Oposição leva laranjas a Bolsonaro durante apresentação proposta de reforma da Previdência


[Oposição leva laranjas a Bolsonaro durante apresentação proposta de reforma da Previdência]

 

Trajando aventais cor de laranja e com laranjas em mãos, os deputados do PSOL Marcelo Freixo, Ivan Valente, Sâmia Bonfim e David Miranda chegaram à Câmara dos Deputados para apresentação da proposta de reforma da Previdência pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL).

“Ele [Bolsonaro] prometeu na campanha combater a corrupção e agora eles estão enrolados com a corrupção. Em nenhum momento da campanha  ele falou sobre a reforma da previdência. Tem gravações dele falando que 65 anos não passava. Bolsonaro mente!”, disse Valente, líder da sigla na Câmara, em coletiva à imprensa.

Reportagens da Folha de S. Paulo revelaram que o partido do presidente utilizou candidatas laranjas durante as eleições de 2018. O fato teria motivado a exoneração do ex-ministro Gustavo Bebianno, presidente da legenda à época. Fonte Metrô 1.

 

 

Error, no Ad ID set! Check your syntax!

Bebianno seguirá atirando enquanto Bolsonaro e o filho Carlos jogam a presidência no colo de Mourão


 

Babianno vai continuar atirando

/

No ponto de vista de Joaquim de Carvalho, do Diário do Centro do Mundo, é irônico que um governo eleito com base em mentiras a rodo por WhatsApp e boatos sobre mamadeiras de piroca esteja se esfacelando com falsidades reveladas em conversas pelo WhatsApp.

Os áudios de Bolsonaro e Bebianno, que este vazou para a Veja cumprindo sua promessa de cair atirando, mostram, sobretudo, que o país está nas mãos de uma gente inepta, mal intencionada, corrupta e desonesta.

Bebianno, o chefe do laranjal do PSL, aparece com um tratamento sabujo dedicado ao “capitão”, apanhando por trazer para dentro do governo um “inimigo” — o lobista Paulo Tonet, diretor da Globo.

De onde veio isso tem mais. Batata.

Numa coletiva patética na tarde de hoje, o porta voz militar afirmou que Bolsonaro não tinha nada a declarar sobre as gravações e que o imbroglio já tinha sido esclarecido.

Terminou uma coletiva caótica, em que tentou emplacar uma conversa mole sobre ajuda humanitária para a Venezuela, mandando um místico “Paz e Bem”. Faltou fazer o sinal do doutor Spock.

Carlos, o menino maluquinho, se manifestou no Twtter, para variar histérico, deixando claro que não larga o osso.
“Têm (sic) jornalista bobinho querendo criar a narrativa que sumir de Brasília”, escreveu.

“Estão a serviço de alguém ou vivem em outra galáxia achando que algum dia me separarei de meu pai!”

Ui!

Eis os Bolsonaros em sua louca cavalgada rumo ao abismo — abismo que cavaram com seus pés, diria o poeta.

A apoplexia lembra Aécio em seus momentos mais alucinados do golpe, correndo para o buraco e arrastando o Brasil na pochette.

Jogando parado, sem fazer um quinto do esforço conspiratório do velho Michel Temer, o general Mourão assiste a presidência cair no seu colo.

Carlos Bolsonaro dá seu recado no Twitter. Fonte DCM.

Jovem que morou 5 anos nas ruas se forma em Direito: superação


Walisson em 3 fases - Fotos: arquivo pessoal
Walisson em 3 fases – Fotos: arquivo pessoal

A história de força, determinação e superação de Walisson Pereira da Silva, de 32 anos, é digna de aplausos. O jovem, que morou nas ruas durante cinco anos, conseguiu se formar em Direito e agora quer ajudar os outros, como defensor público.

Walisson viveu durante 5 anos na rodoviária do Plano Piloto, em Brasília. Dormia na rua, pedia esmola, comia alimentos que tirava do lixo, estudava em bibliotecas públicas, mas nunca perdeu a esperança.

Há dois meses, ele se tornou bacharel em direito, depois de prestar o Enem e conseguir bolsa em uma faculdade particular de Brasília.

A cerimônia de formatura será no fim de março, com direito a festa totalmente paga pela empresa de eventos, que conheceu e se comoveu com a história do jovem.

