Dias Toffoli diz que Operação Lava Jato destruiu empresas


O presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, fez uma crítica severa à Lava Jato ao destacar em entrevista que a operação destruiu empresas, criticou a falta de transparência do Ministério Pùblico e fez restrições à fala de Jair Bolsonaro em que este afirmou que mandaria ao pau-de-arara, um método bárbaro de tortura, um ministro que descobrisse ser corrupto

Dias Toffoli (Foto: Carlos Moura/SCO/STF (07/11/2019))

De acordo a matéria publicada no 247, para o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF),Dias Toffoli, a Operação Lava Jato destruiu empresas. Em seu entendimento, a operação “foi muito importante, desvendou casos de corrupção, colocou pessoas na cadeia, colocou o Brasil numa outra dimensão do ponto de vista do combate à corrupção, não há dúvida”. “Mas destruiu empresas”, afirmou.

O presidente da corte suprema criticou o MInistério Pùblico por falta de transparência e defendeu pontos de vista contrários aos de Jair Bolsonaro, quando este defende a tortura.

As declarações de Toffoli foram dadas em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo.  

Toffoli faz, além das críticas à Operação Lava Jato,  digressões sobre a evolução da vida política nacional. “O Brasil vinha de governos de centro e centro-esquerda. E mudou para um governo de direita. Então houve, depois da redemocratização, uma primeira vitória da direita com o apoio da extrema-direita”.

O presidente do STF diverge abertamente do ex-juiz Sergio Moro, atual ministro da Justiça do governo de extrema-direita de Jair Bolsonaro, sobre a proibição da prisão depois da sentença de segunda instância.

Segundo Moro, a decisão do Supremo diminuiu a percepção da população de que o combate à corrupção diminuiu.

“Isso [a opinião de Moro] não tem o menor sentido. O STF julgou o ‘mensalão’, condenou várias autoridades, vários empresários, inclusive banqueiro. Foi dali que começou todo esse trabalho de combate à corrupção, e (tiveram início) os projetos de lei que levaram a esse arcabouço jurídico, às normas de lei de combate ao crime organizado. Então, o Supremo está firme no combate à corrupção. Não é uma decisão que faz cumprir a Constituição que vai surtir efeito numa percepção quanto à corrupção”, afirmou Toffoli.

Fonte 247.

Error, no Ad ID set! Check your syntax!

Rui Costa diz que Lula deve voltar a ser “conciliador nacional”


“Acho natural que quem ficou preso um ano injustamente faça declaracões duras. Mas o Lula governou o país durante oito anos como um conciliador. Acho que ele, independentemente de qualquer questão eleitoral, vai voltar ao leito de ser um conciliador nacional”, diz o governador da Bahia, que se coloca como um nome para disputr a eleição presidencial de 2022

Ex-presidente Lula e Rui Costa
Ex-presidente Lula e Rui Costa (Foto: Felipe L. Gonçalves/Brasil247 | GOVBA)

 Para quem deixou o segundo mandato de presidente da República com 87% de aprovação da sociedade brasileira, é natural que seja considerado o presidente que mais agradou “gregos e troianos” em toda história. É natural também que seja visto como o presidente que mais fez pelo país, onde todos ganharam, mudando assim a cara do país. Se a sua aprovação popular caiu ao longo dos anos, após a sua saída, a ponto até de prendê-lo, apesar de não apresentarem provas de nem um crime, certamente o seu prestígio vai começar a voltar, como uma espécie de novelo de barbante que depois de passar algum tempo enrolado, na tentativa de esconder o que fosse conveniente para muitos interessados no poder, como aconteceu, começa a ser desenrolado e as verdades começam a aparecer.

Em entrevista concedida à Folha de S. Paulo, o governador Rui Costa, da Bahia, que se coloca como um dos nomes do PT para a disputa presidencial em 2022, defende que o ex-presidente Lula volte a atuar como o grande conciliador nacional, como foi durante anos.

As pessoas não querem conversar mais. As pessoas estranham quando dois políticos adversários conversam. Torcida única em estádio virou lugar-comum, é um retrocesso gigantesco. Isso é um mal”, afirma ainda o governador baiano, que fez dura crítica ao radicalismo bolsonarista.”Temos de ser diferentes deles. Temos de pregar a pacificação do país, cortar a discriminação e o ódio. Antes, as pessoas tinham vergonha de manifestar preconceito. Agora parece que têm orgulho.
Certamente essas pessoas existiam, mas ficavam no armário. Precisamos que elas voltem para seus armários.”

Fonte desta matéria Brasil 247.

