(77) 99152-6666

Cotada para Ministério da Saúde, médica perde preferência após áudio em que chama Bolsonaro de psicopata


Cardiologista era favorita para o cargo, mas gravação chegou ao conhecimento do presidente e fez ela perder o favoritismo

[Cotada para Ministério da Saúde, médica perde preferência após áudio em que chama Bolsonaro de psicopata]
Foto : Reprodução/CNN

A cardiologista Ludhmila Hajjar, cotada para assumir o cargo de Eduardo Pazuello no Ministério da Saúde, perdeu a preferência na lista de nomes avaliados pelo presidente da República, Jair Bolsonaro (Sem partido). De acordo com informações do jornal O Globo, os motivos são supostas declarações da médica nos últimos anos, incluindo um áudio atribuído a Ludhmila em que ela teria chamado Bolsonaro “psicopata”. O material chegou ao conhecimento de Bolsonaro no mesmo dia em que a médica se reuniu com o presidente.

No áudio, recebido por Bolsonaro após se encontrar com a cardiologista no Planalto, a interlocutora defende a eleição do governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), para presidente, chamando-o de “corajoso”. No início da pandemia da Covid-19, Caiado determinou medidas de restrição de circulação e confrontou Bolsonaro por declarações em que o presidente minimizava o impacto do vírus. “Nem sei o que vai acontecer com esse Brasil. Vai pegar fogo. Só sei que quero o Caiado presidente, só isso. Porque ele foi corajoso. Chega. Tem que cair esse JB. É um psicopata”, disse a mulher.

Nas redes sociais, seguidores do presidente reagiram com críticas à possibilidade de nomeação de Ludhmilla, citando um vídeo em que Hajjar aparece numa conversa com a ex-presidente Dilma Rousseff. A cardiologista também é criticada pela militância bolsonarista por defender posicionamentos que são consenso na comunidade científica, como a inexistência de um “tratamento precoce” eficaz contra a Covid-19, além da adoção de medidas de isolamento social.

De acordo com o colunista do jornal O Globo, dra. Hajjar não deve aceitar o convite para o ministério em função das discordâncias. Do Metro1

Error, no Ad ID set! Check your syntax!

Lula venceria Bolsonaro no segundo turno por margem folgada de 8 pontos percentuais, diz Pesquisa Atlas:


Pesquisa realizada pela consultoria Atlas aponta que o ex-presidente Lula venceria Jair Bolsonaro se as eleições presidenciais fossem realizadas hoje, com 44,9% dos votos válidos, contra 36,9% do ex-capitão.

Na verdade, é o que todos já sabem. Os votos do Bolsonaro, tanto no primeiro turno quanto no segundo é a mesma quantidade, ou melhor são os mesmos votos. Como no primeiro turno o restante dos votos serão divididos para muitos candidatos, o Bolsonaro está na frente de todos. Só que quando vai se fazer uma pesquisa de segundo turno, aí tudo muda, pois quase ninguém ou ninguém que vota em outro qualquer candidato, vota no Bolsonaro no segundo turno. Os que apoiam o ex- capitão, está na casa de 30%, tanto no primeiro como no segundo turno. Essa é uma matemática fácil.

Lula e Bolsonaro

Pesquisa realizada pela consultoria Atlas aponta que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) venceria Jair Bolsonaro se as eleições presidenciais fossem realizadas hoje. De acordo com o levantamento, Lula teria 44,9% dos votos válidos contra 36,9% de Bolsonaro. Na simulação de primeiro turno, porém, Bolsonaro venceria com 32,7% das intenções de voto, contra 27,4% de Lula.

Num cenário entre Bolsonaro e o ex-ministro Ciro Gomes, o pedetista também bateria o ex-capitão no segundo turno com 44,7% dos votos, contra 37,5%. O governador de São Paulo, João Doria (PSDB) estaria empatado tecnicamente, mas o jornal El País, que divulgou a pesquisa, não revelou os dados referentes ao tucano.

Já em cenário eleitoral em que a disputa se daria entre Luiz Henrique Mandetta (DEM) e Bolsonaro, o ex-ministro da Saúde  seria eleito com 46,6% dos votos válidos, contra 36,9% do ex-capitão.

Ainda segundo o El País, em uma simulação de primeiro turno, Bolsonaro também venceria  ex-ministro Sergio Moro (9,7%), Ciro Gomes (7,5%), Luiz Henrique Mandetta (4,3%), o governador paulista João Doria (4,3%) e o apresentador Luciano Huck (2,5%). E um cenário com Lula fora da disputa, o ex-prefeito Fernando Haddad aparece em segundo lugar, com 15,4%.

