(77) 99152-6666

Atletas da base do Flamengo morrem em incêndio no CT Ninho do Urubu


Por G1 Rio e TV Globo

 


Parte das instalações do CT do Flamengo devastadas pelas chamas — Foto: Arquivo pessoalParte das instalações do CT do Flamengo devastadas pelas chamas — Foto: Arquivo pessoal

Parte das instalações do CT do Flamengo devastadas pelas chamas — Foto: Arquivo pessoal

Do G1

Boletim: dez pessoas morrem em incêndio no Centro de Treinamento do Flamengo no RJ

Dez pessoas morreram em um incêndio no Centro de Treinamento do Flamengo no início da manhã desta sexta-feira (8). Seis vítimas foram identificadas até as 13h: eram atletas da base do time. O fogo destruiu parte dos alojamentos do Ninho do Urubu, em Vargem Grande, Zona Oeste do Rio.

“Estamos todos consternados. É a maior tragédia pela qual o clube já passou em 123 anos de história”, afirmou Rodolfo Landim, presidente do Flamengo.

As chamas atingiram as instalações onde dormiam jogadores entre 14 e 17 anos que não residiam no Rio. A suspeita é que um curto-circuito em um ar-condicionado foi a causa do incêndio. Eram seis contêineres interligados que serviam de dormitórios.

A Prefeitura do Rio afirmou que o dormitório não tem licença municipal. “A área de alojamento atingida pelo incêndio não consta do último projeto aprovado pela área de licenciamento, no dia 5 de abril de 2018, como edificada”, diz em nota.

O Fla-Flu e o jogo Vasco x Resende, válidos pela semifinal da Taça Guanabara neste fim de semana (9 e 10), foram adiados. O governador Wilson Witzel e o prefeito Marcelo Crivella decretaram luto oficial de três dias.

Às 9h50, a polícia chegou ao Ninho do Urubu para fazer a perícia. Um inquérito foi instaurado na 42ª DP (Recreio dos Bandeirantes) para apurar as causas do desastre. Por volta das 11h, os primeiro corpos começaram a ser retirados e levados para o Instituto Médico-Legal.

Entre as mortes confirmadas estão:

  • Christian EsmérioGoleiro das categorias de base do Flamengo. Em abril, ele postou uma foto nas redes sociais de uma conquista com o clube;
  • Arthur Vinicius: morava com a família em Volta Redonda e completaria 15 anos no sábado (9). A família foi avisada e está a caminho do Rio, segundo informações da TV Rio Sul. Ele faria 15 anos neste sábado (9);
  • Pablo Henrique da Silva Matos: jogador do sub-17 do Flamengo, nasceu em Minas Gerais. É primo do zagueiro Werley, do Vasco, que já foi foi informado da tragédia;
  • Bernardo Pisettatinha 14 anos e estreou no Flamengo em agosto de 2018. Veio de Indaial (SC);
  • Vitor Isaíastinha 15 anos e veio de Indaial, no Vale do Itajaí catarinense. Estava no Fla desde agosto de 2018;
  • Athila Paixão: tinha 17 anos, era sergipano, natural de Lagarto e integrava o time de base do Flamengo desde março de 2018.

Athila Paixão, Christian Esmério, Artur Vinícius, Pablo Henrique, Bernardo Pisetta e Vitor Isaías: mortos no incêndio no CT do Flamengo — Foto: Reprodução/TV GloboAthila Paixão, Christian Esmério, Artur Vinícius, Pablo Henrique, Bernardo Pisetta e Vitor Isaías: mortos no incêndio no CT do Flamengo — Foto: Reprodução/TV Globo

Athila Paixão, Christian Esmério, Artur Vinícius, Pablo Henrique, Bernardo Pisetta e Vitor Isaías: mortos no incêndio no CT do Flamengo — Foto: Reprodução/TV Globo

Error, no Ad ID set! Check your syntax!

Como uma bolsa do Prouni e outra do Ciência sem Fronteiras ajudaram gaúcha a virar designer em Dubai


Por Ana Carolina Moreno, G1

A bolsista do Prouni e do Ciência sem Fronteiras que virou designer de moda em Dubai

A bolsista do Prouni e do Ciência sem Fronteiras que virou designer de moda em Dubai

A brasileira Jéssica Duarte, de 28 anos, mora sozinha em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, tem amigos de inúmeros países e trabalha como designer de moda de uma empresa com mais de 300 lojas só na Arábia Saudita. Mas, há menos de dez anos, ela era apenas a filha mais nova de uma ex-faxineira, que desistiu de uma vaga no curso de design de moda para se manter num cargo concursado porque não acreditava que pessoas de baixa renda podiam enveredar pelo ramo da moda.

(Jéssica Duarte é a quinta entrevistada na série “Trabalhar no exterior”, do Guia de Carreiras do G1, que mostra a trajetória e as dicas de quem fez a graduação no Brasil e hoje seguem carreira de sucesso no exterior. Veja outras histórias ao fim da reportagem.)