“Delator” de Lulinha é ex-funcionário do Grupo Folha e fez chantagem antes de procurar mídia


Lulinha. Foto: Reprodução

Segundo o DCM a Lava Jato em Curitiba tem contra Lulinha um delator informal, considerado a testemunha-chave da operação Mapa da Mina: Marco Aurélio Vitale, ex-sócio de Jonas Suassuna no Grupo Gol.

Suassuna é um dos donos do sítio de Atibaia e sócio de Lulinha no Grupo Gamecorp. Vitale, depois que teve problemas com a Receita Federal, decidiu divulgar o que sabia dos bastidores da relação empresarial entre o filho do ex-presidente Lula e seus sócios.

Ele, então, escreveu um livro, chamou atenção da mídia, e de repente viu-se auxiliando a Lava Jato em Curitiba.

Vitale, segundo a Folha desta sexta (13), foi “quem ajudou os investigadores da Polícia Federal a levantar indícios contra o filho do presidente em negócio [do Gamecorp] com as empresas de telefonia Oi e Vivo.”

O delator informal, e dados levantados pela operação Aletheia, de março de 2016, são tudo o que a Lava Jato tem, até o momento, contra Lulinha.

Vitale fez carreira na imprensa. Foi “funcionário do Grupo Folha de 1992 a 2001 na área comercial, sem ligação com a Redação, e passou por outros veículos em funções semelhantes”. Essa trajetória, segundo o jornal, despertou “desconfiança” em Lula, que chamou Vitale de “capa preta” na única vez em que se viram pessoalmente, em 2011.

Como os negócios do Grupo Gol são privados, a Lava Jato não tinha condições de investigar algo que chegasse em Lulinha. Mas uma brecha foi aberta quando Vitale começou a falar de contratos que dariam cobertura aos repasses que os investigadores tacham de suspeitos.

Em 2017, Suassuna negou as suposições feitas por Vitale e o acusou de tentar “chantageá-lo antes de procurar a imprensa. Disse também que processaria o ex-funcionário.”

A testemunha, depois daquele espaço na mídia, mostrou aos investigadores “emails trocados entre executivos das empresas que indicavam que o resultado comercial para a Oi dos produtos feitos pelo Grupo Gol eram baixíssimos, comparados à contrapartida dada pela companhia telefônica.”

O delator só começou a falar sobre os negócios de Suassuna quando “após ser chamado pela Receita Federal para explicar uma operação financeira em seu nome com uma empresa de Suassuna.”

“Auditores fiscais passaram a perguntar sobre outras transações das firmas do ex-chefe e ele respondeu a todas. Foi quando, disse ele, decidiu expor os problemas que via na atuação do Grupo Gol. O caso que o levou ao Fisco foi arquivado.”

A Lava Jato diz hoje que R$ 130 milhões que o Grupo Gamecorp recebeu ao longo de mais de 10 anos da empresa Oi/Telemar, teriam relação com decisões tomadas por Lula no governo federal. E que parte desse dinheiro teria sido usado para a compra do sítio de Atibaia.

A operação Mapa da Mina, deflagrada nesta semana, tenta encontrar evidências que provem essa teoria criada pela turma de Curitiba.

Os assuntos da Gamecorp, com suposto envolvimento de Lula, já foi investigado em Brasília e São Paulo, e os inquéritos acabaram arquivados em 2012, por falta de provas.

Fonte DCM.

Jovem Pan recontrata Villa e pode romper com bolsonarismo


Depois de demitir o comentarista Marco Antonio Villa, que vinha se notabilizando por críticas ácidas ao bolsonarismo, a rádio Jovem Pan decidiu recontratá-lo, no que pode representar um rompimento do grupo de comunicação com o governo de extrema direita.

Vale lembrar que todos os canais de TV abertos, estão sob Bolsonaro. E se algum jornalista colocar as manguinhas pra fora ele perde o emprego. É assim que está o governo e a mídia no Brasil. E a informação para o povo, da maneira que deve ser, chega através dos sites que tem compromisso, não com o Bolsonaro, mas sim com o povo brasileiro.

Projeto Panflix explica o afastamento de Villa
Projeto Panflix explica o afastamento de Villa

De acordo a matéria veiculada no Brasil 247, o apresentador Marco Antonio Villa, que havia sido demitido da Rádio Jovem Pan no final de junho, anunciou o seu retorno à emissora nas redes sociais. Villa teria sido demitido em função de suas críticas ao governo Jair Bolsonaro e sua volta pode representar um rompimento do grupo de comunicação com o bolsonarismo e o neofascismo.

