(77) 99152-6666

Cientistas criam dieta saudável para salvar pessoas e o planeta


Foto: Molly Katzen/Eat Forum
Foto: Molly Katzen/Eat Forum

Uma dieta saudável, capaz de salvar o planeta, garantir uma produção sustentável de alimentos e prevenir mortes prematuras.

A “dieta da saúde planetária” foi desenvolvida por uma equipe internacional de cientistas e quer reduzir em mais de 50% o consumo de carne e açúcar e ainda dobrar a ingestão de frutas, legumes e nozes.

Segundo o relatório publicado no periódico The Lancet, a dieta pode prevenir até 11,6 milhões de mortes prematuras sem comprometer o meio ambiente.

Porções perfeitas

De acordo com o jornal The Guardian, a principal proposta dos pesquisadores é a redução substancial de carne, permitindo o consumo de um pedaço de carne e duas porções de peixe por semana.

Outro corte importante é o consumo de produtos lácteos para 250 gramas diárias, o que corresponderia a cerca de um copo de leite, um pouco de queijo ou manteiga e um ovo ou dois por semana.

A dieta prevê  ainda a ampliação do consumo de produtos de origem vegetal.

“As pessoas devem comer uma variedade de alimentos à base de plantas, reduzir a quantidade de alimentos de origem animal e de alimentos altamente processados e com açúcares adicionados, diminuir os grãos refinados e trocar as gorduras insaturadas pelas saturadas”, esclareceu Walter Willett, principal autor do relatório, à CNN.

Essa adaptação deve levar em consideração as diferenças regionais já que cada país pratica uma alimentação rica em diferentes nutrientes.

Os norte-americanos, por exemplo, precisariam reduzir em 84% a carne vermelha, e aumentar as porções de lentilha e feijão em seis vezes para que as proteínas necessárias fossem fornecidas.

Já para os europeus, o consumo de carne deveria ser cortado em 77%, enquanto a quantidade de nozes precisaria amentar em 15 vezes para garantir equilíbrio proteico. Mesmo com os cortes, a equipe acredita que a nova dieta seja capaz de fornecer 2.500 calorias por dia.

Não consumir porcaria

Outra recomendação do relatório é a eliminação de alimentos considerados não saudáveis das prateleiras dos supermercados ou aumentar os impostos sobre eles para induzir as pessoas a escolherem opções mais saudáveis.

“Precisamos de uma revisão significativa, mudando o sistema global de alimentos em uma escala nunca vista antes, de acordo com as circunstâncias de cada país”, disse Tim Lang, um dos autores do documento, ao Telegraph.

As sugestões foram feitas pela preocupação com a situação global em termos de desnutrição, crescimento da alimentação inadequada e os riscos ambientais causados pela poluição e pelo atual sistema de produção de alimentos.

Segundo especialistas, as dietas não saudáveis são a principal causa de doenças no mundo, sendo responsáveis por dois bilhões de pessoas com sobrepeso ou obesidade – o que pode gerar outras doenças, como câncer -, dois bilhões de indivíduos desnutridos em decorrência de dietas baixa em calorias ou nutrientes necessários, e 800 milhões de pessoas em situação de fome – causada pelo processo de produção de alimentos inadequado, que também prejudica o meio ambiente.

Desperdício

Outros problemas encontrados pelos pesquisadores são o desperdício de alimentos – que precisa ser reduzido em 15% – e o rendimento agrícola das nações mais pobres – que requer mudanças significativas para que se torne mais saudável e sustentável.

Se essas mudanças na produção de alimentos e na dieta não forem feitas, os pesquisadores alertam que os problemas de saúde serão ainda maiores e o aquecimento global deve ficar mais severo.

“A civilização está em crise. Não podemos mais alimentar nossa população com uma dieta saudável, equilibrando recursos planetários. Se pudermos comer de uma maneira que funcione para o planeta e para nossos corpos, o equilíbrio natural será restaurado”, escreveram Richard Horton e Tamara Lucas, editores do The Lancet, em editorial.

Em resumo, para alcançar esses objetivos, os pesquisadores sugerem a adoção de cinco estratégias:

  1. Incentivar o hábito de comer de forma saudável
  2. Mudar a produção global de alimentos
  3. Intensificar a agricultura sustentável
  4. Criar regras mais rígidas sobre a administração dos oceanos e terras e
  5. reduzir o desperdício de comida

Com informações da Veja

 

 

 

Error, no Ad ID set! Check your syntax!