Ajuda

Para se preparar para “o grande dia”, Walisson criou uma vaquinha online para arrecadar fundos para um tratamento dentário e, ainda, conseguir recursos para se manter, já que está desempregado.

“Me ajude a fazer um tratamento dentário”, pediu o jovem em entrevista ao SóNotíciaBoa.

Dos R$ 7.500 que precisa, ele conseguiu até o fechamento desta matéria R$ 1.425, menos de 20%.

“Estraguei meus dentes com essa vida nas ruas e, hoje, um grupo de amigos se juntou para pagar meu aluguel”, disse ao G1.

Com as despesas mensais entre alimentação, transporte e aluguel, Walisson paga cerca de R$ 750.

“Também preciso me manter para passar no Exame de Ordem [dos Advogados]. Quero ser, acima de tudo, um defensor público.”

História

Aos 18 anos, Walisson conta que foi obrigado pelo pai a abandonar os estudos, no nono ano do ensino fundamental.

Eles conta que sofria violências físicas, por isso fugiu de casa e foi viver nas ruas.

Durante esse período, em 2003, o jovem diz ter sido vítima de outros tipos de violência fora de casa e, a cada instante, pensava “se seria o próximo a morrer”, lembra.

“Vi várias pessoas morrendo na minha frente. A rodoviária é um lugar triste, e só sabe disso quem viveu”.

A virada

A vida começou a mudar quando o jovem foi ajudado por um homem que o encontrou em uma parada de ônibus, na 904 Sul.

Ao perceber a vontade dele em voltar a estudar, o rapaz ofereceu um comprovante de residência para que Walisson se matriculasse em uma escola pública e concluísse os estudos.

“Eu ia sujo para sala de aula, passava a noite toda acordado pedindo esmola, acordava com sol quente no rosto, era uma saga triste”, lembra.

Conhecimento é poder

“Me emociona lembrar o quanto eu queria sair das ruas. Eu sabia que os estudos eram a única forma de eu sair daquele lugar.”

“Conhecimento é poder, e quem tem conhecimento não aceita qualquer coisa na vida como opção”, afirma Walisson.

Em 2010, Walisson concluiu o ensino básico no Centro de Ensino 123, em Samambaia e focou no Exame Nacional do Ensino Médio, Enem.

Ele buscava refúgio em bibliotecas da capital. As horas dedicadas aos livros resultaram na aprovação em uma faculdade particular um depois, com 100% de financiamento no valor da mensalidade.

Com medo de ser discriminado, Walisson escondeu por um bom tempo a condição de morador em situação de rua.

“Eu tinha medo de descobrirem minha história, sentia vergonha, e dizia que estava sujo porque vinha do trabalho”, lembra.

Casa nova

No segundo ano do curso de direito, em 2016, Walisson conseguiu um estágio e, com o salário, conseguiu pagar um aluguel em Samambaia. Dos R$ 800 da bolsa, R$ 700 ficavam comprometidos todos os meses com as despesas da casa.

Walisson concluiu o curso e, em dezembro do ano passado, se tornou bacharel em direito.

Formado, mas ainda desempregado, ele sonha em conseguir um emprego para se manter.

Para ele, o próximo passo, agora, é se tornar um advogado e, futuramente, atuar na Defensoria Pública.

Walisson escolheu o direito na tentativa de ajudar outras pessoas que, assim como ele, “tiveram o acesso negado à educação, à justiça e a todos os direitos básicos”, diz.

“Escolhi o direito porque vi tantas injustiças acontecerem no coração da capital do país, tantos direitos sendo violados, e quis ajudar as pessoas a mudarem de vida”, concluiu.

