Governador Rui Costa aciona PGE contra Kannário: ‘Inaceitável ato de desrespeito’


Cantor e deputado federal comandou vaia contra PM-BA, chamando polícia de ‘bunda-mole’

O governador Rui Costa (PT) informou nesta terça-feira (25) que acionou a Procuradoria Geral do Estado (PGE) para que tome as medidas legais cabíveis contra o cantor e deputado federal Igor Kannário (DEM), que fez comentários criticando a Polícia Militar da Bahia durante o desfile da sua pipoca ontem, no Campo Grande, no Carnaval. A PGE vai entrar com uma representação junto ao Ministério Público da Bahia (MP-BA), diz nota do governo.

Rui comentou a decisão em seu perfil no Twitter, afirmando que é “inaceitável o ato público de desrespeito e agressão contra a Polícia Militar da Bahia registrado ontem no Campo Grande”.

“Acionei a Procuradoria Geral para que o Estado formalize uma representação junto ao Ministério Público da Bahia a respeito deste fato. Medidas cabíveis que estiverem no âmbito do MP precisam ser tomadas em respeito à PM e em defesa da honra de pais e mães de família que fazem parte da corporação”, diz o governador.

A PGE considera “fato gravíssimo” a atitude do cantor, afirmando que ele atenta “contra a ordem pública”, especialmente por estar em um trio patrocinado pelo poder público. Outras medidas ainda são analisadas.

O Ministério Público informou que recebeu a representação durante o plantão de Carnaval. “No documento, a Procuradoria-Geral do Estado destaca que, além das palavras agressivas e de ‘baixo calão’ contra os policiais, o cantor proferiu as frases do alto de um trio elétrico para uma multidão, fato que poderia causar a incitação da população contra a Polícia Militar e comprometer a segurança da festa”, diz o MP. O pedido do Estado é que Kannário seja penalmente acionado por calúnia e difamação, crimes previstos no Código Penal. O MP informou que vai analisar o pedido.

Mais tarde, Kannário respondeu ao governador através de nota enviada à imprensa e disse que está ‘completamente tranquilo’. “Há diversos vídeos mostrando a ação inadequada de alguns policiais, que não condizem com a maioria da Polícia Militar, não só nesse ano. As imagens falam por si. Reitero meu respeito pela instituição Polícia Militar e tenho certeza de que não teríamos Carnaval sem a corporação, mas ressalto novamente que não vou me calar diante dos excessos. O comportamento equivocado não deve ser normalizado, ao contrário, deve ser criticado, sim, e medidas devem ser tomadas para que não ocorram excessos contra os foliões. Inclusive, elogiei diversas vezes o tratamento de policiais na minha pipoca. E sempre vou elogiar quando o comportamento for correto”, diz a nota.

Ainda no texto, o artista e deputado federal disse que sempre que vê alguma confusão na sua pipoca, paro o trio e a música para chamar a atenção dos foliões. “Agora, ano após ano, vemos casos de excessos contra foliões na pipoca do Kannário. Por que esse comportamento não é explicado? Será que o povo da favela merece ser tratado dessa forma sempre? São perguntas que seguem sem resposta. Falei em cima do trio e repito aqui: fico triste com toda esta situação. Não queria parar meu desfile para reclamar da ação de alguns policiais, mas não vou me calar sempre que observar excessos. Meu grande desejo é que o povo da favela seja devidamente respeitado, seja no Carnaval seja no resto do ano”, completa.

Entenda a polêmica
O cantor e deputado Igor Kannário pediu uma vaia para a Polícia Militar da Bahia na tarde de segunda-feira (24), quando puxava sua pipoca no Campo Grande. De cima do trio, ele viu a PM passando com agressividade para desfazer uma rodinha em meio aos foliões.

“Peço à imprensa, filma isso aí. Isso é abuso de poder, aubuso de autoridade. Quero uma vaia para a Polícia Militar da Bahia”, afirmou, sendo atendido. Os foliões vaiaram e depois gritaram “Uh, é o Kannário”.

“Agressores, agressores! Venha me bater aqui em cima. Quero ver!”, provocou.

Depois, ele retomou a música Embrazando, mas um pouco à frente Kannário falou que a PM pode fazer algo contra ele. “Se acontecer alguma coisa comigo, quem mandou me matar foi alguém da Polícia Militar”, acrescentou.

Procurada, a Secretaria da Segurança Pública (SSP) não quis comentar as declarações do parlamentar nesta segunda-feira. Mais tarde, a Polícia Militar divulgou uma nota de repúdio. “Além da atitude irresponsável e criminosa o também deputado federal incitou os foliões contra os policiais militares que faziam o policiamento do circuito Osmar. É inaceitável que qualquer pessoa, ainda mais um parlamentar, tente comprometer a honra da instituição e de policiais militares que estão comprometidos e empenhados na defesa da sociedade baiana. Todas as medidas judiciais cabíveis que o caso requer serão adotadas”, diz a nota.

Kannário não ficou calado e divulgou uma nota para a imprensa dizendo que ‘não irá se calar quando excessos forem cometidos’. Leia a nota divulgada pela assessoria de imprensa do artista:

“O deputado federal Igor Kannário vem a público esclarecer os fatos ocorridos nesta segunda-feira (24) durante a passagem da pipoca do cantor pelo circuito Osmar (Campo Grande). Kannário informa que, ao observar um tratamento agressivo de alguns policiais militares contra foliões, solicitou uma abordagem adequada dos profissionais. O deputado ressalta seu respeito e admiração pela instituição Polícia Militar, que tanto se dedica diariamente aos baianos. Contudo, Kannário enfatiza que não irá se calar quando excessos forem cometidos, como ocorreu nesta segunda. O parlamentar baiano frisa, ainda, que este foi um caso pontual da atuação da PM durante a passagem da pipoca do Kannário pelo Campo Grande. Inclusive, no início do desfile, o cantor pediu aplausos para a PM e para os policiais que estão trabalhando arduamente neste Carnaval. Destaca também que sua pipoca foi, mais uma vez, um grande sucesso de público, com uma linda festa no circuito Osmar, marcada pela paz e pela diversão dos foliões. Mantenho meu imenso respeito pela Polícia Militar, valorosa instituição que tanto orgulha a Bahia. Mas ressalto que não vou me calar diante dos excessos, ainda mais contra a minha pipoca, que saiu das favelas para fazer uma festa linda na Avenida. Sou um político que tenho lado, e meu lado é o povo”.