Jéssica Duarte no Santuário Mãe de Deus, em Porto Alegre — Foto: Arquivo pessoal/Jéssica DuarteJéssica Duarte no Santuário Mãe de Deus, em Porto Alegre — Foto: Arquivo pessoal/Jéssica Duarte

Jéssica Duarte no Santuário Mãe de Deus, em Porto Alegre — Foto: Arquivo pessoal/Jéssica Duarte

Nesse meio tempo, a jovem contou com o esforço pessoal, o incentivo da família e a coragem para aproveitar oportunidades, inclusive um remanejamento de última hora no programa Ciência sem Fronteiras que a levou a Itália e uma oferta de emprego pela internet que, segundo ela, tinha toda a cara de golpe.

“O que ela me falou é que moda não é uma coisa pra pessoas de classe média baixa. E realmente, se a gente for analisar as faculdades de moda no Brasil, o índice de pessoas de baixa renda é ínfimo, acho que nem tem gente de baixa renda fazendo moda”, afirmou Jessica Duarte ao G1, em uma entrevista por telefone.

Como a faculdade era no período vespertino, apostar naquela graduação significaria desistir da estabilidade do cargo assistente administrativa em uma secretaria do governo do Rio Grande do Sul.

“Era um concurso de nível médio, mas era um concurso confortável, era um salário que eu, com 18 anos, no mercado de trabalho com ensino médio, não ia ter nunca”, conta ela. “Eu fui construindo o meu currículo pra tentar sair de lá, porque senão acabaria ali pra sempre.”

A decisão, então, foi manter o trabalho e estudar no tempo livre para tentar o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) no ano seguinte.

O resultado, porém, não deu certo. “A minha nota foi muito baixa, então não me inscrevi em nenhuma faculdade porque eu não tinha pontuação suficiente”, disse.

Jéssica posa para uma selfie com um par de calças que ela mesma pintou, em Dubai — Foto: Arquivo pessoal/Jéssica DuarteJéssica posa para uma selfie com um par de calças que ela mesma pintou, em Dubai — Foto: Arquivo pessoal/Jéssica Duarte

Jéssica posa para uma selfie com um par de calças que ela mesma pintou, em Dubai — Foto: Arquivo pessoal/Jéssica Duarte

Bolsa do Prouni

Jéssica não desistiu após o fracasso do plano e tentou um ano mais. Ela diz que a insistência teve duas origens: o exemplo da mãe e sua própria ambição.

“A minha mãe, quando eu era adolescente, era faxineira de escola. Ela decidiu entrar na faculdade, quando eu tinha uns 10 anos ela se formou em pedagogia. Então hoje em dia ela é professora”, disse a jovem.

Ela afirma não ter um relacionamento próximo com o pai – os pais se divorciaram quando ela tinha 13 anos.

Já a faculdade ela sempre quis cursar e, mesmo desistindo de seguir a carreira como designer de moda, voltou a fazer o Enem. Enquanto trabalhava na secretaria e se preparava para o exame, Jéssica fez um curso técnico em publicidade e decidiu seguir na área criativa, mesmo que não fosse em moda.

Em 2011, na terceira tentativa de vestibular, ingressou na graduação de tecnólogo em design de produtos na Universidade La Salle, em Canoas, no Rio Grande do Sul. Novamente ele conseguiu a bolsa do Prouni, condição necessária para que pudesse estudar.

Jéssica durante visita à cidade de Florença, na Itália, quando morou em Bolonha como intercambista do Ciência sem Fronteiras — Foto: Arquivo pessoal/Jéssica DuarteJéssica durante visita à cidade de Florença, na Itália, quando morou em Bolonha como intercambista do Ciência sem Fronteiras — Foto: Arquivo pessoal/Jéssica Duarte

Jéssica durante visita à cidade de Florença, na Itália, quando morou em Bolonha como intercambista do Ciência sem Fronteiras — Foto: Arquivo pessoal/Jéssica Duarte

Bolsa do Ciência sem Fronteiras

Durante a graduação, ela decidiu por fim deixar o emprego de concursada ao conseguir um estágio em uma agência de publicidade, que durou pouco.

“Eu via que [a agência] não era nada a ver com meu perfil. Depois eu entrei no marketing de uma marca de moda de Porto Alegre. Aí pensei: ‘Bom, posso trabalhar com moda mesmo que seja em marketing'”, contou a jovem.

Nesse meio tempo, veio a chance de participar de um dos últimos editais oferecidos pelo programa Ciência sem Fronteiras (CSF), do governo federal, que dava bolsas de intercâmbio em graduação-sanduíche.

Seguindo os passos do irmão, que estudou engenharia da computação e foi bolsista do CSF em Portugal, Jéssica se inscreveu também para o país lusófono, já que não tinha proficiência em nenhuma língua estrangeira.

