Começar a se exercitar depois dos 40 anos reduz mortalidade em até 35%, aponta estudo


Por G1

Um estudo publicado na revista científica Jama revelou que pessoas que começam a se exercitar na meia idade têm o risco de mortalidade reduzido nos mesmos níveis do que pessoas que se exercitam desde a adolescência.

O profissional de educação física e consultor do Bem Estar Marcio Atala lembra que nunca é tarde para começar. Mesmo após os 60 anos, quem começa a praticar exercício tem benefícios, principalmente no que se refere a ganho de massa muscular, equilíbrio, diminuição da perda de cognição e manutenção de laços sociais.

Contudo, não é porque os benefícios são iguais que a pessoa deve pensar em atividade física só após os 40 anos. A atividade física melhora a qualidade de vida e pode evitar doenças relacionadas ao sedentarismo.

Estudo revela benefícios dos exercícios após os 40 anos
Bem Estar
Estudo revela benefícios dos exercícios após os 40 anos

Estudo revela benefícios dos exercícios após os 40 anos

O estudo foi feito com 315.059 pessoas. Quem fez exercício desde a adolescência teve redução de mortalidade de 29% a 36%. Já quem fez exercício após os 40 anos teve redução de mortalidade de 32% a 35%.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda 150 minutos semanais de atividade física leve ou moderada (cerca de 20 minutos por dia) ou, pelo menos, 75 minutos de atividade física de maior intensidade por semana (cerca de 10 minutos por dia).

Veja a recomendação da OMS sobre níveis de atividade física para todas as faixas etárias:

ATIVIDADE FÍSICA

IDADE RECOMENDAÇÃO/SEMANA NÍVEL DA ATIVIDADE
5 a 17 anos Mais de 60 minutos de exercícios aeróbicos Moderada a vigorosa
18 a 64 anos No mínimo 150 minutos exercícios aeróbicos Moderada
75 minutos de exercícios aeróbicos Vigorosa
Maiores de 64 anos 150 minutos exercícios aeróbicos Moderada
75 minutos exercícios aeróbicos Vigorosa

4 dicas para começar a prática de atividade física

  • Encontre um local adequado para praticar as atividades físicas, como parques, praças e similares
  • Comece com uma atividade que não exige alto preparo físico
  • Praticar atividade física perto de casa não exigindo grandes deslocamentos, o que ajuda na manutenção desse hábito
  • Procure atividades realizadas por várias pessoas, inclusive do seu círculo de amizade, o que poderá ser um estímulo a mais.
Error, no Ad ID set! Check your syntax!

Menina é espancada até a morte durante o recreio em escola de MG


Menina de 15 anos morreu após ser espancada por uma colega durante o recreio em escola de MG. “Um caderno rasgado” teria motivado as agressões

Maria Aparecida Esteves Otoni
Maria Aparecida Esteves Otoni

Uma adolescente de 15 anos morreu após ser espancada por uma colega, também de 15 anos, dentro da Escola Estadual Doutor Agostinho da Silva Silveira, em Minas Novas, no Vale do Jequitinhonha (MG).

O crime ocorreu na tarde de quarta-feira (10/4) e o sepultamento da vítima na tarde de quinta-feira (11/04), no Cemitério Municipal da cidade. Assim como a autora, a vitima foi assistida em um abrigo de crianças e adolescentes da cidade.

As aulas foram suspensas no educandário nesta quinta. De acordo com informações da Policia Militar (PM) de Minas Gerais, a estudante Maria Aparecida Esteves Otoni foi agredida até a morte durante o recreio.

A autora seria portadora de esquizofrenia, conforme informações de funcionários da escola. Ela foi apreendida pela PM e encaminhada para a delegacia de plantão do município.

Segundo a Policia Militar, testemunhas revelaram que a autora alegou que Maria Aparecida tinha rasgado o caderno dela. Na sequência, em um ataque de fúria, a estudante investiu contra a colega, “arremessando-a ao solo com puxões de cabelo e, em seguida, desferindo vários chutes na cabeça da vítima“. Funcionários da escola intervieram, mas não conseguiram impedir agressão.

Uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência e Emergência (Samu) foi chamada e levou a vitima até o Hospital da Fundação Minas Novas. Mas a adolescente não resistiu e morreu ao dar entrada na unidade de saúde.