‘Bonda-mole’
Ainda no desfile, Kannário pediu para a imprensa filmar cenas e também para os foliões “abrirem” para a PM passar. “Abre aí para esses bunda-mole passarem”. Também pediu que o público ajudasse uma gestante que passava mal a conseguir passagem.

Ao passar pela frente do Castro Alves, Kannario voltou a falar da ação da Polícia Militar. Ao ver mais uma ação da polícia partindo para cima dos foliões, pediu para baixar a música e disse: “Alô imprensa da Bahia! Tem que mostrar esse abuso de poder, esse desrespeito com cidadãos que pagam seus impostos e ajudam e pagar salário deles (policias)”.

Depois dizem que Kannario procura confusão com a polícia. Não é isso não. É certo pelo certo. Quem tá errado tá errado“, disse.

Metros à frente, voltou a comentar: “Essa guarnição aqui tem educação. Parabéns! Tá fazendo o certo. Pedindo licença. Quem eu vir agredindo eu vou falar daqui de cima mesmo”.

CORREIO Folia: confira todas as notícias do Carnaval 2020

Mais cedo, a pipoca do cantor teve que ser interrompida. Ao todo, o trio ficou cerca de 20 minutos parado, retomando às 16h25. “A gente vai esperar o Mudança do Garcia adiantar o lado. O que eu quero é cantar mas não tem como cantar parado”, afirmou.

Quando voltou a tocar, Kannario perguntou: “podemos ‘embrazar’ agora?”. E puxou Embrazando. Mas na hora de fazer a curva e entrar na avenida do Castro Alves, a pipoca teve que parar de novo.

“A gente só vai entrar na avenida quando for a nossa hora. Só vamos entrar quando o Mudança sair. Vamos respeitar o Mudança do Garcia”, disse Kannario

Polêmica
No ano passado, Kannário esteve envolvido em outra polêmica. Ele usou roupa com alusão ao “Comando da Paz”, mas negou qualquer ligação com a facção.

No início do desfile, Kannário parou de cantar várias vezes para pedir respeito aos ambulantes e dar “broncas” em policiais e guardas.

Não agride o cara, não. O cara fez algo de errado, prende o cara, leva o cara. Segura a onda aí, meu velho. Não agride a população não que eu tô vendo tudo daqui“, afirmou.

O cantor também celebrou a gravidez da mulher. “O Kannário vai ser pai de novo e é menino”, gritou para a multidão. O público, do chão, gritou repetidas vezes o nome do cantor. “Uh, é o Kannário, é o Kannário”.

Ameaça de processo
Ao desfilar vestido de “PM do futuro”, Igor Kannário disse que fazia uma homenagem à polícia. Só que o emblema com “Comando da Paz” estampado no ombro e nas costas pegou mal entre a categoria e virou alvo de mais uma polêmica envolvendo o cantor e a polícia.

A Associação dos Policiais e Bombeiros Militares e seus Familiares do Estado da Bahia (Aspra) disse na época que ia processar Kannário por fazer apologia ao crime, ao promover uma facção criminosa, a Comando da Paz. Já o deputado estadual Capitão Alden (PSL) informou que entrará com uma representação no Ministério Público e encaminhará à Câmara dos Deputados uma denúncia para que o Conselho de Ética julgue a sua conduta “desafiadora da moral e dos bons costumes”.

De acordo com o presidente da Aspra, o soldado Prisco, a entidade vai entrar com uma ação idenizatória e outra criminal.

O Comando da Paz é uma facção criminosa, usar esse emblema é fazer apologia ao crime. Também vamos processá-lo por incitar a multidão contra os policiais durante o desfile. Policiais que acompanharam o desfile nos procuraram para relatar“, informou Prisco. “Já temos duas ações contra ele, uma delas foi na micareta de Feira de Santana, envolvendo uma policial”, comentou Prisco.

Já o deputado federal capitão Alden disse que é lamentável essa situação e “uma vergonha para o povo baiano ter um representante deste nível em Brasília”.

Não é a primeira vez que ele aparece em vídeos fazendo referências a determinadas facções criminosas. Ele alega que ladrão não rouba ladrão e faz questão de ostentar tatuagem fazendo referência a uma droga de uso proibido“, critica o parlamentar.

Procurados, tanto a Polícia Militar (PM) quanto a Secretaria de Segurança Pública do Estado da Bahia (SSP) preferiram não se posicionar sobre o assunto.

Um policial, que não se identificou, comentou que o Comando da Polícia ficou irritado com a atitude desrespeitosa do cantor e que os policiais se recusaram a manter a segurança reforçada no entorno do trio do artista no final do circuito.

Outro polical que também criticou a postura do cantor. “Respeite a minha instituição. Esse aí representa o que não presta dos becos e vielas da favela, não o cidadão de bem que acorda cedo pra trabalhar”, criticou o PM.

(Foto: Arisson Marinho/CORREIO)

Comando da Paz
No ombro e nas costas, o cantor trazia um emblema escrito Comando da Paz, porque, segundo ele, seu trabalho é fazer a massa curtir “no respeito e no limite”, como diz o refrão da sua música Disse Me Disse. Refrão que, aliás, ele nem precisava cantar – deixava para o público, em meio aos policiais. O nome Comando da Paz também intitula uma das mais poderosas facções criminosas de Salvador, mas a produção do cantor negou qualquer relação com o grupo.