Com informações do G1

 

 

 

Piloto morre em colisão entre aviões de equipe de acrobacias na Índia


Por Agência EFE

Soldados isolam área ao redor dos destroços de duas aeronaves do Time de Exibição Aerobática Surya Kiran, da Força Aérea da Índia, que colidiram no ar e caíram durante ensaio na Estação da Força Aérea de Yelahanka, em Bengaluru. Dos 3 pilotos a bordo dos aviões, 1 morreu e 2 conseguiram ejetar-se em segurança. Eles faziam um treinamento preparando-se para o evento Aero India — Foto: Reuters/Stringer

Soldados isolam área ao redor dos destroços de duas aeronaves do Time de Exibição Aerobática Surya Kiran, da Força Aérea da Índia, que colidiram no ar e caíram durante ensaio na Estação da Força Aérea de Yelahanka, em Bengaluru. Dos 3 pilotos a bordo dos aviões, 1 morreu e 2 conseguiram ejetar-se em segurança. Eles faziam um treinamento preparando-se para o evento Aero India — Foto: Reuters/Stringer

Um piloto militar indiano morreu nesta terça-feira (19) e outros dois ficaram feridos após seu avião de acrobacias se chocar com outra aeronave durante exercícios na cidade de Bangalore, no estado de Karnataka, no sul da Índia.

“Um piloto da Força Aérea Indiana infelizmente perdeu a vida. Outros dois feridos foram transferidos ao hospital, mas estão fora de perigo. Nenhum civil ficou ferido”, afirmou no Twitter M.N. Reddi, diretor-geral da polícia do estado.

O Ministério da Defesa da Índia informou que os dois aviões de treino tipo Hawk pertencentes a uma equipe de exibição se envolveram no acidente por volta das 11h50 no horário local ( 3h20 em Brasília) perto de um aeroporto militar, no norte de Bangalore.

Vídeos do acidente mostraram os aviões voando um sobre o outro momentos antes de um deles perder o controle. Após a colisão, as imagens mostram nuvens de fumaça preta no local do impacto.

O acidente aconteceu durante um treinamento prévio à inauguração da feira aeroespacial Aero Índia, onde a Força Aérea Indiana faria na quarta-feira (20) demonstrações acrobáticas.

Jean Wyllys revela onde está vivendo e diz ter recebido oferta de asilo político


Por causa de ameaças que vinha recebendo, o então deputado anunciou em janeiro deste ano que desistia do seu terceiro mandato consecutivo na Câmara dos Deputados e deixaria o Brasil. Desde então, a sua primeira aparição pública foi durante sessão do filme brasileiro Marighella no Festival de Cinema de Berlim, na sexta-feira (15).

Segundo o ‘UOL’, na entrevista desta segunda, o ex-deputado disse ter recebido oferta de asilo político do governo francês, mas não pretende aceitar. “O asilo político é um instituto que demora um tempo. Há outras pessoas que precisam de asilo político. Para mim, permanecer aqui com um visto de estudante ou pesquisador é muito melhor do que um asilo político”, explicou.

O político ainda lamentou a forma como Bolsonaro vem conduzindo o governo.

Um presidente deve cuidar da população de seu país. Depois de eleito, ele é responsável pela população. Mas esse sujeito ainda não age como presidente da República. Ele continua agindo como se ainda estivesse em campanha. Tratando as 40 milhões de pessoas que não lhe deram votos, que votaram nos outros candidatos, como inimigos.”

 

Com risco “iminente” de rompimento, barragem pode inundar cidade no Nordeste


Foto/Reproducao
Publicidade

Do UOL – A barragem de um açude com 54,6 milhões de m³ de água corre “risco iminente” de romper, colocando em perigo a vida dos 62 mil habitantes da cidade de Piripiri (a 160 km de Teresina), no Piauí. Um relatório técnico resultou em uma Ação Civil Pública, mas o governador do estado, Wellington Dias (PT), falou do perigo como um boato, ou “fake news”, conforme noticiou a imprensa local.

A ação da Promotoria de Justiça de Piripiri se baseou em um relatório de inspeção do Dnocs (Departamento Nacional de Obras contra a Seca), que no dia 10 de dezembro do ano passado foi notificado sobre a existência de “uma grande cavidade” no açude, construído entre 1936 e 1945 para irrigar a região em períodos de seca.

Chegando ao local, os engenheiros encontraram outras crateras. “Importante registrar e informar a existência de outras erosões existentes ao longo do talude de jusante”, diz o relatório, que conclui: “Pela gravidade da situação, com risco iminente de rompimento da barragem, imediatamente recuperamos emergencialmente a cavidade”.

De acordo com o engenheiro Francisco Ribeiro Soares, que assina o documento, a erosão começou depois do asfaltamento da rodovia estadual PI 327, que cruza todo o açude. Construída sem espaço para drenar a água da chuva, a obra provocou a “anomalia” na barragem, “ocasionada pela pressão da água nos momentos de temporais”.