SEE presta pesar

Em nota divulgada na tarde desta quinta-feira, a Secretaria de Estado de Educação (SEE) informa que “recebeu com profundo pesar a notícia do falecimento da estudante da Escola Estadual Doutor Agostinho da Silva Silveira, em Minas Novas, em virtude de agressão praticada por uma colega da unidade de ensino”.

A SEE comunica que enviou um representante a Minas Novas para acompanhar e dar apoio às famílias das envolvidas no caso e aos servidores da escola.

“No momento do ocorrido, a direção da escola tomou todas as providências cabíveis e acionou o Samu, para resgatar a aluna agredida, que foi levada para o hospital da cidade”, diz a pasta, lembrando que a “PM também foi acionada”, afirmou.

A Secretaria de Educação ressalta que a escola de Minas Novas recebeu alguns alunos de um abrigo da cidade – a Casa Lar, entre eles as duas envolvidas no caso de violência.

A aluna agredida já tinha sido reintegrada à família. Já a agressora permanecia acolhida na Casa Lar. A escola está montando uma rede de apoio, para acompanhar o caso e dar os encaminhamentos necessários”, diz o órgão.

“A SEE trabalha em toda a sua rede para que a oferta do ensino seja universal e inclusiva, garantindo o acesso ao conhecimento sem nenhuma forma de discriminação, ou seja, todas as escolas estaduais estão aptas a receberem alunos com deficiência”, finalizou.

Luiz Ribeiro, Estado de Minas

 

NOAM CHOMSKY DIZ QUE PRISÃO DE JULIAN ASSANGE ESTÁ LIGADA À DE LULA


Em entrevista ao canal Democracy Now, o linguista e filósofo Noam Chomsky diz que há uma tentativa de silenciar as vozes de ambos, lembrando ainda a prisão de Gramsci sob o fascismo; Chomsky ressalta a proibição de Lula fazer declarações públicas e afirma que “ele é o prisioneiro político mais importante do mundo. Você ouve alguma coisa [na imprensa] sobre isso? Bem, Assange é um caso similar: temos que silenciar essa voz”

O linguista, filósofo e cientista político Noam Chomsky concedeu uma entrevista ao canal Democracy Now em que compara a prisão do fundador do WikiLeaks, Julian Assange, com a do ex-presidente Lula e a do filósofo marxista italiano Antonio Gramsci.

Segundo ele, há uma tentativa de silenciar as vozes de ambos, lembrando da prisão de Gramsci sob o fascismo. Chomsky ressalta a proibição de Lula fazer declarações públicas e afirma que “ele é o prisioneiro político mais importante do mundo. Você ouve alguma coisa [na imprensa] sobre isso? Bem, Assange é um caso similar: temos que silenciar essa voz”

“Alguns podem se lembrar quando o governo fascista de Mussolini colocou Antonio Gramsci na prisão. O promotor disse: ‘Temos que silenciar essa voz por 20 anos. Não podemos deixá-lo falar.’ Isso é o Assange. Isso é o Lula. Isso é um escândalo.”

“Sob o governo Lula, no início deste milênio, o Brasil foi um dos mais – talvez o país mais respeitado do mundo. Foi a voz do Sul Global sob a liderança de Lula da Silva”, afirma o renomado linguista. 247.

Assista abaixo ao vídeo legendado:

Chomsky compara prisão de Assange às prisões de Lula e Gramsci

Chomsky compara prisão de Assange às prisões de Lula e Gramsci“Sob o governo Lula, no início deste milênio, o Brasil foi um dos mais – talvez o país mais respeitado do mundo. Foi a voz do Sul Global sob a liderança de Lula da Silva”, afirma o renomado linguista.Chomsky aponta o golpe após a saída de Lula do poder e sua prisão. Ressalta a proibição de Lula fazer declarações públicas e que “ele é o prisioneiro político mais importante do mundo. Você ouve alguma coisa [na imprensa] sobre isso? Bem, Assange é um caso similar: temos que silenciar essa voz.”Ele nos relembra, ainda, da prisão de Gramsci sob o fascismo: “Alguns podem se lembrar quando o governo fascista de Mussolini colocou Antonio Gramsci na prisão. O promotor disse: ‘Temos que silenciar essa voz por 20 anos. Não podemos deixá-lo falar.’ Isso é o Assange. Isso é o Lula. Isso é um escândalo.”Democracy Now! Tradução e legendas por César Locatelli

Posted by Democracy Now Brasil on Friday, April 12, 2019

 

Vidas complementares: Lula e Assange, por Fábio de Oliveira Ribeiro


Assange e Lula nasceram em famílias modestas e ocuparam um espaço público internacional que não foi originalmente concebido para pessoas com as origens deles. O ódio que eles despertam nos conservadores ricos é fruto do preconceito de classe com algumas pitadas de racismo.