Por causa do grande número de candidatos interessados em universidades portuguesas, o governo federal teve que limitar as aprovações, mas ofereceu a alguns estudantes a opção de ir para outros países. A gaúcha foi uma delas.

“Não tem como não escolher a Itália. Eu sou muito apegada a essas coisas históricas e referências. Pensei: ‘Vou pra Itália, sem dúvida’. Na hora respondi o e-mail dizendo que ia pra Itália”, diz ela.

Jéssica ainda aproveitou a oportunidade que o governo federal deu aos bolsistas de cursos de tecnólogos, já que eles poderiam se inscrever em qualquer curso no país de intercâmbio. Conversando com seu coordenador na La Salle, ela acabou conseguindo validar os créditos e cursar dois semestres de design de moda na Universidade de Bolonha. Ao mesmo tempo, ela fez o curso de italiano e conseguiu a proficiência. Também em Bolonha conheceu um italiano, que voltou ao Brasil para morar com ela. Os dois se casaram e passaram quatro anos juntos.

Incêndio deixa 10 mortos no Centro de Treinamento do Flamengo


As chamas já foram controladas e os bombeiros atuam apenas no rescaldo. As causas do acidente ainda são desconhecidas

[Incêndio deixa 10 mortos no Centro de Treinamento do Flamengo]
Foto : Reprodução/TV Globo

Por Clara Rellstab

Um incêndio deixou 10 mortos e três pessoas feridas no Centro de Treinamento do Flamengo, em Vargem Grande, Zona Oeste do Rio de Janeiro, na madrugada de hoje (8)

De acordo com o G1, entre os feridos há uma pessoa em estado grave. Imagens feitas pelo Globocop mostram uma área do CT do clube completamente destruída pelas chamas.

As chamas já foram controladas e os bombeiros atuam apenas no rescaldo. As causas do acidente ainda são desconhecidas.

Papa admite escândalo das “freiras escravas sexuais”


A admissão pública do papa Francisco de que sacerdotes e bispos usaram freiras como “escravas sexuais” marca um novo capítulo da crise pelos abusos sexuais que atinge a Igreja Católica

Papa admite escândalo das
Papa Francisco cumprimenta as freiras ao final de audiência geral no Vaticano, em agosto de 2018 (Imagem: Massimiliano Migliorato | The Tablet)

É a primeira vez que o papa e a Igreja como instituição admitem publicamente que esses abusos foram cometidos. Isso é sumariamente importante”, reconheceu, satisfeita, à AFP a diretora do suplemento feminino do jornal “L’Osservatore Romano”, Lucetta Scaraffia.

A historiadora e jornalista italiana dedicou a edição de fevereiro do suplemento aos casos de abusos sexuais a religiosas, gerando um novo escândalo dentro da instituição.

A denúncia foi confirmada pelo pontífice argentino, que admitiu que padres e bispos abusaram sexualmente de freiras por décadas.

A admissão do papa surpreendeu os jornalistas que participavam da tradicional coletiva de imprensa concedida por Francisco no voo de retorno à Itália dos Emirados Árabes Unidos.

Houve padres e bispos que fizeram isso”, indicou o papa, que nunca havia abordado esse tema publicamente. A Igreja “suspendeu vários clérigos” e o Vaticano esteve “trabalhando (nesta questão) durante muito tempo”, confessou.

O escândalo se soma à onda de denúncias contra sacerdotes pedófilos em muitos países, do Chile à Irlanda, passando por Estados Unidos e Austrália.

Saiba mais: Igreja chilena proíbe padres de tocar genitais das crianças e beijá-las na boca

O semanário do Vaticano denunciou, inclusive, o estupro de freiras, que foram forçadas a abortar ou a criar filhos que não foram reconhecidos por seus pais sacerdotes.

Um fenômeno que tem sido pouco denunciado e tem vindo à tona em vários países, como Chile, Itália, Peru e Índia, além da África.

É uma situação muito difícil que tem suas raízes na dependência das freiras. Não são reconhecidas como iguais”, explicou Scaraffia.

Em um comunicado à imprensa divulgado nesta quarta, o porta-voz interino da Santa Sé, Alessandro Gisotti, declarou que quando o Santo Padre falou na véspera da “escravidão sexual” em algumas congregações, se referia também à “manipulação e a formas de abuso de poder, que incluem o abuso sexual”.

Desde novembro, a União Internacional das Superioras Gerais (UISG), organismo que representa mais de meio milhão de freiras católicas, assumiu o compromisso de atender todas as religiosas que denunciassem uma agressão sexual.

Quebrar o silêncio

O papa recordou que a batalha foi aberta por seu antecessor, Bento XVI (2005-2013), que “teve a coragem de dissolver uma congregação” por escravizar as mulheres, inclusive sexualmente, por parte de seu fundador.

Francisco se referia à congregação francesa das contemplativas Irmãs de São João, cujos superiores foram retirados depois de uma investigação do Vaticano sobre seus excessos, entre eles sexuais.