O Dnocs concluiu seu relatório pedindo ao DER (Departamento de Estradas de Rodagem) que corrigisse a obra “antes que algo de mais grave aconteça, qual seja até o rompimento da barragem, evitando dessa forma tragédias com ceifamentos de vidas humanas”.

 

 

É hoje! Superlua maior e mais brilhante vai iluminar o céu


Superlua e lua comum - NASA / Goddard / Lunar Reconnaissance Orbiter
Superlua e lua comum – NASA / Goddard / Lunar Reconnaissance Orbiter

A superlua vai iluminar o céu nesta terça-feira, 19. Tomara que faça tempo bom onde você está!

Ela poderá ser vista 14% maior e 30% mais brilhante do que o normal, a partir do início da noite.

A Lua estará no seu “perigeu”, a 356 mil quilômetros da Terra, ou seja, 27,4 mil quilômetros mais próxima do centro do planeta.

E para nossa sorte, será lua cheia, o que caracteriza o fenômeno chamado “superlua”.

Será a maior superlua de 2019.

Em 21 de janeiro, ocorreu também uma superlua coincidindo com um eclipse lunar total, o que é mais raro.

Mas, desta vez, a superlua está maior ainda e, calcula-se, somente em 2026 o satélite possa ser visto tão grande no céu quanto amanhã.

A órbita da lua não é um círculo perfeito, devido às forças gravitacionais do Sol e da Terra, e por isso sua distância com a Terra varia ao longo do ano.

Com informações da RevistaPlaneta

 

Beto Barbosa revela estar ‘100% curado’ de câncer


‘Não vejo a hora de voltar para casa’, afirmou o cantor

O cantor Beto Barbosa usou seu Instagram para contar que está “100% curado” de um câncer na próstata e na bexiga na noite do último domingo, 17.

Beto Barbosa
Beto Barbosa

Foto: Instagram / @betobarbosa / Estadão Conteúdo

Mais cedo, ele havia contado novidades sobre seu estado de saúde: “Hoje comecei a andar sem tantos aparelhos ligados. Tomei banho sozinho e comecei a sentir o ar da independência hospitalar. Não vejo a hora de voltar para casa.”

“Acredito que até terça-feira [19] já estarei em casa e, no dia do meu aniversário, 27, quero estar caminhando na esteira e malhando com a orientação da equipe médica. Deus me curou e me salvou através dos médicos”, continuou o cantor, que agradeceu as orações dos fãs.

Confira as publicações feitas por Beto Barbosa abaixo:

O Brasil anda tenso e o ódio continua respingando. Por Walter Salles


 

Por Walter Salles: O Brasil tem estado muito tenso diante de tantas conversas e de tantas divisões. Não estou aqui escrevendo para o Café com Leite digital e impresso, para ajudar na questão da rivalidade política em que foi implantada nos corações e nas mentes de muitos brasileiros. As minhas matérias são sempre pra informar fatos, acontecimentos que determinadas mídias não informam. Mas o que quero focar aqui e agora, é que as eleições passaram, Bolsonaro ganhou e que o Brasil inteiro tem que acompanhar os trabalhos que se iniciaram no dia 02 de Janeiro, como um único pensamento, que é de acontecer uma administração boa, para que esse povo brasileiro, sobretudo a classe mais carente, não venha a sofrer mais ainda que já sofre.

Quero dizer que participando de grupos de redes sociais, é preciso que os comentários sejam analisados, não pra fazer críticas, mas sim para que haja uma discussão saudável. Essa rivalidade deixa parecer quase como uma certeza, de que realmente foi distribuído o ódio e que as pessoas ficam guerreando de um lado e de outro do “muro”, como se houvesse só duas posições em que o brasileiro se encaixa: Ou ele é direita ou ele é comunista. Não é nada disso: A democracia e respeito tem que morar dentro de cada um de nós. E se de repente esse “muro” se arrebenta e o povo começa a sair na mão, risos. Rindo aqui sozinho de imaginar a cena. O eleitor, ou melhor, o brasileiro que participou das eleições presidenciais, estão no mesmo barco, não importando em quem votou. Quem votou no candidato vitorioso, mas que por ventura começar a encontrar falhas, medidas que ele ache que não deveria acontecer, que se manifeste e diga que não achou uma coisa boa tal atitude. A mesma coisa é quem votou no candidato que perdeu as eleições. Perdeu tá perdido! A hora agora é de junto com os eleitores que votaram no vitorioso, analisar os trabalhos, as atitudes, enfim o comportamento do novo governo nesses primeiros dois meses e continuar, pra ter uma base de como vai seguir. Se merecer aplausos, que todos aplaudem , se merecer críticas que todos critiquem. .