A pesquisa Atlas foi realizada por meio de  3.721 entrevistas por meio da internet e possui margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Com informação do 247

Já são nove os países que suspenderam aplicação da vacina da AstraZeneca contra Covid-19


Alastra-se pela Europa a onda de suspensão da aplicação da vacina da AstraZeneca contra a Covid-19. Depois de Dinamarca e Áustria, tomaram a mesma atitude Noruega, Islândia, Itália, ,Estônia, Lituânia, Letônia e Luxemburgo. O motivo é a possível formação de coágulos sanguíneos nos vacinados.

A informação pode afetar a já dramática situação do Brasil. O governo Bolsonaro, contrariando o que fizeram os demais governos do mundo, gastou R$ 2 bilhões em agosto de 2020 em uma única vacina, exatamente a da AstraZeneca.

Segundo o governo dinamarquês, a medida é preventiva para que se avalia a relação com a formação de coágulos sanguíneos nos vacinados.

A decisão na Dinamarca se deu após duas enfermeiras, de 49 e 35 anos, morreram depois de vacinadas com o imunizante da farmacêutica anglo-sueca. As vacinas faziam parte de um lote específico de 1 milhão de doses que foi distribuído a 17 países europeus.

A imunização no país será suspensa durante 14 dias, apontaram as autoridades sanitárias. Não foi dito se casos semelhantes ocorreram na Dinamarca.

As autoridades sanitárias norueguesas anunciaram a suspensão “cautelar” seguindo os passos da Dinamarca. “Na Noruega, estamos dando uma pausa na vacinação com a AstraZeneca. Estamos à espera de informações, para ver se há uma relação entre a vacinação e este caso de coágulos”, disse um alto funcionário do Instituto Nacional de Saúde Pública, Geir Bukholm, em entrevista coletiva.

A Agência Italiana de Medicamentos (Aifa) anunciou a suspensão do uso de um lote de vacinas (identificado como ABV2856) que já havia apresentado problemas na Áustria, em função da morte de uma enfermeira vacinada de 49 anos por “graves problemas de coagulação sanguínea”.

No entanto, a agência faz a ressalva de que, até o momento, “não foi estabelecido qualquer nexo de casualidade entre a administração da vacina e tais eventos”. “A Aifa está efetuando todas as checagens do caso, adquirindo documentações clínicas em estreita colaboração com as autoridades competentes”, acrescenta. O Instituto Superior da Saúde (ISS), órgão técnico-científico do governo italiano, vai analisar amostras do lote em questão.

A AstraZeneca já é alvo de críticas na União Europeia por causa dos atrasos nas entregas de vacinas, porém tanto a empresa quanto a agência de medicamentos da UE asseguraram sobre a segurança do imunizante.

A Astra Zeneca defendeu a segurança de seu imunizante, testado em ensaios clínicos rigorosos: “A segurança da vacina foi extensivamente estudada em ensaios clínicos de Fase III e dados revisados ​​por pares confirmam que a vacina é geralmente bem tolerada”, diz a nota da farmacêutica.

O imunizante em questão foi amplamente escrutinado por países da União Europeia, confusos pela divulgação de dados dos testes que mostram resultados não tão bons. Áustria, Estônia, Lituânia, Luxemburgo e Letônia também suspenderam o uso do imunizante.

A informação é do 247

GABINETE DO ÓDIO COORDENA ATAQUE DIGITAL CONTRA LULA


Desesperada, família Bolsonaro coordena disparo em massa de vídeo de Lula falando sobre covid.

Da Coluna de Juliana Dal Piva no UOL:
Carluxo passa muito tempo no celular – Foto: DIDA SAMPAIO/ESTAD¿O CONTE¿DO​

O senador Flávio e o vereador Carlos, filhos do presidente Jair Bolsonaro, estão desde ontem tentando posicionar uma defesa do pai em relação ao discurso do ex-presidente Lula. No início da manhã desta quinta-feira, os dois filhos mais velhos, em coordenação com integrantes do chamado gabinete do ódio, resgataram um trecho de uma entrevista do ex-presidente no ano passado.