Segundo reportagem do UOL, os últimos detalhes acerca da recontratação do apresentador foram feitos nesta sexta-feira (13), em uma reunião com Tutinha e Marcelo de Carvalho, os donos da emissora. Villa deverá participar do programa Jornal da Manhã, veiculado diariamente pela emissora, ao lado de Rodrigo Constantino. A contratação de Villa deverá ser formalizada na próxima semana.

“Acabamos a reunião. Fechamos. Começo dia 6 de janeiro, participando do ‘Jornal da Manhã’, inclusive colocando ao público o ‘Pergunte ao Villa’, e alguma coisa a mais no Grupo Jovem Pan, que agora é muito mais do que rádio. Está tudo certo, tudo acordado, falta só assinar, mas a palavra é que vale. Fui muito bem recebido”, disse Villa, conforme a reportagem. . Este período até a reestreia será utilizado para algumas providências. O contrato, inclusive, já será assinado na próxima semana.

Desmatamento na Amazônia aumenta 104% em novembro, aponta Inpe


A verdade é que se não for tomada uma providência em nível de planeta, com todos os continentes interessados, certamente há uma tendência de ser o fim da Amazônia em pouco tempo. Imaginem um queijo grande, mas que uma quantidade grande de ratos querem devorá-lo. Ainda que o queijo sela imenso, logo ele será eliminado.
Desmatamento de áreas nativas e de florestas em regeneração em fazendas do Mato Grosso. Foto: ARQUIVO IBAMA

Da Folha:

De acordo ao Site DCM,o desmatamento mensal na Amazônia voltou a ter um aumento acentuado. Em novembro, a destruição do bioma medida pelo Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) cresceu 104% em relação ao mesmo mês do ano passado.

Até o momento, houve um aumento de 84% no desmate em 2019 em comparação com o período de janeiro a novembro de 2018.

Os dados são do Deter (sistema de Detecção do Desmatamento em Tempo Real), do Inpe. O sistema visa auxiliar as ações do Ibama de combate à destruição da floresta. Mesmo não servindo especificamente para medir o desmate, o sistema pode ser usado para apontar tendências de retração ou expansão da derrubada de mata.

Desde o fim do ano passado, o Deter já vinha apontando um crescimento acentuado no desmatamento. Alertado sobre os dados, o governo Jair Bolsonaro os questionou. O caso culminou na demissão do então diretor do Inpe, Ricardo Galvão, em agosto.

 

 

Um giro pela região. Fique sabendo dos fatos


Vitória da Conquista: Depois de 20 dias no hospital, mulher vítima de atropela morre

Todo cuidado é pouco, como diziam os saudosos mais velhos e experientes: Internada no Hospital Geral de Vitória da Conquista desde o mês passado, faleceu na tarde desta quinta-feira (12) o jovem Ellen Caroline. Ela foi vítima de atropelamento na Zona Sul, quando foi socorrida pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU). O corpo foi levado ao Necrotério do Departamento de Polícia Técnica para necropsia. Informações sobre velório e sepultamento não foram divulgadas.

Homicídio no Nova Esperança: homem de 29 anos foi morto a tiros na Zona Leste de Vitória da Conquista

Foto: BLOG DO ANDERSON

O homem precisa conhecer a si só melhor do que conhece. O Homem precisa saber que se ele é capaz de matar, também é capaz de segurar a onda, deixar passar o minuto do pico e desarmar, ou nem pegar a arma. Quase todos os homicídios têm como ser evitado, menos àquele que acontece para defender a honra da sua família, tipo “matei pra não vê a minha família morta”. Fora disto, dá pra segurar a onda, se calar, não alimentar nem o seu próprio ódio e nem o de quem lhe provoca. Sair fora do local do atrito, não quer dizer que é covardia de quem sai, mas sim inteligência.

Nesse caso aí, que foi noticiado pelo Blog do Anderson, um perdeu a vida e o outro perdeu, possivelmente, a matéria não soube do motivo do crime, mas possivelmente perdeu a liberdade sem contar os danos aos familiares de ambas as partes.

A verdade, como disse aí o BLOG DO ANDERSON, é que um matou e o outro morreu. Após os deferimentos o estado de saúde do homem de 29 anos baleado no Nova Esperança, bairro Alto Maron, Zona Leste de Vitória da Conquista, foi grave e ele não resistiu. A vítima identificada como Robson Almeida Alves, chegou a receber socorro pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) no local do atentado na noite desta quinta-feira (12). O corpo foi removido ao Necrotério do Departamento de Polícia Técnica. A 77ª Companhia Independente de Polícia Militar registrou a ocorrência que será investigada pela Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoas.