Quero acreditar que essa onda de rivalidade será passageira e assim os brasileiros, principalmente os que não fazem parte da famosa elite dominante, possa avaliar os acontecimentos com bastante calma e inteligência. É muito comum numa campanha política ter rivalidades, porém saudáveis, mas que depois dos resultados nas urnas, a tendência seja de acabar. Infelizmente, dessa vez está demorando. Vamos lançar aqui o abraço simbólico para todos os brasileiros que o que mais querem é ver um Brasil melhor para todos e esquecer as ondas negativas, até porque, todos estão no mesmo barco. Vamos também pedir força e chuva a Deus, para podermos plantar e colher. Um abraço a todos.

FHC vendeu estatais por US$ 93 bilhões, e dívida pública brasileira dobrou


FHC

Publicado originalmente no Monitor Mercantil

Fonte desta matéria, Diário do Centro do Mundo: Ao dizer que vai privatizar empresas para reduzir a dívida, Paulo Guedes repete a desculpa utilizada pela equipe econômica do Governo FHC. Qual foi o resultado? Quem disse que foi um sucesso ganha um curso online de Rodrigo Constantino ou Olavo de Carvalho.

A dívida líquida brasileira em 1994 montava a R$ 153,2 bilhões, equivalente a 29,2% de tudo o que o país produzia (PIB). As receitas com privatização entre 1995 e 2002 somaram US$ 93,4 bilhões, sendo US$ 14,8 bilhões equivalentes a dívidas transferidas aos compradores e US$ 78,6 bilhões em pagamento (destes, 5% em moedas podres).

Parêntese: moedas podres eram títulos da União de pouco ou nenhum valor, como debêntures da Siderbrás, títulos da dívida agrária e letras hipotecárias da Caixa Econômica Federal. Apesar de quase nada valerem, foram aceitas pelo valor de face. Fecha parêntese.

A participação do capital estrangeiro foi bastante significativa no período 1995–2002, atingindo 53% do total arrecadado com todas as desestatizações realizadas no Brasil. As empresas nacionais responderam por 26% da receita, cabendo 7% às entidades do setor financeiro nacional, 8% às pessoas físicas e 6% às entidades de previdência privada.

A maior parte das privatizações (US$ 71,7 bilhões) ocorreram em 96, 97 e 98, quando o dólar médio estava na casa de R$ 1,10. Assim, em valores da época, o Governo FHC arrecadou coisa de uns R$ 100 bilhões, praticamente o valor da dívida apenas da União, excluindo estados e municípios.

Corta para 2002, ao final do governo tucano. Patrimônio estatal torrado, a dívida brasileira, turbinada por juros que alcançaram até 85,74% (em 1995), equivalia a 59,6% do PIB, ou R$ 850 bilhões. Duas vezes mais, em relação ao que o país produz, do que antes das privatizações.

Opaco

As associações de Jornais (ANJ), de Revistas (Aner) e de Rádio e Televisão (Abert) divulgaram nota conjunta preocupadas com a mudança feita pelo Governo Bolsonaro na Lei de Acesso à Informação. “Ao ampliar o número de pessoas que podem decidir sobre o sigilo de documentos públicos, o governo colocou em risco a transparência de seus atos e abriu a possibilidade de restringir o direito constitucional da sociedade e dos cidadãos de acesso a informações de seu interesse.” As entidades finalizam a nota manifestando esperança de que o ato seja revisto.

Ameaça

Espera-se das entidades ligadas à imprensa – especialmente ANJ e ABI – uma manifestação pública sobre a renúncia do deputado – e jornalista – Jean Wyllys a seu novo mandato. O parlamentar abandonou o país devido a sucessivas ameaças, intensificadas após a vitória de Jair Bolsonaro.