Na ocasião, ao falar do papel do estado e da crise sobre a covid-19, Lula disse:

“Ainda bem que a natureza, contra a vontade da humanidade, criou esse monstro chamado coronavírus porque esse monstro está permitindo que os cegos enxerguem, que os cegos comecem a enxergar que apenas o Estado é capaz de dar solução a determinadas crises”, afirmou o ex-presidente em entrevista à revista Carta Capital, em maio do ano passado.

As primeiras postagens partiram de Carlos Bolsonaro, seguido imediatamente pelos demais. O disparo foi feito em diferentes redes. Tanto no Twitter, como nos canais da família Telegram.

De alma lavada, Lula volta ao jogo conquistando novas mentes e corações


Aquele que julgavam estar morto politicamente virou novamente o centro das atenções e, falando como chefe de Estado, fez dezenas de jornalistas do Brasil e do mundo o ouvirem atentamente por mais de 2 horas.

“Lula vai começar seu teatro”. Com frases como essa que a direita liberal e a bolsonarista reagiram à notícia de que Lula faria uma coletiva de imprensa logo após ter todos os seus processos da Lava Jato anulados e recuperado seus direitos políticos.

Se a coletiva de Lula realmente fosse um “teatro”, se trataria, então, de uma grande produção, visto a quantidade de câmeras e microfones da imprensa brasileira e internacional amontoados no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo, berço político do petista e o mesmo local que foi palco de sua entrega à prisão e também de sua recepção pós-cárcere.

No saguão do sindicato, mesmo com mais de meia hora para começar a entrevista, jornalistas já formavam uma longa fila para poderem participar da coletiva com aquele que, para parte de seus patrões nas redações, estaria morto politicamente.

Seria, então, um velório? Ao contrário. Somente uma pessoa muito viva fala por mais de 2 horas consecutivas mantendo a atenção constante dos presentes.

Lula falou de tudo e falou como chefe de Estado. Se disse feliz com a anulação de seus processos, mostrou-se estar, de certa maneira, com a “alma lavada” e, mesmo frisando a injustiça a que foi submetido, afirmou que seu sofrimento não é nada diante do sofrimento de milhões de brasileiros em meio à pandemia de Covid-19, crise econômica e falta de um governo.

“O Brasil não tem governo”, repetiu o ex-mandatário inúmeras vezes.
Sem script, como de praxe, o petista falou para todos. Da pandemia à crise social, da vacinação ao charlatanismo de Bolsonaro e de parte do setor evangélico, do papel da imprensa à imagem que hoje o Brasil tem no exterior.

A coletiva, por conta da Covid, foi destinada apenas a jornalistas e não contou com a tradicional militância que sempre acompanha o ex-presidente em seus pronunciamentos. Mesmo assim, Lula aproximava as pautas nacionais, como sempre fez, daqueles que o ouvia, quebrando o gelo com piadas e histórias que qualquer cidadão facilmente se identifica.

Não à toa que, mesmo escutando por horas sem fazerem perguntas, profissionais da imprensa se mantiveram atentos e reagiam com sorrisos olhares às informalidades de Lula.

Foi assim, por exemplo, que o ex-metalúrgico arrancou sorrisos dos repórteres e cinegrafistas ao contar de um episódio na prisão, quando recebeu de sua namorada, a Janja, uma garrafa térmica com sopa.

“Acho que a sopa continuou cozinhando dentro da garrafa, e ela não saia. Os caroços cresceram, acho que era lentilha, e eu não consegui tirar a comida. Mas eu fui puxando com a colher, dando tapa no fundo da garrafa térmica. Mas estava gostosa”, contou.

A história foi mencionada pois Lula falava, naquele momento, que não estava mais acostumado a dar grandes entrevistas devido ao tempo que passou na prisão sem poder falar com a imprensa. E, de fato, ficou nítido o tom de “novidade” no olhar de muitos dos jornalistas presentes diante das falas do ex-presidente, visto que boa parte de uma nova geração de repórteres passou os últimos 5 anos, desde quando se intensificou a cruzada judicial contra o petista, apenas ouvindo falar dele ou o vendo em manchetes de denúncias do Ministério Público. Continue lendo após publicidade.

A maneira como Lula cativa as pessoas, misturando assuntos sérios com “anedotas”, ficou clara em outra fala sobre seu período na cadeia. “A Janja mandava comida e muitas vezes chegava fria. Mas eu comia e não reclamava porque sabia que o povo estava passando fome lá fora. Eu esquentava porque tinha um negocinho de esquentar comida. Peão de fábrica sabe como esquentar marmita”, atestou, mais uma vez, despertando olhares sorridentes acima das máscaras de proteção.

