Ameaçado, jornalista que denunciou ‘Dia do Fogo’ afirma ter medo de morrer


Jornalista Adécio Piran tem escolta policial 24 horas por dia após denunciar o Dia do Fogo em Novo Progresso, no Pará – Divulgação/arquivo pessoal

Reportagem de João Valadares na Folha de S.Paulo informa que, dono de um pequeno jornal que circula quinzenalmente em Novo Progresso, município paraense de 27 mil habitantes às margens da BR-163, o jornalista Adécio Piran, 56, teve sua vida revirada nas últimas semanas. “Tenho medo de morrer”, diz. Piran passou a sofrer ameaças em grupos de WhatsApp e difamações em panfletos distribuídos nas ruas com sua imagem, após ter denunciado que produtores rurais locais haviam organizado o Dia do Fogo. O município, a 1.650 km de Belém, é dominado por grupos de madeireiros. Nesta segunda-feira (2), conseguiu retomar a rotina de trabalho. Agora, acompanhado de uma escolta da Polícia Militar. “Tem que ser, né?”

De acordo com a publicação, Piran nasceu em Medianeira, no Paraná e, há 30 anos, teve que se mudar para Novo Progresso. O pai havia sido despejado de sua terra e conseguiu um lote do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) no interior do Pará, próximo à divida com Mato Grosso. Novo Progresso, um dos recordistas em queimadas, tem um passado histórico de conflito entre índios, garimpeiros, madeireiros e produtores rurais. Piran nunca desempenhou outra atividade profissional na vida a não ser o exercício jornalístico. Estudou no Paraná e, após chegar a Novo Progresso, resolveu há 22 anos abrir seu próprio jornal, que possui uma página atualizada diariamente na internet. Em 2014, se envolveu em uma confusão ao filmar uma ação truculenta da Polícia Militar na abordagem de torcedores que estavam no meio da rua retornando de um evento esportivo. “Tive a câmera confiscada. Já houve alguns problemas com políticos da região, o que também é normal. Nada além disso”. O jornal se mantém com anúncios de comerciantes locais e empresas de pequeno e médio porte. “Fizemos uma matéria para anunciar o que iria ocorrer. Esta área aqui é recordista em focos de incêndio. Essa divulgação ganhou proporções nacionais e internacionais”, diz o jornalista.

Ele relata que começou a sofrer ameaças logo após publicar informações sobre o Dia do Fogo, quando Novo Progresso registrou um aumento de 300% no número de incêndios, na comparação com o dia anterior. Nesse dia foram verificados 124 episódios de fogo, um recorde de ocorrências até então. No dia seguinte, 11 de agosto, o número de focos saltou para 203. Nos primeiros dias de agosto, a cidade conviveu com uma densa nuvem de fumaça. “Trabalhamos numa região que diversificada em vários aspectos. Temos aqui área de proteção ambiental, garimpeiro, fazendeiro, produtor rurais e o especulador de terra. Tudo isso aqui misturado”, completa a Folha.