Às vésperas de Davos, jornal suíço compara Bolsonaro a Pinochet e diz que ele despreza as mulheres e admira ditadores


 

Na semana que vem, Bolsonaro fará sua estreia internacional no Fórum Econômico Mundial, em Davos.

Ficará quatro dias na cidade, um recorde — o costume é um pernoite. Trump, Angela Merkel e Emmanuel Macron já anunciaram que não vão.

jornal Le Temps, o único francófono na Suíça, publicou um artigo sobre Bolsonaro na última quarta feira, 16, assinado por Charles Wyplosz, comparando-o a Pinochet.

Alguns trechos:

O novo presidente do Brasil despreza abertamente as mulheres e defende uma atitude particularmente agressiva em relação às populações indígenas da Amazônia. Ele é um admirador dos generais ditatoriais dos anos 70 e de todos os militares que torturaram e executaram aqueles que protestaram.

Admira ainda mais Pinochet, que executou ainda mais pessoas do que seus colegas brasileiros e entregou as chaves das questões econômicas aos Chicago Boys. Esse atalho é importante: como Pinochet era um ditador particularmente cruel, tudo o que ele fazia era nojento. (…)

Como muitos outros populistas em todo o mundo, Bolsonaro foi eleito porque, há muito tempo, os brasileiros estão desesperados. As desigualdades são terríveis. A violência atingiu níveis alarmantes. A corrupção é generalizada. O orçamento é insustentável. Na década de 1990, o presidente Cardoso, um homem de centro-direita, parou a inflação líquida que durante anos ultrapassou mil por cento. Seu sucessor de esquerda, Lula, reduziu a desigualdade por meio de programas inteligentes, especialmente na educação. Ele cedeu o poder a Dilma Rousseff, que praticava o populismo de esquerda, arrastando Lula em sua queda. (…)

O sucesso de Bolsonaro é, acima de tudo, o fracasso da política brasileira desde o retorno da democracia em 1985. Diante do crime, ele pretende responder com a força. (…)

Ele nomeou como ministro da Justiça Sergio Moro, o pequeno juiz que mandou Lula para a prisão e que parece ter feito da luta contra a corrupção e a violência o negócio de sua vida. (…) Na economia, Bolsonaro recorreu a Paulo Guedes. Com um Ph.D. em Chicago, ele é altamente competente. Fervorosamente ligado aos benefícios da economia de mercado, ele obviamente pensa nos “Chicago Boys” de Pinochet.

Mas se o Chile tem agora a economia com melhor desempenho na América do Sul, isso deve muito aos Chicago Boys. Em um país como o Brasil, devastado por lobbies e corrupção, gastos públicos de interesse mais do que duvidoso e um sistema de pensões particularmente negligente, um retorno aos fundamentos não é insano, mesmo que a luta contra a pobreza seja esquecido ou, pior, revertida. (…)

Em questões fundamentais para o Brasil – violência, corrupção, economia pervertida -, a chegada ao poder de Bolsonaro representa uma aposta. Aposta arriscada, já que o personagem é sulfuroso e inexperiente, mas não necessariamente perdida com antecedência. O que é certo é que a outra questão essencial, das desigualdades, será esquecida.

Fonte desta matéria Diário do Centro do Mundo.

Deputados do PSL na China vão processar Olavo de carvalho após polêmica


Segundo o Uol, integrantes da comitiva de parlamentares eleitos brasileiros que foram à China – a maioria deles do PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro – se dizem surpresos e indignados com os ataques do escritor Olavo de Carvalho à iniciativa do grupo. Pelo menos parte deles pretende processar o “guru” do presidente, que indicou dois ministros no atual governo: Ernesto Araújo, nas Relações Exteriores, e o ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez.

Carvalho publicou um comentário crítico no YouTube e várias postagens no Twitter, onde chamava os parlamentares de “palhaços”, “analfabetos” e “caipiras”, dentre outros xingamentos, e reprova tanto a viagem paga pelo governo chinês quanto a ideia do reconhecimento facial. Foi o suficiente para causar uma polêmica nas redes sociais entre os parlamentares do PSL que estão na viagem, colegas que ficaram no Brasil e eleitores do grupo político e seguidores do filósofo. O assunto e seus desdobramentos têm figurado entre os mais comentados do Twitter nos últimos dias. Fonte DCM.