E por falar em proteção contra a Covid, Lula ocupou a avenida abandonada por Bolsonaro ao incentivar a vacinação e dizer para a população não seguir nenhuma recomendação “imbecil” do presidente. Ele anunciou que vai se imunizar na próxima semana e “denunciou” a demissão do mascote das campanhas de vacina no Brasil, o Zé Gotinha, descontraindo o ambiente: “Nós vacinamos 80 milhões de pessoas durante na época do H1N1. E o Bolsonaro mandou até o Zé Gotinha embora… pensou que ele era petista. Ele era um humanista, suprapartidário. Cadê ele?! Acabou”.

Um outro momento em que Lula fez os jornalistas não conseguirem segurar o sorriso foi quando tratou da tese que vem sendo aventada pela direita e parte da centro-esquerda de que uma possível candidatura sua em 2022 geraria mais “polarização” e fortaleceria Bolsonaro. O petista afirmou, entre outras coisas, que “muitas vezes o analfabetismo político existe em pessoas que tem muitos anos de escolaridade” e que “o PT não pode ter medo de polarizar, ele tem que ter medo de não polarizar e ser esquecido”. E arrematou: “O povo com medo de polarização entre o PT e o Bolsonaro. Não precisa de polarização, elege logo o PT no primeiro turno”.

Ainda falando sobre as críticas da direita à retomada de seus direitos políticos, Lula também rebateu o apresentador Luciano Huck, cujo comentário sobre a anulação das sentenças do petista foi “figurinha repetida não completa álbum”. Mais uma vez, o ex-presidente usou do bom-humor.”O Huck, porra, o Huck tá jogando bafo, falando de figurinha? Fiquei tão chateado, um cara que considero bom de televisão, mas ele não conhece figurinha. Quando ele disse que figurinha repetida não vale nada, ele não sabe que uma figurinha repetida carimbada vale pelo álbum inteiro”, disparou Lula, sendo seguido por uma salva de palmas.

Lula está vivo e voltou ao jogo.

Pastor Malafaia publica VÍDEO desvairado contra Lula e recebe tonelada de críticas nas redes


A coisa mais difícil de se entender é um homem que é chamado de homem de Deus, conversar com tanto ódio no coração. Será que ele não tem acompanhado as falas do Moro com os Procuradores da República? Será que ele não consegue entender o óbvio? não acredita na farsa montada pela galera de Curitiba, cujo o chefe era o Moro? Abra o seu coração para deus atuar, Malafaia. Procure se conectar, pois as coisas vão mudar. o Brasil está entrando para uma nova página da sua história. Café com Leite.

O Pastor Silas Malafaia compartilhou um vídeo nas redes sociais nesta segunda-feira (08) comentando a decisão do ministro Edson Fachin, do STF, de anular todas as condenações do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pela Justiça Federal no Paraná em relação às investigações da Operação Lava Jato.

“Absurdo dos absurdos! Lula é condenado em 3 instâncias por unanimidade, e o ministro que foi cabo eleitora de Dilma, Fachin, o libera numa canetada só”, escreveu Malafaia ao compartilhar o vídeo.

No registro, o pastor, em crise de fúria, dispara uma frase desconexa após a outra, e defende o deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ), preso após atacar ministros do STF e fazer apologia ao AI-5.

Veja abaixo:

BRASIL TEM 2.286 MORTES POR COVID EM UM DIA, NOVO RECORDE


Coronavírus. Foto: Wikimedia Commons

O Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) divulgou novos dados de óbitos por covid no Brasil nesta quarta (10). As informações são desanimadoras na segunda onda da pandemia do novo coronavírus e as mutações da doença.

 

São 2.286 mortes em 24 horas. E são 270.656 óbitos acumulados no Brasil todo. 79.876 casos ocorreram no último dia, com 11.202.305 acumulados.

 

Mais de 11 milhões de casos e mais de duas mil mortes em um dia graças à política negacionista e suicida de Bolsonaro.

Veja mais informações no site oficial da Conass.

Globo se rende a Lula e diz que Bolsonaro usou máscara por causa do ex-presidente


Lula, William Bonner e Renata Vasconcellos

O Jornal Nacional  desta quarta-feira (10) destacou o discurso histórico do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo.

Em uma reportagem de cerca de 12 minutos, o JN destacou vários trechos de falas em que Lula reafirma sua inocência, denuncia as ilegalidades do ex-juiz Sérgio Moro e dos procuradores da Lava Jato, e sobre a pandemia do novo coronavírus. Lula criticou a política de acesso às armas, a política econômica e o desemprego.