Com informação do Blog do Anderson.

Ônibus da Águia Branca que iria para Conquista com 50 passageiros cai em ribanceira

Uma carreta carregada de sucatas bateu de frente com um ônibus na noite desta quinta-feira (12) na BR 116, próximo a Serra de Belvedere, segundo informou o Blog do Rodrigo Ferraz.

O ônibus é da Viação Aguia Branca prefixo 13984, modelo Paradiso G7 1200 Mercedes-Benz 0-500RSD e tinha com destino final a rodoviária de Vitória da Conquista.

Uma equipe da Viação Aguia Branca segue acompanhando a ocorrência e prestando atendimento necessário. Um outro ônibus, está sendo deslocado para a região, afim de que possa transportar os passageiros com segurança até o destino final.

As causas do acidente serão apuradas pela Polícia Rodoviária Federal e Corpo de Bombeiros. De acordo com as primeiras informações, cerca de 50 pessoas estavam no ônibus, e apenas uma sofreu ferimentos graves. Elas foram socorridas por equipes do SAMU e Corpo de Bombeiros e encaminhadas para os hospitais de Muriaé.

Neste momento o trânsito encontra-se interditado nos dois sentidos. Não há informações de óbitos. A Polícia Rodoviária Federal e Polícia Militar estão no local. Rádio Muriaé. Com informações do Blog do Rodrigo Ferraz.

PRF prende família flagrada com 15 kg de crack na BR 116, próximo a Nova Itarana

Na madrugada de hoje (13), em fiscalização de combate à criminalidade na BR 116 KM 566, região do município baiano de de Nova Itarana, a Polícia Rodoviária Federal abordou um veículo com placa de Cuiabá (MT), ocupado por um condutor, sua namorada e filho, de um ano e cinco meses, e um adolescente de 17 anos. Durante a abordagem, o condutor demonstrou contradições e aparentava estar muito nervoso, o que chamou a atenção da equipe.

Foi então iniciada fiscalização minuciosa e encontrados no interior do encosto do banco traseiro 15 tabletes de substância semelhante ao crack, com o peso total aproximado de 15 kg. Exatamente no banco onde a droga estava, encontrava-se o filho do condutor em sua cadeirinha, um bebê de 01 ano e 05 meses.

Ao ser questionado, o condutor relatou que saiu da cidade de Cuiabá (MT) com destino à Maceió (AL), onde entregaria a droga em um posto de combustível. Alegou também que receberia pelo transporte do ilícito a quantia de R$ 7.000,00.

Diante dos fatos, o condutor e a namorada, juntamente com a droga foram encaminhados à Polícia Judiciária na cidade de Nova Itarana. A equipe acionou ainda o Conselho Tutelar para as providências cabíveis em relação ao bebê, filho do casal, e o adolescente de 17 anos, por estarem em situação de risco.

Fonte Ipiau On-line.

Fiz campanha para Bolsonaro, mas me arrependi, diz Vermelho


Em entrevista à revista Veja, divulgada no site nesta sexta-feira (13), Walter Delgatti Neto, o “Vermelho”, preso em Araraquara (SP) como responsável pelas gravações reveladas pelo site The Intercept na série de reportagens da Vaza Jato, diz que fez campanha para Jair Bolsonaro, mas se arrependeu depois.

“Fiz campanha para o Bolsonaro e me arrependi depois”, disse Delgatti em entrevista no dia 6 no Fórum Professor Júlio Mirabete, onde funciona o Tribunal de Justiça do Distrito Federal.

O hacker disse que, entre as mais de 80 autoridades que teria invadido as contas do Telegram, estão duas contas de Bolsonaro e dos filhos, Carlos, Eduardo e Flávio. No caso de Bolsonaro não há registros, segundo o hacker, por que ele não usava o Telegram.

Delgatti diz ter usado um print das telas com conversas de Carlos e Eduardo para convencer a deputada Manuela D’Ávilla que havia colhido provas de ações para impulsionar mensagens de WhatsApp em favor de Bolsonaro durante a campanha presidencial. “Eu procurei a deputada porque sabia que ela era contra a Lava-Jato devido à ideologia”, afirmou.

Com informações da Fórum.

 

 

 

 

 


las ocorreram em 26 estados do país, que também registraram 2,4 mil casos de hospitalização, de acordo com os Centros para Controle e Prevenção de Doenças (CDC). Surto começou em março deste ano e parece estar ligado a um dos componentes inalados.