‘A lei vale para todos’: Marco Aurélio indica que rejeitará pedido de Flávio Bolsonaro


Resultado de imagem para foto de marco aurélio mello

De acordo à matéria circulada no DCM, o ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), sinalizou nesta sexta-feira (18), segundo o Estadão, que deve rejeitar a reclamação apresentada pelo deputado estadual e senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-SL) para suspender a investigação sobre movimentações financeiras atípicas do ex-assessor parlamentar Fabrício Queiroz e declarar ilegais as provas colhidas na apuração.

O ministro do STF disse à reportagem que a “lei vale para todos, indistintamente” e lembrou que em casos semelhantes negou seguimento aos processos – jargão jurídico que significa que os pedidos foram rejeitados e acabaram arquivados.

“(A decisão) sai dia 1º de fevereiro, com toda a certeza. O que eu tenho feito com reclamações semelhantes, as que eu enfrentei, eu neguei o seguimento (rejeitou o processo), porque o investigado não teria a prerrogativa de ser julgado pelo STF. Não haveria usurpação (da competência do STF)”, comentou Marco Aurélio.

“O processo não tem capa, tem conteúdo. Não se pode dar uma na ferradura, e outra no cravo. Ou seja: o procedimento tem de ser único. A lei vale para todos, indistintamente. Isso é república, é democracia”, completou o ministro.

(…)

 

Ostentação nas redes sociais vira prova na Justiça contra caloteiros


As redes sociais estão ajudando juízes a julgarem processos envolvendo devedores que alegam não ter dinheiro para quitar seus compromissos, mas ostentam um alto padrão de vida na internet. Há casos em que algumas provas são obtidas em redes sociais, como o Facebook e o WhatsApp.

VEJA O VÍDEO ABAIXO:

Um dos casos mais recentes aconteceu em Vitória. Um representante comercial que devia pensão, mas alegava não ter carteira assinada nem bens em seu nome, foi flagrado ostentando viagens internacionais, passeios de lancha e um carro novo no Facebook.

As postagens foram apresentadas, e ele acabou fazendo um acordo. O caso foi relatado pelo advogado empresarial Victor Passos Costa, que explicou que esse tipo de prova tem sido cada vez mais usado, especialmente nos casos trabalhistas e de família.

Em outro caso, um juiz decretou a prisão preventiva de um réu que alegou baixa capacidade financeira, mas apareceu no Facebook em viagens internacionais e pilotando uma lancha.

“Há diversos casos nos quais mensagens do Facebook, WhatsApp e Skype são aceitos pelo judiciário como prova. Isso sem falar do e-mail.” Victor Passos, advogado.

Hoje, diz ele, há diversos casos nos quais mensagens do Facebook, WhatsApp e Skype são aceitos pelo judiciário como prova. “Isso sem falar do e-mail, que era uma mídia de comunicação on-line desacreditada até pouco tempo”, aponta Costa.

O juiz Jorge Vaccari Filho, titular do 1º Juizado Especial Cível de Colatina, lembra que em muitos casos a prova obtida pela via eletrônica é até mais relevante do que uma prova testemunhal ou documental. “Não é incomum nos processos sujeitos que alegam pobreza serem flagrados em situações de ostentação de riqueza, com carros de luxo, em cruzeiros e viagens internacionais”.

Para o advogado Bruno Gavioli, essas são provas frágeis. “As pessoas mentem nas redes sociais, e não tem nada que comprove que você não está mentindo”.

Ele conta que teve um caso em que uma pessoa foi flagrada em operação da Receita Federal, acusado de fraude fiscal. “Tentaram provar que o patrimônio que ela declarava não correspondia ao que ela postava na internet. Mas foi uma prova fraca”.

Alguns casos

Em dificuldades financeiras… Ou não

•Curtindo a vida

Um réu de um processo no Espírito Santo, que vive em São Paulo, alegou baixa capacidade financeira e que havia sofrido um infarto para não poder acompanhar o processo em Vitória. Suas postagens, no entanto, mostravam viagens internacionais, passeios de avião, trilhas e idas à academia. Com isso, o juiz do caso pediu sua prisão preventiva.

•Viagens e lancha

Um representante comercial de Vitória, que estava devendo o pagamento de pensão alimentícia, mas que alegava não ter carteira assinada nem bens em seu nome, foi flagrado ostentando duas viagens internacionais, passeios de lancha e um carro novo no Facebook. Ele acabou fazendo um acordo.