Na mesma edição, o Jornal Nacional noticiou a mudança de comportamento de Jair Bolsonaro em reuniões públicas, passando a usar a máscaras, e que sua mudança ocorreu horas após o pronunciamento de Lula, que estava usando máscara.

Trágico: Garoto achado morto em freezer ficou preso no aparelho ao se “refrescar”, diz a Polícia


Investigação apontou morte José Eduardo Rosa, 15 anos, causada por mal súbito, acompanhada do uso inicial de anabolizantes e asfixia.

A polícia descarta crime na morte de José Eduardo Rosa, 15 anos, encontrado morto dentro de um freezer no dia 11 de janeiro, na Vila Adelina, em Campo Grande. Responsável pelo caso, a delegada Elaine Benicasa eliminou qualquer possibilidade de latrocínio, homicídio ou suicídio. O caso está como morte a esclarecer, mas a investigação apontou morte por mal súbito, acompanhada do uso inicial de anabolizantes e asfixia. A família tinha histórico de hipertensão.

 

Foram dois meses de investigação, envolvendo análises sucintas de computadores, celulares, redes sociais e oitivas na vizinhança. A família não sabia que o adolescente participava de um grupo de academia sobre o uso de anabolizantes e que, nos dias seguintes, iniciaria os treinos. Segundo o site Vitória da Conquista Notícias apurou com o portal Top Mídia News, as investigações apontam que o garoto foi encontrado sentado dentro do freezer porque transformou o local em uma piscina. Naquele dia, ele tinha colocado água no local e ajeitado para usar o notebook e o celular numa mesa de madeira.

 

A delegada também pontuou que não há registros da entrada de ninguém na casa no período que ele ficou sozinho. Também não há sinais de subtração de objetos na casa da avó, nem luta corporal. Na investigação não deu para coletar muita coisa por causa do corpo estar em estado de putrefação. Mas a perícia percebeu que as mãos e pés estavam enrugados e a borracha do freezer estava molhada. Há também a hipótese do choque, por causa do notebook estar ligado na tomada do freezer e muito próximo da água. Mas é a opção menos provável. A família relatava que ele sentia muito calor, por isso pode ter sido o mal súbito. A tampa do freezer acabou se fechando com o garoto dentro e também ocasionou a asfixia. José Eduardo passou a usar os anabolizantes para se sentir “mais apresentável”, já que era alto e obeso. Vitoria da Conquista Notícias

 

 

Mais de 178 mil doses de vacina contra a Covid-19 chegam à Bahia e começam a ser distribuídas


Mais de 178 mil doses de vacina contra a Covid-19 chegam à Bahia e começam a ser distribuídas
Crédito da Foto: divulgação/SSP-BA
Uma nova remessa de vacinas contra a Covid-19 chegou à Bahia na noite desta terça-feira (9/3). Trazidas em um voo comercial que pousou no aeroporto de Salvador às 23h10, as 178.600 doses do imunizante produzido pelo Butantan começaram a ser distribuídas para o interior do estado na manhã desta quarta-feira (10/3). Este é a sétimo envio que chega ao estado. Com esta carga, a Bahia totaliza 1.289.800 doses recebidas, entre Coronavac e Oxford, desde o dia 18 de janeiro, quando chegou a primeira remessa.

As vacinas são enviadas para o interior pelo Grupamento Aéreo da Policia Militar, após a organização das doses feita pela equipe da coordenação de imunização do estado. Elas serão encaminhadas para as centrais regionais no interior da Bahia, de onde serão despachadas para os municípios.

Segundo a coordenadora de imunização do Estado, Vânia Rebouças, somente os municípios que já utilizaram 85% das doses anteriormente recebidas terão nova remessa. Ela explica que esta decisão foi definida em reunião da CIB (Comissão Intergestores Bipartite – instância que reúne representantes das secretarias municipais de saúde e da Secretaria da Saúde do Estado). “Metade das doses que seria enviado para os municípios que não cumpriram a meta serão redistribuídos para aqueles que já tiverem utilizado mais de 90%. A outra metade ficará armazenada na Central Estadual de Armazenamento e Distribuição de Imunobiológicos da Secretaria da Saúde do Estado. Esta estratégia não foi uma imposição da Sesab e sim uma deliberação feita de forma conjunta com os municípios”, afirma.