“Tirem suas próprias conclusões da pipoca do Kannário. Vejam se tenho cara de bandido, de traficante, de ter relações com o crime organizado. Só peço paz, respeito e limite pra todo mundo”, disse o cantor no trio. “Por isso que hoje estou vestido de Comandante da Paz. Tenho que dar exemplo pra comandar uma massa dessas aqui”, completou Kannário em frente a um dos camarotes, segundo ele, “cheio de brancos”.

Quando um cordão da Polícia Militar passou entre seus foliões, Kannário até pediu para parar a música: “Vamos parar e aplaudir o trabalho da nossa PM. Vim vestido de PM do futuro para homenagear esses guerreiros, porque eles também querem paz. Vamos aplaudir porque eles estão trabalhando”.

O cantor pediu para parar a música várias vezes para que a PM fosse aplaudida. E pediu para que a imprensa filmasse. “Pra mostrar o bom trabalho que a PM está fazendo. Eu vi tanta reunião de planejamento e eu só me perguntando ‘por que na pipoca do Kannário nada funciona?’. Mas tá aí, um bom trabalho da nossa PM”.

Mas o cantor, agora deputado federal pelo PHS, também alfinetou os maus policiais, segundo ele. Mostrando um cacetete da fantasia, bradou: “Sabe como eles chamam isso daqui? De ‘spray de pimenta’. Será que eles teriam coragem de usar isso daqui no filho deles? É desacato se eu perguntar isso?”. Com informações do Correio.

Error, no Ad ID set! Check your syntax!

Zé de Abreu volta a atacar Regina Duarte nas redes


“Regina Duarte fascista! Comprova tudo o que eu disse! Uma vagina não transforma um fascista em ser humano!”, tuitou o ator

Foto: Montagem

O ator José de Abreu voltou a postar, nesta quarta-feira (26), a frase que disse sobre a colega e atual futura secretária nacional de Cultura, Regina Duarte, “uma vagina não transforma um fascista em ser humano”.

Zé retuitou a frase após a atriz enviar post de apoio à manifestação de 15 de março contra o Congresso e o STF.

“Regina Duarte FASCISTA! Comprova tudo o que eu disse! Uma vagina não transforma um fascista em ser humano! Pregando fechamento do Congresso Nacional!”

José de Abreu

@zehdeabreu

Regina Duarte FASCISTA! Comprova tudo o que eu disse! Uma vagina não transforma um fascista em ser humano! Pregando fechamento do Congresso Nacional! #canalhas# milicianos em Queenstown, New Zealand https://www.instagram.com/p/B9Bo-bKhtun/?igshid=1arqoerl3c4u4 

81 pessoas estão falando sobre isso

De acordo com a jornalista Vera Magalhães, o presidente Jair Bolsonaro (Sem Partido-RJ) está usando seu número pessoal de WhatsApp para convocar seguidores para o ato do próximo dia 15 de março contra o Congresso Nacional. A manifestação possui forte teor golpista, já que alguns panfletos têm evocado o AI-5 e pedido a saída dos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, e do Senado, Davi Alcolumbre.

A atriz Regina Duarte, que ainda estagia no governo para assumir a Secretaria de Cultura, fez coro com Jair Bolsonaro e divulgou no seu instagram uma mensagem de apoio ao ato do dia 15 de março, que pede o fechamento do Congresso e do Supremo Tribunal Federal (STF). Fonte: Forum

 

Brasil tem primeiro caso de coronavírus confirmado em contraprova


Segundo exame feito em brasileiro de 61 anos que voltou da Itália deu positivo. Ministério dará coletiva às 11h para falar sobre o resultado

 

O exame de contraprova feito no brasileiro que chegou da Itália no último dia 21 e havia testado positivo para o novo coronavírus em uma prova inicial também deu positivo, conforme apurou VEJA. O Ministério da Saúde fará uma coletiva de imprensa às 11h desta quarta-feira, 26, para divulgar o resultado.

Com a confirmação na contraprova do exame, feita pelo Instituto Adolfo Lutz, o homem de 61 anos residente em São Paulo passa a ser oficialmente o primeiro caso da infecção no Brasil. Ele regressou ao país vindo da Lombardia, no norte da Itália, onde ficou entre os dias 9 e 21 de fevereiro. O país europeu que passa por uma explosão no número de casos de coronavírus: são mais de 220 infectados e sete mortes pela doença.

O homem, que não teve a identidade divulgada, passou por observação no Hospital Israelita Albert Einstein, na Zona Sul da capital paulista, e, segundo a instituição, foi enviado para casa – onde ficará isolado pelos próximos 14 dias. De acordo com o ministério, ele apresenta os sintomas da doença – tosse seca, febre, dor de garganta e coriza –, mas passa bem e tem “sinais brandos”.

Em nota, o Hospital Albert Einstein afirmou neste domingo que a equipe médica continuará monitorando o estado de saúde do paciente, assim como os das pessoas que tiveram contato próximo com ele.

Teste rápido de HIV detecta 10 casos positivos


Prefeitura divulgou balanço parcial neste domingo

Os testes rápidos para detecção do HIV nos postos de atendimento médico dos circuitos do Carnaval já confirmaram 10 diagnósticos como positivos para o vírus causador da Aids. Os dados foram divulgados neste domingo, 23, pela Prefeitura de Salvador.

Segundo o balanço, foram diagnosticados ainda 42 casos de sífilis e um de hepatite C. Até o sábado de Carnaval, dia 22, foram realizados 1.4 mil testes rápidos para identificação de ISTS (Infecções Sexualmente Transmissíveis).