Leia também: Papa Francisco defende a “educação sexual” nas escolas

Por conta das revelações sobre o abuso de crianças por parte de padres e do impacto mundial do movimento #MeToo, as freiras também começaram a quebrar o silêncio.

Quebrem o silêncio, porque o silêncio é que permite que os estupradores continuem estuprando”. -Lucetta Scaraffia.

Na semana passada, um religioso de alto escalão do Vaticano, acusado por uma ex-freira alemã de abusos durante a confissão, renunciou depois de quatro anos e de um julgamento canônico que se limitou a chamar a sua atenção.

Chegaram muitas queixas ao Vaticano, mas não deram prosseguimento”, explicou Scaraffia.

Espero que formem uma comissão para investigar os casos, que participem especialistas religiosos nesse tema, que abram julgamentos, mas, sobretudo, que quebrem o silêncio. Porque o silêncio é que permite que os estupradores continuem estuprando”, acrescentou.

Para as freiras vítimas de abusos não é fácil falar disso, pois temem que a denúncia repercuta contra elas ou contra a congregação.

Scaraffia considera que a Igreja deve se questionar sobre o poder que os sacerdotes exercem sobre as freiras, já que decidem sobre a sua entrada ou não nas ordens religiosas, organizam suas vidas diárias e, inclusive, fixam o salário que recebem.

Esta é uma oportunidade para demonstrar que a mudança está realmente em curso”, sustenta a historiadora, que espera acabar com o tradicional poder do sacerdote homem sobre a freira mulher.

AFP

Gerente da Caixa se senta no chão para atender homem com deficiência e viraliza


Em Volta Redonda, Rio de Janeiro, os clientes de uma agência da Caixa puderam presenciar uma cena de dedicação ao trabalho e ao próximo.

Um senhor com cerca de 50 anos, com as pernas amputadas, entrou na agência para fazer os seus serviços bancários e foi ignorado por muitas pessoas que estavam lá, entrando na fila normal, sem opção de atendimento preferencial. No entanto, um homem que viu a situação, não deixou que aquilo acontecesse. Vestido formalmente, com trajes sociais, ele se sentou no chão para entender melhor o que o senhor precisava resolver, sem se importar em se sujar.

Esse homem é o gerente da agência, Luis Claudio, que ganhou muitos admiradores depois de sua atitude ser registrada por Isabel Paiva, de 54 anos, que também esperava por atendimento na agência:

“Nem sabia que ele era gerente quando fotografei”, disse Isabel em entrevista ao Razões para Acreditar (…) “Achei lindo o gesto, me emocionei, ele [o gerente] foi muito gente boa, todo arrumado sentou no chão, fazendo seu trabalho com muita alegria”.

Isabel também acrescentou que viu a conversa entre os dois parecia bem tranquila e agradável.

A publicação de Isabel já teve mais de 30 mil reações, e ela tenta explicar o sucesso da postagem:

“Penso que pelo fato de não encontrarmos mais pessoas tão solidárias e humanas no sentido real da palavra. As pessoas costumam agir assim, infelizmente, somente com pessoas que possam lhe trazer algum retorno.”

Ela também contou que quando falou com Luis para parabenizá-lo e pedir autorização para postar a foto, ele disse: “Somos todos iguais, não sou melhor que ninguém… posso ser talvez pior!” E sorriu.

Em entrevista ao Extra, Luis Cláudio, explicou que não há nada demais em sua atitude:

“A gente faz isso todo dia. Eu me porto como o cliente precisa. Seu José é um ser humano incrível. Já o atendi outras vezes. Ele veio cadastrar uma senha e uma outra cliente depois me contou que tinha feito a foto. Nem sabia que ia postar e dar essa repercussão toda. Acho que a gente não é melhor que ninguém. Eu precisava sentar para atendê-lo bem. Faz parte da minha obrigação. É também uma necessidade. Eu não me sentiria bem atendendo ele de pé e ele seria mal atendido. Eu me espantei muito com tudo isso porque era um atendimento corriqueiro, normal. Mas fico feliz com o reconhecimento”.

Um grande exemplo a ser seguido. Que a dedicação e o cuidado com o próximo se tornem parte de quem nós somos, e que não esperemos ser reconhecidos por isso, apenas que as pessoas se espelhem em atitudes positivas como essa para moldarem o seu caráter.

Compartilhe essa história com seus amigos!

Maracás: Órgãos responsáveis pelo ser humano precisam cuidar mais: Por Walter Salles.


É muito triste a gente se deparar com um cidadão e perceber que as pessoas não enxergam àquela pessoa. 

