo o timing: no momento em que os escândalos chamuscam os juízes, os militares são chamados a salvar a pátria.

Error, no Ad ID set! Check your syntax!

MARACÁS: Acidente de moto sem vítimas fatais, ainda bem, por Walter Salles


 

 

Café com Leite Notícias- O leitor deve perguntar, mas se foi um “acidentezinho” tolo para que ir para blog? “O povo quer ver bagaceira, isso é que dá audiência”! É o que dizem muitos leitores e até blogueiros, o que não deixa de ser uma verdade.

A gente do Café com Leite tem um cuidado para não abusar do sensacionalismo, pois assim como político corrupto que torce para o seu adversário não realizar uma boa administração, pois sabe que assim ele tem chance de voltar, é também quando um blogueiro sanguinário vai cobrir um acidente. “quanto pior melhor”. Graças a Deus, neste acidente que ocorreu na Rua Barão do Rio Branco, na manhã de chuva fina desta sexta feira 16 não foi tão grave, porém, a enfermeira Pat, a acidentada, gritava muito de dor em um dos seus ombros, mas ao que tudo indicava, houve algo, tipo um deslocamento.

Na verdade, dois pontos fundamentais chamaram a atenção para escrever esta matéria. Um é que ao cair uma chuva fina, logo no comecinho, é preciso muito cuidado, pois as ruas, principalmente de paralelepípedo, ficam muito escorregadias, (igual quiabo) como se diz, o que requer cuidado. A Pat foi infeliz, pois o cuidado não foi suficiente para evitar o acidente causado por uma derrapagem, como disseram, mas ao mesmo tempo eliz por não ser um acidente grave o até fatal, pois uma moto é uma arma. O outro ponto, é que quando acontece um acidente ou qualquer outro problema de saúde numa família, ao solicitar a SAMU a burocracia é muito grande. Nesse caso de Pat, quem solicitou foi o ex-vereador e Pastor Sidney, que disse à nossa reportagem que a atendente da SAMU estava temendo ser trote. Ele vendo a moça gritando no chão, disse: “a moça está gritando de dor aqui na minha frente e vocês ainda perguntam se é trote”? Foi então que chegou a equipe, que não tem culpa, pois certamente são orientados para muitas perguntas, mas acontece que, a depender da gravidade do problema da pessoa, o tempo tem que ser aproveitado em cada segundo. Antigamente esse risco era maior, pois faziam ligações de telefones públicos. Mas hoje fica mais fácil de pegar um irresponsável desse, pois certamente ele vai ligar de celular. No caso de ligações com número privado, aí sim cabe uma desconfiança e a atendente pode pedir para que a pessoa ligue para que ela possa identifica-lo. O certo é entre uma dúvida e outra, optar por salvar a vida.

Quem atendeu Pat neste acidente foram Sandro e Carla, onde mostrou o seu profissionalismo e cuidado com a vítima. Parabéns pra ambos.

O grande barato que acontece em Maracás, é a solidariedade da população e profissionais em geral. Dava pra perceber em cada um a vontade de ajudar, a tristeza na face, onde chegou uma amiga da Pat chorando, temendo ter acontecido algo mais grave, ali o Pastor Sidney já chegou lhe informando que foi algo sem perigo; já chegou por ali uma viatura da Polícia Militar, onde os policiais já começaram a controlar o trânsito e assim tudo foi resolvido e Pat se recupera. Que Deus abençoe a todos e nos dê vida e saúde para continuar morando e tendo a simpatia deste povo bom de Maracás.

REMANSO: UMA CIDADE COM TRAÇOS DE ABANDONO NO CANTINHO DA BAHIA, por Walter Salles


 

“O Sindicato dos Servidores Públicos bateu forte e ajudou categoria receber salários atrasados”, disse Jailson, um associado.

 

Depois das chuvas, as ruas que já estavam em situação precária ficaram ainda piores

Por Walter Salles- Remanso é uma das cinco cidades que virou letra de música dos compositores Sá e Guarabira, onde ao represar o Rio São Francisco, há muitas décadas, no projeto estavam as cinco cidades que a água ia engolir, como já dizia o beato da letra da música, foram elas: Remanso, Casa Nova, Cento Sé, Pilão Arcado e Sobradinho. Essas cidades foram engolidas, mas no momento que as águas as engoliam, outras novas iam sendo construídas.

Aqui é a lateral do prédio da prefeitura municipal

Pois é! A cidade de Remanso Nova, que foi projetada com uma arquitetura moderna, com ruas largas e pra melhorar, possuidora de um povo bom,  porém, pelo visto, lá o poder público não tem dado a atenção que o povo merece. Eu como jornalista até aproveito para perguntar ao prefeito atual, o popular Zé Filho, que aliás, está no seu quarto mandato, se ele acha que está atendendo ao menos razoável, a população de Remanso??? Senhores secretários, vereadores e prefeito; a nossa equipe esteve circulando pela cidade e o que foi constatado é que as ruas que um dia teve aquele asfalto de borra, hoje está uma verdadeira peneira de tantos buracos; outra grande quantidade de ruas que ainda é de terra, os carros são obrigados a passar a menos de 10 km por hora, senhores, pois são muitos buracos e retrocessos. Outra coisa que se constatou, é que qualquer chuva, por pequena que seja, inunda a parte central, perto da feira livre, pois não tem canalização para escoamento da água.

Rio São Francisco baixou o nível da água e mostrou as ruínas da Remanso Velha. Bate a saudade e o medo de um dia o “mar virar sertão”, como disse o beato, que parecia profetizar um futuro que já chegou.