Os testes são realizados dentro do projeto Fique Sabendo. O serviço será oferecido até a terça-feira, 25, das 9h às 21h, no Largo da Piedade (circuito Osmar), e das 10h às 22h, na rua Dias D’Ávila, próximo ao Farol da Barra (circuito Dodô).

Este ano 361 pessoas realizaram os testes no primeiro dia do Carnaval. Um número 4% menor do que no ano passado, quando 379 foliões buscaram realizar o exame. Do total em 2020, 230 foram homens e 132, mulheres.

Os pacientes que tiveram exame positivo para o HIV serão encaminhados para a rede municipal de saúde. Já aqueles diagnosticados com sífilis iniciaram o tratamento com antibióticos no próprio posto de atendimento no circuito.Com informações do Correio24horas.

 

Ligado ao clã Bolsonaro, miliciano montou império à base de crimes


O ex-capitão da PM, Adriano Magalhães da Nóbrega, chefe da milícia de Rio das Pedras, ligado ao clã Bolsonaro, teve uma vida marcada por crimes. À frente da milícia, exerceu as mais diversas atividades ilegais e se ligou a autoridades para acumular poder e influência

Adriano Magalhães da Nóbrega
Adriano Magalhães da Nóbrega (Foto: Reprodução)

O jornal O Estado de S.Paulo publica em sua edição deste domingo (23) um perfil do ex-capitão Adriano da Nóbrega, morto no dia 9 de fevereiro durante operação da Polícia Militar da Bahia em colaboração da Polícia Civil do Rio de Janeiro.

A reportagem revela os crimes praticados por Adriano e seu bando: grilagem de terrenos, construção, venda e locação ilegais de imóveis, receptação de carga roubada, posse e porte ilegal de arma,  extorsão de moradores e comerciantes, suborno de autoridades e agiotagem.

O material publicado é um perfil de Adriano e uma radiografia da milícia de Rio das Pedras e põe em evidência como ele usou a ligação com políticos, policiais e bicheiros para se tornar poderoso.

O jornal se baseou em relatos feitos ao Disque Denúncia, provas apreendidas pelo Ministério Público e escutas telefônicas dos milicianos nas investigações que envolvem o capitão Adriano e seus antigos comparsas.

Leia a íntegra.

Corrida por remédios e patentes na Antártida gera racha entre países


A busca por novos fármacos e produtos a partir da fauna e flora da Antártida tem provocado um racha entre os 29 países com poder de veto e voto no tratado que rege o continente gelado.

O acordo internacional vigente veta a exploração de recursos não renováveis, como petróleo, gás e minerais até 2048, quando o tratado será revisto. Mas não prevê regras claras sobre a prospecção biológica.

Países como o Brasil, Chile e Argentina defendem a regulação do tema, mas os Estados Unidos e o Japão têm bloqueado qualquer discussão sobre bioprospecção nas reuniões sobre o tratado.

No vácuo regulatório, há uma corrida de empresas de vários países por patentes de organismos antárticos. O escritório de patentes dos EUA, por exemplo, conta com 1.689 referências à Antártida, enquanto o equivalente o europeu, com 7.514 pedidos, segundo levantamento da reportagem nos sites desses órgãos.

O Ministério de Ciência e Tecnologia brasileiro está elaborando um relatório sobre o assunto. A ideia é levá-lo à próxima reunião dos países latino-americanos que fazem parte do tratado antártico, que acontece em setembro na Argentina, e tentar fechar um posicionamento conjunto.

“O Brasil quer liderar essa discussão na América Latina para gerar uma normativa. A gente quer saber o seguinte: se o país investe seu dinheiro para desenvolver pesquisas na Antártida e obtém um bioproduto, patenteá-lo, como será a distribuição dos royalties, do dinheiro? Não tem uma normativa ainda”, diz o microbiologista Luiz Rosa, que atua na elaboração do documento.

O grupo coordenado por Rosa reúne a maior coleção de fungos antárticos do mundo, muitos deles com potencial biotecnológico. O pesquisador foi responsável pelo primeiro experimento realizado na nova base científica do Brasil na Antártida, com fungos produtores de penicilina coletados do ar da região.

“Existem várias colônias, linhagens selvagens, espécies novas que podem produzir novas penicilinas. As bactérias vêm demonstrando resistência aos antibióticos atuais, então é muito importante estudar e buscar novos remédios”, disse.

Segundo Rosa, embora o potencial da bioprospecção na Antártida seja grande, não há consenso sobre o assunto.

“Como todos os países têm direito de veto e voto, um só vetando encerra a discussão”, afirma.

Não existe uma explicação oficial para a resistência de países como os EUA e o Japão. Nos bastidores, comenta-se sobre interesses comerciais, mas não há posicionamento oficial desses países.

Para Rosa, a regulação é fundamental. “Os chilenos, por exemplo, estão fazendo pedido de patentes internacionalmente, e eu acho que a gente tem que fazer o mesmo. Pode ser que com a regulação se decida que não será nada disso, mas pode ser que passe a valer, e quem fez antes estará na frente.”

Os ministérios de Ciência e Tecnologia e de Relações Exteriores dizem que vão esperar a conclusão do relatório para emitir uma opinião sobre o posicionamento brasileiro.

O Scar (Scientific Commitee on Antarctic Research), órgão consultivo sobre pesquisas científicas e ambientais antárticas, também entrou na discussão.

A pedido dele, Jefferson Cardia Simões, pesquisador antártico brasileiro e vice-presidente do comitê, está fazendo uma avaliação do potencial da bioprospecção e deve apresentá-la em reunião em agosto na Austrália.

“Esse é atualmente um dos principais pontos estressantes do tratado antártico. Enquanto os recursos não renováveis têm regras claras, ninguém esperava que o desenvolvimento científico [com novas tecnologias genéticas] trouxesse novos potenciais de recursos biológicos. Cedo ou tarde, o tratado tem que se posicionar sobre isso. Pode surgir de tudo nesse vácuo, até biopirataria”, afirma.