Esta nova remessa dará possibilidade de que continue sendo imunizado o público alvo da primeira fase do plano de vacinação contra Covid-19. “Ficou também definido em CIB que aqueles municípios que conseguirem alcançar as metas da primeira fase, poderão ampliar a aplicação das doses para idosos de 70 anos ou mais, de forma decrescente de idade”, aponta Vânia Rebouças.

O secretário da Saúde do Estado, Fábio Vilas-Boas destaca que o Estado tem feito um apelo adicional para que os municípios ao receberem as doses, utilizem elas em até 48 horas. “Quanto mais rápido a gente vacinar, menos pessoas vão contrair a doença e menor será o número daquelas que vão precisar de leitos de UTI”, pontua.

DISTRIBUIÇÃO

Helicópteros e aviões da Secretaria da Segurança Pública e da Casa Militar do Governador (CMG) iniciaram, às 5h30 desta quarta-feira (10), o transporte aéreo de mais 177 mil vacinas contra a covid-19. Os imunizantes foram encaminhados para 20 cidades da Região Metropolitana de Salvador (RMS) e do interior do estado.

Dois helicópteros e cinco aviões do Grupamento Aéreo (Graer) da Polícia Militar e da CMG foram empregados, na 7ª fase da Operação de Distribuição de Vacinas. Além do transporte, a SSP, através das polícias Militar e Civil, além do Corpo de Bombeiros, atua também na guarda e escolta dos imunizantes contra o novo coronavírus.

“As vacinas chegaram no final da noite de ontem e já estão sendo encaminhadas. Importante destacar o empenho dos policiais envolvidos nessa importante missão e também dos servidores estaduais e municipais da Saúde”, enfatizou o secretário da Segurança Pública, Ricardo Mandarino. Aratuon

Governo da Bahia inicia distribuição das vacinas contra Covid-19 aos municípios


Os imunizantes chegarão em 20 cidades da Região Metropolitana de Salvador (RMS) e ao interior do estado

[Governo da Bahia inicia distribuição das vacinas contra Covid-19 aos municípios]
Foto : Alberto Maraux

Aeronaves da Secretaria da Segurança Pública (SSP) e da Casa Militar do Governador (CMG) começaram, no início da manhã de hoje (10), a transportar mais de 177 mil vacinas contra a Covid-19. Os imunizantes chegarão em 20 cidades da Região Metropolitana de Salvador (RMS) e ao interior do estado.

Foram utilizados para a distribuição das doses dois helicópteros e cinco aviões. Os lotes estão sendo escoltados pela SSP, através da das polícias Militar e Civil, além do Corpo de Bombeiros.

“As vacinas chegaram no final da noite de ontem e já estão sendo encaminhadas. Importante destacar o empenho dos policiais envolvidos nessa importante missão e também dos servidores estaduais e municipais da Saúde”, afirmou o secretário da Segurança Pública, Ricardo Mandarino. Metro1

Globo rifa Moro e abre espaço a Gilmar para detonar ex-juiz no JN


Do DCM

Nesta terça-feira (09), o Jornal Nacional rifou Sergio Moro ao destacar a fala do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, no julgamento da suspeição do ex-juiz contra Lula.

Em reportagem longa, a edição intercalou trechos do voto do ministro e comentários dos âncora William Bonner e Renata Vasconcellos.

Gilmar Mendes havia suspenso o julgamento até trazer de volta a pauta hoje, um dia após o ministro Edson Fachin, também do STF, anular todas as condenações contra o ex-presidente e assim restabelecer seus direitos políticos.

Bonner destacou que Mendes iniciou seu voto fazendo um histórico crítico da atuação de Sergio Moro no julgamento do caso Banestado e também que o ex-juiz já foi considerado parcial pela própria 2.ª Turma do STF.

William Bonner e Renata Vasconcellos em edição do JN que rifou Moro

“A histórica recente do Poder Judiciário ficará marcada pelo experimento de um projeto populista de poder político, cuja tônica se assentava na instrumentação do processo penal, na deturpação dos valores da Justiça e na elevação mítica de um juiz subserviente a um ideal feroz de violência às garantias constitucionais do contraditório, da ampla defesa, da presunção da inocência e principalmente da dignidade da pessoa humana”, afirmou o ministro.