Em Maracás, na rua que dá acesso à feira livre, em frente a loja Vitrine do gado, estava um cidadão de idade um pouco avançada, caído na calçada, provavelmente bêbado, mas ninguém aparecia para ajudá-lo. Parecia que todos estavam muito apressados e que aquele homem era um verdadeiro estovo no meio do caminho. É preciso que os órgãos competente tome atitude, pois para muitos um bêbado sem valor, mas a certeza é que se trata de cidadão que já pagou e continua pagando impostos e que exige cuidado e respeito. O poder público municipal tem o dever de acionar o órgão que é responsável casos assim. Três mulheres se comoveram com o caso e o encostou na parede. A roda continua girando. Como diz a música cantada por Bete Carvalho: “Como será o amanhã, responda quem souber”…

Essas mulheres se comoveram, mas nada puderam fazer

 

Ciro encara estudantes em Salvador: “Lula está preso, seu babaca”


Quanto mais fala e deseja Lula mofando na cadeia, se queima e se distancia da cadeira desejada.
Ciro Gomes

 

Do site Bahia Notícias

O ex-candidato a presidente da República pelo PDT, Ciro Gomes, repetiu o que seu irmão, o senador Cid Gomes, disse em um evento no Ceará durante o segundo turno das eleições, e chamou um militante de “babaca”, nesta quinta-feira (7), durante a Bienal da UNE, em Salvador.

“O jovem no bar é obrigado a defender corrupção, aparelhamento do Estado, formação de quadrilha. Isso não é para vocês. Vocês não têm nada a ver com isso”, disse. Logo em seguida alguém da plateia gritou: “corrupto”. “Não sou, não. Eu estou solto. Eu sou limpo. eu sou limpo. Lula está preso, babaca”, bradou. Parte da plateia vaiou e pediu: “Fora Ciro”.

(…)

Bolsonaro quer anistiar dívidas de mais de R$ 15 bilhões do agronegócio


Se de um lado acontecer o arrocho aos pequenos e a falta de incentivo à agricultura familiar, mas perdoar dívidas dos grandes latifúndios e dos que fazem parte do Agronegócio, certamente não tem como este país decolar, pois um país só segue rumo ao desenvolvimento se os pequenos forem ajudados. Isso já aconteceu e mostrou resultados positivos. Fora disso, é paliativo e enrolação para favorecer aos grandes. Um governo neste país percebeu que quando há incentivos para as pontas das folhas começarem a consumir, vai ter reflexo sem sombra de dúvidas, no tronco da árvore, que certamente terá que produzir mais. Porém, se o governo cuidar de adubar só o tronco da árvore, no pensamento de produzir mais a e assim gerar empregos, não tem como dar certo, não terá quem compre a produção! Se não mudar o modelão antigo de administrar e não aderir ao modelo do pernambucano, aquele que está preso baseado em delação premiada, certamente o Brasil vai continuar naufragando. Até aqui Café com Leite Notícias. 

Do DCM.

Desde o resultado das urnas nas eleições de 2018, ruralistas aguardam a promessa do presidente Jair Bolsonaro de perdoar o total das dívidas do setor com o chamado Funrural, a contribuição previdenciária feita por produtores e empreendimentos rurais.

“Estamos juntos nessa briga contra o Funrural”, disse o então deputado federal e já pré-candidato à Presidência Jair Bolsonaro em dezembro de 2017.

A dívida retroativa está atualmente em R$ 15,3 bilhões, de acordo com a Receita Federal. Especialistas afirmam que, se colocado em prática, o perdão seria contraditório, principalmente por afetar a já deficitária Previdência Social, que está em discussão para uma reforma que deve ampliar o tempo de contribuição da maior parte dos trabalhadores do país.

Um dos principais argumentos citados por Bolsonaro para aliviar a dívida do campo seria o impacto desse tributo no pequeno produtor rural. No entanto, dados de dezembro de 2018 sobre os endividados que se inscreveram no programa de refinanciamento do Funrural (hoje conhecido pela sigla PRR) mostram que apenas 1% do valor total da dívida é de produtores rurais individuais, sem inscrição no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ).

Governo Bolsonaro ignora combate à sonegação enquanto afia a faca para cortar direitos. Por Joaquim de Carvalho


De acordo a matéria publicada do DCM, ninguém sabe ao certo quanto se sonega no Brasil. Só se sabe que é muito, e está na casa de bilhões de reais — para o Sindicato Nacional dos Procuradores da Fazenda, é da ordem de 500 bilhões de reais por ano.

Considerando que este número esteja correto, só com o combate à sonegação seria possível obter em dois anos o equivalente ao que o ministro da Economia, Paulo Guedes, estima economizar em dez anos com os efeitos da reforma previdenciária.

O combate à sonegação também seria um bom caminho para o ministro da Justiça, Sergio Moro, perseguir caso a preocupação dele fosse mesmo com a relação entre o crime e as finanças públicas.

“O crime contra a administração pública, como a corrupção, esvazia os cofres públicos, diminui os recursos disponíveis para que o Estado, a União Federal, possam adotar políticas mais eficientes contra a criminalidade organizada, contra a criminalidade violenta”, disse, ao anunciar seu pacote.

Mas o que dizer, então, da sonegação, que é, na prática, um crime sem penalidade no Brasil?

