As contrárias visões da sociedade brasileira sobre a situação atual do Brasil. Por Walter Salles


Por Walter Salles: Para muitas pessoas que vêm acompanhando a história do Brasil há muito tempo, ou melhor, há muitas décadas, têm observado cada momento da história, o retrocesso da comunicação, o que é ou não conveniente à mídia e ao poder, e assim vai se tocando a história mal contada do Brasil.

Enquanto muitos percebem que as coisas andam fervendo e os escândalos sendo acobertados, outros se preocupam apenas em dizer amém em todas as atitudes do presidente Bolsonaro, como se uma medida errada não fosse cair sobre todos estes defensores do homem.

A reforma da previdência não mexeu nos grandes, deixando assim bem claro que os pequenos vão continuar pagando caro para os grandes não serem atingidos.

O cidadão de bem, que mora no campo e passa quase a sua vida toda no trabalho pesado, na lida da lavoura, onde muitos começaram a trabalhar com menos de 12 anos, vão ter que trabalhar até os 67, (O Rodrigo Maia disse que o homem pode trabalhar até os 80 tranquilamente), enquanto um deputado que nem vou dizer aqui o que mais gosta de fazer lá em Brasília, pelo menos boa parte, com dois ou três mandatos estão se aposentando e levando uma fatia grande de dinheiro que sai do suor do trabalhador. O que vai ser mudado para essa classe? O que esperar do futuro deste país se não ajudar o pequeno?

O ódio e a rivalidade continua

Não é preciso lembrar que a última campanha foi regada de ódio e regrada de bom senso, para que o depois, já não importando quem ganhou, pudesse ser  mais saudável.

Infelizmente, boa parte do povo não está conseguindo vê a gravidade de tudo isso. Outro dia uma pessoa me perguntou se esse comportamento do povo que votou em Bolsonaro, naturalmente a maioria, se é “tietisse” mesmo, se faz algum sentido ou se é realmente burrice? Respondi que nem uma das três coisas. Que trata-se de um povo de boa inteção, mas que foi atingido por uma avalanche de algo que ainda não sei o nome, só sei que está ligada à nova forma de se comunicar, que são as redes sociais, onde tudo cai de graça no celular de cada um, sem nenhum tipo de fiscalização, onde os maus caráter não se importam de mexer de forma tão perversa na cabeça de pessoas simples, que de tão simples acreditaram em tudo que viram e vêem no celular e continuam acreditando. Quando para muitos, que viram aquela foto da camiseta da Manuela D’ávila, por exemplo, onde a original tinha uma frase escrita (Rebele-se), que apagaram a palavra rebele-se e escreveram (Jesus é travesti), uma pequena parte foi  investigar e descobriu a fraude, só que uma quantidade muito maior diziam: “quem vai votar num candidato que a sua vice sai vestida com uma camiseta assim”?

Foi essa avalanche que fez uma espécie de arrastão por todos os cantos do país e continua fazendo. Hoje o povo vive mostrando pesquisas que não saem na mídia televisiva; mostram depoimentos de Boris Cazoi, também falando coisas que não condiz; mostram texto que o Lulu Santos colocou que não é verídico e assim a enxurrada gigante continua levando tudo que há na frente.

A verdade é que diante das medidas tomadas até agora, por parte do governo, atestam que a classe trabalhadora e de menor renda, vai penar um pouco, pois até agora ainda não apareceu uma única medida que venha favorecer a classe trabalhadora deste país.

A verdade é que o povo brasileiro, sobretudo a classe menos favorecida, é de boa qualidade e toca a vida acreditando que essa é a vez do Brasil. Eu gostaria de estar redondamente enganado e que todos esses que eu tenho falado que foram tocados pelo vírus, estejam certos. O difícil é achar caminhos pra enxergar. Esse país precisa parar de ser quintal de americanos e tocar a vida pra frente com independência e moral. Riquezas naturais e um povo bom para sermos assim, o Brasil tem de sobra.

Mas, me diga aí… com essa obediência ao Tramp, a ponto de bater continência para a bandeira americana e querendo invadir a Venezuela atendendo ordens dos EUA, mostra que estamos a caminho da independência? Um abraço a todos!