Na mira do leão

A Receita pode tornar inaptos 3,4 milhões de CNPJs, por falta de entrega de escriturações e declarações nos últimos cinco anos. A decisão poderá ser tomada até maio. “Cabe alertar que um CNPJ considerado inapto pode trazer problemas não só para a empresa, mas para seus sócios, que passam a ser responsabilizados pelos débitos da empresa e ter seus nomes vetados em novas inscrições no CNPJ”, informa Maurício Balassiano, diretor de Certificação Digital da Serasa Experian.

Berço

Os defensores da redução da maioridade penal no Brasil para 16 anos devem olhar com muita atenção as Filipinas. Lá, a idade mínima é de 15 anos, e o presidente Rodrigo Duterte quer reduzir para 9. Em um ano, 1,3 mil menores de 15 anos foram presos lá.

Paraíso

Uma amiga da coluna comprou dois produtos na Amazon do Reino Unido. A cobrança no cartão de crédito veio pela filial da gigante do comércio eletrônico em Luxemburgo. A Amazon pertence a Jeff Bezos, o homem mais rico do mundo.

Prêmio duplo

A cada acordo de delação, o ex-ministro Antonio Palocci fica mais solto. No acerto com a PF, Palocci terá apenas que prestar serviços comunitários. É um acordo duplamente premiado: ganham o ex-ministro e os atores da Lava Jato que querem manter Lula na prisão pelo resto da vida. Vamos deixar a vida correr…

Bebianno e Bolsonaro negociam saída para crise política


[Bebianno e Bolsonaro negociam saída para crise política]

 

Uma saída para a crise política gerada pela demissão do ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gustavo Bebianno, foi articulada entre o próprio Bebianno e o presidente Jair Bolsonaro. As informações são da coluna do Lauro Jardim, no jornal O Globo.

Ainda hoje (18), o mandatário vai fazer declarações públicas elogiosas ao ministro que está saindo do governo. Na última quarta-feira (13), Bolsonaro chamou Bebianno de mentiroso. Por sua vez, Bebianno também vai acalmar o imbróglio e se manifestar sobre o presidente em tom elogioso.

Na última sexta (15), o jornal Estado de S. Paulo informou que Bolsonaro já havia assinado a exoneração do ministro. Ainda segundo a publicação, o mandatário avalia escolher um general para o lugar de Bebianno. Metrô 1.

 

Jean Wyllys diz que recusou asilo político na França e quer ficar na Alemanha como pesquisador


 


Segundo a matéria no Blog do Esmael, em entrevista coletiva em Berlim, nesta segunda-feira (18), o ex-deputado federal do Psol e ativista LGBTI, Jean Wyllys, revelou que está morando na capital alemã, onde pretende procurar uma bolsa para doutorado. Ele disse que está vivendo com ajuda de amigos e não tem onde morar.

No mês passado, Wyllys anunciou que, por causa de ameaças de morte contra ele e sua família, desistia de assumir o que seria seu terceiro mandato consecutivo na Câmara dos Deputados e estava deixando o Brasil. O ex-deputado apareceu pela primeira vez em público depois que deixou o país, ao comparecer à sessão do filme brasileiro Marighella no Festival de Cinema de Berlim, na sexta-feira (15).

Na entrevista de hoje, Wyllys fez duras críticas à política de segurança do atual governo, taxando-a como uma tentativa de legalizar assassinatos cometidos contra minorias e um primeiro passo para uma futura repressão à oposição.

“Minha vida ainda está se assentando. Estou em Berlim, não tenho moradia, conto com ajuda de amigos. Ainda não tenho um novo trabalho. Provavelmente vou me inscrever em um programa de doutorado, para fazer doutorado. Existem conversas com instituições que podem me receber como pesquisador, como professor visitante. Existem conversas com diferentes instituições mas ainda não há nada acertado”, declarou.

Ele afirmou que teve oferta de asilo político pelo governo francês, mas que não pretende aceitar. “O asilo político é um instituto que demora um tempo. Há outras pessoas que precisam de asilo político. Para mim, permanecer aqui com um visto de estudante ou pesquisador é muito melhor do que um asilo político.