 

1- Ambos cometeram o mesmo crime: suprimir a carência do povo (econômica/educacional, Lula; jornalística/democrática, Assange).
2- Ambos desafiaram a lógica imperial dos EUA (Lula diplomaticamente; Assange relevando segredos diplomáticos).

3 – Lula e Assange foram perseguidos judicialmente com o emprego da técnica jurídica imunda (Lawfare).

4- Assange ficou vários anos confinado sem ter cometido qualquer crime na Inglaterra. Lula foi condenado por um crime não descrito pelo Código Penal sem ter recebido a posse ou a propriedade do Triplex.

5- Ambos são gigantes no cenário mundial. Nenhum dos dois jamais pediu para os seus seguidores usarem violência contra o terrorismo judicial.

6- Assange não pode desfrutar o asilo político que lhe foi concedido porque a Inglaterra lhe negou o salvo conduto da Embaixada até o aeroporto. Lula é um exilado político preso no seu próprio país que não exerceu o direito de ficar livre até o trânsito em julgado da condenação.

7- A imprensa atacou ferozmente Lula e Assange para legitimar o Lawfare. Ambos foram defendidos pela blogosfera.

8 – A esquerda mundial está mobilizada em torno de Assange e Lula. Um se tornou um símbolo da liberdade de imprensa, o outro é um símbolo da soberania popular e da verdadeira democracia.

9 – A liberdade de Lula compromete o projeto nazi-neoliberal dos EUA no Brasil. A liberdade de Assange coloca em risco esse mesmo projeto dentro dos EUA.

10 – Trump e Bolsonaro estão felizes com a prisão de ambos. Daqui a 100 anos Lula e Assange serão lembrados e os presidentes dos EUA e do Brasil já terão sido esquecidos.

11 – Assange e Lula nasceram em famílias modestas e ocuparam um espaço público internacional que não foi originalmente concebido para pessoas com as origens deles. O ódio que eles despertam nos conservadores ricos é fruto do preconceito de classe com algumas pitadas de racismo.

12 – Lula e Assange são comunicadores natos. A habilidade do brasileiro é politica/retórica e a do australiano é criptografia/jornalística.

13 – Lula expandiu seu coração generoso para salvar a democracia brasileira do colapso em razão da fome provocada pelo neoliberalismo no nordeste. Assange expandiu sua generosa convicção de que os segredos são prejudiciais à democracia para alimentar nossa fome por verdade. Fonte GGN.

Bolsonaro diz que exército não matou ninguém e que não pode se pode culpar militares por fuzilamento de carro e morte de músico


Marcelo Camargo/Agência Brasil

Após passar seis dias em silêncio absoluto sobre o fuzilamento com mais de 80 tiros do músico Evaldo Rosa dos Santos por militares durante uma operação no Rio de Janeiro, no último domingo (7), o presidente Jair Bolsonaro disse que o Exército “não matou ninguém” e que a instituição não pode ser chamada de assassina. “O Exército é do povo. A gente não pode acusar o povo de assassino. Houve um incidente. Houve uma morte. Lamentamos ser um cidadão trabalhador, honesto”, disse Bolsonaro durante viagem a Macapá (AP).

O “incidente”, como se referiu o presidente, aconteceu quando dez militares abriram fogo contra o carro em que o músico estava com a família foi supostamente confundido com um utilizado por criminosos. Evaldo morreu no local e outras duas pessoas ficaram feridas no tiroteio desencadeado pelos soldados do Exército.

Até o momento, nove dos dez militares que participaram da operação estão presos. Nesta quinta-feira (11), eles ingressaram com um pedido de habeas corpus junto ao Superior Tribunal Militar (STM). “Está sendo apurada a responsabilidade. No Exército sempre tem um responsável. Não existe essa de jogar para debaixo do tapete”, disse Bolsonaro sobre o assunto.

Até então, a única declaração oficial do Planalto havia sido feita na terça-feira pelo porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros. Na ocasião, ele afirmou que “o presidente confia na Justiça militar, no Ministério Público militar e, a partir desse pressuposto, ele identifica e solicita até dentro da possibilidade, já que há independência de poderes, que esse caso seja o mais rapidamente elucidado”. Fonte Plantão Brasil.