Sogro da onça

Uma mulher teve o carro penhorado mas declarou que tinha vendido o carro para terceiro. O terceiro, questionado no processo da penhora, disse que não conhecia a devedora, que apenas tinha comprado o carro dela. No Facebook, se descobriu que o dono do carro era genro da devedora – o que foi provado com fotos do próprio site. O caso aconteceu em Cariacica.

Mentira no trabalho

Doente e na balada

Em outro caso de uma empresa de construção da Serra, uma funcionária faltou ao trabalho dizendo que estava passando mal. No mesmo dia, à noite, postou uma mensagem dizendo que ia a uma festa curtir, se embebedar e se divertir. Ela foi punida com advertência.

Flagra no WhatsApp

O operário de uma empresa do ramo da construção de Vitória foi demitido por justa causa, depois de um flagra no WhatsApp. Ele faltou ao trabalho para ir pescar e pediu a outra pessoa para registrar o ponto no lugar dele. No mesmo dia, postou uma foto pescando no grupo de colegas da empresa, mas se esqueceu de que sua gerente era um dos membros.

Xingou no grupo

Em um grupo do trabalho do WhatsApp, um trabalhador de Cariacica chamou outra colega de vagabunda. Foi condenado a pagar R$ 3 mil por danos morais.

Reclamou no Face

O empregado de uma empresa de Vitória postou um “desabafo” no Facebook em que entendia que tinha que ter ganhado um tíquete que não ganhou e que estava de saco cheio de trabalhar na empresa. Foi demitido por justa causa.

Provas são usadas contra profissionais

Trabalhadores que mentem para os superiores ou fingem estar doentes também têm sido pegos pelas redes sociais. Um dos casos mais comuns nas empresas é o da pessoa que dá atestado médico e viaja. Sem querer, acaba revelando nas redes a mentira.

“Já tive um caso em que a pessoa que trabalhava em uma empresa de plano odontológico de Vitória deu atestado médico em uma sexta-feira e marcaram ela em uma foto no mesmo dia, com bebida alcoólica na mão. Ela foi demitida”, conta o advogado trabalhista José Carlos Rizk Filho.

Outro caso comum em redes sociais é do empregado falar mal da empresa publicamente. “O que tem que se avaliar é a amplitude desse comentário, se é público, se o círculo de relacionamentos é grande, e qual o impacto disso para a empresa”, explica Filho. “Mas é preciso lembrar que tudo que não pode falar em público, não pode falar nas redes. Porque, de certa forma, não é uma conversa individual, é algo público”, detalha.

As punições no contrato de trabalho devem ser graduadas de acordo com a gravidade da falta e o critério de proporcionalidade, diz o advogado Victor Passos Costa. “O funcionário que durante horário de trabalho falta e fica curtindo, deixa de trabalhar por causa disso, é o mais grave. A punição pode ir de advertência escrita, passando por suspensão até demissão por justa causa”.

Fonte: A Gazeta

Nenhum texto alternativo automático disponível.

O povo brasileiro não merece um ministro tão desprezível. Por Afrânio Silva Jardim


Resultado de imagem para foto de fux

PUBLICADO NO FACEBOOK DO AUTOR

Desta vez, o senhor Luiz Fux foi longe demais. A tradição do S.T.F. não merecia isto. O povo brasileiro não merece um ministro tão desprezível. Seu Impedimento seria útil para a frágil democracia e para o combalido prestígio do nosso Poder Judiciário.

 

Não podemos conviver com manobras escusas em nosso mais alto tribunal. O povo não é bobo e tudo tem limite.

Por fatos como estes, é que deixei escrito em meu penúltimo texto, publicado na minha coluna do site Empório do Direito:

“1) Como continuar lecionando Direito Processual Penal com um Supremo Tribunal Federal que terá, como presidentes, os ministros Toffoli e Fux, pelos próximos quatro anos ???

2) Como continuar lecionando Direito Processual, se ministros do S.T.F. pedem vista dos processos, com o indisfarçado escopo de evitar o final dos julgamentos com os quais eles não concordam, já tendo sido formada a maioria de votos dos seus pares ???

3) Como continuar lecionando Direito Processual, se os pedidos de vista dos ministros do S.T.F. se eternizam e não obedecem a prazo algum ???

4) Como continuar lecionando Direito Processual, se apenas depende do bom ou mau humor do presidente do S.T.F. levar a julgamento, pelo plenário, os processos que estão aguardando para serem incluídos na respectiva pauta ???”

Flávio Bolsonaro com Fabrício Queiroz apontando pros brasileiros, em sinal de apologia á violência. Em seguida chega o decreto assinado pelo pai presidente.

