Após intervenção de Bolsonaro, Petrobras tem 2ª maior perda de valor de mercado em um dia


Maior companhia do Brasil, a Petrobras sofreu nesta segunda-feira (22) a segunda maior perda de valor de mercado em um único dia nas negociações da Bolsa desde o Plano Real. A queda foi de R$ 74,2 bilhões. E acontece depois da intervenção de Jair Bolsonaro (sem partido) na empresa. Na última sexta-feira (19), ele anunciou que o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, seria substituído pelo general da reserva Joaquim Silva e Luna, que era diretor-geral da Itaipu.

As ações preferenciais da companhia, que são as mais negociadas, desabaram 21,51%. As ordinárias, com direito a voto, caíram 19,96%.

A estimativa de R$ 74,2 bilhões foi elaborada pela XP Investimentos. Desde sexta-feira, a estatal já acumula quase R$ 100 milhões de perda de valor de mercado com a desvalorização de seus papeis na Bolsa brasileira.

A troca no comando da estatal foi anunciada depois de Bolsonaro criticar o aumento sucessivo nos combustíveis, em política comandada pela Petrobras. O titular do Planalto estava incomodado com a pressão popular por causa dessas altas. Neste ano, já foram anunciados quatro aumentos, o último na quinta-feira (18).

Gabriele também falou a respeito: 

Gabrielli: Preços de combustíveis são apenas uma pequena peça da destruição da Petrobras

Se a Presidência da Petrobras será mudada, qual o futuro das privatizações de refinarias e da política de preços?

Será que o presidente Bolsonaro resolveu dar uma reviravolta na sua política privatista e voltada para o mercado, intervindo na direção da Petrobras, demitindo seu presidente, muito ligado ao ministro Guedes e defensor de uma política de mercado para privatização acelerada e preços internacionais instantâneos na companhia?

Com informações da Revista Fórum