 

Usuário de cigarro eletrônico; doença pulmonar não identificada está ligada ao produto — Foto: Christopher Pike/Reuters

Num levantamento do G1,o número de mortes causadas por doenças ligadas ao uso do cigarro eletrônico chegou a 52 nos Estados Unidos. De acordo com o Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC, em inglês) do país, até terça-feira (10) foram registradas mortes em 26 estados. No país inteiro já são 2.409 casos de hospitalização por essas mesmas doenças.

A maioria dos pacientes disse ter fumado produtos de cigarro eletrônico (vaping) que contêm o princípio ativo THC. Trata-se do ingrediente que produz os efeitos mais nocivos da maconha. Autoridades do governo dos Estados Unidos estão investigando mais intensamente o comércio ilegal desta substância.

No mês passado, autoridades norte-americanas disseram ter encontrado um culpado para o surto – um componente químico chamado acetato de vitamina E, que foi identificado nos pulmões de pacientes doentes e nos produtos que fumaram.

Trata-se de um agente químico que serve para engrossar a mistura inalada junto com os líquidos que contêm o THC.

Com informação do G1.

Vaping - Os perigos do cigarro eletrônico

Vaping – Os perigos do cigarro eletrônico

AI-5 completa 51 anos, entre repúdio à ditadura e defensores do autoritarismo


Só pra lembrar, foi montada nessa foto desse cidadão que a polícia o persegue, o rosto de Lula e muita gente saiu divulgando

o fake, achando que era verdade, como essa mentira,  muitas outras foram ingeridas no coração e na alma de muita gente” 

 

Como neste ano, o 13 de dezembro de 1968 também caiu em uma sexta-feira. Já era noite quando o ministro da Justiça, Gama e Silva, anunciou o resultado da 43ª reunião do Conselho de Segurança Nacional, no Palácio das Laranjeiras, no Rio de Janeiro. Os 24 integrantes do Conselho haviam discutido o Ato Institucional número 5, o AI-5, que abriu o período mais violento da ditadura iniciada em 1964. Passados 51 anos, autoridades ligadas ao governo falam com desenvoltura sobre o tema, admitindo até mesmo uma reedição, conforme o comportamento da oposição.

Imediatamente após o AI-5, o Congresso foi fechado. O ex-presidente Juscelino Kubitschek e o governador Carlos Lacerda foram presos. Ainda em dezembro, o Executivo solta a primeira lista de cassações, incluindo 11 deputados federais, entre eles Márcio Moreira Alves (MDB-RJ), cujo discurso, meses antes, foi visto como “estopim” para a radicalização do regime. O Congresso negou autorização ao governo para processar o parlamentar. Mas já havia uma escalada de protestos contra a ditadura, com manifestações de estudantes, greves operárias em Osasco (SP) e Contagem (MG) e a emblemática Passeata dos 100 Mil, em 26 de junho de 1968, no Rio de Janeiro.

A censura aos veículos de comunicação se ampliou, professores foram expulsos de universidades e artistas foram presos, casos de Caetano Veloso e Gilberto Gil, que acabaram deixando o país, assim como Chico Buarque – que não chegou a ser detido, mas passou por interrogatório – e Geraldo Vandré, que permaneceu escondido até sair do Brasil de forma clandestina, em fevereiro de 1969. Nesse ano, mais de 300 políticos tiveram os direitos políticos suspensos.

Repúdio

Um ato de repúdio está marcado para as 19h de hoje, na Câmara de São Paulo, convocado pelo vereador Antônio Donato (PT). “Vivemos em um estado democrático de Direito e não podemos aceitar manifestações que defendem a volta de um instrumento empregado pela ditadura militar que tomou o poder pelo golpe e governou o Brasil de 1964 e 1985”, diz a convocatória da manifestação.

Como já fizeram no ano passado, os integrantes do Coletivo Ato de Resistência apresentam, às 21h, a peça AI-5, uma reconstituição cênica. Atores interpretam os integrantes do Conselho de Segurança Nacional e “revivem” a reunião de 13 de dezembro de 1968. Desta vez, eles se apresentaram no espaço cultural A Próxima Companhia (rua Barão de Campinas, 529, Campos Elíseos, região central de São Paulo).

Filho do atual presidente, o deputado Eduardo Bolsonaro disse recentemente que, conforme o andamento das manifestações de rua, não se poderia descartar um novo AI-5. Dias depois, foi a vez de o ministro da Economia, Paulo Guedes, declarar que ninguém deveria se assustar se isso acontecesse.