Os produtos em estudo derivados da Antártida incluem suplementos alimentares, proteínas anticongelantes, medicamentos contra câncer e cremes cosméticos.

A Unilever, por exemplo, possui uma patente baseada em uma proteína anticongelante em bactérias encontradas em um lago antártico que podem ajudar a manter o sorvete suave.

O Aker Biomarine, da Noruega, que produz um suplemento alimentar feito de krill, possui patentes que cobrem a tecnologia para processar crustáceos que podem apodrecer rapidamente, como o camarão.

“Como não há uma regulamentação, está tudo muito no limbo. Alguém pode ir lá, pegar uma amostra, estudar e explorar economicamente”, diz Cardia. Ele desconhece, no entanto, a existência de algum registro de produtos brasileiros derivados da Antártida. “Mas é preciso explorar melhor isso.”

No Brasil, um projeto que reúne 25 grupos de pesquisas coordenado pelo químico Pio Colepicolo, do Instituto de Química da USP (Universidade de São Paulo), registrou cinco patentes resultantes da bioprospecção de moléculas extraídas de macroalgas marinhas da Antártida.

As patentes se referem à síntese de substâncias químicas extraídas dessas plantas (não de produtos propriamente ditos) e à aplicação delas no tratamento de doenças. Essas algas demonstraram atividade biológica para vários fins –bactericida, fungicida, antiviral e anticancerígeno.

“Não queremos recorrer aos bancos naturais da Antártida e retirar dali toneladas de algas por ano. A gente está trabalhando para fornecer a substância química. Essas patentes são importantes porque protegem a substância química, não o organismo vivo”, diz Colepicolo.

Segundo ele, uma das substâncias químicas tem atividade biológica contra a leishmania, protozoário causador da leishmaniose, e já despertou interesse de uma indústria farmacêutica, que consultou o grupo sobre o grau de desenvolvimento da patente. Ela está sendo estudada na Unesp (Universidade Estadual Paulista) de Araraquara.

Outra substância tem potencial para tratar câncer colorretal e de mama e é pesquisada por um grupo da Universidade de Caxias do Sul (RS).

Para o professor, existe a necessidade de uma discussão mais ampla sobre as patentes que podem vir a ser geradas a partir da bioprospecção na Antártida para que os conhecimentos adquiridos no continente sejam aplicados e para que seja devolvido à sociedade um pouco do dinheiro gasto em pesquisas.

Depois de dez anos de estudos na Antártida, o grupo coordenado por Colepicolo não foi contemplado pelo último edital do Proantar (Programa Antártico Brasileiro), lançado em 2018 e que beneficiou 19 projetos de pesquisa.

Contudo, o grupo segue com as pesquisas por meio de um projeto temático financiado pela Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), que aborda tantos algas tropicais quanto as antárticas. Fonte: FolhaPress

Motorista de trio elétrico é flagrado dirigindo alcoolizado em Salvador


Ele foi abordado depois de circular em velocidade incompatível com a via, no Vale dos Barris

[Motorista de trio elétrico é flagrado dirigindo alcoolizado]
Foto : Divulgação

Um motorista de trio elétrico foi flagrado na blitz da Lei Seca da Superintendência de Trânsito de Salvador (Transalvador) dirigindo sob efeito de álcool na madrugada de ontem (24).

Ele foi abordado depois de circular em velocidade incompatível com a via, no Vale dos Barris. Ao passar pelo teste no etilômetro (bafômetro), ele estava com o nível de álcool no sangue acima do permitido.

Já que a dosagem detectada foi de 0,27mg/L, não configurou crime de trânsito. Ele foi notificado e multado de acordo com o artigo 165 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

O motorista infrator apresentou outro condutor habilitado, que, após passar pelo teste de alcoolemia, foi liberado para levar o trio.

A Transalvador lembra que dirigir sob efeito de álcool é uma infração gravíssima e que o condutor está sujeito à perda de sete pontos na CNH e multa de R$ 2.934,70. Com informações do Metro1.

 

Marcado pelo turismo, carnaval deve movimentar R$ 8 bi na economia


Um dos principais feriados prolongados do ano deve representar uma injeção de recursos na economia. Com pelo menos 36 milhões de brasileiros aproveitando a festa, o carnaval deve movimentar R$ 8 bilhões neste ano.

Responsável pela estimativa de faturamento, a Confederação Nacional do Comércio (CNC) calcula que, em termos de receita, esse será o melhor carnaval desde 2015. A entidade estima a contratação de 25,4 mil trabalhadores temporários em todo o país, alta de 2,8% em relação ao carnaval do ano passado.

Embora boa parte do comércio feche no feriado, os efeitos serão compensados pelo turismo. Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (Abih), a ocupação média ultrapassará 60% em todo o país, mas diversos destinos terão lotação praticamente cheia. O índice de reservas confirmadas chega a 95% em Pernambuco e em Salvador (com picos de 100% na capital baiana); 90% no Rio Grande do Norte e no Rio de Janeiro; 80% no Ceará, em Alagoas e na Paraíba; e 80% em Minas Gerais. A maioria das capitais, segundo a associação, registra crescimento em relação ao ano passado.

Folia

Além da movimentação dos turistas, os foliões locais aquecerão a festa. Segundo levantamento do Ministério do Turismo, 36 milhões de brasileiros aproveitarão os dias de folia nos seis principais destinos carnavalescos do país e no Distrito Federal, entre viajantes e moradores.

No Rio de Janeiro, o carnaval deve reunir 7 milhões de foliões nos blocos e nos desfiles das escolas de samba. Desse total, 1,9 milhões virão de outros estados e de outros países. Em Pernambuco, a expectativa é que 3,7 milhões curtam o carnaval nas famosas ladeiras de Olinda e 1,6 milhão na capital, Recife.