Queniano eleito melhor professor do mundo doa 80% do salário para pobres


Foto: AP

O melhor professor do mundo é um queniano que doa 80% de seu salário para os pobres na remota aldeia de Pwani, no Quênia.

O frade francisco e professor Peter Tabichi ganhou um milhão de dólares neste domingo, 24, do Global Teacher Prize, o “Nobel”da educação, no Atlantis Hotel, em Dubai. A cerimônia foi apresentada pelo ator Hugh Jackman.

Na escola em que Peter dá aulas, existe apenas um computador com acesso à internet de má qualidade. Ele ensina ciência para estudantes do ensino médio na aldeia semi-árida de Pwani, onde quase 30 por cento das crianças são órfãs ou têm apenas um dos pais.

Na entrega do prêmio, Tabichi usou uma túnica franciscana. Ele revelou que o mais distante que havia viajado antes foi para Uganda.  A ida para Dubai também marcou sua primeira vez em um avião.

“Eu me sinto ótimo. Eu não posso acreditar. Eu me sinto muito feliz por estar entre os melhores professores do mundo, sendo o melhor do mundo”, disse ele à Associated Press após sua vitória.

O queniano superou outros nove candidatos, dentre eles a professora brasileira Débora Garofalo, que ensina robótica na Escola Ary Parreiras, na periferia de São Paulo.

Ajudar os pobres

Ele disse que a escola não tem biblioteca nem laboratório. Ele planeja usar o milhão de dólares do prêmio para melhorar a escola e alimentar os pobres.

Peter Tabichi é reconhecido por ajudar muitos alunos a permanecer na escola, qualificar para competições internacionais em ciência e engenharia e ir para a faculdade.

“Sempre que eu reflito sobre os desafios que eles enfrentam, eu derramo lágrimas”, disse ele sobre seus alunos, acrescentando que sua vitória vai ajudar a dar-lhes confiança.

O presidente do Quênia, Uhuru Kenyatta, disse em um comunicado que a história de Tabichi “é a história da África e esperança para as gerações futuras”.

O pai

Como membro da irmandade católica romana, Tabichi usou uma túnica marrom até o chão para receber o prêmio apresentado pelo príncipe herdeiro de Dubai Sheikh Hamdan bin Mohammed bin Rashid Al Maktoum.

Em seu discurso, Tabichi disse que sua mãe morreu quando ele tinha apenas 11 anos de idade, deixando seu pai, um professor de escola primária, com o trabalho de criar ele e seus irmãos sozinhos.

Tabichi também agradeceu ao pai por ensinar valores cristãos e o convidou para subir ao palco. O professor deu o prêmio para o pai segurar e recebeu aplausos da plateia.

“Esta noite foi incrivelmente emocionante, muito comovente”, disse Hugh Jackman à AP depois de apresentar a cerimônia e tocar números musicais de seu filme The Greatest Showman.

“Foi uma grande honra, uma emoção estar aqui e a noite foi cheia de um espírito realmente puro ”, acrescentou.

O prêmio

Tabichi foi selecionado entre dez mil candidatos.

O prémio é distribuído pela Fundação Varkey, cujo fundador, Sunny Varkey, criou a empresa GEMS Education, com fins lucrativos, que administra 55 escolas no Emirados Árabes Unidos, Egito e Catar.

O vencedor é selecionado por comitês compostos por professores, jornalistas, funcionários, empresários, líderes empresariais e cientistas.

No ano passado, um professor de artes britânico foi premiado por seu trabalho em um dos lugares mais etnicamente diversos no país. Seu trabalho foi apontado pelos alunos por ser responsável por se sentirem bem-vindos e seguros em um bairro com altas taxas de homicídios.

Outros vencedores incluem um professor canadense por seu trabalho com alunos indígenas em uma aldeia isolada do Ártico, onde as taxas de suicídio são altas e uma professora palestina por seu trabalho em ajudar crianças refugiadas na Cisjordânia traumatizadas por violência.

O primeiro vencedor em 2015 foi um professor do Maine que fundou uma organização sem fins lucrativos para desenvolver e disseminar novos métodos de ensino.