Acho que seria oportuna uma CPI para apurar a contas do filho do capitão truculento. Ali está o seu “calcanhar de Aquiles”. Na verdade, cabe citar o poeta: “Há mais coisas entre o céu e a terra, do que sonha a nossa vã filosofia”…

.x.x.x.

Afranio Silva Jardim, professor associado de Direito Processual Penal da Uerj.

 

 

 

 

Marciano, cantor sertanejo, morre aos 67 anos


O cantor, que nos últimos anos usava o título de “O Inimitável”, iniciou a carreira na década de 1970 ao lado de João Mineiro

[Marciano, cantor sertanejo, morre aos 67 anos]
Foto : Reprodução/Facebook

Por Clara Rellstab

O cantor sertanejo Marciano, conhecido pela dupla com João Mineiro, morreu hoje (18) aos 67 anos.

“É com imenso pesar que, em nota, confirmamos o falecimento do cantor Marciano, o Inimitável. Em breve, divulgaremos mais informações. Nesse momento, agradecemos o carinho de todos e pedimos orações à família”, divulgou a equipe do artista.

O cantor, que nos últimos anos usava o título de “O Inimitável”, iniciou a carreira na década de 1970 ao lado de João Mineiro. Após a morte dele, em 2012, Marciano iniciou um projeto ao lado de Milionário (ex-dupla de José Rico, que morreu em 2015).

As contradições começam a surgir com Flávio Bolsonaro pedindo foro privilegiado. fato que surpreendeu ministros


[Ministros do STF se surpreenderam com pedido de Flavio Bolsonaro, diz colunista]

Café com Leite Noticias: Quando o assunto era contra os inimigos políticos da família do presidente Bolsonaro, o que se ouvia era que todos eram contra o foro privilegiado para que os inimigos políticos se perpetuassem sendo condenados como aconteceu com o Lula, que o Brasil inteiro sabe que ele ganharia a eleição logo no primeiro turno.

Agora, quando a necessidade de um foro é para um deles, no caso agora para o Flávio, vai pedir, alegando que é senador e que tem direito. Até aí tudo bem. já era de se esperar essa mudança, mas o que não se entende, é ele pedir foro privilegiado em um caso que, até ao que chega ao conhecimento da sociedade, quem está sendo investigado é Fabrício Queiroz.

Os Ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) afirmaram ter sido surpreendidos com a decisão do ministro Luiz Fux de suspender temporariamente o caso envolvendo o ex-assessor do senador eleito Flavio Bolsonaro (PSL-RJ), Fabricio Queiroz.

A decisão de Fux vem após o ministro atender ao pedido de Flavio, que quer que o caso seja julgado pelo Supremo Tribunal Federal, já que ele tem foro privilegiado, mesmo que Queiroz não possua. Foi aí que os ministros que foram ouvidos pelo blog de Andréia Sadi no G1, se disseram ainda mais surpresos com o pedido ter sido feito pelo senador, já que ele não é investigado, apenas citado no inquérito proveniente do relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). É aquela coisa, quem não deve não teme. Uma certa feita o então candidato a presidente, Jair Bolsonaro, disse ao lado do seu filho Flávio, que está envolvido neste processo do Queiroz, que não ia querer foro privilegiado.

Criança de 7 anos morre em acidente com arma do avô ​


A matéria que foi publicada no DCM diz que Luis Balbino Lopes Filho, 69, chegou à chácara da família em Paranatinga, a 410 km de Cuiabá por volta das 18h de 14 de janeiro. Estacionou o carro no quintal e desceu do veículo, sendo recebido em seguida com um abraço pelo neto L. E. S, de 7 anos. Enquanto levava uma caixa de isopor para dentro de casa, o avô ouviu um estampido. Segundos antes, a criança foi ajudar a descarregar o carro e puxou uma sacola pela alça no banco de trás. A outra alça ficou enganchada no gatilho de uma espingarda de caça calibre .28, e a arma disparou, atingindo L. E. S. no lado direito do peito. A polícia foi acionada para socorrer a criança, que chegou viva ao hospital, mas morreu pouco depois. O pai da vítima informou às autoridades que o avô utilizava a espingarda para caça recreativa na região, e que ficou “abalado” com o ocorrido.

Especialista da segurança pública afirmam que após a flexibilização do Estatuto do Desarmamento por parte do presidente Jair Bolsonaro, que assinou um decreto facilitando a posse de armas (possibilidade de ter armas em casa) pela população, podem levar ao crescimento do número de vítimas de acidentes como o que matou L. E. S.