Em Minas Gerais, 5 milhões de pessoas devem aproveitar os dias de festa em Belo Horizonte, caso o impasse para a circulação de trios elétricos seja resolvido. O carnaval de Salvador deve reunir 3 milhões de foliões, dos quais 854 mil turistas. No Distrito Federal, 1,2 milhão de pessoas devem aproveitar a festa.

Descanso

Quem prefere distância da folia também movimenta a economia no carnaval. Segundo pesquisa do portal Booking.com, especializado em reservas de hospedagem online, mais brasileiros vão aproveitar o feriado para relaxar do que para festejar. De acordo com a plataforma, 49% dos brasileiros pretendem viajar durante o carnaval neste ano. Desse total, 23% vão cair na folia e 26% pretendem descansar.

Os números da Abih confirmam a preferência pela tranquilidade. No Mato Grosso do Sul, a ocupação está em 95% nas regiões do Pantanal e no município de Bonito (MS) e 75% em Corumbá. No Pará, os municípios próximos a Belém registram procura em torno de 90%. No Sul, a taxa de ocupação deve chegar a 75% em Florianópolis (85% nos hotéis da região de praias) e a 85% em Foz do Iguaçu (PR) e no litoral paranaense.

Destino turístico tradicional em todas as épocas do ano, a Serra Gaúcha também registrará movimentação alta no carnaval. Na Região das Hortênsias, que abrange Gramado e Canela, a ocupação deve chegar aos 100%. Na Região dos Vinhedos, em Bento Gonçalves e arredores, a taxa esperada está em 70%. Fonte:(Agência Brasil)

Itália isola cidades atingidas pelo coronavírus, e Irã anuncia que teve 12 mortos pela infecção


Mulheres usam máscaras para se proteger do coronavírus na praça da catedral de Milão, na Itália, em 23 de fevereiro de 2020 — Foto: Andreas Solaro / AFPMulheres usam máscaras para se proteger do coronavírus na praça da catedral de Milão, na Itália, em 23 de fevereiro de 2020 — Foto: Andreas Solaro / AFP

Mulheres usam máscaras para se proteger do coronavírus na praça da catedral de Milão, na Itália, em 23 de fevereiro de 2020 — Foto: Andreas Solaro / AFP

Uma alta de novos casos de infecção pelo Covid-19, o coronavírus, em países como a Itália, a Coreia do Sul e o Irã nesta segunda-feira (24) aumentou o receio de que haja uma pandemia da doença.

O vírus infectou cerca de 77 mil pessoas e já matou mais de 2.500 na China, onde ele se originou no ano passado.

Na Itália, 7 mortes foram confirmadas, no Irã, 12, e na Coreia do Sul, 7 (veja mais abaixo).

A polícia faz pontos de controle em torno de 11 cidades do norte da Itália que estão em quarentena, em uma tentativa de controlar o vírus Covid-19.

Há 43 locais onde há restrições à entrada e saída, e quem infringir a proibição poderá enfrentar penas que chegam a três meses de prisão. Fonte:G1.

Um em cada cinco governadores eleitos em período alvo da Lava Jato já foi preso


Entre os 46 eleitos para governos em 2010 e 2014, que deveriam encerrar seus mandatos até 2018, dez já foram presos

[Um em cada cinco governadores eleitos em período alvo da Lava Jato já foi preso]
Foto : José Cruz/ Agência Brasil

Um em cada cinco governadores eleitos em 2010 e 2014, os dois pleitos mais marcados por operações policiais como a Lava Jato, já foi preso em investigações deflagradas nos últimos cinco anos. A informação é de levantamento da Folha de S. Paulo.

Entre 46 eleitos para governos em 2010 e 2014, que deveriam encerrar seus mandatos até 2018, dez já foram presos.

O levantamento engloba os eleitos nestes anos porque a arrecadação financeira dessas campanhas esteve no centro de depoimentos de delação premiada que motivaram operações da Polícia Federal nos últimos anos.

A prisão mais recente foi a do paraibano Ricardo Coutinho (PSB), que ficou detido por dois dias em dezembro após Operação Calvário, que apura irregularidades na saúde e na educação do estado. Ele havia sido denunciado, em janeiro, sob a acusação de liderar uma organização criminosa responsável por movimentar R$ 134 milhões. Com informações do METRO1.

Homem morre em foguete caseiro que tentava provar que ‘a Terra é plana’


Homem morre em foguete caseiro que tentava provar que 'a Terra é plana'

Foto: Reprodução/Twitter

Um piloto americano morreu, neste sábado (22), depois de seu foguete caseiro cair, logo após a decolagem, no deserto da Califórnia. Conhecido por defender que a Terra é plana, Mike Hughes (64), lançaria o próprio foguete para provar sua teoria.

 

Hughes fez fama como terraplanista, mas seu porta-voz, Darren Shuster, afirmou ao jornal Los Angeles Times que isso era apenas uma estratégia publicitária para chamar atenção.

 

Em um vídeo no Twitter é possível ver o momento do lançamento e um paraquedas se soltando do foguete segundo após a decolagem.

 

Justin Chapman@justindchapman

Mad Mike Hughes just launched himself in a self-made steam-powered rocket and crash landed. Very likely did not survive.

Vídeo incorporado

10,4 mil pessoas estão falando sobre isso

Flávio Dino defende que “PT e Lula são fundamentais em qualquer articulação do campo progressista”


“Nós teremos certamente em 2022 uma frente política plural disputando as eleições, representando o pensamento progressista no Brasil”, disse Dino

Lula e Flávio Dino (Reprodução/Twitter)

Em entrevista à BBC Brasil, o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB) afirmou que ele e o presidente Lula compartilham convicções em defesa da democracia apesar da atual conjuntura política marcada por extremismos e belicismos. O governador e o presidente dialogam sobre a ampliação da esquerda no Brasil, a retomada de um programa que fale para o futuro do país – uma espécie de programa de desenvolvimento, que recupere marcas exitosas do período em que Lula foi presidente.