Pela legislação em vigor, o sonegador, a qualquer tempo, se livra da punição, caso pague o débito. Ou seja, é um crime que compensa.

Este é um caso que mereceria revisão das leis. Mas, nesse tema, o pacote anticrime de Moro não toca.

Ninguém está dizendo que a corrupção não é um problema real, que precisa ser enfrentado a qualquer tempo, mas não é mais grave do que a sonegação.

Talvez seja até menos grave porque, em grande medida, a proteção a sonegadores é a fonte de corrupção.

Só um registro: uma vez ouvi de um policial veterano que as delegacias fazendárias, que investigam a sonegação, eram muito disputadas pelos policiais.

Por quê?

“Porque ali se pode ganhar dinheiro”, ele respondeu.

Mas, no governo Bolsonaro, ninguém fala do combate à corrupção nem em uma reforma tributária que tire do cangote do pobre a maior parte da carga tributária — até quando compra remédio, o pobre paga imposto.

Já as empresas, quando recolhem tributos, o transferem para o preço das mercadorias ou serviços.

No caso da reforma da Previdência, o alvo é a aposentadoria dos mais pobres.

Na prática, o que está em gestação é um plano para fazer o brasileiro trabalhar mais para se aposentar e, quando se aposentar, ganhar menos.

Mas isso não se diz em público.

A mensagem oficial é: com a reforma, o governo terá mais dinheiro, e poderá reduzir a dívida pública, e investir mais em saúde e educação.

É a mesma ladainha contada na época em que Fernando Henrique Cardoso privatizou a maior parte das estatais brasileiras.

Monitor Mercantil, um antigo jornal de economia e negócios sediado no Rio de Janeiro, relembrou esses fatos.

Em 1994, quando FHC se elegeu, a dívida pública era de R$ 153,2 bilhões, equivalente a 29,2% do PIB (soma de tudo o que o país produz).

Com as privatizações durante o governo dele, o que entrou no caixa foi algo em torno de R$ 100 bilhões, mas a dívida pública, em vez diminuir, dobrou.

Em 2002, a dívida era de R$ 850 bilhões — equivalente a 59,6% do PIB.

Ué, mas a propaganda da privatização não era que a dívida pública cairia?

Como fez na época da privatização, a velha imprensa está agora ajudando Bolsonaro a contar uma mentira parecida.

Vai confiscar direitos em nome de uma boa causa, já que este seria o único caminho para enfrentar as dificuldades do Estado.

É como se dissesse: vai ser bom para você.

Não é o único caminho nem será bom, embora alguma reforma seja mesmo necessária — para cortar privilégios, por exemplo.

Mas seus analistas continuarão defendendo a reforma da Previdência de Paulo Guedes, porque muitos deles não podem falar do outro assunto correlato: o buraco causado pela sonegação.

Afinal, trabalham para empresas com histórico nessa prática, como a Globo.

Bolsonaro volta a nomear ministro que criou candidatos laranjas para desviar recursos públicos


O que a população quer, é que, se há indícios de corrupção do ministro durante campanha, onde é acusado de usar mulheres como laranjas para conseguir verba, o primeiro passo seria investigar se há fundamento nas denúncias. Porém o que aconteceu foi ao contrário. o presidente Bolsonaro exonerou o ministro do cargo e no outro dia, em acordo com o ministro da Justiça, Sergio Moro, renomeou para o mesmo cargo. Isso, no mínimo, é não ligar para o povo. Afinal, não se trata de uma denúncia sem fundamento. Foi uma denúncia da Folha de São Paulo. Se o presidente está brigado com a Folha e com a Globo, isso é outro caso. O que não pode é ignorar as matérias de denúncias que chegam dessas fontes.

A mesma coisa acontece com o senador Flávio Bolsonaro. À medida em que o caldo vai engrossando sobre os possíveis envolvimentos com milicianos, a sociedade percebe que o caso é ignorado tanto pelo presidente quando pelo ministro Moro. Isso, no ponto de vista de quem não é apenas um tiete do presidente, mas sim um cidadão brasileiro que deseja acontecer as punições para quem realmente cometeu delitos, e não punições convenientes sem provas, sem dúvida o governo vai perdendo a credibilidade. Esse é o ponto de vista do editor do Café com Leite, Walter Salles.

Em ato assinado em conjunto com o ministro da Justiça, Sergio Moro, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) voltou a nomear o deputado federal Marcelo Álvaro Antônio (PSL-MG) para o cargo de ministro do Turismo. A decisão foi publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira (7).

LEIA TAMBÉM:

Flávio Bolsonaro ganha cargo na mesa diretora do Senado

Deputado federal mais votado em Minas Gerias, o ministro patrocinou um esquema de candidaturas laranjas que desviou verbas públicas de campanha para empresas ligadas ao seu gabinete na Câmara, segundo o jornal Folha de São Paulo.