Os estudiosos também acreditam que as novas regras devem ter impacto na letalidade da violência doméstica e no feminicídio – crime no qual o Brasil é o quinto no ranking mundial.

Após constatar que sua arma baleou o neto, o idoso fugiu do local “tomado por forte emoção”, disseram familiares. Foragido, ele deve se apresentar às autoridades no final desta quarta-feira. A reportagem não conseguiu contato com a defesa de Luis, que deve ser indiciado por homicídio culposo.

Sobre a questão da facilidade da posse de arama, assinado na terça feira pelo presidente Jair Bolsonaro, várias questões negativas estão em jogo, como o caso de muito ciúmes em casal, pode ser que uma hora um perde o controle e já pega uma arma que está ao lado e atira no seu conjugue; tem o perigo do estres que é um mal que vem atingindo muita gente, principalmente nas cidades grandes, onde uma pessoa pode  entrar em discussão com a outra e sacar uma arma e por aí vai gerando cada vez mais violência.

 

 

SAIBA PORQUE O DONO DA HAVAN E OUTROS EMPRESÁRIOS QUEREM O FIM DA JUSTIÇA DO TRABALHO


Jair Bolsonaro com Luciano Hang, dono das lojas Havan

Café com Leite Notícias: É muito triste o que está acontecendo no nosso país. Naturalmente que as pessoas falam que tem menos de 20 dias e já querem mudanças? O que acontece é que com o modelo que começou a administração, não tem como mudar para melhor, no caso de melhorar para o trabalhador que é quem alavanca o país. Para pior sim, caso continue sendo levantadas as “paredes encima do alicerce que já foi preparado”. Com as medidas contra o trabalhador e favorecendo empresários corruptos, como o Luciano da Havan, não tem como o país crescer. É muito fácil de fechar a conta que ainda está sendo processada: Com a extinção  do Ministério do Trabalho; com o fim da Justiça do Trabalho, como já se cogita, dizendo que o trabalhador brasileiro recebe excesso de proteção, como disse o presidente Bolsonaro no SBT; com a escola sem política, onde o presidente diz que o aluno tem que se preparar pra o mercado de trabalho e não para a política; e ainda a distribuição de armas para a sociedade, é a mesma coisa de dizer: “Quero preparar uma sociedade para ser burro de carga, sem direitos, tapados politicamente e uma espécie  de “galos de briga”, para se acabarem na rinha. Claro, porque primeiro distribui o ódio, como aconteceu durante a campanha, e depois coloca uma arma na mão de cada um…precisa dizer mais nada?

 

Afinal: Qual a medida do novo governo que favoreceu ao trabalhador? Presidente, não veja isso tudo como crítica, mas nessa linha o Brasil vai afundar. Tem que gerar emprego, senhor presidente, tem que valorizar o setor de Assistência Social para orientar as famílias; tem que fazer campanha para que o povo se interesse mais por estudos; tem que dar exemplos de patriotismo e deixar de entregar as nossas riquezas para os americanos; tem que dar condições da população consumir mais, principalmente a mais pobre, para forçar a indústria produzir mais e assim ser gerada uma cadeia de empregos diretos e indiretos, pois da indústria até o consumidor final, certamente irá gerar muitos empregos e não apenas o da indústria: Esse é o Caminho, senhor presidente.

 

É muito triste também, por exemplo, a gente começar a sentir a diferença na questão justiça, como se ela  tivesse a serviço do presidente: acabo de receber uma notícia de que o caso Queiroz foi arquivado. Nesse caso, o Moro está de acordo. Notícias assim não tem como deixar o brasileiro que tem procurado estar informado e querer que aconteça o certo, ficar feliz.

Outra notícia triste para quem espera um país com menos violência: O Guilherme Boulos está entrando com um processo contra uma juíza por excitação à violência. Mas já sabemos que, a exemplo do caso Queiroz, vai dar em nada não. Veja o que disse a juíza:

 

Na última terça-feira (15), Marília Castro Neves compartilhou uma imagem de Boulos acompanhada da seguinte escrita: “Olha a cara triste de quem vai ser recebido a balas, depois do decreto de Bolsonaro”.

“Esta é a desembargadora Marília Castro Neves, do TJ do Rio de Janeiro. Já responde judicialmente por ofensas a Marielle Franco e outras postagens inadequadas. Um magistrado tem que ter equilíbrio, não pode incitar ao crime. Agora responderá mais uma ação judicial”, reagiu o líder do MTST no Twitter.