Vídeo! Mesmo com cavalos, policiais recuam em confronto com torcedores no Maracanã


A galera do Rio tava disposta a enfrentar a polícia. A Pancadaria aconteceu no último domingo antes da final da Taça Guanabara

Confronto

Um vídeo impressionante da pancadaria durante a final da Taça Guanabara mostra alguns policiais recuando, mesmo com o auxílio de cavalos, após o avanço de torcedores do Vasco em maior número nos arredores do Maracanã. O vídeo foi gravado dentro de um carro por torcedores.

A pancadaria aconteceu após a decisão de que a final do torneio seria sem torcedores. A decisão da Justiça acabou sendo revertida durante o meio do primeiro e o confronto acabou recebendo um público de mais de 29 mil pessoas.

Dentro de campo, o Vasco levou a melhor e derrotou o Fluminense por 1 a 0 se sagrando campeão da Taça Guanabara.

Nova era: Bolsonaro ofereceu embaixada de Roma a Bebianno


 

Do Globo:

Em uma última tentativa de manter o ministro Gustavo Bebianno, da Secretaria-Geral da Presidência, no governo, o presidente Jair Bolsonaro ofereceu a ele o comando da embaixada de Roma , na Itália. A proposta, segundo interlocutores do Planalto, foi levada a Bebianno no sábado pelo ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, após um encontro que teve com o presidente no Palácio da Alvorada. O convite foi recusado pelo ministro.

Na noite  anterior, conforme o GLOBO antecipou, Bolsonaro propôs que Bebianno ocupasse uma diretoria da Hidrelétrica de Itaipu. O ministro declinou do convite. Em entrevista no sábado, Bebianno confirmou que recebeu a proposta para Itaipu e disse que não aceitou porque não apoiou Bolsonaro “para ganhar dinheiro” e “nem precisa de emprego”.

Na noite de sexta-feira, após uma conversa tensa entre o presidente e o ministro, começou a circular a informação que Bolsonaro já teria assinado a exoneração de Bebianno. A saída do ministro não foi confirmada no Diário Oficial da União (DOU)  publicado nesta segunda-feira. O governo ainda pode publicar edição extra do DOU.

Bebianno enfrenta um processo de desgaste intensificada por denúncias envolvendo justamente supostas irregularidades na sua gestão à frente do caixa eleitoral do PSL, partido dele e de Bolsonaro. A crise foi amplificada pelo vereador Carlos Bolsonaro, filho do presidente, que foi às redes sociais dizer que Bebianno mentiu ao falar ao GLOBO que havia conversado três vezes com o presidente na última terça-feira. (…) Fonte DCM.

 

Saída de Bebianno pode pavimentar queda do governo ​ ​ ​ Share ​ Publicado em 18 fevereiro, 2019 4:05 pm


Do Jornal GGN:

 

Se as revelações divulgadas pela imprensa na última semana sobre um esquema de candidaturas “laranjas” nas eleições do ano passado envolvendo o PSL se confirmarem, o Congresso poderá instaurar um processo de cassação da chapa Bolsonaro/Mourão.

A análise é do colunista da Folha de S.Paulo, Celso Rocha de Barros. O escândalo, revelado pelo mesmo jornal, aponta que o então presidente do PSL e hoje ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, liberou o repasse de recursos públicos do fundo partidário para duas candidaturas com características de serem laranjas, ou seja, quando a pessoa não tem intenção de concorrer de fato, mas participa do processo com o objetivo de desviar recursos do fundo eleitoral. 

Possivelmente preocupado com a imagem, o presidente Bolsonaro decidiu pela exoneração de Bebianno. O ato ainda não foi publicado no Diário Oficial da União, mas deve acontecer oficialmente nesta segunda (18) ou durante a semana.

O colunista Rocha de Barros avalia a crise como fruto de dois movimentos que disputam as forças no Planalto: o bolsonarismo das redes, ou a turma de Olavo de Carvalho, incluindo os filhos do presidente; contra a turma dos que apoiam Bebianno e defendem o funcionamento de um governo normal, “no bom e mau sentido”, pelas vias institucionais já conhecidas. Deste lado estariam Rodrigo Maia, recém-eleito presidente da Câmara, o vice-presidente Hamilton Mourão, militares e a turma que aprova a reforma da Previdência.