Quando se pensa em um pouco de lazer, a única opção é ir ao Remanso Velho, já que a represa baixou consideravelmente o nível da água, fazendo as ruínas da velha cidade que foi engolida pelas águas, reaparecer e se tornar um local de visitas e de saudades dos mais antigos. Pois é, mas o que vem desagradando os moradores, é que já que só tem essa opção de lazer e trata-se de uma cidade histórica e que ficou famosa em todo o Brasil cantada por grandes artistas, como Sá e Guarabira, Biquíni Cavadão e tantos outros, deveria ter um acesso melhor, inclusive fazendo do local um grande ponto turísticos da Bahia. Tudo é uma questão de visão e vontade. Foi pra lá que foi a equipe do Café com Leite, mas só que pra piorar mais ainda o humor do pessoal da reportagem, que já estava há três dias vendo mazelas e abandono na cidade, foi gasto quase uma hora num percurso de menos de 10 km, pois o acesso é péssimo, como foi dito.  Lá chegando, ambiente bom, pelo fato do atendimento do senhor Itamar e sua esposa, que são proprietários da badalada barraca, (aqui vai um abraço pra ambos). Ali fomos todos servidos com um delicioso peixe assado pescado no próprio Velho Chico.

Um papo com Jailson, associado ao Sindicato dos Servidores Municipais

Jailson está de boné vermelho ao lado de amigos 

 

Ainda ali na barraca perto da margem do rio, conversamos um pouco com o Jailson que é um dos associados do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Remanso, onde ele passou informações importantes, no sentido da representatividade que tem a instituição junto ao servidor. Jailson disse da grande conquista do servidor público da cidade, recentemente, que foi o resgate do sindicato, que apesar de ser em defesa do servidor, estava sob a direção de pessoas ligadas ao poder público municipal, o que deixava sempre o servidor sem representatividade alguma. “Porém, depois de muitas lutas e estratégias, a gente conseguiu resgatar esta instituição das mãos de um poder que nada fazia em benefício do servidor”, disse Jailson, lembrando inclusive que os salários dos funcionários da prefeitura que estavam em atraso, só foram pagos pelo fato do sindicato ter conseguido bloquear o repasse do dia 30, para que fosse pago em primeiro lugar os salários atrasados dos servidores. “Só que se o sindicato tivesse sob domínio da prefeitura, os servidores provavelmente iam ficar sem receber os seus salários atrasados”, disse Jailson, lembrando que o presidente atual do Sindicado dos Servidores de Remanso é Fagnum, inclusive  o exaltou como presidente e assegurou que a categoria de servidores está bem representada.

Jailson lembrou ainda que qualquer sindicato se quiser representar bem a categoria da sua responsabilidade, não deve ser atrelado ao poder público municipal. Disse que se o sindicato que representa o trabalhador rural de Remanso quiser fazer um trabalho que agrade a categoria, deve fazer o mesmo que fez os novos dirigentes  do Sindicato do Servidor Público. Vale lembrar que os acessos às regiões da zona rural está quase que intransitável, onde o Sindicato que representa o protutor rural, já passou da hora de entrar em ação. Aqui fica a pergunta: e as máquinas que a ex-presidenta Dilma entregou para cada município, em Remanso elas não trabalham?

A equipe do Café com Leite notícia parabeniza os integrantes do Sindicato do Servidor, pela luta e determinação, mas lamenta o estado que encontrou a velha Remanso Nova, esperando que na próxima visita possa encontrar algo novo para a população. É natural que uma cidade na situação que se encontra Remanso, há muitos problemas a serem resolvidos, mas que se souber canalizar bem os recursos, certamente a administração vai conseguir mostrar uma face mais bonita da cidade.

Aqui vai um grande abraço pra toda população remansense.

 

Motivos como este devem ter contribuído para condenação do Lula


Essa foi uma das vezes em que um brasileiro da cidade de Garanhuns, no Pernambuco, peitou o governo americano de igual para igual! Leia e depois veja o vídeo.

 

 

Walter Salles- O que se acredita é que o mundo acaba e não vai se ver outro presidente brasileiro que encare os governos americano e europeus de igual para igual como fez este que está aí no vídeo, a não ser o próprio. Talvez, por motivos assim, está recebendo condenação, mas que tem que fazer o povo pensar que é pelo triplex do Guarujá. O Brasil sempre foi o quintal dos americanos, como diz o Raul Seixas numa canção. Mas se o Lula chegou e disse que a festa acabou, que vamos ser uma nação forte e que o país é nosso; e que queremos ser uma potência mundial; pois base para isso a gente tem, logo os figurões dos EUA se irritaram e botaram “a batata para assar”. Arrumaram os representantes aqui no Brasil, que têm raiva do povo brasileiro, principalmente dos pobres e guerreiros nordestinos, a mídia maior, principalmente as TVs abertas lideradas pela Globo como aliadas, e deu início à operação do mal, com o golpe de 16, na tentativa de cortar um projeto de independência do Brasil.

Daí pra cá, apesar das contas crescerem nos bolsos dos consumidores e combustíveis subindo toda semana, as empresas de pesquisas dizem que 2017 foi o ano de inflação mais baixa nos últimos tantos anos. Conversa pra boi dormir.

Grandes erros- Um dos pecados cometidos por Dilma e Lula foi abrirem o “bocão” e dizerem que os EUA vão ser tratados com a mesma medida que o Brasil é tratado lá e também, dizer que X cota do Pré-sal seria para Educação e Saúde do Brasil, como relataram Lula e Dilma, respectivamente. Tudo bem que o plano fosse esse, mas ficassem quietos para não inflamarem os “perigosos” do Brasil.