Flávio Dino acredita que a formação de uma frente ampla a favor da democracia deve acontecer com Lula e o PT. “Tenho a visão de que, progressivamente, o PT, que é elemento fundamental em qualquer articulação do campo progressista, democrático, popular do Brasil, da esquerda de modo geral, o próprio presidente Lula como a principal liderança popular do país, vão ajudar ainda mais para que isso aconteça”, defendeu Dino à BBC.

Durante a entrevista à BBC, ele falou sobre processos marcados por muitas ilegalidades desde o impeachment da presidenta Dilma Rousseff. “Como professor de Direito Constitucional, eu tenho convicção profunda de que não havia nenhuma base legítima juridicamente falando para o impeachment. E logo em seguida a condenação igualmente infundada, sem provas, sem razão que acabou levando o presidente Lula a uma prisão arbitrária, ilegal”, disse o governador.

Frente Ampla já existiu
Flávio Dino defende a formação de uma frente ampla no Brasil que, segundo ele, já aconteceu em outros momentos no país e no mundo. Ele cita as amplas uniões de forças políticas como a Concertación Chilena, a Frente Ampla Uruguaia, além das alianças em Portugal e na Espanha.

No caso brasileiro, Dino lembra as conquistas históricas que foram fruto de alianças amplas. “Podemos lembrar desde Getúlio Vargas, que era sustentado por uma aliança do PTB com o PSD, que era o partido mais ao centro, e toda a esquerda praticamente, e nos legou uma série de ferramentas fundamentais para o desenvolvimento. E mais recentemente o próprio período do governo do presidente Lula, tendo o José Alencar como vice. Esse caminho da unidade é um caminho que tem trazido vitórias ao programa de mudanças, de transformação social que nós defendemos”, disse Dino.

 

Vídeo mostra Cid Gomes tomando soco no rosto ao negociar com PMs amotinados


Um vídeo divulgado nesta quinta-feira (20) revela que o senador Cid Gomes (PDT-CE) tomou um soco no rosto de um dos amotinados enquanto negociava uma tentativa de colocar fim ao motim de policiais militares em um quartel de Sobral, no Ceará.

As imagens, gravadas em um ângulo lateral mostra um dos PMs amotinados, que está mascarado, sair de trás dos demais e dar um soco no rosto do senador.

“Essa greve é ilegal. Vocês tem cinco minutos para pegarem os seus parentes e sair daqui em paz”, disse Cid antes de ser interrompido pelos manifestantes encapuzados que se amotinaram em quartel.

Na sequência, o senador sobe em uma retroescavadeira e parte para cima dos policiais, quando é atingido por dois tiros.

Com informação da Revista Fórum,

Ascensão de Bolsonaro transformou o Brasil em nação de patifes, diz Veríssimo


De Luis Fernando Veríssimo no Estado de S.Paulo.

“Apatifar”, nos diz o Aurélio, significa tornar desprezível, aviltar, envilecer. Pessoas se apatifam, nações inteiras podem se apatifar, ou serem apatifadas. O mundo hoje vive uma assustadora onda de contágio viral que, espera-se, acabará controlada ou, eventualmente, desaparecerá. Já patifaria não mata, mas também contagia, com a diferença de que não tem nem perspectiva de cura. 

É impossível observar o Brasil de hoje sem a sensação de estar assistindo a uma pantomima tragicômica, à decomposição de um Estado que, dissessem o que dissessem de governos anteriores – inclusive os lamentáveis -, mantinha, pelo menos, a linha, o que é mais do que se pode dizer da atuação de Bolsonaro & Filhos no palco do poder. 

(…)

O apatifamento de uma nação começa pela degradação do discurso público e pela baixaria como linguagem corriqueira, adotadas nos mais altos níveis de uma sociedade embrutecida. Apatifam-nos pelo exemplo. Milícias armadas impõem sua lei do mais forte e mais assassinos com licença tácita para matar. Há uma guerra aberta com a área de cultura e a ameaça de um retrocesso obscurantista nas prioridades de um governo que ainda não aceitou Copérnico, o que dirá Darwin. Aumentam os cortes de gastos sociais, além de cortes em direitos históricos dos trabalhadores. Aumenta a defloração da Amazônia. Aumentam as ameaças à imprensa. 

 

 

Por que os petroleiros em greve estão vendendo botijões de gás por R$ 30?


Petroleiros em greve vendem botijões de gás a preço justo (metade do valor praticado pelo mercado) e formam multidão.

petroleiros em greve botijão gás
Petroleiros em greve vendem botijão de gás por até R$ 30 (Imagem: Alexandre Finamori/Sindipetro)

 

 

Os petroleiros do país estão em greve desde o 1º dia de fevereiro e já é a maior greve desde 1995, quando paralisaram as suas atividades por 32 dias. São 113 unidades do Sistema Petrobras em greve, em 13 estados do país, com adesão de mais de 20 mil petroleiros, de acordo com a Federação Nacional de Petroleiros (FNP). A principal pauta é o fechamento da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados (Fafen-PR), localizada em Araucária (PR), que terá como consequência a demissão de mil funcionários diretos, perda de arrecadação para o município e o estado do Paraná e o aumento da dependência de importações de fertilizantes no país que se diz o celeiro do mundo (saiba mais aqui).

Mas a greve também é contra toda a privatização que assola a Petrobrás e as suas perigosas consequências. O que a direção da Petrobras chama calhordamente de “desinvestimentos”, que no bom português significa privatizações, já acumula cerca de US$ 30,1 bilhões desde 2016 (ou R$ 130,3 bi, no câmbio de hoje), ano onde houve uma virada na política da estatal. Os brasileiros já perderam ativos (total ou parcialmente) como a BR Distribuidora, TAG, Liquigás, incontáveis campos de petróleo e ainda pretendem vender muito mais, como metade do parque de refino do país, pertencente à Petrobras, todas extremamente lucrativas e eficientes.