Na reunião do Conselho de Segurança, em 1968, um defensor entusiasmado do AI-5 foi o ministro da área econômica, Delfim Netto, até hoje procurado para repercutir o noticiário. Ao se dirigir ao então presidente, general Artur da Costa e Silva, o ministro afirmou que não apenas estava “plenamente de acordo” com o ato, como considerava que ele era insuficiente. “Eu acredito que deveríamos atentar e deveríamos dar a Vossa Excelência, ao presidente da República, a possibilidade de realizar certas mudanças constitucionais, que são absolutamente necessárias para que este país possa realizar o seu desenvolvimento com maior rapidez”, afirmou.

Não sobra democracia

O vice-presidente, Pedro Aleixo, foi o único voto contrário. Ele propôs, antes da edição de um ato institucional, a decretação de estado de sítio, para uma análise da situação. E já antevia os efeitos do AI-5: “Porque, da Constituição – que, antes de tudo, é um instrumento de garantia de direitos da pessoa humana, de garantia de direitos políticos – não sobra, nos artigos posteriores, absolutamente nada que possa ser realmente apreciável como sendo uma caracterização do regime democrático”.

Ministro das Relações Exteriores, o banqueiro Magalhães Pinto admitiu que,  naquele momento, o país saía da legalidade. “Eu também confesso, como o vice-presidente da República, que realmente com este ato nós estamos instituindo uma ditadura. E acho que se ela é necessária, devemos tomar a responsabilidade de fazê-la”, afirmou. Em seguida, o ministro do Trabalho, coronel Jarbas Passarinho, dizia repugnar o caminho da ditadura, “mas parece que claramente é esta que está diante de nós”. E acrescentou: “Eu seria menos cauteloso do que o próprio ministro das Relações Exteriores, quando diz que não sabe se o que restou caracterizaria a nossa ordem jurídica como não sendo ditatorial, eu admitiria que ela é ditatorial. Mas, às favas, senhor presidente, neste momento, todos, todos os escrúpulos de consciência”.

Em texto recente, o escritor Luis Fernando Verissimo também chamou a atenção para os perigos à democracia. “Quando ameaçam, mesmo distraídos, com a volta do AI-5 estão pregando a volta de um terror de Estado que nada legitima ou perdoa, nem a teoria. Tem muita gente, claro, disposta a esquecer ou ignorar os horrores daquela época”, escreveu.

O que foi o AI-5:
  • O presidente da República podia decretar o recesso do Congresso, das Assembleias Legislativas e das Câmaras Municipais
  • Pelo “interesse nacional”, ao presidente também era permitido intervir em estados e municípios, “sem as limitações previstas na Constituição”
  • Para “preservar a Revolução”, que é como os defensores do golpe de 1964 chamavam o movimento, o presidente também poderia “suspender os direitos políticos de quaisquer cidadãos pelo prazo de 10 anos e cassar mandatos eletivos federais, estaduais e municipais”
  • A suspensão dos direitos políticos acabava com foro privilegiado e com o direito de votar e ser votado em eleições sindicais, proibição de atividades ou manifestação “sobre assunto de natureza política”, proibição de frequentar “determinados lugares”
  • Também era possível, por decreto, demitir, remover, aposentar servidores, empregados de autarquias, de empresas públicas e sociedades de economia mista, além de demitir, transferir para a reserva ou reformar militares e membros das polícias militares
  • O governo também poderia decretar estado de sítio e prorrogá-lo
  • Ficava suspensa a garantia de habeas corpus, “nos casos de crimes políticos, contra a segurança nacional, a ordem econômica e social e a economia popular”
  • Com informação do DCM.

Reinaldo: autoritarismo de Moro vai além da bolha da extrema direita e ambiciona ser um método


O jornalista Reinaldo Azevedo, em sua coluna no Portal UOL,  alerta que Sergio Moro “representa um risco real ao sistema de garantias individuais e públicas. Seu autoritarismo é mais instruído, vai além da bolha da extrema direita e ambiciona ser um método” .

“Moro é o insidioso que se esgueira nas dobras do combate à corrupção”.

“Ele tenta mudar os códigos, literais e metafóricos, do Estado democrático e de Direito.”

“Suas barbaridades passam por bom senso em certos setores da imprensa, severos com Bolsonaro, mas servis ao dito paladino da moralidade.”

“Na agressiva entrevista publicada pela Folha nesta quinta (12), Moro tem a ousadia, por exemplo, de atribuir ao STF a responsabilidade pelo fato de 50% dos entrevistados pelo Datafolha considerarem ruim ou péssimo o combate à corrupção levado a efeito pelo governo”.