Ali nascia um plano para que o pré-sal fosse arrebatado e entregue para a Shell, como de fato aconteceu. Em contra-partida, retirou-se do ensino médio matérias importantíssimas. Se o povo brasileiro não lutar, o que vai acontecer é adeus mulata, já era…babal. Café com Leite Notícias.

Marco Antonio Villa pira na Jovem Pan e reclama da falta de crítica a Lula no Carnaval


 

O historiador antipetista Marco Antonio Villa não se aguenta e já está reclamando da falta de críticas a Lula no Carnaval, que foi dominado pela Paraíso do Tuiuti e pela Beija-Flor.

Ele escreveu e leu na rádio Jovem Pan:

“Curiosa a seletividade das escolas de samba em seus temas e críticas sociais e políticas. Criticaram Marcelo Crivella, Luiz Fernando Pezão, Michel Temer, Sergio Cabral e silenciaram sobre muita coisa. Nada falaram sobre Lula, já condenado em segunda instância, nenhuma representação, nada. E sobre a Dilma? Presidente que sofreu impeachment. Alguma menção a ela? Nada”.

O cara resolveu até falar da Dilma, que foi golpeada por Temer, muito bem representado pelo vampirão na festa. DCM.

 

 

Reforma da Previdência passa a ultimato de parlamentares e empresários


A menos de uma semana para o início da votação da reforma da Previdência, prevista no Plenário da Câmara no dia 20 de fevereiro, líderes partidários e a bancada governista tentam os últimos esforços para obter o quórum mínimo para a aprovação da emenda constitucional.
O cronograma foi definido ainda no fim do ano passado pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), após a votação ser cancelada antes do recesso parlamentar. Maia, um dos defensores da medida, manifestava publicamente que não iria pautar a reforma da Previdência se não houvesse votos suficientes para a sua aprovação.
A decisão já é consenso dentro do governo: “A minha avaliação é que a gente tem que colocar em votação com a garantia de votos. A gente não pode ir pra um risco. Não é nem uma questão de governo, é uma questão do Estado brasileiro”, disse o líder do governo na Câmara, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), à Agência Brasil.
“Você impor uma derrota a uma matéria como essa não é uma derrota do governo, é uma derrota que acaba repercutindo mal para o país todo e acaba impondo sanções que talvez sejam muito graves num momento como esse. É melhor ter a prudência de colocar uma matéria como essa com a convicção de que nós aprovaremos, como aconteceu com a trabalhista e outros temas”, agregou.
O mínimo necessário e tentado pelo governo de Michel Temer até os últimos minutos são de 308 votos entre os 513 deputados. A medida ainda precisaria ser aprovada em dois turnos de votação na Câmara. Caso o número não seja atingido até a próxima terça, a reforma seria colocada em discussão no Congresso, desde o zero, apenas no fim deste ano.
Na corrida contra o tempo, empresários, parlamentares e o governo tentam juntar votos. A discussão e articulações serão intensificadas nesta semana e entre sábado e domingo o presidente Michel Temer, Rodrigo Maia e o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), se reúnem para fazer as contas e definir estratégias sobre o rito a ser seguido na semana seguinte.
Nesse impasse, empresários e representantes da indústria e do agronegócio pressionam, também, pela aprovação da matéria. Os lobbies estão sendo feitos em deputados federais indecisos, que somam cerca de 120 parlamentares atualmente. Com o fim do carnaval, a tática é apelar para as mudanças no texto de autoria de Arthur Maia (PPS-BA), apresentado na semana passada.
Considerada um pouco mais flexível, a proposta traz a manutenção da pensão integral a viúvas de policiais civis, federais e rodoviários federais mortos durante o trabalho, entre outros pontos, que poderiam adquirir mais votos a favor.
Na esfera do Executivo, prefeitos e governadores também foram convocados a se mobilizar pela pressão sobre a pauta. Os políticos são apoio fácil com a necessidade de fòlego para as crises fiscais nas federações. “As mudanças vão ajudar municípios e Estados que estão quebrados a voltar a investir. É importante que eles agreguem votos e a gente precisa que eles ajudem”, disse Rodrigo Maia, a jornalistas, no Rio de Janeiro.
O apoio também vem de figuras como o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, que acertou com o mandatário Michel Temer trazer apoio de centenas de entidades para pressionar os deputados. No Senado, a medida precisaria contar com pelo menos 49 senadores para valer.
Até aqui a matéria foi do Jornal GGN, que fala sobre a “preocupação” dos políticos que se comprometeram, não se sabe com quem, para fazer passar a votação desta emenda, que é a reforma da Previdência. O que não tem deixado o povo confiante, a palavra é essa, é o desespero dos políticos em aprovar a qualquer custo. Agora envolveram também empresários para fazerem parte do grupo que querem a qualquer custo atrair os deputados que faltam, ainda que para isso eles tenham que perder as eleições de outubro, pois o povo vai estar com a lista na mão fazendo campanha contra nas semanas que antecipam as eleições. Percebe-se que o sistema é realmente bruto e carrasco.
Por falar em empresários envolvidos no propósito de “contribuir” com a aprovação da reforma, não seria mais coerente forçar a classe empresarial, inclusive banqueiros que devem toneladas de dinheiro para a previdência, pagarem as suas dívidas? Dois últimos parágrafos Cafe com leite Notícias.

Paciente do DF perde parte do rosto em cirurgia e espera há 16 anos por prótese do SUS: ‘É humilhante’


Mulher perdeu mandíbula e dentes em procedimento para retirada de tumor, em 2002. GDF diz que ‘nenhuma empresa se interessou em prestar serviço’.


