A eleição e o voto de protesto: Por Walter Salles


Resultado de imagem para foto de haddad e bolsonaro

 

Café com Leite Notícia: Quando o Tiririca se candidatou, na eleição passada, quem nele votou sabia que estava dando-lhe um voto de protesto contra as barbáries dos parlamentares de Brasília que se diz intelectuais, e estavam lá “representando” o povo, mas que no entanto trabalhavam em benefícios próprios. Foi então que votar no Tiririca naquele momento, ia significar dizer que já que a câmara dos deputados virou uma palhaçada, então vamos logo votar num palhaço.

Só que desta vez o que está acontecendo é algo parecido, porém muito mais perigoso. O Bolsonaro surgiu de uma troca de ódio entre direita e esquerda. Não que o Bolsonaro não tenha direito de ser candidato a presidência da República, claro que tem. Afinal, ele tem 27 anos de deputado federal, embora sem projetos.

O que é mais preocupante na atual circunstância, é que, diferente de votar em Tiririca, que as pessoas sabiam que estavam dando ali um voto de protesto, hoje, boa parte do eleitorado, está planejando dar um voto de protesto no escuro e inconsciente; é um voto de protesto contra o descaso que vem acontecendo no Brasil e revoltando os brasileiros. A palavra corrupção, por exemplo, tem sido muito falada nos últimos anos e tudo isso foi criando na cabeça do eleitor uma espécie de coisa generalizada nos políticos. Todos os outros políticos não representam quase nada, mas o Bolsonaro que chegou com um discurso meio indigesto, com capim nas mãos dizendo que era o alimento dos eleitores de Lula, brigou com mulher e fala em distribuir armas, vem crescendo na opinião popular. Não é meio parecido com o caso Tiririca?

A verdade é que Brasil e brasileiros estão vivendo numa corda bamba e vão ter que cair pra direita ou pra esquerda.

A esquerda, pelo seu perfil, quer trabalhar pelo mais pobre. Mas, de acordo aos evangélicos, boa parte, o Bolsonaro que mostrou o capim dizendo ser o alimento dos eleitores de Lula, também fala em distribuir armas e faz apologia a violência, esse representa Deus. Já o Haddad que quer levar livros para quem não tem, bem como condição do mais sofrido poder ser um cidadão de bem no futuro, representa o capeta na opinião de uma grande maioria dos evangélicos. Isso é absurdo de ser pregado e impregnado nas cabeças dos brasileiros. O Bolsonaro na verdade, representa a extrema direita e o Haddad a extrema esquerda. Só isso. Simples assim. Só que a esquerda já provou que a sua principal finalidade é fazer o pobre deixar de ser mais pobre e começar a consumir, para então as águas do rio desemboquem nos ricos. É o efeito contrário do que se costuma fazer.

Mas eu gostei do termo corda bamba e quero falar um pouco disto. O Brasil e brasileiros estão se sentindo realmente numa corda bamba. Sentem que vão caí a qualquer momento, mas não sabem se para direita ou para esquerda. Seguidores da direita dizem com convicção: cai aqui! Pois aqui é o lado que pertence a Deus. E ainda completam: do outro lado está a parte do cão de chifre. Enquanto isso os seguidores da esquerda mostram outros motivos mais atraentes para provar que o caminho é o de ajudar os mais pobres e alavancar o Brasil ao invés de vendê-lo. Pois é…e assim vão seguindo as campanhas nas pregações que apontam inferno e céu. O eleitor indeciso em meio a esse fogo cruzado só vai dificultando a sua decisão.

 

 Essa matéria já estava sendo concluída quando a TV Globo, pra variar, solta o seu veneno e o seu ódio sobre o povo brasileiro, numa parceria com o Juiz Moro, fazer ir ao ar a delação premiada de Palocci, totalmente fora de órbita, numa nítida comprovação de que querem a qualquer custo fazer o ódio vencer o amor. Essa foi uma das maiores covardias que já vi de um Juiz, que se aliado a uma emissora mercenária, que está encalacrada de problemas judiciais, solta um assunto que foi recusado pelo Ministério Público, por falta de provas, sobretudo por ser uma fala de um preso desesperado, que recebeu muitas vantagens pra falar contra uma pessoa que no momento se encontra preso, que até que se provem o contrário, é um preso político, é um preso inocente. 

Mas voltando a falar sobre o voto em Bolsonaro ser de protesto, é que um candidato sem muito argumento, sem coligação, ausente devido ao atentado, com algumas correntezas contra, o fato dele ter 30 % dos votos já é considerado um fenômeno, porém, nem um cientista político e que estude campanhas vai saber explicar essa subida do candidato.

O apresentador Ratinho, do SBT, num pate papo com outro apresentador, o Datena, ele disse que agora ia votar num doido, já que votou em gente certa a vida toda e não teve bom resultado, ia ver se um doido poderia dar jeito nesse país. Isso é um voto de protesto ou não é?. E o seu voto? também não está sendo um voto de protesto? Aí é que mora o perigo: pois não se trata de um candidato a deputado, mas sim de um candidato a presidência da república.