“No país das balas perdidas do Rio e do massacre de Paraisópolis, em São Paulo, o ministro não se intimida, na entrevista, em insistir no excludente de ilicitude para fazer um aceno à extrema direita que lhe dá suporte nas redes sociais. Tenta fagocitar a plateia de seu chefe”.

“Na segunda (9), posou ao lado de uma escultura em que sua efígie é desenhada por cartuchos”.

“Este bezerro, adorado por setores da imprensa que confundem política com polícia, não é feito de ouro, mas de balas”.

Esse assunto faz lembrar um episódio de um cidadão de Brasília, como ele informou, um radialista, inclusive a sua foto de perfil no grupo era de quem estava num estúdio, quando questionado o por que dele defender tanto um governo que está vendendo, ou melhor, entregando as riquezas dos brasileiros para os americanos, ele respondeu que pode entregar tudo, não tem problema, mas a esquerda não entra mais, nem que seja decidido na bala. Foi quando um integrante do gurpo questionou sobre a agressividade, ele saiu do grupo.

Mas a coisa está bem assim. Muita gente não está mais torcendo para o melhor para o seu país, mas sim, preferem alimentar o ódio que foi implantado, onde tudo que vem do lado de Bolsonaro e Mor é aprovado. Isso é um perigo para a democracia e para o ser humano em geral. Fonte 247.

fique mais informado sobre o que está acontecendo. Veja essa vídeoa da TV 247.

Lava Jato não tem provas de corrupção contra Lulinha, admite procurador


Assim como nas investigações e acusações feitas contra o ex-presidente Lula, a força-tarefa da Lava Jato também não tem provas contra o filho do petista, Fabio Luis Lula da Silva, conhecido como Lulinha, e alvo de uma fase da operação deflagrada nesta terça-feira 10.

“Temos que aguardar o resultado das buscas, amadurecer esta investigação neste aspecto”, comentou o procurador Roberson Pozzobon, o mesmo que ficou conhecido por dizer, durante a apresentação do Power Point de Deltan Dallagnol, na acusação do triplex, que a força-tarefa ainda não tinha provas, mas convições de que Lula comandava um grande esquema de corrupção.

“A PF e o MPF sustentam que pagamentos podem estar relacionados à ação executiva do presidente Lula que permitiu a fusão da Oi com a Brasil Telecom. Até aqui, ainda não há documento que comprove a tese”, diz a Globo, em um teste analítico sobre a operação desta quarta, assinado por Thiago Herdy. “Obter essa prova é atualmente o maior desafio da investigação”, completa.

O destaque para a falta de provas foi observada pelo Jornal GGN, do jornalista Luis Nassif, que explica o caso:

Desde segunda (10), os procuradores de Curitiba têm vendido na grande mídia – que mesmo depois do dossiê do Intercept Brasil, segue sem nenhum senso crítico em relação à Lava Jato – a narrativa de que os negócios da Oi com o grupo Gamecorp, de Lulinha e sócios, precisam ser investigados.

A força-tarefa alega que é possível que algum dinheiro pago pela Oi à empresa ligada aos Lula, Suassuna e Bittar, tenha sido usado para comprar o sítio de Atibaia.

A hipótese é tudo o que a Lava Jato tem no momento. Foi para sair do campo da imaginação que deflagraram uma operação policial ostensiva, com mais de 40 mandados de busca e apreensão, na esperança de achar alguma coisa que prove que eles estão certos.

 

Fonte 247.

FRIGORÍFICO É ARROMBADO E ASSALTANTES LEVAM QUASE 400 KG DE CARNE NO OESTE DE SC


Um frigorífico foi arrombado na madrugada desta terça-feira (10), por volta das 2h35, na comunidade de Engenho Novo, interior de Capinzal (SC). Os suspeitos levaram aproximadamente 390 kg de carne.

A Polícia Militar foi acionada e constatou que as portas do local estavam arrombadas e o escritório estava revirado. Conforme informações da rádio Aliança, há a suspeita que os criminosos entraram pelo forro, desligaram o sistema de videomonitoramento e alguns fios do sistema de alarme.

A guarnição da PM gerou o boletim de ocorrência e acionou a Polícia Civil que irá investigar o caso.

A imagem pode conter: 1 pessoa

Nenhuma descrição de foto disponível.