Por Marília Marques, G1 DF

Geruza Oliveira, de 55 anos, teve parte de mandíbula retirada em cirurgia (Foto: Geruza Oliveira/Arquivo Pessoal)Geruza Oliveira, de 55 anos, teve parte de mandíbula retirada em cirurgia (Foto: Geruza Oliveira/Arquivo Pessoal)

Geruza Oliveira, de 55 anos, teve parte de mandíbula retirada em cirurgia (Foto: Geruza Oliveira/Arquivo Pessoal)

“É humilhante, mas as próprias autoridades me ignoram e acham que o tratamento é puramente estético.” As palavras, acompanhadas por lágrimas, são da aposentada Geruza de Oliveira, de 55 anos. Há 16 anos, a moradora do Distrito Federal luta para conseguir uma prótese que deveria preencher parte de seu rosto, amputado após uma cirurgia para retirada de um tumor maligno, em 2002.

O diagnóstico de câncer de pele veio em 2001 e, no ano seguinte, Geruza se submeteu à cirurgia. Durante a fase de recuperação, ela precisou trocar a vida ativa como auxiliar de serviços gerais pela aposentadoria por invalidez. Desde então, a paciente fala com dificuldades, não pode comer alimentos sólidos e também não consegue segurar a saliva na boca.

“Eu tenho complexo de inferioridade. Só fico em casa e hoje não posso mais trabalhar. Minha alimentação é só comidas moles.”

“Sinto muita fraqueza e desânimo, não sou mais aquela mulher com disposição para fazer o que fazia antes”, conta. “É muito forte e doída a minha situação. A gente vê tanta roubalheira por aí, mas não dão uma ajuda pra gente com uma coisa grave”, desabafa.

Custo de R$ 13 mil

O material que poderia dar mais qualidade de vida para Geruza custa R$ 13 mil. As próteses de mandíbula e dentes não são oferecidas pelo Sistema Único de Saúde (SUS). No entanto, segundo a Justiça Federal, cabe à União e ao GDF a responsabilidade pela compra e a realização do procedimento de reabilitação da paciente.

Procurado pelo G1, o governo federal, por meio da Advocacia-geral da União (AGU), se eximiu da responsabilidade. Em nota enviada à reportagem, o órgão diz que “em respeito ao pacto federativo”, a AGU não poderia fazer uso da rede pública de saúde do Distrito Federal “sem a anuência do ente federado”, ou seja, sem o consentimento do governo local.

Já o GDF diz que para casos como o de Geruza é necessário que a paciente adquira as próteses “por sua conta” ou “ingresse em Juízo”. O governo do DF disse ainda, que “caso venha a ordem judicial para adquiri-lo”, o SUS conseguiria comprar o material por meio de licitação.

Apesar da explicação dada, o governo do DF reconhece que a licitação já foi feita, mas “nenhuma empresa se interessou em prestar serviço”.

Geruza Oliveira mostra cicatriz de cirurgia de retirada de tumor; procedimento acometeu mandíbula, dentes e bochecha (Foto: Geruza Oliveira/Arquivo Pessoal)

Geruza Oliveira mostra cicatriz de cirurgia de retirada de tumor; procedimento acometeu mandíbula, dentes e bochecha (Foto: Geruza Oliveira/Arquivo Pessoal)

Espera sem fim

Cansada de aguardar pelos procedimentos de reabilitação, Geruza decidiu procurar a Justiça em 2011. Na época da primeira ação ajuizada na estância federal, a aposentada conseguiu o direito à reabilitação oral, para voltar a se comunicar e engolir com mais facilidade.

Em 2015, uma outra ação determinou a cirurgia de reparação da face da paciente, com a implantação, inclusive, das “coroas dentárias” para fixação dos dentes extraídos. Até esta sexta-feira (9), o procedimento ainda não tinha previsão para acontecer.

Trecho de decisão, de 2015, proferida por juíza federal sobre caso da paciente Geruza Oliveira (Foto: TRF1/Reprodução)Trecho de decisão, de 2015, proferida por juíza federal sobre caso da paciente Geruza Oliveira (Foto: TRF1/Reprodução)

Trecho de decisão, de 2015, proferida por juíza federal sobre caso da paciente Geruza Oliveira (Foto: TRF1/Reprodução)

No processo – com base em relatórios médicos –, a juíza federal Adverci de Abreu reconheceu que o estado de saúde de Geruza é considerado “grave”, em razão das sequelas resultantes da intervenção cirúrgica. Por esse motivo, o magistrado obrigou que o GDF e a União submetam a mulher ao tratamento de reabilitação oral.

“[…] o perigo da demora decorre do permanente desconforto com sua atual aparência diante da visível mutilação de sua face em inegável prejuízo ao seu bem-estar, situação que pode se agravar a cada dia.”

Bloqueio de bens

Passados dois anos da determinação da Justiça, em 2017, o GDF e o governo federal continuavam sem autorizar a realização dos procedimentos de reabilitação da paciente. Na tentativa de obrigá-los, em outubro do ano passado, a Justiça determinou o bloqueio de R$ 13,1 mil das duas estâncias de governo.

O objetivo era viabilizar o custeio direto do tratamento, contudo, os órgãos não atenderam a determinação. Segundo o processo, tanto o GDF quanto a União “não apresentaram contas válidas” para que o dinheiro fosse aplicado no tratamento da paciente.