Com informações Estadão

 

Abraham Weintraub, novo ministro da Educação, processa o próprio pai


O novo titular do MEC: disputa pelo patrimônio da família (Cristiano Mariz/VEJA)

Depois de ser anunciado, na última segunda-feira, como chefe da pasta da Educação no governo Jair Bolsonaro, o economista Abraham Weintraub se tornou o ministro mais pesquisado no Google  — oito vezes mais que o até então campeão Sergio Moro, da Justiça.

Quem é? De onde vem? Quem indicou? As respostas estão no primeiro episódio do podcast Funcionário da Semana no qual VEJA apresenta o perfil de protagonistas da política brasileira – homens e mulheres que trabalham para servir você, cidadão.

O episódio de estreia revela que o ministro processa o próprio pai. Abraham, de 47 anos, e seu irmão Arthur, de 42, entraram na Justiça em 2012 contra opsiquiatra Mauro Salomão Weintraub, em uma disputa pelo patrimônio da família. Eles alegam que o pai doou todos os bens à segunda mulher, vinte anos mais jovem. A dupla pede que a doação seja anulada porque o patriarca não reservou a eles os 50% determinados por lei – mas ele argumenta que já fez a divisão necessária.

As informações também estão na reportagem da mais nova edição da Veja oline, disponível on-line para assinantes e nas bancas a partir desta sexta-feira.

Centenários comemoram 82 anos de casamento: recorde


Foto: Reprodução NBC

Foto: Reprodução NBC

Um casamento longo, duradouro e feliz está sendo comemorado por Daniel Williams, de 103 anos, e Willie, de 100.

Eles completaram 82 anos de casados neste mês e isso rendeu ao casal norte americano o título de casal mais longevo da Carolina do Norte, nos Estados Unidos.

Os dois disseram que não há segredo nenhum para a longevidade.

Daniel e Willie têm uma filha e uma neta.

Eles afirmam que tudo o que têm é “amor um pelo outro e por Deus”.

Eles frequentam os cultos todo domingo em uma igreja batista da cidade de Charlotte.

“As pessoas podem não acreditar, mas nunca fomos do tipo de casal que briga. A gente tenta conversar sobre coisas divertidas”, contou Willie.

Na juventude, Daniel lutou na Segunda Guerra Mundial.

Depois, se tornou operador de elevadores. Willie se formou auxiliar de enfermagem, segundo entrevista ao site “Our State”.

Eles viveram o período em que as leis Jim Crow estavam em vigor nos EUA,  um conjunto de normas que estabeleciam a segregação racial, canceladas apenas em 1965.

Décadas depois, assistiram à chegada de Barack Obama à Presidência norte-americana, o primeiro negro a assumir o cargo.

Hoje, eles relembram, com amor, o dia em que se encontraram.

“Ela estava bonita”, disse Daniel. “Posso dizer o mesmo”, concordou Willie.

o título de casal mais longevo Foto: Reprodução

o título de casal mais longevo Foto: Reprodução

Com informações do G1

 

RÚSSIA ACENA COM RETALIAÇÃO DEPOIS DE ATAQUES DE ARAÚJO


O chanceler Ernesto Araújo atacou os russos por sua presença militar na Venezuela, apesar de os dois países terem acordos de cooperação técnico-militar; a Rússia ameaça retaliar as exportações brasileiras; no final de março, em um sinal de alinhamento à politica externa dos EUA, Araújo afirmou que, “se os militares russos estavam na Venezuela para manter Maduro no poder, deveriam deixar o país”; Ministério da Agricultura terá de enviar um de seus secretários a Moscou para tentar desarmar a crise

s declarações do chanceler Ernesto Araújo, que já levaram os países islâmicos a ameaçar as importações de proteína animal do Brasil como retaliação, agora desembocaram para uma nova crise, desta vez com a Rússia. No final de março, em mais um sinal de alinhamento com os interesses da política externa dos Estados Unidos, Araújo se mostrou contra a presença de militares russos na Venezuela, apesar dos dois países manterem acordos de cooperação técnico-militar. A declaração, de que “se os militares russos estavam na Venezuela para manter Maduro no poder, deveriam deixar o país”, desagradou a Rússia que ameaça retaliar as exportações brasileiras. (Leia no Brasil 247).

O Ministério da Agricultura terá de enviar um de seus secretários, o de Defesa Agropecuária, a Moscou, para tentar desarmar uma crise aberta pelo chanceler Ernesto Araújo. A Agricultura recebeu há alguns dias a informação de que os russos preparam retaliações às exportações brasileiras devido à desastrada declaração de Araújo, informa o jornalista Guilerme Amado em sua coluna na revista Época.