Álvaro Antônio havia sido exonerado nesta quarta-feira (6). Inicialmente, cogitou-se que a sua saída estava relacionada com o esquema de candidaturas laranjas, mas após a divulgação de sua exoneração, o ministro foi às redes sociais explicar que se tratava de decisão temporária para assumir mandato na Câmara e que retornaria no dia seguinte.

Com informações da Folha

Goleiro campeão brasileiro pelo Fluminense morre em Curitiba


De acordo a matéria publicada no O Dia, o ex-goleiro Jairo Nascimento, de 72 anos, morreu nesta quarta-feira, após perder a batalha contra um câncer no rim. Ele integrou o elenco do Fluminense que conquistou o Brasileirão de 1970, além disso, ele teve passagens marcantes por Corinthians e Coritiba.

Jairo, ex-goleiro do Fluminense – Reprodu

 

Em nota, o Hospital Erasto Gaertner, de Curitiba, informou que Jairo estava internado desde o dia 23 de janeiro e sua morte ocorreu em decorrência do câncer. O ex-goleiro vinha se tratando desde o fim do ano passado. Em razão do tipo de tratamento, ele precisava tomar medicamentos com custo diário de R$ 300, que obrigou a família do goleiro a lançar a campanha “Defenda o Jairo”, que sensibilizou jogadores como Casagrande e Alex, além do Corinthians, que passou a enviar os medicamentos para o tratamento.

Jairo jogou no Fluminense de 1969 a 1971, porém suas passagens mais marcantes foram por Coritiba e Corinthians. Pelo Coxa, ele disputou 410 partidas nas décadas de 1970 e 1980. Ele conquistou seis campeonatos Paranaense, além do Torneio do Povo, em 1973, e o Brasileiro de 1985. No Corinthians, Jairo fez parte do histórico time campeão paulista em 1977, encerrando tabu de quase 23 anos sem títulos. Ele também teve passagem pela seleção brasileira.

 

Deputada reage: Indecente é quem acha que o decote da deputada é indecente. Por Nathalí Macedo


Estamos em 2019

Um deputado usando um chapéu de caubói toma posse com sua esposa no colo, deixando muito claro que, no século em que ele vive, mulheres ainda são posse de seus companheiros e devem ser exibidas como troféus, ornando com chapéus ridículos e nenhuma elegância.

Para completar o show de horrores e cafonagem – isso para falarmos só dos personagens mais pateticamente caricatos dessa cerimônia – outro deputado adentra o recinto com um traje militar e uma bíblia embaixo do braço (sim, em um país supostamente laico, e por que não estou surpresa?)

Com tanta coisa pra se indignar, o que mais chamou a atenção mesmo foi o decote de uma mulher.

Eu já disse que o ano é 2019?

A deputada Ana Paula, quinta parlamentar mais votada de SC, foi achincalhada nas redes sociais por ter usado um vestido vermelho decotado na cerimônia de posse.

“Representante das Prostitutas”, disseram.

Certamente não estão inteirados sobre a carreira política notável de Paulinha, como é conhecida por seu eleitorado: foi prefeita duas vezes de Bombinhas, município de 20 mil habitantes a 70km de Florianópolis, e escolhida também duas vezes como a melhor gestora de Santa Catarina, e uma vez como a melhor gestora do Brasil.

Deixou o governo do município com 90% de aprovação do eleitorado.

E tudo o que se pode falar dela é que usa um decote – pigarreio – “indecente”.

Me poupem.

Indecente é que as pessoas recebam com naturalidade a cena esdrúxula de um deputado objetificando simbolicamente a própria esposa para fins de auto-afirmação, e com tanto estardalhaço uma mulher usando a roupa que bem entende.

Indecente é bíblia como símbolo no Congresso de um país laico.

O pior deste moralismo retrógrado e medíocre é que, parece, para essa gente, tudo o que uma mulher faz tem a ver com homens. Se uma mulher usa um vestido decotado, não pode ser simplesmente porque ela quer usar um vestido decotado: ela quer chamar atenção dos homens.

Esse moralismo, aliás, não é uma exclusividade da direita: aqui mesmo, na nossa bolha, as roupas das mulheres ainda são uma pauta, como se fossem mais importantes inclusive do que as coisas que essas mulheres falam e fazem: para o patriarcado, somos um símbolo, e tudo o que compõe esse símbolo tem, de alguma maneira, uma conotação sexual.

Por exemplo, em um dos meus vídeos aqui no DCM, há mais comentários sobre o decote – completamente despretensioso, e ainda que não fosse – do que sobre o assunto do qual eu falava. “Esse decote é covardia”, disseram, como se o fato de homens feitos não terem maturidade para lidarem com uma mulher que se veste como quer fosse um problema meu. Uma covardia minha.

Não é e não tem a ver com vocês. Nunca. Eu escolho a minha roupa. É minha essa prerrogativa. Se vão apreciá-la ou depreciá-la, pouco me importa: o meu corpo não existe para o deleite ou não-deleite de ninguém.