A desembargadora já havia se envolvido em inúmeras polêmicas por causa de suas postagens nas redes sociais.

Quando a vereadora Marielle Franco (PSOL) foi assassinada no Rio, Neves postou que a parlamentar estava “engajada com bandidos”.

Sobre o deputado Jean Willys (PSOL), a desembargadora afirmou em suas redes ser favorável a um paredão profilático, “embora não valha a bala que o mate e o pano que limpe a lambança, não escaparia do paredão”.

Em outra postagem, Marília Castro Neves disparou contra a Lei Maria da Penha.

“Até onde se sabe, numericamente somos maioria, o que não impede a politicamente correta Lei Maria da Penha de ser covardemente utilizada contra o homem nas relações conjugais – ou semelhante”.

Em um grupo fechado do Facebook intitulado “Juízes”, Neves debochou de uma professora com síndrome de Down.

“Aí me perguntei: o que será que essa professora ensina a quem???? Esperem um momento que fui ali me matar e já volto, tá?”.

 

O folclórico Luciano Hang, dono das lojas Havan, acaba de ganhar mais um processo para sua imensa coleção. Mas será que dá em alguma coisa?

O Conselho Federal da OAB entrou com uma ação contra o empresário bolsonarista por suas ofensas contra a entidade e, consequentemente, a de todos os advogados.

Favorável à extinção da Justiça do Trabalho, Luciano Hang utilizou-se das redes sociais – meio oficial da ‘nova era’ – para chamar advogados trabalhistas de “porcos que se acostumaram a viver num chiqueiro” e outras ofensas.

A OAB estipulou a ação em R$ 1 milhão.

Por que Hang quer ver a Justiça do Trabalho extinta?

Antes de mais nada, o empresário tem um abacaxi e tanto nas mãos. Por sua coação a 15 mil funcionários na qual exigiu o voto em Bolsonaro para presidente, ele já está sendo processado pelo Ministério Público do Trabalho de Santa Catarina em R$ 25 milhões por dano moral coletivo.

Nada impede, no entanto, que Hang ainda tenha que ressarcir individualmente a cada um dos 15 mil empregados. O MPT sugeriu o valor de R$ 5 mil para cada funcionário, o que acrescentaria uma conta de R$ 75 milhões.

Tamanho total do abacaxi: R$ 100 milhões.

Justiça do Trabalho e Ministério Público dão urticária em Luciano Hang.

O empresário já foi condenado a 3 anos, 11 meses e 15 dias de cadeia por pagar parte do salário de seus funcionários por fora. Sem o registro em carteira do valor cheio, esse ilibado empresário defensor da moral e dos bons costumes tinha custos menores com a Previdência. Segundo o Ministério Público Federal, a sonegação passou de R$ 10 milhões no período em que praticou-a (Hang, entretanto, nunca foi preso, a pena de detenção foi substituída pela prestação de ‘serviços à comunidade’).

Luciano Hang pactua da filosofia bolsonarista de que ‘é difícil ser patrão’. Jair Bolsonaro, que já extinguiu o Ministério do Trabalho, tem dito agora aos quatro ventos que pensa em acabar com a Justiça do Trabalho, algo que ele considera ‘excesso de proteção’.

A Associação Juízes para a Democracia (AJD) está com um dossiê pronto para rebater o presidente e manifestações em defesa da Justiça do Trabalho estão sendo marcadas para os próximos dias. Em São Paulo haverá um abraço em torno do Forum da Barra Funda.

Pela mesma atitude (o vídeo em que fazia ameaças de fechamento de lojas caso Bolsonaro não vencesse), uma ação foi movida pedindo inelegibilidade de Bolsonaro e a cassação do mandato por abuso de poder econômico. O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) arquivou a ação.

Até hoje não está clara a participação de Luciano Hang na alavancagem das mensagens de Whatsapp durante a campanha eleitoral e talvez nunca saibamos dado a propensão a ser mais um caso à la Queiroz do novo governo.

O dono da Havan é o típico hipócrita da direita. Prega o Estado mínimo e quer ver Lula apodrecer na cadeia. Mas durante o governo do petista, Hang obteve pelo menos 50 empréstimos do BNDES para financiar a expansão de suas atividades comerciais no país. Em nove anos ele abriu quase 100 lojas em 13 estados do país. Detalhe: foram R$ 20,6 milhões na modalidade Finame, que se destina à aquisição de ‘máquinas e equipamentos para financiar produção industrial’. Nada a ver, portanto, com uma rede de lojas de varejo.