Em 2017, o intercâmbio de negócios entre o Brasil e a Rússia foi de cerca de US$ 5,3 bilhões, segundo dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC). Em 2018, a Rússia estava entre os quinze principais parceiros comerciais do Brasil.

Esta não é a primeira vez que as declarações desastradas de Araújo e do próprio presidente Jair Bolsonaro colocam em risco as exportações brasileiras. O alinhamento automático aos interesses dos EUA, bem como a ideia de transferir a embaixada do Brasil em Israel de Tel Aviv para Jerusalém provocou a reação dos países árabes que avaliam retaliar as exportações brasileiras que somam cerca de US$ 14,2 bilhões. 247.

Uma nova doença tem surgido na Bahia, denominada de PÉ, MÃO, BOCA


Diariamente, só em um hospital da capital, cerca de 20 crianças são atendidas com sintomas da doença conhecida como pé-mão-boca. A cidade de Nazaré, no Recôncavo baiano, já registra um surto, com pelo menos 16 infectados.
Na maioria dos casos, quem pega a doença percebe o surgimento de pequenas vesículas (espécie de bolhas) com líquido pelo corpo, que estouram com o passar do tempo e deixam manchas. Os pacientes também costumam ter febre.
O que tem chamado a atenção da população é a quantidade de casos no estado. Em Salvador, segundo informou a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), um monitoramento é feito desde o início desta semana, quando os casos da doença se tornaram conhecidos. No entanto, não há o número exato de infectados, por se tratar de uma doença que não tem notificação compulsória.
Segundo informações da Sesab, a doença é causada pelo vírus Coxsackie. Geralmente, como outras infecções por vírus, ela regride espontaneamente após alguns dias. Não se trata de uma doença grave e quase todos os afetados se recuperam em um período de 7 a 10 dias, segundo o órgão.
Influência da chuva
Segundo a coordenadora médica do Serviço de Pediatria do Santa Izabel, Rita Mira, o período chuvoso pode aumentar o número de casos da doença.
A médica chama atenção para a conduta que deve ser tomada pelos pais caso os pequenos comecem a apresentar os primeiros sintomas. “Se a criança começar a apresentar febre ou as manchas pelo corpo, os pais devem evitar levar à escola, aos parques e outros locais públicos”, alerta.
A doença, segundo aponta a especialista, é “altamente contagiosa” e afeta principalmente crianças de seis meses a três anos, sendo muito rara em adultos.
Não há vacina contra o vírus do pé-mão-boca. A transmissão ocorre por via oral/fecal, através do contato direto com secreções (por tosse ou espirro) e com objetos como chupetas, brinquedos ou fezes de crianças infectadas. Ilheus 24 Horas.

 

Perícia indica propina de R$ 1,4 milhão da Odebrecht a Maia e ao pai


[Perícia indica propina de R$ 1,4 milhão da Odebrecht a Maia e ao pai]Foto : Adriano Machado/Reuters

Perícia feita nos sistemas internos da Odebrecht de registro de pagamento de propina mostraram pagamentos no valor de R$ 1,4 milhão a codinomes atribuídos ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e ao pai dele, o ex-prefeito do Rio e vereador César Maia (DEM).

De acordo com delatores, Rodrigo Maia era “Botafogo” e “Inca” nas planilhas. Já o pai, César Maia, era o “Despota”. As informações são do G1.

Os dados estão no pedido de prorrogação do inquérito por 60 dias, feito na quarta-feira (10) pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge. Os documentos estão sob análise do relator do caso, ministro Luiz Edson Fachin. Ainda não há prazo para o magistrado decidir sobre a prorrogação.

Conforme Dodge, a perícia apontou ordens de pagamentos no total de R$ 2,050 milhões a pai e filho. No entanto, os pagamentos efetivados seriam de valor menor: R$ 1,4 milhão. Fonte Metrô 1.

 

MOSTRANDO SER O HOMEM DAS ARMAS, BOLSONARO DÁ MAIS UM PASSO NA LIBERAÇÃO TOTAL DAS ARMAS


Durante a campanha o então candidato perguntava para uma criança de colo se ela sabia atirar; dizia com orgulho, que seus filhos atiraram com cinco anos de idade; numa viagem a Israel, postou uma foto com ele mirando com uma arma potente, o que deu muito o que falar. Agora, atendendo ao lobby da indústria de armamento, o presidente Jair Bolsonaro disse, em uma transmissão pela internet nesta quinta-feira (11), que na próxima semana irá anunciar um decreto para liberar o uso de armas por colecionadores, caçadores e atiradores, conhecido como CAC. Bolsonaro disse também que governo deverá apresentar um outro projeto relacionado “à segurança pessoal”, inspirado em um que tramita na Câmara e que prevê a revogação do Estatuto do Desarmamento.