“O resumo da ópera é: você não combate crime cometendo crime. Ninguém pode se achar o ó do borogodó. Cada um terá o seu tamanho no final da história. Calcem as sandálias da humildade. Eram as palavras daquele que vos fala em dezembro de 2016. Na presença dos membros da Lava Jato e do juiz Sergio Moro”, disse Mendes em outro trecho destacado pela Globo.

O Jornal Nacional repercutiu a fala do ministro na qual ele destaca que, quando chegou ao STF, era considerado um opositor do governo do Partido dos Trabalhadores.

“O magistrado [Sergio Moro] gerenciava os efeitos da exposição midiática dos acusados. A opção por provocar e não esperar ser provado garantia que o juiz estivesse na dianteira de uma narrativa que culminaria na consagração de um verdadeiro projeto de poder que passava pela deslegitimação política do Partido dos Trabalhadores, em especial o ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva, a fim de afastá-lo do jogo eleitoral”, apontou Mendes durante seu voto.

Também foram incluídos na edição trechos nos quais o ministro Gilmar Mendes fala sobre o conteúdo das mensagens da Operação Spoofing, que revelam as ilegalidades cometidas por Moro. “A parcialidade de Moro pode ser aferida mesmo sem levá-las em consideração”, afirmou.

General da reserva ameaça ruptura após decisão de Fachin favorável a Lula


General da reserva Luiz Eduardo Rocha Paiva

Por Jeferson Miola – O Clube Militar publicou o artigo “Aproxima-se o ponto de ruptura”, do general da reserva Luiz Eduardo Rocha Paiva, no qual o ex-comandante da Escola de Comando e Estado-Maior do Exército se permite condenar duramente “a nefasta decisão” do ministro do STF Edson Fachin que anulou as condenações do ex-presidente Lula pela Lava Jato.

O texto foi publicado depois da manifestação de outro general, Eduardo José Barbosa, que presidente o clube de reservistas das Forças Armadas, em que ele escreve que “lugar de ladrão é na cadeia… Mas, não no Brasil” e indaga: “alguém acredita que algum desses processos chegará a transitar em julgado (depois de centenas de recursos) com o ‘paciente’ vivo?”.

Na visão do general, “foi uma bofetada na cara da Nação Brasileira” que “arremessou no lixo a Operação Lava Jato e, com ela, a esperança da sociedade num futuro mais digno”.

Referindo-se a Lula como “uma criatura deplorável”, Rocha Paiva diz que a decisão de Fachin “escandalizou o Brasil e causou um choque brutal em nossa autoestima, orgulho e confiança no País”.

O general entende que cabe ao povo brasileiro “pressionar na mídia e nas instituições e organizações, mas principalmente nas ruas, de forma ordeira, firme, resoluta, sem descanso e sem retrocessos, por uma reviravolta nessa situação que é motivo de vergonha nacional”.

Acusando o STF de “ferir de morte o equilíbrio dos Poderes”, Rocha Paiva ameaça: “chegaremos ao ponto de ruptura institucional”. Fazendo uma interpretação deturpada do artigo 142 da Constituição, ele afiança que “nessa hora [da ruptura], as Forças Armadas (FA) serão chamadas pelos próprios Poderes da União, como reza a Constituição”.

Atribuindo às Forças Armadas um papel de facção político-partidária armada que afronta o ordenamento jurídico do país, o general pergunta: “Em um conflito entre Poderes, a qual deles as FA se submeterão?”.

E responde: “Com certeza, ficarão unidas e ao lado da Nação, única detentora de sua lealdade. Que a liderança nacional tenha isso em mente”.

Com informação do 247

Conheça os juízes que podem decidir o rumo das ações penais de Lula no DF


Lula. Foto: Ricardo Stuckert/Fotos Públicas

Publicado originalmente no site Brasil de Fato

Depois da anulação dos atos processuais da Lava Jato de Curitiba contra o ex-presidente Lula (PT), a Justiça Federal do Distrito Federal decidirá o que fazer com o conjunto de informações levantadas nos processos referentes ao triplex do Guarujá, ao sítio de Atibaia e ao Instituto Lula.

Quatro juízes, de duas varas diferentes, poderão ser sorteados para dar encaminhamento aos processos ou anulá-los completamente, em meio a evidências de irregularidades e parcialidade na atuação dos procuradores da operação e do ex-juiz Sergio Moro.

Ao retirar os processos de Curitiba na última segunda-feira (8), o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), não especificou se um único juiz deverá decidir o rumo de todos os processos, ou se mais de um magistrado pode ser sorteado. Também não foi definida uma data para a distribuição desses processos, que deve ocorrer nos próximos dias.