Trecho de decisão de juiz federal sobre caso de Geruza Oliveira (Foto: TRF1/Reprodução)Trecho de decisão de juiz federal sobre caso de Geruza Oliveira (Foto: TRF1/Reprodução)

Trecho de decisão de juiz federal sobre caso de Geruza Oliveira (Foto: TRF1/Reprodução)

Ao G1, a Advocacia-geral da União justificou que a indicação de uma conta que houvesse o valor especificado “caberia ao credor”, no caso representado pela Defensoria Pública da União (DPU).

O GDF explicou à reportagem que o valor não foi bloqueado porque o sistema usado pela Justiça Federal não tem permissão para movimentar a conta única do Tesouro Nacional, onde estão depositados os recursos.

Presente de aniversário

Enquanto acompanha o impasse judicial, a aposentada diz sonhar com a implantação das próteses na mandíbula e dos dentes. Ao falar com o G1, Geruza chorou ao lembrar que o aniversário está próximo – em março – e diz que “voltar à vida normal” seria um presente para o dia.

“Gostaria de minha reabilitação, do meu tratamento e minhas próteses de dente. Preciso muito. Não tenho condições financeiras.”

Bancos reabrem ao meio-dia desta Quarta-feira de Cinzas


Contas que venceram durante o carnaval podem ser pagas nesta quarta sem multa; agências ficaram fechadas durante o feriado prolongado.

Fachada da Caixa Econômica Federal, no Centro do Rio (Foto: Henrique Coelho/ G1)

Fachada da Caixa Econômica Federal, no Centro do Rio (Foto: Henrique Coelho/ G1)

As agências bancárias de todo o país vão reabrir a partir das 12h desta Quarta-feira de Cinzas (14), após terem ficado fechadas durante o feriado prolongado deste carnaval de 2018.

As contas de consumo (água, energia, telefone etc) e carnês que tiverem os dias 12 ou 13 de fevereiro como data de vencimento poderão ser pagas sem acréscimo nesta quarta, segundo a Federação Brasileira de Bancos (Febraban)

Durante o carnaval, quem teve contas para pagar ou precisou fazer saques, pôde utilizar os canais eletrônicos e correspondentes para o pagamento das contas ou retirada de dinheiro.

Além disso, os tributos que possuem código de barras puderam ter o seu pagamento agendado nos caixas eletrônicos, por internet banking e pelo atendimento telefônico do banco. Já os boletos bancários de clientes cadastrados como sacados eletrônicos puderam ser pagos via DDA (Débito Direto Autorizado).

Para aquelas pessoas que irão passar a semana viajando e precisarão ir até uma agência durante esse período, é possível consultar o endereço dos bancos no site Busca Banco, da Febraban.

Terremoto deixa mortos e centenas de feridos em Taiwan


                           Parte de hotel desabou e dezenas de pessoas estão desaparecidas | Foto: Paul Yang / AFP / CP

Parte de hotel desabou e dezenas de pessoas estão desaparecidas | Foto: Paul Yang / AFP / CP

Ao menos duas pessoas morreram e mais de duzentas ficaram feridas na costa leste de Taiwan, após um sismo de magnitude 6,4 que provocou o desabamento de um hotel e danos em outros edifícios, informou o governo. De acordo com os bombeiros, um hotel e um bloco de moradias foram os mais atingidos, na cidade turística de Hualien.

Outros cinco edifícios, entre eles um hospital, também foram afetados. As imagens da televisão mostravam rodovias cheias de escombros e rachaduras. O primeiro-ministro, William Lai, foi quem confirmou  as duas mortes em Hualien.

O terremoto foi registrado às 23h50min locais (13h50min de Brasília) e o epicentro foi localizado 20 quilômetros a nordeste do porto de Hualien, indicou o Instituto Geológico dos Estados Unidos (USGS). O USGS informou que este terremoto foi registrado a muito pouca profundidade, a cerca de 9,4 km.

A TV local exibiu imagens do Hotel Marshal, em Hualien, escorado de um lado e com a outra parte completamente desabada. Os membros das equipes de resgate utilizaram guindastes para chegar até as pessoas que se encontravam nos andares superiores.

Responsáveis pelos serviços locais de luta contra incêndios declararam que 149 pessoas puderam ser resgatadas dos edifícios afetados. As autoridades informaram, contudo, que outras vítimas se encontravam entre os escombros, sem poder determinar o número.

A cidade portuária de Hualien é um dos locais mais turísticos de Taiwan, por onde passa uma pitoresca ferrovia da costa do leste e perto da popular Taroko. Após o terremoto, a presidente taiwanesa, Tsai Ing-wen, disse que equipes de resgate de todo o país se preparavam para ir ao local. “Iniciaremos os trabalhos em casos de catástrofe o mais rápido possível”, escreveu.

 

Menina que nasceu ano passado com 340 gramas, teve alta pesando seis kg


Greice Kelly e Rafaella - Foto: Maternidade São Luiz/divulgação

 

A menina Rafaella, que nasceu, em 28 de março de 2017 com apenas 340 gramas, finalmente teve alta do hospital.

Na semana passada, prestes a completar 10 meses, Rafaella deixou o Hospital São Luiz e se tornou a menor bebê nascida no Brasil a sobreviver, segundo a equipe médica.

Ela cabia nas palmas das mãos ou “numa caixinha de sapato, com espaço sobrando ainda”, disse a mãe, a operadora de telemarketing Greice Kelly Amaral, de 30 anos, ao Estadão.

O irmão gêmeo dela já havia ido para casa bem antes: aos 6 meses de vida. A menina foi liberada pelos médicos após alcançar surpreendentes 6,6 quilos e melhorar a capacidade pulmonar.

“Ela ainda está com um suporte de oxigênio e uma sonda de alimentação, mas não são coisas permanentes”, conta a mãe.