As minhas roupas não dependem da aprovação ou desaprovação de ninguém. Eu me pertenço, Paulinha pertence a si mesma e continuaremos dizendo isso por quantos anos forem necessários até que os machões moralistas enfim aterrissem no século XXI.

Não, queridos, nem tudo o que fazemos tem a ver com vocês. Às vezes a gente só está com calor. Às vezes a gente nem percebeu que o decote é “covardia”, porque, de acordo ao nosso senso moral, roupas não são convites ou provocações. Às vezes – e tenho certeza que sim – Paulinha só abriu o armário em um dia feliz de sua vida e pensou: “Eu vou ficar linda no meu modelito vermelho.”

E foi. Porque, quer queiram, quer não, nós temos o direito de nos vestirmos como quisermos.

Indagada sobre a repercussão absurda do decote, a Deputada deixou claro que continuaria se vestindo como bem entendesse.

“Olha, quando eu me separei, há sete anos, eu tomei uma resolução para a vida, de empoderamento mesmo: a partir dali, nunca mais deixaria alguém decidir que roupa eu usaria. Isso vale para o namorado e para o resto do mundo.”

Segura a onda, resto do mundo. As mulheres não estão pra brincadeira. Fonte DCM.

 

 

 

Bolsonaro declara guerra ao crime, mas esquece dos milicianos ligados ao filho Flávio


Sem fazer qualquer menção às denúncias de que o filho Flavio Bolsonaro empregou parentes de milicianos no seu gabinete na Assembléia Legislativa do Rio, o presidente Jair Bolsonaro afirmou em mensagem ao Congresso Nacional que o governo brasileiro declara “guerra” ao crime organizado, informa o G1.

A mensagem, entregue nesta segunda-feira (4) pelo ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, foi lida pela primeira-secretária do Congresso, deputada Soraya Santos (PR-RJ), na sessão de abertura do ano legislativo.

Mais cedo, nesta segunda, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, apresentou um pacote com propostas anticorrupção e antiviolência.

 

Ministro do Turismo é exonerado por Bolsonaro para assumir mandato


Ministro do Turismo é exonerado por Bolsonaro para assumir mandato

 

O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, foi exonerado do cargo pelo presidente Jair Bolsonaro. O decreto com o desligamento do ministro foi publicado no Diário Oficial da União desta quarta-feira, 6, com data da véspera. Antônio, cujo nome de batismo é Marcelo Henrique Teixeira Dias, foi reeleito deputado federal pelo PSL de Minas Gerais no ano passado, com a maior votação do Estado: 230.008 votos.

No Twitter, o político justificou que toma posse nesta quarta na Câmara dos Deputados, o que justificaria o afastamento temporário. Ele afirma que volta a integrar a equipe do governo a partir de quinta (7).

O Ministério do Turismo confirmou, em nota, a informação. “O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, foi exonerado no Diário Oficial da União hoje (06) para tomar posse na Câmara dos Deputados. O ato de exoneração assinado junto com o ministro da Justiça, Sérgio Moro, é mera formalidade. Como já confirmaram fontes da Casa Civil, amanhã o ministro retorna ao Ministério do Turismo para dar continuidade ao trabalho.”

Reforço que a distribuição do Fundo Partidário do PSL cumpriu rigorosamente o que determina a lei. Todas as contratações da minha campanha foram aprovadas pela Justiça Eleitoral. É lamentável o desserviço prestado pelo jornal. Mas basta essa justificativa?

Afinal, o ministro vai ser investigado, diante das acusações ou vai ficar por isso mesmo? O que a população espera é que se for constado que o deputado Marcelo Álvaro realmente praticou corrupção durante campanha usando mulheres, não seria o caso de perder só a pasta de ministro do Turismo, mas, também, o mandato de deputado? Ou a impunidade vai seguir em frente deslavadamente a passos largos? Último paragrafo Cafe com Leite Notícias.

 

Basta, essa justificativa?

Pedra cai em área rural de cidade após tremor de 2,5 graus na escala Richter


[Pedra cai em área rural de cidade após tremor de 2,5 graus na escala Richter ]
Foto : Reprodução / TV Bahia

Por Kamille Martinho

Uma pedra se desprendeu de uma montanha na zona rural da cidade de Guaratinga, no sul da Bahia, na segunda (04). Segundo a Defesa Civil do município, ninguém ficou ferido.

“Ficou em pânico todo mundo. Ninguém sabia para onde correr, nem sabia o que era. Tremeu a cidade toda”, afirmou o feirante Diosvaldo Xavier.

No dia 28 de janeiro, a cidade teve tremores de terra de 2,5 graus na escala Richter. Um geólogo da região, em entrevista à TV Santa Cruz, comenta que esse pode ter sido o motivo da queda da rocha.

O coordenador da Defesa Civil do município, Cristiano Araújo, relata que entrou em contato com o centro de sismologia em Salvador e “eles informaram que apesar de ter sido de pequenas proporções, foi um terremoto mesmo”.