Um dos juízes que pode receber os processos contra Lula, Vallisney de Oliveira, é considerado “linha dura”. Foi ele quem tornou o ex-presidente réu após denúncia de corrupção passiva no âmbito da operação Zelotes, em setembro de 2017.

Vallisney, que atua na 10ª Vara Federal, condenou o ex-deputado Cunha a 24 anos e 10 meses de prisão em 1º de junho, em processo que apurou um esquema de propinas em contratos da Caixa Econômica Federal.

O magistrado é um entusiasta do trabalho de Moro e da Lava Jato de Curitiba e elogiou, ao final de 2018, a escolha do ex-juiz para o Ministério da Justiça e Segurança Pública do governo Bolsonaro.

“Ótimo nome. Tem todos os méritos para o cargo. Excelente juiz, bastante conhecedor do sistema penal brasileiro, doutor em Direito Constitucional. Espero vê-lo mais adiante também no nosso Supremo Tribunal Federal”, disse ao jornal O Estado de S. Paulo.

Outro juiz que deve participar do sorteio é Ricardo Leite, substituto na mesma vara de Vallisney, que conduz a operação Spoofing. Por decisão própria, em 2017, ele determinou a suspensão do funcionamento do Instituto Lula sem qualquer condenação ou comprovação de irregularidades.

Por outro lado, em 2018, Leite foi responsável pela primeira absolvição de Lula no âmbito da Lava Jato. O magistrado apontou falta de provas contra Lula e outros seis réus em ação que apurava um suposto esquema para tentar “comprar o silêncio” do ex-diretor da área Internacional da Petrobras, Nestor Cerveró.

Já o juiz Marcus Vinicius Reis Bastos, da 12ª Vara Federal, que também pode ser sorteado, é conhecido pelos colegas como “garantista”. Ou seja, cumpre à risca os direitos constitucionais dos acusados e respeita o princípio da presunção de inocência.

Bastos absolveu, por exemplo, o então presidente Temer (MDB) por suposta compra de silêncio do ex-presidente da Câmara Cunha (MDB-RJ), a partir de gravações feitas pelo empresário Joesley Batista, da JBS.

No início de 2021, o magistrado ainda anulou as provas obtidas na operação Carbonara Chimica, 63ª fase da Lava Jato, que apurava suspeita de propina aos ex-ministros da Fazenda Antônio Palocci e Guido Mantega, nos governos PT, em troca da edição de medidas provisórias favoráveis à Odebrecht.

O juiz Bastos considerou, em decisão semelhante à de Fachin, que a operação Carbonara Chimica foi determinada por “juízo incompetente”, e portanto as provas não teriam validade.

A substituta da 12ª Vara, Pollyanna Kelly, também participará do sorteio. Ela foi a juíza responsável pela operação Panatenaico, que apurou corrupção nas obras do Estádio Mané Garrincha, em Brasília (DF), e atuou como relatora da operação Registro Espúrio, que investigou esquema de favorecimento a sindicatos no extinto Ministério do Trabalho. Nesse último caso, ela tornou réus o ex-deputado Roberto Jefferson (PTB), hoje aliado de Bolsonaro, e outros 19 denunciados.

Em janeiro de 2021, Kelly arquivou inquérito da Lei de Segurança Nacional contra Marcelo Feller, advogado que fez críticas a Bolsonaro ao vivo na emissora CNN.

O ex-presidente Lula nunca foi condenado, em nenhuma instância, em nenhuma ação que não tenha se originado na Lava Jato de Curitiba.

Lewandowski acompanha Gilmar pela suspeição de Moro contra Lula


 

 O ministro Ricardo Lewandowski, da Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF), votou nesta terça-feira, 9, pela suspeição do ex-juiz da Lava Jato de Curitiba, Sergio Moro, acerca dos processos contra o ex-presidente Lula (PT). Assim, já são dois votos pela suspeição do ex-juiz; Gilmar Mendes também foi favorável à suspeição.

Votou contra o ministro Edson Fachin, que mais cedo tentou uma manobra para que o caso não fosse julgado nesta terça pela Corte, enquanto o ministro Kássio Nunes Marques, indicado por Jair Bolsonaro ao STF, pediu vista para analisar o processo.

Diante do pedido de vista de Nunes Marques, a ministra Cármen Lúcia optou por aguardar o voto do colega para, aí sim, declarar o seu próprio voto. Com isso, o placar fica indefinido.

Com informação do 247