“A primeira vez que minha filha me viu chorar foi quando ela teve alta. Mesmo com todas as dificuldades, eu não chorava na frente dela porque achava que não ia fazer bem, que eu precisava demonstrar força. Fico feliz que as primeiras lágrimas que ela viu no meu rosto tenham sido de felicidade”, contou a mãe.

História

Durante a gravidez, a paulistana foi diagnosticada com uma doença rara que enfraquece os músculos, a dermatomiosite.

Descobriu ainda que o problema de saúde prejudicava o andamento da gestação: uma das crianças – a gravidez era de gêmeos – tinha baixo peso e redução do fluxo sanguíneo na placenta. O outro bebê, Hulisses, se desenvolvia normalmente.

Ao completar cinco meses de gravidez, já internada por causa da doença e das complicações, Greice foi informada pela equipe médica que teria de fazer uma escolha difícil.

“Ou eu prosseguia a gestação para dar maiores chances ao Hulisses, mas com grande risco de a Rafaella morrer na minha barriga, ou eu tirava os dois e entregava na mão de Deus”, conta a mãe.

“Não pensei duas vezes. Nem liguei para o meu marido para perguntar. Decidi fazer a cesárea dos dois porque eu não ia desistir da minha filha”, relata.

O parto foi feito. Hulisses nasceu com 720 gramas, peso esperado para a idade gestacional.

Rafaella, porém, veio ao mundo com apenas 340 gramas, condição dramática, segundo os médicos.

“É rara a sobrevida de bebês com menos de 400 gramas. A taxa de sobrevivência não passa de 5%”, diz Graziela Del Ben, médica chefe da UTI neonatal do Hospital São Luiz, onde a bebê nasceu. Após anúncios continue lendo a matéria.

Tensão

A mãe relembra a tensão dos primeiros dias.

“Os médicos falaram que as 48 horas iniciais eram cruciais porque é nesse período que muitos prematuros não resistem. Ela sobreviveu e no primeiro mês teve duas paradas cardíacas. Era tão frágil que fraturou os dois braços e uma perna ao se movimentar muito na incubadora. A gente ia para casa com medo de ela não estar viva no dia seguinte.”

Ao longo dos meses, porém, Rafaella foi mostrando que poderia ser uma exceção às estatísticas.

Passadas as semanas iniciais, foi ganhando peso e deixando a família mais esperançosa.

“O aspecto mais crítico era o respiratório. O pulmão era muito imaturo. Aos três meses, ela saiu da intubação. Aos poucos, foi evoluindo”, conta a médica.

“Nosso desafio era monitorar essa parte respiratória, fazer de tudo para ela não perder calor e trabalhar com manipulação mínima da criança”, conta.

O contato físico com o bebê tinha de ser tão criterioso que a mãe só pôde segurá-la nos braços quando ela tinha seis meses.

Com informações do Notícia boa.

353 casos de Febre Amarela no Brasil com 88 óbitos


 

Balanço do Ministério da Saúde divulgado hoje (7) atualiza em 353 o número de casos confirmados de febre amarela e em 98 os óbitos provocados pela doença entre 1º de julho de 2017 e 6 de fevereiro deste ano. No mesmo período do ano passado, foram confirmados 509 casos e 159 óbitos.

De acordo com o boletim, foram notificados em todo o país 1.286 casos suspeitos de febre amarela, sendo que 510 foram descartados e 423 permanecem em investigação.

“Os informes de febre amarela seguem, desde o ano passado, a sazonalidade da doença, que acontece, em sua maioria, no verão. Dessa forma, o período para a análise considera de 1º de julho a 30 de junho de cada ano”, informou a pasta.

Transmissão

Por meio de nota, o ministério reforçou que não há registro confirmado de febre amarela urbana no país, mas destacou que o caso da doença identificado em São Bernardo do Campo (SP) está sendo investigado por uma equipe da secretaria Estadual de Saúde.

“Deve ser observado que o paciente mora na região urbana e possivelmente trabalha na área rural. Qualquer afirmação antes da conclusão do trabalho é precipitada. É importante informar que São Bernardo do Campo (SP) é uma das 77 cidades dos três estados do país (São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia) incluídas na campanha de fracionamento da vacina de febre amarela.”

De acordo com o comunicado, a probabilidade da transmissão urbana no Brasil é considerada baixíssima pelos seguintes motivos:

– todas as investigações dos casos conduzidas até o momento indicam exposição a áreas de matas;

– em todos os locais onde ocorreram casos humanos também ocorreram casos em macacos;

– todas as ações de vigilância entomológica, com capturas de vetores urbanos e silvestres, não encontraram presença do vírus em mosquitos do gênero Aedes aegypti;

– Há um programa nacionalmente estabelecido de controle do Aedes em função de outras arboviroses (dengue, zika, chikungunya), que consegue manter níveis de infestação abaixo daquilo que os estudos consideram necessário para sustentar uma transmissão urbana de febre amarela.

“Além disso, há boas coberturas vacinais nas áreas de recomendação de vacina e uma vigilância muito sensível para detectar precocemente a circulação do vírus em novas áreas para adotar a vacinação oportunamente”, informou a pasta.

 

 

Ex-aluna de escola pública tira nota mil na redação do Enem e passa em medicina na UFRJ: ‘filha de pobre também pode ser médica’


Beatriz Servilha estuda Libras há dois anos e conta que chorou ao ver que tema de redação era sobre surdos. Ela gravou um vídeo em homenagem a eles.