Mesmo após ele ter assinado um decreto no início de janeiro flexibilizando o uso de armas de fogo por civis, o armamento utilizado pelo CAC necessita de autorização do Exército e não pode ser empregado a título de defesa pessoal. “Vai dar o que falar também. Está prontinho um decreto sobre os CAC, que é o colecionador, atirador e caçador. Ouvimos gente na ponta da linha, essas pessoas, ouvimos gente do Exército, Polícia Federal. Lógico que houve conflitos em alguns casos, mas democraticamente eu decidi por vocês. O decreto deve sair semana que vem”, disse Bolsonaro em sua live.

Bolsonaro disse, ainda, que irá convidar integrantes da bancada da segurança púbica, conhecida como bancada da bala, para participar do evento de assinatura do decreto e aproveitou para prometer “novas medidas” relacionadas à segurança pessoal. Dentre as medidas está um projeto, inspirado em uma proposta de 2012 apresentada pelo deputado federal Rogério Peninha Mendonça (MDB-SC), que revoga o Estatuto do Desarmamento, facilitando o acesso a armas de fogo e munições.

“Outros decretos sobre isso virão. E pretendemos apresentar rum projeto de lei, ouvindo o deputado Peninha, que tem o PL 3722. A gente quer simplificar o PL do Peninha, vamos ouvi-lo e, em sendo um projeto nosso [do governo] nós temos como pedir urgência constitucional e tramita mais rapidamente”, afirmou.

Aos poucos os brasileiros, até mesmo os que votaram no presidente, começam a cobrar a outro tipo de ação que é ligar o dispositivo que faça o país começar a se movimentar e esquecer a paixão por armas. Isso é o que se ouve das pessoas, dando sinais de reprovação à distribuição de armas, como era falado em campanha. Fonte desta matéria, Brasil 247.

 

Suspeito de vender arma do massacre de Suzano é vizinho de uma das vítimas


Por Natan Lira, G1 Mogi das Cruzes e Suzano


A maior parte dos estudantes feridos no massacre ainda não voltou a estudar na Raul Brasil — Foto: Reprodução/TV Diário

A maior parte dos estudantes feridos no massacre ainda não voltou a estudar na Raul Brasil — Foto: Reprodução/TV Diário

prisão, na última quarta-feira (10), de um dos suspeitos de vender a arma utilizada no massacre na Escola Estadual Professor Raul Brasil, que terminou com a morte de 10 pessoas em 13 de março, agravou o trauma de uma das vítimas. A estudante Jenifer da Silva Cavalcante, de 16 anos, é vizinha do mecânico de 47 anos apontado pela polícia como responsável pela comercialização da arma.

De acordo com a mãe da menina, Regiane de Jesus Cavalcante, a notícia da prisão aumentou o quadro depressivo da sobrevivente do massacre e fez com que a filha precisasse de atendimento médico. “Ela está ainda mais assustada. Não para de chorar e não dorme”, conta.

Segundo Regiane, a filha conhecia o mecânico de vista e ficou apavorada quando soube que o homem pode ter envolvimento no massacre.

“O médico passou novos remédios para a depressão. Não está sendo fácil. Minha filha tinha uma vida super agitada: trabalhava, estudava, fazia um curso de gestão empresarial lá na Penha. E, de repente, parou com tudo”, conta a mãe.

Sobrevivente se fingiu de morta

No dia do atentado à escola, Jenifer conseguiu sobreviver após se fingir de morta e se jogar em cima da poça de sangue de uma das vítimas. A adolescente, no entanto, terminou sendo pisoteada por outros alunos que fugiam. Além dos dez mortos, o massacre deixou dez pessoas feridas.

Jenifer foi socorrida ao Hospital Luzia de Pinho Melo, onde passou por cirurgia para a retirada do apêndice e foi diagnosticada com inchaço nos rins. Ela ficou internada por sete dias, mas foi liberada em seguida para continuar o tratamento com remédios em casa.