Hang já foi autuado pela Receita Federal por manobra financeira envolvendo a rede de lojas para tomar o empréstimo para ele mesmo, como pessoa física (eram R$ 100 milhões então dinheiro para a ação trabalhista pela coação feita aos funcionários, em tese, ele tem).

O trabalhador da ‘nova era’ não terá como se proteger das atrocidades de empresários como Luciano Hang e nem verá uma aposentadoria no horizonte. Melhorou né?

Gisele Bündchen responde ministra de Bolsonaro: “fiquei surpresa ao ver meu nome de forma negativa”


Após ser criticada pela ministra da Agricultura, Tereza Cristina, a modelo Gisele Bündchen se manifestou em sua conta do Twitter e afirmou que ficou surpresa ao ver seu nome “mencionado de forma negativa por defender e me manifestar em favor do meio ambiente”.

Gisele ainda afirmou que “agropecuária e conservação ambiental precisam andar juntas, lado a lado”.

 


 


Após retornar de saída temporária, detento de SC é flagrado com 9 celulares e 52 objetos no estômago


Por G1 SC

Objetos foram encontrados quando homem passou por scanner — Foto: Secretaria de Justiça e Cidadania/Divulgação

Objetos foram encontrados quando homem passou por scanner — Foto: Secretaria de Justiça e Cidadania/Divulgação

Um detento da Colônia Agrícola Penal de Palhoça, na Grande Florianópolis, precisou passar por cirurgia após retornar de uma saída temporária após ser flagrado com 61 objetos dentro do estômago. O caso foi registrado na terça-feira (16).

Ao passar por um scanner de revista corporal, foram encontrados nove celulares e mais 52 objetos como cabo USB, isqueiro, drogas, entre outros.

De acordo com a Secretaria de Justiça e Cidadania, ao entrar na unidade, os agentes desconfiaram do comportamento do detento, que é portador de necessidades especiais e usa muletas. Quando ele foi submetido ao detector, o equipamento sinalizou a presença de metal.

Os agentes levaram o preso até o Complexo Penitenciário do Estado, em São Pedro de Alcântara, onde realizaram nova inspeção de imagens com o aparelho de scanner e detectaram os objetos metálicos no estômago.

O homem passou por cirurgia, e nesta quarta-feira (16) segue internado e passa bem. A secretaria informou que o preso vai responder criminalmente pelo caso.

Objetos estavam dentro do estômago de preso — Foto: Secretaria de Justiça e Cidadania/ Divulgação

Objetos estavam dentro do estômago de preso — Foto: Secretaria de Justiça e Cidadania/ Divulgação

O liquidificador de Onyx Lorenzoni; assista


Parece que há uma disputa aberta no governo Bolsonaro para ver quem fala mais sandices. Em primeiro lugar está a ministra Damares, mas o chefe da Casa Civil, Onuz Lorenzoni está no páreo.

Onyx afirmou que ter uma arma em casa oferece o mesmo risco que ter um liquidificador.

Vai um suco de laranja aí?

Assista ao vídeo com as falas do ministro sobre o decreto que libera a posse de armas: Esmael.

Janine Rodrigues, autora de livros infantis sobre cultura negra, conquista dois prêmios


Janine Rodrigues. A escritora carioca virou referência na abordagem da cultura negra na literatura infantil Foto: Divulgação/Luca Ayres

Reportagem de Patricia de Paula no Globo informa que hoje, aos 37 anos, uma escritora celebra o sucesso de sua editora, a Piraporiando, a conquista do selo Retratos da Leitura e os prêmios IPL do Instituto Pró-Livro e o Criança 2018 (promovido pela Fundação Abrinq).

De acordo com a publicação, poderia ser a história de uma heroína dos contos de fadas, mas trata-se da saga da escritora carioca Janine Rodrigues, moradora de Santa Teresa, que vem sendo uma referência no país na abordagem da cultura negra na literatura infantil.

“É gratificante e, ao mesmo tempo, uma responsabilidade. Eu me sinto representando outros trabalhos e outros escritores país afora”, comenta Janine. O primeiro prêmio foi pelo livro “Nuang — Caminhos da liberdade”. Já no da Abrinq, ela foi premiada pelo projeto “Quem é o autor”, que promove o encontro de crianças com os autores das publicações, completa o Jornal O Globo.