Beatriz tirou nota mil na redação do Enem. (Foto: Arquivo pessoal)

Beatriz tirou nota mil na redação do Enem. (Foto: Arquivo pessoal

Beatriz Albino Servilha, de 19 anos, atribui suas vitórias aos pais: ao pedreiro Junior e à telefonista Renata. Sempre quis provar a eles que ‘filha de pobre também pode ser médica’. Depois de tantos obstáculos, o casal descobriu que a jovem estava entre os 53 candidatos que tiraram nota 1.000 na redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Depois, viu o nome dela na lista de aprovados em medicina na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Foram gritos ao telefone e choro de comemoração.

“Era meu 3º ano tentando entrar na faculdade. Eu sabia que minha família não teria condições de manter meus estudos. Mas, mesmo assim, nunca me direcionaram para outra área. Nossa situação financeira não me impediu de correr atrás do que eu queria”, conta Beatriz.

Nota máxima na redação

Quando recebeu a prova do Enem e viu que o tema da redação era “Desafios para a formação educacional de surdos no Brasil”, Beatriz começou a chorar. “Não acreditei. Comecei a estudar Libras há dois anos, para me comunicar com uma amiga surda”, conta.

Ela havia se tornado intérprete da língua de sinais para os seguidores da igreja que frequenta. “Não achei tão difícil, porque tenho contato direto com a comunidade surda, que me impulsionou a continuar”, afirma Beatriz.

(Abaixo, veja vídeo que Beatriz gravou para o G1 enviando um recado aos surdos)

Jovem tira nota mil na redação do Enem e deixa recado a surdos

Jovem tira nota mil na redação do Enem e deixa recado a surdos

A jovem conta que, na redação do Enem, argumentou sobre a falta de intérpretes capacitados para atuar nas salas de aula. “Não basta formar qualquer tipo de profissional. Existem aqueles que têm capacidade de trabalhar em tribunal, em teatro, em igreja ou em escolas. A sociedade é muito ignorante e não vê Libras como algo importante e oficial”, diz.

“Há um tempo, fui levar minha irmã a uma unidade de pronto-atendimento e vi três surdos lá, desamparados, porque nenhum funcionário sabia língua de sinais. Ninguém pensa nisso”, completa.

Cotas para negros e pobres

A jovem foi aprovada no Sistema de Seleção Unificada (Sisu) pela cota de estudantes de escola pública, autodeclarados pretos, pardos ou indígenas, com renda familiar per capita inferior a 1,5 salário mínimo. Ela cursou o ensino médio em uma Fundação de Apoio à Escola Técnica (Faetec) do Rio de Janeiro. No último ano, percebeu que “estava zerada em matemática, em física e em conhecimentos básicos” – e então procurou um cursinho.

“Consegui uma bolsa de estudos porque minha prima havia estudado lá e passado na UFRJ. No meu segundo ano no preparo para o vestibular, continuei com a bolsa porque tirei nota boa na redação do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio)”, conta.

Ela defende a política de cotas por ter vivenciado a dificuldade de uma estudante de escola pública conseguir recuperar o que não aprendeu no ensino médio.

“Isso não é sistema de benefício a ninguém. É a forma de o governo corrigir um erro que é deixar o negro de lado, negligenciar a educação do pobre. Por anos, não tive matemática nem biologia”

 

Reforma da Previdência: Está escancarada as negociações em Brasília, por Walter Salles


 

Resultado de imagem para foto de predio da previdencia

Walter Salles-  Quando o líder do governo na Câmara, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB)  diz que só vai ser votada a Reforma da Previdência quando o Governo tiver a quantidade de votos suficiente fara passar, está querendo dizer que as negociações estão rolando com os parlamentares, que, pelo andar da carruagem, está cada vez mais difícil de chegar à quantia exata ou um pouco mais, porém, só desistem quando não tiver mais jeito. Enquanto isso, os deputados que estão sendo pressionados para votarem, se sentem entre o “mel e o fel”. O mel seria as tentações oferecidas pelo governo, que outro dia estava pressionando os ministérios para liberarem verbas para os parlamentares que fecharam com a votação a favor da reforma. Por outro lado, eles poderão provar do amargo fel, que é vê as urnas vazias na hora de apurar a votação nas eleições de outubro. O Agnaldo Ribeiro já avisou o Presidente da casa, o Rodrigo Maia, para só tirar a votação da reforma de pauta, se não houver, de jeito nenhum, alcançado a quantidade almejada pela cúpula.

A população já está começando a não entender o porque de tanto interesse em fazer essa reforma, se, de acordo ao resultado da CPI da Reforma, não há motivos para haver reforma, pois a instituição não se encontra com desfite, mas, no entanto, tendo pra receber de empresas grandes deste país, inclusive bancos, nada menos que 450 bilhões de Reais, quantia que deixaria a Previdência em situação bastante favorável. Não seria o caso desses nobres parlamentares procurar fazer movimentos na casa, para obrigar tais empresas a pagarem as sua dívidas? 
Outro dia, em áudio nos celulares, tinha um deputado, que a gravação não mencionava o seu nome e o seu partido, mas, pelo tom e pelo assunto levantado, leva a crer ser esquerdista, onde dizia ele que “uma mãe ou um pai quando vai dar um remédio de sabor ruim para os seus filhos, primeiro prova de tal sabor, para então os filhos tomarem o remédio”. Mas no caso dos arrochos junto ao trabalhador, as medidas tomadas entre governo e parlamentares, principalmente depois da chegada do atual governo, o “remédio ruim é só para os pobres”. O que queria dizer o amigo deputado, é que não acontece ao menos uma emenda a ser votada, para diminuir as mordomias dos políticos, os quais são votados pelo povo. É preciso sim que haja uma mudança de cima para baixo, inclusive obrigando os devedores deste país, pagarem as suas dívidas, para então, quando chegar alguma medida que mude a vida da classe mais baixa, seja com coerência e respeito, mudando para melhor.