“Desde o ocorrido estou correndo com ela para hospital. Eu tive que sair também do meu trabalho, pois não posso deixar ela sozinha. Ela não consegue nem sair de casa sozinha”, diz a mãe.

Mecânico é um dos suspeitos de envolvimento no massacre da Raul Brasil — Foto: Polícia Civil/DivulgaçãoMecânico é um dos suspeitos de envolvimento no massacre da Raul Brasil — Foto: Polícia Civil/Divulgação

Mecânico é um dos suspeitos de envolvimento no massacre da Raul Brasil — Foto: Polícia Civil/Divulgação

Investigações

Os dois autores do ataque morreram no dia do massacre. Um deles matou o outro após a chegada da polícia e, em seguida, se matou.

Desde o início das investigações, quatro pessoas foram detidas. Um menor de idade, de 17 anos, acusado pela Polícia Civil e o Ministério Público como mentor intelectual do crime, está em uma unidade da Fundação Casa desde o dia 19 de março. O advogado de defesa dele, Marcelo Feller, afirma que o cliente “fantasiou”, mas não executou o crime.

O mecânico foi preso na noite desta quarta-feira na zona rural de Suzano. Para a Polícia Civil, ele participou da negociação da arma e da munição que, possivelmente, foram utilizados no massacre. Segundo informações iniciais da investigação, rastros deixados pelos dois assassinos em redes sociais, nos celulares e em suas casas permitiram que a polícia chegasse ao homem.

Na manhã desta quinta-feira (11), outros dois homens foram presos também sob suspeita de venderem arma e munição aos assassinos. Em entrevista coletiva, o delegado seccional de Mogi das Cruzes, Alexandre Barbosa Ortiz, disse que a negociação foi feita por meio de redes sociais.

Sarampo: doença que mata volta a assombrar o Brasil


O sarampo voltou ao Brasil. Após ter recebido da Organização Mundial da Saúde (OMS) o certificado de eliminação do sarampo, com zero casos até 2016, a doença altamente contagiosa está de volta. Retorno tem a ver com desmonte do sistema de vigilância epidemiológica

Sarampo doença que mata assombrar Brasil vacina governo bolsonaro

RBA

sarampo voltou ao Brasil. Após ter recebido da Organização Mundial da Saúde (OMS) o certificado de eliminação do sarampo, com zero casos até 2016, a doença altamente contagiosa está de volta.

Segundo Arthur Chioro, médico sanitarista, professor universitário e ex-ministro da Saúde no governo de Dilma Rousseff, o certificado obtido da OMS foi um esforço de quase 50 anos do programa nacional de vacinação do Brasil, que é um exemplo para o mundo devido à dimensão continental do país.

Um esforço que, para Chioro, começou a ser jogado fora no governo de Michel Temer, após o impeachment de Dilma Rousseff, e permanece com a incapacidade do governo de Jair Bolsonaro em retomar o controle da situação em seus três primeiros meses de gestão.

“O que é mais grave e nos deixa ainda mais preocupados, não apenas porque o sarampo é uma doença altamente contagiosa, mas o sarampo mata, particularmente as crianças desnutridas e menores de um ano”, afirma Arthur Chioro, em entrevista à jornalista Marilu Cabañas, na Rádio Brasil Atual.

O ex-ministro destaca que por trás da volta do sarampo está a ideia que passou a ser disseminada de que as pessoas não devem se vacinar, algo que ele define como uma irresponsabilidade, mas o retorno se dá principalmente pela “desmontagem” da resposta governamental.

“Não dá pra atribuir a volta do sarampo ao governo Bolsonaro, pois temos quase um ano de transmissões sustentadas, com 10 mil casos e não apenas os casos que vieram da Venezuela por Roraima. Depois tivemos uma disseminação muito rápida e descontrolada pelo estado do Amazonas, mas temos casos em vários outros estados, inclusive no sul e no sudeste, que não estão relacionados ao vírus que está circulando na Venezuela, é o vírus que está circulando na Europa, o que demonstra como se desarmou o sistema de vigilância epidemiológica.”

Para Chioro, o Ministério da Saúde deixou de coordenar a situação e informar sobre o tema, inclusive não mais usando as parcerias com as secretarias estaduais e municipais de educação pelo país afora para explicar à população os riscos da doença.

“Essa cultura da irresponsabilidade fez com que o Brasil perdesse o certificado”, afirma o ex-ministro da Saúde.