A imagem pode conter: carro e texto

Acusado de assassinar Marielle, Ronnie Lessa pode ter sido alvo de queima de arquivo


Ronnie Lessa teria sido vítima de um suposto latrocínio 45 dias depois de ter disparado os tiros que mataram Marielle Franco e Anderson Gomes. Mas, policiais civil acreditam que caso pode ter sido uma tentativa de queima de arquivo

Polícia encontra 117 fuzis na casa de amigo de Ronnie Lessa, acusado de matar Marielle
Polícia encontra 117 fuzis na casa de amigo de Ronnie Lessa, acusado de matar Marielle

Da revista Fórum – Preso como responsável pelos disparos que assassinaram Marielle Franco e Anderson Gomes, o ex-PM Ronnie Lessa tomou um tiro no pescoço ao reagir a um suposto assalto 45 dias depois do dia do crime contra a vereadora do PSol. O caso foi registrado como latrocínio, mas há diversas lacunas no inquérito e, em sigilo, policiais civis afirmaram a Flávio Costa, do portal Uol, que há suspeitas de queima de arquivo.

No registro da investigação, Ronnie teria reagido a um assalto após estacionar seu carro em frente ao restaurante Varandas, no Quebra-Mar da Barra da Tijuca, zona oeste do Rio, no dia 27 de abril de 2018.

Alessandro Carvalho Neves, identificado como autor do crime, chegou em uma moto, parou próximo ao quiosque, sacou o revólver e anunciou o assalto. Lessa teria se desequilibrado na ação por usar uma prótese na perna esquerda e caiu. Um bombeiro, identificado como Maxwell Correia, que iria almoçar com Lessa, mandou o assaltante largar a arma, mas ele teria reagido atirando.

Dois disparos acertaram Lessa no pescoço e Maxwell na perna. O bombeiro ainda conseguiu acertar um tiro nas costas do assaltante, que fugiu, sendo preso em seguida e condenado a 13 anos e 4 meses no processo por latrocínio.

Leia a íntegra na Fórum

Fonte DCM

A imagem pode conter: texto

A imagem pode conter: 3 pessoas, pessoas sorrindo, texto

 

A imagem pode conter: texto

 

Presidente da Huawei disse que os EUA tratam a América Latina como quintal deles


De Maria Cristina Fernandes no Valor Econômico.

Em sua primeira entrevista à imprensa latino-americana, o CEO da Huawei, Ren Zhengfei, revidou a pressão americana contra a expansão da empresa no continente. “Os Estados Unidos tratam a América Latina como seu quintal. Nosso objetivo é ajudar a América Latina a sair desta armadilha e manter a soberania de seus países. A América Latina é o melhor lugar do mundo”.

A entrevista, que aconteceu na sede da Huawei, na cidade chinesa de Shenzhen, teve a participação da imprensa de seis países da América Latina. O Valor foi o jornal brasileiro presente. Outros seis órgãos da imprensa espanhola também participaram.

Ao comentar as perspectivas da Huawei em cada país, Ren Zhengei procurou convencer a opinião pública latino-americana das vantagens competitivas da China em relação aos Estados Unidos nas relações com o continente. “A tecnologia 5G chegará num momento em que falta impulso para o Brasil ultrapassar os Estados Unidos.”

Com informação do Dário do Centro do Mundo.

A imagem pode conter: 1 pessoa, barba e texto

A imagem pode conter: sapatos e texto

A imagem pode conter: texto

 

A imagem pode conter: comida e texto

Dino questiona ação contra filho de Lula: qual a relação entre Oi e Petrobrás?


O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), questionou a competência da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba para deflagrar uma operação contra um dos filhos do ex-presidente Lula, Luis Fabio Lula da Silva, o ‘Lulinha’.

“Qual a relação entre Vivo, Oi e Petrobras?”, indagou Flávio Dino, que foi juiz federal por 12 anos antes de entrar para a política. “É que na Petrobras as pessoas usam telefones?”, ironizou.

A investigação que baseou a fase da Lava Jato desta terça-feira 10 apura pagamentos da Oi para empresas ligadas a Lulinha e seus sócios. Segundo a Lava Jato, parte desses recursos pode ter sido usada para a compra do sítio de Atibaia, pelo qual Lula também já foi condenado pela 2ª instância.

“Não há ‘direito excepcional’ que explique essa competência eterna de Curitiba para julgar o presidente Lula e família. Sou a favor de investigações, mas com respeito às LEIS”, disse ainda Flávio Dino.

Flávio Dino
@FlavioDino

Qual a relação entre Vivo, Oi e Petrobras ? É que na Petrobras as pessoas usam telefones ? Não há “direito excepcional” que explique essa competência eterna de Curitiba para julgar o presidente Lula e família. Sou a favor de investigações, mas com respeito às LEIS.

fonte 247.