O relator da Reforma, Deputado Arthur Maia, (PPS- BA) apresentou um novo texto, com algumas mudanças para tentar passar a reforma, onde a discussão sobre a nova tentativa, está marcada para o dia 19 deste mês. O novo texto traz algumas explicações um pouco mal explicadas, onde diz que a quantidade mínima para o contribuinte é de 15 anos para os trabalhadores de regime geral. Para os servidores públicos, a contribuição mínima é de 25 anos. Só que nas matérias publicadas pela mídia, não diz quanto esses contribuintes de 15 e 25 anos irão receber quando se aposentar, pois em outra explicação, fala que  nos dois casos, ou seja, servidor público ou regime geral, se quiserem receber o valor integral da aposentadoria terão que contribuir por 40 anos. Fica a pergunta do trabalhador brasileiro: Os nobres deputados e políticos em geral precisam contribuir 40 anos para terem as suas gorgas aposentadorias, ou apenas dois mandatos, que aliás, já são cheios de mordomias?

Se os grandões lá de Brasília não estão tendo respeito com o trabalhador e eleitor brasileiro, esses, [os trabalhadores] estão aprendendo reivindicar esse respeito e os seus direitos. Café com Leite Notícias.

 

 

Sepúlveda Pertence diz que perseguição a Lula é a pior desde Getúlio Vargas


 

Ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Sepúlveda Pertence disse nesta terça-feira (6) que ainda vai avaliar a estratégia para a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), mas adiantou que não é seu estilo ser agressivo. Criminalista, considerado um dos maiores especialistas em processo penal do Brasil, Sepúlveda disse ainda que a situação do petista é uma perseguição. “É pior, a maior (perseguição) desde Getúlio Vargas”, afirmou.

Convidado pelo advogado Cristiano Zanin Martins, responsável até aqui pela defesa de Lula, Sepúlveda disse que ainda vai conhecer o processo e combinar “com os companheiros” o que pode mudar na defesa. 

Vale lembrar que muitos especialistas do setor jurídico do mundo, tem se pronunciado com as mesmas palavras do Sepúlveda, pois não encontram motivos para tudo que fazem com um ex-presidente que teve duas gestões no Brasil, consideradas as melhores de todos os tempos no país. Até o momento, só quem está enxergando a culpa no petista, a ponto de condenação e impedir de ser candidato, são os juristas do processo de condenação, que inclui e Sergio Moro, que, com apoio de uma mídia, que aos poucos está perdendo credibilidade perante ao povo, vem segurando a condenação. É preciso que todos saibam que é o futuro do país que está em “jogo”.

A fonte desta matéria foi a UOL, um site que não faz parte dos que vêm defendendo o Lula, nessa questão, mas que, aos poucos, está dando demonstração que há sim um extrapolamento neste caso, o que, como disse o ex-ministro Sepúlveda Pertence, é uma das maiores perseguições políticas neste país, razão que faz muitos veículos de comunicação, ainda que tenha uma linha de direita, politicamente, vêm procurando ser menos imparcial.  Dois últimos paragrafos Café com Leite Notícias.

 

Deputado do PT pressiona Maia para decidir sobre auxílio


Resultado de imagem para foto do deputado Leo brito

Leo Brito (PT-AC) apresentou uma sugestão de pauta para a mesa do presidente da

Câmara proibir auxílio-moradia a parlamentares com casa própria no DF 

O deputado Leo Brito (PT-AC) apresentou nesta terça-feira (06) uma sugestão na mesa da presidência da Câmara para alterar o pagamento de auxílio moradia, mais especificamente, proibir a concessão do benefício para deputados que já tenham imóvel próprio no Distrito Federal. Pela regra atual, o dinheiro é autorizado apenas quando não houver vaga em apartamentos funcionais.
“A modificação visa atender aos princípios da economicidade e da moralidade administrativa para com o patrimônio público”, declarou o parlamentar no documento.
Segundo apuração da Folha de S.Paulo, 167 dos 594 deputados federais e senadores recebem atualmente ajuda financeira para moradia (em espécie ou reembolso), sendo que 13 deles recebem o benefício mesmo declarando casa própria em Brasília, incluindo o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) e seu filho mais velho Eduardo Bolsonaro (PSC-SP). Ainda, durante o registro da candidatura em 2014, todos os 13 parlamentares declararam à Justiça Eleitoral terem mais de R$ 1 milhão.
 Como funciona o pagamento
Os deputados têm duas opções para acessar o auxílio-moradia: por reembolso apresentando recibo (R$ 4.253) ou em dinheiro, com desconto no Imposto de Renda (R$ 3.083). Já os senadores recebem apenas mediante reembolso (R$ 5.500). O salário médio dos parlamentares hoje no Brasil é R$ 33,7 mil e cada um tem a disposição R$ 102 mil para pagar salários de assessores e verba que varia entre R$ 30,8 mil a R$ 45,6 mil para custear despesas gerais, como aluguel de escritório, combustível e alimentação.
A polêmica do auxílio-moradia começou após o jornal Folha de S.Paulo revelar que o juiz Marcelo Bretas, responsável pela Lava Jato no Rio de Janeiro, e sua esposa recebem auxílio-moradia mesmo os dois morando juntos e em casa própria.
“Vi a notícia dando contra deste absurdo e temos que começar dando o exemplo de casa, no Poder Legislativo”, disse o deputado Leo de Brito.