Mas a análise pormenorizada do processo de privatização, fundamental no debate público, não será tratada aqui. Neste artigo quero falar sobre uma questão específica, que tem tudo a ver com esta privatização e a diminuição do peso da Petrobras no setor de refino e distribuição, a política de preços para os produtos refinados e como isto aumentou imensamente os preços dos combustíveis e do gás de cozinha.

Dois meses depois do impeachment da presidente Dilma, Pedro Parente, que assumiu a presidência da Petrobras nomeado por Michel Temer e com todo apoio do mercado, mudou a política de preços para os produtos resultantes do refino de petróleo da estatal. Apesar dos preços dos produtos do setor de petróleo e derivados serem livres desde 2002, o peso da estatal, que possui 98% da capacidade de refino do país, acaba determinando o seu preço, e por isto a política da Petrobras é tão importante para a formação do preço da gasolina, diesel e botijão de gás.

A nova política de preços da estatal passou a ter como base “dois fatores: a paridade com o mercado internacional – também conhecido como PPI e que inclui custos como frete de navios, custos internos de transporte e taxas portuárias – mais uma margem que será praticada para remunerar riscos inerentes à operação, como, por exemplo, volatilidade da taxa de câmbio e dos preços sobre estadias em portos e lucro, além de tributos” (Fatos e Dados, Petrobras). Ou seja, ao invés de levar em consideração o mercado interno e o custo de sua produção, o preço destes produtos passaram a variar junto com a Europa e EUA. O primeiro efeito desta mudança foi um imenso aumento nos preços, como pode ser visto nos gráficos 1 e 2.

Gráfico 2 – Preço médio do botijão de gás (GLP) em Reais no território nacional (ago/16 a fev/20)

Como podemos ver, desde a entrada de Temer, em agosto de 2016 (a adoção da política de preços foi feita dois meses depois) houve um aumento de 32% no gás de cozinha, 25% na gasolina e 19% no diesel-10. Além disto, houve momentos onde o preço ficou ainda maior, como outubro de 2018, onde os valores chegaram a um aumento acumulado de 29% e 20%, se comparado ao mesmo mês inicial.

Na justificativa para a adoção desta nova política, estava que a Petrobras perdia dinheiro por não vender seus produtos tão caros quanto no mercado internacional, prejudicando seus acionistas. Mas por que este argumento não é suficiente?

A Petrobras é uma empresa pública, formada com tributos pagos por brasileiros, em um contexto onde a iniciativa privada não dava conta da exploração e produção de petróleo no país. Na década de 1950, a iniciativa privada era incompetente para o assunto, e apenas com a criação de uma estatal o país passou paulatinamente a ser uma referência internacional na produção de petróleo, chegando à níveis tecnológicos de ponta para a produção em águas profundas e ultra-profundas (como no pré-sal). Sendo assim, a Petrobras deve servir ao povo, e não a uma pessoa que comprou um punhado de ações desta empresa.

Hoje, 95% dos domicílios brasileiros consomem o gás de cozinha. O aumento de 32% no preço do botijão, jogou pessoas de volta ao fogão à lenha – só na década de 1990 que mais brasileiros passaram a cozinhar com o gás de cozinha do que com lenha (!!!). Quando aumenta o preço do botijão, todas as famílias passam a pagar mais para consumir aquele mesmo produto, o que faz diminuir a renda disponível na economia, transferindo riquezas das famílias para os acionistas da Petrobras. O mesmo ocorre para a gasolina e o diesel, como todas as mercadorias e serviços precisam de deslocamento, em qualquer economia o aumento deste produto tem um efeito cascata, prejudicando todo o restante da sociedade.

Não só, um outro objetivo desta elevação de preços foi permitir que outras empresas entrassem neste mercado. Sim, a Petrobras – desde a gestão de Pedro Parente – trabalha explicitamente para compartilhar o seu mercado com outras empresas (insanidade, entreguismo ou interesses pessoais?). Só em 2019, houve um aumento de 71,4% nas importações de gasolina, transferido uma produção nacional para outro país. Além disto, o aumento a partir da política de preços ainda permitiu que outras empresas crescessem em cima da Petrobras, com aumento da participação de mercado da Raízen (Shell e Cosan) e da Ipiranga. Ou seja, o brasileiro pagou mais, a produção passou a ser ainda mais importada (levando empregos para fora) e a Petrobras ainda perdeu participação de mercado. É uma maravilha para as empresas privadas e estrangeiras!

Por fim, sequer a política de preços é tecnicamente razoável. Em nota técnica (Nota Técnica nº 027/2019/SDR), a ANP sugere que a adoção do mercado europeu (para o GLP esta é a referência) como referência para o gás de cozinha, além de não fazer sentido, pois o maior produtor e exportador do mundo são os EUA (inclusive para o Brasil), fez o preço do gás de cozinha aumentar em 12%. Ou seja, “imprecisões” técnicas agravam ainda mais o problema, piorando a vida do trabalhador brasileiro.

Por isto petroleiros em greve em todo o país estão vendendo botijões de gás por R$30, R$32 e R$40, para dizer que é possível vender combustível e gás no país por um preço justo, onde não piore a vida do brasileiro! E que é fundamental que a Petrobras continue estatal, pois só assim ela poderá garantir que haja preços razoáveis para o mercado brasileiro, pois se dependermos de empresas privadas, só o lucro importará.

*Eric Gil Dantas, economista do Instituto Brasileiro de Estudos Políticos e Sociais do Brasil (IBEPS), é doutor em Ciência Política pela UFPR.